A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » A Solidão a dois Vicia ?

A Solidão a dois Vicia ?

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 28 de abril de 2012 | 23:28



Cazuza foi extremamente feliz ao cantar que a "solidão a dois vicia".

Acho que esta frase define muito bem este tipo de relacionamento, onde duas pessoas convivem sem amor, sem ódio, sem desejos, apenas por inércia

Existem muitos casais que dividem a solidão sob o mesmo teto. Não há diálogos, companheirismo, afeto e nem mesmo raiva! Eles simplesmente se acostumaram um com o outro. E vão vivendo como dois estranhos, que apesar de estarem juntos, parecem ocupar dimensões diferentes.

Sabe aqueles casais que já criam os filhos, que passam os finais de semana em frente da televisão, sem trocar uma única palavra? Ou então aqueles namorados que há muito deixaram de se amar, mas que permanecem atrelados um ao outro como duas âncoras? 


Que já não sabem nem por que estão juntos e não sabem como terminar a relação ?

Então, será que sua vida não está caminhando na mesma direção?

Por exemplo, quando vocês saem juntos, para dar aquela esticadinha no parque, tomar um sorvetinho, por acaso conversam? Aposto que mal dá para contar nos dedos as palavras que trocam. E se ele não está por perto, por acaso você sente alguma falta?

E quando ele aparece não faz muita diferença, já que ele é tão insignificante que nem faz sombra?

Talvez você se pergunte se isto é falta de amor, e até tente se enganar dizendo que é apenas uma fase.Sim, todos passamos por fases, mas se as coisas já estão mortas há tanto tempo, se nem raiva consegue sentir dele, pode apostar que tudo caminha para a acomodação.

O maior perigo é deixar que este comodismo acabe  os deixando anestesiados.

Sim, porque nós precisamos sentir alguma coisa por outra pessoa, nem que seja qualquer sentimento.Se não sentimos nada, se esta pessoa "não fede e nem cheira", então infelizmente ela morreu em nossos corações.

Há quanto tempo vocês não conversam ? Ha quanto tempo não sente mais a falta um do outro ?

E por acaso é normal a gente não sentir falta de quem amamos!?

Não!Quem ama quer conversar, saber o que a outra pessoa sente. Quem ama quer escutar o que o outro tem a dizer, e até se encanta ao ouvir o som de sua voz.



O silêncio em um relacionamento não é sinônimo de harmonia ou entendimento, mas de que alguma coisa vai muito mal, mas muito mal mesmo.

Como casais podem se comportar como dois estranhos ?
Tem casais, que a gente olha e vê duas pessoas sem brilho, sem vida, dois defuntos que respiram, um ao lado do outro, sem emitirem um único som.

Eu não converso mais porque sempre termina em briga e não nos entendemos,então, para evitar discussões, prefiro calar e ir vivendo um dia após o outro.

Se o casal chegou ao ponto de "pisar em ovos" para evitar discussões, então é porque as coisas se acumularam explosivamente de tal forma, que basta uma faísca para detonar uma bomba! Sim,os dois têm muitas coisas mal resolvidas e que se acumularam.

A solidão vivida a dois pode ser evitada

Dizem que a década de 90, caracterizou-se pela solidão das pessoas.Solidão essa sentida, sofrida, reclamada, agoniada. Solidão vivida por pessoas sempre rodeada de outras, solidão vivida a dois (ou mais).

Solidão que poderia ser amenizada se o diálogo e a tolerância pudessem fazer parte da vida. Mas como tem sido difícil dialogar, escutar, tolerar, conviver.

No início do relacionamento de um casal, o encantamento é o que impera: Um se encanta com a aparência do outro, com a maneira como o outro fala, como o jeito como o outro pensa, como a forma como vê o mundo e enfrenta a vida. Enfim, o encanto dirige o olhar para as qualidades e o desvia dos defeitos.

A relação se mantém por causa daquelas qualidades, e é por elas que as diferenças são relevadas, os conflitos apaziguados.

Mas o encantamento um dia termina, e, para muitos casais, essa é a hora do pesadelo: saem de cena as qualidades, entram em cena os defeitos. Se, antes, cada um via no outro aquilo que queria e de que gostava, agora passa a ver o que o desagrada, importuna, incomoda, o que falta, e o que irrita.

Não é incomum que apareçam, então, as picuinhas: A toalha largada em local inadequado, o excesso de zelo com a arrumação da casa, a roupa desalinhada, a saia mais justa, a dose a mais de bebida durante o almoço, o tom um pouco mais elevado da voz, o esquecimento de alguma data considerada importante, a TPM, etc...Tudo isso, e muito menos, vira motivo para briga, raiva, dissabor, mágoa, ressentimento, desilusão de um com o outro.


E é nessa hora que pode começar a solidão vivida a dois

Para evitar as brigas, ou depois de muitas brigas, cada um procura o espaço menos desconfortável possível nesse relacionamento, e os dois passam, então, a conversar apenas com seus próprios botões.


Claro que isso gera um relacionamento aparentemente sem conflitos, pois as discussões desaparecem, mas o que parece ser harmonia nada  mais é do que a solidão de cada um deles, que só reclama do outro consigo mesmo.


O diálogo entre um casal não é mesmo fácil, principalmente porque trocar idéias significa se expor ao outro, supõe discussão e vida à solução compartilhada dos problemas.

A questão é que parece muito mais sedutor e conveniente convencer o outro a mudar, pensar ou fazer de modo diferente do que lhe é característico (ele/ela tem de ser diferente !) ou impor a aceitação de um modo pessoal de ser e viver (“eu sou assim !”).


Por isso, dialogar passou a ser sinônimo de persuadir: Ganha quem tiver mais poder ou argumentos convincentes. Definitivamente, isso não funciona.


O que funciona então ?

Funciona, em primeiro lugar, se desarmar. Uma discussão não é uma guerra de palavras e muito menos uma batalha a ser vencida. Toda vez que há um conflito, e no relacionamento sempre há , não há como fugir disto, é preciso negociar. E negociar é buscar e encontrar o melhor caminho para a vida do casal,.

ATENÇÃO !!! Procurar o melhor caminho para o casal, não o que é melhor para apenas um dos dois, anulando o outro.

Funciona, também, também, aprender a suportar  os afetos conflitantes sem ressentimentos. Sim, amor supõe raiva e ódio, e é impossível viver a dois sem reconhecer as duas faces da moeda.

É importante também exercitar a tolerância, pois há diferenças, hábitos e modos de viver que não são negociáveis. Tolerar significa admitir que o outro não é como foi imaginado e que, se isso não percebido antes, foi porque o encantamento não permitiu.Nada de dramas, ou tentativas de mudar o outro por pressão e acusação.

Aprender a tolerar é sair da posição de investir no relacionamento pelo fato de o outro ser como é, é continuar investindo nesse mesmo relacionamento apesar de o outro ser como é.

Por fim, funciona reafirmar, sempre, a cumplicidade do casal.

O único meio de evitar a solidão a dois preservando a integridade de cada um é ter, em todos os assuntos, a chance de um “tête à tête”. Apesar de  o caminho não ser fácil, os benefícios fazem-nos valer a pena.

Suportai-vos uns aos outros em amor - Efésios 4.2

Quando escreve aos Ef[esios, Paulo trouxe-nos esta pérola que nesses tempos de relações líquidas e rasas, precisa ser mais aprofundada pelos casais  e também por aqueles que pretendem crescer como pessoas.

É comum que se veja esta afirmação paulina apenas pelo seu aspecto negativo. Nessa perspectiva do olhar, o suportai-vos uns aos outros é visto como um suplício, a “cruz” da convivência humana que se tem que carregar diariamente, pois que, conforme dizia Sartre, “o inferno são os outros”.  Este seria o suportar como uma carga pesada tendo que agüentar o que não suporto no meu cônjuge ou companheiro de caminhada.

Busquemos um novo ponto de vista:

Olhemos a expressão paulina também pelo seu lado positivo. Dessa forma o suportai-vos uns aos outros passa a ter nova conotação.

Será visto como apoiemo-nos um no outro, demo-nos a mão para que nos tornemos mais fortes, mais capazes e para que possamos caminhar melhor e mais rápido juntos rumo a nossa meta e plano de Deus para nós.

Nesse aspecto a expressão passa a ter o sentido de crescer juntos, de aprofundar as relações no cuidado do outro para que a vida a dois passe a ter sentido, seja divinizada ficando mais rica e bonita.  

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger