A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , , » Origem e autorias teológicas sobre a doutrina do arrebatamento

Origem e autorias teológicas sobre a doutrina do arrebatamento

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 27 de novembro de 2021 | 20:06

 

 


 


 

 

I Tessa 4, 1-18: "Irmãos, não queremos que ignoreis coisa alguma a respeito dos mortos, para que não vos entristeçais, como os outros homens que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, cremos também que Deus levará com Jesus os que nele morreram. Eis o que vos declaramos, conforme a palavra do Senhor: por ocasião da vinda do Senhor, nós que ficamos ainda vivos não precederemos os mortos. Quando for dado o sinal, à voz do arcanjo e ao som da trombeta de Deus, o mesmo Senhor descerá do céu e os que morreram em Cristo ressurgirão primeiro. Depois nós, os vivos, os que estamos ainda na terra, seremos arrebatados juntamente com eles sobre nuvens ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras."

 

 

 

 

Muitos interpretaram erroneamente este texto, achando que os últimos homens não morrerão, mas serão arrebatados ao céu ainda vivos!

 

 

 

Particularmente as seitas pentecostais gostam desta interpretação, que se encaixa perfeitamente na sua escatologia de pinel: um grupo escolhido passando para o paraíso sem a dor da morte. Daí marcarem datas para o fim do mundo, prometendo aos que se dedicarem a ela a vida eterna fácil (Testemunhas de Jeová).

 

 

 

 

Mas a Bíblia deve ser interpretada no conjunto, não isoladamente, e também diz São Paulo:

 

 

 

"Assim como todos morreram em Adão, assim todos serão vivificados em Cristo". (I Cor. 15,22).

 

 

 

Além do que, nesta mesma passagem de Tessalonicenses, se diz que "Deus levará com Jesus os que nele morreram". Portanto, para ir com Cristo, é preciso morrer primeiro!

 

 

 

Os que serão arrebatados morrerão neste arrebatamento, para que possam então renascer e ter a vida eterna! Assim sempre entendeu a Igreja, cuja doutrina se encontra bem expressa nas palavras de S. Ambrósio:

 

 

 

 

 

"Nesse arrebatamento sobrevirá a morte. À semelhança de um sono, a alma se desprenderá do corpo, (mas) para voltar ao corpo no mesmo instante. Ao serem arrebatados, morrerão. Chegando, porém, diante do Senhor, novamente receberão suas almas, em virtude da (própria) presença do Senhor; porquanto não pode haver mortos na companhia do Senhor". (Ambr. in 1 Th. 4, apud. Catecismo Romano, I XII 6)".

 

 

 

 

A Igreja Católica geralmente não considera haver profecia bíblica escatológica em textos como Daniel e Apocalipse, referindo eventos estritamente futuros (quando vistos a partir do ponto de vista dos tempos atuais)

 

 

 

Em 1590 Francisco Ribera, um jesuíta, professor de "futurismo cristão", ensinava que a maioria das ideias do Apocalipse é, sim, sobre um futuro iminente (em vez de referir certas profecias que já se cumpriram nos primeiros anos da igreja). Ele ensinava, também, que o evento de "encontro dos eleitos com o Senhor Jesus [nos ares]" (semelhante ao que hoje é chamado de arrebatamento) aconteceria 45 dias antes do término dos primeiros três anos e meio da Grande Tribulação. Nesse sentido, pode-se considerá-lo como tendo, sido naquela ocasião, um professo católico "midi-tribulacionista".

 

 

 

 

O conceito de arrebatamento em conexão com Pré-milenarismo foi expresso no século XVII pelos protestantes puritanos estadunidenses Increase e Cotton Mather

 

 

 

Eles sustentaram a ideia de que os crentes seriam arrebatados no ar, seguido por juízos na terra, e, logo após, pelo Milênio de Cristo. Ainda no século XVII, outros usos das expressões do arrebatamento encontraram-se nos trabalhos de Robert Maton, Nathaniel Casas, John Browne, Vincent Thomas, Henry Danvers, e William Sherwin. O termo arrebatamento foi ainda usado por Philip Doddridge e John Gill em seus "Comentários aos Novo Testamento", com a ideia de que os crentes seriam "apanhados" (ou "arrebatados) antes do julgamento na Terra e da Segunda vinda de Jesus Cristo.

 

 

 

Há, pelo menos uma referência no século XVIII, e duas no século XIX, sobre o arrebatamento pré-tribulação:

 

 

 

-Um ensaio publicado em 1788, na Filadélfia pelo batista Morgan Edwards, que articulou o conceito de um arrebatamento pré-tribulação, nos escritos do sacerdote católico Manuel Lacunza.

 

 

 

-E por John Nelson Darby, em 1827.

 

 

 

 

OUTROS AUTORES POSTERIORES:

 

 

 

-Manuel Lacunza (1731-1801), um padre jesuíta (sob o pseudônimo de "Juan Josafat Ben Ezra"), escreveu uma obra apocalíptica intitulada La venida del Mesías en gloria y majestad (A Vinda do Messias em Glória e Majestade), que veio a lume em 1811, 10 anos após a sua morte. Em 1827, ele foi traduzido para o inglês pelo ministro escocês Edward Irving.

 

 

 

-Dr. Samuel Prideaux Tregelles (1813-1875), um proeminente teólogo inglês e estudioso da bíblia, escreveu um panfleto, em 1866, traçando o conceito do arrebatamento pelas obras de John Darby de volta para Edward Irving.

 

 

 

-Matthew Henry, em Uma Exposição do Antigo e do Novo Testamento (1828), usa a palavra "arrebatamento" para explicar 1 Ts 4:17.

 

 

 

-Apesar de não utilizar o termo "arrebatamento", a ideia foi mais plenamente desenvolvida por Edward Irving (1792-1834). Em 1825, Irving dedicou-se ao estudo de profecia bíblica e, por fim, aceitou, da parte de James Henthorn Todd, Samuel Roffey Maitland, Roberto Belarmino e Francisco Ribera, a ideia do Anticristo derradeiro como sendo um homem, mas ele foi um passo além. Irving começou a ensinar a ideia do Retorno de Cristo em duas fases, a primeira fase consistindo de um arrebatamento secreto antes da manifestação do Anticristo. Edward Miller descreveu o ensino de Irving assim: "Há três encontros: o primeiro, dos primeiros frutos da colheita, as virgens prudentes que seguem o Cordeiro aonde quer que Ele vá; a seguir, a abundante colheita reunida depois por Deus; e, por último, a reunião dos ímpios para o castigo".

 

 

 

-John Nelson Darby propôs pela primeira vez e popularizou o arrebatamento pré-tribulação em 1827. Esse ponto de vista foi aceito entre muitos outros movimentos "Irmãos de Plymouth" na Inglaterra. Darby e outros proeminentes Irmãos faziam parte dos Movimento dos Irmãos que impactou o Cristianismo estadunidense, especialmente com os movimentos e ensinamentos associados à Escatologia Cristã e ao Fundamentalismo, principalmente por seus escritos. Essas influências incluíram o Movimento Conferência Bíblica, a partir de 1878, com a Conferência Bíblica Niágara. Essas conferências, que foram inicialmente inclusivas de pré-milenaristas historiadores e futuristas, conduziu a uma crescente aceitação de pontos de vista futuristas pré-milenaristas e o arrebatamento pré-tribulação, especialmente entre crentes Batistas, Congregacionalistas e Presbiterianos. Livros populares também contribuíram para a aceitação do arrebatamento pré-tribulação, incluindo Jesus está voltando (William E. Blackstone, publicado em 1878), que vendeu mais de 1,3 milhão de cópias, e a Bíblia de Referência Scofield, publicada em 1909 e 1919 e revisada em 1967.

 

 

 

 

A Igreja Católica Romana, a Igreja Ortodoxa Oriental, a Comunhão Anglicana, a Igreja Luterana e muitas denominações cristãs Calvinistas, não têm a tradição de um retorno preliminar de Cristo!

 

 

 

A Igreja Ortodoxa, por exemplo, rejeita o retorno preliminar, porque isso, segundo ela, depende de uma interpretação milenar das escrituras proféticas, em lugar das visões amilenarista ou pós-milenarista.Alguns defensores da visão pré-tribulação, tal como Grant Jeffrey, afirmam que a mais antiga e conhecida referência extra-bíblica para o arrebatamento pré-tribulação é um tratado do século VII, conhecido como o "Apocalipse de Pseudo-Ephraem", o Sírio.

 

 

 

Diferentes autores têm proposto várias versões diferentes do texto de Ephraem como autênticas e há opiniões divergentes quanto a saber se ele suporta a crença em um arrebatamento pré-tribulação.

 

 

 

Numa versão do texto lê-se: "Porque todos os santos e eleitos de Deus estão reunidos antes da tribulação que há de vir, e são levados para o Senhor, para que não vejam a confusão que dominará o mundo, por causa dos nossos pecados."

 

 

 

 

O aumento da crença no arrebatamento pré-tribulação é muitas vezes erroneamente atribuído a uma garota visionária Escocês-Irlandês, em 1830, então com 15 anos, chamada Margaret McDonald:

 

 

 

 

A mesma teria sido dos primeiros a receber um batismo espiritual em um despertar Pentecostal na Escócia. Diz-se que, em 1830, ela teve uma visão do fim dos tempos, que descreve uma visão pós-tribulação do arrebatamento, que foi publicado pela primeira vez em 1840. Ele foi republicado em 1861, mas duas passagens importantes, demonstrando uma visão pós-tribulação foram removidas para incentivar a confusão sobre o tempo do arrebatamento.

 

 

As duas passagens removidas foram:

 

 

 

-"Esta é a ardente provação que há de nos tentar. Será para a limpeza e purificação dos verdadeiros membros do corpo de Jesus"

 

 

 

-"O julgamento da Igreja vem do Anticristo. É por ser cheios do Espírito Santo que nós seremos mantidos".

 

 

OUTRAS PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES SOBRE O ARREBATAMENTO:

 

 

 

 

-Em 1957, John Walvoord, um teólogo no Dallas Theological Seminary, escreveu um livro: “A Questão do Arrebatamento”, que deu suporte teológico para o arrebatamento pré-tribulação, e vendeu mais de 65.000 cópias.

 

 

 

-Em 1958, J. Dwight Pentecosts autor de outro livro de apoio ao arrebatamento pré-tribulação: “O que está por Vir: Um Estudo da Escatologia Bíblica”, que vendeu 215.000 cópias.

 

 

 

-Durante a década de 1970, a crença no arrebatamento tornou-se popular em círculos mais amplos, em parte, porque os livros de Hal Lindsey, incluindo: “O Final do Grande Planeta Terra”, que já teria vendido entre 15 milhões e 35 milhões de cópias, e o filme: “Um Ladrão na Noite”, cujo título baseia-se na passagem bíblica de 1 Ts 5,2. Lindsey proclamou que o arrebatamento é iminente, baseada em condições do mundo no momento.

 

 

 

-Em 1995, a doutrina do arrebatamento pré-tribulação foi mais popularizado pela série de livros: “Deixados para trás”, de Tim LaHaye, que venderam dezenas de milhões de cópias, além de terem originado vários filmes, bem como quatro jogos de vídeo com estratégia de tempo real.

 

 

 

Variadas visões escatológicas - Princípios bíblicos essenciais

 

 

 


 

Todas as visões escatológicas milenaristas, seja "visão pré-tribulacionista", ou a "Visão midi-tribulacionista", ou a "visão pós-tribulacionista", e, mesmo, a "visão a-milenarista, consideram os seguintes princípios bíblicos essenciais, como se encontram em 1 Ts 4,15-17:

 

 

 

1.       Aqueles que estão vivos e permanecem até a vinda do Senhor não deve preceder aqueles que estão mortos. (1 Ts 4,15b)

 

 

 

2.      Os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. (1 Ts 4,16b)

 

 

 

3.      Os vivos e os mortos serão ressuscitados, arrebatados juntos nas nuvens, a encontrar o Senhor no ar. (1 Ts 4,17a)

 

 

 

4.      O arrebatamento ocorrerá durante a Parousia. "Aqueles que estão vivos e permanecem até a vinda (Parousia, em grego) do Senhor, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares". (1 Ts 4,17a)

 

 

 

5.      O encontro com o Senhor, será permanente. "E assim estaremos sempre com o Senhor" (1 Ts 4,17b)

 

 

 

Segunda vinda Presencial em Uma ou Duas fases?

 


 




 

A maioria dos pré-milenaristas considera a Segunda vinda do Senhor Jesus como consistindo de duas etapas, eventos ou fases distintas. Com efeito, alguns dispensacionalistas pré-milenaristas (incluindo muitos evangélicos pentecostais) creem no retorno de Cristo em duas fases distintas, ou uma segunda vinda em duas fases.

 

 

 

Conforme eles, 1 Ts 4,15-17, é vista como descrição de um evento preliminar para o retorno descrito em Mt 24,29-31

 

 

 

Embora ambas as passagens descrevam a Segunda vinda de Jesus, elas são vistas como eventos (ou etapas ou fases) diferentes:

 

 

 

-A primeira fase consiste precisamente no arrebatamento súbito ("serem captados", "serem pegos", ou "serem tomados à distância").

 

 

 

-A segunda fase é descrita como a Segunda vinda de Jesus propriamente dita.

 

 



 

A maioria dos dispensacionalistas crê que o primeiro evento precede o período de sete anos da tribulação, mesmo que não imediatamente!

 

 

 

 

No entanto, outra visão, menos defendida, crê que três fases comporão o Retorno de Cristo!

 

 

 

Os defensores desse ponto de vista organizam assim a Segunda vinda de Cristo:

 

 

 

-Primeiro, Jesus Cristo aparecendo "de modo que todo olho o veja" ["Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram." ( Ap 1,7, Mt 24,30, Ap 6,14-17);

 

 

 

-Em segundo lugar, "o arrebatamento de abdução" (Mt 24,31;1 Co 15,51-52; 1 Ts 4,13-17; Ap 11,15;14,14-16);

 

 

 

-E, por fim, em terceiro lugar, a Segunda vinda de Cristo propriamente dita, em glória e em poder, à Terra (Mt 25,31; Ap 19) Muitos pré-tribulacionistas, embora não todos eles, são também dispensacionalistas.

 

 

 

 

Os “amilenaristas”, por seu turno, negam a interpretação literal dos 1.000 anos de Reino de Cristo!

 

 

 

Como tal, o amilenarismo não implica, necessariamente, muita diferença entre si e a outras formas de milenarismo, além da negação do milênio em si como Reinado de Cristo na Terra. No entanto, existe considerável sobreposição nas crenças de amilenaristas (incluindo a maioria dos Católicos Romanos, Ortodoxos Orientais, Anglicanos e Luteranos, pós-milenaristas (incluindo Presbiterianos), e Pré-milenaristas históricos (incluindo alguns Calvinistas, Batistas, entre outros) com aqueles que sustentam que o Retorno de Cristo dar-se-á num evento público, singular e único!

 

 

 

 

Alguns defensores acreditam que a doutrina de amilenarismo originou-se em Alexandria

 

 

 

Com estudiosos, tais como Clemente e Orígenes e, mais tarde, tornou-se mais um dogma Católico, através de Agostinho, Bispo de Hipona.

 

 

 

Destino dos arrebatados?

 

 

 

-Os dispensacionalistas veem o imediato destino dos cristãos arrebatados, segundo descrito em 1 Ts 4,17, como sendo o Paraíso, bem como também assim o creem alguns comentaristas católicos romanos, tais como Walter Drum (1912).

 

 

 

-Enquanto os Anglicanos têm, de modo geral, muitos pontos de vista, alguns comentaristas Anglicanos, como N. T. Wright, identificam o destino como um local específico na Terra. Essa interpretação pode ser, por vezes, ligada a preocupações ambientalistas cristãs.

 

 

Na doutrina amilenarista e pós-milenarista, não há distinções sobre o momento do arrebatamento.

 

 

 

-Esses pontos de vista consideram que o arrebatamento descrito em 1 Ts 4,15-17 será idêntico à Segunda vinda de Jesus, conforme descrito em Mt 24,29-31, como um encontro nos ares com Jesus após o decurso do milênio por eles considerado apenas simbólico.

 

 

 

 

-Na visão pré-milenarista, o arrebatamento será antes de um milênio literal, o Milênio do Reinado de Jesus Cristo. Dentro do pré-milenarismo, a "visão pré-tribulacionista" predomina para quem distingue entre o arrebatamento e a segunda vinda, como dois eventos distintos e sequenciais.

 

 

-Há, também, outros vieses dentro do pré-milenarismo, que diferem entre si com relação ao tempo do arrebatamento.

 

 

 

 

 

Doutrinas pré-milenaristas (protestantes):

 

 

 

 

1)-Pré-milenarismo pré-tribulacionista:Os cristãos que creem na visão pré-milenarista e pré-tribulacionista creem que o arrebatamento ocorrerá antes do início dos sete anos de tribulação período, e a segunda vinda ocorrerá ao final desses eventos. Os pré-tribulacionistas muitas vezes descrevem o arrebatamento como "Jesus vindo para a igreja", e a segunda vinda como "Jesus vindo com a igreja". Entre os educadores e pregadores pré-tribulacionistas, incluem-se Jimmy Swaggart, J. Dwight Pentecost, Tim LaHaye, J. Vernon McGee, Perry Stone, Chuck Smith, Hal Lindsey, Jack Van Impe, Chuck Missler, Grant Jeffrey, Thomas Ice, David Jeremiah, John F. MacArthur, and John Hagee. Muitos pré-tribulacionistas são também dispensacionalistas, porém não todos.

 

 

 

2)-Pré-milenarismo midi-tribulacionista:Os cristãos que creem na visão pré-milenarista e midi-tribulacionista creem que o arrebatamento ocorrerá em algum momento no meio ou transcurso do período da Grande Tribulação, vale dizer, em algum instante da 70.ª Semana de Daniel. O período da tribulação divide-se em duas etapas de 3,5 anos cada. Os midi-tribulacionistas creem que os santos passarão o primeiro período da tribulação (Início das Dores), mas serão arrebatados para o Céu antes do grave derramamento da ira de Deus, na segunda metade desse período de sete anos. Os mid-tribulacionistas invocam Dan 7,25, que diz que "os santos serão entregues à tribulação por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo... — interpretados como significando 3,5 anos. Na metade da Grande Tribulação, o Anticristo cometerá a "Abominação da Desolação" (Dn 9,27;11,31;12,11;Mt 24,15 e Mc 13,14). Entre os mestres tribulacionistas estão Harold Ockenga , James O. Buswell (reformado, calvinista presbiteriano) e Norman Harrison. Esta posição é uma visão minoritária entre os pré-milenaristas.

 

 

 

 

3)-Pré-milenarismo pré-ira: Os partidários do "arrebatamento pré-ira" também creem no arrebatamento em algum momento durante a Grande Tribulação, antes da Segunda vinda de Cristo. Essa visão sustenta que a "tribulação da igreja" começa na segunda metade dos sete anos, a 70.ª semana de Daniel, quando o Anticristo é revelado no templo. Esse metade final dos sete anos [i.e. 3 1/2 anos] é que, por eles, conhecida como a "grande tribulação", em si, embora sua duração exata não seja conhecida. Referências de Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21, são usadas como evidência de que essa tribulação será interrompida pela vinda de Cristo, ao resgatar o justo por meio do arrebatamento, que vai ocorrer após eventos específicos do Apocalipse, em particular após o sexto selo ser aberto, o sol escurecer-se e a lua tornar-se em sangue. No entanto, nesse momento, muitos cristãos já terão sido martirizados pelo Anticristo. Depois do arrebatamento, abrir-se-á o Sétimo selo, e virá a ira Deus, com trombetas e taças ("O Dia do Senhor"). O Dia da ira do Senhor contra os ímpios irão seguirá até o fim dos sete anos. Marvin Rosenthal, autor de “O Arrebatamento Pré-Ira da Igreja”, é um defensor dessa tese teológica. Sua crença está fundada sobre o trabalho de Robert D. Van Kampen (1938-1999); seus livros “O Sinal, O Arrebatamento: Pergunta Respondida” e “O Quarto Reich” detalham sua doutrina de arrebatamento pré-ira.

 

 

 

4)-Pré-milenarismo parcial: A visão "condicional", "parcial", "seletiva" do arrebatamento sustenta que todos os cristãos fiéis e obedientes serão arrebatados antes, no meio ou depois da tribulação, a depender de sua fé e de sua comunhão pessoal com Deus. Portanto, o arrebatamento de um crente em Deus é determinado pelo momento de sua conversão, durante a tribulação. Outros defensores dessa teoria sustentam que somente aqueles que são fiéis em seu relacionamento com Deus (que têm verdadeira comunhão com Ele) serão arrebatados, e o resto, ressuscitado durante a tribulação, entre o 5.º e o 6.º selos do Apocalipse, tendo perdido suas vidas até então. Outros, ainda, afirmam que o resto será arrebatado durante a tribulação, ou no seu final. Como indicado por David Ira (um defensor dessa visão): "Os santos serão arrebatados em grupos durante a tribulação à medida em que estejam preparados para ir." Alguns notáveis defensores dessa teoria são G. H. Lang, Robert Chapman, G. H. Pember, Robert Govett, D. M. Panton, Watchman Nee, David E. Ira, J. A. Seiss, Hudson Taylor, Anthony Norris Groves, John Wilkinson, G. Campbell Morgan, Otto Stockmayer e Rev. J. W. (Chip) White, Jr.

 

 

 

5)-Pré-milenarismo pós-tribulacionista: Na visão pré-milenarista pós-tribulacionista, o arrebatamento coincidirá com a segunda vinda de Jesus ou um encontro nos ares com Jesus, a preceder imediatamente Seu retorno à Terra, para o reinado de um milênio literal. A visão pós-tribulacionista crê no arrebatamento no final da Grande Tribulação. Os escritores dessa visão dizem que o período da tribulação, num sentido amplo, é toda a época atual", ou, num sentido específico, é um período (os sete anos) que precedem a Segunda vinda de Cristo já para o Seu Reinado Milenar. A ênfase neste ponto de vista é que "a igreja vai sofrer a tribulação"- Mateus 24,29-31 - "Imediatamente após a tribulação daqueles dias... eles se juntarão a Seu Eleito..." — é citada como escritura primordial para a visão. Os pós-tribulacionistas concebem o arrebatamento como simultâneo com a Segunda vinda de Jesus. Com o retorno de Jesus, os crentes encontrá-lo-ão nos ares, e, após, acompanhá-lo-ão em seu retorno à Terra. Nas Cartas de Paulo, mais notavelmente em 1 Ts 4:16,17[108]: "os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro") e 1 Coríntios 15,51-52, uma trombeta é descrita a tocar no fim da tribulação para anunciar o retorno de Cristo; Apocalipse 11,15. Entre os autores e professores que apoiam a visão pós-tribulacionista, citam-se Pat Robertson, Walter R. Martin, John Piper, George E. Ladd,Robert H. Gundry e Douglas Moo.

 

 

 

Outras perspectivas

 

 

 

A visão pré-milenarista menos difundida considera o sinal da trombeta de 1 Co 15:51,52,[111] onde se lê, "...nem todos dormiremos, mas seremos transformados—num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Pois a trombeta soará, e os mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e nós seremos transformados."A última trombeta" é entendida como sendo a 7.ª trombeta de Apocalipse 11,15 e seguintes. De acordo com esse ponto de vista, depois da tribulação de Mt 24,9-22 - os sinais celestiais de Mateus 24,29 terão lugar. O evento do "sinal do Filho do Homem" (Mt 24,30) segue os sinais astronômicos do versículo 29. "Então" (Mc 13,27;Mt 24,31) o επισυναγω ("ajuntamento") ocorre—na 7.ª e última trombeta do Ap 11. A visão do arrebatamento na trombeta do arrebatamento final é diferente de outras perspectivas de arrebatamento pré-milenares, na medida em que ela não define a 70.ª Semana de Daniel como o "período de tribulação", mas define a tribulação, à luz de Mt 24,9-22. Essa visão apresenta a Segunda vinda de Jesus Cristo em três partes:

 

 

(a) um de Seus primeiros que aparecem,

 

 

(b) o Arrebatamento da Igreja,

 

 

(c) de Seu retorno à terra.

 

 

Ele ensina que o arrebatamento-encontro ocorre antes de as taças da ira de Deus serem derramadas sobre a Terra e enfatiza expressões contemporâneas do fim dos tempos da Bíblia em temas (por exemplo, resistência).

 

 

 

 

Visões doutrinárias NÃO Pré-milenaristas:

 

 

 

1)-Pós-milenarismo

 

 

 

Na "visão pós-milenarista", o milênio é visto como um período temporal indefinidamente longo, portanto, impedindo a interpretação literal de um período de mil anos. Conforme Loraine Boettner, "o mundo será cristianizado, e o retorno de Cristo ocorrerá apenas no fim de um longo período de justiça e paz, comumente chamado de milênio." Os pós-milenaristas veem o arrebatamento da Igreja e a Segunda Vinda de Cristo como um só e o mesmo evento. Segundo eles, a Grande tribulação já ocorreu nos tempos antigos (invasão romano de Jerusalém, em 66-73 d.C, que envolveu a destruição de Jerusalém). Alguns defensores dessa visão são John Bunyan (autor puritano de o Peregrino), Jonathan Edwards e Charles Finney.

 

 

 

2)-Amilenarismo

 

 

 

A visão Amilenarista considera o Milênio de Cristo como o período atual, mas indefinido, que se iniciou com a fundação da igreja, e que terminará com a Segunda vinda de Cristo — um período onde Jesus Cristo já reina com seus santos pela Eucaristia e sua igreja. Eles vêem a vida da igreja como o reino de Cristo já estabelecida (inaugurada no dia de Pentecostes descrito no primeiro capítulo de Atos 1, porém não completa, até que sobrevenha sua segunda vinda. Isso impede uma interpretação literal do período de mil anos mencionados em Ap 20, exibindo o número "mil" como simbologia numerológica e pertencente à era atual da igreja. Os amilenaristas geralmente não usam "arrebatamento" como um termo teológico, mas veem o evento como coincidindo com a Segunda vinda de Jesus, principalmente como um encontro místico com Cristo. Para os amilenaristas, "os últimos dias" começaram efetivamente desde o dia de Pentecostes, mas creem que a Grande Tribulação ocorrerá durante a fase final ou de conclusão do milênio, com Cristo retornando como "O Alfa e O Ômega", no Final dos tempos. Ao contrário dos pré-milenaristas, que preveem o "milênio literal" (mil anos de reinado de Cristo), depois de seu retorno, os amilenaristas enfatizam a continuidade e a permanência do seu reinado, ao longo de todos os períodos da Nova Aliança, passado, presente e futuro. Eles não consideram a menção de Jerusalém em Ap 21, como referente à presente cidade geográfica, mas para o futuro, a Nova Jerusalém ou "Novo Céu e Nova Terra", para o que a igreja, por meio dos doze apóstolos (representando as doze tribos de Israel), atualmente, constitui o fundamento do reino messiânico já presente. Ao contrário de certos dispensacionalistas pré-milenaristas, eles não visualizam a reconstrução do templo de Jerusalém como uma necessidade, porque já foi estabelecida na vida da igreja pelo sacrifício final de Cristo na cruz, e que disse que o reconstruiria em 3 dias (conf. João 2,19-22). Autores que manifestaram o seu apoio a essa visão incluem Agostinho, Bispo de Hipona. A visão amilenarista é adotada pela Igreja Católica Romana, Cristã Ortodoxa e Igreja Anglicana, bem como pelas igrejas reformadas históricas, ou de vanguarda, tais como, a Igreja Luterana, Metodista, Presbiteriana e outras denominações de cunho Calvinista.

 

 

 

Sobre as Previsões de data do arrebatamento:

 

 

 

Desde a origem da tese teológica do arrebatamento,no meio protestante, muitos defensores do arrebatamento fizeram previsões sobre a data do evento. A principal referência Bíblica citada contra tais previsões é Mt 24,36-37 – a  passagem na qual Jesus adverte expressamente sobre sua Parousia: "Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai. Mas como nos dias de Noé, assim será também a vinda (Parousia) de que o Filho do homem." Também em 2 Pedro 3,10 diz: "O dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, a terra e as obras que nela há, se queimarão" (veja também 1 Ts 5,2). Outro problema potencial para aqueles que tentam definir uma data para o arrebatamento surge a partir de Mt 24, 34,onde Jesus diz: "em Verdade vos digo que não passará Esta geração, até que todas essas coisas se cumpram".

 

 

 

Qualquer indivíduo ou grupo religioso que já "previu o dia do arrebatamento", acabou sendo completamente desacreditado e envergonhado, na medida em que a "data da suposta previsão" chega, mas sem o evento de fato acontecer. Alguns desses indivíduos e grupos têm oferecido datas-alvo "corretas", e outros têm oferecido desculpas e tentado "corrigir" suas datas-alvo, enquanto simplesmente lançam uma reinterpretação do significado das escrituras para comportar sua nova situação e, em seguida, explicam que, embora a previsão parecesse não se ter cumprido, na realidade, tinha sido completa e precisamente cumprida, embora — dizem eles — "de uma forma diferente do que se esperava".

 

 

 

 

Por outro lado, muitos dos que creem que a data do arrebatamento não pode ser conhecida afirmam, doutra sorte, que o quadro que antecede o arrebatamento evento pode ser conhecido — “o princípio das Dores”:

 

 

 

Este período é muitas vezes referido como "Sinais dos Tempos". A principal passagem evangélica que o expressa é Mt 24,32-35  na qual Jesus ensina a Parábola da Figueira, como alerta sobre a iminência do tempo do arrebatamento, bem como as demais profecias listados nas seções das escrituras que precedem e sucedem essa parábola.

 

 

 

 

O livro “Left Behind” (Deixado para Trás) ganhou esse título a partir de uma passagem de Lc 17 e outra semelhante em Mt 24, que falam da vinda do Senhor como nos dias de Noé e nos dias de Lot. E Evangelho segundo S. Mateus (24) diz o seguinte:

 

 

 

 

 

“Como foram os dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem … eles comiam, bebiam, casavam-se e eles não sabiam até que veio o dilúvio e os varreu a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. Em seguida, dois homens estarão a trabalhar no campo, um será levado e o outro será deixado para trás. Duas mulheres estarão a moer no moinho, uma será levada a outra será deixada para trás.”

 

 

 

 

“Veja”, argumentam os entusiastas da interpretação literal do arrebatamento, “um será levado, o outro deixado. É o arrebatamento! Jesus leva os cristãos e deixa os ímpios para trás!”

 

 

 

 

-Mas há graves problemas com essa interpretação! Note-se que a vinda de Jesus está sendo comparada aos que ocorreu nos dias de Noé e nos dias de Lot. Sendo assim, vejamos: depois do dilúvio, quem foi deixado? Noé e sua família, que eram exatamente os justos, enquanto os pecadores foram levados. Também nos tempos de Lot, depois que Sodoma e Gomorra tornaram-se cinzas, quem foi deixado? Lot e suas filhas, os justos, mas os pecadores foram levados!

 

 

 

 

Em segundo lugar, lembremo-nos do versículo 17 de 1Ts, que diz:

 

 

 

Aqueles que são “deixados” é que vão ao encontro de Jesus nos ares, não os que são levados. Ou seja, os justos são deixados para trás. – Em outras palavras, o cristão deveria desejar ser deixado para trás, para que possa ir ao encontro de Jesus, que irá acompanhá-lo de volta à Terra em sua segunda e definitiva vinda. – Portanto, não haverá arrebatamento tal e qual tratam publicações de livros como  "Left Behind".

 

 

 

 

Recapitulando as “controversas teses teológicas” de cada uma das teorias protestantes sobre o arrebatamento:

 

 

 

 

Qual a sua versão do arrebatamento? – Você é "pré", "médio/meso" ou "pós? – Se você não sabe como responder a essa pergunta, você provavelmente é católico. A maioria dos fundamentalistas dentre os ditos "evangélicos" sabe que essas palavras são sinônimos de pré-tribulação, meso-tribulação e pós-tribulação. Os termos referem-se a quando o arrebatamento deve ocorrer.

 

 

 

 

O Milênio - Em Apocalipse 20,1-3; 7-8, lemos:

 

 

 

 

“Vi, então, descer do céu um anjo que tinha na mão a chave do abismo e uma grande algema. Ele apanhou o Dragão, a primitiva Serpente, que é o Demônio e Satanás, e o acorrentou por mil anos. Atirou-o no abismo, que fechou e selou por cima, para que já não seduzisse as nações, até que se completassem mil anos. Depois disso, ele deve ser solto por um pouco de tempo. (...) Depois de se completarem mil anos, Satanás será solto da prisão. Sairá dela para seduzir as nações dos quatro cantos da Terra (Gog e Magog) e reuni-las para o combate. Serão numerosas como a areia do mar.”

 

 

 

 

O período de mil anos, conforme nos diz o autor sagrado, é o Reinado de Cristo!

 

 

 

Esse período é popularmente chamado de Milênio. O Milênio é o prenúncio do fim do mundo. O capítulo 20 do Apocalipse é interpretado de três maneiras por diferentes protestantes conservadores: as três escolas de pensamento são chamadas:

 

 

-Pós-milenismo,

 

 

-Amilenismo

 

 

-Pré-milenismo.

 

 

Vamos analisá-las brevemente:

 

 

1)-Pós-Milenismo: Segundo Loraine Boettner, no seu livro "Millennium" (mesmo autor do caluniuoso do patético livro anticatólico 'Catolicismo Romano'), pós-milenismo é “a visão de que as últimas coisas que sustentam o Reino de Deus estão sendo estendidas no mundo agora, através da pregação do Evangelho e da obra salvadora do Espírito Santo; que o mundo finalmente está para ser cristianizado, e que o retorno de Cristo ocorrerá no final de um longo período de justiça e paz, comumente chamado de Milênio".Esta opinião foi popular entre os protestantes do século XIX, quando o progresso era esperado até mesmo na religião e antes dos horrores do século XX . Hoje, poucos a mantêm, exceto grupos como os reconstrucionistas cristãos, uma consequência do movimento conservador presbiteriano. Comentaristas apontam que o pós-milenismo deve ser distinguido da visão de teólogos liberais e seculares que preveem melhoria social e até mesmo que o Reino de Deus venha puramente através de meios naturais, ao invés de sobrenaturais. Pos-milenialistas, no entanto, argumentam que o homem seja incapaz de construir um "paraíso terrestre" por si mesmo; o Paraíso só virá pela Graça de Deus.Pos-milenialistas típicos também dizem que o milênio mencionado em Apocalipse 20 deve ser entendido em sentido figurado e que a expressão “mil anos” não se refere necessariamente a um período fixo de dez séculos, mas a um tempo indefinidamente longo. Por exemplo, o Salmo 50 (vs. 10) fala da Soberania de Deus sobre tudo o que existe e diz-nos que Deus é o Dono “do gado sobre milhares de montanhas”, o que não é para ser entendido literalmente. No final do milênio, aconteceria então a Segunda Vinda, a ressurreição geral dos mortos e o Juízo Final.O problema com a ‘teoria’ do pós-milenismo é que a Bíblia não descreve que o mundo vivenciará um período de cristianização completa (ou relativamente completa) antes da Segunda Vinda. Existem inúmeras passagens que falam da era entre a primeira e a segunda vinda como um momento de grande tristeza e luta para os cristãos. Uma passagem reveladora é a parábola do trigo e do joio (Mt 13,24-30; 36-43). Nesta, o Cristo declara que os justos e os ímpios serão ambos plantados e crescerão lado a lado no campo de Deus ('o campo é o mundo', conf. Mt 13,38) até o fim do mundo, quando serão separados, julgados, e serão ou lançados no fogo do inferno ou herdarão o Reino de Deus (Mt 13,41-43).Não há nenhuma evidência bíblica de que o mundo acabará por tornar-se totalmente (ou mesmo quase que totalmente) cristão, mas que sempre haverá um desenvolvimento paralelo dos justos e os ímpios até o Julgamento Final.

 


 




 

2)-Amilenismo: A visão amilenista interpreta Apocalipse 20 simbolicamente, e não vê o Milênio como uma era de ouro terrestre em que o mundo será totalmente cristianizado, mas como o atual período de reinado de Cristo no Céu e na Terra, através da sua Igreja (que para os protestantes é apenas o conjunto dos que 'aceitam a Jesus como Senhor e Salvador', espalhados no mundo). Esta foi a opinião dos chamados "reformadores" protestantes e ainda é a visão mais comum entre os protestantes tradicionais, embora não seja assim entre a maioria dos chamados "evangélicos" mais novos e as seitas fundamentalistas.Amilenistas também acreditam na coexistência do bem e do mal na Terra até ao fim. Para estes, a tensão que existe na Terra entre os justos e os ímpios será resolvida apenas com a volta do Cristo no fim dos tempos. A idade de ouro do Milênio seria, ao invés, o Reinado celestial de Cristo com os santos, do qual a Igreja na Terra participa de alguma forma, embora não da forma gloriosa como será na Segunda Vinda.Amilenistas salientam que os tronos dos santos que reinarão com Cristo durante o milênio parecem fixados no Céu (Ap 20,4) e que o texto nada diz sobre Cristo na Terra durante esse Reinado com os santos. "Explicam" eles que, embora o mundo nunca vá ser totalmente cristianizado até a Segunda Vinda, o Milênio não tem efeitos sobre a Terra a que Satanás está preso, de tal forma que ele não poderá enganar as nações no sentido de dificultar a pregação do Evangelho (Ap 20,3). Eles apontam que Jesus falou da necessidade de “amarrar o homem forte” (Satanás), a fim de saquear a sua casa, resgatando as pessoas de seu aperto (Mt 12,29).Quando os discípulos voltaram de uma turnê de pregação do Evangelho, rejubilando-se com a forma como os demônios estavam sujeitos a eles, Jesus declarou: “Eu vi Satanás cair como um relâmpago” (Lc 10,18). Assim, para o evangelho avançar em todo o mundo, é necessário que Satanás seja atado em um sentido, mesmo que ele ainda possa estar ativo (1Pd 5,8).O Milênio é uma época de ouro não quando comparado com as glórias do porvir, mas em comparação a todas as eras anteriores da história humana, nas quais o mundo fora engolido em trevas pagãs. Hoje, um terço da raça humana é cristã, e muitos mais ainda repudiam os ídolos pagãos e abraçam o culto ao Deus de Abraão, Isaac e Israel.

 

 



 

3)-Pré-Milenismo: Em terceiro lugar na lista, há o pré-milenismo, atualmente o mais popular entre os fundamentalistas e ditos "evangélicos" (ainda que, há um século atrás, fosse o amilenismo). A maioria dos livros escritos sobre o fim dos tempos, como o de Hal Lindsey, "A Agonia do Grande Planeta Terra", são escritos sob uma perspectiva pré-milenista.Como os pós-milenistas, os pré-milenistas acreditam que os mil anos sejam uma era de ouro na Terra, durante a qual o mundo será completamente cristianizado. Ao contrário dos pós-milenistas, acreditam que essa era irá ocorrer após a Segunda Vinda e não antes, para que Cristo reine fisicamente na Terra durante o Milênio. Eles acreditam que o Juízo Final só ocorrerá após o fim do Milênio, o que muitos interpretam como um período de exatamente mil anos.Mas as Escrituras não apoiam a ideia de um período de mil anos entre a Segunda Vinda e o Juízo Final. Cristo declara: “Porque o Filho do Homem há de vir com os seus anjos na glória de seu Pai, e então retribuirá a cada homem pelo que ele tem feito” (Mt 16,27), e “Quando o Filho do Homem vier na sua Glória, e todos os anjos com Ele, então, se assentará em seu Trono glorioso. Diante dEle serão reunidas todas as nações, e Ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos …. E eles [os bodes] irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna" (Mt 25,31-32, 46).

 

 



 

Sobre a tese teológica do  Arrebatamento

 

 

 

Os pré-milenistas muitas vezes dão muita atenção à doutrina do arrebatamento. De acordo com essa doutrina, quando Cristo voltar, todos os eleitos que morreram serão ressuscitados em seus corpos físicos e transformados a um estado de glória, junto com os eleitos viventes, e então serão arrebatados para estarem com Cristo. O texto-chave referente ao arrebatamento é 1Ts 4,16-17, que afirma: “Porque o mesmo Senhor descerá do Céu com um grito de comando, com o chamado do Arcanjo e com o som da Trombeta de Deus. E os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro, depois nós, os vivos, que ficam, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor ".Os pré-milenistas acreditam, assim como praticamente todos os cristãos (exceto alguns pós-milenistas), que a segunda vinda será precedida por um momento de grande aflição e perseguição do povo de Deus (2Ts 2,1-4). Esse período é chamado frequentemente a tribulação. Até o século XIX, muitos cristãos concordavam que o arrebatamento, – embora não fosse chamado assim, – ocorreria imediatamente antes da Segunda Vinda, no final do período de perseguição. Esta posição hoje é chamada de “pós-tribulacional” porque afirma que o arrebatamento virá depois da tribulação.

 

 

 

 

John N. Darby

 

 

 

Mas em 1800, alguns começaram a clamar que o arrebatamento ocorrerá antes do período de perseguição. Esta posição, hoje conhecida como o ponto de vista ”pré-tribulacional”, também foi abraçada por John Nelson Darby, um dos primeiros líderes de um movimento fundamentalista que ficou conhecido como dispensacionalismo. A visão pré-tribulacional do arrebatamento de Darby foi então adotada por um homem chamado Cyrus Ingerson Scofield, que ensinou esta posição nas notas de rodapé de sua Bíblia de Referência Scofield, que foi amplamente distribuída na Inglaterra e nos Estados Unidos.

 

 

 

 

C. I. Scofield

 

 

 

Muitos protestantes que leram a chamada "Bíblia de Referência Scofield" aceitaram sem críticas esta sua interpretação particular, e adotaram a sua visão pré-tribulacional, apesar de que qualquer cristão jamais tivesse ouvido falar de algo assim nos 1800 anos anteriores de história da Igreja.Eventualmente, uma terceira posição foi desenvolvida, ficando conhecida como a “meso-tribulacional” ponto de vista que afirma que o arrebatamento ocorrerá durante o meio da tribulação.Finalmente, um quarto ponto de vista elaborou que não haverá um arrebatamento único no qual todos os crentes serão reunidos a Cristo, mas que haverá uma série de "mini-arrebatamentos" que ocorrerão em momentos diferentes com relação à tribulação. Nem seria preciso esclarecer que toda essa confusão fez com que o movimento se dividisse em campos mais ou menos radicalmente opostos.O problema com todas essas posições (exceto o ponto de vista histórico, pós-tribulacional, o qual foi aceito por todos, inclusive os não pre-milenialistas) é que eles dividem a Segunda Vinda em eventos diferentes. No caso da visão pré-tribulacionista, acredita-se que Cristo teria três vindas: uma quando nasceu em Belém, uma quando retornará para o arrebatamento no início da tribulação e uma no final da tribulação, quando estabelece o Milênio. Esse ponto de vista, de três vindas, parece contrário às Sagradas Escrituras.

 

 

 

 

Dale Moody

 

 

 

Os problemas com a visão pré-tribulacional são evidenciados pelo teólogo (e pré-milenista) batista Dale Moody, que escreveu:… “A crença em um arrebatamento pré-tribulacional contradiz todos os três capítulos do Novo Testamento que mencionam a tribulação e o arrebatamento juntos (Mc 13,24-27; Mt 24,26-31; 2Ts 2,1-12). A teoria é tão falida biblicamente que a habitual defesa é feita através de três passagens que não chegam a mencionar uma tribulação (Jo 14,3; 1Ts 4,17; 1Cor 15,52)". Estas são passagens mais importantes, mas elas não dizem uma palavra sobre um arrebatamento pré-tribulacional. A pontuação é de três a zero, três passagens que ensinam um arrebatamento pós-tribulacional e três que não dizem nada sobre o assunto.

 

 

 

 

Afinal, qual é a posição católica sobre tudo isso?

 

 

 

Depois de nos dedicarmos à tarefa inglória de tentar esclarecer tamanha confusão, faz-se necessário dizer da postura da primeira Igreja quanto ao assunto. Vamos a ela:

 

 

 

 

-Sobre o Milênio, nós, católicos, tendemos a concordar com Sto. Agostinho e com os amilenistas. Assim, a posição católica tem sido historicamente “amilenista”, embora não usemos esse termo, ao menos costumeiramente. A Igreja tem rejeitado a posição pré-milenista, às vezes chamada de “milenarismo” (cf. Catecismo da Igreja Católica, §676). Embora a Igreja não tenha dogmaticamente definido a questão, em 1940 o Santo Ofício considerou que o pré-milenismo “não pode ser ensinado com segurança”.

 

 

 

 

-Com relação ao arrebatamento, os católicos certamente acreditam que o evento de nossa reunião com Cristo terá lugar, embora geralmente não usem comumente a palavra “arrebatamento” para se referir a esse momento. – Situação que traz em si certa ironia, uma vez que o termo “arrebatamento” é derivado dos textos da Vulgata Latina, a tradução oficial da Bíblia Católica, em 1Ts 4,17 – que significa 'seremos raptados' (do latim rapiemur).

 

 

 

 

Nihil obstat: 

 

 

Cheguei à conclusão de que os materiais apresentados neste trabalho estão livres de erros doutrinais ou morais.

 

Bernadeane Carr, STL, Censor Librorum, agosto 10, 2004

 

 

Imprimatur: 


De acordo com 1983 CIC 827 Permissão para publicar este trabalho é concedida.

 

 

† Robert H. Brom, Bispo de San Diego, 10 de agosto de 2004




O QUE DIZ O MAGISTÉRIO OFICIAL DA IGREJA SOBRE ESTE TEMA?


 

 




Última provação da Igreja

 

 

§675 Antes do advento de Cristo, a Igreja deve passar por uma provação final que abalar a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha a peregrinação dela na terra" desvendará o "mistério de iniquidade" sob a forma de uma impostura religiosa que há de trazer aos homens uma solução aparente a seus problemas, à custa da apostasia da verdade. A impostura religiosa suprema é a do Anticristo, isto é, a de um pseudo-messianismo em que o homem glorifica a si mesmo em lugar de Deus e de seu Messias que veio na carne.

 


§676. Esta impostura anticrística já se esboça no mundo, sempre que se pretende realizar na história a esperança messiânica, que não pode consumar-se senão para além dela, através do juízo escatológico. A Igreja rejeitou esta falsificação do Reino futuro, mesmo na sua forma mitigada, sob o nome de milenarismo (642), e principalmente sob a forma política dum messianismo secularizado, «intrinsecamente perverso» (643).

 

 

§677 A Igreja só entrará na glória do Reino por meio desta derradeira Páscoa, em que seguirá seu Senhor em sua Morte e Ressurreição. Portanto, o Reino não se realizará por um triunfo histórico da Igreja segundo um progresso ascendente, mas por uma vitória de Deus sobre o desencadeamento último do mal, que fará sua Esposa descer do Céu. O triunfo de Deus sobre a revolta do mal assumirá a forma do Juízo Final depois do derradeiro abalo cósmico deste mundo que passa.

 

 

 

Cristo e sua descida dos céus

 

 

 

§440 Jesus acolheu a profissão de fé de Pedro, que o reconhecia como o Messias anunciando a Paixão iminente do Filho do Homem. Desvendou o conteúdo autêntico de sua realeza messiânica, seja na identidade transcendente do Filho do Homem "que desceu do Céu" (Jo 3,13) seja em sua missão redentora como Servo sofredor: "O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar sua vida em resgate pela multidão" (Mt 20,28). Por isso o verdadeiro sentido de sua realeza só se manifestou do alto da Cruz. É somente após sua Ressurreição que sua realeza messiânica poderá ser proclamada por Pedro diante do povo de Deus: "Que toda casa de Israel saiba com certeza: Deus o constituiu Senhor e Cristo, este Jesus que vós crucificastes" (At 2,36).

 

 

 

§1001 Quando? Definitivamente "no último dia" (Jo 6,39-40.44-54); "no fim do mundo". Com efeito, a ressurreição dos mortos está intimamente associada à Parusia de Cristo:Quando o Senhor, ao sinal dado, à voz do arcanjo e ao som da trombeta divina, descer do céu, então os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro (1Ts 4,16).

 

 

 

Novos céus e nova terra!

 

 

 

§1042 No fim dos tempos, o Reino de Deus chegar à sua plenitude. Depois do Juízo Universal, os justos reinarão para sempre com Cristo, glorificados em corpo e alma, e o próprio universo será renovado: Então a Igreja será "consumada na glória celeste, quando chegar o tempo da restauração de todas as coisas, e com o gênero humano também o mundo todo, que está intimamente ligado ao homem e por meio dele atinge sua finalidade, encontrará sua restauração definitiva em Cristo"

 

 

 

§1043 Esta renovação misteriosa, que há de transformar a humanidade e o mundo, a Sagrada Escritura a chama de "céus novos e terra nova" (2Pd 3,13). Ser a realização definitiva do projeto de Deus de "reunir, sob um só chefe, Cristo, todas as coisas, as que estão no céu e as que estão na terra" (Ef 1,10).

 

 

 

§1044 Neste "universo novo", a Jerusalém celeste, Deus terá sua morada entre os homens. "Enxugará toda lágrima de seus olhos, pois nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais. Sim! As coisas antigas se foram!" (Ap 21,4).

 

 

 

§1045 Para o homem, esta consumação será a realização última da unidade do gênero humano, querida por Deus desde a criação e da qual a Igreja peregrinante era "como o sacramento". Os que estiverem unidos a Cristo formarão a comunidade dos remidos, a cidade santa de Deus (Ap 21,2), "a Esposa do Cordeiro" (Ap 21,9). Esta não será mais ferida pelo pecado, pelas impurezas, pelo amor-próprio, que destroem ou ferem a comunidade terrestre dos homens. A visão beatífica, na qual Deus se revelará de maneira inesgotável aos eleitos, será a fonte inexaurível de felicidade, de paz e de comunhão mútua.

 

 

 

§1046 Quanto ao cosmos, a Revelação afirma a profunda comunidade de destino do mundo material e do homem:Pois a criação em expectativa anseia pela revelação dos filhos de Deus (...) na esperança de ela também ser libertada da escravidão da corrupção (...). Pois sabemos que a criação inteira geme e sofre as dores de parto até o presente. E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos interiormente, suspirando pela redenção de nosso corpo (Rm 8,19-23).

 

 

 

§1047 Também o universo visível está, portanto, destinado a ser transformado, "a fim de que o próprio mundo, restaurado em seu primeiro estado, esteja, sem mais nenhum obstáculo, a serviço dos justos", participando de sua glorificação em Cristo ressuscitado.

 

 

 

§1048 "Ignoramos o tempo da consumação da terra e da humanidade e desconhecemos a maneira de transformação do universo. Passa certamente a figura deste mundo deformada pelo pecado, mas aprendemos que Deus prepara uma nova morada e nova terra. Nela reinará a justiça, e sua felicidade irá satisfazer á e superar todos os desejos de paz que sobem aos corações dos homens."

 

 

 

§1049 "Contudo, a expectativa de uma terra nova, longe de atenuar, deve impulsionar em vós a solicitude pelo aprimoramento desta terra. Nela cresce o corpo da nova família humana que já pode apresentar algum esboço do novo século. Por isso, ainda que o progresso terrestre se deva distinguir cuidadosamente do aumento do Reino de Cristo, ele é de grande interesse para o Reino de Deus, na medida em que pode contribuir para melhor organizar a sociedade humana."

 

 

 

§1050 "Com efeito, depois que propagarmos na terra, no Espírito do Senhor e por ordem sua, os valores da dignidade humana, da humanidade fraterna e da liberdade, todos estes bons frutos da natureza e de nosso trabalho, nós os encontraremos novamente, limpos, contudo, de toda impureza, iluminados e transfigurados, quando Cristo entregar ao Pai o reino eterno e universal. Deus será, então, "tudo em todos" (1 Cor 15,28), na Vida Eterna.

 

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

 

 

-LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD

 

 

-Ambr. in 1 Th. 4, apud. Catecismo Romano, I XII 6)".

 

 

-https://www.ofielcatolico.com.br/2005/06/a-igreja-e-o-arrebatamento.html

 

 

-https://pt.wikipedia.org/wiki/Arrebatamento_crist%C3%A3o_(escatologia)

 

 

 

------------------------------------------------------

 

 

APOSTOLADO BERAKASHComo você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quêNão buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger