A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , , , » “Pro inferno com o diálogo inter-religioso, se o preço dele for negar nossa fé (D. Henrique Soares).

“Pro inferno com o diálogo inter-religioso, se o preço dele for negar nossa fé (D. Henrique Soares).

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 5 de março de 2021 | 12:47

 


 

Hoje em dia está cada vez mais difícil dialogar de verdade. Não estamos falando de conversas triviais do dia a dia porque elas não parecem estar em crise. Referimo-nos aqui a diálogos nos quais, por exemplo, se argumenta contra ou a favor de algum tema polêmico. Diálogos em que são tratados temas sobre religião, política ou sobre a vida interior de alguém. Nesses momentos, opinar pode ser difícil, porque pode ser visto como imposição, falta de respeito, entre outras coisas. Dialogar parece estar se tornando uma arte cada vez mais difícil e praticada por poucos. Conversando, nos vemos na necessidade de mostrar que, segundo nossa fé, tal pensamento ou atitude de nosso interlocutor não está correta. Não é que nos sintamos superiores e donos da verdade (como poderia ser interpretada a correção), simplesmente é parte fundamental da nossa vocação o anunciar o modo de vida cristão. Não quer dizer que estamos fechados ou que não respeitemos os outros. Apenas quer dizer que nós, enquanto cristãos, vivemos de uma determinada maneira e, aí sim, pensamos que vale a pena que o mundo inteiro conheça essa “maneira” (que é na verdade Cristo mesmo, a nossa Vida).

 

 

 

DIALOGAR NÃO É FÁCIL

 

 

 

Não é fácil, mas também não é impossível. E se não queremos nos omitir com relação a nossa fé, precisamos aprender a entrar em diálogo com os demais. É necessário desenvolver uma capacidade de escuta, de acolher de verdade o outro com tudo o que ele é, mesmo que não concordemos com várias atitudes ou maneiras de pensar. É muito importante estarmos realmente abertos, porque como católicos não podemos ter medo da verdade, já que a Verdade é o mesmo Cristo em quem temos posta a nossa confiança. Para que essa real abertura seja, por um lado, realmente eficiente e, por outro, não acabe nos confundindo em nossa própria fé, é preciso uma formação sólida para que estejamos prontos a dar razão de nossa esperança, como diz São Pedro. Quanto mais profunda seja a nossa raiz em Cristo, quanto mais solidamente estejamos fundamentados na Rocha firme, menos medo teremos de qualquer tormenta que possa aparecer. Construamos nossa casa sobre a Rocha, como a pessoa sensata do Evangelho. É parte fundamental da nossa vocação anunciar o modo de vida cristão. Não quer dizer que estamos fechados ou que não respeitemos os outros.Mas não será que quanto mais sólido na fé, mais fechado estaremos para escutar aos demais? Se isso acontece, e parece que algumas vezes acontece, penso que é preciso revisar se o fundamento sobre o qual se está “sólido” é realmente Cristo, porque se olharmos para o Senhor, que é a própria Rocha, o veremos sempre aberto às pessoas:



Ele estava próximo dos pecadores e comia na casa dos publicanos. Falava aos mais humildes e, desde criança, dialogava sabiamente com os mestres de seu tempo. É aberto, sem deixar de ser firme, falando o que Ele sabe que precisa ser falado, sendo muito claro e enérgico, algumas vezes. É só lembrar-se de seus diálogos com alguns fariseus ou inclusive com Pedro, quando diz: “Afasta-te de mim Satanás! Tu me serves de pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas as dos homens!”.

 

 

Nos dias de hoje na busca do diálogo a qualquer custo, é muito comum este tipo de falácia:

 

 

"... Imagina se víssemos Jesus acolhendo drogados, prostitutas, gente sem religião, os pedintes dos semáforos, homossexuais, gente de outras religiões, ou mesmo os que chamamos LGBT.... com certeza, muitos vídeos saíram no You Tube de alguns padres, outros leigos, e alguns bispos, dizendo: "esta não é a fé católica, não é doutrina....temos que defender a Igreja, não se pode misturar a vida religiosa com essa gente..."

 

Precisamos entender que uma coisa é acolher o PECADOR, isto é bíblico e Cristão, é missão da Igreja e de todos nós batizados que carregamos este nome. OUTRA COISA É ACOLHER E LEGALIZAR O PECADO, ou seja, "as ideologias", erros e heresias ...Jesus acolhia e andava com estas pessoas, não para ser igual a elas e aprovar seus pecados. (Ele dizia: VAIS E NÃO PEQUES MAIS), Jesus as acolhia para salva-las e liberta-las da ESCRAVIDÃO DO PECADO. Não podemos esquecer que Deus AMA O PECADOR, MAS ODEIA O PECADO...

 

 

 

2 Coríntios 6,14-15: "Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?..."

 

 

Não tenhamos medo de entrar em diálogo com humildade. Jesus espera que anunciemos o Reino de Deus e, como diz São Paulo: “como poderiam ouvir sem pregador?” (Rm 10, 14). Anunciemos a vida que recebemos, peçamos sempre a iluminação do Espírito Santo para fazê-lo da melhor maneira possível, respeitando a dignidade e a liberdade das pessoas, sem deixar de mostrar a maravilha que é o dom da verdade e da vida cristã que vivemos. O diálogo da religião com a modernidade, especialmente com o universo ateu e com o mundo acadêmico-científico, constitui para o cristianismo de hoje um imponente desafio. Certamente, a confiança que as pessoas nutrirão em nossa mensagem e testemunho vai depender diretamente de três importantes iniciativas primordiais:

 

 

1)-A primeira delas seria o comportamento do crente diante dos questionamentos da modernidade, buscando compreender que o neo-ateísmo almeja também a defesa da dignidade humana.

 

 

2)-A segunda postura seria a maneira como o cristão deve dialogar com a sociedade plural. Neste momento dá-se uma condenação implícita a todo tipo de intolerância e violência.

 

 

3)-Por fim, numa terceira atitude de análise, o cristão deve perceber a qualidade de sua experiência de fé e como deve ser apresentada dentro da cultura e da sociedade atual.

 

 

O problema de algumas pessoas não é ter opiniões próprias, mas não saber como expressá-las. Pensam que o fato de serem inteligentes e questionadoras lhes dá o direito de abrir mão das boas maneiras. Será? É verdade que diplomacia e palavras educadas não resolvem tudo. Também é certo que a tintura social de muitos sorrisos amarelos em “caras de paisagem” podem não ser mais que sinal de hipocrisia. E daí? Isso nos daria o direito de agir teimosamente como justiceiros autorizados, como legítimos donos da verdade? Isso seria suficiente para justificar uma “boa” briga? Afinal de contas, seria a contradição ou o cinismo alheio uma boa razão para haver de minha parte uma atitude agressiva “moralmente defensável”?

 

 

Deve existir, imagino eu, um ponto de equilíbrio possível, ou ao menos desejável, entre a busca pela verdade e o respeito pelo adversário, por mais desagradável que ele(a) seja. Deve haver ocasiões, ao menos algumas, em que a eletricidade negativa da justa indignação contra as coisas erradas deva ser canalizada de forma mais produtiva que destrutiva. Não se trata apenas de etiqueta, portanto. Vai além disso. Forma e conteúdo nem sempre são coisas separadas, são? Aparência e essência se relacionam às vezes de um jeito mais complexo e desafiador do que supõe a nossa vã filosofia.

 

 

DIÁLOGO E MAGISTERIO DA IGREJA

 

Diálogo com as Outras religiões com a filosofia e a ciência

 

 

§39 Ao defender a capacidade da razão humana de conhecer a Deus, a Igreja exprime sua confiança na possibilidade de falar de Deus a todos os homens e com todos os homens. Esta convicção esta na base de seu diálogo com as outras religiões, com a filosofia e com as ciências, como também com Os não-crentes e os ateus.

 

 

Diálogo com os que não aceitam o Evangelho

 

 

 

§856 A tarefa missionária implica um diálogo respeitoso com os que ainda não aceitam o Evangelho. Os fiéis podem tirar proveito para si mesmos deste diálogo, aprendendo a conhecer melhor "tudo quanto de verdade e de graça já se achava entre as nações, numa como que secreta presença de Deus". Se anunciam a Boa Nova aos que a desconhecem, é para consolidar, completar e elevar a verdade e o bem que Deus difundiu entre os homens e os povos e para purificá-los do erro e do mal, "para a glória de Deus, a confusão do demônio e a felicidade do homem''.

 

 

Diálogo do homem com Deus

 

 

 

§27 O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que o homem é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem a si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar: O aspecto mais sublime da dignidade humana está nesta vocação do homem à comunhão com Deus. Este convite que Deus dirige ao homem, de dialogar com ele, começa com a existência humana. Pois se o homem existe, é porque Deus o criou por amor e, por amor, não cessa de dar-lhe o ser, e o homem só vive plenamente, segundo a verdade, se reconhecer livremente este amor e se entregar ao seu Criador.

 

 

 

§1153 Uma celebração sacramental é um encontro dos filhos de Deus com seu Pai, em Cristo e no Espírito Santo, e este encontro se exprime como um diálogo, mediante ações e palavras. Sem dúvida, as ações simbólicas já são em si mesmas uma linguagem, mas é preciso que a Palavra de Deus e a resposta de fé acompanhem e vivifiquem estas ações para que a semente do Reino produza seu fruto na terra fértil. As ações litúrgicas significam o que a Palavra de Deus exprime: a iniciativa gratuita de Deus e ao mesmo tempo a resposta de fé de seu povo.

 

 

 

§2063 A Aliança e o diálogo entre Deus e o homem são ainda confirmados pelo fato de que todas as obrigações são enuncia das na primeira pessoa ("Eu sou o Senhor...") e dirigidas a um outro sujeito ("tu...") Em todos os mandamentos de Deus, é um pronome pessoal singular que designa o destinatário. Deus dá a conhecer sua vontade a cada um em particular, ao mesmo tempo que o faz ao povo inteiro: O Senhor prescreveu o amor para com Deus e ensinou a justiça para com o próximo, a fim de que o homem não fosse nem injusto nem indigno de Deus. Assim, pelo Decálogo, Deus preparou o homem para se tornar seu amigo e ter um só coração com o próximo... Da mesma maneira, as palavras do Decálogo continuam válidas entre nós [cristãos]. Longe de serem abolidas elas cresceram e se desenvolveram pelo fato da vinda do Senhor na carne.

 

 

 

§2575 Também aqui Deus vem primeiro. É Ele quem chama Moisés do meio da sarça ardente. Esse acontecimento será sempre uma das figuras primordiais da oração na tradição espiritual judaica e cristã. De fato, se "o Deus de Abraão, Isaac e Jacó" chama seu servo Moisés, é porque Ele é o Deus Vivo que quer a vida dos homens. Ele se revela para salvá-los, mas não sozinho, nem apesar deles; chama Moisés para enviá-lo, para associá-lo sua compaixão, à sua obra de salvação. Há, por assim dizer, uma imploração divina nesta missão, e Moisés, depois de longo debate, conformará sua vontade com a de Deus salvador. Mas, nesse diálogo em que Deus se confia, Moisés também aprende a orar esquiva-se, objeta e principalmente pede. E é em resposta a sei pedido que o Senhor lhe confia seu Nome inefável, que se revelará em seus grandes feitos.

 

 

§2653 A Igreja "exorta todos os fiéis cristãos, com veemência e de modo peculiar... a que pela freqüente leitura das divinas Escrituras aprendam 'a eminente ciência de Jesus Cristo' Lembrem-se, porém, de que a leitura da Sagrada Escritura deve ser acompanhada pela oração, a fim de que se estabeleça o colóquio entre Deus e o homem; pois 'a Ele falamos quando rezamos; a Ele ouvimos quando lemos os divinos oráculos".

 

 

 

Diálogo entre as Igrejas para alcançar a união dos cristãos

 

 

 

§821 Para responder adequadamente a este apelo, exigem-se: uma renovação permanente da Igreja em uma fidelidade maior à sua vocação. Esta renovação é a mola do movimento rumo à unidade.

•a conversão do coração, "com vistas a viver mais puramente segundo o Evangelho", pois e a infidelidade dos membros ao dom de Cristo que causa as divisões.

 

 

•a oração em comum, pois "a conversão do coração e a santidade de vida, juntamente com as preces particulares e públicas pela unidade dos cristãos, devem ser consideradas a alma de todo o movimento ecumênico e, com razão, podem ser chamadas de ecumenismo espiritual".

 

 

Conhecimento fraterno recíproco:

 

 

 

•a formação ecumênica dos fiéis e especialmente dos presbíteros.

 

•diálogo entre os teólogos e os encontros entre os cristãos diferentes Igrejas e comunidades.

 

•a colaboração entre cristãos nos diversos campos do serviço aos homens.

 

 

§1126 De resto, visto que os sacramentos exprimem e desenvolvem a comunhão de fé na Igreja, a lex orandi é um dos critérios essenciais do diálogo que busca restaurar a unidade dos cristãos.

 

 

 

Diálogo entre os homens necessidade humana

 

 

§1879 A pessoa humana tem necessidade de vida social. Esta não constitui para ela algo acrescentado, mas é uma exigência de sua natureza. Mediante o intercâmbio com os outros, a reciprocidade dos serviços e o diálogo com seus irmãos, o homem desenvolve as próprias virtualidades; responde, assim, à sua vocação. Na vida em sociedade, a busca e a defesa da verdade nunca serão apenas um exercício intelectual frio, solitário e abstrato. Sempre terão que incluir na fórmula – (in)felizmente! – as pessoas envolvidas no processo, suas histórias, mazelas e sentimentos, tanto os alheios como os próprios. A mesma mente inquieta que reivindica não negar a realidade deveria admitir que é impossível conhecer o que quer que seja sem antes conhecer a si próprio, sem “ser”, sem explorar a fundo o próprio coração. Em outras palavras, quanto menos sei quem sou, ou quanto mais me afasto de minha essência, tanto mais distorcido e incompleto será meu conhecimento sobre o mundo, sobre a vida, sobre tudo. Alienar-se é sinônimo de estranhar-se, isto é, significa olhar no espelho e não reconhecer a si próprio; por ter ido longe demais, por ter negado as próprias fragilidades em vez de tratá-las e remediá-las com cuidado e amor.

 

 

 

O EXEMPLO DE CRISTO NO DIÁLOGO

 

 

 

O próprio Cristo nos ensinou essa lição quando, ainda criança, teve que enfrentar ideias, atitudes e práticas contrárias às Suas. Se alguém, dentro da família e da sociedade, parece não ter o direito de pensar por si, são as crianças. Ao longo dos séculos tem sido assim. A infantilidade e imaturidade típicas das crianças em parte justificam isso. Todo mundo parece se sentir no direito de ensiná-las. Com Jesus não foi diferente. Agora, imagine o Mestre dos mestres tendo que, aos 12 anos, discordar dos rabinos encarregados de instruí-Lo! Além de verdadeiro em suas relações, Ele era inteligente e alegre, por isso apreciavam tanto Sua companhia. Agora, imagine Jesus frequentando uma igreja imperfeita, com membros iguais ou piores que aqueles que encontramos em nossas próprias comunidades de fé no século 21. Imagine-O andando pelas ruas de Nazaré, cheias de sujeira e pobreza de todo tipo: física, cultural e moral. Ele bem que poderia ter chutado o balde, não é? Poderia ter brandido a espada conclamando a esperada revolta armada sob sua liderança. Poderia ter amaldiçoado a todos e mandado todo mundo para o inferno, não é mesmo? Ele tinha tudo para assumir a postura de justiceiro. Ele tinha, não tinha por assim dizer, telhado de vidro, pois era santo, perfeito, impecável. Estava no direito de condenar e chamar todo mundo de sepulcro caiado e raça de víboras. Entretanto, Jesus não agiu assim o tempo todo e nem com todos(as).  

 

 

Jesus não reivindicava Seus direitos

 

 

Íntegro e puro, caminhava entre os negligentes, os brutos, os intratáveis, entre os coletores de impostos desonestos, entre os pródigos perdulários, entre os samaritanos injustos, entre os soldados pagãos, entre os camponeses rudes, entre coletores de impostos corrutos, bem como entre pessoas de posses e de alto poder social como Zaqueu e Nicodemos. Exceto por uns poucos incidentes polêmicos envolvendo os líderes judeus mais obstinados de Sua época, os atos e palavras de Jesus transmitiam a todos a esperança e a amabilidade que as pessoas em geral não conseguiam encontrar em ninguém mais, senão Nele (Mt 11, 28-30; Lc 9,56; Jo 12,47). Jesus era gentil e cortês não por ser um diplomata, mas por amor e respeito a todos aqueles com quem Ele entrava em contato, pessoas que Ele considerava todas criadas boas e para o Céu, não ao inferno. O amor expresso em Suas palavras (mesmo nas de reprovação) não se restringia às fórmulas de polidez socialmente e moralmente aceitas. Ia além das aparências. Quebrava alguns protocolos enquanto, curiosamente, respeitava outros (Jo 7,44-46; Mc 7,26-29). A lógica de Seus atos desafia nosso intelecto e inspira nosso coração. Ele é nosso modelo, não os personagens caricatos inventados pelo gênio criativo de célebres escritores ou dos cineastas famosos de nosso tempo. Jesus tem a coerência da qual carecem muitos super-heróis fictícios, o amor profundo e genuíno ausente nos galãs da TV, a mente brilhante e invejável que muitos cientistas gostariam de ter, a ousadia e sofisticação de pensamento que nenhum filósofo nesta Terra jamais alcançará. O que você acha de tomá-Lo como referência na próxima vez que entrar em uma discussão (doutrinária, política ou ideológica) com alguém para defender o seu ponto de vista?

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

 

Documentos:

 

Bíblia Tradução Ecumênica – TEB. São Paulo, Paulinas, 1995.

Comissão Internacional Anglicano-Católica Romana. O Dom da Autoridade. São Paulo, Paulinas, 1999.

Comissão Internacional Anglicano-Católica Romana. Vida em Cristo – Moral, Comunhão e a Igreja. São Paulo, Paulinas, 2001.

Comissão Internacional Anglicano-Católica Romana. Maria: graça e esperança em Cristo. Ed. Paulinas, São Paulo, 2005.

Comissão Teológica Internacional. O Cristianismo e as Religiões. São Paulo, Loyola, 1997.

Comissão Mista: Igreja Católica Romana e Conselho Metodista Mundial, Dizer a Verdade na Caridade – A autoridade de ensinar entre católicos e metodistas, Paulinas, São Paulo, 2002.

Comissão Internacional Anglicano – Católica Romana. Relatório Final. CEDI. Windsor, setembro de 1981.

Compêndio do Vaticano II. Constituições, Decretos e Declarações. Petrópolis, Vozes, 1984.

Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Diálogo Católico-Pentecostal, São Paulo, Paulinas, 1999.

Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil – CONIC – Os Casamentos Interconfessionais – Uma Visão Teológico-pastoral, Ed. Paulinas, São Paulo, 2007.

Carta Pastoral do Colégio Episcopal sobre Ecumenismo. São Paulo, CEDRO, 1999.

Declaração Conjunta Católica Romana – Evangélica Luterana. Doutrina da Justificação por Graça e Fé. Porto Alegre, Edipucrs, 1998.

Decreto “Unitatis Redintegratio” sobre o Ecumenismo, in Documentos do Vaticano II.

Dialoghi Internazionali. 1931-1984; Bologna, Edizionne Dehoniane Bologna, 1988, Vol. I, III, V, VI, VII e VIII.

Dialoghi Mondiali. 1927-1993; Bologna, Edizionne Dehoniane Bologna (EDB), 2005, Vol. 6.

Dialoghi Locali 1965-1987; Edizionne Dehoniani Bologna, 1988, Vol II e IV.

Diretório para Aplicação dos Princípios e Normas sobre o Ecumenismo. São Paulo, Paulinas, 1994.

Documento de Aparecida. Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe. CELAM, Edições CNBB, Paulus e Paulinas, 2007.

Hospitalidade Eucarística. Subsídios elaborados pelo seminário bilateral misto católico romano – evangélico luterano. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2000.

Jesus Cristo portador da água viva – Uma reflexão Cristã sobre a Nova Era, Paulinas Editora – São Paulo, 2003.

João Paulo II. Carta Apostólica “Orientale Lumen”. São Paulo, Paulinas, 1995.

João Paulo II. Carta Apostólica “Tertio Millenio Adveniente”. São Paulo, Paulinas, 1994.

João Paulo II. Carta Apostólica Novo Millennio Ineunte. No Início do Novo Milênio. São Paulo, Paulinas, 2001.

João Paulo II. Carta Encíclica “Ut Unum Sint”. São Paulo, Loyola, 1995.

João Paulo II – Ecclesia de Eucharistia, Sobre a Eucaristia na sua relação com a Igreja – Paulinas Editora, São Paulo, 2003.

Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. A Dimensão Ecumênica na Formação dos que Trabalham no Ministério Pastoral. São Paulo, Paulinas, 1998. Nº 156.

Seminário Bilateral Misto Católico Romano-Evangélico Luterano, Os Ministérios, Editora Edipucrs, Porto Alegre, 2002.

VVAA. Conciliorum Oecumenicorum Decreta. Ed. Dehoniane Bologna, 1991.

 

 

Estudos da CNBB

 

 

A Igreja Católica Diante do Pluralismo Religioso no Brasil, I. n. 62. São Paulo, Paulinas, 1991.

A Igreja Católica Diante do Pluralismo Religioso no Brasil, II. n. 69. São Paulo, Paulinas, 1993.

A Igreja Católica Diante do Pluralismo Religiosos no Brasil, III. n. 71. São Paulo, Paulinas, 1994.

A Igreja e os Novos Grupos Religiosos, n. 68. São Paulo, Paulus, 1993.

Conhecer nossas raízes – Jesus Judeu. Ed. CNBB. 2006.

Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, 2003 – 2006, N. 71. Paulinas Editora – São Paulo, 2003.

Guia Ecumênico Popular, pela Unidade dos Cristãos, n. 28. São Paulo, Paulinas, 1986.

Guia Ecumênico – n. 21, 3ª. Edição Editora Paulus – São Paulo, 2003.

O que é ecumenismo? Uma ajuda para trabalhar a exigência do diálogo. São Paulo, Paulinas, 1997.

Projeto Nacional de Evangelização Queremos Ver Jesus – CNBB. Unitatis Redintegratio Decreto do Concílio Vaticano II sobre o Ecumenismo. Editoras Paulus e Paulinas, São Paulo, 2005.

 

 

Livros

 

 

ALTMANN, Walter. Lutero e Libertação, São Paulo, Sinodal e Ática, 1994.

ANTINUCCI, Lucia. Ecumenismo, Manuali di Base. n. 36, Siemme, Casale Monferrato, 1991.

ANTONIAZZI, Alberto. Por que o panorama religioso no Brasil mudou tanto? São Paulo, Paulus, 2004.

ARMSTRONG. Karen, Em Nome de Deus – Fundamento no Judaísmo, no Cristianismo e no Islamismo, Ed. Schawarcz Ltda, São Paulo, 2001.

BATISTA LIBANIO, João, A Religião no início do milênio, Edições Loyola, São Paulo, 2002.

BEST, Thomas F. Baptism Today – Understanding, Practice, Ecumenical Implications, WCC Publications, Geneve, 2008.

BETTENSON, H. Documentos da Igreja Cristã. São Paulo, ASTE SIMPÓSIO, 1998.

BIZON. J, e DRUBI. R, (orgs). Ecumenismo: 40 anos Decreto Unitatis Redintegratio – 1964-2004. Ed. Paulinas, São Paulo, 2004.

BIZON. J, e DRUBI. R, (orgs). A Unidade na Diversidade, coletânea de artigos em comemoração aos 40 anos do Decreto Unitatis Redintegratio sobre o ecumenismo. Ed. Loyola, São Paulo, 2004.

BLASER, Klauspeter. Le Confesioni Cristiane, Le doctrine e la prassi. Tavole sinottiche. Milano, San Paolo, Cinisello Balsamo, 1995.

BOCK, Carlos Gilberto. O Ecumenismo Eclesiástico em debate. Uma análise a partir da proposta ecumênica do CONIC. São Leopoldo, IEPG e Sinodal, 1998, vol. 11.

BONATTI, Pe. Mário, Jesus nos quer Unidos. São Paulo, Loyola, 2000.

________.Maria Mãe dos Cristãos – A devoção à Mãe de Jesus explicada a católicos e evangélicos com base na Bíblia. São Paulo, Loyola, 2006.

BOSCH. David J, MISSÃO TRANSFORMADA – Mudanças de Paradigma na Teologia da Missão, Ed. Sinodal, Rio de Janeiro, 2002.

BRAKEMEIER, Gottfried. Preservando a Unidade do Espírito no Vínculo da Paz – um curso de ecumenismo. Aste, São Paulo, 2004.

BRUNI, Giancarlo. Mariologia Ecumênica. Bologna, Centro editoriale dehoniano, 2009.

CAMBÓN, Enrique. Fazendo Ecumenismo, Uma exigência evangélica e uma urgência histórica. São Paulo, Cidade Nova, 1994.

CATÃO, Francisco. O Fenômeno Religioso – Ensino Religioso Escolar. São Paulo, Ed. Letras e Letras, 1995

Centro de Estudos Ecumênicos (Estrasburgo), Instituto de Pesquisa Ecumênica (Tübingen), Instituto de Estudo das Confissões (Bensheim). A Comunhão Eucarística é possível. São Leopoldo, RS, Ed. Sinodal, 2006.

COELHO, Antonio Carlos. Encontros Marcados com Deus: Expressão da Unidade do Povo de Deus, São Paulo, Paulinas, 1999.

COLEÇÃO CERIS, Desafios do Catolicismo na cidade, Pesquisa em regiões metropolitanas brasileiras, Paulus, São Paulo, 2002.

Comissão Conjunta de Trabalho entre a Igreja Católica Romana e o Conselho Mundial de Igrejas. Formação Ecumênica. São Paulo, Paulus, 1997.

Comissão de Ecumenismo e Diálogo Religioso da Arquidiocese de São Paulo. Caminhos para a Unidade Cristã, Pastoral de Ecumenismo. São Paulo, Paulinas, 1987.

Comissão Nacional Anglicano-Católica. Unidos no diálogo anglicanos e católicos. São Paulo, Loyola, 1994.

CONGAR, Cardeal Ives. Igreja e Papado. Tradução: Marcelo Rouanet. São Paulo, 1997.

Congresso Ibero-Americano sobre la Nueva Evangelización Y Ecumenismo, Nueva Evangelizacíon Y Ecumenismo, Gráficas Lormo, Madrid, 1992.

CONIC e CLAI. Diversidade e Comunhão. Um convite ao ecumenismo. São Paulo, Sinodal e Paulinas, 1998.

Conselho Mundial de Igrejas – Fé e Constituição. Batismo Eucaristia Ministério. São Paulo, ASTE, 2001.

_______ A Confissão da fé Apostólica. Documento de Estudo da Comissão Fé e Ordem, Instituto Ecumênico de Pós-Graduação em Ciências da Religião e Conselho Nacional de Igrejas, São Paulo, 1993.

_______ Partilhar em amor. Direitos de Propriedade Intelectual, Direitos Autorais e as Igrejas Cristãs. CMI e WACC, São Paulo, 2008.

CONSELHO NACIONAL DE IGREJAS CRISTÃS DO BRASIL – CONIC, Relatório sobre a Dignidade Humana e a Paz no Brasil, Editora Salesiana, São Paulo, 2002.

Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil – CONIC. Compartilhando a Fé Comum. Guia de estudo e celebração da fé para grupos de reflexão. Ed. Paulinas, São Paulo, 2005.

COSTEMALLE. Enrique, DUBOIS, Claudette, URIBURU, M. Florencia, Caminos de Unidad – Para entender y viver el ecumenismo, Ed. Claretiana, Buenos Aires, República Argentina, 2003.

CRUZ, Therezinha M. Lima. Ecumenismo: Conteúdo de Catequese? São Paulo, Paulus, 1996.

DENZINGER, Heinrich, Compêndio dos símbolos, definições e declarações de fé e moral. São Paulo, Paulinas, Ed. Loyola, 2007.

DREHER, Carlos A. (orgs.) Profecia e Esperança um tributo a Milton Schwantes. Ed. Oikos, S. Leopoldo, RS, 2006.

DUPUIS, Jacques. Rumo a uma Teologia Cristã do Pluralismo Religioso. São Paulo, Paulinas, 1999.

DUPUIS, Jacques. Introdução à Cristologia. São Paulo: Loyola, 1999.

FERREIRA, João Cesário Leonel (org.). Novas Perspectivas sobre o Protestantismo Brasileiro. São Paulo, Fonte Editorial/Paulinas, 2009.

FREDERICK M.BLISS, SM. Catolic and Ecumenial, History and Hope, Sheed & Ward, Flanklin – Wisconsin, 1999.

GALINDO, Florêncio, CM. O fenômeno das Seitas Fundamentalistas. Petrópolis, Vozes, 1995.

GIBELLINI, Rosino, A Teologia do Século XX. São Paulo, Ed. Loyola, 1998.

GONÇALVES. Paulo Sérgio Lopes (org). Concílio Vaticano II – Análise e perspectiva, ED. Paulinas, São Paulo, 2004.

GOTO. Tommy Akira, O fenômeno Religioso, a fenomenologia em Paul Tillich, Ed. Paulus, São Paulo, 2004.

GOZZI, Paulo H. Como lidar com as Seitas. São Paulo, Paulinas, 1989.

GUADALUPE, José Luis Pérez. Ecumenismo, Sectas y Nuevos Movimientos Religiosos. Ed. Paulinas, Lima – Peru, 2002.

HORTAL, Jesús, S.J. E haverá um só rebanho. História, doutrina e prática católica do Ecumenismo. São Paulo, Loyola, 1989.

JACOB ROMERO, César, Atlas da Filiação Religiosa e Indicadores Sociais no Brasil, Editora PUC/RIO, CNBB e Edições Loyola – São Paulo, 2003.

KASPER, Walter, cardeal. O Sacramento da Unidade – Eucaristia e Igreja. Ed. Loyola, São Paulo, 2006.

KASPER, Walter, cardeal. Guia para uma espiritualidade ecumênica. Paulinas, São Paulo, 2007.

KASPER, Walter. Que todas sejam uma. São Paulo, Ed. Loyola, 2008.

KLAIBER, Walter e Manfrede Marquard. Viver a Graça de Deus – Um Compêndio de Teologia Metodista, São Bernardo do Campo, SP, Cedro, 1999.

KHATLAB, Roberto, As Igrejas Orientais – Tradições vivas, Editora Ave-Maria, Embu – São Paulo, 1997.

KÜNG, Hans. A Igreja Católica – História Essencial, Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 2002.

KÜNG, Hans. Teologia a Caminho – Fundamentação para o Diálogo Ecumênico. São Paulo, Paulinas, 1999.

LEITE, Nelson Luiz Campos. Como alcançar o Genuíno Avivamento. São Paulo, Exodus, 1997.

LÉONARD.G. Émile, O Protestantismo Brasileiro, 3ª edição, Ed. ASTE, São Paulo, 2002.

LIMA, Délcio M. Os demônios descem do Norte. Rio de janeiro, Francisco Alves, 1987.

MACQUARRIE. John, Maria para todos os cristãos. Edições Loyola, São Paulo, 2006.

MAIA, Adriel de Souza. Retratos do pastor e bispo: Adriel de Souza Maia. EDITEO, São Bernardo do Campo, 2008.

MAFFEIS. Angelo, II Diálogo Ecumênico, Ed. Queriniana, Brescia, Itália.

MARIANO, Ricardo. Neo Pentecostais – Sociologia do novo Pentecostalismo no Brasil. São Paulo, Loyola, 1999.

MARTIM Lutero. Coleção Lutero para Hoje. O Louvor de Maria. Ed. Sinodal, São Leopoldo, 1999.

MCKIM, Donald K. Grandes Temas da tradição Reformada. Pendão Real, 1999.

MENDONÇA, Antônio G. e Velasques Filho Prócoro. Introdução Protestantismo no Brasil. São Paulo, 1990.

MENDONÇA, Antonio Gouvêa. Protestantes, Pentecostais & Ecumênicos. O campo religioso e seus personagens. São Bernardo do Campo, UMESP, 1997.

MENDONÇA, Antonio Gouvêa. O Celeste Porvir – Inserção do Protestantismo no Brasil. São Paulo, ASTE, 1995.

MIRANDA, Mario França de. A Igreja numa Sociedade Fragmentada. São Paulo, Loyola, 2006.

_______ Um Catolicismo Desafiado. Igreja e Pluralismo Religioso no Brasil. São Paulo, Paulinas, 1996.

MORINI, Enrico. O Oriente do Ocidente – Os Ortodoxos, Ed Paulinas, São Paulo, 2005.

NAVARRO, Juan Bosh. Para compreender o Ecumenismo. São Paulo, Loyola, 1995.

PASSOS, João Décio (org.) Movimentos do ESPÍRITO. Ed. Paulinas, São Paulo, 2005.

PRANDI, Reginaldo. Um Sopro do Espírito. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 1997.

REILY, Duncam A. Wesley e sua Bíblia. São Bernardo do Campo, EDITEO, 1997.

REILY, Duncan. A história documental do Protestantismo no Brasil. São Paulo, Aste, 1993.

RIBEIRO, Sandra Ferreira. Ecumenismo: simples tolerância ou um estilo de vida, Cidade Nova, São Paulo, 2002.

ROLIN, Francisco C. Pentecostalismo Brasil e América Latina. Petrópolis, Vozes, 1995.

ROUSE, R. e outros. Storia del Movimento Ecumenico, dalç 1517 al 1968, IV Vol. Bologna, Dehoniane, 1973.

SANT’ANA, Júlio, H. Ecumenismo e libertação. Petrópolis, Vozes, 1987.

SCHLESINGER, Hugo. PORTO, Humberto. Dialogando com Deus. 18ª Edição, Paulus, São Paulo, 2005.

SIEPIERSKI. Paulo D, (org). Religião no Brasil, Enfoques, Dinâmicas e Abordagens, Ed. Paulinas, São Paulo, 2003.

SILVA, Pe. José Augusto (Tradução). Maria no desígnio de Deus e a comunhão dos Santos. Ed. Santuário, Aparecida, 2005.

SINNER. Rudolf Von,WOLFF. Elias, BOCK. Carlos Gilberto (Orgs.), Vidas Ecumênicas, Ed. Sinodal, Porto Alegre, 2006.

SOUZA, Beatriz Muniz de (orgs.) Sociologia da Religião e Mudança Social. Paulus, São Paulo, 2004.

SWIDLER, Leonardo. Cristãos e não cristãos em diálogo. São Paulo, Paulinas, 1988.

STARK, Rodney e William Sims Bainbridge. Uma Teoria da Religião. Paulinas, São Paulo, 2008.

TAVARD, George H. A Igreja. Comunidade de Salvação. Uma Eclesiologia Ecumênica. São Paulo, 1998.

TEIXEIRA, Faustino e Zwinglio Mota Dias. Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso – A arte do possível. Aparecida, Editora Santuário, 2008.

TIEL, Gerhard. Ecumenismo na perspectiva do Reino de Deus. Uma análise do movimento ecumênico de base. São Leopoldo, Sinodal e CEBI, 1998.

TILLICH, Paul. História do Pensamento Cristão. São Paulo, ASTE, 2000.

TORRALBA, Juan Guillén. O Ano da Graça do Senhor. São Paulo, Paulinas, 1998.

VERCRUYSSE, Jos. Introdução à Teologia Ecumênica. São Paulo, Loyola, 1998.

WCC Publications. The Ecumenical Movement. Na anthology of key texts and voices. Geneva, Michel Kinnamon na Brian Cope, 1997.

WOLFF, Elias, O Ecumenismo no Brasil – Uma Introdução ao pensamento Ecumênico da CNBB. São Paulo, Paulinas, 2000.

WOLFF, Elias, Caminhos do Ecumenismo no Brasil, Editora Paulus, São Paulo, 2002.

_______.Ministros do Diálogo, o diálogo ecumênico e inter-religioso na formação presbiteral, Ed. Paulus, São Paulo, 2004.

_______.A Unidade da Igreja – ensaio de eclesiologia ecumênica. São Paulo, Paulus, 2007.

VVAA. Religiões e Religiosidades – Leituras e Abordagens. São Paulo, Ed. Arke e Unicapital, 2007.

Artigos

LIGORIO SOARES, Afonso Maria. Diálogo na Escola de François de L´Espinay: catolicismo e tradições africanas. REB, 267. Petrópolis, RJ Ed. Vozes. Julho – 2007.

BETTENCOURT, Estevão Tavares. Católicos perguntam. Coletânea de artigos publicados na revista O Mensageiro de Santo Antônio.

BETTENCOURT, Estevão Tavares. Crenças, religiões, igrejas seitas: quem são? Coletânea de artigos publicados na revista O Mensageiro de Santo Antônio.

BINGEMER, Maria Clara Lucchetti, ARAGÃO, Gilbraz de Souza. Teologia, transdisciplinaridade e física: uma nova lógica para o diálogo inter-religioso. REB. 263 e 264, julho e outubro, 2006.

BOFF, Leonardo. El Cristo cósmico: la superación del antropocentrismo. In: Numem, v. 2, n. 1, p. 125-139,1999.

CONIC. Como fazer Celebrações Ecumênicas. SEDOC Vol. 29, Nº 260, Jan/Fev 1997.

DUQUOC, Cristian. O cristianismo e a pretensão à universalidade. Concilium, v. 155, n.5, p.62-73, 1980.

GEFFRÉ, Claude. Para un cristianismo mundial. Selecciones de teologia, n. 151, v.38, 1999.

GIBELLINI, Rosino. Teologia Ecumênica. A Teologia do Século XX, p.487. Ed Loyola, 1998.

HICK, John. O caráter não-absoluto do cristianismo. Lumem, v. 1, n. 1, p. 11-44, 1998.

III Assembléia Ecumênica Européia. SEDOC, v. 40, n.324, p. 235-240, set./out. 2007.

KNITTER, Paul. O cristianismo como religião verdadeira e absoluta. Concilium, v. 156, n. 6, p. 19-33, 1980.

LORSCHEIDER, A. (orgs.). Vaticano II 40 anos depois. Paulus, São Paulo, 2005.

MAÇANEIRO, Marcial. O Caminho Ecumênico, aos quarenta anos do Concílio Vaticano II. TQ Teologia em Questão. Igreja em Concílio. Publicação semestral. Faculdade Dehoniana. Taubaté, 2005.

FRANÇA MIRANDA, Mário de. Missão Ecumênica na América Latina. REB, 253. Petrópolis, RJ Ed. Vozes. Janeiro – 2004.

SCHÜNEMANN, Rolf. Desafios e Perspectivas para a Missão Urbana. Revista de Cultura Teológica, Ano V, Nº 21, Out/Dez 1997.

SILVA, Abival Pires da. Evangelizar a Cidade. Revista de Cultura Teológica, Ano V, nº 21, Out/Dez 1997.

TRACY, David. Fragmentos e formas: universalidade e particularidade hoje. Concilium v. 271, n. 3, p. 151-160, 1997

VOLFF, Elias. Eucaristia e Unidade da Igreja – Questões Doutrinais do Diálogo Ecumênico. REB, 261, Petrópolis, RJ. Ed. Vozes. Janeiro – 2006.

VVAA. Ecumenismo. Estudos de Religião 14. UMESP, São Bernardo do Campo, SP, 1998.

VVAA. Movimentos Pentecostais – Um desafio Ecumênico. Revista Concilium/265 – 1996/3: Ecumenismo. Ed. Vozes.

VVAA. Fundamentalismo Um Desafio Ecumênico. Revista Concílium/241 – 1992/3: Ecumenismo. Ed. Vozes.

 

 

Diálogo Inter-Religioso - Livros

 

AMALADOSS, Michael. Pela estrada da vida. São Paulo: Paulinas, 1996.

BALASURIYA, Tissa. Deixar que Deus seja Deus. In: CANTONE, Carlo (org.). A reviravolta planetária de Deus. São Paulo: Paulinas, 1995, p. 149-157.

BERGER, Peter L. O dossel sagrado. São Paulo: Paulinas, 1985.

BERKENBROCK. V, Teixeira. F, (orgs). Sede de Deus – Orações do Judaísmo, Cristianismo e Islã. Ed. Vozes, Petrópolis, 2002.

BIZON, José. DARIVA, Noemi. DRUBI, Rodrigo (orgs). Diálogo Inter-religioso – 40 Anos da Declaração Nostra Aetate 1965-2005. Ed. Paulinas, São Paulo, 2005.

BIZON, José (org). Diálogo Católico-Judaico no Brasil. Edições Loyola, São Paulo, 2005.

BORGER, Hans. Uma História do Povo Judeu Vol. I – Canaã à Espanha. São Paulo, Sêfer.

CALABRESE, Gianfranco. Vita consacrata e dialogo interreligioso – per uma recíproca fecondazione. Bologna, Edizioni Dehoniane, 2009.

CATÃO, Francisco. O diálogo inter-religioso e o ecumenismo. In: Falar de Deus: considerações sobre os fundamentos da reflexão cristã. São Paulo: Paulinas, 2001.

______.O Fenômeno Religioso – Ensino Religioso Escolar. São Paulo: Ed. Letras & Letras, 1995.

CINTRA, Raimundo, Candomblé e Umbanda o desafio brasileiro. São Paulo, Paulinas, 1985.

El Hayek, Prof. Samir. Compreenda o Islam e os Muçulmanos. São Bernardo do Campo – SP, Centro de Divulgação do Islam para a América Latina.

FAVARO. Gaetano, II Diálogo Inter-religioso, Ed. Queriniana, Brescia, Itália.

FERNANDES, Dirce Lorimier (orgs.), Religiões e religiosidades: leituras e abordagens. São Paulo, Unicapital e Arke, 2007.

FITZGERALD, Dom Michael. A Unidade, desejo de Deus – Quarenta anos de Diálogo Inter-Religioso. São Paulo, Cidade Nova, 2009.

FREYNE, Sean, Jesus, um judeu da Galiléia – nova leitura da história de Jesus. São Paulo, Paulus, 2008.

GNIKA. Joachim, Bíblia e Alcorão – o que os une o que os separa, Edições Loyola, São Paulo, 2006.

GEFFRÉ, Claude, A fé na era do pluralismo religioso. In: TEIXEIRA, F., O diálogo de pássaros. São Paulo: Paulinas, 1993.

______. O lugar das religiões no plano da salvação. In: TEIXEIRA, Faustino. O diálogo inter-religioso como afirmação da vida. São Paulo: Paulinas, 1998.

GOTO, Tommy Akira, O Fenômeno Religioso – A fenomenologia em Paul Tillich. São Paulo, Paulus, 2004.

HICK, John. A metáfora do Deus encarnado. Petrópolis: Vozes, 2000.

______.Teologia cristã e pluralismo religioso – o arco-íris das religiões. São Paulo: Attar Editorial, 2005.

HINZE, Bradford E, OMAR, Irfan A. (orgs). Herdeiros de Abraão – O futuro das relações entre muçulmanos, judeus e cristãos. São Paulo, Paulus, 2007.

KHATLAB, Roberto. Maria no Islã, Editora Ave-Maria, Embu – São Paulo, 2003.

______. Projeto de ética mundial. São Paulo: Paulinas, 1992.

______ Religiões do mundo – Em busca dos pontos comuns, Verus Ed. Campinas 2004.

KNITTER, Paul F. Introdução às Teologias das Religiões. São Paulo, Paulinas, 2008.

LE GALL. Dom Robert, RINPOCHE, Jigme Lama, O Monge e o Lama – Diálogo entre Budismo e Cristianismo, Ed. Bertrand Brasil LTDA, Rio de Janeiro, 2003.

MAGALHÃES, Antonio, PORTELLA, Rodrigo. Expressões do Sagrado – Reflexões sobre o Fenômeno Religioso. Aparecida, SP, Ed. Santuário, 2008.

MANOEL, Ivan Ap. (orgs.) História das Religiões – Desafios, Problemas e Avanços Teóricos, Metodológicos e Historiográficos. Ed. Paulinas, São Paulo, 2006.

MARCHON, Benoit, KIEFFER, Jean-François, As Grandes Religiões do Mundo. Ed. Paulinas, São Paulo, 1995.

MIRANDA, Mário de França. A difícil inculturação da fé. In: HACKMANN, Geraldo (org.). Sub umbris fideliter. Porto Alegre: Edipucrs, 1999, p. 287-305.

NEVILLE, Robert Cummings. A Condição Humana – Um tema para religiões comparadas. São Paulo, Paulus, 2005.

NIWANO, Nikkyo. O Budismo para o Homem de Hoje – Comentários ao Tríplice Sutra do Lótus. São Paulo, Editora Cidade Nova, 2002.

PACE, Enzo, STEFANI, Piero. Fundamentalismo Religioso Contemporâneo. São Paulo: Paulus, 2002.

PANASIEWICZ, Roberlei. Diálogo e revelação: rumo ao encontro inter-religioso. Belo Horizonte: Com Arte/Face-Fumec, 1999.

_______.Pluralismo Religioso Contemporâneo – Diálogo inter-religioso na teologia de Claude Geffré. São Paulo, Paulinas, 2007.

PALEARI, Giorgio. Religiões do Povo. São Paulo, Ave Maria, 1990.

PEDREIRA, Eduardo Rosa. Do Confronto ao Encontro – uma análise do Cristianismo em suas posições entre os desafios do Diálogo Inter-religioso. São Paulo, Paulinas, 1999.

PIKAZA, Xabier, Violência e Diálogo das Religiões – Um projeto de paz. São Paulo, Paulinas, 2008.

PORTO, Padre Humberto. Os protocolos do Concílio Vaticano II. Sobre os Judeus da Declaração “Nostra Aetate”. 2º. Edição. Ed. Germape Ltda. São Paulo, 2005.

QUEIRUGA, Andrés Torres. O diálogo das religiões. São Paulo: Paulus, 1997.

_______ Autocompreensão cristã. São Paulo. Paulinas, 2007.

_______ Do terror de Isaac ao abbá de Jesus. São Paulo: Paulinas, 2001.

RAHNER, Karl. Curso fundamental da fé. São Paulo: Paulinas 1989.

RIBEIRO, Gilmar Saint’ Clair. O Cristianismo e as Religiões. Comissão Teológica Internacional. São Paulo, Edições Loyola, 1997.

SCATTOLIN. Giuseppe, Islam e Diálogo, Ed. Missionária Italiana, Bologna, Itália.

SMITH, Huston, As Religiões do Mundo – Nossas Grandes Tradições de Sabedoria, Editora Cultrix, – São Paulo.

SOARES, Afonso M.L., Interfaces da Revelação – pressupostos para uma teologia do sincretismo religioso no Brasil. São Paulo, Paulinas, 2003.

SOUZA, Irivaldo Joaquim de. Introdução às principais Religiões – História, ecumenismo e diálogo inter-religioso, Universidade Estadual de Maringá – UEM, Maringá, 2001.

TEIXEIRA, Faustino, L.C. Diálogo de pássaros. Nos caminhos do diálogo inter-religioso. São Paulo, Paulinas, 1993.

TEIXEIRA, Faustino (org.). O pluralismo das religiões e o significado de Cristo. Diálogo de pássaros. São Paulo: Paulinas, 1993.

TEIXEIRA, Faustino, L.C. Teologia das religiões, uma visão panorâmica. São Paulo, Paulinas, 1995.

_______ O diálogo inter-religioso como afirmação da vida. São Paulo: Paulinas, 1997.

_______ Sociologia da Religião – Enfoques teóricos. Petrópolis: Ed. Vozes, 2003.

_______ Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso – A arte do possível. Aparecida: Editora Santuário, 2008.

VAZ, Henrique C. de Lima. Experiência mística e filosofia na tradição ocidental. São Paulo: Loyola, 2000.

VILHENA, Maria Ângela, ESPIRITISMOS Limiares entre a vida e a morte – Temas do Ensino Religioso. São Paulo: Paulinas, 2008.

VIGIL, José M. (Org.). Teologia Pluralista Libertadora Intercontinental. São Paulo: Paulinas, 2007.

_______ Teologia do pluralismo religioso – para uma releitura pluralista do cristianismo. São Paulo: Paulus, 2006.

YÜN. Hsing, Budisno – Significados Profundos, São Paulo: Ed. Cultura, 2003.

WILGES, Irineu. Cultura Religiosa – As religiões no mundo. Petrópolis: Vozes, 1995.

Documentos

Comissão Pontifícia para as Relações Religiosas com o Judaísmo. Nós Recordamos. São Paulo, Loyola, 1998.

Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso. Diálogo e Anúncio. São Paulo, Paulinas, 1994.

Declaração “Nostra Aetate” sobre as relações das Igrejas com as religiões não-cristãs, in Documentos do Vaticano II.

Guia para o Diálogo Inter-religioso, n. 52, São Paulo, Paulinas, 1987.

Guia para o Diálogo Católico-Judaico no Brasil, n. 46. São Paulo, Paulinas, 1986.

Pontifícia Comissão Bíblica. O Povo Judeu e as suas Sagradas Escrituras na Bíblia Cristã. São Paulo, Paulinas, 2002.

Pontifício Consiglio per il Dialogo Interreligioso. Diálogo Interreligioso. A cura di FRANCESCO GIOIA. Libreria Editrice Vaticana, Città Del Vaticano, II Edizione aggiornata e corretta 2006.

Secretariado Para Os Não Crentes. Diálogo e Missão. Sedoc, v. 176, n.17, p. 387-399, 1984.

 

 

 

Artigos

 

 

 

CRÓCOLI, Aldir, OFMCap. Francisco e o diálogo inter-religioso. Cadernos da ESTEF / Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana. Revista semestral, nº 36. Porto Alegre, 2006.

DALIN, Rabino David G. Pio XII e os Judeus. REB 62, Editora Vozes, Petrópolis – RJ, 2002.

Documento dos 138 sábios muçulmanos. Sedoc, v. 40, n.325, P.301-330, nov/dez de 2007.

FEDERAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS EPISCOPAIS DA ÁSIA. Documento de síntese e teses sobre o diálogo inter-religioso. Sedoc, V. 33, n. 281, p. 38-73, jul./ago. 2000.

______ A teologia católica das religiões numa encruzilhada. Concilium, v. 203, n. 1, p. 105-114, 1986.

LIBANIO, João Batista. Extra ecclesiam nulla salus. Perspectiva Teológica, n. 8, p. 21-49, 1973.

MIRANDA, Mário de França. Diálogo inter-religioso e fé cristã. Perspectiva Teológica, v. 29, n. 77, p. 31-52, 1997.

PEIXOTO, Jorge, OFMConv. Desafios Teológico-pastorais do diálogo inter-religioso e cultural na ótica da teologia franciscana. Cadernos da ESTEF / Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana. Revista semestral, nº 36. Porto Alegre, 2006.

RUSSO, Adolfo. La función de Israel y la legitimidade de las otras religiones. Selecciones de teologia, n. 152, v. 38, p. 331-343, 1999.

TEIXEIRA, Faustino, L.C. A experiência de Deus nas religiões. Lumem, Juiz de Fora, v. 3, n. 1, p. 111-148, jan/jun. 2000.

TEIXEIRA, Faustino, L.C. A teologia do pluralismo religioso em questão. REB, n. 235, p. 591-617, 1999.

TEIXEIRA, Faustino. O diálogo inter-religioso na perspectiva do terceiro milênio. Convergência ano 34, n. 375, set. 1999. p. 433-448.

VETRALI, Fr. Tecle, OFM. Diálogo Inter-Religioso do Vaticano II à Dominus Iesus. Cadernos da ESTEF / Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana. Revista semestral, nº 36. Porto Alegre, 2006.

 

 

 

Dicionários

 

 

 

AMARAL AZEVEDO, Antonio Carlos do. Dicionário Histórico de Religiões, Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 2002.

BELLINGER, Gerhard J. Enciclopedia delle Religioni. Garzanti Editore, Italy, 1990.

GASKELL, G.A. Dictionary of all Scriptures & Myths. Gramercy Books, New Jersey, 1960.

CONGAR. Yves. Vocabulário Ecumênico. Barcelona, Herder, 1972.

GONZÁLEZ, Justo L. Dicionário Ilustrado dos Intérpretes da Fé – Vinte séculos de pensamento cristão. São Paulo, Editora Academia Cristã, 2005.

ELIADE, Mircea, e COULIANO, P. Ioan (orgs). Dicionário das Religiões. Ed. Martins Fontes, São Paulo, 2003.

LANCZKOWSKI, Günter. DIZIONARIO Delle Religioni Non Cristiane. Arnoldo Mondadori Editore, Milano, 1991.

NAVARRO, Juan Bosch. Dicionário de Ecumenismo. Ed. Santuário, Aparecida, SP, 2002.

POUPARD, Paul, Diccionario de las religiones. Barcelona, Herder, 1987.

ROSTEN, Leo Calvin. A New Guide and Almanac RELIGIONS OF AMERICA. Library of Congress Cataloging in Publication Data, United States, 1975.

SCHLESINGER, Hugo e PORTO, Humberto. Dicionário Enciclopédico das Religiões – Vols. I. e II. Ed. Vozes, Petrópolis, 1995.

QUEIRUGA, A. T., Creio em Deus Pai

 

 

APOSTOLADO BERAKASH: “A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.”

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger