A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » O QUE NÃO É UM GRUPO DE ORAÇÃO ?

O QUE NÃO É UM GRUPO DE ORAÇÃO ?

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 10 de abril de 2016 | 21:31



Comentários do blog Berakash: “Alguns após uma experiência com a misericórdia de Deus e a efusão do Espírito, passam a participar do grupo de oração com falsas expectativas do que seja o grupo de oração e a que se destina.Outros participam apenas por curiosidade, ou apenas para saborear dos louvores e momentos de oração.Outros com suas carências e problemas pessoais e com uma mentalidade protestante, se aproximam e depois se afastam por não ver suas falsas expectativas não supridas e atendidas.Na Comunidade Católica  Shalom os grupos de oração são introduzidos no Caminho da Paz que é o itinerário formativo dos membros de grupos de oração da Obra Shalom. Por meio da apresentação de conteúdos e da aplicação de recursos específicos, busca conduzi-los, desde a experiência inicial com Jesus, à maturidade da fé, da santidade e do testemunho radical do Evangelho. O itinerário “Caminho da Paz” pressupõe uma experiência pessoal com Cristo Ressuscitado, sem a qual não há crescimento. Essa experiência pode acontecer de várias formas. Na Obra Shalom, ela ocorre de maneira especial durante o Seminário de Vida no Espírito Santo. A partir desse momento inicia-se o Caminho da Paz, que compreende cinco fases:






1)- Kerigma:Do grego “κήρυγμα”, anúncio, ordem, pregação do Evangelho. Tem o objetivo de aprofundar a experiência com Jesus Ressuscitado através do anúncio do Amor de Deus e fomentar o uso dos Carismas do Espírito Santo. Na fase Kerigma, a pessoa é inserida em um processo de conhecimento de Deus próximo e amoroso e, a partir disso, mergulha em seus dons, oferecidos abundantemente. É incentivada também a testemunhar o Amor capaz de saciar as aspirações do coração humano.




2)- Filoteia: Do grego “Φιλó-θεος”, amigo de Deus, piedoso. Essa fase visa ao amadurecimento espiritual. As intensas formações e o tempo de oração mais extenso favorecm o desparecimento de possíveis enganos na oração, incentivando a vida sacramental, a devoção mariana e o louvor. Nessa fase, com o auxílio do coordenador do grupo de oração, é feito o discernimento do serviço em um ministério. No apostolado, deve transbordar a experiência de amizade e intimidade com Deus.




3)- Metanoia: Do grego “μετά-νοια”, arrependimento, penitência. O objetivo dessa fase é promover uma conversão verdadeira a Cristo através da decisão livre e pessoal. A pessoa que opta por essa mudança de mentalidade deve abraçar os desafios decorrentes da vivência do Evangelho. Pode ser chamada de “segunda conversão”, mais madura, consciente e decidida pelo caminho de Cristo. “Se alguém me quer seguir, renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mc 8,34).




4)- Koinonia: Do grego “Κοινωνία”, comunhão. A conversão transborda na vida fraterna, já que os discípulos de Cristo são reconhecidos por conta do amor. “Sem dúvida nenhuma, este é o único Caminho da Paz. Viver uma vida voltada para Deus e para os outros” (Carta à Comunidade). O objetivo dessa fase é promover o amor ao próximo através de um processo intenso de conversão e cura interior.

 

 

5)- Martiria: Do grego “μαρτύριο”, testemunha. O objetivo dessa fase é formar autênticas testemunhas de Cristo e desenvolver o espírito missionário. A resposta de quem trilha a fase ao sofrimento da humanidade deve ser a oferta da própria vida. Apresenta, através da vida dos santos, um caminho autêntico de seguimento de Jesus Cristo.




O que é realmente o Grupo de Oração e para que serve ?






O Grupo de Oração é a célula fundamental oriunda da Renovação Carismática Católica; é o lugar da expectativa e, ao mesmo tempo, da realização da promessa perene de Deus; é cenáculo de Pentecostes dos dias atuais, onde juntamente com Maria nos reunimos em humildade e unânime oração, para que se cumpra a promessa feita tanto para os homens de ontem, quanto para os de hoje: “... acontecerá que derramarei o meu Espírito sobre todo ser vivo” (Joel 3,1a).


O Grupo de Oração é uma comunidade carismática presente numa diocese, paróquia, capela, colégio, universidade, presídio, empresa, fazenda, condomínio, residência, etc., que cultiva a oração, a partilha, e todos os outros aspectos da vivência do Evangelho, a partir da experiência do batismo no Espírito Santo. Tem na reunião de oração sua expressão principal de evangelização querigmática e que, conforme sua especificidade e mantendo sua identidade, se insere no conjunto de comunhão, participação, obediência e serviço. Pessoas engajadas na RCC, líderes e servos – através de encontros, orações e formação – buscam “fazer acontecer um processo poderoso de renovação espiritual, que transforma a vida pessoal do cristão e todos os seus relacionamentos com Deus, com a família, com a Igreja e a comunidade”.


“O objetivo do Grupo de Oração é levar os participantes a experimentar o pentecostes pessoal, a crescer e chegar à maturidade da vida cristã plena do Espírito, segundo os desejos de Jesus: ‘Eu vim para que as ovelhas tenham vida e a tenham em abundância’ (Jo 10,10b)”. Nesse sentido, na RCC, caracteriza-se por três momentos distintos, porém interdependentes: núcleo de serviço, reunião de oração e grupo de perseverança.

Podemos também definir Grupo de Oração como sendo uma comunidade carismática que cultiva a oração, a partilha e todos os outros aspectos da vivência do Evangelho, a partir da experiência do batismo no Espírito Santo.


Trata-se de uma reunião semanal na qual um grupo de fiéis coloca-se diante de Jesus, sob a ação do Espírito Santo, para louvar e glorificar a Deus, participar dos dons divinos e edificar-se mutuamente.



O grupo de oração da RCC não deve esquecer, obviamente, de sua identidade carismática. Os outros grupos dentro de outras experiências são importantes para a Igreja e para as pessoas, mas o Grupo de Oração carismático tem características próprias: Batismo do Espírito Santo e o uso dos Carismas.Cada Grupo de Oração precisa ser, na Igreja e no mundo, rosto e memória de Pentecostes, assumir a responsabilidade pela transformação da nossa cultura, criando não só na Igreja, mas no mundo todo, uma cultura de Pentecostes através da qual todos busquem a construção do Reino de Deus. A vivência dessa vocação da Renovação Carismática pede uma consagração sincera de cada um de nós, sem reservas, mantendo a perseverança até nossa Páscoa definitiva.Um Grupo de Oração cumpre bem sua missão quando seus integrantes vivem plenamente a vida de oração, pessoal e comunitária, aliada à formação, guardiã dos carismas.

O que não é grupo de oração?

1)- Um clube em que eu contribuo e exijo meus direitos de sócio
2)- Um substituto da missa
3)- Uma terapia de grupo para resolver meus problemas psicológicos e pessoais.
4)- Sociedade de ajuda mútua e de troca de favores como na Maçonaria.
5)- Vomitório de frustrações, onde só quero falar de desgraças.
6)- Um grupo de pessoas dispostas a satisfazerem minhas carência e desejos.
7)- Grupo de milagreiros em que só vou para colher as bênçãos sem envolvimento algum.
8)- Um grupo de pessoas com um Pastor e Núcleo dispostos a revolver  todos os meus problemas financeiros, afetivos e pessoais.

9)- Cabine de emprego e troca de serviços entre os membros.

10)- Um grupo de pessoas Santas e Perfeitas, dos quais eu posso cometer falhas com eles, mas jamais eles comigo.

Se você vem e trás todas estas expectativas acima para o grupo de oração vai decepcionar-se, não vai crescer na maturidade humana e Cristã e vai ficar pulando de grupo em grupo a procura do grupo e Comunidade perfeita, a qual só encontrará no Céu, pois somente lá todos são perfeitos. Sendo todos nós imperfeitos, membros e pastores, pode acontecer cedo ou tarde de alguém do grupo, ou até mesmo o pastoreio do grupo dizer, fazer, ou deixar de fazer algo que o aborreça. O discípulo Tiago neste tocante, foi muito realista ao nos dizer: “Se alguém não cair por palavras, este é um homem perfeito, capaz de refrear todo corpo” (Tiago 3,2).

Como se comportar dentro do grupo de oração diante de uma ofensa ou aborrecimentos desta natureza? A palavra de Deus nos dá a resposta: “Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente toda vez que tiverdes queixa contra outro.Como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai-vos uns aos outros.” ( Col 3,13).

“Mas, agora, abandonem todas estas coisas: ira, indignação, maldade, maledicência e linguagem indecente no falar.Visto que vocês já se despiram do velho homem com suas práticas e se revestiram do novo, o qual está sendo renovado em conhecimento, à imagem do seu Criador.” ( Col 3,8-10).


Estrutura do Grupo de Oração

 

 

Quando participamos das reuniões do grupo de oração, ocorre um intercâmbio de uma graça local de encorajamento conforme nos revela as escrituras:

 

 

“Anseio vê-los, a fim de compartilhar com vocês algum dom espiritual, para fortalecê-los, isto é, para que eu e vocês sejamos mutuamente encorajados pela fé...” (Romanos 1,11-12).

 

 

As reuniões de grupo de oração, objetivam confirmar que amamos a Deus, e principalmente, nos dá a oportunidade de louvá-lo:



 

“Eu te darei graças na grande assembleia;no meio da grande multidão te louvarei...”(Salmo 35,18).

 



*Núcleo de Serviço ministerial

Há uma necessidade de se ter uma caminhada programada que considere as necessidades espirituais e formativa dos participantes e como fazer para supri-las de forma contínua e com qualidade, por isso o primeiro momento do Grupo de Oração acontece no Núcleo de Serviço.Um bom planejamento para o Grupo de Oração abrange todos os serviços e Ministérios, e assim pode-se trabalhar de forma coordenada porque cada um sabe o que fazer, e todos sabem para onde estão indo. Inclui também mecanismos para desenvolver o crescimento e a perseverança dos membros, introduzindo-os numa experiência comunitária e catequética.


O Núcleo de Serviço deve ser composto pelo coordenador do Grupo de Oração, pelo ex-coordenador imediatamente anterior ao atual, pelos respectivos coordenadores/representantes dos diversos Ministérios exercidos no Grupo de Oração (Intercessão, Música, Crianças, Pregação, Oração por Cura e Libertação, Formação, Arrumação, Acolhimento e recepção, etc.), podendo-se, ainda, de acordo com a necessidade, convidar outras pessoas que embora não coordenem qualquer Ministério no Grupo de Oração, possuam adequada formação, maturidade para discernimentos pessoais e Comunitários.


*A Reunião de Oração






Reunião de oração é o momento em que os participantes do Grupo de Oração se encontram, semanalmente, para a oração, especialmente, o louvor. Esse momento é aberto para outras pessoas que poderão, a partir dele, começarem a fazer parte do Grupo de Oração, iniciando uma caminhada de conversão e crescimento perseverante na fé. Assim, pode-se concluir que a porta de entrada na célula principal da RCC é a reunião de oração.Por isso mesmo, é comum que os participantes da reunião de oração sejam bastante diversos, a exemplo da multidão no dia de Pentecostes (cf. At 2,1-13). Além dos perseverantes membros do Grupo (aqueles que estão na reunião todas as semanas), é comum se introduzirem nela: curiosos, ociosos, desesperados, depressivos, revoltados, entre outros. Alguns vão à reunião por livre vontade, sem motivo aparente, ou simplesmente porque foram convidados; outros, notadamente os jovens, vão por causa da animação; interesse em alguém,outros, ainda, estão buscando algo para si ou para outrem (cura física, libertação das drogas ou da bebida, conversão de um parente ou amigo, etc).


A reunião de oração é, por assim dizer, um momento pentecostal:


Com os corações compungidos (cf. At 2,37), os fiéis são levados à vivência da fé, na fraternidade e no comprometimento missionário. Nela, os carismas devem ser manifestados sem restrições, pois fazem parte do “ver e ouvir” que convence àqueles que estão chegando. Trata-se, ainda, do “ruído de Pentecostes” que precisa ser ouvido mesmo do lado de fora do cenáculo, causando admiração (cf. At 2,6-7).


*Grupo de Perseverança


O Grupo de Perseverança (GP) é o terceiro momento do Grupo de Oração e atua em função deste. Não é um grupo independente, mas um serviço do Grupo de Oração.


O GP é um grupo fechado, isto é, supõe o ingresso no início da ministração dos conteúdos formativos e não é obrigatório, ou seja, as pessoas que receberam o querigma são convidadas a ingressarem no GP, deixando claro que, se não quiserem participar neste momento, podem e devem continuar participando do Grupo de Oração em seu segundo momento (Reunião de Oração).


Percebe-se que as pessoas sentem necessidade de algo mais em suas vidas, além dessa experiência inicial de Deus. Os que foram evangelizados querigmaticamente devem ser conduzidos aos Grupos de Perseverança para crescerem na doutrina, na fraternidade, na participação da Eucaristia e na vida de oração.O objetivo do Grupo de Perseverança é fortalecer os servos e os participantes em geral do Grupo de Oração no exercício dos carismas e no conhecimento de Deus, para que se possa “incendiar” a reunião de oração com mais louvor, com mais carismas, com mais testemunhos.


*(Este texto foi retirado da apostila Grupo de Oração, número 3 do módulo básico de formação da RCC. Conheça o material no site da Editora RCCBRASIL).

 

 

*Qual o segredo para que o Grupo de Oração Cresça e seja aquilo que deve ser: Carismático ?



Muitos coordenadores desanimam ao ver o Grupo de Oração enfraquecendo e perguntam:


“Como fazer meu grupo crescer? Como manter as pessoas fiéis todas as semanas?”.


Há, porém, muitos grupos de oração no país tomando posse do que Deus quer ao revelar sua vontade para aquele grupo, crescendo e testemunhando poderosamente a ação de Deus.Não há um esquema pronto. A vida de oração, a escuta e a aplicação ousada daquilo que Deus pede é a receita! Por isso a RCC quer levar para todos os Grupos de Oração, algumas dicas preciosas para que eles cresçam – independentemente do número de pessoas – sendo aquilo deve ser: um local de muita unção, graça e manifestação do Espírito Santo!

1. Estratégias humanas ou Vida de Oração?


O maior segredo para que o seu Grupo de Oração esteja realizando a vontade de Deus é a VIDA DE ORAÇÃO. Sem ‘calo no joelho’, não há como fazer o Grupo de Oração crescer. Pois, só a partir da escuta, da fidelidade e da oração, é possível realizar de forma ousada e corajosa aquilo que Deus pede.


O que a equipe de serviço deve fazer, para estar preparada espiritualmente para a missão dentro do Grupo de Oração?
a) Eucaristia (se possível, diária);
b) Confissão (uma vez por mês e perdão mútuo entre os servos);
c) Oração do Rosário, ou ao menos o terço todos os dias;
d) Abastecimento dos servos: Momento em que os servos buscam a força de Deus para suas vidas e se preparam para o dia do Grupo de Oração no dia em que vão servir.
e) Vigília mensal, e, além disso, numa madrugada por semana, os servos fazem escala de uma hora de oração em suas casas;
f) Intercessão em um dia diferente do Grupo de Oração, e, no dia do Grupo, os servos fazem um forte momento de intercessão. Colocam aos pés de Jesus aquilo que viveram durante o dia, entregando cansaço, problemas e dificuldades.

2. Unidade com a coordenação diocesana


“Não há Grupo de Oração forte sem unidade com a coordenação diocesana e, consequentemente, sem obediência e unidade com suas lideranças. A graça acontece a partir da obediência e unidade.

3. Acolhida com amor


Quem vai pela primeira vez ao Grupo de Oração deve ser muito bem acolhido para retornar na próxima semana e, claro, levando mais pessoas.


Algumas dicas:


A pessoa nova é convidada a ir para frente logo no início do encontro, com quem a convidou. Essa pessoa é o seu ‘anjo’. O coordenador agradece a nova presença e a acolhe. Sugere-se, então, tocar uma música que a faça ter uma experiência profunda com o amor de Deus; e depois é feita a oração a todos os que estão ali.A equipe da acolhida abraça cada uma dessas pessoas, transmitindo a força e o amor de Deus, e entrega uma lembrança com a data e também a frase ou algum versículo relacionado à pregação do dia.Acolher é também perceber quem está indo ao Grupo de Oração e sentir falta dos seus, ir atrás e cuidar do rebanho.

4. Motivação


Muitas vezes, devido à falta de oração, a problemas pessoais, ao cansaço e a tantos outros motivos, os coordenadores e a equipe conduzem o Grupo de Oração com desânimo. Como se isso fosse uma cruz. É preciso motivação: envolver as pessoas com perguntas, criar expectativas com relação à próxima semana, dar os avisos com ânimo e, principalmente, falar’ com autoridade toda verdade que precisa ser anunciada! Você fala com motivação, e o Espírito Santo convence.


5. Pregação + Oração


Muita escuta e obediência a Deus na definição dos temas que serão abordados. O Grupo planeja antecipadamente os temas, em unidade e oração com o núcleo. Temas com continuidade, baseados nas orientações das lideranças.Sequência de pregações sobre família atraem muito.

Tomar cuidado para que a pregação não seja cansativa. O ideal é que ela não passe de 30 minutos, que seja objetiva e, especialmente, querigmática. Após a pregação, é determinante conduzir a oração poderosamente através do Batismo do Espírito Santo!

Dar valor e tempo para o testemunho! Afinal, ele arrasta! Após o Grupo de Oração, o coordenador não pode esquecer de pedir àqueles que receberam curas, ou foram tocados de forma pessoal que levantem as mãos, dêem testemunho publicamente para os presentes, ou através dos meios de comunicação que o Grupo possui.


6. Meios de Comunicação


Não importa o tamanho do seu Grupo. Use os meios de comunicação e crie um Ministério responsável pela criação dos veículos de comunicação e divulgação: Panfletos, programa de rádio, adesivos, transmissão ao vivo do Grupo pela Internet, telão, entre outras coisas.


7. Crianças


Se a criança é bem acolhida no Grupo de Oração, ela vai querer voltar e levar seus pais também. Preparar com dedicação o grupo para as crianças, dividindo-as por faixa etária, oferecer segurança e amor é muito importante, bem como um programa formativo recreativo.
8. Coragem e Ousadia



A equipe do Grupo de Oração e, principalmente, o coordenador não podem ter medo! Ser corajoso, ousado e principalmente obedecer à vontade de Deus é a principal receita para que seu Grupo de Oração seja aquilo que vocês buscam e principalmente: aquilo que Deus sonha.Aos coordenadores e aos servos que ainda têm medo e timidez para anunciar o Senhor:


“Não digas: Sou apenas uma criança: porquanto irás procurar todos aqueles aos quais te enviar, e a eles dirás o que Eu te ordenar.” (Jr 1, 7).

*Este texto foi extraído do Encarte Reavivando a Chama, da Revista Renovação, publicada na edição nº 44, de maio/junho de 2007.


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger