A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » A beata teóloga Elena Guerra e o PENTECOSTALISMO CATÓLICO

A beata teóloga Elena Guerra e o PENTECOSTALISMO CATÓLICO

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 23 de maio de 2015 | 23:07



Beata Elena Guerra (Lucca, 23 de junho de 1835 — Lucca, 11 de abril de 1914) foi uma religiosa italiana, teóloga,professora e fundadora da Congregação das Irmãs Oblatas do Espírito Santo (chamada de Santa Zita). Ela foi beatificada pelo Papa João XXIII em 1959.


Elena Guerra, depois de viver várias experiências típicas do laicato católico, como o cuidado de doente e o catecismo de crianças, ela decidiu se dedicar a uma vida religiosa mais intensa.



Em 1882, ela fundou uma comunidade de mulheres leigas na vida ativa de Lucca, dedicada à educação das meninas e dedicado a Santa Zita, padroeira da cidade. Era uma comunidade sem votos, uma associação de voluntários dedicados ao ensino. Mais tarde, a instituição será reconhecida pela Igreja Católica como uma Congregação religiosa. Com a sua comunidade, Beata Elena Guerra já tinha alguns problemas e conflitos, mas sentia-se mais e mais chamada para difundir a devoção ao Espírito Santo.



A propagação naqueles anos de práticas espíritas e anti-clericalismo do estado italiano empurrou Elena Guerra a publicar dezenas de pequenos livretos e convenceu-a de ir diretamente ao Papa Leão XIII, afim de que a Igreja a redescobrisse a ação e o operar do Espírito Santo de Deus.
Ela também pedia que fosse rezado diariamente o Rosário do Espírito Santo.

Contatos com o Papa Leão XIII:


Elena Guerra permaneceu durante toda a sua vida, com exceção de duas viagens a Roma, em sua terra natal (Lucca). Depois de suas cartas ao Papa Leão XIII, ele escreveu três artigos sobre o Espírito Santo:

•        A Carta Apostólica Provvida Matris Charitate;
•        A Encíclica Divinum Illud Munus;
•        A Carta aos Bispos Ad fovendum in Cristiano populo.


O breve Provvida Matris Charitate de 5 de maio de 1895, a encíclica Divinum Illud Munus de 9 de maio de 1897 e a exortação Ad fovendum in Cristiano populo de 1902 são a resposta do Papa, e representam um momento importante no desenvolvimento da Doutrina Católica sobre o Divino Espírito Santo.


Escritora, teóloga, educadora e apóstola desde antes de se tornar freira, é considerada a precursora do movimento da Renovação Carismática Católica, considerada a apóstola do Espírito Santo. Ela e Papa Leão XIII, que escreveu a primeira Encíclica ao Espírito Santo na história da Igreja, são duas figuras proféticas do pentecostalismo Católico. O hoje Santo Papa João XIII abriu o Concílio Vaticano II pedindo para a Igreja a graça de um Novo Pentecostes. (Leia abaixo a 1ª carta escrita pela beata chamada de “Escritos de Fogo”).
Elena Guerra viveu nutrindo um único sonho nascido de seu chamado profético na Igreja:


Fazer o Espírito Santo mais conhecido, amado e invocado. Vendo o mundo de sua época pervertido por Satanás e uma multidão de almas se distanciando do Coração de Deus, Elena é convencida pelo Senhor a iniciar um grande epistolário com o Papa Leão XIII. Em suas cartas, ela pede ao Papa que chame novamente os cristãos para um retorno ao Cenáculo. Pela Novena de Pentecostes, desejava que fosse pregada a Palavra, a fim de que, os ensinamentos divinos iluminassem as mentes para o conhecimento do Espírito Santo e movesse a vontade dos cristãos para corresponderem às suas santas inspirações.



Elena escreve com amor e respeito de filha, mas com coragem e ousadia de profeta. A sua insistência, unida à sua vida profunda de oração e invocação ao Espírito Santo, juntamente com suas audaciosas iniciativas, alcança de Leão XIII, três documentos importantes:


1)- O Breve “Provida Matris Charitate” de 5 de Maio de 1895, quando o Papa promulga a obrigação da Novena de Pentecostes para a Igreja inteira.


2)- A Encíclica “Divinum Illud Munus” de 9 de Maio de 1897.


3)- A Carta aos Bispos “Ad fovendum in Christiano Populo” de 18 de abril, como um pedido reforçado para celebrar a Novena todos os anos e maior diligência da parte dos pregadores para que transmitissem ao povo a doutrina sobre o Espírito Santo.



A figura desconhecida, mas grandiosa de Elena Guerra, que se ergue na Igreja como aquela que mais escreveu sobre o Divino Espírito, levará o Papa a consagrar o difícil Século XX ao Espírito Santo. Estava aberta a porta do Cenáculo e o mundo Católico, Ortodoxo e Protestante veria o grande derramamento do Espírito ao longo do século, impulsionado, sobretudo, pelos grandes avivamentos carismáticos que perduram até hoje.


Os Católicos Brasileiros, sobretudo, os que se encontram na Igreja através da Renovação Carismática, precisam conhecer estes documentos. Eles são a nossa raiz! Estão neles a segurança da nossa ortodoxia! A vida eclesial e profundamente carismática da Beata precisa ser conhecida pelos brasileiros que amam o Espírito Santo.Eis o objetivo destes Escritos de Fogo.



A vitalidade espiritual e a teologia especulativa e orante da Beata em seus escritos pneumatológicos levam o leitor a uma verdadeira paixão pelo Divino Paráclito e a um desejo profundo pela vida no Espírito.



Não é exagero aproximar Elena Guerra das grandes doutoras da Igreja, não por milagrosas manifestações carismáticas, mas por sua elevação teológica e seu fecundo apostolado pela renovação da Igreja através do retorno dos fiéis ao Espírito Santo.As cartas de espiritualidade cristã sempre tiveram um lugar privilegiado. Como não recordar das Cartas de São Paulo? As 270 cartas de Agostinho? As 6795 cartas de Santo Inácio de Loyola? As 266 de Santa Teresinha? As 633 do Pe. Pio?



Elena escreveu muitas obras dedicadas ao Espírito Santo e também muitas cartas. Muitas delas se perderam. Hoje temos 740 de sua autoria. Dom Bosco a chamou de “caneta de ouro”, e as irmãs costumavam dizer que a escrita era para Elena “o oitavo dom do Espírito Santo”. Ao Papa Leão XIII, Elena escreve 14 cartas. Nem todas foram entregues e uma delas se perdeu.


Elena foi uma voz isolada, uma navegadora solitária quando começou a escrever sobre o Espírito Santo, denominado, até então, “divino desconhecido”. Ela é precursora de uma literatura carismática na Igreja Católica que poucos conhecem.



Creio que não haja hora melhor para viver as intuições proféticas dos “Escritos de Fogo”, momento em que a Igreja na América Latina se convence de que “Necessitamos de um Novo Pentecostes!” (Documento de Aparecida Nº 548).


Elena Guerra pode ser apresentada como um modelo de discípulo missionário para que todos os batizados se tornem apóstolos do Espírito Santo e da efusão de Pentecostes.


Só assim, começaremos a ver a renovação da face da Terra, só assim nossos povos receberão a vida Daquele que “É Senhor e dá a Vida”!


Oremos como Elena: “Veni Sancte Spiritus!”




Primeira carta da Beata Elena Guerra para o papa Leão XIII



Em 17 de abril de 1895.

Santíssimo Pai,

Uma pobre filha de Vossa Santidade, já há mais de sete anos, deseja ardentemente manifestar ao comum Pai dos Fiéis, um vivo desejo; depois de ter por tanto tempo guardado e rezado, finalmente lhe decide expor com tanto apreço.

Santo Padre, o mundo é mal, o espírito de satanás triunfa na pervertida sociedade e uma multidão de almas se distancia do Coração de Deus. Nestas tristes condições, os cristãos não pensam em dirigir unânimes súplicas Àquele que pode “renovar a face da terra”.

Fazem tantas novenas e isso é bom. Mas, a única que foi pedida pelo próprio Salvador e feita por Maria Santíssima e os apóstolos, é agora quase completamente esquecida.

São louvados pelos pregadores todos os santos, mas uma pregação sobre o Espírito Santo, quem a faz?

Quem, ó Santo Padre, pode fazer com que o Espírito Santo seja mais conhecido e mais honrado, senão o Vigário de Jesus sobre a terra, do qual não somente as ordens, mas também os desejos, possuem sobre os corações dos fiéis uma forte eficácia? E agradecendo aos céus, temos visto, como os bons católicos, somente pelo fato do Papa dizer uma palavra, já fazem dela uma lei: lei de amor, e exultam em obedecer.

Portanto, Santo Padre, somente o senhor, pode fazer com que os cristãos retornem ao Espírito Santo, para que o Espírito Santo retorne a nós, abata o domínio do demônio e nos conceda a desejada renovação da face da terra.

E se eu, miserável criatura que sou, posso arder para expor inteiramente este meu desejo, vos peço, ó Santidade, solicite a todos os Bispos que nas paróquias de suas dioceses, se faça este ano a Novena de Pentecoste, acompanhada onde for possível, da pregação da Divina Palavra e dos ensinamentos e exortações que iluminam as mentes para conhecerem o Espírito Santo e movem as vontades para corresponderem às suas inspirações. Onde não se puder fazer agora, não se poderia fazer ao longo do ano, como se faz também no tempo do Jubileu?

Se este ano, de todas as partes da cristandade, se levantarem unânimes e fervorosas orações ao Céu, como foi feito no Cenáculo de Jerusalém, para o derramamento do Espírito, quais e quantas belas bênçãos e graças não nos conseguiriam estas súplicas!

E a nossa amadíssima Mãe Maria que esteve com os Apóstolos naqueles nove dias benditos, e com eles orou, não estaria também conosco neste nosso Novo Cenáculo? E não nos concederia antecipadas e copiosas misericórdias?

No Ano passado, tive a sorte de poder oferecer a Vossa Santidade, por meio de D. Vicenzo Tarozzi, um livrinho da Novena do Espírito Santo, intitulado “O Novo Cenáculo”, e Vossa Santidade, se dignou a aceitá-lo e abençoá-lo, exprimindo o desejo de que a união de orações propostas naquele pequeno livro para a Novena do Espírito Santo, produzisse uma salutar renovação das mentes e dos corações.

Na dúvida de que aquele livro possa ter sumido, anexo uma outra cópia junto a presente carta, para que Vossa Santidade conceda-lhe uma nova bênção para o maior bem das almas.

Santo Padre, uma outra palavra, e queira perdoar a minha insistência. Peço que por caridade, o senhor faça depressa a recomendação desta unânime oração, para que mais almas não se percam para o demônio, mas que este as perca para o Bom Jesus que as resgatou com seu sangue.

Eu experimento o remorso de ter tido timidez e esperado tantos anos para expor tudo que acima exponho ao senhor, meu Pai. Agora, temo também ter sido muito ousada...

Santo Padre, dê uma bênção que me conforte. Uma bênção a mim que desejei ardentemente lhe escrever com tanta liberdade. Uma bênção para as minhas alunas e para as irmãs que comigo trabalham pela educação da juventude, enquanto eu, humildemente, me persigno.



Madre Elena Guerra



Extraído do livro “Escritos de Fogo”, editado pela Editora RCC BRASIL


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger