A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » A CONVERSÃO DO HOMEM A DEUS É A TAREFA DA IGREJA

A CONVERSÃO DO HOMEM A DEUS É A TAREFA DA IGREJA

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 28 de novembro de 2010 | 10:41

Pe. Nicola Bux e Bento XVI
QUESTÕES A SE REFLETIR:

1)-" QUAL IMPERATIVO DEVE SER PREVALECIDO: Ide e EVANGELIZAI ? Ou Ide e Dialogai ?...Ou ide e Sêde Evangelizados ? "



2)-Quem é o portador da Boa Nova ? Os Cristãos ? Ou os Pagãos em suas Culturas de mortes, depravações e promiscuidadades ?




3)-O Pior disto tudo não é a avanço do mal, mas o COMODISMO e o silêncio do bons em um respeito humano covarde que não geram frutos de vida, mas de morte e desorientação da atual sociedade."

4)-Enquanto uma parcela da Igreja ficar atentando para uma EVANGELIZAÇÃO ALEIJADA  e não Integral, que contemple apenas UNILATERALMENTE uma perspectiva particularizada: O Social sem existencial, o material sem o espiritual, nem a Igreja nem os Cristãos não estarão cumprindo sua Missão ordenada pelo próprio Cristo: IDE !!!

5)-O artigo abaixo vai propiciar o início de um processo de reflexão, estudo e mobilização em todas as atuais e atuantes 26 Pastorais da CNBB, sempre na escuta’, visando criar momentos de debates e aprofundamentos e apresentar propostas para a aplicação das concretas mudanças que vêm sendo implantadas pelo Vaticano. Tudo isto buscando rearticular as forças sociais e jamais esquecendo que é preciso repensar a sua prática e a metodologia para o acompanhamento dos cristãos comprometidos.


6)-E para aplicação imediata das diretrizes do Revdo. Pe. Bux, será criada uma nova Pastoral que organizará o Mutirão do Respeito Mútuo para possibilitar o surgimento de uma mentalidade mais solidária, além de tornar-se um espaço unitário de partilha e de memória, diálogo e de conscientização da nova realidade eclesial, sempre na linha de uma nova ética que aponte para uma nova dimensão comunitária, mais criativa e participativa.


7)-Enquanto isso, porém, fico em dúvida se os pobres fiéis vão entender claramente que, segundo as palavras do Pe. Bux, a CNBB precisa realmente seguir as ordens de Nosso Senhor: “Ide e ensinai a todos os povos, batizando-os....”  (Mt 28, 19) e “Procurai primeiro o Reino de Deus e sua justiça, e tudo o mais vos será dado por acréscimo” (Mt VI, 33), substituídos que foram respectivamente por “Ide e dialogai", protestando contra as diretrizes Universais do Vaticano , em detrimentos da visão particularizada do “Procurai primeiro o Reino do Homem e seus Direitos.Não querendo ver que, assim, todas as desgraças desta terra, uma a uma,  sobre nós vão caindo neste Reino do Homem.


Cidade do Vaticano (Agência Fides)


Pe. Nicola Bux e Pe. Salvatore Vitiell


Jesus quis a Igreja para falar de Deus ao mundo e para que o homem se converta e viva. Mas, ao invés, sempre mais frequentemente nos deparamos com livros escritos por cristãos e intervenções públicas de Pastores que descrevem ou induzem a compreender a Igreja como fenômeno geográfico e político, a ponto de se julgar a eficácia caso vença ou não ‘o desafio’, ou melhor, ‘os desafios’ - palavra preferida de leigos e eclesiásticos - colocadas a ela naturalmente e sempre pelo mundo.

Assim está-se atento a verificar que esta defenda os direitos humanos e não as ditaduras, que proteja os povos em extinção ao invés de se interessar de economia, e assim por diante.
Mas a Igreja é chamada justamente a isso? Essa é a sua missão? Esse é o motivo pelo qual seu fundador Jesus Cristo a instituiu? Hoje, a sua própria extensão global, fato pelo qual recebe o atributo de católica, pretende-se que seja avaliada segundo os parâmetros das multinacionais: ou seja, quanto do ‘produto religioso’ de um continente esta consegue implantar em um outro, de preferência com todas as atenções ao made in, ou seja, à inculturação, outra palavra mágica que Jesus infelizmente não conhecia no momento em que convidava os seus a ir a todo o mundo. Tanto é verdade que hoje é mais importante que um missionário saiba tudo da cultura dos homens de uma nação do que da sua sede de Deus, sempre igual em todos os tempos e sob todas as latitudes. Pois bem, hoje se tornou mais importante entender os desafios que as culturas e as mentalidades representam para a Igreja do que não o apelo à conversão que Jesus desejava e deseja dirigir a todo homem de todos os tempos, anunciando-lhe o Evangelho, já que, no seu início, há o apelo à conversão (cfr Mc 1,14-15).

Os movimentos eclesiais hodiernos, assim como as ordens mendicantes medievais e as congregações religiosas modernas, se moveram da Europa para dar a conhecer o nome de Jesus a quem ainda não o conhecia, porque de tal modo ele recebe a saúde da alma e do corpo, ou em termo clássico, a salvação. A tal fim, essas formações não são emanação de uma mega associação de voluntariado para revolver definitivamente a fome ou levar a paz ao mundo ou outras semelhantes graves emergências, nem os missionários são heróis chamados a gestos épicos parecidos: uns e outros fazem parte da Igreja, e são chamados simplesmente a fazer hoje a “nova evangelização”, - termo cunhado por João Paulo II, mas elaborado por Paulo VI no rastro do impulso à missão dado com a Fidei donum por Pio XII - porque o homem secularizado europeu ou norte-americano, aquele pobre latino-americano, africano ou asiático, sem conhecer o Evangelho de Jesus permanece ainda mais pobre, privo da resposta ao sentido da vida.

Mudam os Papas, mas a Igreja e a sua missão permanecem a mesma desejada por Jesus: a conversão do homem a Deus. O Senhor fez a Igreja para doar ao homem o conhecimento d’Ele do Pai; por isso, o encontro com Jesus é a motivação exaustiva de toda sua ação, inclusive social. E isso explica o motivo pelo qual à Igreja não importa, e não pode importar muito, o sucesso mundano ou a resposta, e talvez a vitória, sobre os ‘desafios’ do mundo. Cristo disse que já venceu o mundo (cfr Jo 16,33): em que sentido? Basta que um único homem abandone o pecado e se converta ao amor de Deus: Deus caritas est. Se depois, como acontece, isso ocorre a muitas pessoas em uma nação mais do que em outra, em um tempo mais do que em outro, é somente por causa da sua graça e não do ‘plano pastoral’ - outra palavra hoje abusada, que substituiu aquela bem mais significativa de ‘apostolado’ -. Assim renasce sempre desde o início o povo de Deus. E a Igreja tem a única tarefa de custodiar a fé do povo de Deus.

A conversão e a fé não dependem simplesmente das formas e dos modos, da adaptação - como se diz - das categorias teológicas elaboradas no Ocidente. Dois exemplos: à Igreja, depois de cuidar de cada homem doente, não se pede para elaborar ou apoiar planos de saúde de prevenção da Aids, mas ajudar cada ser humano a entender que o coração e o corpo, se for abstêmio de toda impudicícia, como diz Paulo, não contraem nenhuma doença física e moral: à Igreja não se pede para ser majoritária mais que minoritária em um continente, ou entender como é vista pela mentalidade dominante, enquanto a sua tarefa não é manter uma negociação ou, como se diz hoje, um diálogo inter-religioso, mas promover o único diálogo que Jesus veio promover com homens religiosos ou não, morais ou imorais, mas que sejam todos atraídos por Ele, tenham o desejo de abrir-se a Deus e converter-se. Somente deste modo a Igreja tem as “cartas em regra” diante d’Aquele que a quis para a salvação do mundo.

FONTE ORIGINAL: Agência Fides 6/9/2007
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger