A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » O impasse da fertilizantes Araucária Nitrogenados no pagamento da PLR aos Petroleiros.

O impasse da fertilizantes Araucária Nitrogenados no pagamento da PLR aos Petroleiros.

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 28 de julho de 2018 | 22:53



Versão sindicalista  (Favorável ao impasse):



Ao contrário do que vem sendo exposto em vários meios de comunicação da companhia, o último pagamento de PLR referente ao ano de 2014 incluiu os nossos colegas da Araucária Nitrogenados. Por isso, vemos que a seletividade da empresa neste momento tem motivos políticos, pois utiliza este fato para fazer o impasse se alongar e desgastar a imagem dos sindicatos, quando diz que a culpa é deles, sendo que a própria empresa não está cumprindo o acordo, exatamente como feito em 2015. O não pagamento da PLR é mais uma tentativa da empresa dividir a categoria. A FAFEN-PR está dentro do pacote de privatizações, junto com a FAFEN-MS, que estão sendo doadas ao mercado estrangeiro. Mas os gestores da Petrobrás sabem que não deixaremos nenhum colega petroleiro para trás.  A PLR é para todos os Petroleiros, como sempre foi. (Fonte: sindipetro-es.org.br).




A Araucária Nitrogenados (que trabalha não com Petróleo, mas com fertilizantes), está ligada ao Sindiquímica-PR, que  protocolou no Ministério Público do Trabalho (MPT) uma denúncia relativa aos desmontes que podem estar ocorrendo na Araucária Nitrogenados. Esse fato veio à tona a partir da demissão por justa causa de um trabalhador em 14 de julho, por motivos considerados pelo sindicato como irrelevantes (não é possível entrar no mérito da questão, por desconhecimento dos fatos).De acordo com o diretor do Sindiquímica-PR Gerson Luiz Castellano, que na ocasião também representou a Federação Única dos Petroleiros (FUP), não há um empenho gerencial em fazer com que a unidade seja viável para o sistema Petrobrás. “Entendemos que existe um processo para baixar cada vez mais o preço da Araucária Nitrogenados para beneficiar quem for comprá-la no futuro. A venda dessa subsidiária pode prejudicar tanto os trabalhadores quanto a sociedade em geral”, afirmou. Desde o início do governo Temer, a Petrobrás vem tentando inviabilizar e depreciar vários ativos, como refinarias, poços de petróleo, campos terrestres e malhas de distribuição de gás e combustíveis em uma clara intenção de privatização sem limites (e daí? qual o problema?). As denúncias foram registradas no MPT como uma notícia de fato e encaminhadas pela procuradora Mariane Josviak ao Ministério Público Federal (MPF) e à Polícia Federal (PF) devido à gravidade. O advogado Marcelo Giovani Batista Maia, do Instituto Defesa da Classe Trabalhadora (Declatra), também esteve presente.Uma ação do escritório ajuizada contra a Araucária Nitrogenados, para o Sindiquímica-PR, garantiu a condenação da empresa pelo não cumprimento de cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho de 2013.O documento previa o pagamento de antecipação do 13º salário para os trabalhadores em janeiro de 2013, exceto para os trabalhadores que se manifestassem contrariamente. A norma também previa a complementação do 13º salário em julho de 2013 em caso de não pagamento do adiantamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) da empresa.


“A Araucária Nitrogenados não pagou a PLR aos trabalhadores e tampouco a complementação do 13º salário como estava estabelecido no prazo acordado entre o Sindiquímica-PR e a própria empresa. Neste caso, como previsto no acordo coletivo, a empresa foi condenada ao pagamento de uma multa normativa por trabalhador”, explica o advogado do escritório, Marcelo Giovani Batista Maia.


Fonte: Sindiquímica-PR




A grande verdade é que “faltam interessados em adquirir as plantas de fertilizantes da Petrobras” (que não é seu foco principal, pois a Petrobras é uma empresa produtora de energia).Diferentemente do que aconteceu com os ativos da Vale Fertilizantes, não deverá haver disputa pelas fábricas da Petrobras no segmento. Segundo especialistas, faltam interessados nas unidades, voltadas à produção de nutrientes derivados do nitrogênio. Se a estatal quiser de fato vendê-los, terá de oferecer "um negócio da China". São três plantas em operação, localizadas no Paraná, na Bahia e em Sergipe e avaliadas no mercado em quase US$ 1,5 bilhão, e uma em construção em Mato Grosso do Sul, que custa US$ 700 milhões.


A falta de interessados em levar os ativos tem relação com problemas operacionais e políticos. O fato é que, mesmo com poucos ativos de produção disponíveis no mercado, não haverá uma "disputa" entre grandes players pelas fábricas. É quase consenso que a norueguesa Yara, uma das maiores empresas de fertilizantes do mundo e líder no ranking brasileiro, com cerca de 25% de participação em vendas de produtos finais, é a favorita para ficar com pelo menos uma das quatro unidades.


Já a unidade da Petrobras localizada em Araucária, no Paraná, é considerada mais interessante. A Fafen-PR apresenta capacidade de produção anual de 700 mil toneladas de ureia e 475 mil toneladas de amônia. Essa unidade, porém, passa boa parte do ano fechada em manutenção", afirmou Mello. Para Paulo Macaúbas, da consultoria MaxiQuim, a Fafen-PR tem perdido a atratividade à media que a produção de ureia no Sul do país vem caindo. No balanço do quarto trimestre do ano passado, a Petrobras fez uma provisão para perda (impairment) com as fábricas de fertilizantes de R$ 1,3 bilhão.


Para além das questões com relação à eficiência das plantas, um eventual comprador esbarraria no entrave do fornecimento de gás natural para a sintetização da ureia. No Brasil, a distribuição é controlada pela Petrobras, lembrou Macaúbas. "Ou você compra da Petrobras ou paga para fazer a importação pelos dutos dela", disse. Segundo o consultor, os preços praticados no mercado internacional são mais atrativos que no mercado nacional. "O ideal seria um contrato com a Petrobras garantindo fornecimento de gás natural nos mesmos preços do mercado internacional", afirmou.



No pacote dos “ativos de adubos” da Petrobras há mais um problema: a unidade em construção em Três Lagoas (MS). A nova unidade está com 80% da construção concluída, mas as obras estão paralisadas desde dezembro de 2014. "É necessário um investimento grande para a conclusão da obra, mas também investir no que já foi construído e está se deteriorando", ponderou Macaúbas. Outro entrave nessa unidade inacabada é que o fornecimento de gás natural mais viável para a unidade seria o da Bolívia. Uma negociação com o governo boliviano para o fornecimento não é rápida e nem tranquila, comentou uma fonte do setor que preferiu não se identificar. Segundo avaliação de Macaúbas, os ativos nitrogenados da Petrobras em Araucária valem cerca de US$ 350 milhões, os de Laranjeiras US$ 600 milhões e os de Camaçari, aproximadamente US$ 500 milhões. Os ativos em construção em Três Lagoas (MS) estão avaliados em cerca de US$ 700 milhões.


"Acho bem difícil as plantas serem vendidas por esses valores", disse uma fonte do segmento. "Acho que a Petrobras terá de fazer um belo desconto para vender as unidades", completou. 



Adaptado de Valor Econômico





CONCLUSÃO:



Você sabe o que é um SINDICALISMO PELEGO ?



Sinônimos de Pelego: Capacho, puxa-saco sem convicção, submisso, baba-ovo, bajulador, traíra e quinta-coluna.



O termo pelego foi popularizado durante a era Vargas, nos anos 1930. Imitando a Carta Del Lavoro, do fascista italiano Mussolini, Getúlio decretou a Lei de Sindicalização em 1931, submetendo os estatutos dos sindicatos ao Ministério do Trabalho. Pelego era o líder sindical de confiança do governo que garantia o atrelamento da entidade ao Estado. Décadas depois, o termo voltou à tona com o regime governamental militar. "Pelego" passou a ser o dirigente sindical indicado pelos militares, sendo o representante máximo do chamado "sindicalismo marrom". A palavra que antigamente designava a pele ou o pano que amaciava o contato entre o cavaleiro e a sela virou sinônimo de traidor dos trabalhadores e aliado do governo e dos patrões. O termo é um pejorativo, quando se quer criticar uma liderança, ou representação sindical, quando esta já não atende mais aos interesses da classe trabalhadora a qual se diz representar, mas a outros interesses corporativos (partidos, ideologias, seja de direita, ou esquerda, etc). Neste caso se diz: Esse sindicalista (ismo) é  pelego, e infelizmente é isto que estamos vendo com nosso atual sindicalismo.




Esse papo de privatizar, ou não privatizar para manter a SOBERANIA NACIONAL  já não convence a mais ninguém. Infelizmente conseguiram nos empurrar goela a  baixo esta falácia. Como é que você é dono de um empreendimento, se não ganha nada com isto? Se só dividem com você os prejuízos através de mais impostos, e nunca dividem conosco os lucros, já que dizem que é nossa, ou do povo? Em qualquer empresa que tenha como seu maior acionista o Tesouro nacional, a rede de incentivos funciona de maneiras um tanto distintas.  Eventuais maus negócios e seus subsequentes prejuízos ou descapitalizações serão prontamente cobertos pela viúva, ou seja, por nós, pagadores de impostos, ainda que de modos rocambolescos e indiretos. 



Mais: uma empresa ser gerida pelo governo significa que ela opera sem precisar se sujeitar ao mecanismo de lucros e prejuízos, pois só importa o fator social (apenas claro para seus dirigentes e funcionários). Todos os déficits operacionais serão cobertos pelo Tesouro, que vai utilizar o dinheiro confiscado via impostos dos desafortunados cidadãos. Uma estatal não precisa de incentivos, pois não sofre concorrência financeira, seus fundos, oriundos do Tesouro, em tese são infinitos. Por que se esforçar para ser eficiente se você sabe que, se algo der errado, o Tesouro irá fazer aportes? Uma empresa que não é gerida privadamente, que não está sujeita a uma concorrência direta, nunca terá de enfrentar riscos genuínos e nunca terá de lidar com a possibilidade de prejuízos reais. Logo, é como se ela operasse fora do mercado, em uma dimensão paralela.



Por que, então, é tão difícil privatizar empresas do estado? Não há necessidade de coçarmos a cabeça antes de responder. Primeiro, porque empresas estatais representam uma porta permanentemente aberta para políticos indicarem protegidos ou vassalos para ocuparem cargos em sua direção, como atesta a velha tradição patrimonialista.


Apenas pense: por que os políticos disputam acirradamente o comando das estatais?  Por que políticos reivindicam a diretoria de operações de uma estatal?  Que políticos comandem ministérios, vá lá.  Mas a diretoria de operações de estatais é um corpo teoricamente técnico.  Por que políticos?  Qual a justificativa? Simples: é nas estatais que está o butim.  As obras contratadas por estatais são mais vultosas do que obras contratadas por ministérios.  O dinheiro de uma estatal é muito mais farto.  E, quanto mais farto, maior a facilidade para se fazer "pequenos" desvios.


Outro pretexto para justificar a existência de empresas estatais é que elas seriam "patrimônio público". Mentira! A expressão propriedade pública significa, pura e simplesmente, que aqueles determinados funcionários públicos que estão eventualmente no poder são aqueles que a "possuem", especialmente os que ocupam postos mais elevados na hierarquia política e que a dirigem de acordo com seus interesses individuais. Quando políticos e sindicalistas gritam "o petróleo é nosso", "o minério de ferro é nosso", "a telefonia é nossa", "a Caixa é nossa", saiba que eles estão sendo particularmente honestos: aquele pronome possessivo "nosso" se refere exclusivamente a "eles", os únicos que ganham com todo esse arranjo. Já o "público" não possui qualquer fração da propriedade. Tente, por exemplo, entrar no prédio de uma estatal qualquer, sem se identificar na portaria, ser fotografado e ter que colar na lapela do seu blazer aquele adesivo onde está escrito "visitante". Logo, você não é dono dela.


Em terceiro, há também obstáculos gerados por teorias econômicas equivocadas que defendem que o desenvolvimento de economias atrasadas só pode acontecer se for "induzido" pelo estado, sem se importarem com o fato histórico de que as economias desenvolvidas de hoje eram as economias atrasadas de ontem e que somente lograram se desenvolver porque não se valeram daquela pretensa indução e, portanto, porque as deixaram operar sem empresas estatais para "induzir" o desenvolvimento.



Outro argumento, esse típico da mistura do nacionalismo xenófobo com a teoria marxista da exploração, é de que essas empresas seriam garantia de "soberania nacional".  Sendo assim, petróleo, minério, telecomunicações e eletricidade só poderiam ficar a cargo dos nativos do país.  Balela. Para começar, empresas privadas, sejam elas nacionais ou estrangeiras, estão interessadas em lucro.  E o lucro só ocorre se tais empresas estiverem servindo bem aos consumidores.  Se uma empresa estrangeira de telefonia decidir cortar as linhas telefônicas e suspender seus serviços para isolar um país (sim, este é um dos "argumentos" dos estatistas nacionalistas), ela terá enormes prejuízos com essa medida. 



O mesmo vale para eletricidade, minério e gasolina.  Tal medida só faria sentido se a empresa e seus acionistas odiassem dinheiro, sendo que os estatistas os acusam exatamente de serem gananciosos. No mais, como dizia Roberto Campos em suas sempre fundamentadas críticas à Petrobras, "soberania é ter a panela cheia" e, no caso do petróleo, é tanque cheio com combustível de qualidade a preço de mercado. Não basta apenas privatizar; é necessário também desestatizar !!! A privatização, por si só, já é um avanço.  Mas pequeno.  Pouco efeito terá caso a empresa privatizada continue operando dentro de um mercado protegido pelo governo, no qual não há liberdade de entrada para novos concorrentes.  Sob esse arranjo, a empresa continuará sendo ineficiente. O recente ocaso da Oi é um ótimo exemplo: a empresa surgiu de uma fusão patrocinada pelo governo Lula, e com a ajuda do BNDES (nosso dinheiro de impostos), entre a Telemar e Brasil Telecom, de Daniel Dantas.  O esquema envolveu grandes negociatas até mesmo com o governo de Portugal (cujo então primeiro-ministro acabou até mesmo sendo preso).  Tendo nascido por meio de uma intervenção política e repleta de acordos escusos (como a doação de R$ 5,2 milhões da Telamar para a Gamecorp, empresa controlada por Lulinha, o filho mais velho de Lula), é óbvio que a empresa não tinha como ser eficiente.  Operando em uma reserva de mercado garantida pela ANATEL, sua ineficiência acentuou-se ainda mais.  A consequência não poderia ser outra: os consumidores a puniram de acordo, levando-a à bancarrota. Por isso, ainda mais importante que privatizar, é desestatizar: ou seja, retirar do estado seu poder de controlar um mercado, escolhendo quem pode e quem não pode entrar nele.




E tão importante quanto desestatizar é não fazer leilões que envolvam apenas os comparsas do governo. A Petrobras é do povo?  Então, nada mais coerente do que colocar este mantra em prática: após a retirada do governo do setor petrolífero, cada brasileiro receberia uma ação da Petrobras que estava em posse do governo.  E só. Ato contínuo, cada brasileiro decidirá o que fazer com esta ação.  Se quiser vendê-la, que fique à vontade.  Se quiser mantê-la, boa sorte.  Se quiser comprar ações das outras empresas petrolíferas que agora estarão livres para vir operar aqui, sem os onerosos fardos da regulamentação da ANP, que o faça.  Se a maioria dos acionistas brasileiros quiser vender suas ações para investidores estrangeiros, quem irá questionar a divina voz do povo?  Se todo poder emana do povo, que deve ser livre e soberano em suas decisões democráticas, então que os deixem gerenciar as ações da Petrobras, como bem quiserem. O objetivo supremo é fazer com que o dinheiro do petróleo vá para as mãos do povo, e não para o bolso de políticos e burocratas, simples assim...


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger