A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Você conhece a ESQUERDA CAVIAR ?

Você conhece a ESQUERDA CAVIAR ?

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 17 de novembro de 2015 | 16:58







(Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre)



Esquerda caviar (em francês: Gauche caviar) é um termo pejorativo originário da língua francesa utilizado para descrever alguém que diz ser um socialista mas que leva uma vida de luxos e glamour. O termo indica que os membros da esquerda caviar não são sinceros em suas crenças, uma vez que prega algo (uma sociedade socialista) e, de maneira hipócrita, faz outro completamente diferente (beneficia do sistema capitalista). Termos análogos podem ser champagne socialist no Reino Unido, radical chic em Itália, Chardonnay socialist na Austrália, Salonkommunist (comunista de salão) na Alemanha, red set no Chile, ou esquerda festiva no Brasil (em Portugal esquerda festiva não é muito usado e não é análogo a esquerda caviar).





História

O dicionário Petit Larousse define esquerda caviar como uma expressão pejorativa para se referir ao "progressivismo combinado com um gosto pela alta sociedade e situações adquiridas". O jornalista brasileiro Mino Carta define gauche caviar como "representantes do chique radical".



A expressão surgiu como um neologismo político na década de 1980, sendo empregada pelos detratores do governo de François Mitterrand. De acordo com o historiador e diplomata aposentado Sérgio Romano, que não considera Mitterand integrante da gauche caviar, este grupo é sempre cortejado pelos governantes.No governo de Miterrand, ela protegeu os membros da luta armada italiana dos anos de chumbo.De acordo com Romano, a gauche caviar arrancou de Mitterand, pois sabia de sua maior fraqueza, a chamada "doutrina Mitterand": os que participaram de luta armada, desde que dela renunciassem, podiam residir na França, sem risco de extradição. A maior fraqueza de Mitterand decorria do fato ter sido, no curso da Segunda Guerra Mundial, colaborador condecorado do governo da França de Vichy, de caráter fascista.




Ségolène Royal foi descrita como gauche caviar quando foi revelado em 2007 pela imprensa francesa que ela não estava pagando o imposto de renda. A utilização do termo foi muito prejudicial para sua campanha à presidência da República. Da mesma forma, Bernard Kouchner e sua esposa Christine Ockrent, figuras importantes do Partido Socialista foram rotulados com o termo.


O governo do presidente Sarkozy, aproximou-se da gauche caviar e muitos deste grupo (como o já citado Kouchner) assumiram cargos no governo.A própria primeira-dama francesa, Carla Bruni, é considerada musa da gauche caviar por alguns.A revista semanal Le Nouvel Observateur, é descrita por muitos como "órgão semi-oficial dos gauche caviar franceses".


No Brasil






A nossa incomodada ESQUERDA CAVIAR, título extremamente oportuno que nos remete a uma expressão de nossos irmãos mais velhos os Portugueses, para descrever a “esquerda festiva” (como dizia o grande Nelson Rodrigues), é a marca de um grande desvio de caráter no mundo contemporâneo: A esquerda Caviar é exatamente este tipo de gente que frequenta jantares inteligentes, seminários,defendendo a África,falando  dos pobres e excluídos da sociedade, enquanto bebem suas cervejas e vinhos caros,cercados em seus condomínios fechados.São pessoas,que nunca tiveram o desprazer de usar o SUS como única alternativa a tratamento de saúde,pois tem seus planos de saúde,também nunca pegaram um coletivo, ou transporte urbano,pois andam com seus carrões importados,usam roupas de marca caríssimas, e só matriculam seus filhos nas escolas particulares e ainda humilham as amigas menos magras. Enfim, são aqueles, da classe média e alta, que se consideram fora deste universo, como a guru deles: a filósofa  Marilena Chauí.Os membros da esquerda caviar adoram criticar o Capitalismo, mas hipocritamente não renunciam a nenhum dos benefícios trazidos pelo mesmo.Nelson Rodrigues usava a expressão para esta esquerda de: “amante espiritual de Che Guevara” para nomear a esposa de um casal burguês com “afetações revolucionárias”, o típico “casal caviar”. Em meio às festas da “festiva”, o casal de grã-finos, donos da casa, levava Nelson até o pequeno altar onde uma foto de Che posava para os suspiros da esposa apaixonada pelo revolucionário.De onde vem este fenômeno? Antes de tudo, estamos diante do velho problema de caráter. Nada de questões políticas. Apenas questões morais de fundo: mentira, hipocrisia, luta por autoestima social, narcisismo, oportunismo carreirista, mamadores do sistema paralisante da estabilidade estatal,na tentativa de se ver como pessoa pura de coração, enfim, uma fogueira de vaidades. Como dizia o filósofo britânico Edmund Burke, do século XVIII: "antes de qualquer problema político, existe um drama moral.”




O jurista Wálter Fanganiello Maierovitch, comentando sobre o caso de extradição do ex-terrorista italiano Cesare Battisti no seu blog Sem Fronteiras, se referiu a Fred Vargas, Bernard-Henry Lévy, Daniel Pennac e demais intelectuais do Partido Verde da França que defendem Battisti, como membros da gauche caviar. Ele defende que a gauche caviar se opunha ao eurocomunismo: "a gauche caviar gostava, sempre sem sair dos salões, dos revolucionários que, pela força das armas, tinham por meta conquistar o poder".



Fazendo uma analogia à esquerda brasileira, Maierovitch diz que:


“A gauche caviar seria, no Brasil, "a nossa esquerda festiva, que freqüenta a coluna social, só voa em jatinhos particulares, pede vinho com base na fama do rótulo, escolhe restaurantes cinco estrelas e divide a mesa com reacionários como o falecido Antonio Carlos Magalhães".Em entrevista a Kennedy Alencar da Rede TV, o ministro da Defesa Nelson Jobim afirmou que o episódio conhecido como falsificação da Constituição de 1988 não passou de "uma saída política" construída pela "gauche caviar paulista".Ele, entretanto, não define o que seria esta "gauche caviar paulista".




O termo também é utilizado pelo economista Rodrigo Constantino em seu livro, Esquerda Caviar (Editora Record), onde atualiza o termo "esquerda festiva" em uma análise da ideologia e prática de artistas e intelectuais do Brasil e do mundo. O título do livro visa explanar a hipocrisia dos que defendem causas nobres muito mais para parecer "legal" do que por causa dos resultados concretos daquilo que prega.


Em Portugal

Em Portugal, o epíteto "esquerda caviar" é frequentemente atribuído ao Bloco de Esquerda (o partido que se senta nos lugares mais à esquerda do parlamento português), com a implicação que grande parte dos seus dirigentes e apoiantes viriam das classes sociais mais favorecidas.

BIBLIOGRAFIA:

- Joffrin, Laurent. Histoire de la gauche caviar. Éditions Robert Laffont. Paris: 2006.
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger