A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » É impossível provar a "INEXISTÊNCIA" de Aguma Coisa ?

É impossível provar a "INEXISTÊNCIA" de Aguma Coisa ?

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 19 de novembro de 2011 | 11:53






A existência de algo é caracterizada pelo que afinal ? Apenas pelo ver e sentir ?

Renê Descartes dizia : “ Penso, logo existo”.

Eu vejo que a via racional para acessar Deus, de Kant a Heidegger e da Epistemologia até a  Ontologia está fechada.

Díga, o que você toma por Deus? Deus para você é o deus da tradição judaico-cristã? Que é apresentado como sendo o criador de tudo o que existe e está devidamente caracterizado na Bíblia, ou seja, esse Deus é uma pessoa dotada de vontade e intelecto ?



1)- Quanto a esse Deus ele é questão de Fé.



Não é a filosofia que dirá que ele é falso ou verdadeiro, mas sim a análise textual dos livros bíblicos e as contribuições advindas das ciências humanas, sobretudo, história, antropologia, sociologia, psicologia etc.; que mostrarão tal deus como sendo construção cultural engendrada por intelectos humanos e cuja formatação está condicionada a processos específicos.




Dizem que Deus é um conceito abstrato, só se é abstrato se você não o qualificar, coisas que os religiosos o faz. Por exemplo, falar nos atributos de Deus tal como faz a Teologia, nesse aspecto não estamos falando de um Deus abstrato, mas de um deus cuja essência foi dada através do discurso teológico.



Deus enquanto Deus confunde-se com Transcendência, transcender é dar condição para que algo possa existir, assim sendo, muitos atribui à existência do Ser - há alguma transcendência que pode ser também chamada de Deus.



A Filosofia pode chegar a uma conclusão sobre a existência ou não-existência de Deus ?, a  Razão (o coração das filosofias e das ciências) pode chegar a esse conhecimento ?



Kant  reduziu a Ontologia a uma Epistemologia idealista e amputou da Razão uma série de poderes, com isso ‘’salva’’ Deus que pode ser conhecido pela Fé.



Husserl e Heidegger tentam reabilitar a Ontologia através do método fenomenológico e com isso libertá-la da dualista epistemologia kantiana (Noumeno X Fenômeno).



A Fenomenologia é o ramo da Filosofia que estuda as relações da consciência com o mundo, busca encontrar as essências do ser, mas também sabe que a consciência é a doadora dessas essências.



Por mais que grande parte do legado kantiano tenha sido superado, o kantismo enquanto filosofia, se mostra insuperável em demonstrar que só conhecemos a realidade percebida, toda realidade é uma realidade-percebida.




A Razão não é uma forma ou um conteúdo universal, mas é uma construção permanente, que se muda de forma e de conteúdos ao longo de sua história. A Razão nasceu das necessidades dos gregos de ordenar o mundo da cultura personificado na Polis, a cidade-estado, e da necessidade de entender o ordenamento do mundo natural, assim nasce a Filosofia como atividade puramente racional.



A Razão se expressa através da Linguagem, assim sendo, se você não domina determinado conceito não consegue pensar sobre ele, os conceitos só podem ser penetrados através dos recursos lingüísticos.A Razão pode inclusive esgotar-se nos limites da Linguagem, como vemos nos paradoxos, antinomias e tautologias.



Não é a toa que o maior crítico literário do Ocidente, o norte-americano Harold Bloom, diz que se alguém tiver de escolher entre Platão e Homero, deve preferir o segundo. A Razão esgota-se, mas a Imaginação nunca se esgota.




2)- É IMPOSSÍVEL PROVAR QUE “ALGUMA COISA ” NÃO EXISTE  (???):




Há muitos exemplos que vão contra essa afirmação.Por exemplo, é relativamente simples provar que não existe um número primo maior que todos os outros números primos.


É claro, estamos falando de ideias e regras bem definidas. Se Deus ou o Universo são similarmente bem definidos é uma outra questão.



Entretanto, admitindo por um momento que não seja impossível provar a existência de algo, ainda há razões sutis para afirmar, a princípio, a sua inexistência.



É sempre possível provar a invalidez desta “negação por antecipação” encontrando um contraexemplo, ou seja, provando a existência.


Se admitirmos que algo existe e não é impossível de ser comprovado, demonstrar a invalidade dessa hipótese pode requerer uma exaustiva busca por todos os lugares em que esse “algo” poderia ser encontrado, simplesmente para mostrar que não está lá.




Tal busca comumente é impraticável ou impossível. Não há esse tipo de problema com os maiores números primos, pois podemos provar sua inexistência matematicamente.


“Desse modo, geralmente admite-se como uma premissa sensata que nada existe até termos evidências do contrário.”



Os próprios teístas seguem essas regras a maior parte do tempo. Sabemos disso porque eles não acreditam em unicórnios, apesar de não poderem provar conclusivamente que não existem.




Dizer que Deus existe é fazer uma afirmação que provavelmente não estará sujeita a testes. Não temos como promover uma busca a todos os lugares onde Deus poderia estar para simplesmente mostrar que não está lá.



O ateu cético (“ateu passivo”) admite a inexistência de Deus apenas por ver nisso algo sensato e lógico, mas que pode ser refutado com um contraexemplo (ou seja, uma prova de sua existência).




Na prática, acreditar que nenhum dos deuses descritos pelas religiões existe está muito próximo de acreditar que nenhum deus existe. No entanto, os contra-argumentos baseados na impossibilidade da negação de todo tipo de divindade não são aplicáveis neste caso.




Nessa técnica, o neo-ateu tenta “fugir” da responsabilidade de justificar suas opiniões sobre a existência de Deus, pois quer empurrar goela a baixo que “não se prova inexistência, apenas existência”.Claro que é mais uma ilogicidade barbara. Esse é mais um post baseado na entrevista em que a escritora Ayn Rand passa vergonha.Essa é mais uma falácia baseada no entendimento errado de metodologia. 



Para realizarmos uma pesquisa, devemos definir antes:



a)-Objeto a ser pesquisado;

b)-Características do objeto;

c)-Plano de Investigação (científico, filosófico, etc);

d)-Tipo de evidência seria aceita como evidência de existência;

e)-O escopo (“recorte da realidade”) que será analisado;

f)-Ferramentas e a possibilidade ou não de cobrirmos toda produção de evidências que encontraríamos nesse recorte;



Tendo definido todas essas características, realizamos a busca.




Por exemplo: resolvo que quero pesquisar se há ossos de Tiranossaurus Rex (a), que tem as peculiaridades X (b), uma discussão que deverá ser realizada no plano científico (c). O recorte (e)  será o parquinho da esquina, numa área de 100 m² com uma profundidade de 5o m. Compro escavadeiras e outros materiais que vão permitir realizar a escavação por completo (f).



Se, terminada, eu não encontrar absolutamente nada que se encaixe no padrão definido em (a), (b) e (d) no terreno do parquinho da esquina, posso, então, concluir que inexistem ossos de Tiranossaurus Rex dentro desse meu limite de busca.Notem que eu não estou dizendo que o tipo de pesquisa é o mesmo dos ossos de dinossauros para Deus, mas sim que existe um PADRÃO possível para a pesquisa.



Resumo: a inexistência pode ser provada. Desde que saibamos exatamente o tipo de evidência que seria encontrada e não a encontremos dentro do escopo definido.




Enfim, a refutação pode ser feita nesses moldes:



NEO-ATEU: Deus não existe, assim como saci-pererê e mula-sem-cabeça nem existem rá rá rá.

REFUTADOR: Prove sua alegação.

NEO-ATEU: Não se prova inexistência, apenas existência. Por isso não podemos provar que Deus não existe, rá rá rá.

REFUTADOR: É claro que se prova inexistência, quando sabemos que tipo de evidência seria produzida no caso de existência.

NEO-ATEU: Então, eu te desafio: se seu Deus existe, prove que existe saci-pererê, mula-sem-cabeça, um chaleira orbitando ao redor da Terra, etc. Rá rá rá.


REFUTADOR: Estranho, porque não lembro de ter alegado que essas coisas existiam. Além disso, esses seres não tem nada a ver com Deus, pois são seres físicos. Essa é uma falácia de Falsa Analogia e Inversão de Planos. Deus é verificado por outro método. Você ainda precisa provar a alegação de inexistência feita sobre Deus...Xeque Mate !!!




Conclusão:


Essa é uma das técnicas mais básicas usados pelos neo-ateus. Resolvi analisar pois vi que algumas pessoas ainda não estavam atentas a esse erro. É uma das técnicas de “slogan”, por isso, facilmente refutável.


3)- O SER E O NÃO SER NA METAFÍSICA:



Vivemos em um mundo sensível e inteligível, o metafísico está no mundo sensível, nas mudanças, aparências, no que não ocupa tempo, espaço.O inteligível é diferente, é um princípio onde as “coisas concretas” a permanência, a verdade do conhecimento pelo intelecto. Logo o mundo sensível é o mundo do “não-ser”, esse mundo e tudo que não e provado cientificamente pelo homem, existe a teoria mais nunca se conseguiu chegar a uma verdade concreta.



Como por exemplo:Fé é metafísico, a alma, a criação do mundo, ou as duvidas filosóficas de onde viemos, Para onde vamos? Tudo isso envolve a metafísica é realmente o “não-ser”, o não ser é os fundamentos que não encontramos as respostas necessárias.Deus é um ser metafísico, não conseguimos entender, ver, tocar, ouvir, mais acreditamos em tal, pois a Fé nos faz acreditar, logo a Fé também é metafísico, é o “não-ser” da alma humana. 



Todas as perguntas que não tem uma resposta científica envolvem o “não-ser”, e automaticamente o “Ser”, o “ser” está no mundo inteligível é algo provado, concreto é o verdadeiro, logo essa verdade é tudo aquilo que posso provar de maneira cientifica e racional.Quando entramos no âmbito do “Ser” significa a realidade externa que o homem abita, como afirma Hume, logo a metafísica estuda a realidade externa que envolve o “Ser”.




Quando vem a tona o “ser” pensamos logo no “HOMEM”, Aristóteles afirmava que a metafísica como estudo a filosofia primeira e o estudo do “ser enquanto ser”, nesse ponto surge à ontologia quando Aristóteles começa a estudar o “ser” em sua essência, mais estudar o “ser” não é metafísico, metafísico é estudar as realidades necessárias e universais.



A ontologia como uma metafísica aprofundada do estudo do “ser” residente no mundo inteligível, logo o “ser” é o mundo das essências como explicava também Platão, o fato é que não foi à metafísica que evoluiu pra ontologia, a ontologia é um objeto de estudo da metafísica, no momento que a metafísica acabaria, surge à ontologia estudada por Kant.



Para Parmênides “o não-ser” é o inferior do “ser”, “o não-ser” é o nada, mais para Platão o “não-ser”, não é o puro nada é apenas a diferença do “se”.




“A metafísica moderna”: Principais Acontecimentos





Um período da metafísica onde se encontra a incompatibilidade entre a Fé e a Razão, período em que nota-se que ambas tem a necessidade de seu campo próprio de conhecimento e atuação.



A Fé como o “não-ser” o interior do homem e a razão como o “ser”, o intelecto, a verdade. Uma época marcada sobre o reconhecimento da substancia como um “ser”, logo essa substancia é a alma, o corpo e Deus com ser infinito.



A causa como responsável pela matéria, os filósofos modernos afirmavam que a causa é tudo aquilo que tem e produz um efeito.



“Crise da metafísica.”


Um período onde as teorias que existiam sobre o “ser” não eram consideradas verdadeiras como afirma Hume, e tal considerou que as teorias dos princípios racionais, o principio da identidade, não-contradição, razão suficiente ou da causalidade estavam totalmente equivocados, a metafísica passou por uma crise de identidade, pois para Hume a metafísica era praticamente impossível, logo todas as teorias eram erradas segundo Hume, ele estava prevendo o fim da metafísica.




 “Fim da Metafísica ?” 


Hume deixa a metafísica um pouco “apagada” e Kant é quem desperta a metafísica. Kant prova pela metafísica que existe uma realidade.



Com Kant o conhecimento do “verdadeiro” veio à tona, tornou a metafísica possível, mais a própria metafísica não prova seu juízo sintético.Kant elaborou uma teoria de que antes de toda idéia é necessário conhecer a capacidade do próprio conhecer, com isso a metafísica desperta do sono “dogmático”, segundo Kant afirma, aparti de Hume, a metafísica so pode ser considerada ciência se provar o seu juízo sintético, segundo Kant é você provar algo que seja universal,assim como a física a matemática, algo que diante do mundo seja verdadeiro.



O objeto de estudo metafísico vem a partir do pensamento (nôumeno), pelo qual não é um objeto de conhecimento possível ”o não-ser”, é tudo aquilo que a ciência ainda não encontrou provas esclarecedoras.



Para o filosofo Kant á metafísica é uma insensatez dogmática, pois não conhecem aqueles seres que escapam dos juízos universais e necessários,tais como :Tempo, espaço  e quantidade.



4)- O CONHECIMENTO DE  “ALGO “ POR ANALOGIA:








A partir do conhecimento das criaturas pode-se atribuir a Deus todas as perfeições que nelas se encontram e as que se pode conceber, bem como n'Ele negar tudo o que as criaturas têm de limitado e imperfeito.




Assim, por ANALOGIA RACIONAL, são atributos de Deus, segundo Santo Tomás:



1)- Unidade - é indivisível (tanto em ato como em potência), não possui composição alguma.

2)- Unicidade - é unico, não pode haver mais que um Deus, a onipotência de um comprometeria a do outro.

3)-Suprema perfeição - "perfeito é aquilo que está totalmente feito". Todas as perfeições das criaturas (efeitos) se encontram em Deus de modo indiviso e em grau eminente (causa).

4)-Beleza suprema - é a suprema harmonia de todas as perfeições criadas e o seu conhecimento é a máxima felicidade possível

5)-Simplicidade - não é composto de partes, o que implica que não tem corpo e nem partes de nenhuma espécie.

6)-Imensidade - não está sujeito a espaço, pode estar em todos os lugares sem estar circunscrito a eles.

7)-Infinidade - é infinito, tem todas as perfeições em grau máximo e ilimitado. Se pudesse ser aperfeiçoado não seria Deus e sim aquele que Lhas desse.

8)-Imutabilidade - não está sujeito a mudanças nem no seu Ser e nem nos seus desígnios.

9)-Eternidade - não teve princípio e não terá fim, sempre existiu e não deixará de existir.

10)-Onisciência - possui inteligência e entendimento ilimitados, tudo sabe e tudo conhece.

11)-Onipotência - a vontade de Deus é onipotente, não tem limites, e é perfeitamente boa e justa. Sendo infinitamente justo retribui a cada um segundo as suas obras.

12)-Onipresença - tem a capacidade da ubiquidade, pode estar em todos os lugares e, mais do que estar num lugar, dá a existência ao próprio lugar.

13)-Suprema bondade - Deus é a bondade infinita. Quanto mais perfeito é um ser tanto mais é desejável, Deus é o mais desejável dos seres é o Bem Supremo.

14)-Sabedoria - é mais que sábio, é a própria Sabedoria ilimitada.

15)-Santidade - é infinitamente santo e belo e fonte de toda a beleza e santidade.

16)-Misericordioso - Deus é todo misericórdia, perdoa tantas vezes quantas nos arrependemos.

17)-Transcendência - não se confunde com o mundo, está fora do mundo e acima da realidade material.



Conhecimento divino e liberdade humana:



Que Deus saiba quais os atos o homem praticará não implica dizer que Ele seja a causa destes atos; pelo contrário, é a decisão do homem de praticar o ato que permite que Deus saiba que ele será praticado. Da mesma forma, quando o serviço de meteorologia prevê a ocorrência de um tornado amanhã, esta previsão não o torna a causa do tornado. Ao contrário, aquilo mesmo que fará com que haja a tempestade amanhã é que proporciona ao meteorologista a base da sua previsão.




5) Posição da Ciência:




A comunidade científica tende a distanciar-se de uma corroboração ou refutação de Deus. Atualmente não existe nenhuma prova científica conclusiva de existência ou inexistência de Deus, o que é perfeitamente coerente com a declaração de que Deus não faz parte do escopo analítico da Ciência.



Por outro lado, individualmente, cientistas não deixam de expressar suas convicções em relação ao tema. Richard Dawkins, no seu livro"The God Delusion", discute e defende a improbabilidade de Deus existir, enquanto o diretor do Projeto Genoma Humano, Francis Collins, em seu livro "A Linguagem de Deus",defende evidências da existência divina e afirma não haver incompatibilidades entre Deus e a ciência.



Aristóteles e Sócrates estavam convencidos da necessidade da existência de Deus, juntamente com Nicolau Copérnico, Galileu Galilei,Johannes Kepler, Lineu, Rene Descartes, Isaac Newton, Michael Faraday, Gregor Mendel, Alexis Carrel, Max Planck, Von Braun,Carlos Chagas Filho, que presidiu a Pontifícia Academia das Ciências, e Jérôme Lejeune, dentre outros.




Estudos apontam que uma larga maioria,dos cientistas de elite (entre a NAS, Academia das Ciências dos EUA, por exemplo) de hoje, sejam agnosticos (fonte de 1998).No entanto, existem cientistas de elite da própria NAS que acreditam em Deus e são pessoas religiosas como o próprio presidente da NAS, Bruce Alberts observa:



"Existem muitos destacados membros de nossa academia que são pessoas religiosas, pessoas que acreditam na evolução, entre elas muitos biólogos". Ao mesmo tempo, a própria NAS publicou um documento manifestando a opinião de que A existência ou não de Deus é uma questão para a qual a ciência é neutra ("Whether God exists or not is a question about which science is neutral").




A maior parte dos cientistas da Pontifícia Academia das Ciências e da qual fazem parte, por exemplo, dois prêmios Nobel: o físico alemão Klaus von Klitzing e o químico taiwanês Yuan Tseh-Lee, acreditam na existência de Deus e consideram que fé e ciência podem conviver harmoniosamente.





A religiosidade de Albert Einstein tem sido contestada. Einstein parecia ser deísta e via Deus como a maravilha do universo complexo.




A frase "Deus não joga aos dados" tem sido vista como uma demonstração de religiosidade. Contudo, ele mesmo proferiu: "Eu não acredito num Deus pessoal e nunca o neguei, mas exprimi-o com clareza. Se há algo em mim a que se pode chamar religioso, então esse algo é a infinita admiração pela estrutura do mundo tanto quanto a nossa ciência o consegue revelar".




Porém, é provável que ele acreditasse em um Deus "impessoal" , caso contrário a especificação "Deus pessoal" não faria sentido e seria redundante, bastaria apenas mencionar "Deus".




Independentemente das convicções, os cientistas atuais nunca demonstraram cientificamente a existência ou inexistência de Deus.



Fonte principal: Wikpedia
Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 26 Comentário. Deixe o seu!

27 de novembro de 2011 13:26

Não existe Deus nenhum, e não existe maneiras de provar o contrário.
A humanidade vive essa ilusão devido a ela ter tido a necessidade de querer respostas sobre tudo.
As histórias antigas passadas oralmente foram compiladas, manipuladas e adequadas aos interesses de quem queria levar vantagens da ignorância humana, e, posteriormente deram origem a Bíblia "sagrada", que foi muito bem usada por religiosos e pela igreja para "esclarecer" e dominar a humanidade.
Sem ciência e sem esclarecimento, a humanidade passou os últimos 2 000 anos obedecendo a igreja e seguindo suas regras como se fossem a mais pura verdade, mas que não são. Ela não comprova nada, logo são mentiras e possibilidades improváveis.
Se a ciência ainda não tem respostas para tudo, isso não quer dizer que a igreja ou as religiões estão certas. Mas sim, que não temos todas as respostas.
Se alguns cientistas acreditam em um Deus, o problema é deles que estão se iludindo, pois eles não podem comprovar nada que seja divino. Acreditam por que estão confusos sobre o mundo, a vida e o Universo.
Se todas essas figuras do passado, Nicolau Copérnico, Galileu Galilei,Johannes Kepler, Lineu, Rene Descartes, Isaac Newton, Michael Faraday, Gregor Mendel, Alexis Carrel, Max Planck, Von Braun, Carlos Chagas Filho e outros mais, que ajudaram a desenvolver a ciência, se eles conhecessem a realidade do ultimo século, eles certamente teriam outra opinião, pois em suas épocas a igreja dominava mais do que hoje.

27 de novembro de 2011 17:10

Prezado Edvaldo,

Baseado em que provas científicas inconteste você faz sua afirmação ?

Vou provar-lhe que a recíproca é verdadeira e que seus argumentos de nada servem para provar coisa alguma:

A dialética Hegeliana abala os fundamentos ateístas – Veja como e porque:


Veja como desmascarar os argumentos dos ateus:

1)- Tese( sentença proposta pelo ateu ): Deus não existe


2)- Antítese ( refutação à senteça do ateu) : É possível provar a INEXISTÊNCIA de Deus ?


3)- Síntese ( conclusão que chegou o ateu ) : Não há como provar.


4)- CONCLUSÃO : Logo, os ateus são desprovidos de fundamentos para suas proposições sobre a inexistência de Deus.


“Pregando a Verdade e confirmando os irmãos na verdadeira fé, com a graça de Deus construo Catedrais nas almas para que nelas possam habitar o Espírito Santo de Deus” ( Pierry de Craon).

SIMPLES ASSIM !!!

Shalom !!!

Anônimo
27 de novembro de 2011 18:37

Ok, nem vou tomar muito seu tempo porque a questão é deveras simples.

O senhor comete erros formais de Lógica. Com erros formais quero dizer que não são erros semânticos, discutíveis, subjetivos.

Erros formais são erros na estrutura lógica dos argumentos. Porém não vou me extender explicando o que a Lógica Formal porque estou mais do que convencido que estes equívocos não são frutos da ignorância, mas antes são intencionais e bem calculados.

É simples:

Alguém duvida que o universo seja a criação de um Deus onipotente justo e bom porque não vê os atributos de justiça e bondade neste universo.

A dúvida se justifica, o argumento é válido ( válido não significa que a conclusão seja necessariamente verdadeira ).

Veja, este argumento tem a mesma FORMA, é formalmente idêntico a questionar a justiça e a bondade do Edir Macedo por não encontrar na igreja que ele criou e comanda práticas de justiça e bondade. ( Partindo-se do pressuposto que Edir teria total poder para deteminar as normas de conduta da instituição que dirige. )

Então o senhor contra-argumenta:

Contradição! Ele nega a Deus porque não vê a justiça e a bondade em Sua criação.

Porém ele sequer poderia conceber a idéia de justiça e bondade se Deus não existisse, pois Deus é a justiça e a bondade ( ou toda justiça e bondade provém de Deus ).

O erro evidente está no fato de que esta é uma premissa falsa, que o senhor estabeleceu gratuitamente sem provas, sem evidências, ou mesmo sem se dar ao trabalho de tecer argumentos que embasassem a premissa de que a justiça e a bondade provém de Deus.

É claro que, fazendo assim, posso construir argumentos que me levem a qualquer conclusão desejada.

Exemplo:

Argumentemos que Papai Noel existe pois é um mortal.

O inexistente não pode ser morto.
Todo homem é mortal.
Papai Noel é homem.
Logo, Papai Noel é mortal.
Portanto Papai Noel não é inexistente.
Logo Papai Noel existe.

Lógica ilusionista. Se eu encher com bastante linguiça recheada com um discurso empolado posso até enganar alguns simplórios incautos.

Justiça e benevolência são criações humanas. Talvez algum animal possa apresentar comportamento benevolente, mas por certo a justiça é uma concepção humana.

Reconhecemos o conceito de justiça a partir do momento em que o criamos. Assim como o conceito de moral, que significa fazer o que é certo, o justo.

Ao contrário das sociedades o universo não é regido por leis morais, não há nenhuma justiça. O leão tira a vida da gazela, mas a gazela não tira a vida do leão, e nenhum tribunal pune o leão por tirar a vida de quem não tira a vida de ninguém. O elefante não tem predadores, animais de outras espécies existem para serem comidos vivos, em mortes lentas e excruciantes.

Que injusto!

Pessoas más ganham na loteria. Pessoas boas perdem seus filhos em acidentes de trãnsito.

Que injusto!

Criancinhas padeceram indescritivelmente nas mãos de Mengele em Auschiwtz. Mengele morreu de velhice após uma vida confortável.

Que injusto!

Mas a injustiça só existe porque estamos aqui para fazer este juízo de valor. Se nós, humanos, e não DEUS!, não tivéssemos concebido o conceito de justiça a injustiça não existiria. É tão simples: inventamos a ética, assim como inventamos a arte e a música.

Em resumo, o seu argumento é tão absurdo quanto dizer que o homem só percebe que não há música no universo porque HÁ música no universo. Já que se não houvesse música ele sequer poderia conceber a ausência de música. E então dá o novo e arbitrário passo de concluir que a música foi criada por Deus.

Pura sandice!

Antes do primeiro homem fazer o primeiro batuque ninguém perceberia a ausência da música na Natureza, porque, obviamente, o conceito de música ainda não havia sido inventado.

Criou-se música - o homem criou, uma criação humana - e então podemos sentir sua falta e a sua presença.

Hugo.

27 de novembro de 2011 23:23

Prezado Anônimo que virou Hugo.

Não refutou absolutamente nada, re-proponho a tese, a qual é muito simples caro Hugo, não enrrole, apenas se atenha à tese e não em fazer arrodeios e malabarismos de palavras. A perguntinha básica é ?

É impossível provar a INEXISTÊNCIA DE ALGO ?

Você diz que não, a verdade dos fatos dizem que SIM !!!

Se é possível provar a inexistência de algo, vou facilitar a questão para você: Por que não provam a inexistência de Deus ? Simples assim caro Hugo.


Por exemplo malabarístico e falacioso caro Hugo, é relativamente “simples provar que não existe um número primo maior que todos os outros números primos.”


Entretanto, admitindo por um momento que não seja impossível provar a existência de algo, ainda há razões sutis para afirmar, a princípio, a sua inexistência.

É sempre possível provar a invalidez desta “negação por antecipação” encontrando um contraexemplo, ou seja, provando a existência.


Se admitirmos que algo existe e não é impossível de ser comprovado, demonstrar a invalidade dessa hipótese pode requerer uma exaustiva busca por todos os lugares em que esse “algo” poderia ser encontrado, simplesmente para mostrar que não está lá.


Tal busca comumente é impraticável ou impossível. Não há esse tipo de problema com os maiores números primos, pois podemos provar sua inexistência matematicamente.


Caro falacioso Hugo, como deve ser de seu conhecimento,os próprios teístas seguem este raciocínio a maior parte do tempo.Sabemos disso porque eles não acreditam em unicórnios, apesar de não poderem provar conclusivamente que não existem.

Dizer que Deus existe é fazer uma afirmação que provavelmente não estará sujeita a testes. Não temos como promover uma busca a todos os lugares onde Deus poderia estar para simplesmente mostrar que não está lá.


O ateu cético (“ateu passivo”) admite a inexistência de Deus apenas por ver nisso algo sensato e lógico, mas que pode ser refutado com um contraexemplo (ou seja, uma prova de sua existência).



Nessa técnica, o neo-ateu tenta “fugir” da responsabilidade de justificar suas opiniões sobre a existência de Deus, pois quer empurrar goela a baixo que “não se prova inexistência, apenas existência”.

Continua Caro Hugo para seu desespero...

27 de novembro de 2011 23:24

Continuando caro Hugo,


Essa é mais uma falácia baseada no entendimento errado de metodologia. Para realizarmos uma pesquisa, devemos definir antes:


• (a) Objeto a ser pesquisado;
• (b) Características do objeto;
• (c) Plano de Investigação (científico, filosófico, etc);
• (d) Tipo de evidência seria aceita como evidência de existência;
• (e) O escopo (“recorte da realidade”) que será analisado;
• (f) Ferramentas e a possibilidade ou não de cobrirmos toda produção de evidências que encontraríamos nesse recorte;

A coisa é Simples caro Hugo:

Tendo definido todas essas características, realizamos a busca.

Por exemplo: resolvo que quero pesquisar se há ossos de Tiranossaurus Rex (a), que tem as peculiaridades X (b), uma discussão que deverá ser realizada no plano científico (c). O recorte (e) será o parquinho da esquina, numa área de 100 m² com uma profundidade de 5o m. Compro escavadeiras e outros materiais que vão permitir realizar a escavação por completo (f).


Notem que eu não estou dizendo que o tipo de pesquisa é o mesmo dos ossos de dinossauros para Deus, mas sim que existe um PADRÃO possível para a pesquisa.

Resumindo caro malabarista falacioso Hugo: a inexistência pode ser provada. Desde que saibamos exatamente o tipo de evidência que seria encontrada e não a encontremos dentro do escopo definido.

Enfim, a refutação pode ser feita nesses moldes:

• NEO-ATEU: Deus não existe, assim como saci-pererê e mula-sem-cabeça nem existem rá rá rá.
• REFUTADOR: Prove sua alegação.
• NEO-ATEU: Não se prova inexistência, apenas existência. Por isso não podemos provar que Deus não existe, rá rá rá.
• REFUTADOR: É claro que se prova inexistência, quando sabemos que tipo de evidência seria produzida no caso de existência.
• NEO-ATEU: Então, eu te desafio: se seu Deus existe, prove que existe saci-pererê, mula-sem-cabeça, um chaleira orbitando ao redor da Terra, etc. Rá rá rá.
• REFUTADOR: Estranho, porque não lembro de ter alegado que essas coisas existiam. Além disso, esses seres não tem nada a ver com Deus, pois são seres físicos. Essa é uma falácia de Falsa Analogia e Inversão de Planos.

Caro Hugo, Deus é verificado por outro método. Você ainda precisa provar a alegação de inexistência feita sobre Deus, o que simplesmente não fez.

Esperando que não fuja pela tangente,

Shalom !!!

7 de janeiro de 2012 20:59

Olá, tudo bem?

Vi uma resposta sua no Yahoo Respostas e gostaria de conversar com você sobre ela e de bater um papo com você sobre ateísmo em geral.

O post a que me refiro é o seguinte:


http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120107144147AAhCGaQ

Pode me adicionar no MSN se quiser. Por lá poderemos conversar: niviaduare.b@hotmail.com

8 de janeiro de 2012 11:07

Prezada Nívia,

A matéria em referência é esta:

EM QUE SE BASEIA A RAZÃO DOS ATEUS E TEÍSTAS ?

A razão cética(ateísta)é viciosa,substancial e materialista. Ela despreza uma causa imaterial ou irracional.
Veja porquê:

1-O ateu afirma: Tudo pode ser explicável pela razão, então não existe nada superior à razão,muito menos Deus.

2-O teísta afirma: Nem tudo pode ser explicável pela razão, então existe algo superior à razão: Deus.

Teoria dos ateus:

1- O universo e a razão foram gerados do nada ou acaso – Como se fosse possível um tornado montar um BOING, ou um dicionário completo.

2- O universo foi gerado do Big- Bang ou "colapso matéria e anti-matéria". (Pergunta que NÃO CALA: E o que gerou o Big Bang?)

3-O universo foi criado naturalmente segundo as leis físicas-naturais. (Mas como ? se a ciência afirma que as leis se alteram e desaparecem na singularidade de um Big Bang e buracos negros? O que gerou essas leis?)

4-O Universo pode ser gerado por um conflito infinito de eventos. (O que gerou o conflito?, JÁ QUE A PRÓPRIA CIÊNCIA AFIRMA QUE: NÃO EXISTE EFEITO SEM CAUSA ? Se Existe, mostrem um exemplo concreto...Apenas UM ???...

7-Deus foi gerado da imaginação humana.( E o que gerou a imaginação? O homem. E o que gerou o homem? A natureza E o que gerou a natureza?...) - VOLTAMOS À ESTACA ZERO E SEM RESPOSTAS...

Resposta dos teístas : O Universo e a razão foram gerados por uma Razão maior : DEUS !!!

Prefiro o debate neste espaço, pois todos sairemos edificados: Eu, você e nossos internautas. Aguardamos suas dúvidas.

Shalom !!!!

10 de fevereiro de 2012 10:09

Olá! Beraká,
gostaria de parabenizá-lo pelo seu blog, pois é muito edificador. Os debates sobre o Ateísmo foram muito bons! Houve muita coerência em suas palavras e sabedoria sobre esse assunto. Sou Cristão Evangélico!e que o Deus Altíssimo continue te abênçoando sempre!! um abraço!

Anônimo
14 de fevereiro de 2012 10:07

Olá!!
Realmente muito interessante. Ter que provar algo que não existe. Porém vejamos, o que é existir mesmo???
Talvez o PARADIGMA não esteja em tentar provar se algo existe ou não. Mas entender antes de mais nada o que seja existência. A base cientifica de hoje tem um sério problema em definir o que seja existência. Pois mentalmente falando existir nada mais é que o que nossos 5 sentidos principais captam e nos levam até o cérebro que nos dão apenas uma noção mental do que seja existencia. Portanto a questão aqui, volto a dizer. Não é provar que algo existe. É definir o que seja existência. Assim se mentalmente nos projetarmos para o átomo. Temos a nídita certeza que não existimos. Já que o átomo tem em sua composição 99,99999% de espaço e o que enchergamos como matéria nada mais é que a densidade destes atomos aglutinados dando-nos a percepção de existência, assim também no MACROCOSMOS. Verificarmos a existência do Universo do Ponto de VISTA dos sentidos. Porém e a vasta gama de frequencias e vibrações a qual não captamos por não termos capacidades de compreende-las, isto as torna inexistentes?? Ou será que nossa mente não esta preparada para interpreta-las. Ai esta DEUS. Porém enquanto sua mente limitar-se aos 5 sentidos mal vai entender o que é a própria existência. Quando mais algo ainda inatingivel pela ciencia mecanicista que apenas observa e tenta gerar conceitos matemáticos que tentem provar sua existência de maneira lógica e racional. Quebre o paradigma dos sentidos ou eles te quebraram.

14 de fevereiro de 2012 10:38

Prezado Anônimo com dúvida se existe,

Você tentando passar-se por sábio acabou agindo como um tolo, sua argumentação é falaciosa e subejetivista e não te levará a lugar algum, talvez ao manicômio onde todas as loucuras são expressas.

Penso, logo existo!!!

Este é o princípio fundamental de toda a certeza racionalista. Para chegar ao 'penso, logo existo', Descartes utilizou-se da dúvida radical ou hiperbólica. Ele duvidou inicialmente de suas sensações como forma de conhecer o mundo, pois as sensações enganam sempre, duvidou posteriormente da realidade externa e da realidade dos seu corpo como forma de comprovar que o conhecimento certo, através do argumento do sonho, duvidou da certeza advinda das entidades matemáticas, através do argumento do gênio maligno, mas não teve como duvidar que estava duvidando.

Eis aí a primeira certeza: duvido, logo existo, mas duvidar é um modo de pensar, então: 'Penso, logo existo.', que significa: penso, logo tenho consciência de mim mesmo, ou penso, logo sei, ou penso, logo tenho consciência, ou penso, logo sei algo certo.

“Penso, logo existo” está em um dos textos mais conhecidos do francês René Descartes: O Discurso do Método traz a autobiografia intelectual do filósofo e a metodologia por ele criada para a busca de um conhecimento verdadeiro.

Publicado em 1637, O Discurso do Método, de René Descartes, é um dos textos mais conhecidos daquele que hoje é considerado o fundador da Filosofia moderna e do racionalismo, doutrina que atribui à razão humana a capacidade exclusiva de conhecer e estabelecer a verdade. O racionalismo privilegia o pensamento lógico como forma de explicação da realidade.

Continua...

14 de fevereiro de 2012 10:39

Continuamos Caro Anônimo que não Pensa ? Logo não existe ?

O filósofo propõe quatro regras para se chegar ao conhecimento verdadeiro:

1)- A primeira, , é a regra da evidência, segundo a qual só se pode aceitar o que for claro e não suscitar dúvidas.
2)- A segunda regra é a da análise. De acordo com esse princípio, é preciso dividir as dificuldades, os objetos de estudo, em tantas parcelas quantas forem possíveis e necessárias.
3)- A terceira regra, a da síntese, diz que é necessário elaborar conclusões abrangentes e ordenadas, a partir dos objetos mais simples aos mais complexos.
4)- A quarta regra proposta por Descartes, a da enumeração, determina a revisão minuciosa das conclusões obtidas, garantindo que nada seja omitido, assim como uma coerência geral. “O método de Descartes, no que diz respeito aos atos de dividir, ordenar e classificar, será a base metodológica da busca do conhecimento científico desenvolvido posteriormente”, não sabias disto caro anônimo com dúvida existencial literal ?
E tem mais caro anônimo inexistente: Em O Discurso do Método, Descartes lança ainda uma de suas sentenças mais conhecidas (“penso, logo, existo”), como explica o professor do Acesso. “Uma vez estabelecidas as regras do método, Descartes passa a rejeitar tudo o que se apresente a ele como incerto.

Esse é o chamado momento da dúvida radical, no qual nada que venha através dos sentidos, ou dos nossos pensamentos, deve ser considerado indubitável, pois aqueles podem nos enganar e estes manifestarem-se tanto no sono quanto na vigília.

CONCLUSÃO MAGISTRAL DO FILÓSOFO:É do próprio ato de duvidar que surge a primeira verdade para Descartes: “Se eu duvido, penso; e se penso, logo existo”, afirma este filófoso mais sensato e confiável que você caro anônimo paradoxalmente insistente, lembrando que a segunda certeza para o filósofo é a existência de Deus.

Shalom !!!

Nívia
26 de fevereiro de 2012 17:29

Olá novamente, Beraká!

Caramba, deixei meu comentário no seu blog há tanto tempo! Simplesmente me esqueci de vir olhar a resposta, acreditada de que você me mandaria um e-mail. E, agora, acabei vindo parar aqui novamente por conta de uma resposta sua no Yahoo, uma pela qual fiquei encantada:

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20120225152543AAq5mce

Primeiro, gostaria de saber se é seu esse texto sobre a coruja e o rouxinol – e, se sim, evidentemente parabenizá-lo. Depois, bem... quanto ao meu último comentário, não era preciso, como resposta, colar aqui um texto que eu já tinha, cujo link eu mesma te apresentei. Acredito que você tenha feito isso pra compartilhar o texto com os demais leitores do seu blog. Enfim.

No mais, uma pena que prefira não sair dessas paredes. Mas compreendo. Nesse caso, passarei a vir aqui mais vezes, será que posso? Haha. Gosto dos seus textos, acho-os bastante coerentes, apesar de não acreditar em Deus (sou agnóstica ateísta, no caso) e de, portanto, discordar de alguns pontos centrais.

Se estiver interessado em ter uma ideia do meu tipo de pensamento – e se não for prepotência minha cogitar essa possibilidade –, dá uma olhada das minhas respostas relativas à religião no Yahoo. Sou o usuário Lergrav, dessa resposta aqui:

http://br.answers.yahoo.com/question/index;_ylt=AhwJ2vNz9LdyqK8tvZ9__fjJ6gt.;_ylv=3?qid=20120225153728AAEAwe5

Só não te mandei um link do meu perfil no Yahoo porque isso não é possível. Mas é só você clicar no meu usuário (essa foto com o veado) e ir nas minhas respostas.

Abraços,
N

26 de fevereiro de 2012 17:57

Afinal vc é homem (Lergrav) ou mulher ? (Nívia)?

Pergunto não para lhe ofender, mas evitar ser indelicado.
Que bom que vc aprecia a busca pela verdade, já dizia Santo Agostinho que a busca pela verdade é a busca pelo próprio Deus, pois Deus é a verdade.

Fique a vontade para visitar-nos e colocar suas dúvidas, todos ganharão com isto, já que você é uma pessoa, inteligente, educada e com boa formação.

Shalom !!!

26 de fevereiro de 2012 17:59

Prezada Nívea ,ou Legrav,

O texto a CORUJA E O ROUXINOL não é meu mas de Pierry de Craon.

Shalom !!!

marcio roger
26 de fevereiro de 2012 22:01

pseudo intelectual falando bonito e nao diz nada kkkkkkk

Não é a filosofia que dirá que ele é falso ou verdadeiro, mas sim a análise textual dos livros bíblicos e as contribuições advindas das ciências humanas

veja só soa bonito mas nao diz nada, resumindo pode-se dizer, ele existe pq EU estudei biblia pronto, logo Poseidon tem que existir pq eu li nos livros de mitologia, Alah existe pq ta escrito no alcorão....

e se eu escrever um livro Marcio é o Deus vira verdade tb? haahaahahah é interessante e percebe-se a malandragem do texto, fala mansa com intelecto porem sem conteudo exemplo:

No contexto historico o Collor apresenta um curriculo invejavel, formou-se em grande universidades isso o faz ser um otimo homem para o cargo de presidente

um burro le e acha o texto bonito, eu mais instruido pergunto "e se formar desde quando garante boa indole?" vai por algua abaixo todo o texto pseudo intelectual, mostrando uma embasamento raso e sem indicios, como no texto fala bonito, fala bonito, fala bonito, fala bonito, fala bonito, fala bonito, fala bonito, fala bonito, fala bonito, fala bonito, e no fim conclui nada só diz deus existe, mas poseidon não né? quer um desafio? troque a palavra deus por poseidon ou zeus ou outro deus que vc provavelmente descarta, verá que fica igualzinho

enfim nao adianta tentar me tapear com texto pseudo intelectual que nao diz NADA... O texto nao POSSUI uma unica informação relevante pra reflexão só uma enrolação pra no fim dizer deus existe, troque por poseidon e vc chegará EXATAMENTE A MINHA CONCLUSÃO....

26 de fevereiro de 2012 22:27

Prezado ateu Márcio,


Será que não está na hora dos ATEUS Mudarem esta LADAINHA?


E ainda reclamam quando copiamos e colamos as mesmas respostas para as suas enfadonhas e repetitivas perguntas...


São sempre as mesmas afirmativas:



1)-Deus não existe ( Isto não nos prova absolutamente nada)

2)-Eu não vejo Deus ( Também não o vejo, mas o percebo na criação e na vida).

3)-Quem criou Deus? (Platão afirmou que Deus é a Causa não causada de todas as causas).

4)-Deus é culpado pelo mal e sofrimento(Isto é tirar nossa culpa não acham ?).

5)-Deus não atende meus pedidos.(Os meus e de muitos Ele atende...E agora ?).

6)-Deus não é onipotente...etc etc etc...(Isto também não nos prova nada).


Ateus, qual é a graça de repetir a mesma ladainha????!!!!


E continuam falando mal dos religiosos como se fosse pretexto suficiente para negar Deus, afinal o que vocês querem?


Será que simplesmente querem que todas as pessoas compartilhem da mesma raiva, frustração e dúvida de vocês?


"Se enxerguei além dos outros, é por que estava no ombro de gigantes" (Isaac Newton)

Nívia
27 de fevereiro de 2012 14:07

Caro Beraká,

Sou mulher! Menina, na verdade. Homem, muitas vezes, mas só no campo metafísico. "Lergrav" é o nome de uma cidade na França.

Sim, aprecio a busca pela Verdade, mas não a busca pela Verdade de Santo Agostinho, e sim a de Sócrates: a Verdade tem que ser buscada constantemente, sem que se caia nunca na esparrela e pretensiosidade de alcançá-la. Não vejo forma alguma pela qual o deus judaico-cristão possa existir e tenho para isso muitos argumentos, que pretendo apresentar aqui em ensejo.

Obrigada pela dica do texto, irei pesquisar mais coisas a respeito.

Abraços,
N

27 de fevereiro de 2012 14:52

Prezada Nívea,

Obrigado por suas gentilezas para comigo, e perdoe-me a minha indelicadeza, pois não sabia que vc era uma menina mulher.

Com relação ao que você disse:

"Sim, aprecio a busca pela Verdade, mas não a busca pela Verdade de Santo Agostinho, e sim a de Sócrates: a Verdade tem que ser buscada constantemente, sem que se caia nunca na esparrela e pretensiosidade de alcançá-la..."

Não existem deuses e verdades, mas apenas um único Deus e uma única verdade, apenas formas de interpretar Deus e a verdade. Cristo disse-nos: Eu sou o caminho a verdade e a vida e ninguem vem ao Pai senão por mim.

Porém, Deus nos criou livres para aderí-lo e diz o nosso Catecismo Católico:

CIC $ 1 – Deus, infinitamente Perfeito e Bem –aventurado em si mesmo, em um desígnio de pura bondade, criou livremente o homem para fazê-lo participar da sua vida bem-aventurada. Eis porque, desde sempre e em todo alugar, está perto do homem. Chama-o e ajuda-o a procurá-lo, a conhecê-lo e a amá-lo com todas as suas forças.

CIC $ 27 – O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que o homem é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem a si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar.

CIC $ 30 – “Alegre-se o coração dos que buscam o Senhor”Se o homem pode esquecer ou rejeitar a Deus, este, de sua parte, não cessa de chamar todo homem a procurá-lo, para que viva e encontre a felicidade. Mas esta busca exige do homem todo esforço da sua inteligência, a retidão da sua vontade, “um coração reto”, e também o testemunho dos outros, que ensinam a procurar a Deus.

Conte sempre com este seu doravante amigo e irmão.

Shalom !!!

marcio roger
28 de fevereiro de 2012 18:04

Beraká - o blog da família pelo que percebi vc fugiu completamente do que eu disse nao rebateu uma unica coisa que eu disse sinal que deixei vc sem saida, é muito comum qndo uma pessoa fica encurralada na discursão começar a por apesar de vc falar de outra coisa QUE NADA TEM HAVER com o que eu digo, (ja trocou o seu pseudo texto, pela palavra poseidon no lugar de deus? experimente nao precisa dizer que trocou)
o seu grande erro foi subestimar minha inteligencia falando manso, usando um texto bonito, mostrando pseudo conhecimento isso sim é ladainha como vc mesmo diz, isso é enrolar enrolar e dizer a mesma asneira já contestada mas vamos traduzir a sua resposta.

1)-Deus não existe ( Isto não nos prova absolutamente nada)
e por acaso o contrario prova? deixa eu tentar "Deus existe" continuo com tanta duvida quanto a negação, porem se algo nao pode ser provado a existencia tratamos a inexistencia e pasme meu amigo vc concorda comigo quer ver? vou adiantar a sua resposta ao ler isso, (isso é mentira me prove entao??)
Poseidon existe! (diz ai te deixei em um paradoxo né?)

2)-Eu não vejo Deus ( Também não o vejo, mas o percebo na criação e na vida). nao ninguem ve muita coisa e pode senti-la e prova-la, vc nao sente deus vc acredita em algo abstrato e tratou como realidade, pq vc não prova por outros meios, simples pelo emesamo motivo de que os gregos "sentiam a furia de zeus nos trovoes e raios..

3)-Quem criou Deus? (Platão afirmou que Deus é a Causa não causada de todas as causas). a imaginação dos povos, passado de pai pra filho, hj com o avanço a escolas e universidades cai por terra centenas de "verdades" e te digo a terra ser plana é nivel superficial, perto dos tranp de coração (ainda temm gente contra pasmem) celulas troncos etc...

4)-Deus é culpado pelo mal e sofrimento(Isto é tirar nossa culpa não acham ?).
q? deus nao existe e tudo o q ocorre sao atos provocados pela natureza, acaso ou decisões/açoes de qualquer ser (inclui todos os animais) outra se a pessoa poe a culpa em deus ela nao é ateista ela é teista essa foi a pior de todas..

5)-Deus não atende meus pedidos.(Os meus e de muitos Ele atende...E agora ?). e o poseidon atendia qndo os rios e mares baixavam depois de encobrir uma região e agora ele existe?? (essa te deixei em polvorosa né?).

6)-Deus não é onipotente...etc etc etc...(Isto também não nos prova nada). deus nao é pq simplesmente ele é fruto da imaginação....

agora por favor nao mude a conversa fale do texto e defenda-o, apesar de ser impossivel, por conta do desfio que propus, deus trocado por zeus, alah ou poseidon

meu amigo existem coisas q hj dificilmente serão explicadas mas lembre-se sempre, os raios vinham das mãos de zeus, hj todos sabemos de onde vem, entao esses eventos (raros merecem estudos, por favor nao vai me dizer q acredita naquele pastor que faz lipoaspiração divina na igreja dele né?)

é impressionante que depois de centenas de gafes vcs fingem q nao aconteceu e segue reto (tipico de pessoas arrogantes e não pensantes)
ultimo exemplo: na idade média os negros nao tinham alma mas parece que deus injetou alma neles agora.... q coisa não??

Anote ai vc vai aceitar casamentos homosexuais exatamente como aceitaram os supostos negros sem almas... pq? pq vcs nao pensam... eu penso... e vc tem essa capacidade mas ela esta travada nessa Biblia de crimes em cima da mesa..

29 de fevereiro de 2012 08:13

Prezado ateu representante da mais alta inteligência atéia Márcio Roger,

Realmente é um Paradoxo: O ateu e a Ciência não conseguem provar CIENTÍFICAMENTE a inexistência de Deus...Mas querem convencer-nos NÃO CIENTIFICAMENTE, mas pasmem !!! Filosoficamente e argumentativamente, esta inexistência ????- Que contradição é esta ?

PERGUNTA: Desde quando a religião tem que provar algo cientificamente ? Isto é competência da Ciência , ou religião ?


Mas quer convencer-nos filosoficamente e argumentativamente esta inexistência ????.

Por outro lado: Os religiosos não conseguem provar CIENTÍFICAMENTE a existência de Deus(O que compete a Ciência e não religião), mas são proibidos pelos ATEUS de usar os argumentos filosóficos e teológicos ?

Por que um peso e duas medidas neste debate ?

O ônus da prova cabe a quem afirma e a quem nega a afirmação Categoricamente:

1)Se um teísta afirma Deus, ele tem que mostrar evidências de Deus.

2)Se um ateu nega Deus, ele também deve mostrar evidências de que ele não existe.

3)Como a evidência de inteligência sempre vence o acaso na criação....adivinha quem ganha e quem sempre perde a discussão?


Nessa técnica, o neo-ateu tenta “fugir” da responsabilidade de justificar suas opiniões sobre a existência de Deus, pois quer empurrar goela a baixo que “não se prova inexistência, apenas existência”.


Claro que é mais uma ilogicidade Barbara, e mais uma falácia baseada no entendimento errado de metodologia.

Para realizarmos uma pesquisa, devemos definir antes:

• (a) Objeto a ser pesquisado;
• (b) Características do objeto;
• (c) Plano de Investigação (científico, filosófico, etc);
• (d) Tipo de evidência seria aceita como evidência de existência;
• (e) O escopo (“recorte da realidade”) que será analisado;
• (f) Ferramentas e a possibilidade ou não de cobrirmos toda produção de evidências que encontraríamos nesse recorte;

Tendo definido todas essas características, realizamos a busca...Porém é preciso perguntar : Qual ? Científica ou meramente argumentativa ?

Voltamos ambos ao marco Zero com seus poiseidons, Zeus e CIA LDTA.

"Se enxerguei além dos outros, é por que estava no ombro de gigantes" (Isaac Newton)

Shalom !!!

29 de fevereiro de 2012 08:30

Com relação ao seu Poseidon Zeus e CIA LTDA,

Provamos nesta matéria (A qual nem leu nem refutou nada) que inexistência pode ser provada. Desde que saibamos exatamente o tipo de evidência que seria encontrada e não a encontremos dentro do escopo definido.

Enfim, a refutação pode ser feita nesses moldes:

• NEO-ATEU: Deus não existe, assim como saci-pererê e mula-sem-cabeça nem existem rá rá rá.
• REFUTADOR: Prove sua alegação.
• NEO-ATEU: Não se prova inexistência, apenas existência. Por isso não podemos provar que Deus não existe, rá rá rá.
• REFUTADOR: É claro que se prova inexistência, quando sabemos que tipo de evidência seria produzida no caso de existência.
• NEO-ATEU: Então, eu te desafio: se seu Deus existe, prove que existe saci-pererê, mula-sem-cabeça,POSEIDON,ZEUS, THOR, uma chaleira orbitando ao redor da Terra, etc. Rá rá rá.
• REFUTADOR: Estranho, porque não lembro de ter alegado que essas coisas existiam. Além disso, esses seres não tem nada a ver com Deus, pois são seres físicos. Essa é uma falácia de Falsa Analogia e Inversão de Planos.

Deus é verificado por outro método. Você ainda precisa provar a alegação de inexistência feita sobre Deus.

Conclusão inteligentíssimo e humilde ateu Márcio Roger,

(Desculpe-me a ofensa de tê-lo chamado de humilde, pois o seu Guru: Nietzche diz que a HUMILDADE É A VIRTUDE DOS IDIOTAS, e creio que vc o segue cegamente).

Caro Márcio, já estamos acostumados, tudo que vc expôs é uma das técnicas mais básicas usados pelos neo-ateus.

Resolvi analisar pois vi que algumas pessoas ainda não estavam atentas a esse erro. É uma das técnicas de “slogan”, por isso, facilmente refutável.

Continue na sua busca pela verdade, pois a busca pela verdade é a busca pelo próprio Deus, pois Deus é a verdade.

Shalom !!!

18 de junho de 2012 09:59

Essa é uma resposta a deixou a moça a respeito da pergunta todos somos filhos de Deus ou criaturas.
Não venho falar de Religião, se catolica , espirita.. etc.Pois o senhor Jesus não veio pregar religião e sim o evangelho eterno que Deus cuidou pra que seus profetas escrevessem.

Leia em joão 1:12

12 -Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem FILHOS DE DEUS.

13 -os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus.

Antes de aceitar e crer no Senhor Jesus e fazer a sua vontade que esta descrita na Biblia, SOMOS CRIATURAS mas apos lermos a sua palavra e entender sua vontade o aceitamos e passamos a viver em santidade , ou seja ser nova criatura nos tornamos FILHOS DE DEUS
leia tbem em joão 3
Quando Nicodemos foi exortado que pra ser filho tem que nascer de novo, ou seja nascer do espiririto santo, quando confessamos os nossos pecados a Deus ele é fiel e justo para nos perdoar mas temos que viver pelo espirito e não pela carne, ou seja fazer a vontade de Senhor e quem nos ajuda e o espirito santo que recebemos quando aceitamos o Senhor Jesus verdadeiramente.

Que a paz do Senhor te ajude pois não é religião, não importa de onde a pessoa é desde que entenda o evangelho do Senhor a Biblia que ele deixou, assim se entende a vontade de Deus acaba indo onde se faz a vontade de Deus, O Senhor veio pregar ele veio pregar o amor ,o arrependimento, pois ele ama o pecador e odeia o pecado.

Leia tbem esse Blog.

http://www.webartigos.com/artigos/filho-ou-criatura/69804/

18 de junho de 2012 23:29

Prezada Edmara,

Seja sempre bem vinda a nosso apostolado!!!

Sua missiva tá muito confusa e não tem nada haver com a matéria que escolheu para fazer seu comentário.Porém deixa ver se eu entendi seu questionamento:

Quer dizer que antes de Jesus ninguém era filho de Deus?

E Abraão? Isaque? Israel? Moisés? E Davi ?
Você deve estudar melhor a bíblia antes de sair falando bobagens.

O Cristianismo e portanto a Igreja Católica tem cerca de 2 mil anos.

O Protestantismo fundado pelo Herege Lutero surgiu em 1540, quer dizer que antes disso todos eram meras criatura de Deus?

E quem sem culpa própria, não ouviu o evangelho e não foi batizado, não vai ser salvo por que é mera Criatura ?

Ora tenha paciência, vá estudar a bíblia e pedir o dom do entendimento ao invés de ficar a ser papagaia de falso pastor a repetir palavras destes hereges cegos a conduzir cegos.

Vc já se perguntou se realmente é recebedora do verdadeiro Cristo? O que se faz nas ditas "igrejas evangélicas" são típicos contratos de venda e compra dEle. E isso Ele não delegou a ninguém, pois jamais se leu que os verdadeiros discípulos (dEle) fizeram fortunas pessoais.

E não se venha com aquela desculpa (tão utilizada pelos seus ditos dirigentes) de que não se deve perquirir deles sobre a destinação do dinheiro que recebem, pois QUEM AJUDA O OUTRO PECAR, TAMBÉM PECA !!! Sabia disto minha amada ?


A reforma protestante, afora os interesses embutidos do capitalismo (propriedade do solo), tinha como bandeira combater "a venda de indulgências do papa", só que tal papa (Leão X) empregou tais doações na construção da monumental basílica de São Pedro, cuja propriedade jamais o pertenceu, pois pertence sim a humanidade.

PENSE NISTO TAMBÉM !!!

Por fim lembramos a advertência de Cristo:

"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus… (Mateus 7:21)"

Shalom !!!

17 de setembro de 2015 15:38

Para provar que algo não existe se usa o reductio ad absurdum (Redução ao absurdo, ou, prova por contradição), todas as características de deus, são contraditórias!

"Quando você diz "provar a inexistência de algo que NÃO existe", já está afirmando que esse algo NÃO existe!

O que na verdade buscamos, são provas se algo existe - agora em quais premissas você se baseia para ter essas provas, já é outra coisa!

Se não conseguirmos provar a existência desse algo, então ele passa a ser considerado inexistente!

A inexistência é uma consequência da falta de provas da existência de algo...não faz sentido tentar provar a inexistência de algo!!!"

18 de setembro de 2015 09:51

Prezado ateu todynho André,




Há muitos exemplos que vão contra essa sua afirmação.Por exemplo, é relativamente simples provar que não existe um número primo maior que todos os outros números primos. É claro, estamos falando de ideias e regras bem definidas. Se Deus ou o Universo são similarmente bem definidos é uma outra questão.Entretanto, admitindo por um momento que não seja impossível provar a existência de algo, ainda há razões sutis para afirmar, a princípio, a sua inexistência. É sempre possível provar a invalidez desta “negação por antecipação” encontrando um contraexemplo, ou seja, provando a existência.Se admitirmos que algo existe e não é impossível de ser comprovado, demonstrar a invalidade dessa hipótese pode requerer uma exaustiva busca por todos os lugares em que esse “algo” poderia ser encontrado, simplesmente para mostrar que não está lá. Tal busca comumente é impraticável ou impossível. Não há esse tipo de problema com os maiores números primos, pois podemos provar sua inexistência matematicamente.“Desse modo, geralmente admite-se como uma premissa sensata que nada existe até termos evidências do contrário.” O ateu cético (“ateu passivo”) admite a inexistência de Deus apenas por ver nisso algo sensato e lógico, mas que pode ser refutado com um contraexemplo (ou seja, uma prova de sua existência).Na prática, acreditar que nenhum dos deuses descritos pelas religiões existe está muito próximo de acreditar que nenhum deus existe. No entanto, os contra-argumentos baseados na impossibilidade da negação de todo tipo de divindade não são aplicáveis neste caso.




Nessa técnica, o neo-ateu tenta “fugir” da responsabilidade de justificar suas opiniões sobre a existência de Deus, pois quer empurrar goela a baixo que “não se prova inexistência, apenas existência”.Claro que é mais uma ilogicidade barbara, pois a inexistência pode ser provada. Desde que saibamos exatamente o tipo de evidência que seria encontrada e não a encontremos dentro do escopo definido.


A comunidade científica tende a distanciar-se de uma corroboração ou refutação de Deus. Atualmente não existe nenhuma prova científica conclusiva de existência ou inexistência de Deus, o que é perfeitamente coerente com a declaração de que Deus não faz parte do escopo analítico da Ciência.


Continua...

18 de setembro de 2015 09:51

Por outro lado, individualmente, cientistas não deixam de expressar suas convicções em relação ao tema. Richard Dawkins, no seu livro"The God Delusion", discute e defende a improbabilidade de Deus existir, enquanto o diretor do Projeto Genoma Humano, Francis Collins, em seu livro "A Linguagem de Deus",defende evidências da existência divina e afirma não haver incompatibilidades entre Deus e a ciência.



Aristóteles e Sócrates estavam convencidos da necessidade da existência de Deus, juntamente com Nicolau Copérnico, Galileu Galilei,Johannes Kepler, Lineu, Rene Descartes, Isaac Newton, Michael Faraday, Gregor Mendel, Alexis Carrel, Max Planck, Von Braun,Carlos Chagas Filho, que presidiu a Pontifícia Academia das Ciências, e Jérôme Lejeune, dentre outros.




Estudos apontam que uma larga maioria,dos cientistas de elite (entre a NAS, Academia das Ciências dos EUA, por exemplo) de hoje, sejam agnosticos (fonte de 1998).No entanto, existem cientistas de elite da própria NAS que acreditam em Deus e são pessoas religiosas como o próprio presidente da NAS, Bruce Alberts observa:


"Existem muitos destacados membros de nossa academia que são pessoas religiosas, pessoas que acreditam na evolução, entre elas muitos biólogos". Ao mesmo tempo, a própria NAS publicou um documento manifestando a opinião de que A existência ou não de Deus é uma questão para a qual a ciência é neutra ("Whether God exists or not is a question about which science is neutral").




A maior parte dos cientistas da Pontifícia Academia das Ciências e da qual fazem parte, por exemplo, dois prêmios Nobel: o físico alemão Klaus von Klitzing e o químico taiwanês Yuan Tseh-Lee, acreditam na existência de Deus e consideram que fé e ciência podem conviver harmoniosamente.


Shalom !!!

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger