A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » Qual a diferença entre: Deístas, Teístas, Ateus, Gnósticos e Agnósticos?

Qual a diferença entre: Deístas, Teístas, Ateus, Gnósticos e Agnósticos?

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 28 de agosto de 2020 | 22:33



























-O deísta diz: “Deus existe, mas,  não é uma pessoa mas sim uma força impessoal da natureza.


O teísta diz: “Deus não somente existe mas também é uma pessoa”.


O ateu diz: “Deus não existe”.


O gnóstico diz: “Deus existe mas ele é mau”.


O agnóstico diz: “não é possível saber se Deus existe ou se não existe”.




Os cristãos têm uma visão teísta de Deus. Importa, portanto, distinguir o teísmo do ateísmo, deísmo e o agnosticismo.Os teístas crêem num Deus pessoal que fez o cosmos e ao qual eles podem dirigir as suas orações com uma fé firme de que Ele os ouve e os responde. Essa é a crença que vemos principalmente no Cristianismo, Judaismo e Islamismo, ou seja, um Deus pessoal e relacional.



Na ontologia, o estudo do SER, subdivide-se:


1)  A semetipsum et ab eterno

2)  Nec a semetipsum nec ab eterno

3)  Ab eterno sed non a semetipsum (Ab alius).


Deus tomado ontologicamente, ou seja, como ser enquanto ser, Êle é um ser a semetipsum et ab eterno.  O ser é imutável porque ele não tem extensão. Ele não é corpóreo. Isso, contudo, não significa que estejamos negando os fatores predisponentes do ser, ou seja, os fatores externos que predispõe o ser a ser o que é. Porém, esses fatores predisponentes são apenas acidentais. Embora Deus não seja composto de forma e matéria isso não é uma prova contra a sua existência porque se ser é ser apto a existir, então Deus existe, ou então, Êle não seria ser.O termo existir vem de ex mais sistere. Ex=fora, sistere=situar-se. Daqui resulta que existir é situar-se fora de si, ou seja, fora das suas causas. O si para Guenón é personalidade e para Zubiri é personeidade. Ora, qual é a causa de Deus? A causa tem sido concebida sempre como alguma coisa externa, porém, Deus é causa não causada de todas as causas, ou seja, Ele não tem uma causa externa, Ele é a percepção do próprio existir. Se Deus tivesse uma causa externa Êle não seria Deus mas sim o resultado de uma causa que a Êle teria dado o ser.



Aristóteles classifica as causas em quatro, a saber:



1) Causa eficiente

2) Causa material

3) Causa formal

4) Causa final.







O ateísta nega apenas argumentativamente a ideia de Deus. Ao negar a existência de Deus, levanta-se uma questão muito grande no campo da teologia porque é a teologia que cabe tratar dessa questão. Infelizmente, há muitos que hipnotizados pelo naturalismo, e cientificismo querem reduzir todas as questões teológicas apenas a meras questões biológicas, psicológicas, ou físico-químicas como:



-Victor Stenger

-Richard Dawkins

-Cristoffen Hicthens

-Daniel Dennet, entre outros.


Imbuído de evolucionismo, Dawkins nega a existência de Deus. Para ele, a religião é um erro da evolução e não um produto da revelação. Isso só revela uma confusão mental muito grande. É claro que nem todas as religiões são frutos da revelação, senão teríamos que admitir que todas as religiões são verdadeiras, o que não procede porque sabemos existirem falsas religiões apoiadas em falsas revelações.


Então, temos:


a)-A religião revelada, arraigada nos valores morais supremos, universais e eternos, resumidos nos 10 mandamentos.


b)-Temos também a religião natural, que seria aquela que busca RELIGAR-SE com o ser supremo, força superior, ou grande arquiteto do universo, a que o homem procura alcançar com a luz natural da sua razão.






Há muitos homens que por não pertencerem ao cristianismo, ao islamismo, ao judaísmo, ao budismo, dizem que não têm religião, que são homens sem religião. Entretanto, quando observamos a vida desses homens vemos que eles, com a luz natural da sua razão, procuram sempre alcançar aquilo que os transcendem como homens. Ora, inconscientemente esses homens são religiosos e não o sabem. Eles praticam uma religião natural e não uma religião sagrada ou revelada mas eles têm uma religião.



Os argumentos contra a existência de Deus são muitos. Assim também, abundantes são os argumentos a favor da existência de Deus vindo principalmente dos escolásticos com destaque para Sto. Anselmo, o pai da escolástica (1) e Sto. Tomás de Aquino. Argumentar, quer a favor, quer contra a existência de Deus, não prova a sua existência ou inexistência. Que muitos são os argumentos apresentadas quer a favor, quer contra a existência de Deus disso não temos dúvidas. Tentar afirmar ou negar a existência de Deus com recurso ao método das ciências naturais que se assenta na observação e experimentação é entrar de noite num quarto escuro a procura de um gato preto.



A disciplina do saber erudito e sistemático que estuda Deus é a teologia.



O que é teologia? É metafísica e epistemologia. Então, a teologia vai debruçar-se sobre a existência de Deus, as provas a favor e as provas contra. A metafísica e epistemologia por sua vez, são campos de estudo auxiliados impreterivelmente pela filosofia.


Já diziam os escolásticos que a filosofia é serva da teologia, e a teologia é a mãe de todas as ciências.


Na idade média, a filosofia foi usada para provar a doutrina cristã, portanto, ela estava ao serviço da teologia. Mas a filosofia ultrapassa o estudo da teologia.



Em filosofia diferente da Teologia, há apenas uma única autoridade!



Ela não é a observação nem a experimentação como procedem as ciências naturais. De modo nenhum. A única autoridade na filosofia é a demonstração. Não importa quantos autores de obras que se pretendem filosóficas você possa conhecer de cor e salteado. Isso não significa que a sua tese vai ser aceita pelo argumento da autoridade, você tem que demonstrar de forma irrefutável.Que a única autoridade em filosofia é a demonstração e isso fica claro na polémica entre Ésquiles e Demóstenes. Em que Demóstenes repete os argumentos propostos por Ésquiles e ainda acrescenta mais argumentos e depois os refuta um por um de acordo com a verdade dos fatos.




Quando se diz que a filosofia começou na Grécia não significa que nos outros povos não houvesse a busca do saber.



De modo nenhum. Há filosofia na Índia, China, Árabes e em outros povos (2). O que distingue, entretanto, a filosofia grega da dos outros povos, é que os gregos procuravam demonstrar a sua tese enquanto a filosofia dos outros povos é, em geral, apenasmente expositiva. Assim, elas apelam para o pathos dos ouvintes, pathos tomado aqui como simpatia. Então, os que simpatizavam com aquelas ideias aderiam e os que não simpatizavam se opunham.É por isso que dissemos que citar muitos autores não é prova de que você tem espírito filosófico. Isso só prova que você é um erudito. O filósofo demonstra a sua tese com o mesmo rigor aplicado a geometria (3). O mesmo se da com a ciência, não adianta citar tais e quais cientistas se a tese que você está defendendo é desmentida pela observação e pela experimentação. O uso abusivo do argumentum autoritactis no mundo moderno é uma das maiores fraudes que o animal racional jamais inventou.




Quando Aristóteles, antes de expor as suas ideias, expunha as dos filósofos que o antecediam, ele não fazia isso com o intuito de se escorar no argumento de autoridade em preterição da demonstração. De modo nenhum. Porém, hoje, nós vemos isso. Quer dizer, basta alguém dizer: Newton disse tal coisa, ou Einstein disse tal e qual coisa, que é suficiente para todo mundo ficar convencido e aceitar aquilo sem nenhuma discussão racional. Ora, isso não é filosofia e muito menos ciência. Não importa se Newton disse tal ou qual coisa, o que importa é a realidade. Vamos observar e experimentar a realidade. O resto é propaganda barata. Não importa se Kant disse tal ou qual coisa. A questão é: demonstre.



Uma dos argumentos contra a existência de Deus é que o milagre viola as leis da natureza e portanto é impossível e se não há milagre não há Deus. Ora, milagre nunca quis dizer isso. A palavra milagre vem de miraculum que significa algo digno de ser olhado, de ser admirado, mirar ad, ou seja, mira ocular, portanto, nunca significou uma violação das leis da natureza mas apenas algo que capta a nossa atenção (ad tensão) pelo simples facto de não termos uma teoria que sirva de fio de Ariadne ou fio condutor que ofereça uma explicação coerente daquele evento.



Por que é que nós admiramos o nascimento virginal de Cristo e não admiramos a nossa imagem na retina de uma câmera fotográfica?



Porque não temos uma explicação científica para o nascimento de Cristo mas temos uma explicação científica da fotografia. Assim também não temos uma explicação científica para a ressurreição de Cristo, para as curas milagrosas que têm acontecido na igreja nesses mais de dois mil anos e outros eventos como as profecias que se realizam ao pé da letra, etc. A prova de que não temos explicação científica para isso é que não podemos replicar esses eventos no laboratório mas uma fotografia pode.



O milagre não viola as leis da natureza porque o milagre não é imanente a natureza, mas sim transcendente a natureza.



Se fosse imanente, o milagre teria que se subordinar as leis da natureza como o motor de explosão se subordina as leis da natureza e é por isso que podemos explicar o funcionamento do motor de explosão. Agora, como explicar aquele caso do Padre Pio de Pietrechilna de uma criança que enxergava sem pupilas? Não há explicação científica para isso. Então, como as pessoas não podem explicar esses eventos maravilhosos, elas os desprezam e imaginam que varrendo a poeira para debaixo do tapete resolveram a questão de forma omissa.



O que é uma explicação?



É uma tentativa de encontrar um nexo causal. Porém, o que acontece é que a ciência trabalha apenas com as causas materiais e formais. Foi isso que Galileu queria dizer quando escreveu que a única maneira de se conseguir um conhecimento objetivo da realidade era preciso considerar apenas a forma, o peso e o tamanho dos entes reais, enfim, dos corpos.Ora, acontece que o milagre não tem uma causa formal e material, senão poderíamos explicá-lo facilmente usando os nossos métodos de medição. O milagre tem uma causa eficiente que é o próprio Deus e uma causa final emergente que é a glória do próprio Deus e uma causa final predisponente que é a salvação do pecador. A causa forma e a causa material são apenas elementos acidentais do milagre e não sua causa emergente.



O milagre, então, não viola as leis da natureza. O milagre abarca e subordina as leis da natureza, transcendendo-as infinitamente porque a natureza é apenas o campo das possibilidades finitas enquanto o milagre é o campo das possibilidades infinitas.



Portanto, é ridículo imaginar que o ilimitado pode ser limitado pelo limitado, que o infinito pode ser determinado ontologicamente pelo finito.Podíamos fazer referência a outros argumentos contra a existência de Deus como o argumento de que Deus não existe porque nunca ninguém o viu. O outro argumento diz que Deus não existe porque se Êle existisse não haveria mal no mundo, etc. Este e outros argumentos já foram refutados de forma irrefutável pela teologia, entre estes São Tomás de Aquino na Súmula Teológica, a qual recomendamos sua leitura, com argumentos puramente racionais.O argumento de Sto. Anselmo é conhecido como o argumento ontológico de Sto. Anselmo.



Esse argumento é ontológico porque ele procura encontrar a prova da existência de Deus no próprio ser de Deus e não na nossa mente o que demandaria, por conseguinte, um argumento lógico e não um argumento ontológico. Se procurássemos encontrar a prova da existência de Deus na nossa psique, então teríamos um argumento psicológico, o que significa que Deus seria um conteúdo do nosso pensamento e assim por diante.



O argumento ontológico de Sto. Anselmo consiste na incapacidade do homem pensar em algo mais perfeito do que Deus, o que prova que Deus existe. Muitos ateístas, ridicularizando esse argumento de sto. Anselmo dizem que o fato de pensarmos numa montanha de ouro não prova que a montanha de ouro existe. Ora, sabemos que a montanha é uma realidade e que o ouro também é uma realidade e sabemos também com todo rigor lógico que da realidade se pode postular a possibilidade, portanto, da realidade da montanha e da realidade do ouro pode-se postular a possibilidade de uma montanha de ouro. Não há aqui nenhuma contradição lógica intrínseca. De modo que esse argumento dos ateus não procede (3).



O argumento de Sto. Tomás é mais vasto e vamos citar apenas dois:



1)  A prova do movimento: com esse argumento Sto. Tomás demonstra que Deus existe como o primo moto imobile de Aristóteles.


2)  Prova da causa eficiente: com esse argumento ele prova que Deus é a causa de todo o ser.



Esses são apenas alguns argumentos que usamos para provar a existência de Deus. A prova do movimento não é uma prova física como se Deus fosse um motor físico. Isso é apenas metafórico. O que Aristóteles faz aqui com seu primeiro motor imobile é uma filosofia da física. O que ele quer, na verdade, é demonstrar Deus como o fundamento último da realidade.



A prova da causa eficiente é metafísica.



Na verdade, todas as provas que Tomás de Aquino oferece são metafísicas. Portanto, se prova a Deus metafisicamente. Enquanto, Sto. Anselmo apela para o nosso pensar em algo mais perfeito que Deus. Ou seja, ele apela para uma prova lógica. O pensar tem a ver com lógica. Ele é o objeto da lógica assim como o pensamento é o objeto da psicologia.


Pensar em algo mais perfeito do que Deus é impossível.



Quando S.Paulo, na sua Epístola aos romanos diz que é possível conhecer a Deus pela natureza e natureza é phisis, física, não quer dizer que Deus é a natureza e cair no panteísmo de Spinoza. De modo nenhum. Ele quer apenas, como Aristóteles, dizer que o conhecimento começa pelos sentidos. Não apenas o conhecimento físico mas também o conhecimento metafísico como o conhecimento de Deus. Então, como é que a partir dos dados dos sentidos é possível chegar a ideia de Deus? Quer para Aristóteles, quer para os escolásticos, você faz isso por meio da abstração analógica de modo que a abstração tal como Aristóteles estudou e que depois foi aprofundada pelos escolásticos é o fundamento da metafísica no seu sentido ascensional porque no seu sentido descensional você acaba desembocando no platonismo que é também uma via de igual valor, quer dizer, nós chegamos a ideia de Deus quer pela abstração de Aristóteles, quer pela via dos conceitos tal como propugnado por Platão, quer pela via da iluminação divina de Agostinho.


Não raras vezes suscita-se confusão entre deísmo e teísmo.



Mas não há razões para que tal ocorra. A proximidade na escrita e na fonética, ou seja, a paronimidade entre essas duas palavras não deve ser motivo de confusão. Já explicamos que teísmo é a afirmação de um Deus pessoal conforme patente nas religiões superiores. Diferentemente disso, o deísmo é a negação, não de Deus, mas de um Deus pessoal. De modo que o deísta não é ateu. O ateu nega categoricamente a existência de qualquer divindade. O deísmo admite a existência de Deus, só que nega que Êle seja uma pessoa.



Para o deísta, Deus é uma força impessoal da natureza. Alguns acusam Leibnitz de ter sido um deísta. Porém, os que isto dizem revelam claramente que nunca leram uma linha sequer de Leibnitz.



A concepção deísta de Deus, ou seja, de um deus impessoal, é a mesma que encontramos no movimento Nova Era de Alice Bailey que prega um falso misticismo conforme diz René Guenón. Se Deus é uma força da natureza, então caímos no panteísmo e não nos apercebemos.Quando Deus aparece a Moisés no alto do Monte Sinai ele fala com Moisés. Quando Moisés pergunta: qual é o seu nome? Ele diz: Eu Sou quem Eu Sou. EU é um pronome pessoal. Um búfalo não pode dizer a palavra EU. O papagaio pode até imitar isso mas ele não tem consciência do que estará dizendo. Nenhuma força da natureza, seja ela um terremoto, um trovão, etc., pode dizer a palavra EU.





DIFERENÇA ENTRE CONHECIMENTO EXOTÉRICO E ESOTÉRICO:




O prefixo grego eso significa tudo que é voltado para dentro, enquanto exo quer dizer para fora. Um livro muito técnico, portanto, pode ser considerado esotérico – já que o conhecimento é mais aprofundado e acessível para poucos. Um livro didático, por outro lado, é exotérico por estar aberto a muitas pessoas. Existem também, duas espécies de conhecimento: esotérico e exotérico. O termo "esotérico" (antônimo de "exotérico", apesar de ter a mesma pronúncia) se refere ao ensinamento que era reservado aos discípulos completamente instruídos nas escolas filosóficas da Grécia antiga. Por extensão, esotérico se refere a todo ensinamento ministrado a círculo restrito e fechado de ouvintes. Em filosofia, diz-se dos ensinamentos ligados ao ocultismo. Muitas sociedades secretas dividem-se em duas secções: a exotérica ou "face pública" e a esotérica ou "oculta" (que se encontra atrás de portas). Assim encontramos diversas organizações como as fraternidades ou irmandades, tais como a Maçonaria, as quais estão acessíveis aos iniciados num determinado nível mas que possuem níveis cada vez mais elevados de iniciação para a progressão ou evolução de cada um dos membros. O termo exoterismo, utilizado sobretudo na forma de adjetivo (exotérico) surge pela primeira vez nos diálogos de Aristóteles - "Ética a Eudemo" - para indicar o que é público, por oposição ao que é iniciático (oculto). Designa igualmente as cerimónias públicas nas suas manifestações religiosas e ritualísticas (conf.Wikipedia).



As religiões tem um aspecto esotérico e um aspecto exotérico


-O aspecto esotérico é para os iniciados.


-O aspecto exotérico é para os catecúmenos, é para as massas, os não iniciados.


O aspecto esotérico do islam é o sufismo que é praticado nas tariqas. Tariqa quer dizer caminho. Então, a tariqa é um caminho esotérico para a haqiqa que é a verdade através da qual se dá a integração da alma individual no divino, no ser supremo. Nas tariqas se praticam ritos que o mussulmano comum não pratica. Isso não é uma heresia. Isso vem desde Maomé. São ritos voluntários e não obrigatórios.


Há uma discussão muito grande entre René Guenón e seu discípulo Frithjof Schuon acerca do esoterismo cristão:


Guenón defendia a existência de um esoterismo cristão, o que foi negado por Schuon. Isso levou Guenón a cortar as relações com Schuon.Quando Cristo pregava e ensinava nos seus dias, o evangelho diz que Ele o fazia por parábolas. Parábola quer dizer comparação. Porém, o evangelho diz que Ele falava claramente aos seus discípulos. Qual a razão? Dizia Ele: “a vós vos é dado conhecer os mistérios do Reino de Deus mas aos outros tudo lhes será dito por parábolas para que vendo não percebam, ouvindo não entendam”.


Porém, o próprio Cristo quando interrogado por Caifás disse: “Eu nada disse em oculto”. Só com isso já se pode depreender que o cristianismo é um jogo de luz e trevas. Trevas para os que estão fora do Reino e Luz para os que estão dentro. O que é isso senão um aspecto exotérico e outro esotérico?



O esoterismo cristão tem aqui que ser bem entendido e não confundido como vulgarmente o é com o ocultismo, com práticas de rituais ocultos, satânicos, etc. Não devemos cair no erro de pensar que o aspecto esotérico do cristianismo é a maçonaria, a cabala judaíca, etc. O esoterismo cristão se prende a busca de caminhos interiores e não exteriores. Sendo Cristo, o entendimento divino, esse caminho interior é o caminho do intelecto.


É por isso que algumas práticas ascépticas que entraram no cristianismo na idade média e mesmo depois não tem nada a ver com cristianismo porque elas servem para embotar o entendimento do homem ao invés de iluminá-lo.



Tendo tratado do deísmo podemos agora tratar do agnosticismo



A palavra agnóstico de vem de a-privativo mais gnosis que quer dizer conhecimento. Portanto, o agnóstico nega que podemos ter conhecimento de Deus. Ele nega que podemos apreender de Deus o que é apreensível porque para ele em Deus nada há que seja apreensível. Sendo que não podemos ter conhecimento de Deus, o agnóstico não sabe se Deus existe ou se Deus não existe. Ele não é um teísta nem um deísta e ele também não é um ateu. Ele simplesmente não sabe se Deus existe ou se não existe e nega a possibilidade do homem chegar a conhecer a Deus seja por quaisquer vias que for, seja por meio da conceptualização pitagórico-platónica, seja por meio da abstração aristotélica e muito menos por meio da iluminação divina agostiniana. Portanto, um agnóstico é um néscio.


Não devemos confundir o agnóstico com o gnóstico. Enquanto o agnóstico nega que podemos conhecer a Deus, o gnóstico apregoa a salvação pelo conhecimento.



O estudo do gnosticismo mereceu uma grande atenção no século XX por parte não apenas de alguns teólogos como o famoso teólogo Hans Hurs Von Balthazar mas também por parte de estudiosos da política como Eric Voeglin, Thomas Cohn, James Billington só para citar as mais poderosas mentes. Esses homens descobriram um vínculo do comunismo com as seitas gnósticas.


Não apenas o comunismo mas todos os movimentos de massa que podemos chamar de revolucionários, incluindo o movimento de Thomas Munzer. De modo que a mentalidade revolucionária é uma mentalidade gnóstica.



O gnóstico é um crente. Ele crê em Deus, só que ele imagina que Deus é mau. Um demiurgo


Então, para o gnóstico, Deus é mau, o universo é hostil e a humanidade é inviável. Tomado por esse terror do cosmos, o gnóstico imagina que só há uma única via de salvação para ele. Que é ele se transformar em deus. Então, para isso ele tem que se evadir do cosmos. Nós encontramos isso nos escritos de juventude de Marx quando ele diz que vai destronar Deus e colocar seu trono bem acima do trono de Deus (cf. Marx & Satan, Richard Wumbrand). Em Lenine, Bakunin, etc., é a mesma coisa. Esses camaradas não eram ateus, eles eram gnósticos.



No nazismo também encontramos essa ligação com o gnosticismo!


Aliás, não podemos nos esquecer que o nazismo também é um movimento de massa, também é revolucionário. As pessoas dizem que o nazismo era de direita, porém é preciso ser muito pueril para acreditar nisso. Nazismo quer dizer Nacional Socialismo e COMINTER quer dizer internacional comunista. Quer dizer, o socialismo nacional é nazismo. O socialismo internacional é comunismo. Qualquer historiador digno desse nome e que faz história nos moldes do bom e velho Leopold Von Ranke, que dizia que o papel do historiador é registar os factos tal como eles se deram, sabe disso.Quem é que não sabe houve que houve um acordo firmado pela URSS e os nazistas, um pacto que ficou conhecido por pacto Ribentrop-Molotov?



Portanto, o gnosticismo como qualquer outra ideologia é, como dizia E.Voeglin, uma revolta contra Deus e contra o homem.



Hoje em dia, ao se colocar o meio ambiente, o homossexualismo, o abortismo, o sex-lib, a teoria do género, os extra-terrestre acima da lei de Deus e acima do próprio homem, desembocamos num novo gnosticismo. Cada um desses movimentos é um movimento revolucionário porque a implementação do seu objeto requer a total e completa concentração de poder nas mãos das elites desses movimentos. Isso se refere não apenas ao quarto poder de Burke, a mídia, mas também o poder militar, o poder económico e o poder religioso. Veja que toda a grande mídia faz eco a reivindicação de cada um desses movimentos. A teologia de libertação que é uma criação da KGB faz eco aos interesses de cada um desses movimentos. As fundações bilionárias, a elite bancária ocidental, faz apologia de cada um desses movimentos tendo George Soros a cabeça. Daqui a pouco assistiremos os capacetes azuis dar ONU invadindo países africanos e asiáticos porque esses não cedem as pressões dos abortistas, gaysistas, aquecimentistas, etc.







RESUMINDO:



1)TEÍSTA: Teísmo (do grego Théos, "Deus") é uma crença na existência de deuses, seja um ou mais de um, no caso de mais de um, pode existir um supremo1 . Teísmo não é religião, pois não se trata de um sistema de costumes, rituais e não possui sacerdotes ou uma instituição. Teísmo é apenas o nome para classificar a opinião segundo a qual existe ou existem deuses. Algumas religiões ou posturas filosóficas são teístas, outras são deístas, panteístas, etc. Então, podemos dividir o Teísmo em:



a)-Monoteísmo: crença em um só Deus.


b)-Politeísmo: crença em vários deuses.


c)-Henoteísmo: crença em vários deuses, mas com um supremo a todos.




2)-DEÍSTA: O deísmo é uma posição filosófica naturalista que aceita a existência e a natureza de Deus (Criador ou não) através da razão, do livre pensamento e da experiência pessoal, em vez dos elementos comuns das religiões teístas como a revelação direta, ou tradição. Deus é um Criador ou Organizador do Universo (comparável ao Demiurgo do filósofo grego Platão), é a primeira causa da filosofia deísta. Em palavras mais simples: um deísta é aquele que está inclinado a afirmar a existência de Deus, mas não pratica nenhuma religião, não negando a realidade de um mundo completamente regido pelas leis naturais e físicas. A interpretação de Deus pode variar para cada deísta. Deístas, em geral, acreditam que as ideologias religiosas devem tentar reconciliar e não contradizer a ciência, ou seja, o deísmo pode ser considerado um derivado do teísmo agnóstico. Assim, um dos princípios fundamentais desta posição é baseada na consolidação de que Deus existe e criou o universo físico, mas não interfere nele (postulado que inclui a evolução teísta) de maneira evidente como sugerem as religiões teístas, mas de maneira providencialista (ocorre sem que se perceba claramente). Também não tomam posição sobre o que Deus faz fora do mundo físico (céu, inferno, reencarnação e etc). O deísmo nega revelações divinas ao contrário com o fideísmo encontrado em muitos ensinamentos do Cristianismo, Islamismo e Judaísmo, que afirma que a religião depende da revelação das escrituras ou o testemunho de outras pessoas.Os deístas tipicamente também tendem a rejeitar eventos sobrenaturais, isso por que a razão (com toda sua limitação) não aceitaria tais ideias (milagres, profecias, etc.) não as negando, mas não aceitando como uma verdade racional. Sobre as religiões organizadas que usam revelações divinas e livros sagrados, a maioria dos deístas interpretam-as como invenção de outros seres humanos, e não como fontes de autoridade, mas podem aceitá-las como inspiração espiritual. Os deístas dizem que o maior presente de Deus para a humanidade não é a religião, mas "a capacidade de raciocinar".



3)-AGNÓSTICO: Agnosticismo é a visão filosófica de que o valor de verdade de certas reivindicações, especialmente afirmações sobre a existência ou não existência de qualquer divindade, mas também de outras reivindicações religiosas e metafísicas, é desconhecido ou incognoscível. Agnóstico vem do grego: a-gnostos, ou seja, não-conhecimento, aquele que não conhece. No entanto, o agnosticismo é a visão de que a razão humana é incapaz de prover fundamentos racionais suficientes para justificar tanto a crença de que Deus existe ou a crença de que Deus não existe. Na medida em que uma defende que nossas crenças são racionais se forem suficientemente apoiada pela razão humana, a pessoa que aceita a posição filosófica de agnosticismo irá perceber que nem a crença de que Deus existe nem a crença de que Deus não existe é racional. O agnosticismo pode ser definido de várias maneiras, e às vezes é usado para indicar dúvida ou uma abordagem cética a perguntas. Em alguns sentidos, o agnosticismo é uma posição sobre a diferença entre crença e conhecimento, ao invés de sobre qualquer alegação específica ou crença. Dentro do agnosticismo existem:


a)-Ateus agnósticos (aqueles que não acreditam que uma divindade ou mais divindades existam, mas que não negam/descartam a possibilidade de suas existências).



b)-Teístas agnósticos (aqueles que acreditam que um Deus existe, mas não afirmam saber isso).



Thomas Henry Huxley, um biólogo inglês, cunhou a palavra "agnóstico", em 1869.No entanto, pensadores e trabalhos escritos anteriores já têm promovido pontos de vista agnósticos. Eles incluem Protágoras, um filósofo grego do século V a.C.e o mito da criação Nasadiya Sukta no Rig Veda, um antigo texto sânscrito. Desde que Huxley cunhou o termo, muitos outros pensadores têm escrito extensivamente sobre o agnosticismo.



4)-ATEU: Ateísmo, num sentido amplo, é a ausência de crença na existência de divindades.1 O ateísmo é oposto ao teísmo,que em sua forma mais geral é a crença de que existe ao menos uma divindade.O termo ateísmo, proveniente do grego clássico ἄθεος (transl.: atheos), que significa "sem Deus", foi aplicado com uma conotação negativa àqueles que se pensava rejeitarem os deuses adorados pela maioria da sociedade. Com a difusão do pensamento livre, do ceticismo científico e do consequente aumento da crítica à religião, a abrangência da aplicação do termo foi reduzida. Os primeiros indivíduos a identificarem-se como "ateus" surgiram no século XVIII. Os ateus tendem a ser céticos em relação a afirmações sobrenaturais, citando a falta de evidências empíricas que provem sua existência. Os ateus têm oferecido vários argumentos para não acreditar em qualquer tipo de divindade. O complexo ideológico ateísta inclui:


a)-O problema do mal,

b)-O argumento das revelações inconsistentes e o argumento da descrença.

c)-Outros argumentos do ateísmo são filosóficos, morais, sociais e históricos.


Embora alguns ateus adotem filosofias seculares,não há nenhuma ideologia ou conjunto de comportamentos que todos os ateus seguem. Na cultura ocidental, assume-se frequentemente que os ateus são irreligiosos, embora alguns ateus sejam espiritualistas. Ademais, o ateísmo também está presente em certos sistemas religiosos e crenças espirituais, como o jainismo, o budismo e o hinduísmo. O jainismo e algumas formas de budismo não defendem a crença em deuses,enquanto o hinduísmo mantém o ateísmo como um conceito válido, mas difícil de acompanhar espiritualmente.

























Romanos 1,19-22 afirma: "OS INCRÉDULOS SÃO INDESCULPÁVEIS"



"Pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens (os incrédulos) são indesculpáveis; porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos...”


O ser humano tem uma notável capacidade de cometer falhas voluntárias. Se formos sinceros conosco, identificaremos inúmeras situações em que erramos, e se a gente pudesse enumera-las ficaríamos assustados. Contudo nenhum erro pode ser mais danoso a uma pessoa do que negar por puro Capricho, e mero orgulho voluntário, o de não crer ou negligenciar a obra e existência de Deus pelas coisas criadas. Estes versículos acima , escritos a mais de 2000 anos atrás, falam que os atributos de Deus podem ser reconhecidos desde a criação do universo e tudo o que Nele existe. Nos versículos de 19-20: “Deus é percebido, conhecido desde a criação...” Ele se revelou ao homem, não crer em Deus torna o homem indesculpável. Nos versículos de 21-22: “Mesmo conhecendo a Deus, não glorificaram, não agradeceram, tornaram-se fúteis, com corações insensatos, obscuro e duro. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos". Mas certamente negar o valor do sacrifício salvador de Jesus Cristo na cruz consciente e voluntariamente, nas mais variadas formas de negação, é o erro mais grave, mais caro e mais perigoso de todos, pois ao negar a Cristo por puro capricho voluntário a pessoa está condenando-se eternamente (João 3,18). Negligenciar a Deus e sua obra é ingratidão, insensatez e irracionalidade. Negligenciamos e negamos a Cristo toda vez que deixamos de adorá-lo pelo que Ele É, FEZ e FAZ. Negamos e o Ignoramos mais ainda quando colocamos o mérito que é Dele, noutras fontes: Na sabedoria humana, tecnologia, criação espontânea, bens materiais, poder, auto-suficiência, status etc. Assim está escrito para evitarmos caírmos neste erro:



“E que tens tu que não tenhas antes recebido? ” (1 Coríntios 4,7)


“Pela graça de Deus sou o que sou ” (1 Coríntios 15,10)



Quem impediu de nascermos com defeitos? De não termos morrido até o momento que leio isto? O acaso?...Devemos olhar ao nosso redor e nos curvar em gratidão e fé diante do único, digno e capaz de criar todas estas coisas que vemos a partir do nada. Devemos nos curvar diante dEle lembrando daquilo que sabemos que existe, mas nossos sentidos não nos permitem ver ou sentir.Devemos nos curvar ao Pai e reconhecer que há muito mais além do que podemos saber, sentir, perceber ou identificar. Só Ele pode receber este reconhecimento, e não o “senhor acaso”. Pois atribuir a explosão do big bang e logo após a Criação ordenada, é o mesmo que esperar que um furacão monte um avião 747 completo e pronto para voar por mero acaso e coincidência com sua passagem. Ninguém terá desculpas de não acreditar nele, porque sua criação antecede sua apresentação, para aqueles que não anseiam em conhecê-lo, ou será que o mar em sua grandiosidade, foi encerrado até onde chegaria por si próprio ? (Jó 38,8).


Há muitas coisas que não podemos ver, contudo sabemos que elas estão lá:


-Não podemos ver o vento, mas ele existe, pois sentimos a sua briza forte ou suave, ao soprar as folhas das árvores!

-Não vemos a energia, mas sentimos os seus efeitos!

-Não vemos as ondas sonoras e de rádio, mas elas existem!

-Não vemos os raios X, e tantos outros tipos de radiação, mas eles existem e podemos ver seus efeitos!

-Não vemos Deus, mas também, percebemos sua ação em nós, na natureza e nos acontecimentos!


Temos várias provas ao nosso redor sobre a existência de Deus, a beleza da natureza fala d’Dele, assim como a simetria, a ordem e as leis naturais que se encontram na vida diária.Deus é um ser muito inteligente e poderoso, ou será que o senhor acaso desenhou este universo tão vasto e espantoso e belo de se ver, viver e contemplar sem nenhum propósito? Deus é o grande arquiteto e criador , e o corpo humano, é só um exemplo dos muitos mecanismos maravilhosos que Deus criou. Deus se revela na Bíblia como um ser infinito, eterno, auto-existente (causa não causada de todas as causas) e como a causa Primária de tudo o que existe, conforme já deduzia Platão que nem Cristão era, mas pelo uso da razão chegou a esta conclusão lógica, e assim rezava ao Deus invisível:


“ Oh causa não causada de todas as causa, tem piedade de mim...”


Nunca houve um momento em que Deus não existisse, assim como o vácuo do vazio, a escuridão e o frio, que são realidades incriadas e sempre existiram. Assim nos  afirma o Salmista nas escrituras, sem muito conhecimento filosófico e científico no Salmo 90,2:


“Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade Tu és Deus...”


A Bíblia deixa claro em muitas passagens que Deus está fora do alcance do tempo. Ele é eterno. Portanto, os atributos invisíveis de Deus, assim o Seu poder, como a Sua Soberania, claramente se podem ver na natureza! E, por isso, somos indesculpáveis em negar sua existência e seus feitos visíveis e invisíveis.





Notas de referência:



(1)Alguns estudiosos, como Olavo de Carvalho, atribuem a paternidade da escolástica a Bóecio, autor da “Consolação da filosofia”.



(2)A filosofia dos hindus, chineses, enfim, dos povos orientais é aquilo a que se chama filosofia perene ou tradicionalista cujos maiores expoentes foram René Guenón, Martin Lings, Frithjof Schuon, Ananda, Coomaraswamy, Rama Coomaraswamy, Titus Buckardt. Essa filosofia é fundamentalmente metafísica baseada no simbolismo oriental.


(3)Aquilo que é objeto de nosso pensamento distingue-se do próprio pensamento. Assim, ou ele está apenas no nosso pensamento ou ele está apenas na realidade ou nos dois. Se está apenas no nosso pensamento, logo é apenas uma ficção. Se está apenas na realidade, logo, ele não pode ser pensado. Se está nos dois, então, podemos pensá-lo sempre com fundamento.


------------------------------------------------------






Apostolado Berakash – Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua Igreja, grupo de oração, paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:




filhodedeusshalom@gmail.com



Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 1 Comentário. Deixe o seu!

30 de outubro de 2020 15:53

Muito bom! Me ajudou a entender melhor a diferença entre eles e também consegui me identificar! Sou deísta.

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger