A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Uma análise dos Salmos na tradição e liturgia da Igreja

Uma análise dos Salmos na tradição e liturgia da Igreja

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 5 de novembro de 2015 | 19:07





I- O MAGISTÉRIO DA IGREJA E OS SALMOS


Coletânea dos cinco livros dos Salmos

§2585 Desde Davi até a vinda do Messias, os Livros Sagrados contêm textos de oração que atestam o aprofundamento cada vez maior da oração por si mesmo e pelos outros. Os salmos foram pouco a pouco reunidos numa coletânea de cinco livros: os Salmos (ou "Louvores"), obra-prima da oração no Antigo Testamento.






Definição dos Salmos

§2596 Os Salmos constituem a obra-prima da oração no Antigo Testamento. Apresentam dois componentes inseparáveis; o pessoal e o comunitário. Estendem-se a todas as dimensões da história, comemorando as promessas de Deus já realizadas e esperando a vinda do Messias.

Diversas formas e expressões dos Salmos

§2588 As expressões multiformes da oração dos Salmos tomam forma tanto na liturgia do Templo como no coração do homem. Quer se trate de um hino, de uma oração de aflição ou de ação de graças, de uma súplica individual ou comunitária, de canto de aclamação ao rei ou de um cântico de peregrinação, ou ainda de uma meditação sapiencial, os Salmos são o espelho das maravilhas de Deus na história de seu povo e das situações humanas vividas pelo salmista. Um Salmo pode refletir um acontecimento do passado, mas é de uma sobriedade tão grande que pode ser rezado na verdade pelos homens de qualquer condição e em qualquer tempo.


Idéias principais dos Salmos

§2589 Os Salmos são marcados por características constantes: a simplicidade e a espontaneidade da oração, o desejo do próprio Deus através de e com tudo o que é bom em sua criação, a situação desconfortável do crente que, em seu amor preferencial ao Senhor, está exposto a uma multidão de inimigos e tentações e, na expectativa do que fará o Deus fiel, a certeza de seu amor e a entrega à sua vontade. A oração dos Salmos é sempre motivada pelo louvor, e por isso o título desta coletânea convém perfeitamente ao que ela nos oferece: "Os Louvores". Feita para o culto da Assembléia, ela anuncia o convite à oração e canta-lhe a resposta: "Hallelu-Ya"! (Aleluia), "Louvai o Senhor"! - Haverá algo melhor do que um Salmo? É por isso que Davi diz muito acertadamente: "Louvai o Senhor, pois o Salmo é uma coisa boa: a nosso Deus, louvor suave e belo!" E é verdade. Pois o Salmo é bênção pronunciada pelo povo, louvor de f pela assembléia, aplauso de todos, palavra dita pelo universo voz da Igreja, melodiosa profissão de fé..

Importância dos Salmos

§2597 Rezados e realizados em Cristo, os Salmos são um elemento essencial e permanente da oração de sua Igreja e são adequados aos homens de qualquer condição e tempo.

Instituição dos Salmos

§1176 Celebrar Liturgia das Horas exige não somente que se harmonize a voz com o coração que reza, mas também "que se adquira um conhecimento litúrgico e bíblico mais rico, principalmente dos Salmos".


Oração dos Salmos ensina esperança e fé em Deus

§2657 O Espírito Santo, que nos ensina a celebrar a Liturgia na expectativa da volta de Cristo, nos educa a orar na esperança. Por sua vez, a oração da Igreja e a oração pessoal alimentam em nós a esperança. Especialmente os salmos, com sua linguagem concreta e variada, nos ensinam a fixar nossa esperança em Deus: "Esperei ansiosamente pelo Senhor, Ele se inclinou para mim e ouviu o meu grito" (Sl ,2). "Que o Deus da esperança vos cumule de toda alegria e paz em vossa fé, a fim de que pela ação do Espírito Santo a vossa esperança transborde" (Rm 15,13).

Salmos e liturgia

§1156 CANTO E MÚSICA "A tradição musical da Igreja universal constitui um tesouro de valor inestimável que se destaca entre as demais expressões de arte, principalmente porque o canto sacro, ligado às palavras, é parte necessária ou integrante da liturgia solene." A composição e o canto dos salmos inspirados, com freqüência acompanhados por instrumentos musicais, já aparecem intimamente ligados às celebrações litúrgicas da antiga aliança. A Igreja continua e desenvolve esta tradição: Recital "uns com os outros salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando ao Senhor em vosso coração" (Ef. 5,19) . "Quem canta reza duas vezes."

§1177 Os hinos e as ladainhas da Oração das Horas inserem a oração dos salmos no tempo da Igreja, exprimindo o simbolismo do momento do dia, do tempo litúrgico ou da festa celebrada. Além disso, a leitura da Palavra de Deus a cada hora (com os responsos ou os tropários que vêm depois dela) e, em certas horas, as leituras dos Padres da Igreja e dos mestres espirituais revelam mais profundamente o sentido do mistério celebrado, ajudam na compreensão dos salmos e preparam para a oração silenciosa. A lectio divina, em que a Palavra de Deus é lida e meditada para tornar-se oração, está assim enraizada na celebração litúrgica.


Salmos exprimem o coração dos pobres


§716 O Povo dos "pobres" os humildes e os mansos, totalmente entregues aos desígnios misteriosos de seu Deus, os que esperam a justiça não dos homens, mas do Messias - é finalmente a grande obra da missão escondida do Espírito Santo durante o tempo das promessas para preparar a vinda de Cristo. É a sua qualidade de coração, purificado e iluminado pelo Espírito, que se exprime nos Salmos. Nesses pobres, o Espírito prepara para o Senhor "um povo bem-disposto".


Salmos oração da comunidade



§2586 Os Salmos alimentam e exprimem a oração do povo de Deus como assembléia, por ocasião das grandes festas em Jerusalém e cada sábado nas sinagogas. Esta oração é inseparavelmente pessoal e comunitária; refere-se aos que oram e a todos os homens; sobe da Terra Santa e das comunidades da Diáspora, mas abrange toda a criação; lembra os acontecimentos salvíficos do passado e se estende até a consumação da história; recorda as promessas de Deus já realizadas e aguarda o Messias que as realizará definitivamente. Rezados e realizados em Cristo, os Salmos são sempre essenciais à oração de Sua Igreja.

§2587 O Saltério é o livro em que a Palavra de Deus se torna oração do homem. Nos outros livros do Antigo Testamento, as palavras proclamam as obras" (de Deus em favor dos homens) "e elucidam o mistério nelas contido". No Saltério, as palavras do salmista exprimem, cantando-as a Deus, suas obras de salvação. O mesmo Espírito inspira a obra de Deus e a resposta do homem. Cristo unirá uma e outra. Nele, os salmos nos ensinam continuamente a orar.

§2588 As expressões multiformes da oração dos Salmos tomam forma tanto na liturgia do Templo como no coração do homem. Quer se trate de um hino, de uma oração de aflição ou de ação de graças, de uma súplica individual ou comunitária, de canto de aclamação ao rei ou de um cântico de peregrinação, ou ainda de uma meditação sapiencial, os Salmos são o espelho das maravilhas de Deus na história de seu povo e das situações humanas vividas pelo salmista. Um Salmo pode refletir um acontecimento do passado, mas é de uma sobriedade tão grande que pode ser rezado na verdade pelos homens de qualquer condição e em qualquer tempo.



II – TEOLOGIA DOS SALMOS

Santo Agostinho na sua obra, intitulada Comentário aos salmos, aprofunda-nos a beleza e importância dos Salmos.Sem dúvidas os salmos têm sido e continuam sendo fonte riquíssima de inspiração de um dos legados bíblicos mais fecundos para a espiritualidade da civilização do Ocidente, a leitura e releitura dos livros dos salmos e dos demais sapienciais tem dado aos leitores religiosos ou não, um ensinamento ímpar por meio destes poemas que na tradição judaica e cristã tem sido recitado em forma cânticos.O presente Comentário aos Salmos nasce num ambiente litúrgico onde os salmos são lidos, cantados, apreciados, comentados e meditados. Por essa razão, não se encontra no Comentário uma elaboração teológica sistemática, mas sente-se nele a falta do pastor, o pregador popular e o catequista. Comentando os salmos, Agostinho tem ocasião de tocar nas questões teológicas, bíblicas, morais e espirituais do seu tempo.Agostinho solidifica a tradição patrística, juntamente com Orígenes, Atanásio, Basílio, Ambrósio, Eusébio de Cesaréia e Jerônio, pois interpreta minuciosamente cada versículo de cada salmo com base na tradição. Se fala muito hoje em uma retomada de volta as fontes, esse livro com certeza nos ajuda a compreender esse movimento e porque não dizer esta didática agostiniana de interpretar e explicar os salmos com base nas escrituras, sobretudo fazendo uma leitura cristológica do Antigo Testamento com base no Novo Testamento, e também retomando os grandes pais da Igreja em suas citações constantes durante os comentários, vários desses padres da Igreja trabalharam e se dedicaram ao estudo dos salmos, porém nenhum deles tão minuciosamente e belamente como Santo Agostinho.Em suma podemos afirmar que nesta imensa obra do bispo de Hipona, os comentários sobre os Salmos nos revelam Agostinho em oração e nos permitem participar do seu diálogo com o Deus reencontrado. Nenhuma obra de Agostinho se aproxima tanto de suas Confissões, nem prolonga melhor as confidências destas, sobre a sua vida mais secreta. Façamos silêncio, para aprender a rezar rezando os Salmos. A cada salmo rezado e meditado conseguimos enxergar o paralelo da espiritualidade agostiniana e também no respeito em relação à tradição da Igreja.


O livro de Salmos é conhecido como Saltério (nebel), lira ou harpa, uma composição de 150 textos poéticos de lamentação, súplica, louvor, ação de graças, de tempos e lugares diferentes. Essa coleção chama-se em hebraico, O Livro dos Salmos. Em grego,Psalmos, isto é, “Poemas adaptados à música”. É o primeiro e mais comprido dos livros do Hagiógrafo, a terceira divisão da Bíblia hebraica.O livro de Salmos é um dos mais estimados e usados do Antigo Testamento e, ao mesmo tempo, um dos mais problemáticos do cânon. Questões relativas à autoria, composição, teologia, interpretação, aplicação e função contribuem para a complexidade do livro. O fato de muitos cristãos, ao longo dos séculos, terem encontrado consolo em suas páginas em tempos de necessidade, sem jamais considerar estas questões, serve de testemunho do poder de Deus de ministrar por meio dos livros das Escrituras.

Os primeiros salmos a serem agrupados, e que mais tarde dariam origem ao Saltério, foram denominados “Orações de Davi, filho de Jessé”. Outros foram compostos durante o exílio. Contudo foi durante o reinado de Salomão e o exercício do serviço litúrgico e religioso no primeiro Templo, que os salmos definitivamente passaram a fazer parte da tradição judaica.  Assim, o livro dos Salmos é a compilação de várias coletâneas da fina obra literária bíblico-canônica judaica (poemas, hinos e cânticos espirituais) e representa a etapa final de um processo que demandou séculos de história. Foram os mestres e servos pós-exílicos do Templo, entretanto, que completaram e concluíram a coletânea final de 150 salmos, ao final do século III a.C.

Os salmos refletem tanto o caráter histórico como devocional. Muitos acontecimentos da historia são apresentados: a criação do homem (8.5), a aliança estabelecida com Abraão e seus descendentes (105.9-11), o sacerdócio de Melquisedeque (110.4), Isaque, Jacó, Moisés e Arão (105.9-45), a libertação do Egito e a herança Cananéia (78.13; 105.44). Muitos outros exemplos poderiam ser citados.

DATAÇÃO DOS SALMOS

Ao questionarmos a data da publicação dos salmos, uma primeira pergunta se faz necessária: de qual salmo especificamente estamos falando? Porquanto o Saltério é composto de salmos que vão desde a época pré-exílica, passando por todo o tempo de cativeiro, até o pós-exílico. O processo de descobrimento, seleção e formação da coletânea canônica dos salmos levou vários séculos, e foi concluído somente no final do século III a.C.Considerando que metade de todo o Saltério é de autoria de Davi (ou davídicos), e que quase todos foram originados no período áureo de Israel e alguns até mais tarde, podemos datar as primeiras publicações dos Salmos por volta do ano 1000 a.C.

AUTORES DOS SALMOS


Falamos de Salmos como sendo de Davi. Ele é considerado o autor principal, dá a nota dominante, e a sua voz se sobressai às outras no coro sagrado. Mas houve outros autores além dele.De acordo com os títulos, Davi foi o autor de 73 salmos, Asafe foi autor de 12, os filhos de Coré foram autores de 11, Salomão foi autor de 2, e Moisés e Etã foram autores de 1 salmo cada. Nenhum autor é mencionado no caso de 50 dos salmos. A Septuaginta adiciona Ageu e Zacarias como autores de 5 salmos.

1)- Salmos de Davi: 3 a 9, 11 a 32, 34 a 41, 51 a 65; 68 a 70, 86, 101, 108 a 110, 122, 124, 132, 133, 138 a 145.

2)- Salmos de Salomão: 72 e 127.

3)- Salmos dos filhos de Coré: 42, 44 a 49, 84, 85, 87 e 88. Os filhos de Coré formavam uma família de sacerdotes e poetas no tempo de Davi.

4)- Salmos de Asafe: 50, 73 a 83. Asafe era um dos principais músicos de Davi. A família de Asafe era encarregada da música de geração em geração.

5)- Salmo de Etã: 89.

6)- Salmo de Moisés: 90.

É provável que em alguns casos, o nome atribuído ao autor de certos salmos possa referir-se melhor ao compilador do que propriamente a um autor.

ORGANIZAÇÃO DOS SALMOS


Já sabemos que os salmos 1 e 2 servem de introdução geral ao livro e que os salmos de ligação são uteis para discernirmos o propósito do organizador. Que conclusões podem ser tiradas deles quanto ao propósito e a mensagem do organizador?

O salmo 1 traça a distinção nítida entre a conduta do justo e a do ímpio. Também fala de seus respectivos destinos. Percebemos que o organizador apresenta com precisão um dos temas principais dos salmos: o interesse pelo galardão dos justo e o castigo dos ímpios.

O salmo 2 apresenta a idéia de que Deus escolheu o rei israelita e o defendeu das conspirações dos reinos.  Apresenta-se aqui o aspecto nacional em contraste com o aspecto individual.

Esse dois níveis de mensagem (individual e nacional) unem-se em Davi. Ele representa o justo necessitado de apoio divino. Também é o rei de Israel por excelência, que representa não só Israel, mas também todos os reis sucessivos de sua linhagem. Seu amor a Deus levou o Senhor a escolhê-lo como rei e estabelecer a aliança do Reino com ele.

PROPÓSITO E MENSAGEM


Cada autor possuía um propósito especifico para compor um salmo. Os comentários mais antigos sugerem a situação histórica por trás de cada salmo, mas essa prática era altamente especulativa e não produziu resultados satisfatórios. É provável que muitas composições tenham sido feitas para suprir necessidades litúrgicas.Devemos estar dispostos a considerar toda a gama de situações possíveis. Alguns salmos foram motivados possivelmente por acontecimentos históricos específicos, por exemplo, treze deles citam ocorrências históricas no título: 3, 7, 18, 34, 51, 52, 54, 56, 57, 59, 60, 63 e 142. A maioria são da autoria de Davi. Outros devem ter sido escritos para ocasiões litúrgicas distintas. Mas alguns podem ter sido meditações pessoais. A questão é que não há propósito unificado ou mensagem identificada como uma linha de pensamento unificada nos salmos.

DIVISÕES E TÍTULOS DOS SALMOS


Na sua edição final, o Saltério continha 150 salmos. Quanto a isso, a Septuaginta e o texto hebraico concordam, embora cheguem a essa cifra de modo diferente. A Septuaginta tem um salmo a mais no fim (mas não com a numeração separada, como Salmo 151); além disso, une os salmos 9 e 10 num só salmo, e faz o mesmo com os salmos 114 e 115, dividindo os salmos 116 e 147 em dois salmos cada um. É estranho que tanto a Septuaginta quanto o texto hebraico numerem os salmos 42 e 43 como dois salmos, embora fique evidente que originariamente eram um só.

O Saltério era dividido em cinco livros (Salmos 1 a 41, 42 a 72, 73 a 89, 90 a 108, 109 a 150), cada um desses livros recebia uma doxologia final apropriada. Os dois primeiros livros eram provavelmente pré-exílicos. A despeito dessa divisão em cinco livros, o Saltério era claramente considerado uma só obra global, com uma introdução (Salmos 1 e 2) e uma conclusão (Salmos 146 a 150):



1)- Os salmos do primeiro livro são atribuídos a Davi, exceto o primeiro, o segundo, o décimo e o 33º, que são chamados de órfãos por não se conhecerem o nome de seus autores. Na Septuaginta, os salmos que compõem o primeiro livro são atribuídos a Davi, exceto o primeiro, que serve de introdução, e o segundo. O décimo está incorporado ao nono e o 33º traz o título, “A Davi”. O nome divino de Jeová aparece geralmente nos salmos que compõem esse livro.


2)- O segundo livro contém 31 salmos. Os primeiros oito fazem parte de uma coleção de cânticos atribuídos aos filhos de Coré. O salmo 43, quer tenha sido escrito por eles, quer não, foi composto para conclusão do salmo 42. Esse grupo é seguido de um salmo de Asafe. Vem depois de um grupo de 20 salmos pertencentes a Davi, exceto dois, o 66 e o 67; este último, porém, a Septuaginta o registra como sendo de Davi. O livro fecha com um salmo anônimo e outro salomônico, 71 e 72. Nesse livro predomina a palavraElohim para designar a pessoa divina, e dois salmos são duplicados de outros dois do primeiro livro, nos quais a palavra Deus é substituída pela de Jeová (52, 70, cf. 14 e 40.13-17).

3)- O terceiro livro contém 17 salmos. Os primeiros 11 são atribuídos a Asafe, quatro aos filhos de Coré, um a Davi e outro a Etã. Os salmos desse livro foram colecionados depois da destruição de Jerusalém e do incêndio do templo (74.3,7,8; 79.1).


4)- O quarto livro contém igualmente 17 salmos, o primeiro é atribuído a Moisés e dois a Davi; os 14 restantes pertencem a autores anônimos. A Septuaginta dá 11 a Davi, deixando apenas cinco para autores anônimos, 92, 100, 102, 105 e 106.


5)- O quinto livro contém 28 salmos anônimos, enquanto que 15 são atribuídos a Davi e um a Salomão. As inscrições diferem muito na Septuaginta. A coleção dos salmos desse livro foi feita tardiamente porque inclui odes que se referem ao exílio, 126 e 137. Observa-se pois, que a composição dos salmos demandou grande período de tempo.

Dos 150 salmos, somente 34 não tem título. Esses chamados salmos “órfãos” acham-se sobretudo do terceiro ao quinto livro, em que tendem em ocorrer em grupos pequenos: salmos 91, 93 a 97, 99, 104 a 107, 111 a 119, 135 a 137 e 146 a 150. No primeiro e no segundo livro, somente os salmos 1, 2, 10, 33, 43 e 71 não tem título e, na realidade, os salmos 10 e 43 são continuações dos anteriores.



TERMOS QUE EXPRIMEM O CARÁTER DO SALMO
1)- Masquil: poema didático, ou refletivo.

2)- Mictão: epigramático. Na literatura representa o gênero poético criado na Grécia e popularizado em Roma, consistente em poesias curtas (alguns poucos versos ou estrofes) de conteúdo concentrado e incisivo, de fácil memorização e agradável leitura.

3)- Mizmor: poema lírico.

4)- Selah (Pausa): Esse é o termo técnico que mais aparece nos salmos. Aparece setenta e uma vez em trinta e nove salmos e três vezes em Habacuque 3. Visto que é impossível determinar se a colocação da palavra é original ou foi introduzida por editores ou copistas, seu objetivo preciso permanece incerto. Dentre as sugestões para seu significado está "pausa" ou "interlúdio", indicando um intervalo no texto ou na execução musical do salmo. Também é possível que seja uma deixa para o coral repetir uma afirmação, ou para um instrumento específico, possivelmente um tambor, fosse tocado para marcar o ritmo ou enfatizar uma palavra.

CLASSIFICAÇÃO DOS SALMOS

A classificação detalhada dos salmos é de difícil definição, visto que são altamente poéticos, e um salmo pode tocar em diferentes temas. Porém podemos sugerir diversas categorias:

1)- Salmos teocráticos: 95 a 100.

2)- Cânticos de degraus ou de romarias: 120 a 134. Cantados provavelmente, pelos peregrinos subindo às festas anuais de Jerusalém.

3)- Salmos de aleluia: 146 a 150.
4)- Salmos acrósticos: 9,10, 25, 34, 37, 111, 112, 119 e 145. No hebraico a primeira letra de cada linha, ou de cada estrofe, em ordem, segue a ordem do alfabeto hebraico. No Salmo 119, cada estrofe tem 8 linhas e cada linha começa com a mesma letra hebraica da sua estrofe. Esse salmo tem 176 versículos e em todos esses versículos, a não ser em 3, menciona-se a palavra Deus. Referem-se a Palavra de Deus como: Lei, Prescrições, Caminhos, Mandamentos, Preceitos, Juízos, Decretos e Testemunhos.

5)- Salmos messiânicos: os hinos da vinda do Messias: 2, 8, 16, 22, 45, 72, 89, 110, 118, 132 e outros.

6)- Salmos penitenciais: 38,130, e 143.

7)- Salmos imprecatórios: 69, 101, 137 e porções dos salmos 35, 55 e 58. Nesses salmos, Davi pede a Deus, vingança contra seus inimigos e os inimigos de Deus.

8)- Salmos históricos: 78,81, 105 e 106.

9)- Salmos de louvor: Os hinos são facilmente reconhecidos pelo seu exuberante louvor ao Senhor. Deus é louvado pelo que ele é e pelo seu poder e misericórdia. Salmos 8,24,29,33, 47 – 48.

10)- Lamentos: os lamentos expressam uma emoção oposta àquela de louvor. No lamento, o salmista abre seu coração honestamente a Deus, um coração muitas vezes cheio de tristeza, medo ou mesmo ira. Salmos 25, 39, 51, 86, 102 e 120.

CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

O Saltério é poesia do começo ao fim, embora contenha muitas orações. Os salmos são apaixonados, vívidos e concretos; são ricos em figuras de linguagem, como por exemplo as símiles e metáforas. As assonâncias, as alterações e os jogos de palavras também são abundantes no texto hebraico. O uso eficaz de repetições é característico, bem como o acúmulo de sinônimos e complementos para preencher o quadro. Palavras-chave muitas vezes ressaltam temas de maior importância nas orações ou nos cânticos.


A poesia hebraica não tem rimas, nem métrica regular. Sua característica mais diferenciada e comum é o paralelismo. O maior dos versos é composto de dois (às vezes três) segmentos equilibrados entre si (muitas vezes, o equilíbrio não é rigoroso, e o segundo segmento é em geral um pouco mais breve que o primeiro). O segundo segmento ecoa, contrapõe ou complementa estruturalmente o primeiro. Esses três tipos são generalizações e não são totalmente satisfatórios para classificar a rica variedade que a criatividade dos poetas conseguiu realizar dentro da estrutura básica dos dois versos. Podem servir, no entanto, de distinções genéricas que ajudarão o leitor.

Saber onde os versos (ou segmentos do verso original) em hebraico começam ou terminam é às vezes, questão incerta. Até mesmo a Septuaginta divide os versos de maneira diferente dos textos hebraicos hoje existentes. Não é de admirar, portanto que as traduções atuais às vezes divirjam entre si.


Assim como o Saltério foi composto durante o período do Antigo Testamento, assim também a teologia dos salmos é tão abrangente como a teologia do Antigo Testamento. Martinho Lutero denominou o Livro dos Salmos de: “Uma Pequena Bíblia e o Restante do Antigo Testamento”.Os leitores cristãos dos Salmos dão atenção especial à relação entre estes cânticos antigos e Jesus Cristo. Após sua ressurreição, Jesus falou a seus discípulos que “importava que se cumprisse tudo o que sobre mim está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos” (Lc 24.44). O Antigo Testamento, inclusive os Salmos, aguardavam a vinda de Cristo, o seu sofrimento e a sua glória. Jesus e os escritores do Novo Testamento fazem extenso uso dos Salmos para expressar seu sofrimento (Mt 27.46) e a sua glorificação (Mt 22.41 – 46). Além disso, Jesus foi revelado como objeto de culto dos Salmos. Uma vez que Cristo é a Segunda Pessoa da Trindade, os hinos e os lamentos dos Salmos são dirigidos a ele, assim como ao Pai e ao Espírito. Jesus é ao mesmo tempo, cantor dos Salmos (Hb 2.12) e o seu principal tema.

SALMO 22 E O CALVÁRIO


O Salmo 22 apresenta o quadro do Calvário como nenhum outro. Aqui a crucificação é retratada com mais clareza do que em qualquer outra passagem do Antigo Testamento. Começa com o clamor do Senhor na hora mais negra da sua vida: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”. Termina com: “... foi ele quem o fez”. O original hebraico significa: “Está consumado”, a última expressão de Cristo na cruz.No Versículo 6 deste salmo, está escrito: “Mas eu sou verme, e não homem; opróbrio dos homens e desprezado do povo”, referindo-se à afronta da cruz.

Leia e compare estas passagens:

Salmos 22.1....................................... Mateus 27.46
Salmos 22.6-8.................................... Mateus 27.39,41,43
Salmos 22.12,13................................ Mateus 27.36,44
Salmos 22.8....................................... Mateus 15.23,24

“Como água me derramei, e todos os meus ossos se desconjuntaram; o meu coração é como cera, derreteu-se no meio das minhas entranhas” (22.14). Isso descreve transpiração excessiva por causa de tortura física. Refere-se também ao coração partido de Jesus.

“A minha força se secou como um caco, e a língua se me pega ao paladar; e me puseste no pó da morte” (22.15). Este versículo descreve uma sede intensa.

“Pois me rodearam cães; o ajuntamento de malfeitores me cercou, traspassaram-me as mãos e os pés” (22.16). Crucificação, o método romano de morte por crucificação é descrito aqui neste versículo. A lei judaica desconhecia esse método de castigo. As palavras descrevem a morte por crucificação. Ossos das mãos, dos braços, dos ombros, desconjuntados por ter sido o corpo pregado na cruz, distendendo ossos e músculos.

“Repartem entre si as minhas vestes, e lançam sortes sobre a minha roupa” (22.18). Até esse ato dos soldados é descrito neste salmo. Leia Mateus 27.35.

ESBOÇO DE SALMOS

Esse esboço se fundamenta na teoria de que o propósito do organizador é o motivo da organização dos salmos. Deve-se lembrar que esta abordagem ainda é especulativa:

I. Livro I 1.1-41.13
Cânticos introdutórios 1.1-2.12
Cânticos de Davi 3.1-41.12
Doxologia 41.13

II. Livro II 42.1-72.20
Cânticos dos filhos de Corá 42.1-49.20
Cânticos de Asafe 50.1-23
Cânticos de Davi 51.1-71.24
Cânticos de Salomão 72.1-17
Doxologia 72.18,19
Versículo de conclusão 72.20

III. Livro III 73.1-89.52
Cânticos de Asafe 73.1-83.18
Cânticos dos filhos de Corá 84.1-85.13
Cânticos de Davi 86.1-17
Cânticos dos filhos de Corá 87.1-88.18
Cânticos de Etã 89.1-51
Doxologia 89.52

IV. Livro IV 90.1-106.48
Cânticos de Moisés 90.1-17
Cânticos anônimos 91.1-92.15
Cânticos “O Senhor Reina” 93.1-100.5
Cânticos de Davi 101.1-8; 103.1-22
Cânticos anônimos 102.1-28; 104.1-106.47
Doxologia 106.48

V. Livro V 107.1-150.6
Cânticos de ação de graças 107.1-43
Cânticos de Davi 108.1-110.7
Hallel Egípcio 111.1-118.29
Cânticos Alfabético sobre a lei 119.1-176
Cânticos dos degraus 120.1-134.3
Cânticos anônimos 135.1-137.9
Cânticos de Davi 138.1-145.21
Cânticos “Louvai ao Senhor” 146.1-149.9
Doxologia 150.1-6


O livro de Salmos, segundo os estudiosos, pode seguir o mesmo conceito aplicado no livro dos Reis, isto é, alguém coleta e organiza materiais de diversas fontes de acordo com um propósito teológico, desta forma a mensagem geral do livro transcende a mensagem particular de cada Salmo.Estudos comprovam que o livro de Salmos não foi completado de uma vez, pois suas partes I a III, encontradas nos manuscritos do Mar Morto (cerca de 150 a.C.), estão dispostas na mesma ordem que conhecemos hoje. Entretanto, os livros IV e V estão dispostos em outra ordem, o que pode significar que os livros I a III já estavam com sua ordem definida no fim do século II a.C., enquanto que os livros IV e V ainda estavam em processo de organização, concluído plenamente pouco antes do período de Cristo. Portanto, ao longo de quase mil anos, vários escritores compuseram suas poesias que foram organizadas em pequenas coleções em diferentes períodos da história com um propósito teológico.Com relação à forma os Salmos podem ser classificados em: louvor, lamento e sabedoria. Cada Salmo possui uma única forma, exceto o Salmo 22, onde os versos 1 a 21 são de lamento e os versos 22 a 31 são de louvor.


Os Salmos não eram exclusivos do povo hebreu, pois os povos mesopotâmicos também se utilizavam deste recurso literário para expressar suas emoções à divindade. A semelhança dos Salmos hebraicos com os mesopotâmicos se encontra na forma dos Salmos: o louvor e o lamento. Contudo existem diferenças consideráveis entre os Salmos hebraicos e mesopotâmicos, e uma delas é a abordagem do adorador mesopotâmico. Os Salmos de lamento mesopotâmicos tem a intenção de manipular a divindade, e para isto recorre a rituais de magia, pois entende que é culpado em todas as situações, mesmo que não saiba a razão. Como entende que a divindade mesopotâmica não seja justa e coerente o adorador apenas se propõe a aplacar a ira divina.O adorador hebreu pressupõe sua inocência e não tenta manipular a Deus com rituais de magia e encantamentos. Quando os Salmos indicam claramente a culpa do autor, como é o caso do Salmo 51, a ofensa a Deus é sempre de caráter ético, enquanto o lamento mesopotâmico é relativo ao sacrifício impróprio no culto.

O livro de Salmos segue o padrão interpretativo da história narrada no livro de Reis e Crônicas, e sua organização não foi feita levando-se em consideração as circunstâncias na data de composição, mas de acordo com o propósito teológico da coleção. Por exemplo, os salmos 138 a 145 são davídicos, porém estão organizados na divisão pós-exílica do Livro dos Salmos.


Ainda outros Salmos estão dispostos de forma a atingir o objetivo teológico do organizador, tais como:

•        45 – Hino da coroação de Davi
•        48 – Relação com a conquista de Jerusalém por Davi
•        51 – Arrependimento de Davi
•        78 – Reflexão sobre a queda do Reino do Norte
•        90 – Salmo de Moisés no início da divisão exílica
•        103 – Debate sobre o perdão de Deus dos pecados da Nação
•        110 – Soberania divina com ênfase escatológica
•        119 – Relação com a Lei como ênfase no período pós-exílico


Outro exemplo da organização de acordo com o objetivo teológico é a coleção Aleluia (Salmos 111 a 117) que segue o Salmo 110 com os temas da fidelidade e governo divinos. A coleção Cântico dos Degraus (Salmos 120 a 134) remete à peregrinação de todo hebreu a Jerusalém. Esta coleção faz parte da seção do exílio no livro de Salmos, portanto os leitores refletiriam sobre o retorno a Jerusalém após o cativeiro babilônico.A primeira sentença é confirmada em todo o livro dos Salmos, porém a exceção à esta regra também é ensinada. A segunda sentença, embora não receba apoio bíblico, era senso comum entre os israelitas, pois entendia-se que, se Deus é justo como pode um justo sofrer ou um ímpio prosperar? Esta era uma questão muito delicada para o israelita no Antigo Testamento, pois não havia o conceito escatológico da esperança do céu.Nos salmos de lamento o autor se queixa da prosperidade dos ímpios e pede que Deus humilhe seus inimigos. Embora o salmista não se considere plenamente justo, ele se considera mais justo do que aquele que não temia a Javé. Por isso existem muitos salmos chamados imprecatórios (3, 28, 58, 109, 137). Nestes salmos vemos como o autor entendia o modo de Deus agir, pois, para que a justiça de Deus se confirmasse, o ímpio deveria ser castigado. Posto de outra forma, o pedido de castigo para o ímpio era a forma do salmista declarar o pecado daqueles que não andavam conforme a lei de Javé.


O livro de Salmos mostra que os justos podem esperar uma retribuição de Deus por sua justiça,(TEOLOGIA DA RETIBUIÇÃO aprofundada e encerrada em Jó). A vida nem sempre é simples e nem dar-se em uma relação cartesiana de causa e efeito,e a Bíblia não apresenta uma regra de justiça que sempre funciona em todos os casos.


Reinado


Nove salmos mencionam especificamente o rei: 2, 18, 21, 45, 72, 89, 110, 132, 144. Destes nove, quatro falam sobre Davi. Estes salmos são frequentemente considerados messiânicos, isto é, sinalizam o reino eterno de um rei ideal da linhagem davídica. Porém, estes salmos também podem se aplicar a qualquer rei, pois citam o livramento, vitória e bênção para o rei que confia em Deus e segue os padrões estabelecidos pela aliança. Este padrão foi verificado nos reis da dinastia davídica que confiaram no Senhor, conforme relatado no livro dos Reis. O Messias, em comparação com estes reis, seria perfeitamente justo e desfrutaria de todas as bênçãos de Deus no seu reinado.


Criação


O povo hebreu era basicamente agrícola, e por isso dependia muito das condições climáticas para assegurar sua produção de alimentos. As bênçãos e maldições de Javé estavam ligadas à terra, que fazia parte da aliança. Os deuses dos povos pagãos estavam ligados ao clima e era necessário que o Deus dos hebreus estivesse fora desta regra teológica. Javé não estava preso às forças da natureza, por isso, nos salmos que tratam sobre a criação (8, 19, 29, 65, 104) Deus sustenta toda a criação (104), que revela a glória de Deus (19). As forças da natureza são instrumentos de Deus (29, 65) e por isso ele é glorificado acima da natureza, algo não possível nos sistemas religiosos dos antigos povos pagãos.


III – OS SALMOS NA LITURGIA DA IGREJA CATÓLICA


A Liturgia da Palavra é diálogo amoroso entre Deus e seu povo reunido para celebrar.Palavra, canto, silêncio, gestos constituem as ações simbólicas do rito que tem a proclamação do evangelho como ponto alto. Você, certamente já sabe que a 1ª leitura é um texto do Antigo Testamento e sempre escolhido em função do evangelho do dia. O salmo que vem a seguir, é escolhido como um eco da 1ª leitura. Trechos significativos das cartas do N.T. são oferecidos na 2ª leitura. O canto de aclamação, em geral tem um verso baseado no evangelho do dia. A seguir se dá a partilha da Palavra - a homilia, seguida da profissão de fé e das preces da comunidade.
Os Salmos são "parte integrante da liturgia da palavra", não são opcionais, mas essenciais.O livro dos 150 Salmos, um dos mais citados no Novo Testamento está no centro da Bíblia. É a síntese em poesia da experiência de Deus feita pelo povo de Israel no decorrer de sua história. Recebeu o nome de salmo porque era acompanhado do saltério, um instrumento musical. O próprio Cristo, Maria e as primeiras comunidades encontraram nos salmos sua maneira de rezar e celebrar. É um dos cantos mais antigos da celebração cristã, herdado das sinagogas judaicas e interpretado à luz de Jesus Cristo.Dentro do rito da Palavra o salmo é a fala de Deus cantada, tem o mesmo peso dos outros textos bíblicos, por isso deve ser feito sempre na mesa da Palavra e não deve ser substituído por um canto qualquer.Trata-se de Salmo Responsorial: um salmo e não qualquer canto e responsorial (de resposta) alternado entre o salmista e o povo. Sua finalidade é prolongar, interiorizando a mensagem da 1ª leitura - uma resposta cantada que a comunidade dá a Deus com a própria Palavra dele.Assim, o canto do Salmo se torna um momento importante da liturgia da Palavra, que nos faz entrar em comunhão, diálogo entre Deus que fala pela voz do salmista e o povo que escuta e responde, cantando o refrão ou repetindo algum verso do salmo.

O ministério de salmista é distinto do ministério de leitor. Sua função é de conduzir uma oração cantada. Com sua voz dá vida ao salmo, comunicando e expressando os sentimentos presentes no texto, ajudando a comunidade entrar na dinâmica amorosa da salmodia, como Palavra e como resposta à Palavra ao mesmo tempo.

O Salmo Responsorial


Dando seqüência às nossas sessões de compreensão do Próprio da Santa Missa, chegamos agora ao seu segundo item: o Salmo Responsorial. Se o primeiro item que vimos, o Introito, é desconhecido de muitos, o mesmo não pode ser dito do Salmo Responsorial que, bem ou mal, parece ser feito na maioria das igrejas.O adjetivo responsorial deriva da palavra responsório, por sua vez ligada à palavra resposta. Esta “resposta”, entretanto, não é resposta à leitura bíblica que precede o Salmo Responsorial, e sim o refrão. A maioria dos fiéis sabe que o Salmo Responsorial possui um refrão que, geralmente, é cantado ou recitado pela assembleia.

Os salmos, em seu texto original, não trazem refrão; porém, na Liturgia um refrão é introduzido, selecionado entre os versículos do próprio salmo. Serve para sublinhar, por assim dizer, o caráter e o espírito daquele salmo específico.

Nos Domingos e solenidades sabemos que, além do Evangelho, são feitas duas leituras. O Salmo Responsorial, nestes casos, posiciona-se entre elas. Nos outros dias litúrgicos, além do Evangelho é feita somente uma leitura; quando é assim, o Salmo Responsorial posiciona-se depois dessa leitura única.Assim, estamos habituados, nas Missas dominicais, a ter o Salmo Responsorial intercalado; quando ele termina, ainda temos a segunda leitura antes de ficarmos em pé para o Evangelho. Nos dias de semana, porém, terminado o Salmo Responsorial, já nos levantamos para o Evangelho – ou melhor: para o terceiro item do Próprio, comumente chamada “aclamação ao Evangelho”.

No Brasil os textos usados para o Salmo Responsorial, impressos no Lecionário, são metrificados. É muito importante que o caro leitor compreenda o que significa isto. A quantidade de sílabas é medida, assim como os seus acentos. Isto não acontece num texto como, digamos, as Cartas de São Paulo, ou uma notícia de jornal, ou este artigo. Estas quantidades medidas são características da poesia.

Em sua infância o leitor certamente aprendeu estes versos:

Batatinha quando nasce / se esparrama pelo chão

Mesmo que tenha sido na versão espalha a rama pelo chão. Intuitivamente, o leitor aprendeu que esses versos não podem ser proferidos de qualquer jeito. É necessário fazer a correta acentuação; não só a correta acentuação de cada palavra, mas a correta acentuação de um verso inteiro. Portanto, posso apostar em que o leitor pronuncia com ênfase as sílabas que coloco em destaque:

Batatinha quando nasce / se esparrama pelo chão

Qualquer outra acentuação fica antinatural. Os acentos e as quantidades são um aspecto musical da poesia – pois bem; falei do acento, mas ainda não da quantidade. Então repare o leitor que os acentos caem precisamente na terceira e na sétima sílabas de cada verso.


Mas que tem isso a ver com o Salmo Responsorial? Tudo !!!! pois usamos uma versão metrificada do Saltério (o livro dos Salmos), impressa, a propósito, com o nome de Saltério Litúrgico, pelas Edições Lumen Christi. É a tradução oficial da CNBB. Ainda que o Salmo Responsorial seja só recitado, na Missa (e não cantado), este conhecimento é importante para proferi-lo com beleza.

Para mostrar um exemplo ao leitor, tomo o Salmo 1. Seu primeiro versículo é assim traduzido pela Bíblia Ave Maria:

Feliz o homem que não procede conforme o conselho dos ímpios, não trilha o caminho dos pecadores, nem se assenta entre os escarnecedores.

Não é um texto metrificado. Nem precisa ser, isto é importante lembrar. Na Liturgia, a princípio, também não existe esta obrigatoriedade. Entretanto, em alguns países existe este hábito de metrificar os salmos, e este hábito não é novo. É uma escolha tão legítima quanto não metrificar.

O Saltério Litúrgico, cujas traduções metrificadas são as utilizadas pelo Lecionário, traduz assim o primeiro versículo do Salmo 1:

Feliz é todo aquele que não anda
Conforme os conselhos dos perversos
Que não entra no caminho dos malvados
Nem junto aos zombadores vai sentar-se.


Quando o Salmo 1 é o Salmo Responsorial da Missa, é isto mesmo que vemos. Cada verso tem dez sílabas poéticas, com acentos na segunda, na sexta e na décima sílabas (o terceiro verso tem onze sílabas, basta considerá-lo como verso de dez sílabas com uma sílaba extra no início).

O mesmo que transcrevi acima escrevo de novo, marcando as sílabas fortes, acentuadas, de cada verso.

Feliz é todo aquele que não anda
Conforme os conselhos dos perversos
Que não entra no caminho dos malvados
Nem junto aos zombadores vai sentar-se.

Os livros litúrgicos costumam imprimir os Salmos com as sílabas fortes de cada verso em negrito. No meu exemplo também sublinhei, para chamar mais atenção.

É comum que me perguntem por que nos livros da Liturgia das Horas existem essas sílabas impressas em negrito. É justamente por isso. Posicionar corretamente os acentos na recitação do salmo é fundamental para uma realização bela da Liturgia.

Outra pergunta comum a respeito destes salmos metrificados faz menção a alguns símbolos que costumam ser usados nelas. Um deles é o asterisco, que aparece no fim de alguns versos.

Feliz é todo aquele que não anda *
Conforme os conselhos dos perversos
Que não entra no caminho dos malvados *
Nem junto aos zombadores vai sentar-se.

Neste tipo de tradução os versos dos salmos são agrupados de dois em dois e, às vezes, de três em três. O asterisco indica o final do primeiro verso de um grupo de dois versos; no exemplo acima, são dois grupos de dois versos.

Quando aparece um grupo de três versos, o asterisco indica o final do segundo, e uma cruz indica o final do primeiro. No Salmo 58, os versículos 3 e 4 são traduzidos como uma estrofe de cinco versos: um grupo de dois e um grupo de três:

Eis que ficam espreitando a minha vida, *
Poderosos armam tramas contra mim.
Mas eu, Senhor, não cometi pecado ou crime; †
Eles investem contra mim sem eu ter culpa: *
Despertai e vindo logo ao meu encontro!

Esses símbolos ajudam o salmista a cantar o salmo segundo as fórmulas gregorianas. Ao ver o asterisco, ele sabe que cantará a terminação de um grupo de dois versos; ao ver a cruz, ele sabe que cantará a terminação do primeiro verso de um grupo de três versos.

As “fórmulas gregorianas” a que me refiro são também chamadas de tons salmódicos; são “clichês” melódicos (sem conotação negativa da palavra “clichê”) utilizados, por exemplo, para cantar versos adicionais do Introito e de outras partes do Próprio da Missa. Na Liturgia das Horas, pode-se usar uma dessas fórmulas para todo um salmo; elas são também apropriadas para o Salmo Responsorial da Missa, tanto para o refrão como para os versos. Não são, entretanto, a única possibilidade.



Pode-se perfeitamente compor música para o Salmo Responsorial. O mais comum é que se utilize uma melodia para o refrão e, para os versos, algum tipo de fórmula gregoriana ou parecida com as fórmulas gregorianas. Em alguns lugares existe a prática de a assembleia cantar o refrão e o salmista ler os versos. Pessoalmente, não gosto, mas a IGMR parece aprovar: (...)De preferência, o salmo responsorial será cantado, ao menos no que se refere ao refrão do povo. (...) (IGMR, 61). De qualquer modo, a IGMR fala em “preferência”, o que indica um ideal, mas não uma obrigação.



Fica claro, pela instrução do Missal, que o refrão cabe à assembleia. Ao mesmo tempo, a natureza do Salmo Responsorial permite concluir que a música composta para esse mesmo refrão deve ser relativamente simples. Com “relativamente” tento dizer que precisa ser compreensível para os fiéis, de modo que possam repeti-lo imediatamente. É costume que o Salmo Responsorial comece com o refrão cantado pelo cantor sozinho, após o que os fiéis o repetem. Parece-me ideal que este refrão não precise ser “ensaiado” antes da Missa, mas devo enfatizar que isto se trata de uma opinião pessoal. Uma assembleia que tenha noções de escrita musical pode aprender um refrão menos óbvio com mais rapidez, situação que acontece em alguns países. Porém, mesmo sem este conhecimento, há inúmeras fórmulas e melodias simples que dispensam ensaios com os fiéis.

Com base em situações que já presenciei, eu gostaria também de dizer que me parece ideal que o salmista, ao proceder ao canto ou à leitura do Salmo Responsorial, limite-se a este encargo. São péssimas quaisquer outras falas como “vamos cantar o Salmo”, ou “nossa resposta ao salmo é...”, ou “todos deverão repetir...” etc.

No mais, convém observar o nº102 da IGMR: Compete ao salmista proclamar o salmo ou outro cântico bíblico colocado entre as leituras. Para bem exercer a sua função é necessário que o salmista saiba salmodiar e tenha boa pronúncia e dicção. “Saber salmodiar” inclui conhecer (mesmo que intuitivamente, em certos casos) as questões métricas de que falei anteriormente e, no caso do canto, conhecer as fórmulas gregorianas e, sendo possível outras fórmulas e melodias.

Por que o nº102 da IGMR fala em “salmo ou outro cântico bíblico”? Em alguns casos, o Salmo Responsorial toma seu texto não dos salmos, mas de algum cântico como o Magnificat (do Evangelho segundo São Lucas), de um dos vários cânticos do Livro do Profeta Isaías etc. E aqui falo da Missa: na Liturgia das Horas são usados muitos cânticos bíblicos que não são salmos, e sua tradução também aparece no Saltério Litúrgico, sendo em número de setenta e cinco!



BIBLIOGRAFIA:


SANTO AGOSTINHO DE HIPONA, Comentário aos salmos, Paulus, São Paulo - SP, 2008.

http://www.salvemaliturgia.com/2010/02/musica-liturgica-o-salmo-responsorial.html


http://catecismo-az.tripod.com/conteudo/a-z/s/salmos.html
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger