A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Sociólogo Português Mário Bacelar Begonha fala sobre Religião e terrorismo

Sociólogo Português Mário Bacelar Begonha fala sobre Religião e terrorismo

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 31 de julho de 2015 | 17:31



                


Para um sociólogo, os valores, ou seja, os arquétipos são fundamentais para se poder “regular” uma sociedade e, a partir daí, construir toda uma estrutura social “controlada” e “regulada” normativamente através daquilo a que se chama direito e que é consubstanciado nas leis.Quer então dizer que é o direito que regula as relações entre os cidadãos (justiça comutativa) e as relações entre o Estado e os cidadãos (justiça distributiva).




Mas para o politólogo é a política que deve orientar o Estado, ou seja, a nação organizada, embora respeitando o direito com as suas normas sociais, e a divisão, ou separação de poderes, ou seja: o político, o judicial e o religioso. Quer isto dizer que não deve haver interferência de um dos poderes nos outros – isto, evidentemente, em democracia ocidental. 



Para um Estado laico, em democracia, todas as religiões podem exercer livremente o seu “múnus” e o Estado deve garantir isso mesmo, de forma imparcial e sem expressar qualquer preferência.Ora daqui decorre que não é lícito politizar qualquer religião, ou usar de humor, ou ridicularização, de uma religião qualquer, porque isso é um acto contrário à liberdade de culto dessa religião, para já não falar em ofensas à dignidade e honra que qualquer religião deve merecer num Estado democrático.



A tragédia é que há Estados, não democráticos, que diabolizam, por exemplo, a religião católica e os seus valores, exortando até à destruição dos “infiéis”, que são, para eles, todos os católicos. Ora aqui temos um problema de “regulação” religiosa, a nível global, que só pode ser “regularizado” se houver protocolo de não agressão, de qualquer tipo, entre todas as nações do mundo. Só que não se pode tratar por igual aquilo que é diferente, e acontece que existem Estados com “regimes” totalitários que desprezam os direitos humanos, que não subscrevem acordos internacionais, e pior, que violam convenções internacionais até na forma como fazem a guerra, com desprezo total pela vida humana. Assim, torna-se difícil encontrar um consenso entre países, com respeito mútuo por valores como, por exemplo, a religião. 



É que para nós OCIDENTAIS e em uma democracia, o maior valor é a igualdade (e a reciprocidade), e é pois difícil, para não dizer quase impossível, respeitar quem não nos respeita.


Para além disso, as “Nações Unidas” é que devem exigir uma regulação para ser respeitada (observada) por todos os países do planeta e impor sanções em nome da paz e da segurança do mundo.Não perceber isto e insistir num erro, em nome da “liberdade de expressão” e de pensamento, pretendendo com isso demonstrar superioridade civilizacional, além de uma enorme ignorância é também um ato de profunda estupidez. Mais uma vez citamos ou chamamos aqui à colação o desporto com os seus conceitos e o respeito por todos os seus intervenientes, que ali são tratados por iguais, e como iguais, independentemente dos resultados obtidos.



Essa escola de igualdade que só tem paralelo num cemitério, já que ali todos são iguais e têm os mesmos direitos perante Deus e os homens, podendo até dizer-se que há pessoas que são mais celebradas depois da morte do que durante a vida.



A verdadeira religião, qualquer que ela seja, só pode ter como objetivo e finalidade o bem temporal e eterno (da humanidade), não podendo estar associada ao mal, à vingança e ao ódio.



Quando se fala de religião tem-se que forçosamente de falar-se em amor ao próximo, ou seja: amar o nosso semelhante é que faz de nós seres superiores com o único objetivo de atingir a realização pessoal suprema, que consiste em espalhar à nossa volta a verdadeira felicidade. É com a realização e felicidade dos outros que nos podemos realizar e cumprir o nosso destino na terra, caminhando então para a humanização do homem, dando-lhe a dignidade que um ser humano deve ter… Mas tudo isto se pode encontrar no desporto quando ele é praticado como ato cultural e social, e não como ato “mercenário”.



Então sejamos corajosos e respeitemos todas as religiões, por igual, e respondamos ao terrorismo desenvolvendo a educação e o desporto, com o objetivo de opor ao radicalismo a democracia e a igualdade entre todos.


              
Por Mário Bacelar Begonha – Sociólogo - Escreve quinzenalmente à quarta-feira  para o Jornal i



Fonte: http://ionline.pt/404568?source=social

Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 1 Comentário. Deixe o seu!

8 de abril de 2016 08:13

Bom dia seria possível facultarem o contacto do Dr. Bacelar Begonha. Obrigado

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger