A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » O hábito não faz o monge? Será mesmo verdade?

O hábito não faz o monge? Será mesmo verdade?

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 31 de julho de 2015 | 09:14








Vamos fazer um paralelo entre o hábito religioso e a modéstia no trajar. É tão importante o hábito para o religioso, quanto o traje decente para o cristão.




“O velho adágio que diz que o hábito não faz o monge tem que ser entendido com uma pitada de sal. De fato, só o hábito não faz o religioso, como só uma veste decente não faz a modéstia de uma pessoa. O que vale  antes de tudo é o coração da pessoa. Nós, seres humanos porém, não somos Deus, não vemos o coração como Ele ver, vemos apenas as aparências.”




Não podemos julgar a ninguém pelas aparências, mas estas tem sim muita importância, até mesmo para a sociedade mundana, que não permite, por exemplo, que alguém se apresente num determinado evento sem o traje a rigor. Em várias repartições públicas, vemos avisos proibindo que as pessoas se apresentem de short, bermuda, sem camisa, etc.  Ninguém ousa ir a um baile de sociedade, de camiseta regata ou de chinelo. Quando o Papa vai a algum lugar, exige-se dos clérigos que se apresentem com sua vestimenta própria. Mas seria apenas nesta ocasião que os religiosos deveriam se apresentar devidamente caracterizados?


O Código de Direito Canônico determina: “os clérigos usem hábito eclesiástico…” (Cânon 284).  O mesmo Código reza  no Cân. 669: “Os religiosos usem o hábito do instituto…”. Isso significa que a roupa tem a sua importância.


O hábito não faz o monge, mas identifica-o


Como  vamos distinguir no meio da multidão um sacerdote ou religioso? Pelo caráter impresso na alma através do sacramento da ordem? Mas este sinal é invisível. Podemos distingui-lo apenas pela veste.


Jesus diz que “ninguém acende uma lâmpada, para pô-la sob um vaso ou sob a cama, mas no candeeiro, para que alumie a todos os que estão em casa” (S.Mateus, 5, 14).  Ora, no mesmo versículo Jesus diz para os apóstolos: “ Vós sois a luz do mundo”.


Qual é este candeeiro que não deixa esta luz escondida, no meio da multidão se não a veste clerical, o hábito religioso? Mas infelizmente muitos se envergonham de dar testemunho da sua missão e da sua condição de consagrados no mundo, com as mais  reles justificativas tais como de que o hábito afasta as pessoas,não é ecumênico, é de uma cultura ultrapassada romanista, etc...(Dom Helder Cãmara sempre usou a batina e nem por isto deixou de ser um revolucionário).



Aplicando tudo quanto dissemos sobre o hábito eclesiástico ao traje do cristão, podemos seguir a mesma linha de raciocínio:


A roupa não faz a pessoa, mas identifica. Identifica a profissão, o sexo, a dignidade e a honra.Um autor de espiritualidade dizia:

“Nunca um exterior imodesto encobriu um interior modesto”.


Ninguém consegue ver o caráter impresso na alma de um batizado ou crismado, mas pode ver a condição dele de cristão pelo andar, pela sorriso, pela roupa que veste. Conta-se na vida de S. Francisco de Assis, que ele convidou um frade para uma pregação cidade. Depois de percorrerem toda a cidade, ao regressar ao convento, o confrade perguntou: – e a pregação?


O santo respondeu: – “fizemos a pregação pelo nosso hábito e pelo nosso silêncio”.



Todos nós cristãos somos obrigados a dar testemunho da nossa fé não só por palavras, mas sobretudo pela nossa vida e até mesmo pela nossa veste. A todo cristão de certo modo Jesus também dirige as palavras: vós sois o sal da terra, a luz do mundo. Mas como ser sal, se também o cristão se deixa corromper pelas modas mais indecentes, conforme vaticinou Nossa Senhora e Fátima:


“Hão de vir umas modas que vão ofender muito a Jesus - Como ser luz, se o cristão usa roupas mais próprias dos filhos das trevas?”

Quando vamos a uma quitanda, qual o critério que usamos para escolher as frutas?


Certamente que é pela aparência externa, pela casca. Não vamos comer a casca, que será descartada. Mas a casca da fruta vai nos dizer de alguma forma o conteúdo. Se a casca estiver avariada, é porque o interior está podre. Não podemos usar do mesmo critério para as vestes e aparências exteriores do homem ou a mulher nos dias de hoje ?


Qual é hoje a diferença dos trajes de uma mulher cristã e de uma meretriz ? Qual a diferença da roupa de um homem e de uma mulher nos dias de hoje ? O Critério Cristão seria:


“Você sentiria a vontade em emprestar sua roupa que você vai a Igreja, a Maria Santíssima para ela também ir caso ela lhe pedisse emprestado?...”



Infelizmente vivemos a era do “travestimento”. A roupa que vestimos não é o mais importante, mas não deixa de ter a sua importância para quem usa e para quem vê.



Deus não se contentou com as vestes de feitas de parreira de nossos primeiros pais que viviam sozinhos no paraíso e que eram esposos, mas teceu para eles túnicas de pele animal. Jesus por sua vez  exalta a figura do precursor João Batista por não se vestir com roupas sensuais. Portanto Deus também olha o nosso exterior.

(Por Padre Jonas dos Santos Lisboa - Colaborador dos portais "Catolicismo Romano" e ´"Rádio Italiana")



Sim, o hábito faz o monge, mostra pesquisa



(por Juliana Câmara)


Estudo americano comprova que significado social das peças que vestimos interfere nos processos cerebraisO antigo ditado que nos orienta sobre não julgar as pessoas pela aparência acaba de ser contrariado por um estudo americano, pelo menos no que diz respeito às roupas.


Cientistas descobriram que a forma como interpretamos o valor simbólico da vestimenta pode afetar nossos processos cognitivos. E o estudo, realizado por pesquisadores da Northwestern University, em Illinois, mostra que não basta olhar uma peça para que esta influência ocorra, é preciso vesti-la.


Os pesquisadores, liderados por Adam Galinsky, realizaram três experiências usando jalecos brancos idênticos de médicos e pintores. Em todos os casos, as pessoas que vestiram as peças que seriam dos profissionais de saúde — a quem costuma ser atribuído um comportamento cuidadoso, rigoroso e atento — apresentaram melhores resultados em testes de atenção e percepção visual de erros. Houve quem apenas olhasse a roupa, mas quem a vestiu se saiu melhor.



A descoberta, que foi relatada em reportagem do jornal “New York Times”, é significativa para uma área de estudos em crescimento, chamada de cognição incorporada.


Pensamos não apenas com nossos cérebros, mas com nossos corpos, e nossos processos de pensamento estão baseados em experiências físicas que provocam conceitos associados abstratos. Agora, parece que estas experiências incluem as roupas que vestimos,explicou Galinsky ao NYT. A experiência de lavar as mãos, por exemplo, está associada à pureza moral e a julgamento éticos.


Para os cientistas, um dos pontos mais interessante do estudo é a possibilidade de compreender se o significado da roupa que vestimos afeta nossos processos psicológicos: ele altera a forma como nos aproximamos e interagimos com o mundo?





Na opinião do psicólogo e autor do livro “Homens invisíveis” (Editora Globo), Fernando Braga da Costa, a resposta é sim:


“Tudo o que é intelectual é guiado também pelo nosso equilíbrio emocional. Além disso, o que controla nossas vias neurológicas está relacionado com nossas emoções, cuja construção passa pelos relacionamentos e a concepção de valores sociais.”



Os pesquisadores americanos agora querem entender o que acontece quando alguém veste uma batina de padre ou um uniforme de policial todos os dias, por exemplo?


A ideia é desvendar se os indivíduos se acostumam e as alterações cognitivas não ocorrem, fazendo os efeitos desaparecerem. Para isso, no entanto, mais estudos ainda serão conduzidos.


Fonte: oglobo.globo.com/sociedade/saude/sim-habito-faz-monge-mostra-pequisa-4488046

Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 3 Comentário. Deixe o seu!

3 de agosto de 2015 20:35

"por isto deixou de ser um revolucionário." Padres e freiras revolucionarios marxistas de hábito escandalizam mais.

4 de agosto de 2015 17:08

Prezado Prof. Francisco Castro,



Há um ditado popular que diz que “Deus escreve certo por linhas tortas”. Não vou discutir aqui se tal adágio está teologicamente correto ou não, mas não há dúvida de que as coisas no Reino de Deus não funcionam segundo a lógica humana.

Uma dessas coisas é a graça. Segundo a lógica humana, os fortes e valentes merecem um grande prêmio pelas suas façanhas, enquanto os fracos merecem um lugar inferior. Assim, muitos homens se gabam de suas conquistas e se sentem superiores aos demais.

Mas Deus parece ter um prazer especial em desafiar a lógica humana. Por isso Jesus andou na companhia de pessoas de reputação duvidosa (aos olhos humanos) ao invés de se afastar delas, como faziam os fariseus. Por isso os incrédulos se escandalizam com estas coisas e assim está escrito profeticamente:


“Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus.Pois está escrito:"Destruirei a sabedoria
dos sábiose rejeitarei a inteligênciados inteligentes".Onde está o sábio? Onde está o erudito? Onde está o questionador desta era? Acaso não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?Visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por meio da sabedoria humana, agradou a Deus salvar aqueles que creem por meio da loucura da pregação.Os judeus pedem sinais milagrosos, e os gregos procuram sabedoria;nós, porém, pregamos Cristo crucificado, o qual, de fato, é escândalo para os judeus e loucura para os gentios,mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus.Porque a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana, e a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem.Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados. Poucos eram sábios segundo os padrões humanos; poucos eram poderosos; poucos eram de nobre nascimento.Mas Deus escolheu o que para o mundo é loucura para envergonhar os sábios e escolheu o que para o mundo é fraqueza para envergonhar o que é forte.Ele escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é...” (1 Coríntios 1,18-28).

Shalom !!!

27 de outubro de 2016 07:11

MAIS NÃO ADIANTA UM VELHO OU UM HOMEM VESTIR ROUPAS DE ADOLESCENTE QUE O MESMO VAI CONTINUAR SENDO VELHO-D +++++++

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger