A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » DOM HELDER CÂMARA A IGREJA E A PASTORAL DAS ELITES

DOM HELDER CÂMARA A IGREJA E A PASTORAL DAS ELITES

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 6 de setembro de 2014 | 14:40



Dom Helder Câmara dizia: “Feliz aquele que está sempre a mudar para permanecer o mesmo: Fiel a seus princípios...” Ele foi de integralista a socialista, mas sempre fiel a seus princípios Cristãos... Fez a opção PREFERENCIAL pelos pobres, não exclusiva e nem excludente, pois dizia: “Tem rico que é tão pobre que a única coisa que tem é dinheiro.” Foi o único que levantou a vós já antes do Vaticano II sobre uma PASTORAL DAS ELITES, pois as elites também precisam ser evangelizadas...Visão de um profeta, sempre a frente de seu tempo...Até hoje a CNBB não lhe deu ouvidos, e hoje as elites estão sendo usadas como massa de manobra da TEOLOGIA DA PROSPERIDADE Protestante, da pior forma possível.



Bispos da América Latina - CONCLUSÕES DE MEDELLIN

VII. PASTORAL DAS ELITES

1. Situação - Fatos

a.      As elites são, em nosso contexto:

De modo geral: os grupos dirigentes mais adiantados, dominantes no plano da cultura, da profissão, da economia e do poder;


De modo especial: dentro desses mesmos grupos, as minorias comprometidas que exercem uma influência atual ou potencial nos distintos níveis de decisão cultural, profissional, econômica, social ou política.


b.      Conscientes da dificuldade em apresentar uma classificação adequada, assinalamos, entretanto, como pertencentes à elite:

Cultural: os artistas, homens de letras e universitários (professores e estudantes); à elite profissional: os médicos, os advogados, educadores (profissões liberais) ; engenheiros, agrônomos, planificadores, economistas, sociólogos, técnicos em comunicação social (tecnólogos) ; à elite econômico-social: os industriais, banqueiros, líderes sindicais (operários e camponeses), empresários, comerciantes, fazendeiros. . . ; à elite dos poderes políticos e militares: os políticos, os que exercem o poder judiciário, os militares...


c.      Partindo do ponto de vista de que se trata, em geral, de círculos específicos e compactos, convém examinar, em primeiro lugar, suas atitudes, mentalidades e indicações em vista da transformação social, para considerar, posteriormente, as manifestações de sua fé, seu espírito eclesial e social, em confronto com a pastoral atual da Igreja, propondo, finalmente, algumas recomendações pastorais:


d.      A experiência mostra que é difícil realizar uma análise exata e profunda do assunto por carência de dados precisos, nestes diferentes setores.Para uma análise deste tipo, seria necessário ouvir mais os técnicos e os leigos. Entretanto apresentamos as seguintes observações:


Tipos

Por questões de método e levando-se em conta o caráter relativo de toda tipologia - que comporta necessariamente matizes e simplificações - e tratando-se de uma classificação em função da transformação social, assinalaremos os seguintes grupos : os tradicionalistas ou conservadores; os progressistas ou revolucionários, que podem ser marxistas, esquerdistas não-marxistas, ou ideologicamente indefinidos.


a.      Os tradicionais ou conservadores manifestam pouca ou nenhuma consciência social, têm mentalidade burguesa e por isso não discutem o problema das estruturas sociais. Em geral se preocupam com a manutenção de seus privilégios, que eles identificam com a «ordem estabelecida». Sua atuação na comunidade possui um caráter paternalista e assistencial, sem nenhuma preocupação em modificar o status quo.


Entretanto, alguns conservadores atuam, muitas vezes, sob o influxo do poder econômico nacional ou internacional, com alguma preocupação desenvolvimentista.



Trata-se de uma mentalidade que freqüentemente se destaca em alguns meios profissionais, em setores econõmico-sociais e do poder estabelecido. Isto faz com que certos setores governamentais atuem em benefício dos grupos tradicionalistas ou conservadores, o que dá lugar à corrupção e ausência de um benéfico processo de personalização e socialização das classes populares. Em diversas regiões as forças militares apoiam esta estrutura, e, às vezes, intervêm para reforçá-la.


b.      Os progressistas se ocupam preferencialmente dos meios de produção que, segundo eles, devem ser modificados em qualidade e quantidade. Atribuem grande valor à tecnização e ao planejamento da saciedade. Acham que o povo marginalizado deve ser integrado na sociedade como produtor e consumidor. Dão mais ênfase ao progresso econômico que à promoção social do povo que vise à participação de todos nas decisões que interessem à ordem econômica e política.



É essa a mentalidade que se observa, freqüentemente, entre os tecnólogos e os vários organismos que procuram o desenvolvimento dos países.


c.      Os revolucionários contestam a estrutura econômico-social. Desejam a transformação radical da mesma, tanto de seus objetivos como de seus meios. Para eles o povo é ou deve ser o sujeito dessa transformação, de modo a participar das decisões para o ordenamento de todo o processo social.


Esta atitude pode ser observada com maior freqüência entre os intelectuais, pesquisadores, cientistas e universitários.


Atitudes na fé

Reconhecendo que em todos estes ambientes muitos vivem sua fé conforme sua consciência e ainda realizam um trabalho positivo de conscientização e promoção humana, notamos, do ponto de vista da mudança social as seguintes manifestações desta fé:


a.      No grupo dos conservadores ou ir adicionalistas se encontra, com maior freqüência, a separação entre fé e responsabilidade social. A fé é mais a adesão a um credo e a princípios morais. A pertença à Igreja é mais de estilo tradicional, e, às vezes interesseira. Dentro desses grupos, mais que verdadeira crise de fé, se verifica uma crise de religiosidade.


b.      Entre os progressistas podem ser encontradas diversas gamas de fé, desde o indiferentismo(mera militância) até a vivência pessoal. Têm tendência a considerar a Igreja instrumento mais ou menos favorável ao desenvolvimento. Nestes grupos se percebe mais claramente o impacto da dessacralização devida à mentalidade técnica.


Nota-se também em alguns desses grupos, especialmente entre universitários e os profissionais jovens, uma tendência que leva ao indiferentismo religioso ou a uma visão humanística que exclui a religião, devido, sobretudo, à sua preocupação com os problemas sociais.


c.      Os revolucionários tendem a identificar unilateralmente a fé com a responsabilidade social. Possuem um sentido muito agudo do serviço ao próximo e, ao mesmo tempo, experimentam dificuldades no relacionamento pessoal com Deus transcendente na expressão litúrgica da fé.


Dentro destes grupos ocorre mais freqüentemente uma crise real de fé. Quanto à Igreja, criticam determinadas formas históricas e algumas manifestações dos representantes oficiais da Igreja, em sua atitude e vivência concretas, frente ao social.



2. Princípios


a.      Em todos esses ambientes a evangelização deve orientar-se para formação de uma fé pessoal, adulta, interiormente formada, operante e constantemente em confronto com os desafios da vida atual, nesta fase de transição.


b.      Esta evangelização deve ser relacionada com os «sinais dos tempos».


Não pode ser atemporal nem a-histórica. Com efeito, os "sinais dos tempos", observados em nosso continente sobretudo na área social, constituem um «dado teológico" e interpelação de Deus.


c.      Por outro lado, esta evangelização deve ser realizada através do testemunho pessoal e comunitário, que se expressará de forma especial no contexto do próprio compromisso temporal.
d.      A evangelização de que estamos falando deve tornar explícitos os valores de justiça e fraternidade, contidos nas aspirações de nossos povos, numa perspectiva escatológica.


e.      A evangelização precisa, como suporte, de uma Igreja-sinal.

3. Recomendações Pastorais


a.      De caráter geral:


1.      É necessário animar, dentro das elites, as minorias comprometidas, criando - enquanto possível - equipes de base que façam uso da pedagogia da revisão da vida, fazendo-as compreender que são, simultaneamente, apóstolos de seu próprio ambiente, e estimulando, além disso, contatos com os demais grupos na vida paroquial, diocesana e nacional. Esta pastoral das elites não deve ser separada da pastoral geral da Igreja.


2.      Procuremos que os sacramentos e a vida litúrgica, com base numa relação pessoal com Deus e com a comunidade, adquiram o sentido de apoio e desenvolvimento, o amor de Deus e do próximo, como expressão da comunidade cristã.


3.      Na formação do clero, é preciso dar maior atenção a este tipo de pastoral especializada, preparando-se - também mediante estudos profissionais e técnicos quando for preciso, assessores especializados para estes grupos.


b.      De caráter especial:

1.      Artistas e homens de letras:


Levando-se em conta o importante papel que os artistas e homens de letras estão chamados a desempenhar em nosso continente, especialmente em relação a sua autonomia cultural, como intérpretes naturais de suas angústias e de suas esperanças, como promotores de valores autótones que configuram a imagem nacional, a II Conferência considera particularmente importante a presença animadora da Igreja nestes setores.


Esta presença deverá revestir-se de um caráter de diálogo, longe de toda preocupação moralizante ou confessional, em atitude de profundo respeito à liberdade criadora, sem detrimento da responsabilidade moral.


A Igreja latino-americana deve dar ao homem de letras e aos artistas o seu devido lugar, requerendo sua ajuda para a expressão estética de sua palavra litúrgica, de sua música sacra e de seus lugares de culto.


2.      Universitários (estudantes):
Ante a urgente necessidade de uma efetiva presença da Igreja no meio universitário, esta II Conferência pede que se levem em conta as recomendações práticas do encontro episcopal sobre pastoral universitária realizada em Buga, em fevereiro de 1967.


Da mesma forma, pede às hierarquias locais maior compreensão dos problemas próprios dos universitários, procurando valorizar antes de condenar indiscriminadamente, as nobres motivações e as justas aspirações, muitas vezes contidas em suas inquietudes e protestos, tratando de canalizá-las devidamente através de um diálogo aberto.



Levando-se em conta o fato de que milhares de jovens latino-americanos estudam na Europa e América do Norte, o CELAM procurará, de acordo com as hierarquias desses países, dar a devida atenção pastoral aos mesmos, cuidando, simultaneamente, de manter viva, neles, a consciência do compromisso de serviço para com seus países de origem.


3.      Grupos econômicas-sociais:


A experiência demonstra que no ambiente dessas elites é possível a constituição de grupos e organizações especializadas, cujas metas e metodologia devem manter-se em constante revisão à luz do contexto latino-americano e da pastoral social da Igreja.


Sem subestimar as formas assistenciais de ação social, a pastoral da Igreja deve orientar preferencialmente esses grupos para um compromisso no plano das estruturas sócio-econômicas e que conduza às necessárias reformas das mesmas.



A Igreja deve prestar uma atenção especial às minorias ativas (líderes sindicais e cooperativas) que nos ambientes rural e operário estão realizando um importante trabalho de conscientização e promoção humana, apoiando e acompanhando pastoralmente suas preocupações com a transformação social.


4.    Poderes militares:


Com relação às forças armadas, a Igreja deve inculcar-lhes a idéia de que, além de suas funções normais específicas, elas têm a missão de garantir as liberdades políticas dos cidadãos, em vez de lhes pôr obstáculos. Por outro lado, as forças armadas têm a possibilidade de educar, dentro de seus próprios quadros, os jovens recrutas para a futura participação, livre e responsável, na vida política do país.


5.   Poderes políticos:



Promovam-se contatos e diálogos entre a Igreja e o poder constituído sobre exigências da moral social, não se excluindo, onde se torne necessário, a denúncia, enérgica e prudente, das injustiças e dos excessos do poder.



A ação pastoral da Igreja estimulará todas as categoria de cidadãos a colaborarem nos planos construtivos dos governos e a contribuírem também por meio de uma crítica sadia, numa oposição responsável, para progresso do bem comum.



A Igreja deverá manter sempre sua independência diante dos poderes constituídos e dos regimes que os asseguram, renunciando, se for preciso, às formas legítimas de presença que, por causa do contexto social, a tornam suspeita de aliança com o poder constituído e são, por isso mesmo, um contra-sinal pastoral (of. GS 76).


A Igreja, entretanto, deverá colaborar na formação política das elites, através de seus movimentos e instituições educativas.



Note-se, finalmente, que também na América Latina «com o desenvolvimento cultural, econômico e social, se consolida na maioria o anseio de participar mais plenamente da ordenação da comunidade política... A consciência mais viva da natureza humana fez com que «surgisse o propósito de se estabelecer uma ordem político-jurídica destinada a proteger melhor a vida pública e os direitos da pessoa humana, como o direito de livre reunião, de livre associação, de expressar suas próprias opiniões e de professar, particular e publicamente, a religião» (of. GS 73).

Atitudes de fé


9. Reconhecendo que em todos esses ambientes muitos vivem a fé de acordo com sua consciência, e até mesmo fazer um bom trabalho de conscientização e desenvolvimento humano, podemos constatar, a partir do ponto de vista das mudanças sociais, certas manifestações de fé.



10. No grupo de conservadores ou tradicionalistas, é mais frequentemente a separação da fé e responsabilidade social. A fé aparece como uma adesão a um credo e princípios morais. Membros da Igreja é o tipo mais tradicional, e às vezes, interessada. Dentro desses grupos, em vez de verdadeira crise de fé, crise religiosa ocorre.

11. Entre estes pode encontrar uma gama diversificada de fé, da indiferença à experiência pessoal. Eles tendem a considerar a Igreja como um instrumento mais ou menos favoráveis ao desenvolvimento. Nestes grupos perceber mais claramente o impacto da profanação devido a um estado de espírito técnica.

Deve-se notar em alguns desses grupos, especialmente entre os estudantes universitários e jovens profissionais, uma tendência que leva ao indiferentismo religioso ou de uma visão humanista que exclui a religião, principalmente por causa de sua preocupação com os problemas sociais.

12. revolucionários tendem a identificar unilateralmente a fé com a responsabilidade social. Eles têm um sentido muito vívido de serviço ao próximo, enquanto enfrentando dificuldades no relacionamento com o Deus transcendente na expressão litúrgica da fé. Dentro desses grupos não é mais frequentemente uma crise de fé. Quanto à Igreja, criticando certas formas históricas e algum tipo de representantes oficiais da Igreja em sua atitude para com o social e em particular a sua experiência nessa ordem.

II. Começo

13. Em todos esses ambientes, a evangelização deve ser dirigida para a formação de uma fé pessoal, adulta, interiormente formada operacional, e constantemente confrontado com os desafios da vida moderna nesta fase de transição.



Esta evangelização deve estar relacionado com os "sinais dos tempos". Não pode ser atemporal ou histórica. Na verdade, os "sinais dos tempos", que em nosso continente são expressos principalmente na ordem social, constituem um "lugar teológico" e questionando de Deus.


Além disso, esta evangelização deve ser feita através do testemunho pessoal e da comunidade para ser expressa de uma maneira especial, no contexto de que o compromisso do tempo.



A evangelização da qual estamos falando deve explicar os valores da justiça e da fraternidade, contidos nas aspirações de nossos povos, em uma perspectiva escatológica.

A evangelização precisa, como o apoio de uma igreja sinal.

III. Recomendações pastorais


14. deve ser incentivada dentro da elite, as minorias comprometidas, criando o melhor da sua base de equipes para fazer uso da pedagogia da Revisão de Vida, desenhando ao mesmo tempo, eles são apóstolos de seu próprio ambiente e estimulando Além disso, contatos com outros grupos na vida paroquial, diocesano e nacional. Não deixe esta pastoral da elite do total da igreja pastoral.


15. Devem ser feitos os sacramentos e da vida litúrgica, na base de um relacionamento pessoal com Deus e com a comunidade, fazer sentido de apoio e desenvolvimento, no amor de Deus e ao próximo, como uma expressão da comunidade cristã.


Caractere especial

17. artistas e homens de letras

a,) Tendo em conta o importante papel que os artistas e homens de letras são chamados a desempenhar no nosso continente, especialmente em relação à autonomia cultural, como intérpretes naturais de suas ansiedades e esperanças e gerando valores indígenas que formam a imagem nacional Conferência considera particularmente importante a presença da Igreja Episcopal nesses ambientes.


b) tal presença na Igreja deve ter uma questão de diálogo, excluindo quaisquer preocupações moralizantes e religiosas, numa atitude de profundo respeito pela liberdade criativa sem a despesa de responsabilidade moral.


c) A Igreja Latino-Americana deve assegurar, no lugar próprio para os artistas e homens de letras, solicitando sua ajuda na expressão estética da palavra música liturgia sagrada, e lugares de culto.


18. Universidade (alunos)


a) Dada a necessidade urgente de presença efetiva da Igreja no meio universitário, esta Segunda Conferência Episcopal é convidado a considerar a prática do ministério Episcopal reunião realizada no campus Buga (Colômbia) em fevereiro de 1967.


b) Da mesma forma, as hierarquias locais solicitaram a uma maior compreensão dos problemas da universidade, tentando avaliar em vez de condenar indiscriminadamente as motivações nobres e justas aspirações, muitas vezes contidas em suas preocupações e protestos, tentando canalizá-los corretamente através um diálogo aberto.


c) Considerando o fato de que milhares de jovens americanos que estudam na Europa e América do Norte, o CELAM vai, de acordo com a hierarquia desses países, proporcionando o cuidado pastoral para o bom atendimento deles ao mesmo tempo, manter viva a consciência do compromisso de serviço ao seu país de origem.


19. sociais grupos econômicos


a) A experiência mostra que, no âmbito dessas elites é possível criar grupos especializados e organizações cujos objetivos e métodos devem ser mantidos sob constante revisão, à luz do contexto latino-americano e do ministério social da Igreja.


b) Sem subestimar as formas de bem-estar de ação social, pastoral da Igreja, de preferência devem orientar estes grupos a um compromisso em termos de estruturas sócio-econômicas que levam as reformas necessárias do mesmo.


c) A Igreja deve prestar especial atenção às minorias ativas (e os líderes cooperativos sindicais) do que em ambientes rurais e trabalhadores estão fazendo um importante trabalho de promoção humana e consciência, apoiar e acompanhar as preocupações pastorais para a mudança social.



21. poderes políticos


Devem ser feitos esforços existir entre a Igreja eo poder estabelecido, os contatos eo diálogo sobre as demandas da moral social, não excluindo, se necessário, a queixa de uma só vez vigoroso e prudente das injustiças e excessos de ordem.


A ação pastoral da Igreja vai incentivar todas as categorias de cidadãos que cooperem na elaboração de planos de governos ajuda e também pela crítica saudável em uma oposição responsável, o progresso do bem comum.


Observe, finalmente, também na América Latina "com o cultural, econômico e social, está consolidada na maior parte o desejo de participar mais plenamente na gestão da comunidade política ... A consciência mais viva da dignidade humana fez ... surge a fim de estabelecer uma ordem política e legal para proteger a vida pública melhores direitos da pessoa, tais como o direito de livre reunião, livre associação, de expressar as suas opiniões e privada professar e religião pública ".


RECOMENDAÇÃO FINAL:



Decreto do CONCÍLIO VATICANO II “APOSTOLICAM ACTUOSITATEM” Nº 6 (SOBRE O APOSTOLADO DOS LEIGOS):“Aparecendo na nossa época novos problemas e grassando gravíssimos erros que ameaçam inverter profundamente a religião, a ordem moral e a própria sociedade humana, este S. Sínodo exorta de coração todos os leigos, conforme a capacidade intelectual e a formação de cada qual, que, segundo a mente da igreja, assumam mais conscienciosamente as suas responsabilidades no aprofundamento dos princípios cristãos, na sua defesa e na adequada aplicação dos mesmos aos problemas de nossa época”.
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger