A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » A Babel Protestante e a relação entre o Paganismo e o protestantismo pentecostal

A Babel Protestante e a relação entre o Paganismo e o protestantismo pentecostal

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 29 de março de 2014 | 12:40




O protestantismo não surgiu da pregação do Evangelho, mas do renascimento pagão do século XVI e dele herdou a amoralidade, o orgulho e a insubmissão fruto de uma falsa liberdade da autoridade de Roma, por isto se dizem igrejas independentes... (Independentes como podemos constatar, até da vontade e plano de Deus, que eles adaptam aos seus próprios interesses).



Se pelos frutos conhecemos a árvore, eis os frutos do protestantismo:



Divisão, pulverização e deturpação da doutrina de Cristo e dos apóstolos.E eu pergunto: Qual a diferença entre ser protestante e ser partidário de alguma seita pagã?

Culto de descarrego,Teologia da prosperidade, mercantilismo com Deus, etc e por vai, um verdadeiro cardápio pagão para todos os gostos.


Podemos constatar que o paganismo sempre esteve ligado às religiões, as quais fazem uso de algum objeto cultual e lhe dirigem um culto de latria, ou seja de adoração, ou quando fazem oferenda a algum ídolo esperando algo em troca.



Tal pensamento é muito comum no seio do evangelicalismo brasileiro, já que a conversão à fé protestante é encarada geralmente como mero rompimento com o catolicismo Romano.



Nestes últimos dias venho aprofundado as minhas reflexões sobre a questão e tenho mudado um pouco as minhas concepções sobre o paganismo.


A raiz do paganismo está atrelada ao ato de substituir Deus por qualquer coisa que tome o seu lugar em qualquer dimensão de nossa vida; ou seja, o ídolo torna-se deus para o idólatra em suas relações (confiança, adoração, expectativas, prazer etc.).A própria palavra de Deus nos diz em duas passagens que a Idolatria não é só de imagens:


1)- Porque sabei-o bem: nenhum dissoluto, ou impuro, ou avarento,verdadeiros idólatras, terá herança no Reino de Cristo e de Deus. (Efésios 5,5) 


2)- 
“Ninguém pode servir a dois senhores: ou odiará a um e amará a outro, ou se apegará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (São Mateus 6,24).


Deus, quando estabelece a sua relação com o povo de Israel no Sinai, já deixa patente qual é a raiz do paganismo. Deuteronômio 6,4-5 aborda esta questão:


“Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.” 


Vejo o Evangelismo protestante pregado em nossos dias como extremamente idólatra, já que o prazer e a confiança que deveríamos ter em Deus, vem sendo substituído por muitas coisas e por muitos sentimentos.

A raiz do paganismo é tornar Deus um mero escravo de nossas necessidades, ou seja um gênio da lâmpada sempre disposto a fazer nossos desejos em troca de algo.



“Hoje já não se chama o pecador para uma reconciliação com Deus por aquilo que Ele é, e sim por aquilo que Ele pode fazer. Prega-se Deus como um ser bastante útil para homem, pelas expectativas materiais e físicas que serão atendidas ao nos relacionarmos com este deus (o “d” minúsculo é de propósito).”



O centro não é o Deus das bênçãos, mas unicamente as bênçãos de Deus.O Abençoador é substitído pela bênção, e o efeito torna-se mais importante do que a Causa, e neste diapasão, a adoração, torna-se moeda de troca. Nesta lógica, o argumento: 


“Se Deus está satisfeito comigo, então Ele vai dar o que preciso”.


A igreja moderna prefere atrair o pecador não mas com uma proposta bíblica, e sim por uma proposta mercantilista utilizando como chamariz os “milagres” de Deus, contrariando a própria escritura que diz: 


“Felizes aqueles que nada viram, mas mesmo assim creram...”


Por outro lado, os líderes das igrejas protestantes, principalmente as pentecostais e neopentecostais, abrem mão de Deus, estabelecendo um novo ídolo, denominado sucesso. O Senhor e sua presença e a fidelidade a sua Palavra são relegados ao segundo plano; o alvo do ministério é o sucesso pessoal e ministerial, consubstanciado em números, custe o que custará a duras penas sobrecarregando seus fieis com votos, campanhas e desafios dos mais mirabolantes.



A adoração, além de moeda de troca, tornou-se entreterimento:


O prazer da adoração não está mais no ato de se aproximar de Deus e contemplá-lo pela beleza da sua santidade, mas nas sensações que o ato traz em si: Emoções,sentimentalismos,arrepios no espírito, etc.Hoje, muitas igrejas e ministérios tornaram-se adoradores da adoração.


Acho que o grande engano da igreja de nossos dias é acreditar que, por não ter ídolos palpáveis em seus templos, está longe da idolatria. Contudo, muitos ídolos estão entronizados solidamente no coração de suas lideranças e membros:


Nas igrejas protestantes só há adoração ao dinheiro. Não estou criticando à questão dos dízimos, mas estou criticando às outras formas de doações que permitem pastores e pastoras a terem mansões luxuosas e com o máximo de conforto em nome de Jesus. Jesus já disse, no evangelho, que esta gente já recebeu a sua recompensa. 


Enquanto estas pessoas adoram o dinheiro ainda muita gente continua passando fome, não tem abrigo, não tem onde morar e são rejeitadas por todo e qualquer motivo que se possa imaginar em (Deus me perdoe) "nome de Jesus".


E os fiéis diga-se de passagem, não são tão inocentes assim, pois são levados a doar tudo que tem na ganância de receber o dobro, o triplo, conforme as promessas dos seus pastores e bispos.



Lucas 19,45-48: Jesus entrou no Templo e disse: “Está escrito: ‘Minha casa será casa de oração’. No entanto, vós fizestes dela um antro de ladrões”.


A cada dia que passa cada vez mais me convenço de que:


“Um Católico ou leigo ignorante tende a ser um futuro Protestante, e que o Jesus dos evangelhos não é o mesmo Jesus dos evangélicos”.


1Jo 2,19: "Eles Saíram do nosso meio, mas não eram dos nossos; pois, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco. Mas, [saíram] para que se mostrasse que nem todos são dos nossos, nem do número dos eleitos.


“LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO”
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger