A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , » Como entender as etapas, entrega dos símbolos e ritos no Catecumenato?

Como entender as etapas, entrega dos símbolos e ritos no Catecumenato?

Written By Beraká - o blog da família on segunda-feira, 11 de julho de 2022 | 18:04

 

 



 Por *Ângela Rocha



Outro dia, em nosso grupo de catequistas, um catequista fez um questionamento a respeito de um comentário meu numa postagem sobre as os RITOS DE ENTREGA NA MISSA: 



" 'Colocando ritos demais na liturgia, corremos o risco de banalizá-la...'  - Me perdoe, não compreendi seu ponto de vista, poderia esclarecer? Obg. Sou catequista do crisma na comunidade São Francisco de Assis e novo nessa caminhada."

 




Eu até demorei um pouquinho a responder, porque queria dar uma resposta mais “elaborada” a ele. E esta, com certeza é uma questão interessante. A catequese de INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ, que costumamos chamar de IVC simplesmente, pede que se faça um "retorno" aos primeiros tempos da nossa Igreja, à Igreja construída pelos apóstolos de Cristo nos primeiros séculos. Obviamente que este "retorno", carece de atualização aos tempos atuais. Então, temos a orientação segura da Igreja e de vários padres estudiosos do tema, para que se faça uma catequese de "inspiração catecumenal", lembrando alguns preceitos do CATECUMENATO, como era chamada a catequese naquele tempo. Estas orientações estão no DNC – Diretório Nacional de Catequese, no Documento da Conferencia de Aparecida e pode ser estudado nas publicações da CNBB. Vários autores também se dedicam ao tema: Pe. Antonio Lelo, Pe. Luiz Lima, Pe. Lucio Zorzi, Ir. Israel Nery,  Pe. Leomar Brustolin, Pe. Almeida e vários outros.

 








O que eu considero (pessoalmente), o grande "entrave", para nós catequistas, a respeito da IVC, é que ela é destinada principalmente a catequese de adultos e ao "resgate" dos adultos que foram catequizados, receberam os sacramentos e, no entanto, a gente percebe que não foram devidamente evangelizados. Estão afastados da Igreja e da comunidade, e só retornam mesmo para receber algum sacramento. Não existe pertença alguma à comunidade. E nós, tão acostumados a catequese com crianças (no máximo, adolescentes e jovens até os 15, 16 anos), nos vimos, de repente, no "olho do furacão". A máxima de que: "criança se acolhe e adultos se evangeliza", tem dado um nó na nossa cabeça. Preocupadas com esta nova evangelização, as pastorais catequéticas assumiram praticamente sozinhas, o IVC - que é voltado originalmente para adultos, mas que precisamos adaptar à catequese das crianças.

 



E aí vem o: Como? Onde? De que forma? Isso tem sido uma confusão só! E temos vários casos acontecendo:


 

1 - Algumas dioceses e algumas paróquias, isoladas até, tem tomado "pé da coisa" e entendido que, para se voltar à Catequese Catecumenal ou para se implantar uma IVC de verdade, é preciso uma "reviravolta" inteira da Igreja: CPP, presbíteros, todas as pastorais, grupos e movimentos; precisam se envolver para que isso funcione, e não só a catequese como uma pastoral "isolada". E devagar estão fazendo a IVC acontecer!


 

2 - Encontramos também algumas "implantações" da IVC aos moldes das próprias dioceses. Adaptações desta ou daquela orientação às características locais, com nomes os mais diversificados possíveis.

 



3 - Outras dioceses, no entanto, tem se voltado exclusivamente para a "implantação dos ritos" descritos no RICA (Ritual de Iniciação Cristã de Adultos), livro litúrgico da Santa Sé que disciplina a liturgia da Iniciação Cristã Catecumenal. 

 



4 - E a grande maioria, infelizmente, nem sequer sabe do que estou falando!


 


Bom, por aí se vê, o quanto é difícil falar de uma realidade tão equidistante uma da outra. Mas, a minha fala de que "excesso de rito banaliza a liturgia" se deve principalmente ao 2º e 3º casos que citei. Tem se cometido alguns equívocos misturando um pouco a utilização do RICA e a implantação de uma catequese mais "mistagógica". Vamos "separar" um pouco os dois:




1)-O RICA, Ritual de Iniciação Cristã de Adultos, disciplina os ritos da Iniciação cristã e os sacramentos que fazem parte dela: batismo, crisma e eucaristia. Tem também, para se adequar a realidade de hoje na Igreja, um capítulo destinado à iniciação de crianças em idade de catequese. Estes ritos fazem parte da catequese mistagógica. Mas, não é só isso que faz uma catequese mistagógica! 




2)-A "catequese mistagógica" pede que se volte a "conduzir" os catequizandos ao mistério da fé! Mistério este que prescinde de simbologia, ritos e uma volta ao sentido do "sagrado". Para isso encontramos várias orientações de celebrações catequéticas. Celebrações, ritos e momentos orantes, que podem ser feitos nos encontros de catequese e não só na celebração da missa com a comunidade. Precisamos pensar que a Liturgia da nossa Igreja - e aqui vou simplificar para "Missa" - tem suas orientações e sentidos. Ela é sagrada, milenar e regida por orientações específicas. Nem todos os "ritos" e "entregas" da catequese, "cabem" nela. O que cabe, está descrito no RICA. Mas, o que vemos em alguns casos é a entrega de tudo que se possa imaginar, feitos na missa! Entrega de mandamentos, sacramentos, dons do Espírito Santo, Bem Aventuranças, mandamento do amor, etc...



 





E aqui cabe uma pequena explicação: a IVC prevê o catecumenato em quatro tempos: 




1)-Pré-Catecumenato ou primeiro anúncio (querígma).



2)-Catecumenato (catequese em tempo mais longo).



3)-Purificação ou Iluminação (Quaresma).



4)-Mistagogia (tempo pascal onde se inicia o serviço pastoral/missionário). 




Entre estes "tempos", temos as três grandes passagens de etapas! 









E cada um destes tempos, se prevê etapas a serem cumpridas! 





-Depois do pré-catecumenato (conversão), o candidato é acolhido na comunidade e se faz o Rito da Admissão (acolhida):1ª ETAPA. 




-Ao se passar do Catecumenato (catequese) para a Purificação, é feita outra "eleição" aos sacramentos: 2ª ETAPA; 



-E na purificação é feita uma preparação especial nos domingos da quaresma para que no sábado santo se receba os sacramentos da iniciação. Vejam só, os SACRAMENTOS recebidos aqui é o marco da passagem ao último tempo - 3ª ETAPA, chamado de mistagogia, onde se aprofunda e se mergulha no mistério cristão, no mistério pascal, na vida nova e onde se faz uma vivência na comunidade cristã para, então, adaptar-se a ela e ser um verdadeiro discípulo missionário de Cristo.

 


Durante o tempo do catecumenato (Catequese) o RICA prevê algumas entregas de símbolos: 




- NA ADESÃO (passagem do pré-catecumenato ao catecumenato): entrega da Palavra (Bíblia), aqui, no rito da acolhida (descrito também do RICA), pode ser entregue uma cruz ao candidatos.



- NO CATECUMENATO: entrega dos SÍMBOLOS:



1º)-Entrega da "ORAÇÃO DO SENHOR" (Pai Nosso). 



2º)-Entrega do "Credo apostólico" 



Ambos precedidos de uma catequese adequada sobre isso. Pronto! Não existem mais "entregas de SÍMBOLOS" previstos no RICA! Existem sim, vários RITOS que podem ser feitos: Rito do Éfeta, Rito da Unção, Exorcismos (orações), Bênçãos, rito penitencial - Escrutínios (são feitos três a partir do 3º domingo da Quaresma).Vale uma orientação para que todos procurem o RICA para conhecer a beleza dos ritos de iniciação cristã de nossa Igreja! Lembrando sempre que o RICA é um LIVRO LITÚRGICO de apoio à catequese de Iniciação a Vida Cristã, com orientações preciosas de catequese, mas, não disciplina o que é a catequese. E não se pode seguir um "ritual" sem que se faça catequese antes! E nem se pode "inventar" entregas de símbolos nas celebrações litúrgicas (missa)! É claro que podemos enriquecer muito nossa catequese valorizando as grandes colunas da nossa fé: Mandamentos, Sacramentos, Bem Aventuranças; fazendo celebrações CATEQUÉTICAS, ou seja, celebrações nos encontros de catequese: com o grupo, com a presença de um diácono ou até do padre, com a presença da família, padrinhos; sem que estas envolvam necessariamente toda a comunidade e mude a liturgia da Missa. O catecumenato propriamente dito, foi abandonado por um tempo na Igreja, nem mesmo nossos pais e avós conhecem os ritos usados pela Igreja da antiguidade. Sempre que possível, fazer uma catequese com a família sobre a simbologia e os ritos que pretendemos resgatar! 




CONCLUSÃO:




Enfim, é isso que eu quis dizer com a expressão "excessos de ritos e entregas podem banalizar a missa e a liturgia". As entregas dos símbolos e os ritos da iniciação, são especiais demais para que se faça "por fazer", ou somente porque é "bonito" -  A comunidade precisa sentir o quão especial são os ritos e entregas e não achar que é um ritualismo desnecessário e "demorado" que algum catequista "inventou". Infelizmente muita gente vai à missa com o tempo "cronometrado" no relógio. A nós catequistas, cabe fazer com que eles se "apaixonem" pela nossa Igreja com sua rica e belíssima liturgia, e queiram voltar sempre e não, se aborrecer com a demora em acabar logo a celebração!








Outra coisa: os ritos do catecumenato foram pensados, em princípio, PARA ADULTOS, maduros, conscientes do que querem para si! E nós catequistas, fazemos catequese com crianças que, muitas vezes, ainda não tem capacidade e maturidade para entender o mistério da fé e não sabem exatamente, que "escolha" estão fazendo agora! Cabe aqui, nossas orações para que estes ritos e entregas sejam momentos "marcantes" o bastante em suas vidas para que posteriormente, eles busquem sempre conhecer e aprofundar, e viver a sua fé.

 



*Ângela Rocha - Catequista


 

 




 

Outro dia estávamos comentando em nosso grupo a respeito do Rito de Entrega da Oração do Senhor – Pai Nosso. E ali surgiram algumas questões quando comentei que estes ritos carecem de preparação e cuidado tendo em vista que não são meros “ritualismos” para deixar a missa mais bonita ou simplesmente, marcar a passagem de um ano para outro. Por mais que a nossa catequese se divida em etapas marcadas no calendário por “anos catequéticos”, a simples passagem do 1º para o 2º ano, por exemplo, não obriga a demanda a “entrega” de algum símbolo como se este fosse um “prêmio”. Os ritos de entregas a serem feitos na catequese, são inspirados pelo RICA – Ritual da Iniciação Cristã de Adultos, “livro litúrgico” que orienta as diferentes etapas do Catecumenato (iniciação cristã de adultos em nossa Igreja), aprovado pela Sagrada Congregação para o Culto Divino em 1973. No Brasil ele teve uma nova edição aprovada em 2001 pela CNBB, que trouxe algumas mudanças na disposição gráfica e inclusão de algumas normas exigidas pelo Código de Direito Canônico, textos bíblicos aprovados pela Sé Apostólica e também algumas observações sobre a Iniciação cristã que constavam apenas no Ritual de Batismo de Crianças.

 

 

O RICA, em seu Capítulo V, disciplina a Iniciação de crianças em "idade de catequese!"

 

 

 

Entendendo e acolhendo aquelas que ainda não foram batizadas, juntamente com a catequese para o grupo de crianças já batizadas. Apesar de sua “extraordinária riqueza litúrgica e preciosa fonte pastoral”, o RICA ainda permanece desconhecido da maioria dos agentes de pastoral ligados à catequese de adultos e a catequese de crianças. Até mesmo alguns presbíteros desconhecem o seu teor! Observamos, já no prefácio do livro, o Decreto de 1972, da Sagrada Congregação para o Culto Divino, que restaura “o catecumenato dos adultos dividido em várias etapas, de modo que o tempo do catecumenato, destinado a conveniente formação, pudesse ser santificado pelos sagrados ritos celebrados sucessivamente.” No entanto, o que podemos observar na maioria das Igrejas particulares é que ainda se faz a catequese de adultos nos moldes “doutrinais” e com o único objetivo se fazer a “regularização” de alguma situação sacramental (objetivando principalmente o matrimônio) daqueles que procuram as paróquias. Ou seja, faz-se uma catequese baseada quase que exclusivamente no Catecismo, sem levar em conta, de fato, a INICIAÇÃO CRISTÃ destas pessoas! Com o pedido de restauração do Catecumenato para os adultos, nossa Igreja se viu diante da necessidade premente de reestabelecer a catequese como era nos primeiros tempos da nossa Igreja, ou seja, adotar a IVC – Iniciação a Vida Cristã inspirada no processo catecumenal. E a catequese que fazemos, com crianças, jovens e adolescentes, “tomou a frente” de toda ação pastoral necessária, adotando em seus planejamentos algumas ações da catequese catecumenal de adultos, adaptando celebrações, ritos e entregas do catecumenato à catequese de nossas crianças e jovens.Em muitas paróquias encontramos na catequese das crianças características da IVC sem que o resto da paróquia sequer tenha conhecimento do que seria um processo de IVC catecumenal, que, em sua base, deveria envolver TODA A COMUNIDADE, lideranças, pastorais, movimentos, grupos e serviços. Mas, o que à primeira vista, parece um equívoco, tem se mostrado uma verdadeira ação do Espírito Santo no sentido de que, com a implantação dos ritos e celebrações de inspiração catecumenal, nossa catequese tem se tornado mais litúrgica e mistagógica! Temos celebrado mais, rezado mais, e dado mais valor aos grandes símbolos da nossa fé! No entanto é necessário tomar um cuidado: não tomemos os RITOS e ENTREGAS como “modismo” e meras celebrações mais bonitas e “interessantes”. São ações que tem o objetivo de enriquecer nosso espírito e trazer de volta todo o “mistério” da nossa fé e não, ações ritualísticas. Observemos por exemplo o seguinte: o RICA prevê durante o processo de Iniciação, ritos e a entrega de alguns símbolos, feitos durante a celebração com a comunidade. O primeiro deles é o RITO DE ACOLHIDA dos novos catecúmenos (adaptando-se à nossa realidade seriam as crianças que iniciam a catequese em preparação ao sacramento da Eucaristia), onde, durante a Celebração da Acolhida se faz a entrega da PALAVRA (Bíblia), base de todo o ensinamento catequético. No entanto, observa-se em alguns manuais e orientações pastorais que esta Acolhida e entrega da Palavra, tem sido feita no início da catequese de Eucaristia e depois lá na catequese para a Crisma também. Ora, por mais que o processo de IVC catecumenal esteja sendo iniciado naquele momento na paróquia, não dá para esquecer que estes jovens JÁ ESTÃO NA PARÓQUIA DESDE A CATEQUESE DE EUCARISTIA! E que aos 13, 14, 15 anos já tem uma Bíblia ou já a manusearam muito nos anos na preparação anterior! É correta esta entrega e acolhida, se o jovem estiver COMEÇANDO naquele momento a catequese e não recebeu nenhuma preparação anterior e ainda não fez a Eucaristia. Ora, se estamos “acolhendo” neste momento e só agora entregando a Palavra aos jovens, que podem até já ter participado da catequese de eucaristia, estaremos negando tudo aquilo que nossa Igreja já fez. Que esta catequese anterior tenha sido equivocada e não tenha levado a verdadeira conversão, não quer dizer que tenhamos que fazer o Ritual de Acolhida novamente, como se a pessoa estivesse entrando pela primeira vez na Igreja, para começar uma catequese frutuosa no aspecto “Evangelização”. Outra situação também é a entrega da PALAVRA (bíblia), ao final da 1ª etapa (ano) de catequese, como forma de “eleger” ou “premiar” o catequizando que está passando para a 2ª Etapa. As crianças não usaram a Bíblia em nenhum dos 30 encontros (em média) que tiveram ao longo do primeiro ano de catequese? Somente a catequista tinha a Bíblia? Não se ensinou as crianças a manusear a Bíblia? Elas já têm uma e ganham outra? Qual é o propósito desta entrega no final do ano? Com relação as duas outras entregas de símbolos previstos no RICA: Sim, são somente mais DUAS! Entrega do Símbolo (Credo) e Entrega da Oração do Senhor (Pai Nosso), conforme preceitua os itens 125 a 187 e 188 a 192 (págs. 91 e 104), ambas são feitas durante a etapa (no catecumenato)  de Purificação e Iluminação, ou seja, próximas ao sacramento, podendo ser feitas na etapa anterior (catequese) a critério pastoral. E não são entregues apressadamente NUMA ÚNICA CELEBRAÇÃO!  O RICA prevê que se faça os ritos de “escrutínio” (que são três), sendo entregue o Símbolo (Creio) depois do primeiro escrutínio e a Oração do Senhor depois do terceiro.

 

 

 

Só para esclarecer: Os “escrutínios” se realizam por meio dos “exorcismos”, que são ESPIRITUAIS!

 

 


 

São expressões que se traduzem em “orações”, “súplicas” e “bênçãos”. O que se procura por eles é purificar os espíritos e os corações, fortalecer contra as tentações, orientar os propósitos e estimular as vontades, para que os catecúmenos se unam mais estreitamente a Cristo e reavivem seu desejo de amar a Deus (cf. RICA, item 154). São realizados nos 3º, 4º e 5º domingo da Quaresma. A critério pastoral podem ser feitos em outros domingos da Quaresma. Não tenho conhecimento de que alguma Diocese ou paróquia tenha reestabelecido os escrutínios em seu processo de catequese catecumenal com crianças. Por mais que as crianças não tenham maturidade para entender este processo, estamos perdendo muito ao se ignorar esta parte do processo catecumenal, que pode, também, ser adaptado. Mas, enfim, se não fazemos os escrutínios e não conseguimos fazer a etapa de Purificação e Iluminação na Quaresma, podemos colocar os ritos e entregas em outra época conveniente à comunidade. Mas, preceder (SEMPRE!) as entregas do Símbolo e da Oração do Senhor, de uma catequese a respeito, tanto para os catequizandos quanto para os pais/responsáveis. Nossos iniciandos na fé PRECISAM saber e entender o significado profundo de se receber o Símbolo da nossa Fé apostólica e da Oração que Jesus nos ensinou. Durante a celebração (missa), não se explica nada, nem se faz “catequese”. Aliás, se um símbolo precisar de explicação é porque ele não simboliza aquilo que queremos. A união da Catequese e da Liturgia passa pelo profundo respeito que se deve ter por ambas as ações. A catequese ensina e orienta, a Liturgia celebra.E aqui entra um outro assunto que são as demais entregas que é costume se fazer em alguns lugares, durante a missa da catequese: “Mandamento do Amor”, “Mandamentos do Senhor”, “Bem-Aventuranças”, “Escapulário de Nossa Senhora”, “Terço” e outras invenções catequéticas. Muitas vezes, estas entregas de símbolo são feitas no final do ano civil, para “marcar” o início das férias da catequese, fechando o ano catequético junto com o ano escolar. E em lugares onde a catequese dura mais de 3 anos, escolhe-se um símbolo para cada ano sem levar em conta critérios como a evolução da catequese e o aprofundamento da vida de oração dos catequizandos, como disciplina o RICA, ou então o entendimento dos catequizandos sobre as verdades da fé.  Os símbolos são escolhidos como mero “rito de passagem” de cada ano/etapa.Não estamos querendo fugir da escolarização da catequese? Por que a cada etapa é preciso uma "formatura"? Um "prêmio? Se a catequese de crianças for tratada dessa forma, qual é o sentido dela? Aliás, qual é o sentido de se entregar "símbolos" que as crianças e jovens não sabem o que simbolizam? Fora as entregas da Oração do Senhor e do Credo Apostólico, as demais não estão disciplinadas pelo RICA e, portanto, não passaram pelo crivo da Sé Apostólica. Nada contra se fazer, cada paróquia, junto com o pároco, equipe de liturgia e equipe de catequese podem fazê-las. No entanto, fogem totalmente do aspecto litúrgico da missa. Pior ainda se forem feitas sem uma catequese anterior a respeito, sem que a comunidade entenda o que se está fazendo e “misturado” com os ritos do catecumenato.  Estas pequenas celebrações são maravilhosas se forem feitas NA CATEQUESE, como “celebração catequética” após cada término de assunto, revestidos de sentido mistagógico, contemplativo e orante. E estas celebrações precisam envolver a família, que assim, também são catequizadas. E devemos pensar também, que tudo que fazemos e “inventamos” precisa ser visto com um profundo respeito pela comunidade e assembleia. A missa tem seus ritos próprios, sua condução normal. Dura em média uma a uma hora e meia. Nesta missa temos crianças que, por natureza, são impacientes e inquietas. Qualquer ação que leve a uma missa prolongada além do normal, vai gerar insatisfação e inconveniência para os pais. E antes que façamos o tradicional julgamento: “Ah! Que cristãos são esses que não tem tempo para Deus? ”. Pensemos que a Liturgia e o tempo da missa, não são adequados para fazer a catequese que não conseguimos fazer no lugar e na hora certa. A catequese da missa é litúrgica, celebrativa, orante e BÍBLICA, e já está disciplinada em suas várias partes. “Vamos pensar sempre que, vivemos numa mudança de época e não numa época de mudanças, onde as pessoas tem que se adequar a Igreja. Ao contrário, a Igreja é que tem que se adequar aos novos tempos” (no modo, e não conteúdo). E, infelizmente para nós e Deus, o tempo é de pressa!

 


 



 


Ângela Rocha – Catequista

 

 

 

 

 

FONTE BIBLIOGRÁFICA DE REFERÊNCIA:

 

 

 

-RICA - Ritual da Iniciação Cristã de Adultos.  (Você encontra nas livrarias católicas, na Paulinas, na Paulus, nas Edições CNBB e outras)

 

 

 

 

Fonte:https://www.catequistasemformacao.com/2017/07/os-ritos-e-entregas-na-catequese-de.html

 

 


 

----------------------------------------------------------

 

 

 

 


 

 

APOSTOLADO BERAKASH: Como você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. Sempre nos preocupamos com as questões de direito autoral e de dar o crédito a quem lhe é devido. Se por acaso alguém se sentir ferido(a) em seus direitos autorais quanto a textos completos, ou parciais, publicados ou traduzidos aqui (já que não consegui identificar e contatar alguns autores(as), embora tenha tentado), por favor, não hesite em nos escrever para que possamos fazer o devido registro de seus créditos, sejam de textos, fontes, ou imagens. Para alguns, erros de ortografia e de digitação valem mais que o conteúdo, e  já invalida “todes” o texto? A falta de um “a”, de alguma vírgula, ou alguns trocadilhos, já são suficientes para não se ater a essência do conteúdo? Esclareço que levo mais tempo para escrever, ou repostar um conteúdo do que corrigi-lo, em virtude do tempo e  falta de assessoria para isto. A maioria aqui de nossos(as) leitores(as) preferem focar no conteúdo e não na superficialidade da forma (não quero com isto menosprezar as regras gramaticais, mas aqui, não é o essencial). Agradeço as correções pontuais, não aquelas genéricas, tipo: “seu texto está cheio de erros de português” - Nas próximas pontuem esses erros (se puderem e souberem) para que eu faça as devidas correções. Semanalmente faço postagens sobre os mais diversos assuntos: política, religião, família, filosofia, sociologia, moral Cristã, etc. Há quem goste e quem não gosta de minhas postagens! Faz parte do processo, pois nem todos pensamos igual. Isso também aconteceu com Jesus e com os apóstolos e com a maioria daqueles(as) que assim se expõem. Jesus não disse que só devemos pregar o que agrada aos outros, mas o que precisamos para nossa salvação! Paulo disse o mesmo ao jovem bispo Timóteo (2Tm 4,1-4). Padre, seminarista, leigo católico e catequista não devem ter medo de serem contestados! Seja fiel ao Magistério Integral da igreja! Quem disse que seria fácil anunciar Jesus e seus valores? A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

 

Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 1 Comentário. Deixe o seu!

Anônimo
12 de julho de 2022 10:46

Muito obrigada Ângela pelos esclarecimentos! Meu nome é Fátima e sou catequista em Natal. Deus te abençoe muitoooo!

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger