A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Como distinguir a verdadeira de uma falsa doutrina? E por que elas nos seduzem?

Como distinguir a verdadeira de uma falsa doutrina? E por que elas nos seduzem?

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 2 de setembro de 2018 | 14:51









2 Tim 4,1-5: “Na presença de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos por sua manifestação e por seu Reino, eu o exorto solenemente: Pregue a palavra, insistentemente a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina. Pois virá o tempo em que já não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos, juntarão mestres para si mesmos. Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos. Você, porém, seja sóbrio em tudo, suporte os sofrimentos, faça a obra de um evangelista, cumpra plenamente o seu ministério...”






Jesus ensinava as grandes lições em parábolas, porque era uma maneira de explicar os mistérios do Reino de Deus que facilitava o entendimento. Uma dessas parábolas é a do joio (ou cizânia) e do trigo.Jesus contou esta parábola para mostrar o embate entre o bem e o mal neste mundo, e que só vai acabar quando Ele voltar:



“O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo. Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu. O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio. Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio? Disse-lhes ele: Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: Queres que vamos e o arranquemos? Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo. Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro” (Mt 13,25-30).





O que Jesus quer nos ensinar com isso?


Que Deus semeia no coração das pessoas “boas sementes”, coisas boas, a doutrina verdadeira que Ele encarregou os seus Apóstolos de difundirem no mundo: “Ide, pelo mundo inteiro, pregai o Evangelho a toda criatura…”. Eles foram, e encheram o mundo com a mensagem da salvação. Mas veio o mal, e semeou o joio no meio do trigo, no campo de Deus, isto é, na Igreja, entre os filhos de Deus. A Igreja luta e lutou contra muitas heresias: arianismo que negava a divindade de Jesus; o macedonismo que negava a divindade do Espirito Santo; o monofisismo que negava a humanidade de Jesus, o monoteletismo que negava que Jesus tivesse uma vontade humana, etc.



Hoje, muitos filhos da Igreja são enganados pelo joio das falsas doutrinas e dos falsos profetas, como Jesus já tinha anunciado desde o principio:



“Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores. Pelos seus frutos os conhecereis” (Mt 7,15-16).



Jesus destaca que o inimigo ataca na hora que “os homens repousavam”. Ele age na calada da noite; como o lobo, é covarde, malvado e traiçoeiro. E o que é pior: O falso, se parece com o verdadeiro, pois as folhas do joio são muito parecidas com as do trigo; por isso fica difícil arrancá-las antes da colheita, pois só aí se diferenciam pelo fruto que o trigo dá. “Por seus frutos os conhecereis”. Caso alguém queira arrancar logo o joio, corre o risco de perder muito trigo.



O joio é o símbolo dos fiéis que ouvem a Palavra de Deus; têm dentro de si a “semente de Deus”, a graça e os dons do Espírito Santo. O joio são os pecadores espalhados pelo mundo todo, no meio dos filhos de Deus, vivem lado a lado; são também os cristãos de má vida. Jesus os chama de “Filhos do Maligno” (Jo 8,41;1Jo 3,8-10; At 13,10). O inimigo que semeia o joio é o diabo. A parábola ensina, então, que o mal não vem de Deus. Mas o dono do campo sabia que ainda poderia colher o seu trigo na hora da messe, apesar da maldade do inimigo. Não se desespera, mas espera com paciência. Embora os filhos do Reino se agitassem, o dono do campo não deixou que arrancassem logo o joio. Isto explica o sentido do mal no mundo. Deus não quer o mal, mas o permite porque não quer tirar a liberdade do homem e nem teleguiar suas criaturas. Mas ele sabe do mal tirar o bem:



“Ele julgou melhor tirar o bem do mal do que não permitir mal algum”, disse S. Agostinho (Enquiridio, p. 27).



A parábola ensina que a bondade e a maldade estarão sempre presentes no mundo e dentro da própria Igreja, pois esta é formada de homens falíveis. Não existe uma Igreja onde só haja trigo, não nos iludamos. Muitos cristãos desanimam por causa disso, mas o Senhor manda ter paciência, e confiança na sabedoria de Deus: Ele sabe porque permite o mal e na medida certa, e sabe a hora de aniquilá-lo.




Esse mundo é uma loucura obscura de verdadeiro e falso. Para cada doutrina que sabemos ser verdadeira, parece haver uma centena de impostoras. Não é de admirar, portanto, que João nos diga para “provar os espíritos” e Paulo diz: “julgai todas as coisas” (1Jo 4,1; 1Ts 5,21). É nossa responsabilidade sagrada examinar cada doutrina para determinar se é verdadeira ou falsa.




Mas como podemos distinguir a sã doutrina da falsa? Como podemos distinguir os mestres da verdade dos mestres do erro?



Colocar uma doutrina à prova é a melhor maneira de determinar se é verdadeira ou falsa. À medida que testamos a doutrina, aprendemos nossa responsabilidade para com ela: ou nos apegamos a ela ou a rejeitamos. Para isto precisamos pesar, ou seja comparar, e para isto vamos precisar usar de alguns critérios teológicos para este santo discernimento:




1)- O primeiro critério teológico, é o da origem: A sã doutrina origina-se de Deus; a falsa doutrina se origina com alguém, e não tem fundamento nas escrituras, não foi ensinado por Cristo, nem pelos apóstolos e não se encontra respaldo na tradição e magistério da Igreja. O apóstolo Paulo fez um grande esforço para convencer a igreja na Galácia de que o evangelho que ele ensinou não era proveniente dele, mas de Deus:




“Faço-vos, porém, saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, porque eu não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo” (Gal 1,11-12).


Até mesmo Jesus deixava claro que ele ensinava apenas o que Deus o instruiu a ensinar:



 “O meu ensino não é meu, e sim daquele que me enviou” (Jo 7,16).




A verdadeira doutrina se origina com o Deus que é verdadeiro (Tt 1,2).Assim como a verdadeira doutrina é marcada por sua origem divina, a falsa doutrina é marcada por sua origem mundana, do maligno, ou meramente humana. Paulo advertiu a igreja dos Colossenses a evitar a doutrina que é “segundo os preceitos e doutrinas dos homens” e disse a Timóteo que alguns “alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios” (Col 2,22; 1Tim 4,1). É simples assim: o ensino saudável se origina de Deus e o falso ensino se origina em homens ou de espíritos malignos que se revestem de espíritos da luz:




2 Cor 11,13-15: “Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é de admirar-se, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é estranho, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras...”




Quando se trata de doutrina, se foi o homem que criou, então não devemos nos apegar a ela. Deus é o Pai da verdade e Satanás é o pai da mentira, bem como seus ministros (conf. Jo 8,44).



Faça então estas perguntas diante de algum ensino suspeito: Essa doutrina se origina em Deus? Está nas escrituras? foi ensinada por algum dos apóstolos? A tradição e magistério da Igreja a confirma, ou a nega? Foi elaborada por alguém que por orgulho e capricho, se nega a ouvir a Igreja? Os seus propagadores são independentes, não querem ouvir as legítimas  autoridade da igreja, mas as autoridades escolhidas por eles mesmos?




2)- O segundo critério teológico, é o do crescimento espiritual: A sã doutrina é benéfica para a saúde espiritual; a falsa doutrina leva à fraqueza espiritual. Depois de instruir Timóteo, Paulo lhe disse:



“Expondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Cristo Jesus, treinado [“nutrido”] com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido” (1Tim 4,6).




Timóteo havia sido treinado na Bíblia e na pureza da sã doutrina da salvação cristã. Ele havia se alimentado das verdades as quais havia sido exposto desde a infância. Através dessa nutrição contínua, por se alimentar continuamente da Palavra de Deus, ele havia se tornado espiritualmente saudável e forte. Ele havia acumulado um profundo conhecimento de Deus e de sua Palavra. É por isso que Paulo o chamou de “homem de Deus” com “fé sincera” (1Tim 6,11; 2Tm 1,5). O fato de Timóteo haver se alimentado constantemente da sã doutrina da Palavra de Deus fez dele o homem que ele era. A sã doutrina torna os cristãos espiritualmente saudáveis, maduros e instruídos. A falsa doutrina produz cristãos espiritualmente dúbios, imaturos, inseguros e sem convicções, estão sempre em crises, com uma fé não fundamentada na rocha, mas construída na areia, não suporta as intempéries do tempo e da vida (Mateus 7,24-27).




Agora, não julgando pessoas, mas a doutrina, e  querendo conhecer a verdade, faça as perguntas que precisam ser feitas e respondidas na verdade: Esta doutrina que estou ouvindo e aderindo, me leva a liberdade, ou libertinagem? Me desperta a viver uma vida santa, ou uma vida centrada nas concupiscências? A buscar as coisas do alto, ou buscar as coisas da terra que a ferrugem corrói? (Mateus 6,19-26).



3)- O terceiro critério é o da comparação entre a vida piedosa e impiedosa: A sã doutrina tem valor para a vida piedosa, a falsa doutrina leva à vida ímpia. A verdade nunca permanece estática, obesa de conhecimento, mas sempre tem implicações na vida. A sã doutrina sempre tem a intenção de levar à doxologia, à adoração e à vida com o propósito santo e reto:




“Toda a Escritura é inspirada por Deus”, diz Paulo, “e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2 Tm 3,16-17).




A Escritura não deve ser conhecida em um sentido abstrato, mas íntimo e concreto; deve não apenas informar, mas formar e moldar nossas mentes e nossa conduta conforme Cristo o nosso modelo por excelência. O que convém  à sã doutrina,  é suas implicações de longo alcance, os deveres santos que fluem dela. Assim, a sã doutrina tem valor. É proveitosa para nos ensinar a viver como devemos viver. Ela nos capacita a fazer as coisas que são boas para o próximo e que trazem honra e glória ao nosso Deus. A verdade ouvida ainda não foi bem compreendida, enquanto não tenha sido bem vivida. A sã doutrina nos beneficia ao nos motivar e exercitar-nos para vivermos de uma maneira que agrada a Deus. A falsa doutrina nos enfraquece, e nos conduz vivermos de uma maneira mundana, ensimesmada, voltada somente para nós mesmos, que despreza e fica indiferente a Deus e ao próximo.




A sã doutrina deve passar por todos esses três critérios teológicos para ser sã. Se falhar em um, falha em todos eles. Essa palavra “sã” se refere à saúde e aparece frequentemente no Novo Testamento. Por exemplo, Paulo instruiu Timóteo:




“Mantém o padrão das sãs palavras que de mim ouviste com fé e com o amor que está em Cristo Jesus” (2Tm 1,13). Para Tito ele disse: “Fala o que convém à sã doutrina” (Tt 2,1).




A tarefa do médico é avaliar um paciente para declará-lo sadio ou não. O paciente está sadio quando todo o seu corpo está funcionando corretamente, livre de doenças. E um corpo são, é um sistema coordenado que consiste em diferentes partes que se relacionam entre si e juntas constituem um todo harmonioso, integralizado. Se, portanto, nossa teologia está mutilada (faltando partes) ou doente (com partes prejudicadas), ela não é ‘sã’ ou saudável. A doutrina que passa nos três critérios acima é uma doutrina saudável. É pura e imaculada, verdadeira de acordo com o padrão infalível da verdade de Deus.




Tendo testado completamente a doutrina e examinado seus efeitos, somos capazes de determinar como responder a ela. A sã doutrina deve ser aceita e retida; a falsa doutrina deve ser negada e rejeitada. Quando Jesus falou aos crentes em Tiatira, ele os elogiou por se agarrarem à verdade e lhes disse: “tão-somente conservai o que tendes, até que eu venha” (Ap 2,25). Paulo descreveu o presbítero como um homem que “apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo reto ensino como para convencer os que o contradizem” (Tt 1,9).








Nossa responsabilidade é clara:




Devemos aceitar e nos apegar ao que é verdadeiro, e devemos negar e rejeitar o que é falso. Da mesma forma, a igreja deve acolher aqueles que ensinam a sã doutrina e repreender aqueles que não o fazem (Mateus 16,6).Se eles não acatam correção, a igreja deve rejeitá-los, removendo tais pessoas e a sua influência do meio da comunidade(1Co 5.9).




RESUMINDO OS TRÊS CRITÉRIOS TEOLÓGICOS:




A verdadeira doutrina (conteúdo a ser ensinado e vivido) se origina de Deus, é fundamentada na Bíblia (autoridade) e concorda com a tradição e magistério da Igreja. Porque a sã doutrina precisa ser: saudável e proveitosa para todos. Somos portanto, responsáveis por nos apegarmos a ela e difundi-la de forma integral.




Já a falsa doutrina, se origina no maligno, ou em homens orgulhosos, sedentos de vanglória, ela também, se contradiz com muitas partes da Escritura, sendo portanto, inconsistente. E também, não é confirmada na tradição e magistério da Igreja milenar. Porque tal doutrina é insalubre (sem sal), é doentia, e não proveitosa para nós, e neste caso, somos responsáveis por denunciá-la e rejeitá-la publicamente, pois não estamos neste mundo para agradar aos homens, mas a Deus (Gal1,10).




PARA QUE NÃO FIQUEMOS SUJEITOS A QUALQUER VENTO DE DOUTRINA:





Efésios 4,12-22: “Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo,Do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor.E digo isto, e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade da sua mente. Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração; Os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza. Mas vós não aprendestes assim a Cristo. Se é que o tendes ouvido, e nele fostes ensinados, como está a verdade em Jesus; Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano...”




COMO DISTINGUIR O FALSO DE UM VERDADEIRO PROFETA?




Por falta de conhecimento muitos aceitam toda e qualquer doutrina que venha da boca das pessoas, desde que estas sejam cultas, de renome, agradáveis, amigas ou que possuam o ‘poder’ de realizar milagres, mas isto não deve ser assim. A cultura, a formação acadêmica e o ‘dom’ de cura não são em si garantias de que uma pessoa seja um verdadeiro apóstolo da Palavra de Deus.Os critérios usados para avaliar um profeta (se é verdadeiro ou falso) estão expressos de modo objetivo nas Escrituras:




1)- Um desses critérios é que o profeta deve andar em conformidade com “a lei e o testemunho”. “Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos, que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos?  À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a alva”. (Isaías 8,19-20).O profeta para ser verdadeiro, tem de viver de acordo com a lei e o testemunho de Jesus. Isto quer dizer que o verdadeiro profeta jamais irá ensinar uma pessoa a transgredir as leis de Deus, ensinando e vivendo contrariamente a tudo que nos revelam as sagradas escrituras, e conforme o magistério nos instruem.



2)- Outro critério para distinguirmos entre um profeta falso e verdadeiro: Todas as suas predições e exortações devem cumprir-se. 


“O profeta que profetizar paz, só ao cumprir-se a sua palavra, será conhecido como profeta, de fato, enviado do SENHOR”. (Jeremias 28,9).


Tudo o que o profeta falar, deve cumprir-se. Podemos considerar como usado pelo inimigo àquele que profetiza coisas (que supostamente Deus o falou em visão ou sonhos) que não acontecem.




3)- Mais um critério importante para distinguirmos entre o profeta falso e verdadeiro: Ele não induz o povo à apostasia (afastar-se de Deus, desobedecendo-o).



“Quando profeta ou sonhador se levantar no meio de ti e te anunciar um sinal ou prodígio, e suceder o tal sinal ou prodígio de que te houver falado, e disser: Vamos após outros deuses (grifo meu- tipo:todas as religiões são boas) que não conheceste, e sirvamo-los,  não ouvirás as palavras desse profeta ou sonhador; porquanto o SENHOR, vosso Deus, vos prova, para saber se amais o SENHOR, vosso Deus, de todo o vosso coração e de toda a vossa alma”. (Deuteronômio 13,1-3).




Um verdadeiro profeta portanto,  deve estimular as pessoas a amarem a Deus acima de todas as coisas e amar o próximo na verdade, ou seja, jamais negando a verdade em nome da caridade, como dizia Santo Agostinho.





4)- O último e mais relevante critério para distinguir um falso profeta: O verdadeiro profeta reconhece e aceita a encarnação e divino sacrifício redentor e salvador de Cristo pela humanidade.




“Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora. Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus;  e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presentemente, já está no mundo”. (1 João 4:1-3).



Isto é de vital importância. O profeta que vem de Deus nunca negará que Jesus encarnou e veio neste mundo para morrer pelos nossos pecados. Deve-se salientar também que há falsos profetas hoje que dizem aceitar a encarnação de Cristo; para avaliarmos sua veracidade profética (ou instrutiva), devemos usar então, todos os outros critérios mencionados acima anteriormente.





COMO DISTINGUIR A VERDADEIRA DA FALSA IGREJA DE CRISTO?



“Vigiai, o inimigo vem disfarçado” (São Cipriano de Cartago)




“Vós sois o sal da terra” (Mt 5,3), diz o Senhor, e ainda nos recomenda que seijamos simples pela inocência e prudentes na simplicidade [Mt 10,16]. Nada pois é mais importante para nós, irmãos diletíssimos, quanto vigiar com todo o cuidado para descobrir logo e, ao mesmo tempo, compreender e evitar as ciladas do inimigo traiçoeiro. Sem isso, embora sejamos revestidos de Cristo [Rom 13,14; Gál 3,27], que é a Sabedoria de Deus Pai [1Cor 1,24], nos mostraríamos menos sábios na defesa da salvação.




De fato, não devemos temer só a perseguição e os vários ataques que se desencadeiam abertamente para arruinar e abater os servos de Deus. Quando o perigo é manifesto, a cautela é mais fácil. O nosso espírito está mais pronto para lutar contra um adversário abertamente declarado. É mais necessário ter medo e guardar-nos do inimigo que penetra às escondidas, e se vai insinuando oculta e tortuosamente com falsas imagens de paz. Bem lhe convém o nome de serpente! Essa foi sempre a sua astúcia, esse foi sempre o tenebroso e pérfido engano com que tenta seduzir o homem.Já no começo do mundo mentiu e enganou as almas crédulas e ingênuas (dos nossos primeiros pais), acariciando-as com palavras falazes [Gên 3,1ss] . Igualmente ousou tentar a Cristo, nosso Senhor, e se aproximou dele insinuando, disfarçando, mentindo. Foi contudo desmascarado e repelido. Desta vez, foi derrotado porque foi reconhecido e descoberto [Mt 4,1ss].



Acima de tudo: cumprir os mandamentos de Cristo




Sirvam-nos estes exemplos. Evitemos o caminho do homem velho, para não cair no laço da morte. Sigamos as pisadas de Cristo vencedor, para que, usando cautela diante do perigo, alcancemos a verdadeira imortalidade. Mas, como poderíamos chegar à imortalidade, sem observar os mandamentos de Cristo? São eles os únicos meios para combater e vencer a morte. Ele nos avisa:




“Se queres chegar à vida, observa os mandamentos” (Mt 19,17), e, de novo: “Se fizerdes o que vos mando, já não vos chamarei servos, mas amigos” (Jo 15,15).




Esses são os que ele diz serem fortes e firmes. Esses têm fundamento sólido na pedra, e gozam de inabalável resistência contra todas as tempestades e as rajadas do século.




“Quem ouve as minhas palavras, diz Ele, e as cumpre, é semelhante ao homem sábio que construiu a sua casa sobre a pedra. Desceu a chuva, desabaram as correntes, sopraram os ventos, batendo contra aquela casa, e ela não caiu porque fora fundada na pedra” (Mt 7,25).




Devemos, pois, prestar atenção às suas palavras, devemos aprender e praticar o que ele ensinou e o que fez. Como poderia asseverar que acredita em Cristo aquele que não cumpre o que Cristo mandou? E como conseguirá o prêmio da fé aquele que recusa a fé no que foi mandado? Fatalmente ele irá vacilando, à ventura, e, arrastado pelo espírito do erro, será varrido como pó agitado pelo vento. Nunca poderão conduzir à salvação os passos daquele que não adere à verdade integral da única via que salva.




Devemos pois guardar-nos, irmãos caríssimos, não só dos males que aparecem claramente como tais, mas também, como já disse, daqueles que nos enganam pela sutileza da astúcia e da fraude. Pois bem, vede agora a que ponto chega a astúcia e a sutileza do inimigo. Veio Cristo ao mundo. Veio a luz para os povos e resplandeceu para a salvação dos homens [Lc 2,32]. Com isto ficou descoberto e derrotado o antigo adversário. Os surdos abrem os ouvidos às graças espirituais, os cegos abrem os olhos a Deus, os enfermos ficam são ao ganhar a saúde eterna, os coxos correm à Igreja, os mudos soltam as suas línguas na oração [Mt 11,5; Lc 7,22]. Aumenta dia a dia o povo fiel, abandonam-se os velhos ídolos, tornam-se desertos os seus templos. Então, o que faz o malvado? Inventa nova fraude para enganar os incautos com o próprio título do nome cristão. Introduz as heresias e os cismas para derrubar a fé, para contaminar a verdade e dilacerar a unidade. Assim, não podendo mais segurar os seus na cegueira da antiga superstição, os rodeia, os conduz ao erro por novos caminhos. Rouba à Igreja os homens e, fazendo-lhes acreditar que alcançaram a luz e se subtraíram à noite do século, envolve-os ainda mais nas trevas: não observam a lei integral do Evangelho de Cristo, apegando-se a partes, e se dizem cristãos, andam na escuridão e pensam que possuem a luz, nisto são iludidos e lisonjeados pelo adversário, que, como diz o Apóstolo, “se transfigura em anjo de luz” (2Cor 11,14).Disfarça seus ministros em ministros de justiça, ensina-lhes a dar à noite o nome de dia, à perdição o nome de salvação, ensina-lhes a propalar o desespero e a perfídia sob o rótulo da esperança e da fé, a apregoar o Anticristo com o nome de Cristo. Mestres na arte de mentir, diluem com as suas sutilezas toda a verdade integral do evangelho de Nosso Senhor jesus Cristo. Isto acontece, irmãos caríssimos, porque não se bebe à fonte mesma da verdade integral e Cristo confiada á sua Igreja, que é coluna e sustentáculo da verdade (I Tim3,15).





“Tu és Pedro, e sobre esta pedra EDIFICAREI A MINHA IGREJA”




Quem presta atenção a estes ensinamentos não precisa de longos estudos, nem de muitas demonstrações. A prova da nossa fé é fácil, lógica e compreensível. Assim fala o Senhor a Pedro:




“Eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas dos infernos não a vencerão. Dar-te-ei as chaves do Reino dos céus e tudo o que ligares na terra será ligado também nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado também nos céus” (Mt 16,18-19).




Sobre um só edificou a sua Igreja. Embora, depois da sua ressurreição, tenha comunicado igual poder a todos os 11 Apóstolos, dizendo: “Como o Pai me enviou, eu vos envio a vós. Recebei o Espírito Santo, a quem perdoardes os pecados ser-lhe-ão perdoados, a quem os retiverdes ser-lhe-ão retidos” (Jo 20,21-23), todavia, para tornar manifesta a unidade, dispôs com a sua autoridade que a origem da unidade procedesse de um só.É verdade que os demais Apóstolos eram o mesmo que Pedro, tendo recebido igual parte de honra e de poder, mas a primeira urdidura começa pela unidade a fim de que a Igreja de Cristo aparecesse uma só.O Espírito Santo, falando na pessoa do Senhor, designa esta Igreja única quando diz no Cântico dos Cânticos:




“Uma só é a minha pomba, a minha perfeita, única filha da sua mãe e sem igual para a sua progenitora” (Cânt 6,9).




Aquele que não guarda esta unidade poderá pensar que ainda guarda a fé? Aquele que resiste e faz oposição à Igreja poderá confiar que ainda está na Igreja? Paulo apóstolo inculca o mesmo ensinamento e mostra o sacramento da unidade, dizendo:




“Um só corpo e um só espírito, uma é a esperança da vossa vocação, um Senhor, uma fé, um Batismo, um só Deus” (Ef 4,4-5). E, depois da ressurreição, diz ao mesmo: “Apascenta as minhas ovelhas” (Jo 21,17).





Sobre ele só constrói a Igreja e lhe manda que apascente as suas ovelhas. Embora comunique a todos os Apóstolos igual poder, todavia institui uma só cátedra, determinando assim a origem da unidade. É verdade que os demais [Apóstolos] eram o mesmo que Pedro, mas o primado é conferido a Pedro para que fosse evidente que há uma só Igreja e uma só cátedra. Todos são pastores, mas é anunciado um só rebanho, que deve ser apascentado por todos os Apóstolos em unânime harmonia. Aquele que não guarda esta unidade, proclamada também por Paulo, poderá pensar que ainda guarda a fé? Aquele que abandona a cátedra de Pedro, sobre o qual foi fundada a Igreja, poderá confiar que ainda está na legítima Igreja visível, querida e edificada por Cristo sobre Pedro?





Da Igreja única e universal: muitos são os raios, mas de uma só luz divina




Lucas 9,49-50: Jesus não aprova o sectarismo: “Então replicou João: Mestre, vimos um homem expulsando demônios em teu nome e nos dispusemos a tentar impedi-lo, pois afinal, ele não caminha conosco. Jesus, entretanto, lhes advertiu: Não o proibais! Pois quem não é contra vós outros, está a vosso favor...”



À primeira vista, parece nobre a atitude dos discípulos de Jesus, que guardavam com tanto cuidado a ortodoxia de Seu ministério. Eles encontraram uma pessoa expulsando demônios em nome de Jesus, mas, que não fazia parte do grupo dos apóstolos, e exigiram que o homem parasse. Entretanto, Jesus enxergou a hipocrisia dos discípulos. Eles haviam recebido também, o poder de expulsar demônios, porém haviam fracassado na tentativa (Marcos 9,28).Os discípulos devem ter ficado constrangidos quando falharam publicamente na sua tentativa de expulsar um demônio de um menino. No entanto, encontraram um homem expulsando demônios em nome de jesus, mas que não andava com Jesus como eles. Eles deviam estar se preocupando com sua própria falta de vitalidade e força espiritual. Deviam ter se arrependido com a repreensão de Jesus sobre falta de fé (Mt 17,20). Mas ao contrário, eles focalizaram nos outros, mas que em si mesmos. Ao invés de se arrepender dos seus pecados e lamentar pela sua impotência espiritual, os discípulos tentaram impedir uma pessoa que estava experimentando sucesso espiritual.Às vezes, é mais fácil diminuir as vitórias espirituais dos outros do que confrontar honestamente nossas próprias derrotas. A resposta de Jesus aos discípulos provavelmente os surpreendeu quando disse “Não o impeçam”(Mc 9,39). Ele lhes assegurou de que “quem não é contra nós está a nosso favor” (v.40). O que isto nos ensina? Você consegue comemorar as vitórias espirituais dos outros verdadeiros Cristãos espalhados mundo afora? Você está encorajando aqueles que servem o Senhor de maneiras diferentes, ou que pertencem a grupos diferentes do seu?




Claro que esta unidade devemos guardar e exigir com firmeza, especialmente os bispos, que na Igreja presidem, para dar prova de que o episcopado também é um e indiviso. Ninguém engane os irmãos com mentiras, ninguém corrompa a pureza da fé com pérfidos desvios.Uma só é a ordem episcopal e cada um de nós participa dela completamente. Mas a Igreja também é uma, embora, em seu fecundo crescimento, se vá dilatando numa multidão sempre maior. Assim muitos são os raios do sol, mas uma só é a luz, muitos os ramos de uma árvore, mas um só é o tronco preso à firme raiz. E quando de uma única nascente emanam diversos riachos, embora corram separados e sejam muitos, graças ao copioso caudal que recebem, todavia permanecem unidos na fonte comum. Se pudéssemos separar o raio do corpo do sol, na luz assim dividida já não haveria unidade. Quando se quebra um ramo da árvore, o ramo quebrado já não pode vicejar. Se separamos um regato da fonte, ele secará.Igualmente a Igreja do Senhor, resplandecente de luz, lança seus raios no mundo inteiro, mas a sua luz, difundindo-se em toda a parte, continua sendo a mesma e, de modo nenhum, é abalada a unidade do corpo.Na sua exuberante fertilidade, estende os seus ramos em toda a terra, derrama as suas águas em vivas torrentes, mas uma só é a cabeça, uma a fonte, uma a mãe, tão rica nos frutos da sua fecundidade. Do parto dela nascemos, é dela o leite que nos alimenta, dela o Espírito que nos vivifica.





Única Esposa de Cristo: não pode ter Deus por Pai, quem não tem a Igreja por mãe





(A Esposa de Cristo não pode tornar-se adúltera, ela é incorruptível e casta [Cf Ef 5,24-31]. Conhece só uma casa, observa, com delicado pudor, a inviolabilidade de um só tálamo. É ela que nos guarda para Deus e torna partícipes do Reino os filhos que gerou.Aquele que, afastando-se da Igreja, vai juntar-se a uma adúltera, fica privado dos bens prometidos à Igreja. Quem abandona a Igreja de Cristo não chegará aos prêmios de Cristo. Torna-se estranho, torna-se profano, torna-se inimigo.Não pode ter Deus por Pai quem não tem a Igreja por mãe.





Como ninguém se pôde salvar fora da arca de Noé, assim ninguém se salva fora da Igreja [nota: aqui Cipriano fala dos obstinados que, conhecendo a verdade, insistem, por ódio ou comodismo pagão, em se apartar da Igreja de Cristo].O Senhor nos alerta e diz:




“Quem não está comigo está contra mim, quem comigo não recolhe, dissipa” (Mt 12,30).




Quem rompe a paz e a concórdia de Cristo trabalha contra Cristo. Quem faz colheita alhures, fora da Igreja, esse dissipa a Igreja de Cristo.Diz ainda o Senhor: “Eu e o Pai somos um” (Jo 10,30), e do Pai, do Filho e do Espírito Santo está escrito: “Estes três são um” (1Jo 5,7). Como poderá alguém pensar que esta unidade da Igreja, decorrente da própria firmeza da unidade divina, e tão conforme com este celeste mistério, pode ser rompida e sacrificada ao arbítrio de vontades opostas? Quem não observa esta unidade não observa a lei de Deus, não observa a fé do Pai e do Filho, não possui nem a vida, nem a salvação.





Este sacramento da unidade, este vínculo de concórdia inviolada e sem rachadura, é figurado também pela túnica do Senhor Jesus Cristo. Como lemos no Evangelho, ela não foi dividida, nem, de modo algum, rasgada, mas sorteada. Isto quer dizer que quem toma a veste de Cristo e tem a dita de se revestir do próprio Cristo [Rom 13,14; Gál 3,27], deve receber a sua túnica toda inteira e possuí-la intacta e sem divisão.Diz a divina Escritura: “Quanto à túnica, visto que, desde a parte superior, era feita de uma única tecedura, sem costura alguma, disseram: não a dividamos, mas lancemos-lhe a sorte para ver a quem toca” (Jo 19,23-24). A unidade da túnica derivava da sua parte superior, em nosso caso, do céu e do Pai celeste. Aquele que a recebia e guardava não podia rasgá-la de modo nenhum, de fato ela era resistente e sólida por ser constituída de um modo inseparável (Veja também  REFLEXÃO PATRÍSTICA - "O VERBO FEITO CARNE DIVINIZA O HOMEM" - Santo Hipólito de Roma, +235).Não pode possuir a veste de Cristo aquele que rasga e divide a Igreja de Cristo.O contrário aconteceu à morte de Salomão, quando o seu reino e o povo deviam ser divididos. O profeta Aías, indo ao encontro do rei Jeroboão no campo, cortou o seu manto em doze partes, dizendo: “Toma para ti dez partes, porque assim diz o Senhor: eis que eu divido o reino da mão de Salomão, a ti darei dez cetros e dois ficarão para ele, por causa do meu servo Davi e de Jerusalém, a cidade eleita em que eu pus o meu nome” (1Rs 11,30-36). Para separar as doze tribos de Israel, o profeta dividiu O seu manto.Mas o povo de Cristo não pode ser dividido, e por isso a sua túnica, que era um todo feito de uma só tecedura, não foi dividida por aqueles que a deviam possuir. Ficando uma só, bem firme na sua contextura, ela mostra a união e a concórdia do nosso povo, isto é, daqueles que são revestidos de Cristo. Por este sinal sagrado da sua veste, proclamou ele a unidade da Igreja.





Portanto quem será tão celerado e pérfido, tão louco pelo furor da discórdia, para pensar como possível ou até para ousar romper a unidade de Deus, a veste do Senhor, a Igreja de Cristo?Ainda uma vez nos avisa ele no Evangelho dizendo: “E haverá um só rebanho e um só pastor” (Jo 10,16). E como se pode pensar que, num mesmo lugar, existam muitos pastores e muitos rebanhos?O apóstolo Paulo, por sua vez, inculcando esta mesma unidade, suplica e exorta: “Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que todos digais as mesmas coisas e não se dêem cismas entre vós. Sede unidos no mesmo sentimento e no mesmo pensamento” (1Cor 1,10) E de novo:




“Sustentando-vos mutuamente no amor, esforçando-vos por conservar a unidade do Espírito na união da paz” (Ef 4,2-3).




Achas tu que alguém pode afastar-se da Igreja, fundar, a seu arbítrio, outras sedes e moradias diversas e ainda perseverar na vida? Ouve o que foi dito a Raabe, na qual era prefigurada a Igreja: “Recolhe teu pai, tua mãe, teus irmãos e toda a tua família junto de ti, na tua casa, e qualquer um que ouse sair fora da porta da tua casa, será ele próprio culpado da sua perda” (Jos 2,18-19).Igualmente o sacramento da Páscoa [antiga], como lemos no Êxodo, exigia que o cordeiro, morto como figura de Cristo, fosse comido numa só casa. Eis as palavras de Deus: “Seja comido numa só casa, não jogueis fora da casa carne alguma dele” (Ex 12,46). A carne de Cristo, o Santo do Senhor [Nota: “Sanctum Domini” O Santo do Senhor, era como os primeiros cristãos chamavam a Eucaristia.O Corpo e Sangue de Cristo Jesus], não pode ser jogado fora. Para os que nele crêem, não há outra casa a não ser a única Igreja.O Espírito Santo anuncia e significa esta casa, esta morada da união dos corações, dizendo nos salmos: “Deus faz habitar na casa aqueles que são unânimes” (Sl 67,7). Na casa de Deus, na Igreja de Cristo, os moradores são unidos e perseveram na concórdia e na simplicidade.





A pomba, exemplo de mansidão, sociabilidade, e concórdia



Por isto também, o Espírito Santo desceu em forma de pomba [Mt 3,16; Mc 1,10], animal simples e alegre, sem amargura alguma de fel, incapaz de se enfurecer; não morde, não arranha com as unhas. Prefere as moradias dos homens e gosta de habitar numa mesma casa. Quando criam, as pombas cuidam dos filhotes juntamente, quando viajam, voam pertinho umas das outras. Passam o tempo em tranqüilos arrulhos, manifestam a concórdia e a paz beijando-se no rosto. Enfim, em todas as coisas seguem a lei da boa harmonia.Esta é a simplicidade que deve reinar na Igreja, essa a caridade que devemos realizar: o amor fraternal imite as pombas, a mansidão e a brandura sejam iguais às dos cordeiros e das ovelhas.Como podem estar no coração de um cristão a ferocidade dos lobos, a raiva dos cães, o veneno mortífero das serpentes ou a crueldade sanguinária das feras?Devemos alegrar-nos quando os que têm esses sentimentos se separam da Igreja. Assim as pombas e as ovelhas de Cristo não serão contagiadas pela sua maldade e pelo seu veneno. Não podem conciliar-se e juntar-se amargura e doçura, trevas e luz, chuva e céu sereno, guerra e paz, esterilidade e fecundidade, secura e manancial, tempestade e bonança.Não acreditem que os bons possam deixar a Igreja: não é o trigo que o vento carrega, o furacão não arranca as árvores que têm sólidas raízes. Ao contrário são as palhas vazias que a tormenta agita, são as árvores vacilantes que a força dos turbilhões abate. Contra esses o apóstolo S. João manifesta a sua repulsa, dizendo: “Saíram do nosso meio, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, sem dúvida teriam ficado conosco” (1Jo 2,19).





A origem e maldade das heresias que dividem os Cristãos





A origem de onde nasceram freqüentemente e continuam nascendo as heresias é a seguinte: há mentes perversas e sem paz, que, discordando em sua perfídia, não podem suportar a unidade. O Senhor, por seu lado, respeita a liberdade do arbítrio humano, permite e tolera que isto aconteça, a fim de que o crisol da verdade purifique os nossos corações e as nossas mentes, e, na provação, resplandeça com luz inequívoca a integridade da fé.O Espírito Santo nos previne, por meio do Apóstolo: “Convém que haja heresias para que entre vós se tornem manifestos os que resistem à prova” (1Cor 11,19). Assim, aqui mesmo, antes do dia do juízo, são divididas as almas dos justos e dos perversos e as palhas são separadas do trigo.Esses são os que, por própria iniciativa e sem chamamento divino, se põem a encabeçar temerários grupinhos. Contra toda a lei da ordenação, se constituem superiores e, sem que ninguém lhes dê o episcopado, se atribuem a si mesmos o nome de bispos. A eles faz alusão o Espírito Santo, no Salmo, falando dos que estão sentados em cátedras de pestilência, porque são peste infecciosa da fé. Mestres na arte de corromper a verdade, eles enganam com bocas de serpente, vomitando de suas línguas pestilentas peçonhas mortíferas. Os seus discursos brotam como chaga cancerosa, o trato com eles deixa no fundo de cada coração um veneno mortal.



Contra esses homens brada o Senhor, para afastar ou retirar deles o seu povo desviado:


“Não escuteis os sermões dos pseudoprofetas, porque vivem iludidos pelas alucinações do seu coração. Falam, mas não as palavras do Senhor. Aos que rejeitam a palavra de Deus dizem eles: tereis a paz, vós e todos os que andam segundo as próprias vontades. Não virá mal algum, ainda sobre aqueles que seguem os erros do próprio coração. Eu não lhes falei e eles vão profetando. Se tivessem atendido ao meu conselho, ouvido as minhas palavras e as tivessem ensinado ao meu povo, eu os teria convertido dos seus perversos pensamentos” (Jer 23,16-22).



E de novo fala deles o Senhor:



“Abandonaram a mim, que sou a fonte da água viva, e escavaram para si covas escuras, que nem podem dar água” (Jer 2,13 [Nota: Tradução literal do texto latino antigo. As versões tiradas do hebraico dizem: “cisternas fendidas, que não retêm a água”]).



Enquanto não pode haver senão um Batismo,os batismos não Cristãos, são daqueles que abandonaram a fonte da vida e ainda prometem a graça da água que dá a vida e a salvação. Lá os homens não são purificados, mas, ao contrário, mais poluídos. Lá os pecados não são perdoados, mas, antes, aumentados. Aquele nascimento não gera filhos para Deus, mas para o demônio [Nota: Esta recusa do batismo dos hereges é conseqüência do pensamento vigente. Este pensamento afirmava que qualquer violação na unidade da Igreja significava perversão total da fé. Hoje, a Igreja aceita o batismo das denominações protestantes tradicionais.].Os que pretendem nascer por meio da mentira não recebem absolutamente as promessas da verdade. Gerados pela perfídia, não alcançam a graça da fé. Aqueles que, no delírio da discórdia, quebraram a paz do Senhor, não podem chegar ao prêmio da paz.



Mas Cristo disse em Mt 18,20: “Onde dois ou três, estiverem unidos em meu nome, Eu estarei no meio deles?... 




Alguns se enganam a si mesmos com uma presunçosa interpretação das palavras do Senhor, que disse: “Onde quer que se encontrem dois ou três reunidos em meu nome, eu mesmo estou com eles” (Mt 18,20).São falsificadores do Evangelho e intérpretes mentirosos.



Apegam-se ao que é dito depois, esquecendo o que foi dito antes, lembram-se de uma parte da frase e, astutamente, deixam do lado a outra. Assim como eles se separaram da Igreja, do mesmo modo truncam o sentido de uma única sentença.De fato, o que queria dizer nosso Senhor? Para inculcar aos seus discípulos a união e a paz, diz ele:



“Eu vos afirmo que, se dois de vós concordarem na terra em pedir qualquer coisa, ela lhes será outorgada por meu Pai que está nos céus” (Mt 18,19). E continua: “Onde quer que se encontrem dois ou três reunidos em meu nome, eu mesmo estou com eles”, mostrando que o que mais vale na oração não é o número dos que oram, mas a sua união de espírito.“Se dois de vós concordarem na terra”, diz ele. Antes exige a união, põe na frente a paz: o seu primeiro e mais firme preceito é que entre nós haja acordo. E como poderá estar de acordo com alguém aquele que está em desacordo com o corpo da Igreja e a totalidade dos irmãos?Como poderão estar reunidos dois ou três em nome de Cristo, se é patente que estão separados de Cristo e do seu Evangelho?



De fato não somos nós que nos apartamos deles, mas eles de nós. E quando, em seguida, formando entre si vários grupos, deram origem a heresias e cismas, abandonaram a cabeça e a fonte da verdade.O Senhor quer falar da sua Igreja e dirige aquelas palavras àqueles que estão na Igreja, dizendo que, se dois ou três deles estiverem concordes, como ele ensinou e mandou, e se reunirem em um só espírito para rezar, embora sejam só dois ou três, impetrarão da majestade de Deus o que pedem.“Onde quer que se encontrem reunidos em meu nome dois ou três, eu mesmo estou com eles”, quer dizer com os simples, com os pacíficos, com os que temem a Deus e observam os seus preceitos. Com esses, ainda que não fossem mais do que dois ou três, prometeu que estaria, assim como esteve com os três jovens na fornalha ardente, e, porque permaneciam simples com Deus e unidos entre si, até no meio das chamas, os animou com uma brisa de orvalho (Dan 3,50).Do mesmo modo esteve presente aos dois Apóstolos encerrados na cadeia, porque eram simples e unânimes. Ele mesmo abriu as portas do cárcere e os conduziu de novo à praça para que pregassem à multidão a palavra que tão fielmente anunciavam.Por conseguinte, quando o Senhor coloca entre os seus preceitos estas palavras: “Onde quer que se encontrem dois ou três reunidos em meu nome, eu mesmo estou com eles”, não quer separar os homens da Igreja, pois ele mesmo instituiu e formou a Igreja, mas ao contrário, repreendendo os pérfidos pela discórdia e encarecendo, com a sua própria voz, a paz aos fiéis, quer mostrar que ele está mais com dois ou três que oram unânimes, do que com muitos que oram na dissidência, e que obtém mais a prece concorde de poucos que a oração sediciosa de muitos.




Por isto, quando ensinou o modo de orar, acrescentou: “Quando estiverdes em pé para orar, perdoai, se por acaso tendes mágoa contra alguém, a fim de que o vosso Pai que está nos céus vos perdoe também os pecados” (Mc 11,25). E se alguém vier ao sacrifício, estando de mal com alguém, ele o afasta do altar e ordena que, antes, se ponha de acordo com o irmão, e só depois volte em paz para oferecer a Deus a sua dádiva [Cf Mt 5,24].Deus não olhou aos presentes de Caim [Gên 4,5], porque aquele que, pelo rancor da inveja, não tinha paz com o irmão, não podia encontrar a Deus propício.Que espécie de paz podem pretender os inimigos dos irmãos? Que sacrifício pensam eles oferecer, enquanto não são que rivais dos sacerdotes? Julgam que Cristo esteja presente nas suas reuniões, enquanto se reúnem fora da Igreja de Cristo?




DOS FALSOS MÁTIRES E MARTÍRIOS: Nem o martírio lava a mancha da discórdia:




Ainda que esses homens fossem mortos pela confissão do nome cristão, o seu sangue não lavaria esta mancha. O pecado da discórdia é tão grande e tão imperdoável, que não se apaga nem pelos tormentos. Não pode ser mártir quem não está na Igreja, não pode alcançar o Reino quem abandonou aquela que nasceu para reinar. Cristo nos deu a paz. Ele nos mandou que fôssemos concordes e unidos, ordenou que os laços do amor e da caridade fossem conservados intactos e sem rachadura. Não pode iludir-se de ser mártir aquele que não conservou a caridade fraterna.O apóstolo Paulo ensina e testemunha isto mesmo quando diz: “Ainda que eu tivesse fé para remover as montanhas, mas não tivesse a caridade, eu nada seria, ainda que distribuísse em alimento dos pobres tudo o que é meu, e entregasse o meu corpo às chamas, mas não tivesse a caridade de nada adiantaria. A caridade é magnânima, a caridade é benigna, a caridade não rivaliza, não faz mal, não se pavoneia, não se irrita, não pensa com maldade, tudo ama, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. A caridade jamais termina” (1Cor 13,1-9).A caridade nunca termina, ela estará sempre no Reino, durará eternamente pela unidade dos irmãos em mútua harmonia. A discórdia não entra no Reino dos céus. Quem, com pérfida divisão, violou a caridade de Cristo, não poderá chegar aos prêmios do mesmo Cristo, que disse: “Este é o meu mandamento, que vos ameis mutuamente como eu vos amei” (JO 15,12).Quem vive sem caridade está sem Deus. Eis a voz do bem-aventurado apóstolo João: “Deus é amor. Quem permanece no amor permanece em Deus e Deus nele” (1Jo 4,16). Não podem permanecer com Deus os que não quiseram estar unidos na Igreja de Deus. Ainda que, lançados no fogo, fossem consumidos pelas chamas ou perdessem a vida sendo expostos às feras, tudo isto não seria unia coroa da fé, mas, antes, um castigo da sua perfídia, não seria o desfecho glorioso de uma vida religiosa intrépida, mas um fim sem esperança.Um homem assim poderia ser morto, mas não coroado. Ele confessa que é cristão do mesmo modo que o diabo, muitas vezes, engana dizendo ser ele o Cristo. Escutemos o aviso do Senhor: “Muitos virão com o meu nome, dizendo: sou eu o Cristo, e enganarão a muitos” (Mc 13,16). Como o diabo não é Cristo, embora tome este nome, assim não pode passar por cristão aquele que não permanece na verdade do Evangelho e na fé de Cristo.



É certamente coisa incomum e admirável profetizar, expulsar demônios e fazer obras portentosas aqui na terra, mas quem faz todas essas coisas não conseguirá o Reino celeste se não anda no caminho reto e certo.Ouçamos ainda o Senhor:



“Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não te lembras que em teu nome profetizamos e em teu nome expulsamos demônios e em teu nome fizemos obras portentosas? Eu porém lhes direi: jamais vos conheci, apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade” (Mt 7,21-23).



É necessária a justiça para que alguém possa ser premiado por Deus. É necessário obedecer aos seus mandamentos e aos seus avisos, para que os nossos méritos alcancem a recompensa.O Senhor, no Evangelho, querendo mostrar-nos em breve resumo a senda da nossa fé e da nossa esperança, disse: “O Senhor, teu Deus, é um só”, e continua: “Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças” (Mc 12,29-31). “Eis o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a ele: amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Nestes dois preceitos funda-se toda a lei e também os profetas” (Mt 22,39-40).Com a sua autoridade ensinou, ao mesmo tempo, a unidade e o amor. Em dois preceitos compendiou a lei e todos os Profetas. Mas que unidade observa, que amor pensa praticar aquele que, como doido pelo furor da discórdia, divide a Igreja, destrói a fé, perturba a paz, aniquila a caridade, profana o Sacramento?




Essas atuais aberrações foram preditas!




Este mal, ó irmãos fidelíssimos, já tinha começado algum tempo atrás, mas agora, como triste calamidade, foi crescendo dia a dia e a venenosa praga da heresia e dos cismas aparece e pulula sempre mais. Assim deve acontecer no fim do mundo, como nos vaticina e nos avisa o Espírito Santo por meio do Apóstolo: “Nos últimos dias, diz ele, chegarão tempos difíceis e haverá homens que só buscam os próprios gostos, soberbos, arrogantes, avarentos, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, desalmados, sem afeição e sem respeito de compromisso, caluniadores, incontinentes, violentos, sem nenhum amor ao bem, traidores, atrevidos, estupidamente altivos, amando mais os prazeres que Deus, ostentando um verniz de religiosidade, mas conculcando todo valor religioso. Deles são os que se insinuam nas casas e conquistam mulherzinhas carregadas de pecados, que se deixam levar por várias volúpias e se mostram sempre curiosos de saber, mas nunca chegam ao conhecimento da verdade. E como Jamnes e Mambres fizeram resistência contra Moisés, assim estes resistem à verdade. Mas não serão bem sucedidos, porque a sua incapacidade será a todos manifesta, como aconteceu àqueles” (2Tim 3,1-9).Tudo o que tinha sido preanunciado se está cumprindo e, enquanto se aproxima o fim do mundo, tudo se realiza nas pessoas e nos acontecimentos.O adversário está solto. Cada vez mais, o erro vai espalhando os seus enganos. A insensatez gera orgulho, arde a inveja, a cobiça chega até à cegueira, a impiedade deprava, a soberba incha, a discórdia exaspera, a ira enfurece.




Não ceder e não se afastar da Igreja devido aos escândalos. E evitar cair na heresias





Porém não nos impressione nem perturbe essa desmedida e temerária perfídia de muitos. Ao contrário, torne-se mais forte a nossa fé ao constatarmos a verdade do que foi profetizado. Alguns fizeram-se traidores, porque assim fora predito; os demais irmãos, em virtude da mesma profecia, acautelem-se contra essas coisas, escutando a voz do Senhor, que diz:




Vós, porém, acautelai-vos, porque eis que eu vos predisse tudo” (Mc 13,23).


“E disse aos discípulos: É impossível que não venham escândalos, mas ai daquele por quem vierem...” (Lucas 17,1)



Evitai, pois, eu vo-lo peço, irmãos, esses homens e repeli, de vosso lado e de vossos ouvidos suas perniciosas conversas, como se repele um contágio mortífero. Está escrito: “Cerca os teus ouvidos com uma sebe de espinhos e não ouças a língua maldosa” (Eclo 28,24). E ainda: “As péssimas conversas corrompem até as pessoas de boa índole” (1Cor 15,33).




O Senhor nos recomenda que evitemos essa gente. “São cegos, diz ele, e guias de cegos. Quando é um cego que conduz outro cego, caem juntos na fossa” (Mt 15,14).Convém estar longe e fugir de qualquer um que se separou da Igreja. É um transviado, um culpado, ele se condena por si próprio [Cf Ti 3,11]. Poderá pensar que está com Cristo aquele que está tramando contra os sacerdotes de Cristo e se separa da comunidade do seu clero e do seu povo? Ele levanta armas contra a Igreja e resiste às ordens de Deus. Adversário do altar, rebelde contra o Sacrifício de Cristo, traidor na fé, sacrílego na religião, servo intratável, filho ímpio, irmão inimigo, despreza os bispos e abandona os sacerdotes de Deus e ousa erguer um outro altar, pronunciar com voz ilícita uma outra prece, profanar, com falsos sacrifícios, a Hóstia do Senhor, e esquece que quem vai contra as ordens de Deus será punido com os divinos castigos pela sua atrevida audácia.



Estas advertências podem até parecer intolerância, mas defender a fé não é intolerância. A culpa não é tanto estar fora da Igreja, mas em ter saído da Igreja e teimar numa fé espúria e pervertida “perfídia”. É nosso dever, defender os que permanecem na Igreja, das falsas doutrinas dos hereges, e não simplesmente incitar um preconceito gratuito.




Deus não aprova a divisão, e vemos Coré, Datã e Abirão que receberam, sem demora, o castigo da sua presunção, porque, violando as ordens de Moisés e do sacerdote Aarão, pretenderam usurpar o direito de oferecer sacrifícios [Cf Num 16,31-35]. A terra perdeu a sua firmeza, fendeu-se numa profunda voragem, e o chão, assim aberto, os engoliu vivos e em pé. A justiça indignada de Deus não atingiu só os autores daquele gesto, mas também os outros duzentos e cinqüenta, seus companheiros, que foram cúmplices e solidários com eles. De repente saiu do Senhor um fogo punitivo e os consumiu. Isto deve valer como demonstração e sinal de que foi ofensa contra Deus tudo o que aqueles perversos tentaram, com suas vontades humanas, para frustrar as ordens do próprio Deus.Assim aconteceu também ao rei Ozias, quando segurou o turíbulo e, com violência, pretendeu oferecer ele mesmo o incenso, violando a lei de Deus e desobedecendo ao sacerdote Azarias, que a isto se opunha [Cf 2Crôn 26,16-20]. Lá mesmo foi confundido pela divina indignação e acometido por uma espécie de lepra na fronte. Pela sua ofensa a Deus, foi punido justamente naquela parte do corpo, onde recebem o sinal (da cruz) os eleitos de Deus.Também os filhos de Aarão, por ter colocado no altar um fogo profano, contra os preceitos do Senhor, foram mortos no mesmo instante pela divina vingança [Cf Lev 10,1-2; Num 3,4].




Menos grave é o pecado dos Apóstatas que foram forçados a apostatar




Apostatas era o nome dado aos cristãos que durante a perseguição tinham sidos forçados a sacrificar incenso aos ídolos, o que significava renúncia à fé. Que posteriormente após a perseguição, para serem reintegrados na comunidade da Igreja deviam se submeter às penitências prescritas pelas lideranças da Igreja.São esses os exemplos que seguem e imitam os que buscam doutrinas estranhas, introduzem ensinamentos de invenção humana e desprezam a divina tradição. A eles aplicam-se as repreensões e as censuras do Evangelho: “Rejeitais o mandamento de Deus para apegar-vos à vossa própria tradição (pagã)” (Mc 7,90).




Este crime é pior do que aquele que se pensa terem cometido os lapsos, ao menos se falarmos dos que estão arrependidos e rogam a Deus perdão do seu pecado, dispostos a dar completa satisfação. Os lapsos, com súplicas, procuram a Igreja, os cismáticos combatem-na. Os primeiros podem ter sido vítimas de alguma pressão, os segundos erram no pleno uso da sua liberdade, sem pressão externa alguma.O lapso, pecando, se prejudicou unicamente a si mesmo, ao passo que aquele que tenta criar heresias e cismas engana a muitos, arrastando-os à sua seita. Lá há detrimento de uma só alma, aqui o perigo é de muitos. O lapso reconhece que certamente pecou, disto lamenta-se e chora, o cismático, cheio de orgulho no seu coração e comprazendo-se dos seus próprios erros, arranca os filhos à mãe, afasta, com aliciamentos, as ovelhas do Pastor, arrasa os divinos Sacramentos. O lapso pecou só uma vez, o outro continua pecando a cada dia. Por fim, o lapso, mais tarde, poderá enfrentar o martírio e conseguir as promessas do Reino, o cismático, ao contrário, se for morto enquanto está fora da Igreja, não alcançará os prêmios da Igreja.





Não deveis estranhar, irmãos diletíssimos, que até entre os confessores haja alguns que caíram nestes crimes. Acontece também que alguns deles cometam outros pecados graves e vergonhosos. A confissão da fé não torna uma pessoa imune das ciladas do demônio. A quem ainda vive neste mundo ela não comunica uma perpétua segurança contra as tentações, os perigos e o ímpeto dos ataques mundanos. Se assim fosse, não veríamos, em confessores, os roubos, os estupros e os adultérios, que agora, com imensa tristeza, devemos lamentar em alguns deles.Quem quer que seja um confessor, ele não poderá ser maior, melhor e mais amigo de Deus que Salomão. Entretanto, este, durante o tempo em que se manteve nos caminhos do Senhor, conservou a benevolência com que o mesmo Senhor o tinha favorecido, mas quando se desviou destes caminhos, perdeu também a benevolência do Senhor [3Rs 11,9].Por isto diz a Escritura: “Segura o que tens, para que um outro não tome a tua coroa” (Ap 3,11). Se lá o Senhor ameaça tirar a alguém a coroa da justiça, é sinal que quem renuncia à justiça fica privado também da coroa.




A confissão da fé é um preâmbulo da glória, mas não é ainda a posse da coroa. Não é a glória definitiva, mas só o início do mérito. Está escrito: “O que perseverar até o fim, este será salvo” (Mt 10,22). Tudo pois o que fazemos antes do fim é só um passo com o qual vamos subindo ao monte da salvação, mas só ao fim da subida chegaremos à posse perfeita do cume.Trata-se de um confessor? Ora, depois da confissão da fé, o perigo torna-se maior, porque o adversário está mais enraivecido contra ele.É confessor? Por isto, mais do que nunca, deve permanecer fiel ao Evangelho do Senhor, ele que pelo Evangelho conseguiu esta honra. Diz o Senhor: “A quem muito é dado, muito será pedido e a quem é concedida maior dignidade, deste exigem-se maiores serviços” (Lc 12,48). Ninguém se deixe levar à perdição pelo mau exemplo de algum confessor. Ninguém aprenda, do seu modo de proceder, a injustiça, a arrogância ou a perfídia.É confessor? Seja humilde e tranqüilo em todo o seu comportamento, seja disciplinado e modesto, de modo que, como é chamado confessor de Cristo, imite também aquele Cristo que confessa “Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado” (Lc 18,14). Assim disse ele, e foi exaltado pelo Pai, porque, sendo ele a Palavra, a Virtude e a Sabedoria de Deus Pai, se humilhou a si mesmo na terra. E como poderia amar a altivez, ele que, com a sua lei nos preceituou a humildade, e, em prêmio da sua humildade, recebeu do Pai o nome mais sublime? [Cf Flp 2,9].Alguém foi confessor de Cristo? Muito bem, mas, depois, por sua culpa, não sejam blasfemadas a majestade e a santidade do próprio Cristo. A língua que confessou a Cristo não seja maldizente nem sediciosa, não se ouça vociferando em altercações e brigas; depois de palavras tão divinas de louvor não vá vomitando veneno de serpente contra os irmãos e contra os sacerdotes de Deus.Em suma, se alguém, depois da confissão, se tornou culpável e detestável, se aviltou a sua confissão com maus comportamentos, se manchou a sua vida com torpezas indignas, se, afinal, abandonou a Igreja, na qual se tornara confessor, e, quebrando a harmonia da unidade, trocou a fé de então com a perfídia, um tal homem não pode lisonjear-se, presumindo da sua confissão, de ser como que predestinado ao prêmio da glória. Ao contrário, por isto mesmo, aumentaram seus títulos para o castigo.






Vemos também que Jesus chamou a Judas entre os Apóstolos, e este Judas, em seguida, traiu o Senhor. A fé e a perseverança dos Apóstolos não esmoreceram pelo fato que Judas traidor tinha pertencido ao seu grupo. Igualmente em nosso caso: a santidade e a dignidade dos confessores não ficam destruídas, se naufragou a fé em alguns deles.O bem-aventurado apóstolo Paulo diz numa das suas cartas: “Se alguns decaíram da fé, será que a sua infidelidade tornou vã a fidelidade de Deus? De modo algum. De fato, Deus é verídico e todo homem é mentiroso” (Rom 3,3-4; Sl 115,11).A maioria e a parte melhor dos confessores mantém-se no vigor da sua fé e na verdade da lei e da disciplina do Senhor. Lembrando-se de ter alcançado a graça e a benevolência de Deus na Igreja, não se afastam da paz da mesma Igreja. Nisto merecem mais amplo louvor pela sua fé, porque, desligando-se da perfídia daqueles que já foram seus companheiros na confissão, resistiram ao contágio do mal. Iluminados pela luz verdadeira do Evangelho, brilhando na pura e cândida claridade do Senhor, mostram-se tão dignos de encômio na conservação da paz de Cristo, quanto o foram no combate, quando se tornaram vencedores do demônio.






Apelo aos que foram enganados pelas heresias:




Se, todavia, este salutar conselho não consegue reconduzir ao caminho da salvação certos chefes de cismas e certos autores de dissensão, preferindo eles obstinar-se em sua cega demência, ao menos os demais, os que foram surpreendidos na sua simplicidade, ou se deixaram desviar por algum equívoco, ou foram enganados pelo ardil de uma astúcia dissimulada, ao menos vós sacudi os laços falaciosos, livrai dos erros os vossos passos extraviados, sabei reconhecer o caminho reto que conduz ao céu.Ouvi a voz do Apóstolo, que clama: “Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, nós vos mandamos, diz ele, que vos afasteis de todos os irmãos que andam desordenadamente e não segundo a tradição que receberam de nós” (2Tes 3,6). E de novo: “Ninguém vos engane com vãs palavras. Por causa disto veio a ira de Deus sobre os filhos da contumácia. Não estejais, pois, ao lado deles” (Ef 5,6-7).Deveis evitar os delinqüentes e até fugir deles, para que não aconteça que, juntando-se aos que trilham os caminhos do erro e do crime, alguém se desvie também da verdade e se torne culpado de igual delito.Deus é um, Cristo é um, uma é a sua Igreja, uma a fé e o povo (cristão) é também um, aglutinado pela concórdia como na compacta unidade de um corpo. Esta unidade não pode ser quebrada. Um corpo não pode ser dividido, desarticulando as suas junturas. Não pode ser reduzido a pedaços, dilacerando e arranhando as suas vísceras. Tudo o que se separa do centro vital não pode continuar a viver ou a respirar porque fica privado do alimento indispensável à vida.





O Espírito Santo assim nos fala: “Quem é o homem que quer viver e deseja ver dias excelentes? Refreia do mal a tua língua, e os teus lábios não falem insidiosamente. Evita o mal e faze o bem, busca a paz e segue-a” (Sl 33,13-15). O filho da paz deve buscar a paz, deve procurá-la. Quem conhece e ama o vínculo da caridade deve guardar a sua língua do flagelo da dissensão.O Senhor, já próximo à paixão, entre outros preceitos e ensinamentos salutares, acrescentou o seguinte: “Eu vos entrego a paz, eu vos dou a minha paz” (Jo 14,27). Esta é a herança que nos deixou. Todos os dons e todos os prêmios das suas promessas estão incluídos nisto: a inviolabilidade da paz.Se somos co-herdeiros de Cristo [Cf Rom 8,17], permaneçamos na paz de Cristo. Se somos filhos de Deus, sejamos pacíficos. “Bem-aventurados os pacíficos, diz, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5,9). Convém, pois, que os filhos de Deus sejam pacíficos, mansos de coração [Cf Mt 11,29], simples quando falam, concordes nos afetos, sempre ligados uns aos outros pelos laços da unidade de espírito.Essa unidade reinou ao tempo dos Apóstolos e a nova plebe, o povo dos que acreditaram, guardava os preceitos do Senhor e ficava fiel à sua caridade. Prova-o a divina Escritura, dizendo: “A multidão daqueles que acreditaram se comportava como se fossem todos uma só alma e uma só mente” (At 4,32).E antes: “Estavam perseverando todos unânimes na oração com as mulheres e Maria, a mãe de Jesus, e seus irmãos” (At 1,14). Por isto oravam de modo eficaz e podiam confiar em alcançar o que estavam pedindo à misericórdia divina.




EM QUE SE BASEIA NOSSA FÉ E NOSSA PERSEVERANÇA, NA VERDADEIRA IGREJA DE CRISTO?




“E te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a MINHA Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela...” ( Mateus 16,18).



A partir deste versículo retirado de Mateus 16,18, é com muita confiança que podemos ter a certeza, de que Jesus quis fundar(EDIFICAR) sim a Igreja, e entregou a Pedro a sua única Igreja para continuar sua missão D'ele no mundo: Anunciar, acolher,curar, salvar e estabelecer o Reino de Deus. Portanto, esta mesma e única Igreja, prefigurada no antigo testamento com a ARCA DE NOÉ, tendo apenas um único condutor : NOÉ, e quem não entrou nela PERECEU, por isto a Igreja afirma: FORA DA IGREJA (Convocação de Deus) NÃO HA SALVAÇÃO . Os QUATRO atributos desta Igreja fundada por Cristo, “SUBSISTEM” em plenitude  APENAS na Igreja Católica, apostólica, Romana. Que atributos são estes ?



1)- UNA - Uma só doutrina proclamada no mundo inteiro, uma só fé, um só Senhor e um só batismo ( Efésios 4, 5 ) - Só encontramos isto na IGREGA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, não encontramos isto nem nas Igrejas Ortodoxas e nem nas Comunidades Protestantes extremamente divididas entre si.



2)- SANTA - ( No seu fundador Cristo e não homens pecadores, e confirmada em seus santos Canonizados, com milagres e prodígios).



3)-CATÓLICA - Universal, presente no mundo inteiro e aberta a todos os povos, sem distinção - Também só vemos isto na IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA.



4)- APOSTÓLICA - Descendente legítima da hierarquia apostólica , bem como fiel a doutrina dos apóstolos ao longo de mais de 2000 anos de existência, a prova disto é que é taxada e acusada de atrasada, pois a verdade não muda é a mesma de sempre.Para os que dizem que a verdadeira Igreja é aquela em que a pregação é acompanhada de sinais e prodígios de seus pastores, a própria palavra de Deus derruba por terra este argumento, pois está escrito:



Mateus 7,21: "Nem todos os que me dizem: Senhor! Senhor! entrarão no reino dos céus, mesmo que tenham feito milagres e expulsado demônios em nome de Jesus, naquele dia Ele dirá: Apartai-vos de mim para o fogo eterno, não vos conheço!!!.



Não acuso a quem sem livre escolha,nasceu no meio protestante de COVARDE, pois não tiveram culpa, mas aquele que sai da Igreja Católica para as seitas, seja por qualquer motivo, SÃO COVARDES, pois se uma casa está com goteiras no telhado, a solução não é abandonar a casa, mas concertar o telhado, concorda ? Quem age assim covardemente, vai abandonar sua família diante das dificuldades. Parabenizo a todos os fieis Católicos que optaram por ficar e concertar o telhado da Santa mãe Igreja, e não ficar a atirar pedras. Fica aqui a advertência de Cristo aos que conscientemente abandonam a única e verdadeira Igreja de Cristo:



João 4, 19 - "Eles Saíram do nosso meio, mas não eram dos nossos; pois, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco. Mas, [saíram] para que se mostrasse que nem todos são dos nossos, nem do número dos eleitos.









CONCLUSÃO:



Entre nós, ao contrário, esta união está demasiado relaxada, e ao mesmo tempo aparece muito enfraquecida a generosidade nas obras (boas). Então vendiam as suas casas e as suas propriedades e entregavam o preço aos Apóstolos, para que fosse distribuído aos pobres: assim colocavam seus tesouros no céu [Cf Mt 6,19]. Hoje nem se dão os dízimos dos patrimônios e, enquanto o Senhor diz “vendei” [Cf Lc 12,33], nós preferimos comprar e possuir mais. Como, entre nós, murchou o vigor da fé, como esmoreceu a força daqueles que crêem.Por isto o Senhor, falando destes nossos tempos, diz no Evangelho: “Quando vier o Filho do homem, pensas que encontrará fé na terra?” (Lc 18,8). Vemos que está acontecendo o que ele predisse. No que diz respeito ao temor de Deus, à lei da justiça, ao amor, às obras, não há mais fé. Ninguém se preocupa com as coisas que hão de vir, ninguém pensa no dia do Senhor, na ira de Deus, nos futuros suplícios dos incrédulos, nos eternos tormentos destinados aos pérfidos. Se crêssemos, a nossa consciência teria medo de tudo isto. Se não temos medo é sinal que não cremos. Quem acredita se acautela, quem se acautela se salva.Despertemos, irmãos diletíssimos, quebremos o sono da inércia rotineira e, por quanto for possível, sejamos vigilantes em guardar e cumprir os preceitos do Senhor. Sejamos prontos, como ele seja, quando diz: “Estejam cingidos os vossos rins, e as lâmpadas acesas nas vossas mãos, e vós sede semelhantes a homens que esperam o seu dono, quando voltar das núpcias, para lhe abrirem logo que ele chegar e bater. Bem-aventurados os servos que o Senhor, chegando, encontrar vigilantes” (Lc 12,35-37). É necessário que estejamos cingidos, a fim de que, quando vier o dia da partida, não sejamos surpreendidos cheios de impedimentos e de embaraços. Fique sempre viva a nossa luz e brilhe em boas obras, para nos guiar da noite deste mundo aos esplendores da claridade eterna. Sempre solícitos e cautos, fiquemos à espera da chegada repentina do Senhor. Quando ele bater, encontre a nossa fé vigilante com uma tal vigilância que mereça receber o prêmio do mesmo Senhor.Se forem observados esses mandamentos, se forem postas em prática essas exortações, não acontecerá que sejamos vencidos, no sono, pela falácia do demônio, mas, como servos bons e vigilantes, reinaremos com Cristo glorioso.



-----------------------------------------------------




Apostolado Berakash – Trazendo a Verdade: Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:



filhodedeusshalom@gmail.com




Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger