A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » A grandeza e o exemplo de Maria para os Cristãos

A grandeza e o exemplo de Maria para os Cristãos

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 15 de julho de 2016 | 14:39






“Ele [Jesus] disse: Aqui estão minha mãe e meus irmãos, porque aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos Céus, esse é meu irmão, irmã e mãe (Mt 12, 48-50).O que nos ensina Jesus com esta assertiva, a não ser que devemos nos conscientizar do nosso parentesco espiritual, antes do parentesco segundo a carne, e que Ele quer manter os homens felizes, não porque eles estejam ligados aos justo e aos santos, através do sangue, mas porque, seguindo a sua doutrina e os seus exemplos, assim eles se tornam seus aliados.Por este motivo, Maria foi mais feliz em receber a fé de Cristo do que conceber a carne de Cristo. Pois àquela que lhe disse: Felizes as entranhas que te trouxeram e os seios que te amamentaram!   Jesus respondeu: Bem mais felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam. (Lc 11, 27,28) - Santo Agostinho




A grandeza de Maria, tudo ultrapassa



Com toda a Igreja confesso que Maria, não sendo mais que uma simples criatura saída das mãos do Altíssimo, é menor que um átomo, ou antes, não é nada em comparação com a sua Majestade infinita, visto que só Deus é “Aquele que é” (Ex 3,14). Por conseguinte, este grande Senhor, sempre independente e bastando-se a si mesmo, não teve nem tem absoluta necessidade da Santíssima Virgem para o cumprimento dos seus desígnios e para a manifestação da sua glória. Basta lhe querer para tudo fazer.No entanto, supostas as coisas como são, tendo Deus querido começar e acabar as suas maiores obras pela Virgem Santíssima depois de a formar, digo que é de crer que não mudará de procedimento em todos os séculos. Ele é Deus e não muda nem nos seus sentimentos nem na sua conduta.




Deus Pai não deu ao mundo o seu Unigênito senão por Maria. Por mais ardentes que fossem os suspiros dos patriarcas e as súplicas que durante quatro mil anos lhe fizeram os profetas e os santos da Antiga Lei para obterem esse tesouro, só Maria o mereceu. Só Ela encontrou graça diante de Deus pela força das suas orações e pela grandeza das suas virtudes. Diz Santo Agostinho que, não sendo o mundo digno de receber o Filho de Deus diretamente das mãos do Pai, este o deu a Maria, para que os homens o recebessem por Ela. O Filho de Deus fez-se homem para nos salvar, mas foi em Maria e por Maria. Deus Espírito Santo formou Jesus Cristo em Maria, mas só depois de lhe ter pedido o consentimento por um dos primeiros ministros de sua corte.



Deus Pai, para dar a Maria o poder de produzir o seu Filho e todos os membros do seu Corpo Místico, comunicou-lhe a sua fecundidade, na medida em que uma simples criatura a podia receber.Como o novo Adão ao seu paraíso terrestre, assim desceu Deus Filho ao seio virginal de Maria para aí achar as suas delícias e operar, às escondidas, maravilhas de graça. O Deus feito homem encontrou a sua liberdade em se ver aprisionado no seio dela; fez brilhar a sua força, deixando-se levar por essa jovem virgem. Achou a sua glória e a de seu Pai, escondendo os seus esplendores a todas as criaturas da terra, para só os revelar a Maria; glorificou a sua independência e majestade, dependendo desta amável virgem na sua concepção, nascimento, apresentação no templo, na sua vida oculta de trinta anos e, até, na sua morte. Maria devia assistir a essa morte, porque Jesus quis oferecer com Ela um mesmo sacrifício e ser imolado ao Eterno Pai com seu assentimento, como outrora Isaac também fora imolado à vontade de Deus pelo consentimento de Abraão. Foi Ela que o amamentou, nutriu, sustentou, criou e sacrificou por nós.



Ó admirável e incompreensível dependência de um Deus! Nem o Espírito Santo a pode ocultar no Evangelho para nos mostrar o seu valor e glória infinita, embora tenha escondido quase todas as maravilhas operadas pela Sabedoria encarnada durante a sua vida oculta. Jesus Cristo deu mais glória a Deus Pai pela sua submissão a Maria durante trinta anos do que lhe teria dado se convertesse toda a terra operando os maiores prodígios. Oh! Quão altamente glorificamos a Deus, quando nos submetemos, para lhe agradar, à Virgem Santíssima, a exemplo de Jesus Cristo, nosso único modelo.Se examinarmos de perto o resto da vida de Jesus, veremos que Ele quis iniciar os seus milagres por Maria. Santificou São João no seio de sua mãe, Santa Isabel, pela palavra de Maria. Logo que Ela falou, João ficou santificado; e este foi o primeiro milagre de Jesus na ordem da graça. Nas bodas de Caná, Jesus mudou a água em vinho, atendendo ao humilde pedido de sua Mãe; e este foi o seu primeiro milagre na ordem natural. Começou e continuou os seus milagres por Maria; por Ela os continuará até ao fim dos séculos.



(São Luís Maria Grignion de Montfort - Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem)



Por quê Nossa Senhora é citada pouquíssimas vezes na Sagrada Escritura, Bíblia?



Essa pergunta é bem respondida por São Luís de Montfort. Para explicar o relativo silêncio sobre Nossa Senhora nos Evangelhos, diz São Luís que concorreram duas razões principalmente:


1) A humildade de Nossa Senhora.


2) O perigo que haveria para os primeiros cristãos de caírem em erro, julgando Nossa Senhora uma deusa, tal era a sua grandeza.



Para povos provenientes do paganismo, o perigo de imaginar Nossa Senhora como divina era real. Por isso, para fazer a atenção dos cristãos concentrar-se em Cristo Deus encarnado, e para evitar o perigo de idolatria, ela se ocultou e Deus a ocultou. Entretanto, esse ocultamento é relativo, porque se se examinam com atenção as palavras que o Evangelho diz de Maria Santíssima, fica-se bem esclarecido sobre o valor inigualável dela.Assim, por exemplo está dito que o anjo saudou a Virgem Maria. Ora, na Sagrada Escritura, jamais se disse coisa semelhante de ninguém.



Os anjos, sendo criaturas muito mais perfeitas que os homens, quando aparecem a alguém, eles, os anjos é que são saudados, reverenciados, venerados, e não o contrário. Abraão saudou os três anjos que lhe apareceram. O Profeta Daniel nem conseguia ficar de pé diante do anjo que lhe apareceu. Mas o anjo Gabriel saúda Maria Santíssima com palavras incríveis, que, se não estivessem registradas no Evangelho de São Lucas, nunca se imaginaria que pudessem ter sido ditas por um anjo a uma criatura simplesmente humana: "Ave, cheia de graça. O Senhor é contigo" (Luc. I, 28).



Ele a diz cheia, plena de graça e que Deus estava com Ela. Ora, isto significa que Maria recebera tanta graça de Deus que nela era impossível "caber", haver mais graça. Isto é que significa plena de graça:Deus onipotente, escolheu Maria para ser a Mãe do Verbo de Deus encarnado, Cristo.



Diz São Luís de Montfort que Deus podia dar a Maria todos os bens que quisesse. Diz ainda que era muito justo e conveniente que Ele a criasse com o máximo de qualidades possíveis, para que Ela estivesse, ao máximo possível para uma criatura, proporcionada ao filho que ia ser gerado em seu seio. Que, se é natural que o filho se pareça com a Mãe, como deveria ser perfeita aquela a quem o Verbo de Deus encarnado deveria naturalmente se parecer?Argumenta ainda São Luís, perguntando: qual o filho que, se pudesse, não daria à sua mãe todas as qualidades? É claro que qualquer bom filho, se pudesse, daria à sua mãe todas as qualidades possíveis. Mas isto ninguém pode fazer, a não ser Deus.




Cristo é por excelência o Filho Bom, e Ele é Deus. Logo, Ele poderia dar à sua Mãe todas as qualidades possíveis. Convinha que Ele o fizesse. Logo, Ele deu a Maria todas as qualidades possíveis num ser puramente humano. Por isso, o anjo a disse "cheia de graça".



E no nome de Maria já há uma insinuação dessa plenitude de perfeição, pois diz São Luis, o maior Doutor mariano: "Deus reuniu todas as águas em um lugar e as chamou de Mária. Reuniu todas as graças numa Mulher e a chamou de Maria.

No Evangelho se mostra ainda toda a grandeza de Maria confessada pela boca de Isabel, que pergunta a ela, quando recebeu a sua visita:


"De onde me vem a dita que a Mãe de meu Senhor venha ter comigo?"(Luc I, 43). Está no Evangelho que os protestantes, na realidade, não aceitam: Isabel chama a Maria "a mãe de meu Senhor", a mãe de Deus.



E Isabel confessa ainda que bastou a voz de Maria para fazer João Batista ser capaz de se alegrar , isto é de compreender, ainda em seu seio, que ela estava recebendo a Mãe de Deus, portando o próprio Deus em seu seio virginal.E o Evangelho demonstra a humildade de Maria e sua grandeza, quando conta as palavras dela:


"Porque Deus olhou para a baixeza de sua escrava" (humildade)( Luc I, 48) "Grandes coisas fez em Mim Aquele que é onipotente"(Magnanimidade) (Luc I, 49). Ela reconhece sua baixeza, e que foi Deus que fez nela grandes coisas, que ela humildemente não conta quais sejam. E acrescenta ainda que, por isso, "todas gerações me chamarão de bem aventurada" (Luc I, 48).



Depois, no Evangelho de São Mateus, está dito que os magos "viram o menino com Maria sua mãe" (Mt.II, 11).Para quem vê o Menino Jesus, Deus encarnado, nada mais deveria ou precisaria ser lembrado. Entretanto, o Evangelho, ditado pelo Espírito Santo, faz questão de dizer que os magos viram o Menino Deus com sua Mãe. De tal modo ela tinha valor, que é citada ao lado de Deus: os magos vira o Menino com sua Mãe.Porque fora profetizado por Isaías que Deus daria um sinal para que se conhecesse o Redentor, e esse sinal era a Virgem Mãe; "Pois por isso o mesmo Senhor vos dará este sinal: Uma Virgem conceberá e dará à luz um filho e o seu nome será Emanuel" (Is. VII, 14).


Por isso, Cristo nasceu de uma mulher, para ficar claro e provado que Ele era um homem. E quis nascer de uma Virgem, para que ficasse claro e provado que Ele era Deus.E o sinal que Deus nos deu para encontrarmos a Cristo foi a Virgem Mãe, Nossa Senhora,. Por isso não se pode encontrar a Cristo sem Maria. Mentem, pois, os protestantes que julgam ter encontrado a Cristo sem Maria, pois se não O encontram com Maria não é ao verdadeiro Jesus que eles encontram.



Eles, os magos, abrindo os seus tesouros deram incenso, mirra e ouro. Cristo e Maria receberam ouro, sim. Mas, Maria, generosíssima, logo deu o ouro aos pobres, ela que era pobre. E o que prova que ela deu o ouro recebido dos magos?Que ela logo deu o ouro aos pobres, se prova pelo fato que, quando Ela foi apresentar o Menino Jesus no templo, ela deu como preço de resgate um par de rolinhas, que era o que a Lei exigia de quem fosse pobre (Luc. II, 24).


Foi por meio dela que Cristo nasceu para nós. Foi por meio dela -- pelo seus rogos, que Ele fez o seu primeiro milagre em Caná, apesar de ainda não ter soado a hora de Ele fazer milagres. Entretanto, tal é o poder de Maria, poder dado por Deus, que Cristo a atendeu mudando a água em vinho. Fez esse milagre para nos mostrar que Ela é a nossa medianeira e advogada, com tal poder de súplica sobre Ele, que ele a atende ainda que não estivesse em seus planos fazer o que Ela pede.



E Cristo a chama de "Mulher" duas vezes: a primeira vez, em Caná da Galiléia, e a segunda vez, no Calvário e do alto da Cruz. Na primeira vez , quando instituiu o matrimônio e fez seu primeiro milagre na ordem da natureza. A segunda vez, quando nos redimiu com sua morte na cruz.



E por que Ele a chamou de "mulher"?



Os protestantes vêem nesse chamado um desprezo. Na realidade, Ele a chamou de "Mulher" como Pilatos o chamou de o Homem : "Eis o Homem".



Cristo disse que ela era A Mulher, aquela que fora profetizada no Gênesis quando Deus amaldiçoou a serpente: "Porei inimizades entre ti e a mulher, entre a tua raça e a dela, e ela mesma te esmagará a cabeça. E tu lhe armarás traições a seu calcanhar" (Gen. III, 15).



Maria é essa mulher cujo Filho esmagaria a serpente. Deus colocou ódio entre os descendentes dessa mulher, os filhos da Virgem Maria, que a aceitam por mãe, como Cristo disse no Calvário, e os filhos do demônio, porque o demônio também tem "filhos”,não fisicamente, porque ele é um anjo decaído, mas filhos "espirituais" do diabo, que querem fazer a vontade de seu pai, o demônio.

Não disse Cristo aos fariseus: "Vós tendes por pai o demônio e quereis fazer a vontade de vosso pai" (Jo VIII, 44)?



Logo, na História, há uma luta entre os filhos da Mulher , a Virgem Maria, e os filhos do demônio, e Nossa Senhora esmagará a cabeça do demônio, enquanto ele no decorrer da História, continuamente suscita traições aos que são bons.


O próprio Cristo, então, a chamou de a "mulher", porque Maria era A Mulher por excelência, aquela que fora profetizada no Gênesis. Não, a Mulher como se tornou depois do pecado, nem mesmo a mulher "tal qual saiu das mãos de Deus no esplendor da manhã original", como disse um poeta.( Paul Claudel) Porque ele disse mal, disse insuficientemente, porque Maria foi não apenas Eva restaurada, mas muito mais que Eva. Quase infinitamente mais que Eva. Maria foi a mulher por excelência, o ser humano mais perfeito, excetuando-se a santíssima Humanidade de Jesus Cristo, porque Cristo é Deus também, e Maria é uma simples criatura.


Noutra ocasião, do alto da Cruz, Cristo disse a Maria: "Mulher, eis aí teu filho". "Depois, disse ao discípulo"'Filho, eis aí tua mãe"( Jo, XIX, 26-27).Esse foi o testamento de Cristo, no Calvário: dar-nos Maria Santíssima como nossa mãe, e dar-nos a ela como seus filhos."E desta hora por diante, a levou o discípulo para sua casa" (Jo. XIX, 27).Desde então, quem não toma a Maria por sua Mãe, não tem a Cristo Deus como seu Pai.

Como diz Dante de Maria Virgem:

Vergine Madre, figlia del tuo figlio,                           Virgem Mãe, filha de teu Filho,
umile ed alta più che creatura,                                humilde e mais excelsa que qualquer criatura
termine fisso 'etterno Consiglio,                              objetivo fixo da eterna Sabedoria,

Tu sei colei che l' umana natura                              Tu és aquela que de tal modo
nobilitasti si che il suo fatore                                   enobrecestes a natureza humana,
non disdegnò di farsi sua fatura,                              que seu Criador quis fazer-se sua feitura.

Nel ventre tuo si raccese l' anore                             Em teu seio se reacendeu o amor,
per lo cui caldo, nell'etterna pace                             por cujo ardor, na eterna paz,
così è germinato questo fiore.                                  assim germinou esta flor (dos anjos e dos santos no céu)

Qui se' a noi meridiana face                                    Aqui és para nós cleríssima face
di cariatate, e giuso, intra i mortali                           de caridade, e lá em baixo, entre os mortais,
se' di speranza fontana vivace.                                és de esperança fonte vivaz.

Donna, sei tanto garnde e tanto vali,                        Senhora, tu és tão grande e tanto vales.
che qual vuol grazia ed a te non ricorre,                   que quem quiser graça e a ti não recorrer,
sua disianza vuol volar senz' ali                               seu desejo é o de voar sem ter asas.
:
La tua benignità non pur soccorre                            A tua benignidade, não só socorre
a chi domanda, ma molte fiate                                a quem pede, mas muitas vezes,
liberalmente al dimandarpreccorre.                          generosamente ao pedir precede.

In te misericordia, in te pietate,                               Em ti misericórdia, em ti piedade,
in te magnificenza, inte s' aduna                             em ti magnificência, em ti se reúne
quantunque in creatura è di bontate"                       tudo quanto na criatura há de bondade"  (Dante, Paradiso. XXXIII, 21).



E no Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, São Luís de Montfort afirma que Deus foi permitindo que a devoção a Maria fosse lentamente desvelada até os últimos tempos, quando Ela terá um papel extraordinário no combate ao Anticristo, pois que no Apocalipse está escrito: "Apareceu um grande sinal no céu uma mulher vestida de sol, com a lua debaixo de seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça" (Apoc. XII, 1). Visão essa que lembra muito a imagem de Fátima da qual disseram as três crianças videntes: "Era uma Senhora mais brilhante do que o sol", sem saber que estavam repetindo um versículo da Sagrada Escritura: "Quem é aquela, que avança como a aurora quando se levanta, formosa como a lua, brilhante como o sol, terrível como um exército em ordem de batalha?" (Cant. VI, 9).



E ela tem a lua, o símbolo da mobilidade, do relativismo (brilho em relação à luz do sol) a seus pés, representando como aquilo que é estável, como a verdade esmaga o que é móvel, e relativo, e passageiro.Ela é representada também pisando a lua e pisando a serpente, porque Deus , sendo ato puro, é absolutamente imutável, enquanto o demônio se retorce, mudando sempre de querer, em seus caprichos, frutos da mentira.

E ela tem uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça, porque embora Maria não tenha tido jamais nenhuma autoridade jurídica na Igreja, e jamais procurou exercer autoridade sobre os doze Apóstolos, os doze a amavam como sua mãe e Senhora.Eis porque a Bíblia falou pouco explicitamente sobre a Virgem, mas o que falou dela, embora pouco , mesmo que muito falasse, é sublime e elevado. E de ninguém mais foi dito igual.


Ego ex ore Altissimi prodivi, primogenita ante omnem creaturam — “Eu saí da boca do Altíssimo, a primogênita antes de toda a criatura” (Eclo. 24, 5)



É com razão que a Igreja põe na boca da Santíssima Virgem este elogio da divina Sabedoria: Eu saí da boca do Altíssimo como a primogênita.Porquanto, semelhante a Jesus Cristo, ela é verdadeiramente a Filha primogênita de Deus, na ordem da natureza, da graça e da glória.
Primogênita na ordem da natureza, não quanto ao tempo, mas, como afirma São Bernardo, quanto à intenção; porque o eterno Artífice, projetando a formação do universo, dirigiu tudo, depois da sua própria glória e depois da de Jesus Cristo, para a glória de Maria. Por isso se diz de Maria que ela não somente escolheu as coisas mais excelentes, mas dentre as coisas mais excelentes a ótima parte; porque o Senhor a dotou, em grau supremo, de todos os dons gerais e particulares conferidos às demais criaturas: Optimam partem elegit.


Maria é também a primogênita de Deus na ordem da graça; porque, sendo destinada a ser Mãe de Deus, foi, desde o primeiro instante de sua imaculada Conceição, tão enriquecida de graças, que levava vantagem a todos os anjos e santos juntos.Nem deixou o grande cabedal de graças desaproveitado; mas, como estivesse dotada do uso perfeito da razão desde o seio de sua mãe, começou desde logo e continuou sempre a fazê-lo rendoso, e mesmo, como dizem os teólogos, a duplicá-lo em cada momento de sua longa vida.


De sorte que ela pode dizer com verdade: Senhor, se não Vos amei tanto como o mereceis, ao menos Vos amei quanto me foi possível.



Se é certo, como é certíssimo, que Deus retribuirá a cada um segundo as suas obras (Rom 2, 6), segue-se que a Bem-aventurada Virgem é a primogênita de Deus também na ordem da glória; gozando, em contraste dos outros Santos, uma beatitude plena e completa sob todos os pontos de vista.


“De tal modo”, diz São Basílio, “que, como o esplendor do sol, a nosso ver, excede o brilho de todas as estrelas juntas, assim a glória da divina Mãe é superior a de todos os Bem-aventurados”.


Façamos um ato de viva fé, e regozijemo-nos com Maria pela sua tríplice primogenitura; em seu nome demos graças a Deus. Ao mesmo tempo congratulemo-nos conosco, porque a grandeza de uma Mãe redunda em honra e vantagem dos filhos: Gloria filiorum patres eorum (Prov. 17, 6).






Apesar de ser a Filha primogênita de Deus na ordem da natureza, da graça e da glória, Maria Santíssima é pouco, muito pouco venerada pela maior parte dos homens. Nem mesmo faltam homens desnaturados que chegam ao excesso de blasfemar contra ela. Se nos quisermos mostrar dignos filhos de tão grande Mãe, não basta que nos abstenhamos de a ofender; devemos também, quanto estiver a nosso alcance, espalhar por palavras e exemplos a sua devoção e reparar as ofensas que lhe são feitas. Digamos-lhe, portanto, com amor:



“Gloriosíssima Virgem, Mãe de Deus e nossa Mãe, Maria, volvei o vosso olhar piedoso a nós, pobres pecadores, que, aflitos pelos muitos males que nos cercam na vida presente, sentimos dilacerar-se o nosso coração ao ouvir as injúrias e blasfêmias atrozes que muitas vezes ouvimos vomitar contra vós, ó Virgem imaculada. Oh! quanto ofendem aquelas palavras ímpias à Majestade infinita de Deus e de seu Filho unigênito, Jesus Cristo! Quanto provocam a sua indignação e nos fazem temer os efeitos terríveis de sua vingança!Se com o sacrifício de nossa vida pudéssemos impedir tantos ultrajes e blasfêmias, sacrificá-la-íamos de boa vontade, porque, ó Mãe Santíssima, desejamos amar-vos e venerar-vos de todo o coração, já que é esta a vontade de Deus. E porque vos amamos, faremos quanto nos for possível, para que de todos sejais honrada e amada.Entretanto, ó Mãe piedosa, soberana consoladora dos aflitos, aceitai este ato de reparação que vos oferecemos em nosso nome e no de todos os nossos; também por todos aqueles que, não sabendo o que dizem, blasfemam impiamente contra vós.Afim de que, impetrando de Deus a conversão deles, torneis mais patente e gloriosa a vossa piedade, o vosso poder, a vossa grande misericórdia; e eles se unam conosco para vos proclamar a bendita entre as mulheres, a Virgem imaculada, a piedosíssima Mãe de Deus”.


Quanto a livros sobre Nossa Senhora, recomendamos mais que todos o "Tratado da Verdadeira Devoção à Nossa Senhora " de São Luís de Montfort. É um livro pequeno e fácil de ser encontrado em livrarias do Brasil. Recomendamos ainda, o Glórias de Maria de Santo Afonso de Ligório. E ainda os escritos Marianos de São Bernardo, que foi um grande devoto de Nossa Senhora.



Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger