A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Quais os argumentos contra e favor da venda e exploração dos campos maduros terrestres ?

Quais os argumentos contra e favor da venda e exploração dos campos maduros terrestres ?

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 10 de março de 2016 | 11:04





“É devagar, é devagar, devagar, devagar, devagarinho”. É com base nesse ensinamento do filósofo Marinho da Vila que a Petrobras está anunciando o seu “plano de desinvestimentos”, que inclui a venda de até 180 dos 359 campos maduros de petróleo (já produzindo) que possui no Brasil. A maior parte deles (234) está em terra.A vantagem é que a Petrobras saiu do armário e não usa mais aquela linguagem torturada do PT, que procurava esconder a privatização, a venda de ativos ou a concessão de estatais.Agora, sem maiores vergonhas, ela confirma a venda de campos de produção de petróleo dentro do seu “plano de desinvestimento”.Deve ser a versão pós-moderna e lulopetista daqueles célebres anúncios nos classificados nos jornalões, nas décadas de 60 a 80, que diziam “Família vende por motivo de viagem”.Segundo a edição de ontem de “O Globo”, a Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo e Gás (Abpip) assegura que seus sócios topam pagar à estatal até R$ 6 bilhões para ficar com esses campos.Esse dinheiro servirá para a estatal recompor o seu caixa depois da devastação patrocinada pelos corsários do PT em conluio com o comando vermelho das empreiteiras.Na bacia do Recôncavo (BA), por exemplo, a Abpip prevê que a produção possa voltar ao nível de 1970, ou seja, 100 mil barris por dia. Hoje está em torno de 33 mil.A queda da produção acendeu um sinal de alerta entre os prefeitos e governadores. Os 70 municípios com campos em terra têm nos royalties, em média, 37% da parcela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) por eles recebida. A preocupação com a queda na produção já chegou a Brasília e, agora, articula-se uma frente parlamentar,  com 197 deputados e senadores, em prol da venda de poços maduros subaproveitados pela Petrobras.Só no Rio Grande do Norte, 12 mil trabalhadores já foram demitidos por causa do recuo na produção nos campos do Estado.




COMENTÁRIO A FAVOR


“Em tempos de crise, é melhor ter um pássaro na mão do que dois voando”


No plano de desinvestimentos, a Petrobras planeja vender até 180 dos 359 campos maduros (já produzindo) que possui no Brasil. A maior parte deles (234) está em terra e já existe interesse de um grupo de empresas de médio porte na aquisição daqueles localizados em Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Norte e Sergipe, onde o ritmo de produção caiu 6,9% nos últimos 12 meses. A Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo e Gás (Abpip) assegura que seus sócios poderão pagar à estatal até R$ 6 bilhões para ficar com esses campos.


O valor vai depender das condições de financiamento e da garantia de aquisição do petróleo por refinarias da própria Petrobras. Os produtores sugerem que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) funcione como intermediadora no processo de venda das concessões, exigindo dos produtores o cumprimento de requisitos mínimos de produção, para que tenham acesso aos campos.


“Se a Petrobras colocar à venda todos os campos da bacia do Recôncavo baiano, eu me interesso por todos — disse Marcelo Campos Magalhães, diretor-presidente da PetroRecôncavo e presidente da Abpip.”


RESERVAS SÃO GARANTIA


Segundo Magalhães, para pagar os R$ 6 bilhões, as produtoras poderão buscar financiamentos bancários, oferecendo como garantia as próprias reservas dos campos vendidos, uma operação comum no exterior. Ele destacou que, em um curto período de tempo, as companhias poderiam acelerar o ritmo de produção desses campos, recuperando o nível de empregos e a arrecadação de tributos dos municípios e estados produtores. Na bacia do Recôncavo (BA), por exemplo, a Abpip prevê que a produção poderia voltar ao nível de 1970, ou seja, 100 mil barris por dia. Hoje está em torno de 33 mil.


A queda da produção acendeu um sinal de alerta entre os prefeitos e governadores dessas regiões. Os 70 municípios com campos em terra têm nos royalties, em média, 37% da parcela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) por eles recebida. A preocupação com a queda na produção chegou a Brasília e nesta quinta-feira deve ser lançada uma Frente Parlamentar Mista com 197 parlamentares, em prol da venda de poços maduros subaproveitados pela Petrobras.O deputado Beto Rosado (PP-RN), que será presidente da Frente, estima que, por causa do recuo na produção nos campos do seu estado, 12 mil trabalhadores já foram demitidos.



“Quanto mais de mercado for a solução adotada, mais valor terão os ativos e mais a Petrobras poderá arrecadar — disse Anabal Santos Junior, secretário-executivo da Abpip.”




Dois polos de produção de petróleo, com sete e nove campos cada um, foram selecionados pela Petrobras para a venda, na Bahia, para produtores independentes, na primeira operação do tipo a ser feita diretamente pela empresa no país. Trata-se dos polos de Buracica, situado na região dos municípios de Catu e Alagoinhas, e Miranga, na região de Pojuca -  ambos no Recôncavo baiano. Em todo o país, serão vendidos dez polos, envolvendo um total de 98 concessões de produção, além de seis blocos exploratórios, somando 104 concessões terrestres.


No total, os dez polos a serem vendidos pela Petrobrás em cinco estados (além da Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe e Espírito Santo) produzem, aproximadamente, 35 mil barris/dia. A produção de óleo estimada pela Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo e Gás (Abpip) para os dois polos baianos é de cerca de 10 mil barris por dia.O bom é que foram selecionados campos que, embora antigos, ainda representam uma boa margem de produção, inclusive de gás natural, como é o caso de Miranga", diz o secretário-executivo da Abpip, Anabal Santos Jr. "Não são os mais produtivos,  mas também não se trata de nenhum fundo de tacho ou só o osso", acrescentou.


Os produtores independentes focam agora as atenções nos detalhes do edital de licitação, ainda a ser lançado pela estatal:


"Queremos saber maiores detalhes, tais como: se as empresas podem formar consórcio para participar, quais as condições de compra do petróleo pela Petrobras, preço mínimo, etc.", frisa Anabal Jr.



Já o geólogo Antônio Rivas, que foi dirigente da Petrobras na Bahia e atualmente é um dos pequenos acionistas da empresa, teme que as empresas privadas acabem não investindo tanto nos campos, apenas produzindo e vendendo, com desemprego de terceirizados, "até mesmo por conta dos baixos preços do petróleo no mercado internacional", como frisa Rivas.




"Alega-se que a Petrobras deve vender os campos que ela já não está investindo tanto, mas há risco de a empresa apenas perder patrimônio para as empresas privadas que podem acabar também não investindo tanto, diante do desempenho do petróleo na conjuntura global, sem gerar, portanto, resultados para a economia local mais significativos que os que a Petrobras já apresenta hoje", explica, concluindo: ""Pode ser que estejamos apenas trocando seis por meia dúzia, com o agravante de que as empresas privadas podem demitir em escala maior".



Entenda a venda e exploração dos campos maduros de petróleo (que não é algo novo na Companhia):


Antes, a Petrobras devolvia para a gestão da Agência Nacional do Petróleo (ANP) apenas os pequenos campos marginais que não representavam mais viabilidade econômica para a companhia.Desde 2005, entretanto, a ANP passou a fazer concessão da exploração dos campos maduros para produtores independentes, em leilões batizados no mercado de “rodadinhas”. Na Bahia, os campos de Morro do Barro, Bom Lugar e Araçás Leste são hoje geridos por empresas privadas por conta das “rodadinhas”.



Com o advento do alto potencial de exploração da camada pré-sal no mar, os campos terrestres já explorados durante anos, inclusive os maiores, passaram a não ser mais foco de grande interesse para a Petrobras, que agora vai promover a venda direta para a iniciativa privada dos conjuntos de “poços maduros”, como parte da estratégia de desinvestimento e venda de ativos da empresa.Desde o anúncio da venda dos campos, no final do ano passado, havia uma expectativa dos produtores independentes que atuam na Bahia sobre quais seriam escolhidos, dentro os cerca de 80 existentes no estado.


A Petrobras vai continuar operando nos demais campos.



O projeto que amplia a terceirização através da venda e exploração dos Campos Maduros  traz benefícios?


Sim !!! A terceirização é uma realidade no País. Hoje há cerca de 1 milhão de prestadoras de serviços, que geram quase 15 milhões de empregos formais. 


O que o Projeto de Lei 4330 faz é regulamentar uma situação que já existe:


O projeto não exclui nem reduz direitos dos trabalhadores, ao contrário do que vem sendo afirmado. Os contratados pelas terceirizadas terão os mesmos direitos: irredutibilidade do salário, 13.º, férias, FGTS e demais garantias estabelecidas pela legislação trabalhista. Os acordos coletivos e convenções de cada categoria profissional continuam válidos.


O projeto contém avanços que protegem o trabalhador:


1)- Todo contrato será notificado ao sindicato no prazo de dez dias. 

2)- Está prevista a criação de um fundo-caução para garantir aos trabalhadores o recebimento das verbas salariais, trabalhistas e previdenciárias, algo que hoje não existe. 

3)- Além disso, a lei inova ao garantir aos terceirizados o acesso aos serviços de alimentação, ambulatório e transporte da empresa tomadora.

4)- Com a regulamentação, a tomadora de serviços terá de zelar pela segurança, higiene e saúde dos terceirizados. É sua obrigação fiscalizar a prestadora. Se a prestadora de serviços não cumprir as suas responsabilidades, a tomadora será corresponsável.

5)- A regulamentação representa segurança jurídica para as empresas. Estimula o investimento na abertura de novas vagas, criação de cargos e oportunidades para profissionais especializados. 

A Fiesp estima que serão criados 3 milhões de novos empregos:


Pesquisa realizada pelo instituto GPP junto a 801 trabalhadores, de 1 a 3 de abril deste ano, mostrou que 83,8% acham que a regulamentação é positiva; 79,9% acreditam que a lei gerará novos empregos.

Terceirização é especialização, uma tendência mundial que traz às empresas brasileiras as condições de competitividade para o século XXI. 

“Ser contra o PL 4330 é ser contra o progresso, contra os trabalhadores, contra o futuro e contra o Brasil.”


Por: PAULO SKAF, VAGNER FREITAS - O ESTADO DE S.PAULO







ARGUMENTOS CONTRA A VENDA E EXPLORAÇÃO DOS CAMPOS MADUROS TERRESTRES:

 

 

“Venda dos campos maduros da Petrobras é traição do governo e causará demissões no estado”, afirma Sindicato dos Petroleiros da Bahia.



Profissionais vinculados direta ou indiretamente à Petrobras, principalmente na região de Alagoinhas, tiveram um dia de incertezas e estupefação nesta quarta-feira com o anúncio da venda (privatização) dos campos maduros da empresa, situados em Alagoinhas, Pojuca, Catu, Biritinga, Sátiro Dias e Araçás.



Os estados de Sergipe, Alagoas, Espírito Santo e Rio Grande do Norte também serão afetados pela política de privatização da Petrobras, que para a angústia dos sindicalistas, apoiadores de primeira hora do Partido dos Trabalhadores, conta com a concordância do governo federal.Na região de Alagoinhas, a Petrobras possui 250 funcionários nas diversas atividades de extração de petróleo e gás. As terceirizadas, segundo informações de especialistas na área, empregam aproximadamente 600 trabalhadores. Com o desinvestimento, agendado para 2017, a tendência é a demissão de grande parte dos profissionais das empresas prestadores de serviço.



Possivelmente, a Petrobras  deslocará sua mão de obra para unidades de outros estados.Os pólos denominados Miranga e Buracica, que englobam os poços produtores de petróleo e gás – Panelas, Quererá, Conceição, Biriba -, entre outros, serão vendidos em razão da atratividade econômica para a iniciativa privada, mesmo com o preço do barril do óleo estando em baixa no momento. 



Diretor do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro), o vereador alagoinhense Radiovaldo Costa considera a política implementada pela diretoria executiva da Petrobras como traição do governo de Dilma Rousseff aos que lutaram para sua eleição e reeleição. “Para nós, sindicalistas, está claro o desejo de privatizar a Petrobras e as ações mais parecem com aquilo que seria implementado em um governo do PSDB”, disse Costa.



Em Brasília, no decorrer desta quarta-feira sindicalistas estiveram com os senadores petistas Paulo Paim (RS) e Lindbergh Farias (RJ) visando buscar apoio político e debater a questão, pontuando os graves prejuízos que o Brasil (e a Bahia) terão com a privatização de áreas importantes da Petrobras. 



No Ministério das Minas e Energia, dirigentes do Sindipetro se reuniram com o secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis, Marco Antônio Martins Almeida, funcionário da Petrobras e que atuou na Bahia, para registrar o descontentamento com as medidas adotadas pela estatal petrolífera e discutir alternativas objetivando reverter a decisão, já que o governo federal é o acionista majoritário da empresa e tem poder, se quiser, para determinar a reversão da política privatista.



Radiovaldo Costa admitiu ao editor do Alagoinhas Hoje que está decepcionado com a presidenta Dilma Rousseff:


“Certamente, aqueles que construíram a Petrobras ao longo das últimas décadas também discordarão deste ato traiçoeiro e de lesa-pátria, que demonstra de maneira inequívoca que o governo se rendeu ao mercado, primeiro apoiando um projeto do senador José Serra, cujo objetivo primordial é abrir a exploração do pré-sal para as empresas petrolíferas multinacionais, e agora, a partir de ontem, com o anúncio da venda dos campos maduros “, registrou o sindicalista. 


E você ? O que acha disto tudo? Qual sua opinião ? Procure informar-se sobre mais argumentos pró e contra, para que se faça um juízo racional e não meramente emotivo.
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger