A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Quando o atual radicalismo Islâmico Justifica as CRUZADAS no passado

Quando o atual radicalismo Islâmico Justifica as CRUZADAS no passado

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015 | 23:51


Por que o Papa Francisco apoia uma intervenção limitada contra o Estado Islâmico (Assim como no passado outros Papas também o fizeram nas Cruzadas) ?


Quando se trata de uso da força militar, os americanos tendem a se dividir em dois grupos: aqueles que querem usar uma força esmagadora para derrotar os inimigos e aqueles que se opõem ao uso da força por alguma ou outra razão.Os beligerantes conservadores e Hollywood estão no primeiro grupo – quanto maiores forem as bombas, melhor. Estes apoiariam o pedido do presidente Franklin D. Roosevelt por uma rendição incondicional durante a Segunda Guerra Mundial.No segundo grupo estão os que se opõem a qualquer ação militar (os pacifistas) e os que acham que nenhum americano deveria morrer ajudando algum país estrangeiro (os isolacionistas). Os dois não acham que o governo faça um bom uso da força.




O comentário é de Thomas Reese, jornalista e padre jesuíta, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 22-08-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa:



O uso limitado da força é evitado por ambos os lados. Os realistas da política externa, por outro lado, consideram a força militar como simplesmente uma entre muitas ferramentas de se fazer política. Portanto, o presidente John F. Kennedy poderia ameaçar os russos durante a crise dos mísseis cubana a partir da Turquia em troca da retirada dos mísseis russos do país caribenho.




Os beligerantes criticaram o presidente George H.W. Bush, outro realista, por não permitir que nossas tropas tomassem Bagdá. Queriam a vitória total, enquanto que os pacifistas se oponham a toda violência. Bush, por outro lado, tinha objetivos limitados: desfazer as intenções do Iraque quanto ao Kuwait.O uso limitado da força é uma venda forçada dentro da democracia. As pessoas não querem que seus filhos morram por objetivos limitados de política externa.



Estas mortes só têm significado se as pessoas estiverem defendendo o nosso país ou morrendo por princípios nobres (liberdade, etc.).




Os franceses resolveram este problema ao ter a Legião Estrangeira Francesa, um exército composto de estrangeiros dispensáveis. Os EUA tentaram uma solução para este problema enchendo o exército com pobres e minorias com baixa escolaridade.



É este contexto o que torna tão difícil para os americanos compreenderem a posição do Vaticano sobre o uso da força militar, que se baseia na teoria da guerra justa.O Vaticano parte de uma pressuposição a respeito da guerra: a guerra só pode ser o último recurso, depois que todas as outras possibilidades se esgotaram. Primeiro deve-se tentar a diplomacia e reconciliação. Mas o “último recurso” não significa “nunca”.



Fazer guerra exige uma causa justa, tal como defender-se ou defender alguém de uma agressão injusta:


Mas nem toda a causa justa é desculpa para o uso do poder militar. Além de uma causa justa, a intervenção militar deve causar menos danos do que uma não intervenção. Não devemos destruir uma aldeia para salvá-la. O uso da força militar deve ser proporcional, e todo o possível deve ser feito para evitar casualidades civis.Os papas João Paulo II e Bento XVI se opuseram às duas guerras do Golfo, e o Papa Francisco se opôs a qualquer intervenção americana na Síria porque não acharam que estas ações preenchiam os critérios exigidos pela doutrina da guerra justa. Pediram um cessar fogo, negociações, diplomacia e reconciliação. Os papas acreditavam que a intervenção militar iria apenas tornar as coisas piores do que já estavam.Os papas estavam claramente certos com relação à invasão do Iraque. É difícil sustentar que as milhares de mortes e os bilhões de dólares gastos tornaram este país melhor.



Quanto à SíriaHillary Clinton, ex-secretária de Estado, diz que teria dado mais apoio aos “moderados” do que deu o presidente Barack Obama, enquanto o papa se opôs a qualquer intervenção militar. Concordo com o papa e com Obama. Não há prova alguma de que faremos algo melhor na Síria do que fizemos no Iraque, especialmente com um investimento muito menor de recursos. Os moderados iriam fracassar, independentemente de quantas armas lhes déssemos.A teoria da guerra justa diz que não devemos promover uma guerra que não possamos vencer. 



Pelo fato de que os papas e o Vaticano se colocavam contra a guerra de forma tão firme, muitos se surpreenderam quando o Vaticano apoiou uma intervenção para deter o abate de minorias religiosas pelo Estado Islâmico. Estas pessoas não deveriam se surpreender. O Vaticano igualmente apoiou uma intervenção internacional no começo da década de 1990 para parar com a limpeza étnica na Bósnia-Herzegovina.



Na semana passada o Catholic News Service informou que Dom Giorgio Lingua, núncio apostólico no Iraque, disse à Rádio Vaticano quando lhe perguntaram sobre os ataques aéreos militares americanos: “Isso é algo que precisou ser feito, de outro modo [o Estado Islâmico] não poderia ser parado”.Nesse sentido, Dom Silvano Tomasi, representante vaticano nas agências da ONU em Genebra, disse:


“Quando todos os outros meios se esgotarem, a comunidade internacional deve agir a fim de salvar a vida de seres humanos. Isso pode incluir o desarmamento de um agressor”.



Para Tomasi, este foi o caso da “intervenção humanitária”, porém ela deveria ser feita pela comunidade internacional – e não de forma unilateral de um único país.O papa disse algo semelhante durante a sua coletiva de imprensa no caminho de volta da Coreia do Sul. Em resposta a uma pergunta de um jornalista, ele falou:



“Nesses casos, em que há uma agressão injusta, só posso dizer o seguinte: é lícito deter o agressor. Ressalto o verbo ‘deter’. Eu não estou dizendo ‘bombardeiem’ ou ‘façam a guerra’, mas apenas ‘detenham’. E os meios que podem ser usados para detê-los devem ser avaliados. Deter o agressor injusto é lícito, mas precisamos, todavia, nos lembrar de quantas vezes, usando a desculpa de parar um agressor injusto, os países poderosos dominaram outros povos, fizeram uma verdadeira guerra de conquista. Um único país não pode julgar como deter um agressor. Depois da Segunda Guerra Mundial, surgiu a ideia das Nações Unidas. É aqui onde devemos debater: ‘Há um agressor injusto? Parece que sim. Como podemos detê-lo?’ Mas somente isso e nada mais”.



Francisco foi bastante cuidadoso no que disse e no que não disse. Ao falar que “é lícito deter o agressor injusto”, disse deter, e não destruir, conquistar ou derrotar. Deter, “somente isso e nada mais”. Este objetivo limitado não irá satisfazer os beligerantes.Tampouco o papa disse como deter um agressor injusto:


“Eu não estou dizendo bombardeiem ou façam a guerra, mas apenas detenham”. Para isso, “os meios que podem ser usados para detê-los devem ser avaliados”.


E, assim como Tomasi, o papa defende que esta decisão deveria ser feita pela comunidade internacional, ou seja, as Nações Unidas.Aqui, os realistas das políticas externas vão dizer que o papa está sendo ingênuo. A única forma de parar o Estado Islâmico é com o uso da força, incluindo bombardeios. E se tivéssemos esperado até que a ONU agisse, seria tarde demais para salvar a vida de alguém.Eu diria que os diplomatas do papa (Lingua e Tomasi) estão articulando a posição do Vaticano de forma mais incisiva do que ele mesmo.



O papa está sendo extremamente cauteloso porque não quer que os beligerantes americanos digam que ele está abençoando a intervenção militar americana para uma destruição do Estado Islâmico. Tampouco quer que extremistas islâmicos digam que ele está convocando uma cruzada contra o Islã. De forma prudente, acerta ao ser cauteloso deixando que seus diplomatas completem com o que for preciso.O que o papa realmente fez em sua coletiva de imprensa foi enfatizar a palavra “deter”.


O pontífice não está dando aos militares americanos um cheque em branco. Deter o avanço do Estado Islâmico permite que a diplomacia e as negociações aconteçam. O papa compreende que o uso do poderio americano para retomar o controle da cidade de Mosul seria um desastre. Foguetes e bombas só podem libertar uma cidade destruindo-a.Do ponto de vista do presidente Obama, a intervenção militar limitada dá tempo para que o novo governo iraquiano entre junto na ação, especialmente trazendo sunitas a bordo. Obama compreende, e isso não acontece com os beligerantes, que não há solução militar americana alguma para o conflito no Iraque. Somente os sunitas podem derrotar o Estado Islâmico. Afinal de contas, foi o despertar dos sunitas o que derrotou a al-Qaeda, e não a presença americana.



Neste sentido, o papa e o presidente americano concordam:


“somente as negociações e o comprometimento do Iraque podem trazer paz ao seu povo.”



Fonte: Unisinos




Nestes momentos em que o mundo fica estarrecido diante das atrocidades praticadas pelos radicais islâmicos,sem querer fazer apologia das Cruzadas, mas da pra entendermos olhando para o passado porque na época ela foi um mal necessário contra estas barbáries, pois se fazem isto hoje, imaginemos no passado...



No séc. VII a expansão árabe fez perecer as numerosas comunidades cristãs esparsas pela Síria, a Palestina, o Egito, o norte da Africa. Jerusalém em 638 foi ocupada e, em parte, transformada em cidade Árabe muçulmana.



As condições dos cristãos.que lá viviam ou que lá iam ter a fim de visitar os lugares santos, tornaram´se difíceis, embora oscilantes segundo as épocas; a tensão do ambiente foi as vezes abrandada por acordos, como, por exemplo, os de Carlos Magno († 814) com o califa Haroun al´Rachid; esses pactos, porém, nem sempre foram respeitados, como no caso do califa Hakim, fundador da religião drusa, que em 1009 mandou destruir a basílica do S.Sepulcro em Jerusalém e durante dez anos moveu perseguição a cristãos e judeus.


Pouco depois, ou seja, a partir de 1055, os Turcos seleucidas entraram no próximo Oriente. Em 1071, Jerusalém caia em suas mãos. Os cristãos, em conseqüência, sofreram opressão. Os peregrinos que voltavam da Terra Santa, narravam no Ocidente a ingrata situação em que se achavam os irmãos e os santuários na Terra Santa de Cristo.


As condições de peregrinação eram extremamente penosas. Os relatos falam de peregrinos colocados no cárcere, seqüestrados em troca de dinheiro, torturados, durante a viagem para a Terra Santa. Uma das crônicas mais impressionantes era a da peregrinação de Bünther, bispo de Bamberga (Alemanha), que, com milhares de companheiros, a pequena distância de Jerusalém, sofreu duro ataque dos beduínos da região durante três dias. Certamente muitos episódios e casos particulares circulavam de boca em boca na Europa a respeito do que ocorria em Jerusalém e nos arredores; tais episódios constituiam o teor do que o cristão podia conhecer a respeito da Terra Santa.





Dessas informações temos um espécimen ainda hoje numa crônica de Guilherme de Tiro, historiador do século XII:


Aconteceu, por permissão de Nosso Senhor e para provação do povo, que um homem desleal e cruél se tornou senhor e califa do Egito. Tinha por nome Hakim e quis ultrapassar toda a malícia e a crueldade que tinham estado em seus ancestrais. Ele foi tal que os homens da sua lei o tinham também na conta de eivado de orgulho, de furor e de deslealdade. Entre outras deslealdades, mandou abater santa igreja do sepulcro de Jesus Cristo, que fora construída anteriormente por ordem de Constantino Imperador, pelo patriarca de jerusalém chamado Máximo e que fora refeita por Modesto, outro patriarca do tempo de Heráclio.


Então começou a situação de nossa gente a ser muito mais dura e dolorosa do que fora, pois grande luta lhes entrara no coração por causa da lgreja da Ressurreição de Nosso Senhor, que eles viam assim destruída .Doutra parte eram dolorosamente sobrecarregados de impostos e tarefas, contra os costumes e os privilégios que eles haviam recebido dos príncipes incrédulos.


Até mesmo o que jamais lhes fora imposto, chegou a ser lhes proibido:


a celebração das suas festas. No dia que soubessem ser a maior festa dos cristãos, eles (os drusos) os obrigavam a trabalhar mais sob o jugo e a força; proibiam´lhes (aos cristãos) sair das portas de suas casas, em que eles eram encerrados para que não pudessem celebrar festa alguma.



Em suas casas mesmas não gozavam de paz nem segurança, pois se atiravam sobre elas grandes pedras e pelas janelas lançavam excrementos, lama e toda espécie de lixo. Se acontecesse que alguns cristãos dissesse uma só palavra capaz de desagradar a esses incrédulos, logo, como se tivesse cometido um morticínio,era arrastado à prisão e Ihe cortavam o pé ou a mão, ou podiam todos os seus bens ser confiscados pelo califa ...



Muitas vezes, os incrédulos tomavam os filhos e as filhas dos cristãos em suas casas e com eles faziam o que queriam;ora mediante adulação os incrédulos constrangiam muitos jovens a renegar a fé...Os bons cristãos esforçavam´se por sustentar tanto mais firmemente a sua fé quanto mais eram maltratados. Seria longo contar todos os vexames e as desgraças em que o povo de Nosso Senhor se encontrava então.



Eu vos contarei um episódio, para que mediante esse possais compreender muitos outros:


Um dos incrédulos, malicioso e desleal, que odiava cruelmente os cristãos, procurava certa vez um meio de os fazer morrer. Viu que a cidade inteira (Jerusalém) tinha grande honra e reverência pelo Templo que fora refeito54... Diante do Templo há uma praça que se chama a esplanada do Templo, que eles (os muçulmanos) guardavam e mantinham limpa, como os cristãos mantém limpas as suas igrejas e os seus altares. Esse incrédulo desleal tomou de noite, sem que alguém o visse, um cão morto, pútrido e fétido, e colocou´o nessa esplanada, diante do Templo. De manhã, quando os homens da cidade foram ao Templo para orar, encontraram esse cão. Fez´se então um grande grito, rumor e clamor por toda a cidade, a ponto que só se falava do ocorrido. Reuniram´se e não tiveram dúvida em dizer que os cristãos haviam feito isto. Todos concordaram em passar ao fio da espada todos os cristãos; já estavam mesmo desembainhadas as espadas que a todos deviam cortar a cabeça. Entre os cristãos havia um jovem de coração generoso e de grande piedade. Falou ao povo e disse: ‘Meus senhores, verdade é que não tenho culpa alguma no que aconteceu, como aliás nenhum de nós a tem; isto, eu o dou por certo. Mas será extremamente doloroso se morrerdes todos assim e se todo o Cristianismo se extinguir nesta terra. Por isto pensei em vos libertar a todos com o auxílio de Nosso Senhor. Apenas vos peço duas coisas pelo amor de Deus: que oreis por minha alma em vossas preces e que tomeis sob os vossos cuidados e reverência a minha pobre família. Pois eu assumirei a causa sobre mim e direi que fui eu que fiz aquilo de que acusam a todos nós!’ Os que lamentavam morrer, tiveram grande alegria então e prometeram ao jovem fazer orações e honrar os seus familiares de tal modo que estes, no domingo de Ramos, trouxessem sempre a oliveira, que significa o Cristo, e a colocassem em Jerusalém. ´ O jovem, portanto, foi ao encontro dos injustos e disse que os outros cristãos não tinham culpa alguma no ocorrido e que ele era o autor da façanha.



Quando os incrédulos ouviram isto, puseram em liberdade todos os outros, e somente ele teve a cabeça talhada. “ Faça´se o desconto devido possivelmente ao estilo panegirista do cronista... É certo, porém, que ainda no séc. XII havia em Jerusalém uma família encarregada de fornecer aos fiéis as palmas para o domingo de Ramos, em memória (diziam) da dedicação desse antepassado generoso, que se teria sacrificado em prol da comunidade.


Dom Estêvão Bettencourt - OSB
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger