A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , , , » Uma #igreja sinodal não pode temer o "direito ao contraditório" na busca da verdade, interna e externamente

Uma #igreja sinodal não pode temer o "direito ao contraditório" na busca da verdade, interna e externamente

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 13 de agosto de 2023 | 15:48

 


 

Principal responsabilidade da Igreja é o serviço à Verdade, lembra o Papa Bento XVI

 



O Papa Bento XVI lembrou tomando palavras de Paulo VI, que a "principal responsabilidade da Igreja é o serviço à Verdade", em seu discurso aos participantes da X Plenária do Pontifício Conselho para o Diálogo Interreligioso que teve em Roma no dia 07 de junho de 2008.Ao dirigir-se hoje aos participantes da Plenária cujo tema este ano é "Diálogo na verdade e caridade: Orientações Pastorais", o Santo Padre destacou que o mais amplo propósito do diálogo interreligioso é "descobrir a verdade; e sua motivação, que é a caridade" está em "obediência à divina missão confiada à Igreja por nosso Senhor Jesus Cristo".






"Os seres humanos procuram respostas a algumas das perguntas existenciais fundamentais: Qual é a origem e o destino do ser humano? O que é o bem e o mal? Que espera ao ser humano ao final de sua existência terrena? Todas as pessoas têm o dever e a obrigação moral de procurar a verdade. Uma vez conhecida, estão obrigados a aderir-se a ela e a ordenar toda sua vida de acordo a suas exigências", explicou o Pontífice.




Seguidamente, Bento XVI ressaltou que "é o amor de Cristo que interpela à Igreja para chegar a todo ser humano sem distinção, além das fronteiras da Igreja visível"





"A fonte da missão da Igreja é o amor divino! Este amor é revelado em Cristo e feito presente através da ação do Espírito Santo. Todas as atividades da Igreja estão imbuídas deste amor, portanto, é o amor o que urge aos fiéis a escutar o outro e procurar áreas de colaboração, alenta aos companheiros cristãos no diálogo com os seguidores de outras religiões para propor, mas não impor, a fé em Cristo que é o caminho, a verdade e a vida.” 




Depois de destacar a necessidade da "formação para quem promove o diálogo interreligioso", o Papa precisou que "para que seja autêntico, este diálogo deve ser uma jornada de fé"





"É muito necessário para seus promotores estar bem formados em suas próprias crenças e nas dos outros. Por isso alento os esforços do Pontifício Conselho para o Diálogo Interreligioso a organizar cursos de formação e programas sobre este tema para distintos grupos cristãos, especialmente seminaristas e jovens em instituições educativas".



 

 





 

"Queridos amigos, ao chegar ao término de sua Assembléia Plenária, agradeço-lhes o trabalho que realizaram. Peço-lhes levar a mensagem de boa vontade do Sucessor do Pedro a sua comunidade cristã e a todos nossos amigos de outras religiões. Com gosto dou a minha Bênção Apostólica a vocês", concluiu o Santo Padre.

 




Fonte: ACI digital

 

 

 


O Concílio é acusado de ter incidido em erros ao tratar sobre o ecumenismo e o diálogo interreligioso, o que não é verdade !





Por Dom Estêvão Bettencourt - O.S.B.










Os intérpretes do Concílio é que deturparam os seus documentos, instituindo inovações não fundamentadas, que resultaram em detrimento do Concílio aos olhos do grande público. Quem lê o documentário do Concilio, verifica que intencionou atualizar a doutrina e a praxe da Igreja a fim de as tornar mais significativas para o mundo de hoje, todavia sem trair as verdades da fé e os princípios da Moral católicas. O ponto mais nevrálgico foi a Declaração sobre a Liberdade Religiosa, que alguns entenderam como se significasse que a Religião é algo de indiferente, ficando ao bel-prazer de cada ser humano ter ou não ter Religião, professar este ou aquele Credo. Tal entendimento é falso; o que o Concílio quis dizer é, de um lado, que a procura da verdade em matéria religiosa se impõe a todo homem (pois equivale à procura do sentido da vida), mas, de outro lado, essa procura não pode sofrer coações nem da parte de regimes políticos ateus ou materialistas, nem da parte de alguma instituição religiosa; respeite-se a liberdade de opção que toca a todo homem, contanto que não perturbe a boa ordem da sociedade. A mesma Declaração afirma que somente a Religião católica professada pela Igreja que Jesus confiou a Pedro e seus sucessores, foi revelada por Deus e se impõe como caminho de salvação a quantos a reconhecem como tal. São palavras textuais do documento conciliar Dignitatis Humanae (sobre a Liberdade Religiosa nº 1)."Em primeiro lugar, professa o Santo Sínodo que o próprio Deus manifestou ao gênero humano o caminho pelo qual os homens, servindo a Ele, pudessem salvar-se e tornar-se felizes em Cristo. Cremos que essa única verdadeira Religião subsiste na Igreja Católica e Apostólica, a quem o Senhor Jesus confiou a tarefa de difundi-la aos homens todos, quando disse aos Apóstolos: 'Ide, pois, e ensinai os povos todos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-lhes a guardar tudo quanto vos mandei' (Mt 28, 19s). Por sua vez, estão todos os homens obrigados a procurar a verdade, sobretudo aquela que diz respeito a Deus e à sua Igreja e, depois de conhecê-la, a abraçá-la e a praticá-la". O fato de ter sido o Concílio de índole pastoral, não proferindo definições dogmáticas, não quer dizer que não tenha autoridade; é uma expressão do magistério ordinário da Igreja, que goza da especial assistência do Espírito Santo para não induzir em erro os fiéis católicos.

 



 

O Encontro de Assis










Tal assembleia reuniu, pela primeira vez na história, representantes da Igreja Católica, de outras comunidades cristãs e das principais religiões do mundo inteiro, a fim de se dedicarem ao jejum e à oração em prol da paz mundial.






(Bento XVI no encontro de Assis com lideres religiosos)




É de notar que o Encontro de Assis não discutiu doutrinas. Não tentou encontrar um mínimo denominador comum de todos os Credos. Mas baseou-se no fato - eloqüentemente comprovado pela história das religiões - de que todo e qualquer homem, além de ser homo faber, homo ludens, homo sapiens, é também homo religiosus, homem que acredita numa Realidade absoluta e que tem por experiência fundamental a experiência do Sagrado. Foi em função desta dimensão comum e fundamental que os homens se reuniram em Assis; a oração é a expressão mais espontânea e universal dos anseios religiosos do ser humano, anseios que a Declaração Nostra Aetate assim escreve:





"Por meio de religiões diversas procuram os homens uma resposta aos profundos enigmas para a condição humana, que tanto ontem como hoje afligem intimamente os espíritos dos homens, quais sejam: o que é o homem, qual o sentido e o fim de nossa vida, o que é bem e o que é pecado, qual a origem dos sofrimentos e qual sua finalidade, qual o caminho para obter a verdadeira felicidade, o que é a morte, o julgamento e a retribuição após a morte e, finalmente, o que é aquele supremo e inefável mistério que envolve nossa existência, donde nos originamos e para o qual caminhamos..." (NA nº 1).





Para evitar toda aparência de ecleticismo e por respeito aos diversos Credos, não houve uma fórmula única de oração, mas cada grupo rezou a seu modo em presença dos demais. 


 



(São João Paulo II no encontro de Assis)




No ponto culminante do Encontro de Assis, ou seja, na tarde de 27/10/86, houve especial empenho por evitar todo sincretismo: na praça adjacente à Basílica inferior de São Francisco, foi colocado um estrado, ao qual tiveram acesso sucessivamente os diversos grupos religiosos, a fim de proferir a sua oração; os demais representantes religiosos, dispostos em semicírculo, assistiam em silêncio. Assim foram mantidas as diferenças num clima de aspirações convergentes e expressões similares. Deu-se um passo inédito no sentido de aproximar os homens entre si, salvaguardada a identidade religiosa de cada qual - o que está bem na linha do diálogo religioso preconizado pelo Concílio do Vaticano II. o Concílio reconhece que, fora da Igreja Católica, existem elementos da Igreja (a leitura da Bíblia, a oração, o jejum, o martírio...). Por isto não diz simplesmente que a única Igreja de Cristo é a Católica Romana, como se fora desta, confiada a Pedro e seus sucessores, nada houvesse de eclesial ou como se todas as práticas religiosas e todos os artigos de Credo professados por cristãos não-católicos fossem estranhos à Igreja de Cristo. Ora a fim de respeitar tais valores, os padres conciliares escolheram a expressão: "A Igreja de Cristo subsiste na Igreja Católica". O que quer dizer: a Igreja de Cristo está integralmente presente com todos os elementos da verdade revelada e vivenciada na Igreja Católica. O verbo subsiste, no caso, é novidade, mas novidade sadia, que, sem cair no relativismo, reconhece a verdade: as confissões cristãs não católicas professam heresias, sim (era isto que mais se dizia nos tempos anteriores ao Vaticano II), mas também professam artigos de autêntica fé e praticam as virtudes inspiradas por essa fé (piedade, zelo pela causa de Deus, amor ao próximo).





Por conseguinte, se também neste ponto a linguagem do Concílio inovou, ela só fez para melhor, sem trair a Verdade e o Bem




São, pois, infundadas as restrições ao Vaticano II pretensamente baseadas na Lumen Gentium. O “subisistit in” quer não somente re-confirmar o sentido do “est”, isto é, a identidade entre a Igreja de Cristo e a Igreja Católica, mas quer sobretudo recalcar que a Igreja de Cristo, com a plenitude de todos os meios instituídos por Cristo, perdura (continua, permanece) para sempre na Igreja Católica. Infelizmente, durante esses quarenta anos depois do Concílio, um grande número de publicações propôs uma interpretação do “subisistit in” que não corresponde à doutrina no Concílio. 





Entre os muitos motivos que conduziram a isto, parece que o mais relevante tenha sido um problema deixado aberto pelo Concílio: trata-se de conciliar duas afirmações que o Concílio fez com a mesma clareza:



 

1 – A Igreja de Cristo é a Igreja Católica e permanece nela para sempre em sua plenitude. Antes, durante e depois do Concílio a doutrina católica foi, e será essa.

 

 

 

2 – Nas outras comunidades cristãs existem elementos eclesiais de verdade e de santificação, que são próprios da Igreja Católica e impelem para a união com ela”.

 




O Concílio ilustra a constituição (interna), a fundamentação e a perpetuidade da Igreja 




Cristo constituiu a sua Igreja como uma realitas complexa com dois aspectos, um, visível, e outro espiritual, dotando-a de órgãos hierárquicos. Esta Igreja foi fundada sobre Pedro e os apóstolos, aos quais foi confiada a difusão e a guia. É a Igreja que nos confessamos no símbolo dos apóstolos como “una, santa, católica e apostólica”. Esta Igreja existe perpetuamente, e subsiste na Igreja Católica, governada pelo sucessor de Pedro e pelos Bispos... se bem que também fora do conjunto da Igreja existam vários elementos de santificação e de verdade, os quais como dons próprios da Igreja de Cristo impelem à unidade católica (Lumen Gentium, 8). 




A unidade de realização expressa nessa descrição da Igreja de Cristo é manifestada pela homogeneidade das três expressões que falam sempre do mesmo aspecto: 




-Organis hierarchicis instructa (em forma genérica); 



-Sobre Petro... ac coeteris apostolis (na forma inicial).



-Suvcessor Petri et Episcopis in eius communione gubernata (na forma perpetua).




A unidade de tal realidade emerge também na  expressão Haec Ecclesia. É sempre a Igreja que confessamos no símbolo apostólico.Para cada uma das descrições resulta, pois, que se trata da igreja fundada por Cristo, da Igreja governada pelo Papa e pelos Bispos, da Igreja que difunde a garça e a verdade a todos, da única Igreja de Cristo que é a Católica. A frase subordinada que começa com licet. Afirma simplesmente que o fato da presença de elementos de santificação e de verdade fora dos limites visíveis da Igreja Católica não invalida as afirmações feitas até agora. Como se vê, é evidente que para a Lumen Gentium 8 a única Igreja de Cristo é a Igreja Católica. O subsistit in deve encontrar a sua interpretação sempre neste quadro.

 

 



DISCURSO DO PAPA BENTO XVI AOS PARTICIPANTES NA SESSÃO PLENÁRIA DA CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ



Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2006


 

Senhores Cardeais

Venerados Irmãos no Episcopado e no Presbiterado

Queridos irmãos e irmãs





É-me grato encontrar-me, no final da sua Sessão Plenária, com a Congregação para a Doutrina da Fé, Congregação esta à qual tive a alegria de presidir durante mais de vinte anos, por mandato do meu Predecessor, o venerado Papa João Paulo II. Os vossos rostos evocam na minha mente também os de todos aqueles que, ao longo destes anos, colaboraram com a Congregação: volto a pensar em todos com gratidão e carinho. Com efeito, não posso deixar de recordar, com uma certa emoção, este período tão intenso e profícuo, por mim transcorrido na Congregação, que tem a tarefa de promover e salvaguardar a doutrina sobre a fé e os costumes em toda a Igreja Católica (cf. Pastor bonus,48).



Na vida da Igreja, a fé tem uma importância essencial, porque fundamental é o dom que Deus faz de Si mesmo na Revelação, e esta auto-entrega de Deus é recebida na fé. Aqui surge a relevância da vossa Congregação que, no seu serviço a toda a Igreja, e de maneira particular aos Bispos, como mestres da fé e pastores, é chamada em espírito de colegialidade a favorecer e evocar precisamente a centralidade da fé católica, na sua expressão autêntica. Quando a percepção desta centralidade se debilita, até o tecido da vida eclesial perde a sua vivacidade original e chega a deteriorar-se, decaindo num activismo estéril ou reduzindo-se à astúcia política de sabor mundano.Se a verdade da fé é, ao contrário, colocada com simplicidade e determinação no âmago da existência cristã, a vida do homem é imbuída e reanimada por um amor que não conhece interrupções nem confins, como tive a oportunidade de recordar também na minha recente Carta Encíclica Deus caritas est. A caridade, a partir do Coração de Deus, através do Coração de Jesus Cristo, difunde-se mediante o seu Espírito no mundo, como amor que tudo renova. Este amor nasce do encontro com Cristo na fé: "No início do ser cristão não há uma decisão ética, ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo" (Deus caritas est, 1). Jesus Cristo é a Verdade que se fez Pessoa, que atrai a Si o mundo. A luz irradiada por Jesus é esplendor de verdade. Todas as outras verdades são uma centelha da Verdade que é Ele mesmo e que para Ele remete. Jesus é a estrela polar da liberdade humana: sem Ele, ela perde a sua orientação, porque sem o conhecimento da verdade a liberdade se desvirtua, isolando-se e reduzindo-se a um arbítrio estéril. Com ele, a liberdade volta a encontrar-se a si mesma, reconhece que é feita para o bem e expressa-se mediante acções e comportamentos de caridade.



Por este motivo, Jesus oferece ao homem a plena familiaridade com a verdade e exorta-o continuamente a viver nela. Trata-se de uma verdade transmitida como realidade que restabelece o homem e, ao mesmo tempo, que o ultrapassa e domina; como Mistério que acolhe e, contemporaneamente, excede o impulso da sua inteligência humana rumo a horizontes inexplorados. Jesus Cristo, que é a plenitude da verdade, atrai a Si o coração de cada homem, dilata-o e cumula-o de alegria. Com efeito, somente a verdade é capaz de impregnar a mente e de levá-la a alegrar-se na sua integridade. É este júbilo que amplia as dimensões da alma humana, aliviando-a das angústias do egoísmo e tornando-a capaz de amar autenticamente. É a experiência desta alegria que comove, que atrai o homem a uma livre adoração, não a uma prostração servil, mas à inclinação do coração diante da Verdade por ele encontrada.




Por isso o serviço à fé, que é o testemunho daquele que constitui a Verdade inteira, é também um serviço à alegria, e é esta alegria que Cristo quer difundir no mundo: é o júbilo da fé nele, da verdade que por meio dele se comunica, da salvação que dele provém! É esta alegria que o nosso coração experimenta, quando nos ajoelhamos para adorar Jesus na fé! Este amor pela verdade inspira e orienta inclusive a abordagem cristã do mundo contemporâneo e o compromisso evangelizador da Igreja, temas sobre os quais vos detivestes a debater durante os trabalhos da Sessão Plenária. A Igreja acolhe com alegria as autênticas conquistas do saber humano e reconhece que a evangelização exige também uma assunção concreta dos horizontes e dos desafios que o conhecimento moderno descerra. Na realidade, os grandes progressos do saber científico, aos quais assistimos no século passado, ajudaram a compreender melhor o mistério da criação, assinalando profundamente a consciência de todos os povos.




No entanto, algumas vezes os progressos da ciência foram tão rápidos, que tornaram bastante complexa a tarefa de reconhecer como eles podem ser compatíveis com as verdades reveladas por Deus acerca do homem e do mundo. Por vezes, algumas afirmações do saber científico chegaram mesmo a opor-se a tais verdades. Isto pode ter suscitado uma certa confusão nos fiéis, constituindo também uma dificuldade para a proclamação e a recepção do Evangelho. Por isso, é de importância vital qualquer estudo que se proponha aprofundar o conhecimento das verdades descobertas pela razão, na certeza de que não "há motivo para existir concorrência entre a razão e a fé" (Fides et ratio, 17).




Não devemos ter qualquer temor de enfrentar este desafio: com efeito, Jesus Cristo é o Senhor de toda a criação e da história inteira. O crente sabe bem que "tudo foi criado por meio dele e para Ele... e tudo nele subsiste" (Cl 1, 16-17). Aprofundando continuamente o conhecimento de Cristo, centro do cosmos e da história, podemos demonstrar aos homens e às mulheres da nossa época que a fé em Cristo não está desprovida de relevância para a sorte da humanidade: pelo contrário, ela constitui o cumprimento de tudo aquilo que é autenticamente humano. Só nesta perspectiva poderemos oferecer respostas convincentes ao homem em busca. Este compromisso é de importância determinante para o anúncio e a transmissão da fé no mundo contemporâneo.




Na realidade, hoje a tarefa de evangelizar exige, como prioridade urgente, um compromisso análogo. O diálogo entre fé e razão, entre religião e ciência oferece não somente a possibilidade de manifestar ao homem de hoje, de maneira mais eficaz e convincente, o bom senso da fé em Deus, mas inclusive de mostrar que em Jesus Cristo se encontra o cumprimento definitivo de toda a aspiração autenticamente humana. Neste sentido, um sério esforço evangelizador não pode ignorar as interrogações levantadas também pelas hodiernas descobertas científicas e problemáticas filosóficas.




O desejo da verdade pertence à própria natureza do homem e toda a criação é um imenso convite a procurar as respostas que abrem a razão humana à grande resposta que desde sempre ela busca e espera: "A verdade da Revelação cristã, que se encontra em Jesus de Nazaré, permite a quem quer que seja perceber o "mistério" da própria vida. Enquanto verdade suprema, ao mesmo tempo que respeita a autonomia da criatura e a sua liberdade, obriga-a a abrir-se à transcendência. Aqui, a relação entre liberdade e verdade atinge o seu máximo grau, podendo-se compreender plenamente esta palavra do Senhor: "Conhecereis a verdade, e a verdade libertar-vos-á" (Jo 8, 32)" (Fides et ratio,15).




A Congregação encontra aqui o motivo do seu compromisso e o horizonte do seu serviço. O vosso serviço à plenitude da fé é um serviço à verdade e portanto à alegria, uma alegria que provém das profundidades do coração e brota daqueles abismos de amor que Cristo abriu de par em par com o seu Coração aberto na Cruz e que o seu Espírito difunde com generosidade inesgotável no mundo. Sob este ponto de vista, o vosso ministério doutrinal pode ser apropriadamente definido "pastoral". Com efeito, o vosso serviço visa a plena difusão da luz de Deus no mundo! Que a luz da fé, expressa na sua plenitude e integridade, possa iluminar sempre o vosso trabalho e ser a "estrela" que vos há-de guiar e ajudar a orientar o coração dos homens rumo a Cristo! Este é o difícil e fascinante compromisso que compete à missão do Sucessor de Pedro, para a qual sois chamados a colaborar. Obrigado pelo vosso trabalho e pelo vosso serviço!




Com estes sentimentos, concedo a todos vós a minha Bênção.



Fonte: Vatican.va

 





CONCLUSÃO











Não devemos temer um Igreja Sinodal. O termo “sínodo” deriva do grego synodos, que significa “reunião”. É composto pelo prefixo syn (junto com - junto de -  junto a) e pelo substantivo hodós (caminho). O verbo grego synodéo significa “fazer um caminho com alguém”. A Igreja, ao longo de sua história, concretizou muitos passos e aprendizados. Foi notadamente no Concílio Vaticano II (1962-1965) que ela aprofundou a compreensão de que o melhor jeito de ser e de caminhar, para bem cumprir sua missão, é o “jeito sinodal”. Ser Igreja sinodal é o esforço coletivo e a busca contínua de aprendermos a “caminhar juntos”, como irmãos e irmãs. É um jeito de ser Igreja no qual cada pessoa é importante, tem voz, é ouvida, capacitada e envolvida na realização da missão. Já não se trata de estar uns acima dos outros, mas de nos colocarmos unidos para, juntos, fazermos a experiência de fé diante dos desafios internos e externos que se apresentam em nosso dia a dia.




Francisco José Barros Araújo – Bacharel em Teologia pela Faculdade Católica do RN, conforme diploma Nº 31.636 do Processo Nº  003/17

 





GOSTOU Do APOSTOLADO berakash?  QUER SER UM (A) SEGUIDOR (a) E RECEBER AS ATUALIZÇÕES EM SEU CELULAR, OU, E-MAIL?

 

 

Segue no link abaixo o “PASSO-A-PASSO” para se tornar um(a) seguidor(a) - (basta clicar):

 

 

https://berakash.blogspot.com/2023/10/como-ser-um-ser-um-seguidor-e-ou.html

 

 

Shalom!

 









.............................................

 

 




APOSTOLADO BERAKASH - A serviço da Verdade: A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. As notícias publicadas nesta página são repostadas a partir de fontes diferentes, e transcritas tal qual apresentadas em sua origem. Este blog não se responsabiliza e nem compactua com opiniões ou erros publicados nos textos originais. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com as fontes originais para as devidas correções, ou faça suas observações (com fontes) nos comentários abaixo para o devido esclarecimento aos internautas.Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar de alguma forma:

 

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Todos os comentários publicados não significam a adesão às ideias nelas contidas por parte deste apostolado, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados. Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

TOTAL DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

ANUNCIE AQUI! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com
 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger