A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , » Como a Igreja Primitiva tratou os cristãos apóstatas? Aqueles(as) que negaram publicamente a fé em Cristo?

Como a Igreja Primitiva tratou os cristãos apóstatas? Aqueles(as) que negaram publicamente a fé em Cristo?

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 5 de maio de 2022 | 19:23

 


 

 

 

Lucas 9,26: “Se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, o Filho do homem, igualmente, se envergonhará dele, quando voltar em sua glória e sob as honrarias do Pai e dos santos anjos.”

 

 

Uma cronologia do Período da Perseguição a Igreja:

 

 

Atos 9,1-5: “E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote. E pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, se encontrasse alguns deste Caminho, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém. E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu. E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues...” 

 

 

 

33 d.C - Jesus Cristo é crucificado em Jerusalém e ressuscita, segundo os evangelhos.

 

 

 

49 d.C - É realizado o Concílio de Jerusalém, a primeira reunião de chefes da igreja; reunidos na cidade sagrada, os apóstolos decidem se os cristãos vindos do paganismo teriam de ser circuncidados como os judeus para receberem o batismo. Marco oficial da ruptura dos Cristãos com o Judaísmo religioso.

 

 

 

64/67d.C - Segundo a tradição, os apóstolos Pedro e Paulo são mortos na perseguição imposta aos cristãos por Nero, imperador romano; Pedro, primeiro bispo de Roma e, assim, primeiro papa, teria sido crucificado de cabeça para baixo. Paulo é degolado também,em Roma.

 

 

 

217d.C - O sacerdote romano Hipólito torna-se o primeiro antipapa da história ao reivindicar o título contra Calisto 1º. Hipólito recusava a tese de que a Igreja poderia perdoar qualquer pecado.

 

 

 

300d.C - É elaborada a primeira lei do celibato clerical no Concílio de Elvira (Espanha); o celibato não se estendeu, entretanto, a todo o clero Católico, pois o concílio não era ecumênico, ou seja universal.

 

 

 

313d.C - O imperador Constantino 1º proclama o Edito de Milão, que estabelece a tolerância religiosa para o cristianismo dentro do Império Romano.

 

 

 

325 - É realizado o Concílio de Nicéia (Turquia), primeiro concílio ecumênico (universal) da igreja, convocado pelo imperador Constantino. Trezentos bispos se reúnem para condenar o arianismo - heresia que nega a divindade de Jesus Cristo.

 

 

 

361d.C - O imperador romano Juliano, "O Apóstata", converte-se ao paganismo, retoma práticas pagãs e volta a perseguir os cristãos.

 

 

 

381d.C - O Concílio de Constantinopla -convocado para condenar de vez o arianismo- proclama o Credo, resumo da crença cristã repetido como oração até hoje.

 

476d.C - Roma é tomada pelos visigodos; a parte oriental do império sobrevive como Império Bizantino.

 

 

 

752d.C - O papa Estevão 2º é eleito em 22 de março e morre quatro dias depois, antes mesmo de sua investidura.

 

 

 

754d.C - O papa Estevão 2º - sucessor do anterior - pede auxílio a Pepino, "O Breve", rei dos francos, contra a ameaça de invasão de Roma pelos lombardos. Pepino doa todas as terras conquistadas dos lombardos para a igreja, no que seriam as bases territoriais do Estado Pontifício.

 

 

 

A perseguição aos cristãos no Império Romano ocorreu de forma intermitente durante um período de mais de dois séculos entre o Grande Incêndio de Roma, em 64 d.C, sob Nero, até o Édito de Milão, em 313 d.C, em que os imperadores romanos Constantino, o Grande, e Licínio, legalizaram a religião cristã, e a elevaram a RELIGIÃO DE ESTADO. A perseguição aos cristãos no Império Romano foi realizada pelo estado e também pelas autoridades locais, muitas vezes aos caprichos das lideranças destas comunidades. A partir de 250 d.C, a perseguição em todo o império ocorreu como conseqüência indireta de um edito do imperador Décio. Este decreto esteve em vigor por dezoito meses, período durante o qual alguns cristãos foram mortos enquanto outros apostataram para escapar da execução e torturas. Essas perseguições influenciaram fortemente o desenvolvimento do cristianismo, moldando a teologia cristã e a estrutura da Igreja. Os efeitos das perseguições incluíram a escrita de explicações e defesas da religião cristã, em virtude das falsas afirmações à fé Cristã, que naquele momento era mais vivida que explicada. A primeira perseguição aos cristãos, organizada pelo governo romano, ocorreu sob o imperador Nero, em 64 d.C., após o Grande Incêndio de Roma. O edito de Tolerância foi emitido em 311 d.C. pelo imperador romano Galério, encerrando oficialmente a perseguição diocleciana ao Cristianismo no Oriente. Com a passagem em 313 d.C. do decreto de Milão, cessou a perseguição de cristãos pelo estado romano. O número total de cristãos que perderam a vida por causa dessas perseguições é desconhecido; embora o historiador da igreja primitiva Eusébio, cujas obras são a única fonte para muitos desses eventos, fale de "grandes multidões" terem perecido. Não houve perseguição aos cristãos por todo o império até o reinado de Décio no século III. Os governadores provinciais tinham muita discrição pessoal em suas jurisdições e podiam escolher como lidar com os incidentes locais de perseguição e violência da multidão contra os cristãos. Durante a maior parte dos primeiros trezentos anos da história cristã, os cristãos foram capazes de viver em paz, praticar suas profissões e até assumir posições de responsabilidade e confiança. Somente por aproximadamente dez dos primeiros trezentos anos da história primitiva da igreja os cristãos foram executados devido a ordens de imperadores romano. As tentativas de estimar os números envolvidos são inevitavelmente baseadas em fontes inadequadas, mas um historiador das perseguições estima os números gerais entre 5.500 e 6.500 (para uma Igreja em formação é um número bastante expressivo).

 

 

 

Causas sociais e religiosas

 

 

 

A soberania exclusiva de Cristo colidiu com as reivindicações de César à sua própria soberania exclusiva. O império romano praticava o sincretismo religioso e não exigia lealdade a um deus, mas exigia lealdade preeminente ao estado, e isso era esperado para ser demonstrado pelas práticas da religião estatal com numerosos dias de festas e festivais ao longo do ano. A natureza do monoteísmo cristão impedia os cristãos de participar de qualquer coisa que envolvesse "outros deuses". Os cristãos não participavam de festas ou procissões ou ofereciam sacrifícios ou leves incensos aos deuses; isso produziu hostilidades. Eles se recusaram a oferecer incenso ao imperador romano e, na mente do povo, o "imperador, quando visto como um deus, era a personificação do império romano" – de modo que os cristãos eram vistos como desleais a Roma que os acolhia e seu imperador. Em Roma, a religião poderia ser tolerada apenas enquanto contribuísse para a estabilidade do estado, que não aceitaria rival pela lealdade de seus súditos. O estado era o bem mais alto na relação do estado com a religião. No monoteísmo cristão, o estado não era o bem maior, mas Cristo! Os cristãos mudaram suas atividades das ruas para os domínios mais isolados de casas, lojas e apartamentos femininos - cortando os laços normais entre religião, tradição e instituições públicas como cidades e nações.Essa "privatização da religião" foi outro fator primário na perseguição. Às vezes, eles se encontravam à noite, em segredo, e isso despertou suspeitas entre a população pagã acostumada à religião como um evento público; abundaram os rumores que os cristãos cometeram flagicia, scelera e maleficia - "crimes ultrajantes", "maldade" e "más ações", especificamente canibalismo e incesto (referidos como "banquetes de Tiestes" e " relações edipodais") - devido às suas práticas de comer o "sangue e corpo" de Cristo e se referirem um ao outro como "irmãos" e "irmãs", casando-se entre si.O historiador Edward Gibbon escreveu: “Ao abraçar a fé do Evangelho, os cristãos sofreram a suposta culpa de uma ofensa antinatural e imperdoável. Dissolveram os laços sagrados do costume e da educação, violaram as instituições religiosas de seu país e desprezaram presumivelmente o que seus pais acreditavam ser verdadeiro ou reverenciavam como sagrado.” O cristianismo praticava uma inclusividade não encontrada no sistema de castas sociais do império romano e, portanto, era percebido por seus oponentes como "uma ameaça perturbadora e, mais significativamente, competitiva à ordem tradicional baseada na classe/gênero da sociedade romana". Gibbon argumentou que a aparente tendência dos cristãos convertidos a renunciar à sua família, bens, países, e suas frequentes predições de desastres iminentes instilavam um sentimento de apreensão em seus vizinhos pagãos.Grande parte da população pagã era extremamente supersticiosa e acreditava que coisas ruins aconteceriam se os deuses pagãos estabelecidos não fossem adequadamente adorados e reverenciados. No final do século II, o apologista cristão Tertuliano reclamou da percepção generalizada de que os cristãos eram a fonte de todos os desastres trazidos pelos deuses contra a raça humana:

 

 

 

“Eles acham que os cristãos são a causa de todos os desastres públicos, de todas as aflições com as quais as pessoas são visitadas. Se o rio Tibre subir tão alto quanto as muralhas da cidade, se o rio Nilo não derramar suas águas sobre os campos, se o céu não der chuva, se houver um terremoto, se houver fome ou pestilência, imediatamente o grito é "Fora com os cristãos para os leões!"

 

 

 

 

DELAÇÃO PREMIADA DE CRISTÃOS!

 

 

 


 

Em cognitio extra ordinem, um acusador chamado delator trazia ao governador um indivíduo para ser acusado de uma certa ofensa - nesse caso, a de ser cristão. Esse delator estava preparado para atuar como o promotor do julgamento e poderia ser recompensado com algumas das propriedades do acusado, se ele apresentasse um caso adequado ou fosse acusado de calúnia (acusação maliciosa) se o caso fosse insuficiente. Às vezes, os cristãos se ofereciam para punição, e as audiências de tais mártires voluntários eram conduzidas da mesma maneira. Na maioria das vezes, o resultado do caso estava totalmente sujeito à opinião pessoal do governador. Enquanto alguns tentavam confiar em opiniões precedentes ou imperiais onde podiam, como evidenciado pela carta de Plínio, o Jovem, a Trajano a respeito dos cristãos, essa orientação geralmente não estava disponível. Em muitos casos, com meses e semanas de viagem para longe de Roma, esses governadores precisavam tomar decisões sobre como administrar suas províncias de acordo com seus próprios instintos, conhecimentos e interesses próprios. Mesmo que esses governadores tivessem acesso fácil à cidade, eles não teriam encontrado muita orientação legal oficial, ou seja, profunda e imparcial, relativa aos cristãos. Antes das políticas anticristãs sob Décio, iniciadas em 250, não havia um decreto do império contra os cristãos, e o único precedente sólido foi o estabelecido por Trajano em sua resposta a Plínio: o nome "cristão" por si só era motivo suficiente para punição e cristãos não deveriam ser procurados pelo governo. Há especulações de que os cristãos também foram condenados por contumácia - desobediência ao magistrado, semelhante ao moderno "desprezo à corte". Mais tarde, Melitão de Sardes afirmou que Antonino Pio ordenou que os cristãos não fossem executados sem julgamento apropriado.Dada a falta de orientação e a distância da supervisão imperial, os resultados das provações dos cristãos variaram amplamente. Muitos seguiram a fórmula de Plínio: perguntaram se os indivíduos acusados eram cristãos, em seguida aos que respondiam afirmativamente davam uma chance de se arrependerem de suas declarações. Aos que negavam ou retrocediam tinham a chance de provar sua sinceridade fazendo um sacrifício aos deuses romanos e fazendo um jurando ao imperador. Os que persistiram em manter a fé cristã eram torturados, e quando se mantinham inflexíveis, eram executados. Segundo o apologista cristão Tertuliano, alguns governadores da África ajudaram os acusados a obter absolvições ou se recusaram a levá-los a julgamento. No geral, os governadores romanos estavam mais interessados em fazer apóstatas do que mártires: um procônsul da Ásia, Cneu Árrio Antonino, quando confrontado com um grupo de mártires voluntários durante uma de suas turnês, enviou alguns para serem executados e afirmava ao demais: "Se você quer morrer, seu desgraçado, pode usar cordas ou precipícios."

 

 

 

 

Durante a Grande Perseguição, que durou de 303 a 312/313, os governadores receberam decretos diretos do imperador.

 

 

 

Igrejas e textos cristãos deveriam ser destruídos, a reunião para adoração cristã era proibida e os cristãos que se recusavam a se retratar perderiam seus direitos legais de cidadão romano.Mais tarde, foi ordenado que o clero cristão fosse preso e que todos os habitantes do império se sacrificassem aos deuses.  Uma vez distinto do judaísmo, o cristianismo não era mais visto simplesmente como uma seita bizarra de uma religião antiga e venerável; mas como uma superstição.A superstição tinha para os romanos uma conotação muito mais poderosa e perigosa do que para grande parte do mundo ocidental de hoje: para eles, esse termo significava um conjunto de práticas religiosas que não eram apenas diferentes, mas corrosivas para a sociedade, "perturbando a mente de um homem de tal maneira que ele está realmente ficando louco" e fazendo com que ele perca humanitas (humanidade). A perseguição a seitas "supersticiosas" dificilmente era desconhecida na história romana: um culto estrangeiro sem nome foi perseguido durante uma seca em 428 a.C., alguns iniciados do culto báquico foram executados quando considerados fora de controle, e medidas foram tomadas contra os druidas durante o início do Principado. Mesmo assim, o nível de perseguição experimentado por qualquer comunidade cristã ainda dependia de quão ameaçadora a autoridade local considerava essa nova superstição. As crenças dos cristãos não os teriam cativado por muitos funcionários do governo: eles adoravam um criminoso condenado (Jesus), recusavam-se a jurar a divindade do imperador, criticavam duramente Roma em seus livros sagrados e conduziam seus ritos com suspeita em particular. No início do século III, um magistrado disse aos cristãos: "Não posso me dar ao trabalho de ouvir as pessoas que falam mal da maneira romana de religião".

 

 

Em 250, o imperador Décio emitiu um decreto exigindo sacrifício público!

 

 

 

Uma formalidade equivalente a um testemunho de lealdade ao imperador e à ordem estabelecida. Não há evidências de que o decreto tenha como alvo os cristãos, mas como forma de juramento de lealdade. Décio autorizou comissões itinerantes que visitavam as cidades e aldeias para supervisionar a execução dos sacrifícios e entregar certificados escritos a todos os cidadãos que os realizavam. Com frequência, os cristãos tinham a oportunidade de evitar punições adicionais oferecendo sacrifícios publicamente ou queimando incenso aos deuses romanos, e eram acusados pelos romanos de impiedade quando recusavam. A recusa foi punida com prisão, tortura e execuções. Os cristãos fugiram para refúgios no campo e alguns compraram seus certificados, chamados “libelli”. Vários conselhos realizados em Cartago debateram até que ponto a comunidade deveria aceitar esses cristãos apóstatas.





Lapsi eram os apóstatas ou cristãos que renegaram sua fé durante as perseguições pelo Império Romano.

 

 

 

 

O termo também engloba os que relaxaram em sua fé e que decidem depois voltar para ela). As perseguições culminaram com Diocleciano e Galério no final do século III e início do século IV. Suas ações anticristãs, consideradas as maiores, seriam a última grande ação pagã romana. O edito de Serdica, também chamado de edito de tolerância de Galério, foi emitido em 311 em Serdica (hoje Sofia, Bulgária) pelo imperador romano Galério, encerrando oficialmente a perseguição diocleciana ao cristianismo no Oriente. Constantino, o Grande, logo chegou ao poder e, em 313, legalizou completamente o cristianismo. Somente em Teodósio I, no final do século IV, o cristianismo se tornaria a religião oficial do Império Romano. Lapsi (latim para "caídos") eram os apóstatas ou cristãos que renegaram sua fé durante as perseguições pelo Império Romano. O termo também engloba os que relaxaram em sua fé e que decidem depois voltar para ela.

 

 

 

 

Graus dos “Cristãos apóstatas” durante a perseguição:

 

 

 

 

1)-Sacrificati: São os que de fato ofertaram sacrifícios aos ídolos. Cristãos que fizeram sacrifícios, especialmente para os deuses romanos. Estes só receberiam a absolvição da Igreja à beira da morte.

 

 

2)-Thurificati: Os que queimaram incenso no altar perante as estátuas dos deuses. Do latim thurificare - "queimar incenso".

 

 

3)-Libellatici: São os que falsificaram o atestado (libellus) ou conseguiram um através de suborno às autoridades. O libellus indicava que tinham feito o sacrifício embora, neste caso, os portadores não o fizeram. Uma sanção era imputada pela igreja a estes como pena. Do latim libellus - "livrinho; carta; certificado".

 

 

 

4)-Acta facientes: São os que mentiram ou de alguma forma salvaram suas vidas. Do latim - "os que fizeram os atos".

 

 

 

5)-Traditores: São os que entregaram às autoridades as Sagradas Escrituras ou artefatos religiosos, ou os que revelaram nomes de outros cristãos. Do latim tradere - "entregar; trair".

 

 

 

 

Como a Igreja os tratou?

 

 

 

 

Durante a perseguição de Décio, os nomes dos cristãos que demonstraram a sua apostasia por um dos cinco métodos acima entravam para sempre nos registros da corte. Após terem recebido seus atestados, com a certeza de que seus nomes já constavam ali, eles se sentiam seguros de novas perseguições. A verdade é que a maioria cedia por fraqueza de vontade, pois a maioria queria continuar cristã. Porém, este desejo ia contra a disciplina da época. Os lapsi de Cartago conseguiram ganhar o apoio de alguns cristãos que permaneceram fiéis, apesar das torturas e da prisão. Estes confessores enviaram cartas em nome dos mártires mortos (libella pacis) ao bispo em favor dos renegados. E assim, muitos conseguiram retornar à Igreja, apesar da oposição de Cipriano de Cartago. Como problemas similares estavam acontecendo em Roma, os opositores de Cipriano buscaram ajuda lá. De seu exílio, o bispo de Cartago mantinha constante contato com a sede vacante de Roma (depois do martírio do Papa Fabiano) e decidiu esperar o final da perseguição para voltar à sua cidade e tratar do assunto. O costume permaneceu então o de exigir a recomendação de um mártir ou confessor e de só admitir novamente os apóstatas no leito de morte ou após uma penitência. Os opositores de Cipriano não aceitaram a decisão e provocaram um cisma. Quando, após a eleição do Papa Cornélio, o padre Novaciano se proclamou antipapa alegando ser o defensor da disciplina rigorista, que se recusava terminantemente a aceitar de volta os lapsi.

 

 

 

Logo após a volta de Cipriano para sua sé episcopal na primavera de 251 d.C., sínodos foram realizados em Roma e em Cartago para discutir a questão. A decisão foi admitir os lapsi após uma penitência.

 

 

 

Sobre a duração dela, os bispos deveriam avaliar as circunstâncias da apostasia, ou seja, se ele foi torturado antes do sacrifício ou se a sua família fora ameaçada. Os que fizeram os sacrifícios de livre vontade (os sacrificati e os thurificati) só receberiam o perdão no leito de morte. Os libellatici poderiam ser admitidos rapidamente. A decisão do Concílio de Cartago foi aceita por Dionísio de Alexandria, pelo Papa Cornélio e por Cipriano de Cartago. Só que no oriente, as visões rigoristas de Novaciano foram recebidas com muita simpatia, por exemplo por Fábio, bispo de Antioquia, e seus colegas em Cesareia Palestina, Cesareia e em Tarso. Só com muito esforço, a maioria dos bispos da região acabou cedendo e um pequeno grupo cismático se formou (os novacianos). Porém, logo se iniciou uma nova onda de perseguições sob Diocleciano e a história se repetiu novamente. Muitos cederam às pressões e caíram em apostasia novamente. E nesta perseguição apareceram os traditores, que cederam livros religiosos às autoridades, em sua maioria, eram bispos. Como na perseguição de Décio, os lapsi, liderados por um Heraclius, tentaram obter a readmissão na Igreja sem realizar a penitência, mas os papas Marcelo e Eusébio se recusaram, aderindo à disciplina penintencial vigente. A confusão e as disputas por conta deste assunto eram tamanhas que Magêncio baniu Marcelo e, depois, Eusébio, assim como Heraclius. Na África (província romana), o cisma donatista surgiu por conta do tratamento dado aos lapsi, principalmente os traditores. Diversos sínodos foram realizados para resolver a questão donatista: Concílio de Elvira (306), Concílio de Arles (314), Concílio de Ancira (314) e o Concílio de Nice.

 

 

 

De 64 d.C a 250 d.C

 

 

 

 

Antes da acusação de Nero de incêndio criminoso e ações anticristãs subsequentes em 64, toda animosidade era aparentemente limitada à hostilidade judaica intramural. No Novo Testamento (Atos 18, 2-3), é apresentado um judeu chamado Áquila que, com sua esposa Priscila, tinha vindo recentemente da Itália porque o imperador Cláudio "ordenou que todos os judeus deixassem Roma". É geralmente aceito que desde o reinado de Nero até as medidas generalizadas de Décio em 250, a perseguição cristã foi isolada e localizada. Embora muitas vezes se afirme que os cristãos foram perseguidos por se recusarem a adorar o imperador. A aversão geral pelos cristãos provavelmente surgiu da recusa em adorar os deuses ou participar de sacrifícios, o que era esperado daqueles que viviam sob a proteção e cidadania do Império Romano. Embora os judeus também se recusassem a participar dessas ações, eles eram tolerados porque seguiam sua própria lei cerimonial judaica, e sua religião era legitimada por sua natureza ancestral. Por outro lado, os romanos acreditavam que os cristãos, que pensavam participar de rituais estranhos e ritos noturnos, cultivavam uma seita perigosa e supersticiosa. Durante esse período, as atividades anticristãs foram acusatórias e não inquisitivas. Os governadores tiveram um papel maior nas ações do que os imperadores, mas os cristãos não foram procurados pelos governadores; em vez disso, foram acusados e processados por meio de um processo denominado cognitio extra ordinem. Não existe uma descrição confiável e existente de um julgamento cristão, mas as evidências mostram que os julgamentos e punições variaram muito, e as sentenças variaram entre absolvição e morte.

 

 

 

 

Nero (54-68)

 

 

 


 

Não há referências à perseguição dos cristãos pelo estado romano anterior a Nero, que, de acordo com Tácito e mais tarde na tradição cristã, culpou os cristãos pelo Grande Fogo de Roma em 64d.C. que destruiu partes da cidade e devastou economicamente a população romana. Nos Anais de Tácito, lemos:

 

 

“Para se livrar do relatório, Nero apoderou-se da culpa e infligiu as torturas mais requintadas a uma classe odiada por suas abominações, chamada Cristãos pela população. Cristo, de quem o nome teve sua origem, sofreu a penalidade extrema durante o reinado de Tibério nas mãos de um de nossos procuradores, Pôncio Pilatos, e uma superstição mais travessa, assim verificada no momento, novamente eclodiu não apenas em Judeia, a primeira fonte do mal, mas mesmo em Roma, onde todas as coisas hediondas e vergonhosas de todas as partes do mundo encontram seu centro e se tornam populares.” (Tacitus' Annals 15.44, see Tacitus on Christ).

 

 

 

 

Domiciano (81-96)

 

 

 

 

Segundo alguns historiadores, judeus e cristãos foram fortemente perseguidos no final do reinado de Domiciano (89-96). O livro do Apocalipse, que menciona pelo menos um exemplo de martírio (Ap 2,13; cf. 6,9), acredita-se que muitos estudiosos tenham sido escritos durante o reinado de Domiciano. O historiador da igreja primitiva Eusébio escreveu que o conflito social descrito por Apocalipse reflete a organização de Domiciano de banimentos e execuções excessivos e cruéis de cristãos...Alguns historiadores, no entanto, sustentaram que havia pouca ou nenhuma atividade anticristã durante o tempo de Domiciano. A falta de consenso dos historiadores sobre a extensão da perseguição durante o reinado de Domiciano deriva do fato de que, embora existam relatos de perseguição, esses relatos são muito superficiais ou sua confiabilidade é debatida. Frequentemente, é feita referência à execução de Tito Flávio Clemente, um cônsul romano e primo do Imperador, e ao banimento de sua esposa, Flavia Domitilla, à ilha de Pandateria. Eusébio escreveu que Flavia Domitilla foi banida por ser cristã. No entanto, no relato de Cassius Dio (67.14.1-2), ele apenas relata que ela, junto com muitos outros, era culpada de simpatia pelo judaísmo. Suetônio não menciona o exílio. Segundo Keresztes, é mais provável que eles se convertessem ao judaísmo que tentaram evitar o pagamento do Fiscus Judaicus - o imposto a todas as pessoas que praticavam o judaísmo. De qualquer forma, nenhuma história de atividades anticristãs durante o reinado de Domiciano faz referência a qualquer tipo de ordenança legal.

 

 

 

Trajano (98-117)

 

 

 

Como imperador civil, Trajano correspondia a Plínio, o Jovem, no assunto de como lidar com os cristãos do Ponto, dizendo a Plínio para continuar perseguindo os cristãos, mas não para aceitar denúncias anônimas no interesse da justiça, bem como do "espírito de a idade". Os não cidadãos que admitiram ser cristãos e se recusaram a se retratar, no entanto, deveriam ser executados "por obstinação". Os tidos como cidadãos romanos foram enviados a Roma para julgamento.Apesar disso, os teólogos cristãos medievais consideravam Trajano um pagão virtuoso.




Adriano (117-138)

 

 

 

 

O imperador Adriano também respondeu a um pedido de conselho de um governador da província sobre como lidar com os cristãos, concedeu mais clemência aos cristãos. Adriano afirmou que apenas ser cristão não era suficiente para que ações contra eles fossem tomadas; eles também deveriam ter cometido algum ato ilegal. Além disso, "ataques caluniosos" contra os cristãos não deveriam ser tolerados, o que significa que qualquer pessoa que intentasse uma ação contra os cristãos, mas falhasse, seria punida.

 

 

 

 

Marco Aurélio e Maximino, o trácio (161-238)

 

 

Os ataques esporádicos da atividade anticristã ocorreram durante o período entre o reinado de Marco Aurélio e o de Maximino. Os governadores continuaram a desempenhar um papel mais importante do que os imperadores nas perseguições durante esse período. Na primeira metade do século III, a relação entre a política imperial e as ações no nível do solo contra os cristãos permaneceu praticamente a mesma:“Foi a pressão de baixo, e não a iniciativa imperial, que deu origem a problemas, rompendo os limites geralmente prevalecentes, mas frágeis, da tolerância romana: a atitude oficial era passiva até ser ativada para enfrentar casos particulares e essa ativação normalmente se restringia ao local e nível provincial.” - A apostasia na forma de sacrifício simbólico continuou a ser suficiente para libertar um cristão. Era prática comum prender um cristão após um julgamento inicial, com pressão, e uma oportunidade de retroceder na fé. O número e a gravidade das perseguições em vários locais do império aparentemente aumentaram durante o reinado de Marco Aurélio (161-180). Um dos casos mais notáveis de perseguição durante o reinado de Aurélio ocorreu em 177 em Lugduno (atual Lyon, França), onde o Santuário dos Três Gauleses havia sido estabelecido por Augusto no final do século I a.C. A única conta é preservada por Eusébio. A perseguição em Lyon começou como um movimento não oficial para ostracizar os cristãos de espaços públicos como o mercado e os banhos, mas acabou resultando em ação oficial. Os cristãos foram presos, julgados no fórum e posteriormente presos. Eles foram condenados a várias punições: serem jogado aos leões, tortura e as más condições de vida da prisão. Escravos pertencentes a cristãos testemunharam que seus senhores participavam de "incesto e canibalismo". Barnes cita essa perseguição como o "único exemplo de suspeita de cristãos sendo punidos mesmo depois da apostasia". Eusébio, no entanto, escreveu sua História Eclesiástica em aproximadamente 300 d.C. ou 120 anos após os eventos que ele referenciou e não está claro se esse evento ocorreu. Além disso, o pai da igreja Irineu, o bispo cristão de Lyon, onde este incidente teria ocorrido, escreveu seu Adversus Haereses em cinco volumes em 180, apenas três anos após a suposta perseguição, mas não menciona nenhuma perseguição que tenha ocorrido em sua cidade. Em vez disso, Irineu escreve: "Os romanos deram paz ao mundo, e nós [cristãos] viajamos sem medo pelas estradas e pelo mar onde quer que desejemos". (Contra as heresias, livro IV, capítulo 30, sentença 3).

 

 

 

Várias perseguições de cristãos ocorreram no império romano durante o reinado de Septímio Severo (193-211):

 

 

 

A visão tradicional era que Severo era responsável se baseia na referência a um decreto que, segundo ele, proibiu conversões ao judaísmo e ao cristianismo, mas esse decreto é conhecido apenas de uma fonte, a História Augusta, uma mistura não confiável de fatos e ficção. O historiador da igreja primitiva Eusébio descreve Severo como um perseguidor, mas o apologista cristão Tertuliano afirma que Severo estava bem disposto para com os cristãos, empregava um cristão como seu médico pessoal e havia intervindo pessoalmente para salvar da "multidão" vários cristãos de alto nível que ele conhecia. A descrição de Eusébio de Severo como perseguidor provavelmente deriva apenas do fato de numerosas perseguições terem ocorrido durante seu reinado, incluindo aquelas conhecidas no martirológio romana como mártires em Madaura e Perpétua e Felicidade na província romana da África, mas provavelmente foram o resultado de perseguições locais em vez de ações ou decretos de todo o império por Severo.

 

 

 

(martírio de Perpétua e Felicidade)

 



Outros casos de perseguição ocorreram antes do reinado de Décio, mas há menos relatos deles a partir de 215 em diante. Isso pode refletir uma diminuição da hostilidade em relação ao cristianismo ou lacunas nas fontes disponíveis.Talvez as mais famosas dessas perseguições pós-Severo sejam as atribuídas a Maximino, o Trácio (r. 235-238). Segundo Eusébio, uma perseguição empreendida por Maximino contra os chefes da igreja em 235 levou Hipólito e o Papa Ponciano ao exílio na Sardenha. Outras evidências sugerem que a perseguição de 235 ocorreram na Capadócia e no Ponto, e não foi desencadeada pelo imperador.

 

 

 

 

Punições imperiais aos cristãos:

 

 

 

 

Os cristãos que se recusavam a se retratar realizando cerimônias para honrar os deuses enfrentariam severas penalidades; cidadãos romanos foram exilados ou condenados a uma morte rápida por decapitação. Escravos, residentes estrangeiros e classes mais baixas eram passíveis de morte por animais selvagens como espetáculo público. Uma variedade de animais foi usada para os condenados a morrer dessa maneira.

 

 

 

 

Décio (249-251)

 

 

Em 250, o imperador Décio emitiu um decreto, cujo texto foi perdido, exigindo que todos no Império (exceto judeus, que estavam isentos) realizassem um sacrifício aos deuses na presença de um magistrado romano e obtivessem um testemunho assinado e testemunhado, certificado, chamado líbelo, para esse efeito. O decreto fazia parte do esforço de Décio para restaurar os valores romanos tradicionais e não há evidências de que os cristãos estavam sendo alvejados especificamente. Alguns desses certificados ainda existem e um descoberto no Egito:

 

 

 


 

 

“Aos responsáveis pelos sacrifícios da aldeia Theadelphia, de Aurelia Bellias, filha de Peteres, e sua filha Kapinis. Sempre fomos constantes no sacrifício aos deuses, e agora também, na sua presença, de acordo com os regulamentos, derramei libações, sacrifiquei e provei as ofertas, e peço que você ateste isso abaixo. Que você continue a prosperar. (Letra da segunda pessoa) Nós, Aurelius Serenus e Aurelius Hermas, vimos você se sacrificando. (Manuscrito da terceira pessoa) Eu, Hermas, certifico. O primeiro ano do imperador Caesar Gaius Messias Quintus Traianus Décio Pio Felix Augustus, Pauni 27.”

 

 

 

 

 

Quando o governador da província, Plínio, escreveu ao imperador Trajano em 112, ele disse que exigia que cristãos suspeitos amaldiçoassem a Cristo, mas não há menção a Cristo ou a cristãos nos certificados do reinado de Décio. Não obstante, foi a primeira vez que cristãos em todo o Império foram forçados pelo edito imperial a escolher entre sua religião e suas vidas, entre estes vários cristãos de destaque, incluindo o papa Fabiano, Bábilas de Antioquia e Alexandre de Jerusalém, resultado de sua recusa em realizar os sacrifícios.Não se sabe o número de cristãos que foram executados como resultado de sua recusa em obter um certificado, nem quanto esforço foi feito pelas autoridades para verificar quem recebeu e quem não recebeu, mas sabe-se que grandes vários cristãos apostataram e realizaram as cerimônias, enquanto outros, incluindo Cipriano, bispo de Cartago, se esconderam. Embora o período de execução do decreto tenha sido de apenas dezoito meses, foi severamente traumático para muitas comunidades cristãs que até então viveram imperturbadas e deixou lembranças amargas desta tirania monstruosa.Na maioria das igrejas, aqueles que haviam caído eram aceitos em comunhão, desde que se submetessem as penitências impostas pela Igreja. Algumas dioceses africanas, no entanto, recusaram-se a admiti-los novamente. Indiretamente, a perseguição deciana levou ao cisma donatista, porque os donatistas se recusaram a abraçar aqueles que obtiveram os certificados.

 

 

 

 

Valeriano (253-260)

 

 

 

 

O imperador Valeriano assumiu o trono em 253, mas a partir do ano seguinte ele estava longe de Roma, lutando contra os persas que haviam conquistado Antioquia. Ele nunca voltou, pois foi levado cativo e morreu prisioneiro. No entanto, ele enviou duas cartas sobre os cristãos ao Senado. A primeira, em 257, ordenou que todo clero cristão realizasse sacrifícios aos deuses romanos e proibia os cristãos de realizar reuniões em cemitérios. Uma segunda carta no ano seguinte ordenou que os bispos e outros oficiais da igreja de alto escalão fossem condenados à morte, e que senadores e personalidades que eram cristãos fossem despojados de seus títulos e perdessem suas propriedades. Se eles não realizassem sacrifícios aos deuses, eles também seriam executados. As matronas romanas que não apostatassem perderiam as suas propriedades e seriam banidas, enquanto funcionários públicos e membros do pessoal e da família do Imperador que se recusassem a sacrificar seriam reduzidos à escravidão e enviados para trabalhar nas propriedades imperiais. O fato de haver cristãos de alto escalão no coração do estamento burocrático imperial romano mostra que as ações tomadas por Décio menos de uma década antes não tiveram um efeito duradouro e que os cristãos não enfrentaram perseguição constante ou se esconderam da opinião pública.Entre os executados sob Valeriano estavam Cipriano, Bispo de Cartago, e o papa Sisto II, com seus diáconos, incluindo São Lourenço.

 

 

 

O exame público de Cipriano pelo procônsul em Cartago, Galerius Maximus, em 14 de setembro de 258 foi preservado:

 

 

 

 

-Galerius Maximus: "Você é Thascius Cyprianus?"

 

 

-Cipriano: "Eu sou".

 

 

-Galério: "Os imperadores mais sagrados ordenaram que você se conformasse com os ritos romanos".

 

 

-Cipriano: "Eu me recuso"

 

 

-Galério: "Preste atenção em si mesmo"

 

 

-Cipriano: "Faça como lhe for pedido; em um caso tão claro que eu não posso prestar atenção".

 

 

-Galério, após uma breve conferência com seu conselho judicial, com muita relutância, pronunciou a seguinte sentença: "Você viveu uma vida irreligiosa e reuniu vários homens vinculados por uma associação ilegal e se declarou um inimigo aberto aos deuses e a religião de Roma, e os piedosos, mais sagrados e augustos imperadores   ... esforçaram-se em vão trazê-lo de volta à conformidade com suas observâncias religiosas; considerando que, portanto, você foi preso como líder principal desses crimes infames, você deve ser um exemplo para aqueles a quem você associou perversamente; a autoridade da lei será ratificada em seu sangue". Ele então leu a sentença do tribunal em uma tábua escrita: "É a sentença deste tribunal que Thascius Cyprianus seja executado com a espada".

 

 

-Cipriano: "Graças a Deus"!

 

 

 

Levado diretamente ao local da execução, Cipriano foi decapitado. As palavras da sentença mostram que, aos olhos do estado romano, o cristianismo não era uma religião e a igreja era uma organização criminosa. Quando o filho de Valeriano, Galiano, tornou-se imperador em 260, a legislação foi revogada e esse breve período de perseguição chegou ao fim; esse período de relativa tolerância entre sua adesão à próxima perseguição em massa é conhecido como a Pequena Paz da Igreja. O primeiro ato de Valeriano como imperador em 22 de outubro de 253 foi fazer de seu filho Galiano seu César e colega. No início de seu reinado, os assuntos na Europa foram de mal a pior, e todo o Ocidente caiu em desordem. No Oriente, Antioquia caiu nas mãos de um vassalo sassânida e a Armênia era ocupada por Shapur I Valeriano e Galiano dividiram os problemas do império entre eles, com o filho tomando o Ocidente e o pai indo para o Oriente para enfrentar a ameaça persa.

 

 

 

 

Diocleciano e Galério (284-305)

 

 

 

 

 

A adesão de Diocleciano em 284 não marcou uma reversão imediata do desrespeito ao cristianismo, mas anunciou uma mudança gradual nas atitudes oficiais em relação às minorias religiosas. Nos primeiros quinze anos de seu governo, Diocleciano expurgou o exército de cristãos, condenou os maniqueus à morte e cercou-se de oponentes públicos do cristianismo. A preferência de Diocleciano pelo governo autocrático, combinada com sua auto-imagem de restaurador da glória romana passada, pressagiou a perseguição mais difundida na história romana. No inverno de 302, Galério pediu a Diocleciano que iniciasse uma perseguição geral aos cristãos. Diocleciano estava cauteloso e pediu orientação ao oráculo de Apolo. A resposta do oráculo foi lida como um endosso da posição de Galério, e uma perseguição geral foi convocada em 24 de fevereiro de 303. O apoio à perseguição dentro da classe dominante romana não era universal. Onde Galério e Diocleciano eram perseguidores ávidos, Constâncio Cloro não estava entusiasmado. Editos perseguidores posteriores, incluindo os apelos para que todos os habitantes se sacrificassem aos deuses romanos, não foram aplicados em seu domínio. Seu filho Constantino, ao assumir o cargo imperial em 306, restaurou os cristãos à plena igualdade legal e devolveu as propriedades que foram confiscadas durante a perseguição. Na Itália, em 306, o usurpador Magêncio expulsou o sucessor de Maximiano, Valério Severo, prometendo total tolerância religiosa. Galério terminou a perseguição no Oriente em 311, mas foi retomada no Egito, Palestina e Ásia Menor por seu sucessor, Maximino Daia. Constantino e Licínio, sucessor de Severo, assinaram o "Edito de Milão" em 313, que oferecia uma aceitação mais abrangente do cristianismo do que o edito de Galério havia fornecido. Licínio expulsou Maximino Daia em 313, pondo fim à perseguição no Oriente.




A perseguição não conseguiu controlar a ascensão da igreja – A espada se rendeu a Cruz!

 

 

 

Em 324, Constantino era o único governante do império, e o cristianismo havia se tornado sua religião preferida. Embora a perseguição tenha resultado em morte, tortura, prisão ou deslocamento para muitos cristãos, a maioria dos cristãos do império evitou a punição. A perseguição, no entanto, fez com que muitas igrejas se dividissem entre aqueles que haviam cumprido a autoridade imperial (os lapsi) e aqueles que haviam se mantido firmes. Certos cismas, como os dos donatistas no norte da África e os melecianos no Egito, persistiram muito depois das perseguições: somente após o ano 411 os donatistas seriam reconciliados com a igreja à qual, em 380, o imperador Teodósio I reservou o título de "católico". Foi sob a tirania do imperador Diocleciano que foi martirizada a jovem virgem de Siracusa Santa Luzia.

 

 

Sobre o autêntico título de Mártir

 

 

 

Os primeiros mártires cristãos, torturados e mortos por oficiais romanos que impunham o culto aos deuses, ganharam tanta fama entre seus co-religiosos que outros quiseram imitá-los a tal ponto que um grupo se apresentou ao governador da Ásia, declarando-se ser cristãos, e exortando-o a cumprir seu dever e matá-los. Ele executou alguns, mas como o resto exigiu, ele respondeu exasperado: "Vocês desgraçados, se quiserem morrer, têm penhascos para pular e cordas para pendurar". Essa atitude foi difundida o suficiente para que as autoridades da Igreja começassem a distinguir nitidamente "entre o martírio solicitado e o tipo mais tradicional resultante da perseguição". Em um conselho espanhol realizado na virada do século III e IV, os bispos negaram a coroa do martírio àqueles que morreram enquanto atacavam os templos pagãos.

 

 

 

Dois mil anos de Igreja

 

 

 


 

Pela História da Igreja podemos ver com clareza a sua transcendência e divindade. Nenhuma instituição humana sobreviveu a tantos golpes, perseguições, martírios e massacres durante 2000 mil anos; e nenhuma outra instituição humana teve uma seqüência ininterrupta de governantes. Já são 265 Papas desde Pedro de Cafarnaum. Esta façanha só foi possível porque ela é verdadeiramente divina; divindade esta que provém Daquele que é a sua Cabeça, Jesus Cristo. Ele fez da Igreja o Seu próprio Corpo (cf. Cl 1,18), para salvar toda a humanidade.Podemos dizer que, humanamente falando, a Igreja, como começou, “tinha tudo para não dar certo”. Ao invés de escolher os “melhores” homens do Seu tempo, generais, filósofos gregos e romanos, etc., Jesus preferiu escolher doze homens simples da Galiléia, naquela região desacreditada pelos próprios judeus. “Será que pode sair alguma coisa boa da Galiléia?” Isto, para deixar claro a todos os homens, de todos os tempos e lugares, que “todo este poder extraordinário provém de Deus e não de nós” (2Cor 4,7); para que ninguém se vanglorie do serviço de Deus.Aqueles Doze homens simples, pescadores na maioria, “ganharam o mundo para Deus”, na força do Espírito Santo que o Senhor lhes deu no dia de Pentecostes. “Sereis minhas testemunhas… até os confins do mundo” (At 1, 8).Pedro e Paulo, depois de levarem a Boa Nova da salvação aos judeus e aos gentios da Ásia e Oriente Próximo, chegaram a Roma, a capital do mundo, e ali  plantaram o Cristianismo para sempre. Pagaram com suas vidas sob a mão criminosa de Nero, no ano 67, juntamente com tantos outros mártires, que fizeram o escritor cristão Tertuliano de Cartago(†220) dizer que: “o sangue dos mártires era semente de novos cristãos”. Estimam os historiadores da Igreja em cem mil mártires nos três primeiros séculos.  Talvez isto tenha feito os Padres da Igreja dizerem que “christianus alter Christus” (o cristão é um outro Cristo), que repete o caminho do Mestre.Mas estes homens simples venceram o maior império que até hoje o mundo já conheceu. Aquele que conquistou todo o mundo civilizado da época, não conseguiu dominar a força da fé. As perseguições se sucederam com os 12 Césares romanos: Décio, Dioclesiano, Valeriano, Trajano, Domiciano, etc…, até que Constantino, cuja mãe se tornara cristã, Santa Helena, se converteu ao Cristianismo. No ano 313 ele assinava o edito de Milão, proibindo a perseguição aos cristãos, depois de três séculos de sangue. E nem mesmo o imperador Juliano, por volta do ano 390, o apóstata, conseguiu fazer recuar o cristianismo, e no leito de morte exclamava: “Tu venceste, ó galileu!”. O grande Império se ajoelhou diante de Cristo; a orgulhosa espada romana se curvou diante da Cruz! A marca impressionante desta Igreja invencível e infalível, esteve sempre na pessoa do sucessor de Pedro, o Papa. Os Padres da Igreja cunharam aquela frase que ficou célebre: “Ubi Petrus, ibi ecclesia; ubi ecclesia ibi Christus” (Onde está Pedro, está a Igreja; onde está a Igreja está Cristo). Já é um cadeia de 266 Papas, ininterrupta. Jamais se viu isso em qualquer outra Instituição humana. Os Impérios acabaram: Egípcio, Babilônico, Caldeu, Persa, Grego, Romano, Mongol … mas a marcha inexorável da Santa Igreja continua!

 

 

 

 

Depois da perseguição romana (externa) vieram as terríveis heresias (internas)!

 

 

 

Já que o demônio não conseguiu destruir a Igreja, a partir de fora, tentava agora fazê-lo a partir de dentro. De alguns patriarcas das grandes sedes da Igreja, Constantinopla, Alexandria, Antioquia, Jerusalém, e outras partes, surgiam as falsas doutrinas, ameaçando dilacerar a Igreja por dentro. Era o pelagianismo, o maniqueísmo, o gnosticismo, o macedonismo, nestorianismo, etc. Mas o Espírito Santo incumbiu-se de destruir todas elas,  e o barco da Igreja continuou o seu caminho até nós. Os grandes defensores da fé e da sã doutrina, foram os “Padres” da Igreja:

 

 

-Inácio de Antioquia (†107),

 

 

- Clemente de Roma (†102),

 

 

-Ireneu de Lião (†202), 

 

 

-Cipriano de Cartago(† 258),

 

 

-Hilário de Poitiers (†367),

 

 

-Cirilo de Jerusalém (†386),

 

 

-Anastácio de Alexandria (†373),

 

 

-Basílio (†379),

 

 

-Gregório de Nazianzo (†394),

 

 

-Gregório de Nissa (†394),

 

 

-João Crisóstomo de Constantinopla (†407),

 

 

-Ambrósio de Milão (†397),

 

 

-Agostinho de Hipona (†430),

 

 

-Jerônimo (420),

 

 

-Éfrem (†373),

 

 

-Paulino de Nola (†431),

 

 

-Cirilo de Alexandria (†444),

 

 

-Leão Magno (†461), e tantos outros que o Espírito Santo usou para derrotar as heresias nos diversos Concílios dos  primeiros séculos.

 

 

 

 

Cristo deixou a Sua Igreja na terra como “a coluna e o sustentáculo da verdade” 1Tm 3,15)!

 

 

 

Todas as outras comunidades cristãs foram  derivadas da Igreja Católica; as ortodoxas romperam em 1050; as protestantes em 1517; a anglicana, em 1534, etc. Depois que desabou o Império Romano do ocidente, coube à Igreja o papel de mãe destes filhos abandonados nas mãos dos bárbaros. S.Leão Magno, Papa e doutor da Igreja, enfrentou Átila, rei dos hunos, às portas de Roma, e impediu que este bárbaro, o “flagelo da História”, destruísse Roma; o mesmo fez depois com Genserico. Aos poucos a Igreja foi cristianizando os bárbaros, até que o rei e a rainha dos francos, Clovis e Clotilde, recebessem o batismo no ano 500. Era a entrada maciça dos bárbaros no cristianismo. Nascia a França católica; “a filha mais velha da Igreja”. Papel importantíssimo nesta conquista lenta e silenciosa coube aos monges e seus mosteiros espalhados em toda a Europa, especialmente os beneditinos, que preservaram a cultura do Ocidente. A Igreja salvou o mundo da destruição dos Bárbaros.Mais adiante, no Natal do ano 800, na Catedral de Reims, na França, o rei franco Carlos Magno era coroado pelo Papa. Também os bárbaros se rendiam à fé de Cristo. Isto foi possível graças aos milhares de evangelizadores que percorreram toda a Europa anunciando a salvação trazida por Jesus ao mundo.Em toda a Idade Média imperou a marca do cristianismo na Europa. Aspirava-se e respirava-se a fé. Surgiram as Catedrais como a bela expressão da fé; as Cruzadas ao Oriente no zelo de libertar a Terra Santa profanada; as Universidades cristãs, Bolonha, Sorbonne, Oxford, Salamanca, Coimbra, La Sapienza, etc, todas fundadas pela Igreja de Cristo. A Igreja é a mãe da cultura e do saber no Ocidente. Mas a fé sempre esteve ameaçada; nos tempos modernos levantaram-se contra a Igreja as forças do materialismo, do comunismo, do nazismo, do racionalismo e iluminismo ateu; e fizeram milhares de mártires cristãos, especialmente neste triste século vinte que há pouco findou.

 

 

 

 

Certa vez Stalin, ditador soviético, para desafiar a Igreja, perguntou: “quantas legiões de soldados tinha o Papa”; é pena que não sobrevivesse até hoje para ver o que aconteceu com o comunismo. Mas a Igreja continua como nunca, até o final da História, quando Cristo voltará para assumir a Sua Noiva. Será as Bodas definitivas e  eternas do Cordeiro com a Sua  Igreja.

 

 

 

Prof. Felipe Aquino – Cleofas

 

 

 

 

Aprofundamento Teológico: Que tipo de “Apostasia” tem perdão? (Hebreus 6,4-6)

 

 

 

A perícope de Hebreus 6, 4-6, trata da sorte dos que se apartam de Deus. O tema que se apresenta é a possibilidade de restaurar aos que passaram por uma profunda experiência cristã, mas depois se apartaram. Poderão ser restaurados à comunhão cristã e receber outra vez misericórdia? Esta passagem causou grande perplexidade e desânimo a muitos. Parece como se ensinasse que os que se apartam da fé estão irremissivelmente perdidos.Para a compreensão desta passagem, entre os diversos pontos de vista defendidos, dois são dignos de consideração:

 

 

 

1)- Que a apostasia da qual aqui se fala, é ter incorrido no pecado imperdoável (conf. Mateus 12,31-32), pois é a única forma de apostasia sem esperança.

 

 

 

2)- Que a passagem, corretamente entendida, não ensina que esta apostasia seja absolutamente sem esperança, senão que essa falta de esperança é condicional (conf. Heb. 6,6).

 

 

 

 

A maioria dos comentaristas aceita o primeiro ponto de vista, ainda que o segundo tem seus fundamentos e pode ser sustentado usando o texto grego.A ideia de que era impossível arrepender-se depois de chegar a certas circunstâncias, era comum entre os judeus. Por exemplo, ensinavam que esse era o caso do homem que pecava desenfreadamente confiando num futuro arrependimento:

 

 

 

“Se um diz: pecarei e me arrependerei, pecarei e me arrependerei, não se lhe dará oportunidade de arrepender-se. [Se um diz]: pecarei, e no dia da expiação tentarei expiação para mim, no dia da expiação não se lhe concede nenhuma expiação” (Mishnah Yoma 8. 9).

 

 

 

 

Era ensinado também que o arrependimento era impossível para o homem que induzia a muitos a pecar:

 

 

 

 

“Qualquer que faz que muitos sejam justos, o pecado não ocorre por causa dele; e qualquer que faz que muitos pequem, eles não lhe concedem a faculdade de arrepender-se” (Mishnah Aboth 5. 18).

 

 

 

 

É interessante também uma passagem do Eclesiástico 5, 4-7:  “Não digas: Pequei, e que me passou? Porque o Senhor é paciente. Do perdão não te sintas tão seguro que acumules pecado depois de pecado. Não digas: Sua compaixão é grande, ele me perdoará a multidão de meus pecados. Porque nele há misericórdia, mas também há cólera, e nos pecadores se desafoga seu furor. Não te demores em voltar ao Senhor, não o difiras de um dia para outro, pois de repente salta a ira do Senhor, e perecerás ao tempo do castigo” .

 

 

 

A Bíblia confirma que o pecado é algo grave. Ao mesmo tempo Deus é poderoso para salvar o maior pecador desde que esteja sinceramente arrependido! Em 1 João 2,1 está escrito: “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.”

 

 

 

 

CONCLUSÃO:

 

 

 

Portanto, concluímos que só não há perdão para quem não quer! Deus é misericordioso! E sua misericórdia é infinita!

 

 

“O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se” (2 Pedro 3,9).

 

 

 

“Cheguemo-nos, pois, com confiança, ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno”(Hebreus 4,16).

 




 



FONTES DE CONSULTAS:

 

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Persegui%C3%A7%C3%A3o_aos_Crist%C3%A3os_no_Imp%C3%A9rio_Romano#:~:text=A%20partir%20de%20250%20d.C,apostataram%20para%20escapar%20da%20execu%C3%A7%C3%A3o.

 

 

 

https://cleofas.com.br/dois-mil-anos-de-igreja/

 

 

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lapsi

 

 

 

 

------------------------------------------------------

 

 

 

 

APOSTOLADO BERAKASH: Como você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger