A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Liturgia não é ACHOLOGIA, nem muito menos a Casa da mãe Joana

Liturgia não é ACHOLOGIA, nem muito menos a Casa da mãe Joana

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 18 de abril de 2018 | 22:04




A Pastoral Litúrgica é de importância basilar na vida da Igreja. A formação das Comissões Forâneas, que objetivarão, além do estudo aprofundado da liturgia, a normatização das práticas e atos dentro e fora das celebrações. Claro que como em todas as dimensões da Igreja, existem sempre desafios a serem superados, por isto é preciso sempre uma catequese voltada para aquilo que deve ser preservado como correto na vivência da liturgia, portanto, deve-se ter a profunda consciência de celebrar ricamente e fielmente a liturgia, onde a Santa Missa não é celebrativa, mas celebrada, pois a mesma é sempre atual.




Podemos, pela Liturgia, estabelecer uma intimidade com o divino pela linguagem dos sinais e símbolos. Só se celebra o que aconteceu e se viveu: uma data importante na vida das pessoas, da nação, um fato histórico de um povo, um momento marcante da fé. A liturgia, como memorial, é a celebração de eventos significativos da história de um povo, correlacionando-o com o transcendente. Para os católicos, é a celebração dos diversos momentos da história da salvação, fazendo memória da ação de Deus em favor dos seus eleitos.


No relato do início dos primeiros cristãos, Lucas descreve uma celebração litúrgica com riqueza de detalhes: “Eles se mostravam assíduos ao ensinamento dos apóstolos, à comunhão fraterna, à fração do pão e às orações”. A catequese litúrgica portanto, gera a comunhão fraterna, verdadeira Igreja. Entendida e vivida esta comunhão, como capacidade de dar e receber, abertura interior para acolher e edificar, ter o mesmo sentimento, é possível participar da fração do pão da unidade.




Resta, então, a abertura à oração, intimidade da criatura com o Criador. Com isto está formado o tripé dos primeiros cristãos: ensinamento, comunhão, oração.A Liturgia não é só celebração ritual, é ação, gesto concreto, assembleia, unidade de culto, atitude interior que se projeta no exterior. É externar o Deus vivo que está no interior da alma. É testemunho, partilha.A Liturgia é compreendida melhor quando entramos na Tradição viva da Igreja, tanto oral como escrita, recebida como dom a ser preservado e vivido em espírito de fé e de oração. Este é o verdadeiro espírito para celebrar e participar da liturgia.






Não se trata de produzir emoções superficiais e fugazes, por meio de atitudes piegas particulares para entrar no rito, ou agradar a alguém, porque o verdadeiro “espírito da liturgia” é o espírito de oração adorante, de quem está “diante de Deus para servi-lo” (cf. Missal Romano - Paulo VI - Oração Eucarística II).O Papa Bento XVI afirma, com base em sua experiência, que é edificante aprender a compreender a liturgia com o sentido eclesial e dinâmico da verdadeira Tradição, pela oração litúrgica. Por isso, é necessária a formação pela catequese, para iluminar as trevas da ignorância e derrubar as falsas ideologias cultuais, compreendendo o sentido sagrado do culto divino (oração e liturgia) e sua relação com toda a história da Salvação, que a Igreja professa em seus filhos: Cabeça e membros, Pastor e rebanho, expressando literalmente: Para que a oração desenvolva esta força purificadora, deve, por um lado, ser muito pessoal, um confronto do meu eu com Deus, com o Deus vivo; mas, por outro, deve ser incessantemente guiada e iluminada pelas grandes orações da Igreja e dos santos, pela oração litúrgica, na qual o Senhor nos ensina continuamente a rezar de modo justo. O Cardeal Van Thuan, contou no seu livro de Exercícios Espirituais, como em sua vida tinha havido longos períodos de incapacidade para rezar, e como ele se tinha agarrado às palavras de oração da Igreja: ao Pai Nosso, à Ave Maria e às orações da Liturgia. (Livro: Testemunhas da esperança). Na oração, deve haver sempre este entrelaçamento de oração pública e oração pessoal. Assim podemos falar a Deus, e assim Deus fala a nós. Deste modo, realizam-se em nós as purificações, mediante as quais nos tornamos capazes de Deus e idóneos ao serviço dos homens. Assim tornamo-nos capazes da grande esperança e ministros da esperança para os outros: a esperança em sentido cristão é sempre esperança também para os outros. É a esperança ativa que nos faz lutar para que as coisas não caminhem para um fim perverso. É esperança ativa precisamente também, no sentido de mantermos o mundo aberto a Deus. Somente assim, ela permanece também uma esperança verdadeiramente humana.



CONCLUSÃO:



Para que as ações litúrgicas produzam o que significam, Cristo se faz presente em todas elas: está presente na pessoa do ministro, nas espécies eucarísticas, nos sacramentos, quando se leem as Escrituras é Cristo quem fala, na assembleia, pois assim ele nos assegurou: “quando dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, aí estarei no meio deles” [Mateus18,20]. Na Liturgia Deus é sempre glorificado e a Humanidade santificada. Portanto a Liturgia é por excelência o exercício do sacerdócio de Cristo. Nesse sentido, a essência da catequese litúrgica é conduzir o fiel ao mistério, fazendo-o membro da Trindade Santa revelada em Cristo, e enriquecida com a contemplação. Quanto mais nos familiarizarmos com a liturgia, mais íntimos de Deus seremos. Pela Liturgia a Igreja vai à frente levando o estandarte de Cristo, juntando todos os filhos dispersos pelo mundo no único Corpo, formado um só rebanho e um só Pastor.




Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger