A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » ''Francisco me lembra o Papa João XXIII'', diz um dos fundadores da Teologia da Libertação: Gustavo Gutiérrez

''Francisco me lembra o Papa João XXIII'', diz um dos fundadores da Teologia da Libertação: Gustavo Gutiérrez

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 15 de setembro de 2013 | 21:44



Em entrevista, Gustavo Gutiérrez destaca que o papa tocou teclas que não eram tocadas há muito tempo:

“A evangelização e o anúncio do reino é para TODOS ”

Por Angelo Sarto,

"Falar da importância do pobre, da solidariedade com os pobres... isso vem do Evangelho. A teologia da libertação apenas lembrou tudo isso, não o criou,está no Evangelho! E o papa é muito evangélico".

A afirmação é de um dos fundadores da teologia da libertação, o padre Gustavo Gutiérrez, dominicano, que participou do Festiva letteratura em Mântua, na Itália, com o seu "velho amigo", o arcebispo Gerhard Ludwig Müller, hoje prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.


Eis a entrevista:

1)-Padre Gutiérrez, a ótima acolhida manifestada pelo L'Osservatore Romano ao seu livro Dalla parte dei poveri (Edizioni Messaggero - Editrice Missionaria Italiana), escrito juntamente com Dom Müller, marca uma reviravolta nas relações entre o Vaticano e a teologia da libertação. O que o senhor pensa a respeito?



Gustavo Gutiérrez: Esse livro foi publicado em alemão e em espanhol há nove anos. Estou muito contente com essa acolhida positiva. Isso mostra que a teologia da libertação é uma contribuição entre as outras teologias. Dom Müller fala disso muito claramente. Estou muito feliz com essa aprovação do meu velho amigo Müller.

2)-Qual relação existe, pelo que o senhor saiba, entre Bergoglio e a teologia da libertação? Há quem diga que ele a condenou no passado...

Que eu saiba, ele nunca a condenou, me disseram alguns dos meus amigos que lhe são muito próximos. Veja, eu não estou tão interessado na teologia da libertação, mas sim no Evangelho. A teologia da libertação é uma teologia, pensada para lembrar algo importante do Evangelho: a presença dos pobres no mundo, a opção preferencial pelos pobres por parte da Igreja. Se houve contatos entre Bergoglio e a teologia da libertação? Talvez, por que não? Eu prefiro ver as coisas assim e não colocar o papa em uma teologia, mas apenas no Evangelho.

3)- Alguns observadores defendem que Bergoglio está levando adiante algumas propostas da teologia da libertação no plano do seu compromisso como pastor...


Eu acredito, talvez, que ele esteja levando adiante o Evangelho, não exatamente uma teologia, mas no máximo uma teologia próxima à teologia da libertação. Falar da importância do pobre, do compromisso, da solidariedade com os pobres... isso vem do Evangelho. A teologia da libertação apenas lembrou isso, não o criou: está no Evangelho! E o papa é muito evangélico, o seu modo de agir o demonstra.

4)- Leonardo Boff defendeu que o Papa Francisco fará, no futuro, sinais para reabilitar a teologia da libertação, muitas vezes criticada pelo Vaticano. A seu ver, isso vai acontecer?


(Risos.) Fazer previsões é sempre difícil. Mas parece que isso pode acontecer, embora eu não possa dizer como, porque não posso responder por aquilo que o papa fará. Mas este momento é muito rico, interessante e evangelicamente novo! Eu espero que este clima continue. Não tanto para a teologia da libertação, mas para ir à raiz do Evangelho. Eu não conheço Bergoglio diretamente, mas apenas através de amigos que lhe são muito próximos. Eu ouvi falar dele há muito tempo como jesuíta na Argentina, como bispo, arcebispo e cardeal em Buenos Aires. Estou muito feliz por esses meses depois da eleição a papa. Ele ajudou muito a fé com um estilo muito evangélico de vida da Igreja.


5)- Qual é a urgência que Francisco deve enfrenta mais na Igreja de hoje?

Não é fácil dizer. Quando se vê a Igreja como papa, tem-se outro panorama. Mas o que ele fez hoje foi falar do Evangelho na periferia, é uma metáfora muito interessante. Essa é a missão da Igreja: anunciar o reino de Deus a todos, com uma ênfase especial na periferia do mundo. Isso é o que eu acho tão evangélico em Francisco! As duas coisas que ele começou a fazer, ou seja, a reforma da Cúria e a reforma econômica do IOR, são as mais acertadas. Mas, acima de tudo, é interessante uma presença renovada da fé no mundo de hoje. Ele tem uma análise da realidade que me parece muito interessante. É muito original e criativo nos gestos. Eu não posso dizer que ele tem que fazer isto ou aquilo! Não é tarefa minha. Mas eu estou muito contente em ver essa presença e esse "ar fresco" na Igreja que Francisco trouxe.

6)- Muitas pessoas voltaram à Igreja graças a Francisco. Por quê?


Ele tocou teclas que não eram tocadas há muito tempo: A evangelização e o anúncio do reino é para TODOS. Isso significa ir ao encontro dos pontos importantes, por exemplo a justiça. Francisco está enfatizando muito essa novidade, com um carisma verdadeiramente extraordinário. Ele me lembra o Papa João XXIII.

Fonte: Vatican Insider


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger