A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , , , » A Igreja Católica negava a educação ? escondia e queimava os livros na Idade Média, para manter o povo analfabeto, como afirmam alguns professores Universitários ?

A Igreja Católica negava a educação ? escondia e queimava os livros na Idade Média, para manter o povo analfabeto, como afirmam alguns professores Universitários ?

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 25 de agosto de 2013 | 23:01




É incrível que professores universitários se atrevam a mentir dessa maneira, porque suponho que eles não sejam ignorantes.


Se não fosse a Idade Média eles não seriam professores, e professores de Universidades.


Pois quem fundou as Universidades foi a Igreja Católica e exatamente na Idade Média.


Na Antiguidade nunca houve universidades, nem educação para todos. Foi Cristo que ordenou aos Apóstolos: "Ide e ensinai". E, por isso, a Igreja sempre ensinou a todos.

Foi a Igreja que fundou as Universidades:


1)- Em Salerno, no sul da Itália, surgiu a primeira faculdade de Medicina.


2)- Depois, surgiu a Universidade de Bolonha na qual se estudava inicialmente o Direito.


3)- Em Paris nasceu a Sorbonne, na qual ensinaram Santo Alberto, o Grande, São Tomás de Aquino e São Boaventura, entre outros. A Sorbonne ficou famosa como a principal Universidade em teologia e Filosofia.

4)- Em Orleans, a Faculdade se notabilizou no Direito Civil, enquanto em Toulouse se destacaram os estudos médicos.

5)- Em Montpellier os estudos de Medicina alcançaram alto nível, rivalizando com Salerno.

6)- Havia ainda, na França, Faculdades em Angers, Cahors, Gray e Avignon.


No século XIII graças a Igreja Católica as universidades se espalharam por toda a Europa:


Na Inglaterra, Oxford e Cambridge. Na Itália, fundaram-se universidades em Vicenza, Reggio, Arezzo, Padua, Nápoles, Treviso, Pavia, Piacenza, além de Bologna e Salerno, que já citei antes.


Em Roma, Siena, e Piacenza tiveram as suas Faculdades. Peruggia se orgulhava de ter uma universidade com muitas Faculdades no século XIV.


Havia universidades em Praga, em Colonia, Na Espanha, fundaram-se universidades em Lérida, Huesca, Salamanca, Palencia, Valladolid. Em Portugal, tivemos a nossa famosa Coimbra.


No século XIV fundaram-se universidades em Heidelberg, Viena, Leipzig, Koppenhagen, Rostock, Crakow e Erfurt. Na Hungria nasceram as Universidades de Budapest e Pecz. Na Escócia, surgiram universidades em Glaskow e Aberdeen.


Por toda a parte havia Universidades, e o número de estudantes era imenso, e, proporcionalmente maior do que em muitos países, hoje.



Consta que em Oxford, no século XII, já havia por volta de 20.000 estudantes. Na Sorbonne, o número de estudantes no século XIII era maior do que no século XIX. (Cfr. James J. Walsh, The Thirteenth, Greates of Centuries, Catholic School Press, NewYork, 1929, p.59).


E o nível dos estudos, naqueles tempos, era bem maior do que hoje:

Na Idade Média, havia debates entre filósofos. Hoje, os universitários vão assistir os vale tudo e os Bigs inutilidades qualquer.


Quando São Bernardo foi debater com o famoso Abelardo em Sens, multidões de estudantes se deslocaram para assistir a discussão.


Certa vez, há mais de quarenta anos, li um artigo de Jean Cau que cito de memória e não ipsis litteris:

"Foi a Idade Média "analfabeta" que produziu Dante e a Divina Comédia, e foi Portugal "ignorante" que produziu Camões (já na Idade Moderna)".


Jean Cau debochava dos ignorantes professores do século XX que acusam a Idade Média de não saber ler e de que a Igreja mantinha o povo na ignorância.


Assim como não surge um Everest numa planície amazônica, assim só pode nascer um gênio como Dante em um ambiente cultural elevado, onde haja muitos homens capazes de entendê-lo. Dante é a ponta de um iceberg de cultura. E no tempo de Dante até mesmo os carregadores de barcos no rio Arno, em Florença, repetiam de cor os seus versos.


O que um estudante universitário de hoje é capaz de ler e entender de um Clássico da literatura mundial como Dante?


Desde tempos imemoriais, nas Abadias e nas igrejas paroquiais, havia escolas para os monges e para o povo. Ainda no século XIII, em 1215, o IV Concílio de Latrão estabeleceu que em cada Catedral houvesse uma escola de gramática.

O Papa Honório III, sucessor de Inocêncio III determinou que o Bispo que não tivesse estudado a Gramática de Donato devia ser deposto (Cfr. James J. Walsh, The Thirteenth, Greates of Centuries, Catholic School Press, NewYork, 1929, p.30).


É bem conhecido o impulso que Carlos Magno deu às escolas e aos estudos, desde o século VIII e IX:


Nas Abadias, foram os monges não esconderam, mas que preservaram dos bárbaros toda a cultura greco-romana, copiando página a página, linha a linha os autores clássicos.

Se a cultura clássica chegou até nós, isso se deve à Igreja Católica através dos monges beneditinos. Além disso, os monges copiaram as obras patrísticas, acumulando um tesouro inestimável de cultura.


Evidentemente, livros copiados à mão eram caros e raros. Não se conhecia o papel e a imprensa.

Mas todas as Abadias, Mosteiros e conventos tinham as suas bibliotecas.

Livros eram caros, e muitos eram copiados em letras de ouro e com ricas iluminuras.Estes livros mais caros eram, por vezes acorrentados nas estantes para evitar roubos.

Daí a lenda das Bíblias acorrentadas que deviam ser lidas no local das bibliotecas sem poderem ser retirados delas. Mas havia um sistema de empréstimo de livros para consultas.

Houve uma determinação de um Concílio de Paris, em 1212, sobre o empréstimo de livros como obra de caridade (cfr. Joan Evans, The Fowering of the Middle Ages, Thames and Hudson, London,1966 pp. 193-195).


Podemos então constatar com historiadores sérios como é falsa a alegação da ignorância da Idade Média.

Para esses tolos inimigos da Igreja, a cultura nasceu de repente, no Renascimento, que na verdade, foi a morte de muitas coisas, pois foi ele que trouxe de volta o paganismo com seus vícios e com a escravidão.

FONTE BIBLIOGRÁFICA:

NUNES, Ruy Afonso da Costa. História da Educação na Idade Média. São Paulo: EDUSP, 1979.


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger