A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , , , » ATENÇÃO CATÓLICOS: A “Pastoral da Diversidade sexual”, é apenas uma EXPERIÊNCIA na diocese de BH - Não é formalmente reconhecida pela Igreja

ATENÇÃO CATÓLICOS: A “Pastoral da Diversidade sexual”, é apenas uma EXPERIÊNCIA na diocese de BH - Não é formalmente reconhecida pela Igreja

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 1 de agosto de 2017 | 22:39


Padre Aureo Nogueira de Freitas, do Santuário São Judas Tadeu tem primeira Pastoral da Diversidade Sexual de BH. Declara o mesmo:


“Os tempos e os costumes mudaram, e a abertura para os gays começou com uma entrevista do papa Francisco, em 2013, quando em um avião declarou: “Se uma pessoa é gay, busca a Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?”. Já no ano passado, o sumo pontífice disse que a Igreja deveria pedir perdão aos homossexuais pela forma com que os tratou no passado. “Eles devem ser respeitados, acompanhados pastoralmente”, pregou.”



A Pastoral da Diversidade Sexual do Santuário São Judas Tadeu, em Belo Horizonte, é primeira a ser registrada oficialmente na arquidiocese da capital com o foco em acolhimento de gays, lésbicas, transexuais, transgêneros e suas famílias, como parte da comunidade da Igreja Católica.


Fonte:www.em.com.br/app/noticia/gerais/2017/06/12





Ora, com esta lógica pastoral do padre Aureo  Nogueira de BH (e não da Igreja), quer dizer que,  se a pessoa tem tendência a Pedofilia, ao sadomasoquismo, a zoofilia, ao incesto, poligamia e adultério consentido pelos parceiros, taras sexuais das mais diversas formas e quilates, e diz que “não tem culpa por ter nascido assim”, o importante é ser livre e feliz, então vamos agora criar as pastorais específicas de acordo com as preferências sexuais,  para acolher estas pessoas ?


A “Pastoral da Diversidade”, é apenas uma EXPERIÊNCIA na diocese de BH. Se você fizer uma pesquisa no site do Vaticano, ou da CNBB, não vai encontrar nada sobre esta suposta pastoral, e nem um bispo á frente da mesma, portanto, ela não é formalmente reconhecida pela Igreja. Esta pastoral infelizmente, talvez até com as melhores e mais sinceras intenções, e com isto se comprova que a sinceridade não é o critério da verdade, pois uma pessoa pode estar sinceramente enganada, é este o caso que vemos concretamente aqui. A justificativa para a implantação desta experiência  pastoral, parte de argumentos descontextualizados, princípios equivocados e mal interpretados, e acabou deturpando completamente as palavras do Papa Francisco ao dizer em duas ocasiões distantes e diferentes, estas duas declarações abaixo (destacadas em vermelho):




1ª)- “Se uma pessoa é gay, procura Deus,  e tem boa vontade, quem sou eu, para julgá-lo?...” (Em voo de Volta a Roma em Julho de 2013).



Eu sabia que isso ia acontecer, só não esperava que fosse tão rápido. Mais cedo ou mais tarde a imprensa, ou até mesmo pessoas de dentro e fora da Igreja, acabariam mudando ou interpretando a fala do santo Padre para interesses distantes daquili que ele realmente quis dizer, ou seja: Distorceram as palavras do Santo Padre. O Pontífice tinha razão quando disse ainda na sua saída de Roma para o Brasil, que estar ao lado dos jornalistas era como estar cercado de “lobos ferozes”. Mesmo o Papa tendo falado de compromisso e responsabilidade, mesmo discursando contra a “cultura do provisório, do relativo”, defendendo o valor da família e do matrimônio, os jornalistas ativistas (ou ativistas jornalistas) insistem em tentar recriar uma imagem de um Papa progressista, nem que para isso eles tenham que “manipular” a informação.




Nós católicos precisamos ter muito cuidado com a leitura que a mídia e algumas pessoas fazem das declarações dos Papas, Cardeais, Bispos e concílios. Quando escrevem ou falam fé e moral, a grande maioria dos jornalistas e teólogos (os formadores de opinião), querem forçar a barra, no intuito de militar contra a Igreja de Cristo e a favor de um “progressismo” que não ajuda em nada a Igreja, nem ao homem alvo da misericórdia de Deus e escravizado pelo pecado, principalmente aos da carne:


Obras da carne a serem renunciadas e não buscada, citadas em Gálatas 5,19-21: “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.



Os fruto do Espírito que devem ser buscados e acolhidos, citado em Gálatas 5,22 – 25: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências...”



Ao contrário, vemos que esta libertinagem fere os valores Cristãos, provocando uma paralisação na ascese de nosso chamado a santidade. Ainda no avião enquanto regressava a Roma o Papa Francisco concedeu uma entrevista aos jornalistas da sua comitiva no avião. O Pontífice abordou temas espinhosos; entre eles, a questão da homossexualidade. Aqui um grande parênteses: “Não falou nada de novo em matéria moral”. Leia o que ele disse:



“Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, para julgá-lo? O Catecismo da Igreja Católica explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser discriminados por causa disso, mas integrados na sociedade.”




Acolhê-los e integra-los na vida da Igreja, significa acolhê-los com amor, e respeito. Isto não quer dizer: justificar e acolher o seu pecado, sem leva-los a uma experiência de conversão e mudança de vida com a sua verdade, sem negá-la, mas ajudando-os a santificarem-se na vivência da castidade.



O ensinamento OFICIAL da Igreja sobre a Homossexualidade:




A doutrina católica em relação à homossexualidade está resumida em três artigos do Catecismo da Igreja Católica; 2357, 2358 e 2359.



O QUE DIZ O MAGISTÉRIO DA IGREJA CATÓLICA  SOBRE O HOMOSEXUALISMO NESTES ARTIGOS ?



CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA Nº§2357 CASTIDADE E HOMOSSEXUALIDADE :A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva ou predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. Sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a tradição sempre declarou que “os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados”. São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados.



CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA Nº §2358 :Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.



CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA Nº §2359 As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.




Mas bastou esta frase para que vários portais de notícias festejassem o que na opinião deles seria o consentimento da igreja para o ato homossexual. Nada mais falso. Antes da frase acima ele falou algo que a imprensa fez questão de não citar:



“Segundo o Catecismo da Igreja Católica, a orientação homossexual não é pecado, mas os atos, sim.”(É preciso separar o pecado do Pecador, Deus odeia apenas o pecado, mas ama o pecador, que é sempre alvo de sua misericórdia).




Para não deixar nenhuma dúvida, vamos ler o trecho do Catecismo ao qual o próprio Papa remete. Assim não deixemos que haja dúvidas sobre um provável desacordo entre as palavras do Papa e o ensinamento moral da Igreja:




“Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.” (CIC§2358)



Moral da história: 



A Igreja continua condenando o pecado, não o pecador. E, justamente porque o ama, chama-o à conversão, à castidade. Por causa de sua condição, eles não devem ser injustamente discriminados, mas tratados com respeito e dignidade. Este é o ensinamento da Igreja e esta é a referência do Papa.Agora a grande prova da maldade da imprensa em deturpar as palavras do Papa, foi a omissão de um trecho da entrevista.



Quando perguntado sobre porque não falou aos jovens sobre questões polêmicas como o aborto ou o “casamento” gay, o Santo Padre disse:


“A Igreja já se expressou perfeitamente sobre isso. Eu não queria voltar a falar sobre isso. Não era necessário voltar a falar sobre isso, como também não era necessário falar sobre outros assuntos. Eu também não falei sobre o roubo, sobre a mentira. Para isso, a igreja tem uma doutrina clara. Queria falar de coisas positivas, que abrem caminho aos jovens. Além disso, os jovens sabem perfeitamente qual a posição da igreja”.






Não satisfeito, o repórter perguntou: E a (posição) do papa?



O resultado foi uma resposta do Papa Francisco, digna de alguém coerente e fiel aquilo que abraçou e prometeu ser fiel até o fim(que mais pareceu um cruzado de direita no queixo):



“A posição do Papa, é a da Igreja, eu sou filho da Igreja.”


 

2ª)- “ A Igreja deve pedir perdão a gays por tratamentos no passado...”

 

 

A Declaração foi dada em voo de volta da Armênia para o Vaticano, em 26/06/2016, mas vejamos ela completa, e não tirando o TEXTO DO CONTEXTO, para servir de pretexto a falsas deduções:

 

 

“Eles devem ser respeitados, acompanhados pastoralmente”, afirmou. E acrescentou: "Acho que a Igreja não deve apenas pedir desculpas a uma pessoa gay a quem ofendeu, mas também deve pedir desculpas aos pobres, bem como às mulheres que foram exploradas, às crianças que foram exploradas por trabalhos forçados. Deve pedir desculpas por ter abençoado tantas armas... "






CONCLUINDO CORRETAMENTE A FALA DO PAPA FRANCISCO:


A Igreja, bem como o próprio Deus,  continua condenando o pecado, não o pecador. E, justamente porque o ama, chama-o à conversão, e à castidade. Por causa de sua condição, eles não devem ser injustamente discriminados, mas tratados com respeito e dignidade. Este é o ensinamento verdadeiro, correto e de sempre da Igreja,  e esta é a referência do Papa.



A questão éPorque nenhum meio de comunicação noticiou este fato na íntegra ?



Talvez encontremos a resposta quando perguntamos:


A quem interessa o “lobby gay”?


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger