A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » Afinal D. Helder Câmara era ou não Comunista ?

Afinal D. Helder Câmara era ou não Comunista ?

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016 | 08:49













Os ultra Conservadores, sede vacantistas e Lefebvristas,são rápidos em tecer seu ódio visceral a D. Helder  e se considerarem mais católicos que ele e ou qualquer outro Católico, pois se consideram o supra supro da Igreja. Só para lembrar e deixar claro pra todo mundo: Lefbvre morreu excomungado pela Igreja. Era um cismático, radical, sem humildade,extremamente orgulhoso, prepotente e insubmisso, tanto que criou sua própria Igreja. Dom Hélder não,Inclusive está sepultado com todas às honras que merece um Católico na Catedral de Olinda-PE. e morreu silenciosamente em obediência a Santa mãe Igreja.




Sou adepto do Verdadeiro Conservadorismo, este conjunto de bons valores e sentimentos herdados, esta maneira de ver o mundo e compreender a ordem social segundo uma tradição constante e correta de interpretar os acontecimentos à luz da Palavra de Deus e da Sagrada tradição sob o magistério da Igreja.






Ora, segundo o grande teórico do Conservadorismo Russell Kirk, no seu Dez Princípios Conservadores, o conservador acredita na natureza humana, em princípios morais sólidos, fundamentados na tradição de nossa civilização, uma ordem moral que herdamos de nossos antepassados e sobre a qual construímos o nosso presente, tendo em vista o futuro, o conservador crê no valor da tradição, dos costumes, e sobre este alicerce firme assenta sua opinião política, desejosa sempre da ordem social e do bem comum.




O segundo motivo é que sou católico. E como católico, sou adepto e defensor dos princípios morais fundamentais da minha religião. Creio que a Moral Católica é o melhor que há para o desenvolvimento das virtudes, para uma vida digna e para a constituição de uma ordem moral e social justa e certa. Creio piamente nos preceitos morais da Santa Madre Igreja.



Alguns Conservadores fanáticos e de pensamento engessado caem em um erro parecido com o dos protestantes:




Os protestantes falavam da “sola Scriptura” como norma remota da Revelação e do “livre exame” como norma próxima, destruindo a Tradição e o Magistério sob o mesmo princípio.



Alguns atuais Conservadores parecem que têm como norma a “sola Traditio” e, como norma próxima, o livre exame, isto é, o que eles mesmos dizem ao selecionarem as partes do magistério mais cômodas e que justifiquem sua conduta, que pertence ou não à Tradição, aplicando o mesmo princípio protestante do “livre exame” à Bíblia e ao Magistério.Por isso, estão em conflito com o que desde sempre foi o próprio coração da Tradição, que é o Primado INTEGRAL dos Papas(Do passado e do presente), desde o “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt 16,18), passando por Santo Inácio de Antioquia aos cristãos de Roma: “ estejam purificados de todo matiz estranho...e preside na caridade”, até o nosso atual papa, esta atual sucessão e tradição, quer queiram ou não, é legítima.




E assim como, paradoxalmente, os protestantes com a “sola Scriptura” ficaram sem a Escritura integral os conservadores fanáticos , analogamente, com a “sola Traditio” ficaram sem a Tradição integral e verdadeira, mas apenas com partes dela.


Ora, quem tem autoridade, dada por Cristo, para dizer que algo é ou não é de fé? Os atuais Conservadores que se arrogam tal direito ou os sucessores de Pedro?Os que estudaram este tema (Cf. F. Marín Solá. O.P., Evolución homogénea del dogma católico, Ed. BAC, Madrid),provam que é o Magistério da Igreja o que torna explícito o que estava implícito.




Além disso, deve-se dizer que esta evolução acidental não pode ser parada, já que é obra do Espírito Santo. Parece-nos que não é nenhuma proposta sábia considerar que tudo se arrumaria voltando o rito codificado por São Pio V, que a Bíblia só fosse lida em latim, que o último catecismo católico fosse o “Catecismo Romano”.



Até um certo ponto acho positivo o VERDADEIRO E INTEGRAL CONSERVADORISMO,mas a partir do do momento em que vira puritanismo Cego e descamba para o extremismo excludente ,intransigência,ruptura e descontinuidade com criticas e visões parciais da realidade e da modernidade, fica completamente negativo e mutilado este mesmo conservadorismo manco.



Ser conservador é estar vigilante com relação à manutenção dos bons princípios, da ética e da moral social fundamentada nos valores Cristãos. Mas ser extremista e Conservador fanático ao meu ver significa não respeitar o livre arbítrio e as liberdades individuais. Ser conservador ao extremo é não respeitar as diferenças, é ser preconceituoso com aqueles que pensam diferente, é ser ditador, é querer impor suas ideias e não a Tradição Integral da Igreja a força.




Não é mal ser um bom Conservador,ao contrário, é bom resgatar valores que se perderam ao longo do tempo, mas veja bem “VALORES”. Digo isso, pois junto com esses valores vem muito preconceito, preconceito esse que devemos deixar no passado, junto com tudo de ruim (e sem anacronismos) que alguns de nossos líderes como filhos de seus tempos o fizeram.




O problema do conservadorismo radical é que este trava a igreja em normas e pensamentos que não condizem mais com a nossa realidade. E se seguimos uma única igreja, não podemos ter dois discursos. O que acontece atualmente é que alguns Conservadores radicais falam uma língua e a nossa igreja outra.E entre esses dois discursos, é mais prudente ficar com o discurso “oficial”da Igreja em seu santo e sagrado magistério INTEGRAL de sempre, aliado a tradição e a palavra, do que com discursos isolados, mancos e parciais destes pseudos guardiões da sua própria Tradição,manca e não integral.Não podemos confundir opiniões pessoais dos Papas e autoridades da Igreja (Que estão sujeitas a erros e revisões) com o MAGISTÉRIO DA IGREJA, ao qual o próprio Papa e todas as autoridades da Igreja Católica são submissos. Portanto, entre opiniões pessoais e o magistério, não hesitemos em optar pelo magistério infalível e integral da Igreja, que é seguro e salvífico.”



D Helder foi um homem do seu tempo, aberto ao novo, defensor da dignidade humana e da liberdade. Era referencia em todas as grandes Universidades do planeta, foi doutor honoris causa da Universidade da Sorbone em Paris. Ele saiu pelo mundo denunciando as péssimas condições de vida dos pobres brasileiros e da população em geral, sendo inclusive apontado como concorrente ao Prêmio Nobel da Paz(Comunista indicado a prêmio Nobel da Paz?).


Na década de 30, já ordenado como padre, Helder Câmara acaba sendo atraído pela luta política da Ação Integralista Brasileira (AIB).


Ele achava que a doutrina política do integralismo guiaria a sociedade para um destino melhor do que o comunismo soviético e o capitalismo americano. O integralismo surgia como a terceira via, que em vez de privilegiar somente a burguesia ou o proletariado, como faziam as outras duas doutrinas, trabalharia pela união entre os indivíduos das diferentes classes sociais e o catolicismo seria uma das doutrinas que ajudariam nessa integração.



Durante esse período, atuou como um dos grandes líderes do partido integralista do Ceará, fazia palestras, escrevia artigos nos jornais, organizou a Juventude Operaria Católica, criou a Liga dos Professores Católicos e um sindicato para as operárias e empregadas domésticas. Também ajudou a eleger muitos políticos que defendiam os interesses da igreja.




Com o tempo, o padre Helder foi percebendo que o integralismo não era a maravilha que divulgavam:


Eles apoiaram regimes extremamente violentos como o fascismo e o Nazismo. Quando pessoas importantes resolviam sair do movimento integralista, elas eram perseguidas e algumas eram mortas. O próprio padre Helder, após sair do partido passou a ser perseguido e precisou fugir para não ser mais uma vítima.



D. HELDER NUNCA PREGOU O ÓDIO DE CLASSE, MAS A SUPERAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO:


Em 1955, Helder Câmara organizou no Rio de Janeiro o Congresso Eucarístico Internacional, que reuniu padres, bispos, cardeais e peregrinos do mundo todo. Mesmo contando com muito pouca estrutura e recursos financeiros, ele moveu céus e terra para conseguir ajuda do governo e doações de empresas para a realização do evento, que foi um sucesso total, com repercussão por todo o mundo católico.




Durante o evento, o cardeal Gerlier da França, procurou Dom Helder para ter uma conversa que mudaria sua vida para sempre. O cardeal mencionou que Helder possuía um talento excepcional de organizador e que faria melhor uso desse talento trabalhando a serviço dos pobres, pois o Rio de Janeiro era uma cidade rodeada de favelas.



A partir desse dia, decidiu que todas as suas habilidades e sua influência seriam usadas para lutar contra a miséria e a desigualdade social. Decidiu traçar um plano ambicioso e ao mesmo tempo muito ingênuo: se dedicaria ao máximo a acabar com as 150 favelas cariocas no prazo de 10 anos. Sua empreitada, iniciada em 29 de outubro de 1955, foi chamada de "Cruzada de São Sebastião".




A primeira missão da cruzada seria construir 910 apartamentos para os moradores da favela da praia do pinto, no Leblon. A polêmica foi grande, pois Dom Helder queria que os apartamentos fossem construídos ali mesmo no Leblon, onde os imóveis eram caríssimos.


Ele acreditava que a luta de classes poderia ser superada se ricos e pobres morassem lado a lado.



Mesmo após tantas realizações, a verdade logo veio à tona:


Dom Helder não poderia jamais com sua Cruzada resolver o problema da miséria. Percebeu que por mais que ajudasse, a eliminação da pobreza só poderia ser alcançada se fossem eliminadas as condições que levavam essas pessoas à pobreza. Resolveu então que agiria politicamente para mudar as estruturas do sistema.Passou a defender a reforma agrária em todos os lugares que ia. Na sua opinião, sem uma reforma agrária, os pobres do campo continuariam migrando para a cidade e aumentando as favelas (ao contrário do campo, o asfalto não produz alimentos, e para ele o problema do Nordeste não era a Seca, mas a CERCA). Dom Helder chegou a participar da comissão criada pelo governo João Goulart que estudava como poderia ser feita uma reforma agrária no país.


Quando ocorreu o golpe militar de 1964, a cúpula da igreja católica, representada pela CNBB, deu apoio ao novo governo. Já D. Helder Câmara preferiu se manter neutro para ver o que o governo iria fazer.Rapidamente se decepcionou com o regime militar, ao notar que era apenas um governo de elite, sem qualquer sustentação popular. De vez em quando, ele emitia críticas bem suaves às condições de vida dos brasileiros. Mesmo que não citasse algum tipo de culpa por parte do governo, os militares ficavam revoltados com suas declarações e afirmavam que mais pareciam discursos comunistas.


As insinuações de que ele seria comunista aumentavam a cada dia, na imprensa, principalmente depois que Dom Helder, numa palestra realizada na França, em maio de 1970, resolveu denunciar os absurdos da tortura no Brasil. Chamá-lo de comunista era a estratégia para tentar retirar a credibilidade de suas palavras.



CONCLUSÃO:



Infelizmente ao longo do tempo foi feita uma interpretação tendenciosa e equivocada da figura de Dom Helder. Suas influências foram  a Rerum Novarum de Leão XIII e que deu origem à doutrina social da Igreja. Já a ação engajada se dá pela influência do movimento denominado "Ação Católica", criado pelo Papa Pio XI, em 1938. De fato, as influências do marxismo na teologia da libertação e, desse modo, na Igreja, foram nefastas, mas difamar um homem que amou a Igreja, a serviu e deu sua vida por ela, são no mínimo uma grande incoerência e uma releitura errônea. O próprio D. Hélder questionou certa vez: "Se eu dou comida a um pobre, me chamam de santo, mas se eu pergunto por que ele é pobre, me chamam de comunista". Será que ele estava afirmando que era comunista? Será que ele era soberbo ao ponto de se dizer santo? nenhum nem outro. Dom Helder estava querendo mostrar a incoerência de nossa sociedade e fazer aquilo que é próprio do cristianismo (católico): "Em verdade vos digo, todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes" (Mt 25,40).



Antes que também me interpretem errado, gostaria de afirmar o seguinte: Não tenho qualquer tendência marxista, esquerdista, etc. Sou cristão católico, com valores morais e éticos cristãos. Amo muito minha Igreja e os grandes homens que dela fazem parte e que a constroem dando suas vidas por ela, unindo-se, de algum modo, a Cristo, por assumirem seu batismo e buscarem ardentemente ser cristãos (outros Cristos). Muito me entristeço quando vejo tais atitudes deprimentes que visam denegrir pessoas de bem, ao fazerem afirmações errôneas e infundadas. Pensando em fazer um bem à Igreja, acabam por feri-la e desfigurá-la. Definitivamente essa não é a verdadeira atitude de um cristão, ao menos, não a de um cristão católico.

É pelos frutos que se conhece a árvore, e o que Dom Helder plantou foram frutos de santidade e de pertença as causas sociais, pondo em risco a sua própria vida em favor dos mais necessitados e desprovidos da sociedade, lutando ao lado do povo por melhores condições de vida, sem usar a violência, mas violentando-se a si mesmo. Ora se a própria Igreja o abraçou, como não deveríamos ter para com ele o mínimo de respeito a sua memoria?, somos melhores que o magistério da Igreja? Se o próprio João Paulo II, tinha por ele admiração, porque agora denegrir a imagem de um homem de Deus? Salve a Igreja de Cristo! Salve os homens que doam suas vidas pelas causas dos pobres e do reino de Deus.


Fiquemos com algumas palavras do encontro de Dom Helder e e nosso saudoso papa São João Paulo II do qual recebeu o título de "irmão dos pobres e meu irmão":



"Em vez de me passar um pito, por eu não estar usando o solidéu, o Santo Padre tirou o seu da cabeça e segurou numa das mãos", contava sorridente.”



D. Helder Câmara foi um desses homens raros que Deus nos presenteia em tempos oportunos e que por onde passam deixam sua marca e jamais passam despercebidos. Com sua luta política em favor dos  pobres, realizou mudanças concretas na vida de muita gente. Ficou muito distante do sonho de acabar com as favelas, mas avançou muito mais do que qualquer governo de sua época.



BIBLIOGRAFIA:

1. Cfr. Julio LOREDO, L’altro volto di Dom Helder, “Tradizione Famiglia Proprietà”, novembre 1999, pp. 4-5.
2. Luiz Alberto GOMES DE SOUZA, A JUC. Os estudantes católicos e a política, Editora Vozes, Petrópolis 1984, p. 156.
3. Haroldo LIMA e Aldo ARANTES, História da Ação Popular. Da JUC ao PC do B, Editora Alfa-Omega, São Paulo 1984, p. 27-28.
4. Ibid., p. 37.
5. Si veda, per esempio, Scott MAINWARING, The Catholic Church and Politics in Brazil, 1916-1985, Stanford University Press, 1986, p. 71.
6. Cfr. Helder PESSOA CÂMARA, Obras Completas, Editora Universitária, Instituto Dom Helder Câmara, Recife, 2004. Cfr. Massimo INTROVIGNE, Una battaglia nella notte, Sugarco Edizioni, Milano 2008.
7. Plinio CORRÊA DE OLIVEIRA, O Arcebispo vermelho abre as portas da América e do mundo para o comunismo, “Catolicismo” Nº 218, febbraio 1969. È interessante confrontare – per rilevarne le numerose somiglianze – il discorso di Dom Helder con quello tenuto da Ernesto “Che” Guevara all’ONU il 12 dicembre 1964.
8. Si veda Plinio CORRÊA DE OLIVEIRA, TFP pede medidas contra padre subversivo, “Catolicismo”, Nº 211, luglio 1968.
9. Leonardo BOFF, Marxismo na Teologia, in “Jornal do Brasil”, 6 aprile 1980.
10. Gustavo GUTIÉRREZ, Praxis de libertação e fé cristã, Appendice a Id., Teologia da libertação, Editora Vozes, Petrópolis 1975, p. 267, p. 268.
11. Gustavo GUTIÉRREZ, Liberation Praxis and Christian Faith, in Lay Ministry Handbook, Diocese of Brownsville, Texas 1984, p. 22.
12. Julio LOREDO, Teologia della liberazione: un salvagente di piombo per i poveri, Cantagalli, Siena 2014.
13. SACRA CONGREGAZIONE PER LA DOTTRINA DELLA FEDE, Istruzione Libertatis Nuntius, XI, 10.
14. Francisco GRAZIANO NETO, Reforma Agraria de qualidade, in “O Estado de S. Paulo”, 17 aprile 2012.
15. Julio LOREDO, Teologia della liberazione: un salvagente di piombo per i poveri, pp. 315-338. Il libro può essere richiesto online a info@atfp.it

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger