A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Mas vós, que dizeis que EU SOU ? – Qual a verdadeira imagem de Deus ?

Mas vós, que dizeis que EU SOU ? – Qual a verdadeira imagem de Deus ?

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 3 de julho de 2015 | 09:50





Uma vez uma pessoa desabafou: “Muitas vezes temos a impressão de que o Jesus dos evangélicos não é o mesmo Jesus dos evangelhos...”


As falsas imagens de Deus


Tome Jo 14,8s


Todos nós, de uma forma ou de outra, guardamos em nós uma imagem deformada de Deus, isso porque aprendemos errado ou porque projetamos em Deus as imagens imperfeitas que nos cercavam na primeira infância. Qual de nós não ouviu um dia na vida: “Não faz isso senão papai do céu castiga” ou, “papai do céu vai ficar triste com você?” .



Precisamos purificar nossa mente sobre o que recebemos e sabemos de Deus, em grande parte esta foi a missão de Jesus: revelar-nos o Pai. A única possibilidade de sairmos destas falsas imagens é vermos o que Deus fala de si mesmo na Bíblia, entendendo as Escrituras a partir dos ensinamentos de Jesus Cristo. Reconhecendo que o nosso conhecimento de Deus é parcial e imperfeito, devemos empreender um itinerário para encontrá-lo, não como imaginamos, mas como verdadeiramente Ele É.



Como jamais poderemos saber verdadeiramente em plenitude O QUE DEUS É, podemos então entender melhor por aquilo que Deus não é:



É Importante levantarmos falsas imagens que, de modo geral, parecem ocupar os pensamentos de muitos cristãos de nosso tempo. Estas imagens nascem a partir de visões deturpadas de Deus, visões que todos trazemos, em menor ou maior nível:


1)- DEUS NÃO É UM Deus-distante: indiferente ao que acontece aos homens, que não se importa se estejam bem ou mau. Deus não é egoísta, não deixa os homens na solidão, não se importando com seus sofrimentos, ansiedades, problemas ou tristezas. É falsa imagem de Deus que o vê como alguém muitíssimo poderoso que não dá espaço para o homem, que o reduz a um “nada” de quem ele se afasta e que não deseja acolher. Devemos lembrar a imagem do Filho pródigo que manifesta o coração amoroso de Deus ansioso pelo retorno do seu filho (nós, pecadores). O ensinamento de Jesus não faz cair a majestade divina, ele continua como o que “está nos céus”, porém é também o “Pai Nosso” ou segundo a expressão do tempo de Cristo “Abbá” (paizinho ou papai).



2)- DEUS NÃO É UM Deus-escravo:É a falsa imagem de Deus onde o homem o instrumentaliza, achando que Deus é um objeto de resolução para seus problemas, seu “escravo”,ou GÊNIO DA LÂMPADA, sempre disposto a atender nossos pedidos, independentes se vão ou não influir em nossa salvação. Esta falsa concepção de Deus perde de vista a majestade divina, sedo o ponto inverso da anterior, não compreende que os juízos divinos são eternos e imutáveis. Portanto,somos nós que devemos nos submeter a Ele e sua perfeitíssima vontade e não Ele às nossas. Rezamos não para mudar a vontade de Deus, mas para aceitarmos a sua vontade e seu plano de amor e salvação em nossas vidas. Simples assim.




3)- DEUS NÃO É UM Deus-opressor:É a falsa imagem do Deus tirano e cobrador. Vê em Deus alguém que anota nossas faltas para nos castigar uma a uma. É um Deus que oprime, com o qual eu tenho que manter aparências para ao morrer ser recompensado por uma boa vida. Desta forma, compreende-se Deus como alguém a quem “pago minha salvação com promessas, esmolas, novenas, votos, campanhas, desafios e ritos feitos não por amor e com o coração, mas por medo de ir para o inferno e para aplacar a cólera de Deus, ou para conseguir algo em troca.”O não reconhecimento da misericórdia e da gratuidade de Deus faz nascer esta deturpação que atinge no âmago o relacionamento com o Pai.Nesta visão, Deus, de vez em quando, “até” pode conceder um presente, atender à minha oração, mas isso se fizer tudo certinho e merecer. Esta falsa imagem de Deus nos leva a ter um relacionamento cheio de cobranças a Deus, que provoca um profundo fechamento de coração à sua ação amorosa em nossas vidas. Precisamos compreender que Deus nos deu tudo e mesmo que Ele nos tire algo, Ele não nos deve nada, porque tudo que temos ou somos não merecíamos ter ou ser, pois Deus dando ou tirando, está sempre nos amando.Tudo é graça, tudo é acréscimo de Deus para as nossas vidas. Ao contrário de que muitos pensam, nós é que devemos tudo a Deus, pois assim nos diz a palavra de Deus: “ O que tens que antes não tenhas recebido de Deus?...” (I Cor 4,7).


4)- DEUS NÃO É O DEUS PREGADO PELA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE PENTECOSTAL: Se antes era o Deus dos carismas (1ª onda), depois os carismas de Deus (2ª onda), agora, finalmente, o homem tomou o centro e é Deus quem está a seu serviço.A teologia da prosperidade baseia-se na chamada “lei da reciprocidade”, ou seja, se o ser humano for bom para com Deus, Deus é “obrigado” a ser bom de volta. É uma relação matemática, com ação e reação; na medida em que a fidelidade humana é demonstrada de forma material, necessariamente se obterá a prosperidade material nesta vida.



O pentecostalismo dessa teologia é antropocêntrico: não é o homem que serve a Deus, mas Deus que serve ao homem. As Igrejas dessa onda não tem fiéis e sim, clientes. O que leva inevitavelmente a uma progressiva paganização do cristianismo, pois as pessoas pulam de igreja em igreja não em busca de salvação, mas de um “serviço”.A teologia da prosperidade traiu o cristianismo de forma clara. Enquanto nas duas ondas precedentes observava-se ainda um núcleo cristão, nesta o que se tem é um desagregamento do que é próprio do cristão, pois toda a tradição evangélica segue a teologia de que o que importa é a fé e não as obras. A teologia da prosperidade consegue perverter essa tradição por meio de um jogo linguístico em que as obras são renomeadas como “materialização, manifestação da fé”. Isso significa que o que importa são as obras, pois Deus irá “pagar”.Mas não é só isso. A teologia da prosperidade trai também o próprio cristianismo, pois ela não exige conversão, mudança de vida, uma vida moral reta. O que se tem no neo-pentecostalismo, em que a teologia da prosperidade se insere, uma acentuação no fato de que as obras morais são desprezíveis, o que se traduz pela aceitação de todo tipo de desregramento sexual.Diante disso, é possível afirmar que a teologia da prosperidade é a paganização do cristianismo, pois tal qual ocorre nos cultos pagãos, faz-se uma “oferenda”, não mais em encruzilhadas, mas na conta bancária da igreja. De forma asséptica, rápida e quase indolor, munido apenas de um cartão, oferece-se um “sacrifício”, pagando pelo serviço que Deus irá prestar. Isso é paganismo.



Enquanto no cristianismo o homem crê que Deus é o Senhor e que deve estar a serviço Dele, no paganismo é justamente o contrário: Deus é que está a serviço do homem. E cada vez mais novas “fórmulas” são apresentadas para que Deus se torne como que escravo do homem e atenda a todos os seus caprichos.Por tudo isso conclui-se que a teologia da prosperidade é muito equivocada. Ela só se explica como uma verdadeira tentação satânica em que cristãos, aos poucos, são levados a transformar o cristianismo e o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo em uma fórmula mágica e pagã.Durante muito tempo os evangélicos acusaram os católicos de praticarem um cristianismo paganizado, no entanto, com a teologia da prosperidade, a acusação voltou-se para eles mesmos, pois, enfim, os evangélicos paganizaram o cristianismo.



As imagens de Deus no Antigo Testamento:


Mesmo não tendo sido ainda totalmente revelado, o que só aconteceria com a vinda de Jesus Cristo, os livros do AT vão descortinando gradativamente a verdadeira imagem de Deus. Vejamos as seguintes passagens:


1)- O Senhor de toda vida do homem:


“Hoje, fizeste o Senhor, teu Deus, prometer que ele seria teu Deus, enquanto tu… Observarias suas leis, seus mandamentos… e lhe obedecerias fielmente. E o Senhor fez-te prometer, neste dia, que serias um povo que lhe pertença de maneira exclusiva,… um povo consagrado ao Senhor, teu Deus, como ele o prometeu” (Dt 26,17-19).


“Ouve, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças” (Dt 6,4-5).



2)- O Deus dos exércitos:


Tome 2Sm 5,10


É usado no sentido daquele que combate em favor do seu povo. Evoca a manifestação de Deus na história dos homens. O termo hebraico (Sabaot) pode ser também traduzido como “Deus de todo o poder”, o que traduz ainda melhor a imagem de um Deus que intervém em favor do seu eleito.


3)- O Deus protetor oculto na nuvem:


“Então o Senhor lhe disse: Eis que me vou aproximar de ti na obscuridade de uma nuvem, a fim de que o povo ouça quando eu te falar, e para que também confie em ti para sempre (Ex 19,9).


“Durante todo o curso de suas peregrinações, os israelitas se punham a caminho quando se elevava a nuvem que estava sobre o tabernáculo; do contrário, eles não partiam até o dia em que ela se elevasse. E, enquanto duravam as suas peregrinações, a nuvem do Senhor pairava sobre o tabernáculo durante o dia, e durante a noite havia um fogo na nuvem, que era visível a todos os israelitas” (Ex 40,36-38).



4)- O Criador de todas as coisas:



“Quem, pois, realizou estas coisas? Aquele que desde a origem chama as gerações à vida, eu, o Senhor, que sou o primeiro o que estarei ainda com os últimos” (Is 41,4).


“Fui eu quem fez a terra, e a povoei de homens; foram as minhas mãos que estenderam os céus, e eu comando todo o seu exército” (Is 45,12).



5)- O Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó



“Deus disse ainda a Moisés: Assim falarás aos israelitas: é Javé, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó, que me envia junto de vós. Este é o meu nome para sempre, e é assim que me chamarão de geração em geração” (Ex 3,15).



6)- O Rochedo


A imagem do rochedo traduz a confiança do Povo na proteção de Deus, evoca a firmeza e a segurança, um sentimento muito bem descrito pelo frei Cantalamessa: “Quem sabe, talvez impressionados pelo contraste entre a areia do deserto e a as rochas do maciço do Sinai, os poetas de Israel viram simbolizado nisso a diferença entre o homem a Deus: o homem ‘é como pó’; Deus é um ‘rochedo eterno’!”


Esta imagem foi decisiva para a caminhada do povo de Israel, manifesta de forma especial nos Salmos:


“Eu te amo, Senhor, minha força. O Senhor é o meu rochedo, minha fortaleza e meu libertador. Ele é meu Deus, a rocha em que me refugio, meu escudo, a arma da minha vitória, minha cidadela. Louvado seja ele! Invoquei o Senhor, e venci os meus inimigos” (Sl 18, 2-4).


7)- Todo-Poderoso (El-Shadai)



Quando se apresenta a Abraão, Deus apresenta-se como o “El-Shadai”. Esta expressão é de difícil tradução e parece querer indicar o “Deus das montanhas”, o que evoca o Deus que se coloca sobre todas as coisas e as governa. Neste sentido a tradução Todo-Poderoso apresenta-se muito significativa. Deus é aquele que do alto governa todas as coisas e vela por seu povo Israel. Este mesmo título é usado pelo salmista para manifestar a proteção de Deus sobre os que se colocam sob sua guarda: “Aquele que habita onde se esconde o Altíssimo e passa a noite à sombra do Poderoso (Shadai). – Do Senhor eu digo: ‘Ele é meu refúgio, minha fortaleza, meu Deus: nele confio!’ -“ (Sl 91, 1-2).



8)- Deus Misericordioso, lento para cólera



Uma manifestação de Deus no Antigo Testamento merece especial atenção, a encontramos em Ex 34, 5-7. Neste episódio, encontramos Moisés que intercede junto a Deus pelo povo que havia pecado construindo o Bezerro de Ouro. Deus manifesta sua misericórdia e passa diante de Moisés que grita em louvor: “O Senhor, o Senhor, Deus misericordioso e benevolente, lento para a cólera, cheio de fidelidade e lealdade, que permanece fiel a milhares de gerações…” Esta experiência de Moisés faz entrever o coração cheio de misericórdia de Deus que seria revelado por Jesus Cristo.



Deus Pai de Amor



Vemos no Livro de Isaías a figura majestosa de Deus, que com o seu infinito poder, vem libertar Israel, mas ao mesmo tempo a figura terna do pastor que gera seu povo, que cuida do seu rebanho:


Tome para aprofundar:Is 40,10-11;Is 41,8-10;Isaías 41,13s



Deus se revela como nosso redentor e que vem em nosso auxílio: “Pois eu, o Senhor, teu Deus, eu te seguro pela mão, e te digo: Nada temas, eu venho em teu auxilio…” Aqui Deus nos revela que em todas as situações da nossa vida nós podemos contar com a sua ajuda, com a sua salvação. Deus quer nos auxiliar para que possamos ultrapassar as nossas dificuldades e desafios da vida. É importante sabermos que contamos sempre com a ajuda de Deus, que Ele nos livra de todos os perigos, basta que O procuremos e nos unamos a Ele. Desta forma, afasta todo o medo do nosso coração e nos faz crescer na esperança e na fé. Tais visões apresentadas pelo profeta Isaías nos mostram uma autêntica preparação para a Boa-Nova, S. Jerônimo chega a declarar que ele é “mais evangelista que profeta”, uma expressão que manifesta esta linguagem bela de Isaías.



Todas estas belíssimas manifestações de amor são características de alguém que ama como um Pai. E esta é a verdadeira e única imagem de Deus: Pai. Deus é um Pai de amor. Mas é Jesus quem culmina esta revelação de Deus como Pai. Precisamos nos relacionar com Deus como nosso Pai e crer no seu amor por nós para que possamos ter uma vida de união verdadeira com Ele. Só os que crêem que Deus os ama com amor profundo expõem suas vidas para Ele, permitem que Deus interfira na sua história.


O mundo causou uma ferida profunda no coração de muitas pessoas que não conseguem sentir o amor de Deus por elas, por esta razão são pessoas que cobram de Deus, de si mesmas e dos outros, não conseguem enxergar o valor da sua vida e a dos seus irmãos. Pessoas que não se lançam na Providência de Deus, que não compreendem o valor do sofrimento que, apesar de não dizerem, sentem que Deus é um risco para sua vida. A experiência com o amor do Pai é uma necessidade para os homens do nosso mundo.


O que sabemos de Deus? Que imagem temos d’Ele? Será correta a nossa ideia de Deus? O que Deus significa para cada um de nós?



Eis-nos diante de algumas questões importantes para as quais temos de encontrar resposta.Como, habitualmente, conhecemos mal o nosso Deus, cada um imagina-O à sua maneira. Até O imaginamos com os defeitos dos homens. Então falamos assim:


“Deus esqueceu-se de mim”, “Deus abandonou-me”, “Deus castigou-me”...


Sem dúvida que falar de Deus é sempre muito difícil porque a nossa linguagem é sempre demasiado humana e limitada e, por isso, nunca poderá abarcar o que é divino e transcendente. Daí que ao falar de Deus o façamos sempre de um modo imperfeito.



Mas afinal como é o nosso Deus?


Toda a nossa caminhada Cristã é uma caminhada em Deus e para Deus, pois Ele é princípio meio e fim, nosso Alfa e nosso Ômega. Por isso, importa procurar clarificar a imagem de Deus que temos em nós. Para sabermos quem Deus é comecemos por aquilo que não é porque há ídolos que nos povoam o interior e desfocam a imagem do verdadeiro Deus.



Bossuet, grande autor e pregador francês, refere-se várias vezes ao «dilúvio da idolatria», ou seja, às imagens falsas de Deus que trazemos em nossa imaginação e que se reflete em nossa oração, em nossa oratória e em nossa catequese. Precisamos «re-descobrir Deus», o que Ele diz e revela-se de Si próprio ?



Muitas são as ‘imagens’ que nós criamos de Deus. Quase sempre o problema dessas ‘imagens’ de Deus é que são feitas à medida do homem, a partir das suas vivências. Tornamos Deus uma mera projeção humana. Quando assim é desfiguramos o verdadeiro rosto de Deus e construímos a nossa própria ‘imagem’ de Deus. Trata-se portanto de um falso Deus.



Por isso, não há em rigor:Ateus de Deus, há ateus destas ‘imagens’ de Deus. De facto, o que muitos negam não é o próprio Deus, mas a ‘imagem’ que têm de Deus. Pode acontecer que aquele que diz que não crê em Deus tenha razão, muita razão, ao recusar as ‘imagens’ que receberam dos seus antepassados e que, muitos de nós, continuamos a apresentar.





Afinal qual é o rosto verdadeiro de Deus?



A este propósito encontramos na Bíblia duas passagens fundamentais.A primeira está no Antigo Testamento:



«Eu sou Aquele que sou» (Ex. 3, 14), diz Deus. A segunda está no Novo Testamento: «Deus é Amor» (1 Jo. 4, 8), diz S. João.

 «Eu sou Aquele que sou» é o nome que o próprio Deus revela a Moisés no monte Horeb (também conhecido por monte Sinai).



O nosso Deus é Amor (NT). Esta certeza de que Deus é Amor é a verdadeira imagem de Deus. É a única resposta que podemos dar à pergunta:Quem é Deus?



Não se trata de um amor teórico ou superficial mas procede da experiência concreta da vida. Foi essa a experiência feita pelos primeiros cristãos e que significa «Deus é apenas e só Amor» tudo o mais são atributos desse Amor (o Seu Amor é que é misericordioso, compassivo, trinitário, todo poderoso, como o de um pai).


Neste sentido Deus só pode ter ações e atitudes de amor. Esta é a única afirmação que torna possível dizer que Deus não é o autor da guerra, do mal e do sofrimento. De fato,Deus só pode o que o amor pode porque o Seu Amor é que é todo poderoso.



Este Deus bíblico é o Deus da Aliança. Uma Aliança que o criador quis estabelecer com a criatura. Na verdade não somos nós que fazemos uma Aliança com Deus mas é Deus que estabelece uma Aliança conosco. Deste modo, a iniciativa não parte de nós mas de Deus. Por tudo isto, não é Deus que se esquece dos homens e das mulheres mas nós que nos esquecemos d’Ele; não é Deus que nos deixa de amar mas nós que O deixamos de amar.E como diz o nosso querido Papa Francisco: “Deus não se cansa de nos perdoar, nós é que nos cansamos de lhe pedir perdão...”



Este nosso afastamento d’Ele é que é o pecado. Quantas vezes nos esquecemos d’Ele? Quantas vezes O deixamos para segundo plano? Quantas vezes nos queixamos da Sua ausência? Quantas vezes o acusamos de não fazer nada? Quantas vezes queremos que Ele faça aquilo que só nós podemos fazer? .


Um Ateu perguntou a um Cristão: “Por que seu Deus permite tanto mal e sofrimento e não faz nada? E o Cristão lhe respondeu: Vou lhe confessar uma coisa: sabia que esta pergunta é a  que mais tenho medo que Deus me faça também ?...”



Por isso, é que são poucos os cristãos que sabem, de facto, o verdadeiro nome de Deus. Porque se Deus é esta relação amorosa e se nós nos esquecemos tanto d’Ele, e não nos relacionamos com Ele, como é que O podemos conhecer? Uma relação assim precisa de tempo partilhado, precisa de momentos concretos de encontro.



Em Marcos 8,27-29, Jesus abordou os discípulos com duas perguntas: A primeira foi “Quem dizem os homens que sou eu?”'. A segunda foi “Mas vós, quem dizeis que eu sou?”



Refletindo um pouco sobre as perguntas do Senhor, podemos concluir que ele quer nos ensinar que há dois modos de conhecê-lo:


1)- O primeiro modo é conhecer Jesus pelo que os outros dizem d’Ele:o que a Teologia diz, o que a história diz, o que os estudos dizem a seu respeito?


2)- O segundo modo é conhecer Jesus por nós mesmos, ou seja experimentando seu amor, sua amizade e sua misericórdia diária.


O primeiro modo pode ser de grande ajuda para nos introduzir no caminho do conhecimento do Senhor, mas, o alvo de todo cristão deve ser o de ter uma resposta particular formulada em sua convicção pessoal sobre a pessoa de Jesus Cristo através da escuta,de um encontro e uma experiência pessoal.


Veja o que disseram os Samaritanos em João 4,42:


“...Já agora não é pelo que disseste que nós cremos; mas porque nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo”.


Hoje eu penso que muita gente tem uma certa rejeição e indisposição de ouvir a Jesus na Palavra e de experimentá-lo, por que ao invés de conhece-lo pessoalmente, preferem conhecê-lo através do que os outros dizem.Interessante que no texto de Marcos ninguém dizia nada ruim de Jesus Cristo. Diziam que Ele era João Batista, Elias, algum dos profetas – todas referências boas e respeitáveis. Porém com um problema grave: todas erradas.


Hoje muitos pregadores têm falado bastante de Jesus. Falam coisas agradáveis, nada de ruim a respeito do Senhor: o Senhor é meu pastor; o Senhor salva; o Senhor é rei; o Senhor vai te dar um carro novo, uma casa nova, muito dinheiro, muita saúde, você não precisa sofrer nada nesta vida pois ele já sofreu por você, etc. Nada de ruim na lista de coisas, porém, com o mesmo problema visto lá nos dias de Jesus: muita coisa errada! Sim, nem tudo o que dizem está errado, mas há erros, e isso é muito perigoso.



O texto nos diz, que Jesus, no desejo de saber se os seus discípulos  já haviam entendido o seu messianismo, lança-lhe duas perguntas:“Quem dizem o povo que eu sou? Para esta pergunta, surgiram várias resposta, afinal, é fácil responder em nome do outro, não compromete! Já  quando esta mesma  pergunta é direcionada aos próprios discípulos, vem o silencio, pois esta  pergunta, requer uma resposta pessoal, que exige  comprometimento. Pedro foi o único que respondeu com firmeza: “Tu és o Messias ”.  Esta resposta de Pedro, agradou Jesus, afinal ela é  fruto da sua convivência com Ele.  Pedro   reconhece Jesus como sendo  o Filho  de Deus, mas ele ainda  demonstrava não  haver  assumido de fato a condição  de verdadeiro discípulo, pois ele ainda  caminhava na obscuridade, carregando consigo a mentalidade do mundo, alimentando dentro de  si,  a ideia de um Messias glorioso, mas  sem a cruz.



Jesus, que conhece o interior das pessoas, percebe de imediato  a dificuldade dos discípulos  em aceitar o desafio da cruz, por isto, Ele  insiste em   fazê-los compreender  que, sem a cruz, é impossível entender quem é Ele e o que significa  segui-Lo.Jesus proíbe severamente aos discípulos de revelar a sua identidade a quem quer que fosse, afinal, um povo que esperava um Messias triunfalista com poderes políticos, jamais aceitaria um Messias  na condição de servo, alguém que tivesse o olhar voltado para os pequenos.Jesus  sabia que não seria reconhecido como  Filho de Deus  sem antes passar pela cruz! Hoje, depois  de ter passado pela cruz, de nos ter dado tão grande prova de amor, Ele não nos faz  perguntas como esta, mas Ele espera de cada um de nós, uma resposta de amor.


Sem aprofundarmos o nosso relacionamento com Jesus, ficaremos  no superficial da fé, na lógica dos homens,  não vamos compreender, que, para ganhar a vida, é preciso passar pela cruz, assim como Jesus passou.O seguimento à  Jesus, inclui  à cruz, pois a nossa  adesão a Ele, nos leva a atitudes que contrariam  os seus opositores.Carregar a cruz, não é buscar sofrimento, e sim, viver as conseqüências  de uma vida pautada no exemplo de Jesus, de uma vida coerente com o evangelho.


Muitos vêem Jesus como um ser cósmico, uma energia espiritual evoluída, uma energia do espaço, outros o vêem como um revolucionário ser de outra dimensão, como um espírito evoluído, como um espírito perfeito, ou simplesmente como um dos caminhos.


Os homens daquela época viam Jesus como sendo o João Batista que havia ressuscitado, outros diziam que Jesus era o Elias, aquele que foi o mais respeitado de todos os profetas; outros diziam que Jesus era o profeta Jeremias.. vemos que nivelavam Jesus aos profetas, nivelavam Jesus aos homens mais proeminentes daquele tempo, respeitando assim os homens e não a Jesus . Ainda hoje ocorre dessa maneira em nossos dias, uma gama incalculável de intelectuais, estudiosos, cientistas também nivelam Jesus a homens inconscientemente e muitas vezes conscientemente, a fim de apagar o brilho de sua obra redentora. Nós sabemos quem tenta há anos desmerecer o Evangelho do reino. Como nos tempos de Jesus ainda hoje há uma visão espiritualizada de Jesus e não espiritual,pois as coisas espirituais são entendidas apenas pelos espirituais.


Entre a multidão que seguia Jesus havia muitos apenas interessados na comida, nas curas, na restauração política de Israel, mas havia aqueles que o seguiam por causa de sua palavra João 6,68:


”Senhor pra onde iremos nós ? Só Tu tens palavras de vida eterna.”



Jesus ainda hoje quer ouvir o que pensamos a seu respeito. Não podemos nivelá-lo a homens corruptos, não podemos segui-lo apenas pelo bem estar material que ele nos proporciona, não podemos segui-lo apenas por medo do inferno ou da condenação final apenas.Não podemos segui-lo com segundas intenções, não podemos segui-lo com interesses próprio que na maioria das vezes são terrenos e materiais a ponto de profanar o seu Evangelho.


AFINAL QUEM JESUS É PRA VOCÊ?


Ele é o teu Senhor apenas quando tudo está bem contigo ?

Ele é e continua maravilhoso quando as coisas não estão como você queria ?

Ele é lindo quando existe uma tempestade escurecendo a sua jornada ?

Para muitos Jesus é um banqueiro que empresta dinheiro sem cobrar juros e a igreja é a agência bancária.

Para outros ele é um refúgio no momento da dor na alma,no momento de aflição.

Para muitos ele é uma moda, um modismo passageiro que volta de tempos em tempos

Para outros ele é a razão de ser e viver!!!

Para muitos ele é um remédio.

Para muitos Jesus mais se parece com um astro pop star e a igreja é o seu palco

Para o cristão verdadeiro ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores .


Jesus Cristo quer que cada um de nós tenha uma resposta pessoal sobre Ele. Resposta baseado nas Escrituras reveladas por Ele  e na sua experiência de amor pessoal com Ele. Não o defina por aquilo que  dizem os homens, as igrejas e pastores interesseiros. Pense que resposta você teria para o Senhor se ele aparecesse hoje e lhe perguntasse: 


“Mas vós, quem dizeis que eu sou?”

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger