A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Hino e Bandeira do Vaticano - Histórico e Significados

Hino e Bandeira do Vaticano - Histórico e Significados

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 28 de julho de 2013 | 19:56




"Inno e Marcia Pontificale é o hino nacional da Cidade do Vaticano"


Inno e Marcia Pontificale ("Hino e Marcha Pontifical" em italiano) é o hino nacional da Cidade do Vaticano. A letra oficial italiana foi composta pelo monsenhor Antonio Allegra (1905-1969) e a música pelo compositor francês Charles Gounod (1818-1893). Foi adotado oficialmente em 1950.



Hino da Cidade do Vaticano (Original)

O felix Roma - O Roma nobilis.
Sedes es Petri, qui Romæ effudit sanguinem,
Petri, cui claves datæ sunt regni cælorum.
Pontifex, Tu successor es Petri;
Pontifex, Tu magister es tuos confirmas fratres;
Pontifex, Tu qui Servus servorum Dei,
hominumque piscator, pastor es gregis,
ligans cælum et terram.
Pontifex, Tu Christi es vicarius super terram,
rupes inter fluctus, Tu es pharus in tenebris;
Tu pacis es vindex, Tu es unitatis custos,
vigil libertatis defensor; in Te potestas.
Tu Pontifex, firma es petra, et super petram hanc ædificata est Ecclesia Dei.
O felix Roma - O Roma nobilis




Hino da Cidade do Vaticano (Tradução)

Ó Roma eterna, dos Mártires, dos Santos,
Ó Roma eterna, acolhe os nossos cantos!
Glória no alto ao Deus de majestade,
Paz sobre a terra, justiça e caridade!

A ti corremos, Angélico Pastor,
Em ti nós vemos o doce Redentor.
A voz de Pedro na tua o mundo escuta,
Conforto e escudo de quem combate e luta.
Não vencerão as forças do inferno,
Mas a verdade, o doce amor fraterno!

Salve, salve Roma! É eterna a tua história,
Cantam-nos tua glória monumentos e altares!
Roma dos Apóstolos, Mãe e Mestra da verdade,
Roma, toda a cristandade o mundo espera em ti!

Salve, salve Roma! O teu sol não tem poente,
Vence, refulgente, todo erro e todo mal!
Salve, Santo Padre, vivas tanto mais que Pedro!
Desça, qual mel do rochedo,
A bênção do doce Pai!



Histórico e Significado da Bandeira Nacional do Estado da Cidade do Vaticano

A bandeira atual foi adotada em 7 de junho de 1929, através do Tratado de Latrão, no ato de criação do Estado da Cidade do Vaticano, e foi hasteada oficialmente pela primeira vez no dia seguinte.

A atual bandeira do Vaticano foi inspirada nas antigas bandeiras dos Estados Pontifícios.Há, certamente, uma ligação com as cores dourado e prata, pois foram quase sempre retratadas como as cores das chaves de São Pedro, e foram feitas com esses metais as duas chaves que foram dadas ao Papa, quando ele tomou posse da sua catedral, a Basílica de São João de Latrão, durante o Império Romano.

A bandeira, portanto, foi feita de amarelo e vermelho, as tradicionais cores da Roma antiga. No início do século XIX, o vermelho e o amarelo apareceu novamente no uniforme da milícia papal. Esse fato está estritamente ligado à ocupação de Roma pelas tropas napoleônicas em fevereiro 1808.

O comandante do exército francês, o general de Miollis, fez inicialmente aparecer cartazes nos muros da cidade, com os quais se impunha a incorporação das forças armadas do Papa ao exército imperial.

Para os oficiais que permaneceram leais a Pio VII, então Papa reinante, houve prisões e deportações. No entanto, as reações não foram significativas porque tinha sido divulgada a notícia de que o Papa sabia da situação, e não tinha levantado qualquer dificuldade. Se rebelou apenas um pequeno grupo de oficiais, que foi deportado para a prisão em Mântua.

Para enfatizar a unificação, e provavelmente também para aumentar a situação de incerteza, foi permitido que os militares continuassem a usar o emblema papal vermelho-amarelo, preso ao quepe.

O Papa, no entanto, tinha muito claro que Napoleão queria sujeitar os Estados Pontifícios, e, em 13 de março de 1808, fez um enérgico protesto. Ordenou que os soldados que haviam permanecido leais, substituíssem as cores romanas do uniforme pelas cores branco e amarelo.

No diário de um contemporâneo, o abade Luca Antonio Benedetti, com a mesma data das mudanças requeridas pelo Papa, foi registrado:

O Papa, para não confundir os soldados romanos que estão sob o comando francês, com poucos que permaneceram ao seu serviço, ordenou que se usasse um novo emblema amarelo e branco. A medida foi adotada pela Guarda Palatina e a Guarda Suíça.


Três dias depois, em 16 de março, Pio VII comunicou por escrito essa disposição ao Corpo Diplomático, e o documento correspondente foi considerado, posteriormente, como a "certidão de nascimento" das cores da bandeira do Estado da Cidade do Vaticano.


Não faltaram repressões aos que obedeceram às ordens do Papa e grande parte da Guarda Palatina foi presa. Além disso, o general de Miollis adotou o novo emblema, afim de que os soldados papais passassem para o seu comando. O Papa protestou novamente com uma nota que foi enviada em 20 de março ao encarregado de Negócios da França em Roma, juntamente com uma carta assinada pelo pró-secretário de Estado, o Cardeal Joseph Doria Pamphili.

Na carta foi anunciado que o Papa considerava a incorporação das tropas e da adoção do novo emblema como o mais alto sinal de ultraje à sua dignidade.

Napoleão depois de saber da oposição de Pio VII, escreveu uma carta em 27 de março ao vice-rei da Itália, Eugênio de Beauharnais, seu enteado, ordenando a adoção do emblema tricolor, italiano ou francês, prevendo a pena de morte aos infratores.

Eugênio seguiu prontamente as ordens de Napoleão, emitindo um decreto em Milão no dia 11 de abril. Com a previsão da pena de morte ficava claro que a situação era de grande dificuldade, e que o poder temporal do Papa estava em risco.

Cerca de um ano depois, em 17 de maio de 1809, Napoleão declarou a união de Roma e dos Estados Pontifícios à França. Pio VII excomungou os perseguidores da Igreja.

Na noite entre 5 e 6 de julho de 1809, o Papa foi preso, dando início a um longo período de exílio e prisão em Grenoble, em Savona e em Fontainebleau.

Somente em 1814, o Papa foi libertado e pode voltar para Roma. Após a volta, foram adotas oficialmente as cores branco e amarelo como sinal de fidelidade ao Papa.

Um antigo modelo da bandeira com bandas verticais em amarelo e branco tremulava no alto do Castelo Sant'Angelo, a maiorfortaleza papal em Roma, até sua apreensão pelas forças italianas em setembro de 1870. Hoje ela está preservada no Museu Histórico do Vaticano.

As formas e ocasiões de hasteamento da bandeira são especificadas pela Pontifícia Comissão para o Estado da Cidade do Vaticano.

A bandeira é exibida em cerimônias religiosas e civis, como:

Festa do Natal, Páscoa, Festa de Maria Mãe de Deus, Epifania do Senhor, Ascensão de Jesus,Pentecostes, Corpus Christi, Festa dos Santos Pedro e Paulo, Assunção de Maria, e, no dia doonomástico do Papa, nos aniversários natalício, de eleição, de início solene do ministério do Papae da conciliação entre a Santa Sé e a Itália, além das recepções oficiais de Chefes de Estado, visitas oficiais do Papa em Roma, em beatificações e canonizações e em cerimônias de abertura e encerramento da Porta Santa.


A bandeira é hasteada ao amanhecer e retirada ao pôr do sol.

Ela tremula em propriedades da Santa Sé que gozam de direitos extraterritoriais de acordo com o Tratado de Latrão, de 1929, e de acordos posteriores. Também em missões diplomáticas da Santa Sé, especialmente em Nunciaturas Apostólicas.


Na morte do papa, ela fica hasteada a meio-mastro, até a conclusão do período de luto de nove dias em que segue seu funeral (os novemdiales).


Também os católicos de diversas partes do mundo, por vezes, usam a bandeira do Vaticano para promover a identidade católica em igrejas, instituições de ensino e outros estabelecimentos.

A bandeira da Cidade do Vaticano é, juntamente com a bandeira suíça, uma das duas únicas bandeiras nacionais em forma quadrada.Uma exceção especial é feita, neste caso, porque elas são também as chaves de São Pedro.Estas chaves têm as ranhuras do mecanismo em forma de uma cruz.


A tiara papal, também conhecida como "coroa tripla" (tal como constituída por uma estrutura quase cônico, sobre a qual estão fixados três coroas, uma sobre a outra) é caracterizada pela presença de duas tiras de tecido que, em uso, cair sobre os ombros o papa.

Essas tiras também estão presentes na base da mitra cada bispo, são chamados de "infule".

Brasão de armas do Estado da Cidade do Vaticano

O brasão de armas está colocado na banda vertical branca e seu simbolismo foi extraído do Evangelho de Mateus.

As chaves de ouro e prata cruzadas simbolizam as chaves do reino dos céus dadas por Jesus Cristo a São Pedro (Mateus 16, 18-19).

Os Papas são  os sucessores legítimos  de Pedro, e as chaves de ouro e prata formam elementos importantes no simbolismo da Santa Sé desde o século XIV.

O ouro representa o poder do Reino dos céus, enquanto a prata representa a autoridade espiritual do papado. As pontas das duas chaves estão direcionadas para cima, ou seja, ao céu, enquanto as alças estão direcionadas para baixo, ou seja, nas mãos do Papa.

As duas chaves estão unidas por um cíngulo vermelho, que simboliza o vínculo dos dois poderes. Acima das chaves se encontra a tiara papal, simbolo do papado.

O brasão de armas da Santa Sé já existia, embora em diferentes forma, desde o século 15.

Em 1929, o Estado da Cidade do Vaticano aprovou um brasão de armas também.

Emblemas e insígnias papais foram representadas em diferentes formas (a cruz, as chaves de São Pedro, a tiara, o umbraculum , as efígies de São Pedro e São Paulo) desde o final do século 13.


Em 1929, um casaco padronizado de armas começou a ser usado na bandeira do recém-criado Estado da Cidade do Vaticano.

Fonte: Wikipedia
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger