A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » A VERDADE DOS FATOS: O Papa Bento XVI não aprovou a pílula do dia seguinte em lugar nenhum e nem na Alemanha

A VERDADE DOS FATOS: O Papa Bento XVI não aprovou a pílula do dia seguinte em lugar nenhum e nem na Alemanha

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 24 de fevereiro de 2013 | 01:07




(REDAÇÃO CENTRAL - ACI/EWTN Noticias)

Logo depois da difusão de uma nota da agência EFE na que se destaca que o Papa Bento XVI tinha aprovado a pílula do dia seguinte na Alemanha, o secretário do Santo Padre, o Arcebispo Georg Ganswein, negou taxativamente esta informação e precisou que nem ele nem o Pontífice deram consentimento para o uso do fármaco que é potencialmente abortivo.

Na terça-feira 12 de fevereiro a agência de notícias EFE escreveu um artigo titulado "Bento XVI autorizou o uso de ´pílula do dia seguinte´ na Alemanha" no qual afirma que o Papa havia autorizado "nos hospitais católicos alemães o uso da pílula anticoncepcional de urgência, conhecida como ‘pílula do dia seguinte’, em mulheres vítimas de estupro, devido ao escândalo em torno ao caso de uma jovem que não foi atendida em duas clínicas de Colônia após sofrer abusos sexuais".


A nota indicava que a informação foi divulgada pelo “Arcebispo de Colônia, o Cardeal Joachim Meissner, em declarações ao jornal Kölner Stadt Anzeiger, nas que comenta que sua recente decisão de autorizar o uso desse anticoncepcional foi consensuado com a Congregação para a Defesa da Fé e a Academia Papal".

A nota de EFE apresentava ademais o seguinte diálogo entre o Cardeal e Dom Georg Gänswein.


"Ele me disse: ‘o papa sabe. Tudo está em ordem’, afirma Meisner, considerado um religioso conservador, quem no dia 31 de janeiro anunciou inesperadamente que a Igreja Católica autorizava o uso da ‘pílula do dia seguinte".


Por sua parte, o professor Manfred Spieker, amigo do Papa, do Cardeal Meisner e membro do Pontifício Conselho Justiça e Paz, informou que no dia 14 de fevereiro às 11:06 p.m. recebeu um correio eletrônico de Dom Ganswein no qual o secretário do Pontífice nega categoricamente que o diálogo ao qual se refere a agência EFE tenha ocorrido.

Nesse correio eletrônico Mons. Ganswein nega ainda que "tenha existido uma chamada Telefónica entre o Cardeal Meisner e o Papa ou ele mesmo, nem uma aprovação escrita ou oral" da pílula do dia seguinte.

O secretário do Papa reconhece que "a declaração (do Cardeal Meisner) é problemática e que será necessário esclarecer a situação em Roma".

Spieker explica que tampouco é certo que a Pontifícia Academia para a Vida (que EFE chama erroneamente "Academia Papal") ou que a Congregação para a Doutrina da Fé (que EFE denomina "Congregação para a Defesa da Fé") tenham aprovado a declaração do Cardeal Meisner.

Dois dias antes, em 12 de fevereiro, a arquidiocese de Colônia emitiu um comunicado destacando que o Papa não viu nem aprovou a declaração do Cardeal Meisner sobre a pílula do dia seguinte.

Em 31 de janeiro o Arcebispo de Colônia, Cardeal Joachim Meisner, disse em uma declaração que:

"se um remédio que evite a concepção for usado logo depois de um estupro com o propósito de evitar a fertilização, isso em minha opinião é aceitável".

Esta opinião foi oferecida pelo Cardeal logo depois de reunir-se com um grupo de peritos médicos com quem conversou sobre a pílula do dia seguinte. Os doutores lhe disseram que o fármaco não possui efeitos antiimplantatarios, quer dizer, abortivos.

A respeito do tema, o doutor espanhol e presidente da Federação Internacional de Associações de Médicos Católicos (FIAMC), José Maria Simón Castellí, disse ao grupo ACI que "parece que as palavras do Cardeal foram manipuladas".

"Em todo caso, a pílula do dia seguinte possui um efeito antiimplantatorio (que impede a implantação do embrião no útero materno) em 70 por cento dos casos nos quais a mulher é fértil", explicou o médico que é também membro do Pontifício Conselho para os Agentes da Pastoral da Saúde.

Fontes da Pontifícia Academia para a Vida indicaram ao grupo ACI que neste tema, eles apenas têm competência no âmbito bioético e sugeriram consultar no Pontifício Conselho para os Agentes de Pastoral da Saúde, onde assinalaram que se fará a consulta respectiva para dar uma resposta em breve.

Da Alemanha, Sophia Kuby, líder pro-vida e diretora da organização European Dignity Watch, comentou ao grupo ACI que :

"a discussão sobre a declaração do Cardeal Meisner sobre a administração da pílula do dia seguinte em caso de estupro criou confusão além das fronteiras alemãs".

"Entretanto, não é em nenhum caso uma legitimação da pílula do dia seguinte por parte da Igreja Católica como foi interpretado amplamente".

Kuby recordou que o Cardeal Meisner disse que:

“em caso de estupro, uma pílula do dia seguinte se pode prescrever em hospitais católicos somente se esta tiver efeito anticoncepcional (prevenir a ovulação) e não um efeito abortivo. Da perspectiva teológica moral, a declaração está em linha com o ensinamento católico. Entretanto a declaração é equivocada em quanto aos fatos e carece de evidência científica".

A diretora do European Dignity Watch precisou que:

"não existe uma pílula que somente impeça a ovulação. A pílula do dia seguinte de última geração pode ter, como efeitos, o efeito anticoncepcional como prevenção da ovulação, a difusão do sêmen ou a fertilização. Entretanto, nunca se pode excluir o efeito abortivo".

Portanto, conclui Sphia Kuby:

"todas as pílulas do dia seguinte disponíveis no marcado são potencialmente abortivas, o quer dizer que elas podem eliminar o óvulo fecundado, que é o primeiro estágio do embrião humano".

Kuby também explicou que os bispos alemães estão reunidos em sua assembleia plenária e que estão debatendo este tema para chegar a uma posição comum.

Consultado pelo grupo ACI, o pesquisador, Dr. Germán Alvarado, PhD em Epidemiologia pela Michigan State Univesity e Professor em Saúde Pública da Universidade Livre de Bruxelas (Bélgica), assinalou que:

"é necessário esclarecer à luz da informação médica atualizada,que não é ético prescrever (a pílula do dia seguinte), devido ao potencial efeito abortivo que tem, especialmente se a ovulação já ocorreu. É importante sublinhar que os poucos estudos que foram publicados nos últimos anos (sobre o mecanismo de ação da pílula do dia seguinte) e que não encontram efeito anti-inflamatório, têm sérios problemas metodológicos, assim como financiamento de instituições que favorecem o aborto".

Alvarado disse ainda que nos casos de estupro os hospitais católicos devem ter :

"um protocolo que ajude a vitima de maneira integral, com muita compaixão, e que inclua todos os procedimentos diagnósticos e terapêuticos necessários, respeitando sempre a vida".

A pílula do dia seguinte (Levonorgestrel 0.75 mg), também conhecida como anticoncepção oral de emergência ou AOE, é um hormônio sintético em dose 5 a 15 vezes maior à existente nos anticoncepcionais comuns, incrementando os efeitos secundários.

Não é medicamento nem um vacina. Não cura nem previne contra enfermidade alguma. Ao ingerir as duas pastilhas recomendadas é como se a mulher tomasse 50 pastilhas anticoncepcionais juntas.


Tem três mecanismos:

1)- impede a ovulação (anovulatório),

2)- espessa a mucosidade cervical (anticoncepcional)

3)- e impede a nidação do óvulo fecundado (o que é um efeito abortivo).

Estes mecanismos são informados pela Food and Drug Administration (FDA), o organismo governamental que garante a salubridade dos mantimentos e os remédios nos Estados Unidos.

Fonte: ACI Digital


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger