A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » Lulismo X Igreja - Um peso e duas medidas ? Por que ?

Lulismo X Igreja - Um peso e duas medidas ? Por que ?

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 6 de novembro de 2010 | 12:13

"Grifo meu" (Barros - Autor do Blog):


Tenho recebido alguns e-mail dos devotos do " Santo e intocável" Lula, reclamando que estou me precipitando em previsões e julgamentos.
Esclareço a todos que não votei e nem apoio também as propostas do candidato derrotado José Serra.Votei NULO por chegar a conclusão que no ítem: Aborto e Uniões homoafetivas ambos são farinha do mesmo saco, e como Cristão, não posso apoiar esta postura, e preferi ficar com as orientações da minha Igreja Católica (Perita em humanidade).O tudo pelo social, ou fins justificam os meios, não é ético e nem muito menos Católico.Os dois neste ítem mentiram e muito.


Portanto, como não tenho rabo preso a nenhum partido e proposta política,sendo livre para a crítica como nossa Santa Igreja,após uma reflexão, tirei algumas conclusões para publicar os dois artigos abaixo .
1ª)-É interessante como os devotos de Lula e da religião Petista são rápidos para Criticar e aceitar críticas a Igreja e seus membros de forma generalisada, e são tão lentos em olhar para o próprio umbigo.
2ª)-Que eu saiba até que me provem o contrário, previsões são dadas antes e não durante ou depois dos eventos.Quem faz previsões durante e depois é proprio do Xarlatanismo.

3ª)-Dizia Santo Agostinho: Prefiro os que me criticam aos que me bajulam, pois as críticas me fazem corrigir e crescer, enquanto as bajulações me paralisam.Se Lula se diz "Católico a sua maneira", deve aceitar então as críticas com maturidade.

4ª)-Se podem criticar a Igreja sem o menor escrúpulo, porque também não podemos criticar a religião Petista, seus membros, sua ideologia, doutrina e praxis ? Ou é para se usar um peso e duas medidas ? A Igreja PODE !!! o Lulismo NÃO PODE ???!!!

5ª)- Lula é tão autocentrado que conseguiu emprestar certa aura de autoritarismo a seu sucessor, qualquer que seja ele, do governo ou da oposição. É como se a sucessão não fosse o processo natural numa democracia. E ele é o único responsável por isso.

6ª)-Confunde os 80% de aprovação que lhe conferem os institutos de pesquisa com endosso para o vale-tudo. E está errado com esta postura. E isso pode ser tudo, menos democracia.

Para os tão sensíveis devotos de Lula, trago a opinião de dois especialistas no assunto com livros publicados para o deleite de todos:



A desidratação da oposição ao lulismo:



Agora foi a vez de FHC admitir a vitória de Dilma. Em entrevista ao jornal britânico "Financial Times", o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso admitiu a possibilidade de Dilma Rousseff (PT) ser eleita presidente.
O que me preocupa não é necessariamente a derrota eleitoral da oposição.

O que me preocupa é a desitratação de toda e qualquer oposição ao lulismo, incluindo várias facções do PT, das esquerdas, das lideranças populares do país.

Um fenômeno híbrido porque não é exatamente populismo ou totalitarismo. Todo populismo desconsidera as instituições de representação. Prefere falar diretamente às massas. Lula gosta de falar diretamente, mas fortalece e negocia com sindicatos, partidos, ongs, igrejas. Não se trata, também, de um tipo de totalismo à la Chávez. Lula não mobiliza a população para intimidar a oposição.
Ao contrário, desmobiliza qualquer iniciativa de ação de rua, de conflito. Está mais para um estilo neo-getulista, mas também não é exatamente uma cópia.


O lulismo é original neste ponto. Um amálgama do pragmatismo sindical, com perfil carismático e vanguardismo de esquerda, somado à uma forte crença no pacto social pelo desenvolvimento do mercado interno e indústria nacional.
Não é exatamente estatizante, mas é orientador dos investimentos e fortalece as empresas estatais que considera estratégicas, com destaque para bancos estatais e área de energia. Mas não agiu assim em relação à telefonia móvel.


Acertou ponteiros com o grande empresariado, com a maioria dos partidos políticos, fará uma ampla maioria no Congresso Nacional e nos governos estaduais. Qual o espaço que terá qualquer oposição?
Temo por uma espécie de personalismo político que se firme a partir de um bloco de poder avassalador.
Não será chavismo, nem peronismo, nem castrismo. Terá "notas" de cada um, mas será mais: será o lulismo.


Entrevista com o
jornalista Merval Pereira
O premiado jornalista político de “O Globo”, Merval Pereira, acaba de lançar o livro “O Lulismo no Poder” (Record).
Nele, seleciona crônicas sobre os oito anos de mandato do presidente e traça o perfil de Luíz Inácio Lula da Silva através da atuação que o escritor vai percebendo como populista e autoritária.

O livro foi construído  a partir do exercício diário dos artigos e, por isso, há previsões acertadas e outras não concretizadas.
Para Merval, que mesmo durante a entrevista não interrompe o exercício profissional de analisar e antever situações, o principal acerto de suas crônicas foi ter mantido a coerência e apontar, desde o começo do mandato presidencial, a escalada do fortalecimento da figura do presidente, do populismo e de tentativas autoritárias de controle. 
Merval aponta a crise com a saída do ministro da Fazenda Antonio Palocci e o escândalo do mensalão como os deflagradores do Lulismo.
“Até o mensalão, eu mesmo que não votei no Lula, tinha uma boa vontade com a sua política econômica, concordava com a Reforma da Previdência e defendi muito o Palocci, mas depois ficou difícil sustentar o governo que estava sustentando a corrupção no país.”
1)-Instituto Millenium: As crônicas reunidas no livro correspondem a um período de oito anos de jornalismo diário. Como foi selecioná-las e o que foi mais difícil deixar de fora?

Merval Pereira: O projeto inicial tinha mais temas. Dois capítulos tratariam da relação do PT com o PSDB e outro especificamente sobre o Lula, seu comportamento, a postura assumida no governo e suas falas. A meu ver, o livro ficaria muito mais completo com essas duas partes, mas ele já é um livro grande; então eu selecionei algumas crônicas sobre esses temas e encaixei em outras categorias dentro dos capítulos.
2)-IM: Como o Sr. define o Lulismo? E como ele foi sendo percebido tanto nos seus relatos, quanto na atuação da presidência? Foi uma construção gradativa?
MP: Desde 2002 eu escrevi as colunas, que começaram sendo semanais, durante a campanha eleitoral, para depois virarem diárias. Para mim foi claro que depois que o (então ministro da Fazenda)  Antonio Palocci e o (Presidente da Casa Civil) Zé Dirceu saíram do Governo, o Lula virou a referência. Antes, tudo caminhava com o Palocci tendo convencido o Lula de que o caminho (econômico) era o de manter a política anterior (do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso) e o Zé Dirceu concentrava tudo no Gabinete Civil – depois ficou claro que ele incomodava o Lula.  O presidente sabia que o Dirceu tinha “gosto” (pelo poder), mas não era o protagonista, o protagonista, ainda que simbólico era ele mesmo.
Inclusive, em uma das crônicas que ficou de fora do livro, eu relatei uma história antiga de quando o Lula e o Zé Dirceu romperam e perderam o controle do Partido dos Trabalhadores, perdendo a eleição dentro do PT. Eles voltaram a se unir para retomar o controle do partido e perceberam que isso também funcionava no Governo.
Eu acho que o Lula não tiraria o Palocci nem o Dirceu se não fossem as circunstâncias que o obrigaram, mas acredito que ele tenha ficado feliz em neutralizar o Zé Dirceu. E a partir daí, o Lulismo seguiu.  O Bolsa Família começou a fazer efeito, o (ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome) Patrus Ananias fez a distribuição do programa pelas prefeituras, que era algo que o Frei Betto (um dos idealizadores do Fome Zero, que se transformou no Bolsa Família) não queria.
O Lulismo nasceu da crise com a saída do Palocci, do mensalão e dos efeitos das políticas sociais e do Bolsa Família, quando o Lula se colocou sozinho no cenário político  e ele pode aproveitar os efeitos da política assistencialista.
3)-IM: Prevendo os próximos anos, o Lulismo se manterá ou se encerra com esse mandato?
MP: Se a Dilma perder, é claro que o Lulismo entra em decadência. Com a Dilma no Governo e a disputa entre PT e PMDB, sei que o Lula vai tentar ter um certo protagonismo. Não sei se ele vai ter a força de atração que já teve. O Lulismo é uma força mais dinamista. O (presidente) Getúlio (Vargas) transformou estruturalmente o país: introduziu a Indústria, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), criou as Leis Trabalhistas, fez mudanças que o Lula não fez. A popularidade de Lula se deve ao assistencialismo.  Não sei se ele tem fôlego para manter esse protagonismo. Depende de como será a economia, a política, depende da solidariedade da Dilma com o Lula, que eu não sei como é.
4)-IM: Você optou por manter artigos que previam situações que não se concretizaram por fidelidade ao exercício jornalístico. E sobre os acertos? Quais foram as principais previsões acertadas?
MP: O maior acerto foi o processo.  Embora, eu considere acerto o que  80% da população que acha o governo ótimo não deve concordar muito comigo… Mas eu gostei de constatar que desde o início mantenho o mesmo ponto de vista. Eu fui acompanhando todo o processo e percebendo como Governo caminhava até o mensalão.  Até lá, eu mesmo que não votei no Lula, tinha uma boa vontade com a sua política econômica, concordava com a Reforma da Previdência e defendi muito o Palocci, mas depois ficou difícil sustentar o governo que estava sustentando a corrupção no país. Em uma crônica, “Eles não usam fraque”, brincadeira com a peça “Eles não usam black-tie”, eu revelava logo a demagogia presente no fato de o presidente explorar o perfil operário e fui destacando nos textos. Aí foi aparecendo o resto, o quanto as instituições estatais como o Banco do Brasil, financiavam o PT, a crise do mensalão… A partir daí eu subo o tom (da crítica).
Desde o início, eu também venho denunciando o autoritarismo, as tentativas de controle da produção cultural e da liberdade de imprensa. Acho que entrada do Franklin Martins também colaborou para a relação conflituosa que se estabeleceu com os meios de comunicação. O livro mostra que tudo é um processo.  O capítulo dedicado à política externa revela que já na posse, o presidente adota uma postura antiamericana. Também relato como o Itamaraty se aproximou dos países em desenvolvimento e no final, como o caso do Irã, realizou coisas sem sentido para história, como tomar partido dos países contra Israel. Foi um processo que começou lentamente.
Para os países emergentes,  o Lula vende a imagem que ele é o único capaz de fazer a ponte combatendo os “loiros de olhos azuis”, ao mesmo tempo que convence os “loiros” de que ele é a pessoa ideal para combater a esquerda radical de (Hugo) Chávez.  E o mundo ocidental gosta muito do exótico, e o Lula tem uma história fantástica, um operário que chegou à presidência.  Para mim, ele é inteligente e soube aproveitar e construir muito bem essa imagem, mas em termos de política externa, de crescimento do comércio externo, não vejo nenhuma vantagem para o Brasil. A vantagem é pessoal, é dele.
Saiba mais sobre o livro “Lulismo no poder”
Veja Merval Pereira no programa “Espaço Aberto”
FONTE: http://www.imil.org.br/blog/promocao-instituto-millenium-o-lulismo-no-poder/
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger