A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » » Carlos Acutis: "um santo da geração de calça jeans"

Carlos Acutis: "um santo da geração de calça jeans"

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 9 de fevereiro de 2024 | 00:00

 




A Igreja ganha um novo beato, um “ anjo da juventude” para interceder junto ao Pai.


 



Carlos Acutis nos ensina a nos afastar da mediocridade na fé! Na Exortação Apostólica Christus vivit, inspirado pelo testemunho de Carlos Acutis, o Papa Francisco se dirige aos jovens com estas palavras:

 



“Não deixes que te roubem a esperança e a alegria, que te narcotizem para te usar como escravo dos seus interesses. Ousa ser mais, porque o teu ser é mais importante do que qualquer outra coisa; não precisas de ter nem de parecer. Podes chegar a ser aquilo que Deus, teu Criador, sabe que tu és, se reconheceres o muito a que estás chamado. Invoca o Espírito Santo e caminha, confiante, para a grande meta: a santidade. Assim, não serás uma fotocópia; serás plenamente tu mesmo.”




 

Um beato de calça jeans e tênis!



 

De todas as virtudes cardeais (prudência, justiça, fortaleza e temperança) e teologais (fé, esperança e caridade), é a fortaleza que mais se sobressai em Carlos Acutis, como afirma o frade capuchinho Carlos Acácio Gonçalves Ferreira, reitor do santuário do Despojamento em Assis, onde o jovem está sepultado.

 



“Com os pastorzinhos de Fátima, Carlos Acutis aprendeu que precisamos nos sacrificar, não ter medo do sacrifício pelo bem do próximo, pela salvação dos outros.”

 


Ao ser o primeiro beato de calça jeans e tênis, Frei Carlos se dirige a todos os jovens, recordando que o exemplo de Acutis nos demonstra que “a santidade é atualíssima e é para todos nós”.

 



"Carlos era muito atento a não cair nas armadilhas da tentação. Uma das tentações de hoje é não se entregar totalmente a Deus, pensando que isto não nos tornará felizes. Antes de morrer, quando perguntaram se não estava triste por morrer jovem,  ele respondeu: 'Não, porque eu não desperdicei nem um minuto da minha vida fazendo coisas que não agradam a Deus'. Ou seja, para Carlos, agradar a Deus significa ter uma vida plena. Não agradar a Deus significa desperdiçar a vida! Então coragem, vamos afastar a tentação da mediocridade na fé e na espiritualidade e entregar sempre mais o nosso coração a Deus."



 

Bianca Fraccalvieri – Vatican News

 

 

 

Santos de calça jeans









Santidade não está relacionada a realizar fatos homéricos ou viver em eterna penitência. Santidade é viver a Verdade e o Amor de Cristo no nosso dia a dia. Conheça o texto na íntegra atribuído a São João Paulo II:

 

 

Precisamos de Santos que vão ao cinema, ouvem música e passeiam com os amigos.

Precisamos de Santos que coloquem Deus em primeiro lugar, mas que se "lascam" na faculdade.

Precisamos de Santos que tenham tempo todo dia para rezar e que saibam namorar na pureza e castidade, ou que consagrem sua castidade.

Precisamos de Santos modernos, Santos do século XXI com uma espiritualidade inserida em nosso tempo.

Precisamos de Santos comprometidos com os pobres e as necessárias mudanças sociais.

Precisamos de Santos que vivam no mundo se santifiquem no mundo, que não tenham medo de viver no mundo.

Precisamos de Santos que bebam Coca-Cola e comam hot dog, que usem jeans, que sejam internautas, que escutem iPod.

Precisamos de Santos que amem a Eucaristia e que não tenham vergonha de tomar um refrigerante ou comer pizza no fim-de-semana com os amigos.

Precisamos de Santos que gostem de cinema, de teatro, de música, de dança, de esporte.

Precisamos de Santos sociáveis, abertos, normais, amigos, alegres, companheiros.

Precisamos de Santos que estejam no mundo; e saibam saborear as coisas puras e boas do mundo, mas que não sejam mundanos".




*Obs:Vale ressaltar que a carta oficial direcionada aos jovens por São João Paulo II é: Carta Apostólica "Dilecti Amici", do ano de 1985:

 










CARTA APOSTÓLICA DILECTI AMICI DO PAPA JOÃO PAULO II AOS JOVENS E ÀS MOÇAS DO MUNDO EM OCASIÃO DO ANO INTERNACIONAL DA JUVENTUDE



 

1.Queridos amigos: Votos para o Ano da Juventude 1. «Sempre prontos a dar a razão da vossa esperança a quem vos pedir» (1Pd 3,15). Estes são os votos que faço a vocês, jovens, desde o início do ano em curso. O ano de 1985 foi proclamado pelas Nações Unidas como o Ano Internacional da Juventude, que tem múltiplos significados, antes de mais nada para vós mesmos, e também para todas as gerações, para cada pessoa, para as comunidades e para toda a sociedade. Isto também tem um significado particular para a Igreja como depositária de verdades e valores fundamentais e, ao mesmo tempo, serva dos destinos eternos que o homem e a grande família humana têm no próprio Deus. Se o homem é o caminho fundamental e quotidiano da Igreja (Cf. João Paulo II, Encíclica Redemptor hominis, 14: AAS 71 [1979], 284 e seg.), então compreende-se bem porque a Igreja atribui especial importância ao homem, da juventude como uma etapa chave na vida de cada homem. Vocês, jovens, personificam essa juventude. Vocês são os jovens das nações e da sociedade, os jovens de cada família e de toda a humanidade. Vocês também são os jovens da Igreja. Todos nós olhamos para você, porque todos nós, de certa forma, nos tornamos constantemente jovens graças a você. Portanto, a sua juventude não é apenas algo seu, algo pessoal ou de uma geração, mas algo que pertence a todo esse espaço que cada homem percorre no itinerário da sua vida, e é ao mesmo tempo um bem especial para todos. Um bem da própria humanidade. A esperança está em você, porque você pertence ao futuro, e o futuro pertence a você. Na verdade, a esperança está sempre ligada ao futuro, é a expectativa de “bens futuros”. Como virtude cristã, está unida à expectativa daqueles bens eternos que Deus prometeu ao homem em Jesus Cristo (Cf. Rom 8, 19. 21; Ef 4, 4; Fil 3, 10 s.; Tit 3, 7; Hb 7,19; 1Pe 1,13.). E ao mesmo tempo esta esperança, como virtude cristã e ao mesmo tempo humana, é a expectativa dos bens que o homem construirá para si mesmo com os talentos que a Providência lhe deu. Neste sentido, o futuro pertence a vós, jovens, como outrora pertenceu às gerações de adultos e precisamente com elas se tornou também atual. Os adultos são responsáveis sobretudo por esta atualidade, pela sua forma múltipla e pelo seu perfil. É sua responsabilidade aquilo que um dia se tornará atual para você e que agora ainda é futuro. Quando dizemos que o futuro pertence a vocês, pensamos em categorias humanas transitórias, na medida em que o homem está sempre a caminho do futuro. Quando dizemos que o futuro depende de você, pensamos em categorias éticas, de acordo com as exigências de responsabilidade moral que nos impõem atribuir ao homem como pessoa – e às comunidades e sociedades constituídas por pessoas – o valor fundamental dos atos. , propósitos, de iniciativas e intenções humanas. Esta dimensão é também a dimensão própria da esperança cristã e humana. Nesta dimensão, o primeiro e fundamental voto que a Igreja, através de mim, formula para vós, jovens, neste Ano dedicado à Juventude, é que estais «sempre prontos a dar a razão da vossa esperança a quem a pede. ." » (1 Ped 3, 15).

 

 

 

Cristo fala aos jovens



 

2. Estas palavras, escritas um dia pelo apóstolo Pedro à primeira geração cristã, referem-se a todo o Evangelho de Jesus Cristo. Não daremos um relato mais claro desta relação quando refletirmos sobre o diálogo de Cristo com o jovem referido pelos evangelistas (Cf. Mc 10, 17-22; Mt 19, 16-22; Lc 18, 18-23). . Entre muitos outros textos bíblicos, este é o primeiro que deve ser lembrado aqui. À pergunta: “Bom Mestre, o que devo fazer para alcançar a vida eterna?”, Jesus responde com esta pergunta: “Por que me chamas de bom? "Ninguém é bom, exceto Deus." E acrescenta: «Já conheceis os mandamentos: não matarás, não cometerás adultério, não roubarás, não dirás falso testemunho, não defraudarás, honrarás a teu pai e a tua mãe» (Mc 10, 17-19). Com estas palavras Jesus recorda ao seu interlocutor alguns mandamentos do Decálogo. Mas a conversa não termina aí. Com efeito, o jovem afirma: “Mestre, guardei tudo isto desde a minha juventude”. Então – escreve o evangelista – «Jesus, olhando para ele, amou-o e disse-lhe: Só te falta uma coisa: vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; depois vem e segue-me” (Mc 10, 20s). Neste momento o clima da reunião muda. O evangelista escreve sobre o jovem que “seu semblante estava nublado e ele foi embora triste, porque tinha muitos bens” (Mc 10, 22). Existem outras passagens do Evangelho em que Jesus de Nazaré se encontra com os jovens. Particularmente sugestivas são as duas ressurreições: a da filha de Jairo (cf. Lc 8, 49-56) e a do filho da viúva de Naim (cf. Lc 7, 11-17). Contudo, podemos admitir que o referido colóquio é sem dúvida o encontro mais completo e rico em conteúdos. Pode-se dizer também que esta tem um caráter mais universal e ultratemporal; isto é, é válido em certo sentido, constante e continuamente, ao longo dos séculos e gerações. Cristo fala assim com um jovem, com um menino ou com uma menina; Ele fala em vários lugares da terra entre diferentes nações, raças e culturas. Cada um de vocês é um interlocutor potencial neste colóquio. Ao mesmo tempo, todos os elementos da descrição e todas as palavras ditas por ambas as partes numa tal conversa têm um significado muito essencial, têm o seu peso específico. Pode-se dizer que estas palavras contêm uma verdade particularmente profunda sobre o homem em geral e, em particular, a verdade sobre a juventude humana. Eles são muito importantes para os jovens. Permitam-me, portanto, como base, relacionar as minhas reflexões nesta Carta com aquele encontro e com aquele texto evangélico. Talvez assim lhe seja mais fácil desenvolver o seu próprio diálogo com Cristo, um diálogo que é de importância fundamental e essencial para um jovem.

 

 


Juventude uma riqueza singular

 



3. Começaremos com o que se encontra no final do texto evangélico. O jovem saiu triste “porque tinha muitos bens”. Sem dúvida esta frase refere-se a bens materiais, dos quais o jovem era proprietário ou herdeiro. Talvez esta seja a situação para alguns, mas não é típica. Por isso, as palavras do evangelista sugerem outra visão do problema: de facto, a juventude em si (independentemente de qualquer bem material) é uma riqueza única do homem, de uma menina ou de um menino, e na maior parte na maior parte casos, é vivido pelos jovens como uma riqueza específica. Na maioria das vezes, mas nem sempre, não via de regra, porque não faltam homens que por motivos diversos não vivenciam a juventude como riqueza. Teremos que conversar sobre isso separadamente. Existem, no entanto, razões – mesmo objectivas – para pensar a juventude como uma riqueza singular que o homem experimenta precisamente neste período da sua vida. Isto distingue-se certamente do período da infância (é, com efeito, a saída dos anos da infância), como também se distingue do período de plena maturidade. Com efeito, o período da juventude é o tempo de uma descoberta particularmente intensa do «eu» humano e das propriedades e capacidades que ele contém. À visão interior da personalidade em desenvolvimento de um jovem ou de uma jovem, abre-se gradual e sucessivamente a potencialidade específica – em certo sentido única e irrepetível – de uma humanidade concreta, na qual o projeto completo da vida futura está como que inscrito . A vida é delineada como a realização de tal projeto, como “autorrealização”. A questão merece naturalmente uma explicação de muitos pontos de vista. Mas se quisermos exprimi-lo brevemente, revela-se precisamente o perfil e a forma de riqueza que é a juventude. É a riqueza de descobrir e ao mesmo tempo de programar, de escolher, de prever e de assumir como próprias as primeiras decisões, que terão importância para o futuro na dimensão estritamente pessoal da existência humana. Ao mesmo tempo, tais decisões não têm pouca importância social. O jovem do Evangelho encontra-se nesta fase existencial, como deduzimos das mesmas perguntas que faz no diálogo com Jesus. Por esta razão, também as palavras finais referentes a “muita riqueza”, isto é, à riqueza, podem ser entendidas neste sentido preciso: o da riqueza que é a própria juventude. Mas devemos perguntar-nos: deveria essa riqueza que é a juventude afastar o homem de Cristo? O evangelista certamente não diz isto; O próprio exame do texto permite-nos concluir na direção oposta. Somente a riqueza externa, aquilo que o jovem possuía (“o patrimônio”), acabou influenciando a decisão de se distanciar de Cristo. Não o que ele era. O que ele era, precisamente quando jovem – isto é, a riqueza interior que se esconde na juventude – levou-o a Jesus. E isso o levou a fazer essas perguntas, que tratam mais claramente do seu projeto de vida. O que devo fazer para alcançar a vida eterna? O que devo fazer para que minha vida tenha pleno valor e pleno significado? A juventude de cada um de vocês, queridos amigos, é uma riqueza que se manifesta precisamente nestas questões. O homem os usa durante toda a sua vida. Porém, na juventude impõem-se de forma particularmente intensa e até insistente. E é bom que isso aconteça assim. Porque essas questões comprovam a dinâmica de desenvolvimento da personalidade humana típica da sua época. Às vezes você faz essas perguntas com impaciência e, ao mesmo tempo, entende que a resposta a elas não pode ser precipitada ou superficial. Deve ter um peso específico e definitivo. É uma resposta que se refere a toda a vida, que abrange a totalidade da existência humana.Em particular, estas perguntas essenciais são colocadas pelos vossos contemporâneos, cuja vida é marcada, desde a juventude, pelo sofrimento: por alguma deficiência física, por alguma deficiência, por alguma “deficiência” ou limitação, por uma situação familiar ou social difícil. Se, apesar de tudo isto, a sua consciência se desenvolve normalmente, a questão sobre o sentido e o valor da vida torna-se algo essencial e ao mesmo tempo particularmente dramático, porque desde o início é marcada pela dor da existência. Quantos destes jovens se encontram entre a grande multidão de jovens espalhados pelo mundo! Quantos são obrigados a viver desde a juventude numa instituição ou num hospital, condenados a uma certa passividade que pode despertar neles sentimentos de inutilidade para a humanidade! Podemos dizer então que a sua juventude é também uma riqueza interior? A quem devemos perguntar isso? A quem deveriam fazer esta pergunta essencial? Parece que nestes casos Cristo é o único interlocutor competente, aquele que ninguém pode substituir plenamente.

 



Deus é amor!

 



4. Cristo responde ao seu jovem interlocutor do Evangelho. Ele lhe diz: “Ninguém é bom, exceto Deus”. Já ouvimos o que o outro estava perguntando. «Bom Mestre, o que devo fazer para alcançar a vida eterna?» Como agir, para que minha vida tenha sentido, pleno sentido e valor? Podemos assim traduzir a sua pergunta para a linguagem do nosso tempo. Neste contexto, a resposta de Cristo significa: só Deus é o fundamento último de todos os valores; Só Ele dá sentido definitivo à nossa existência humana. Só Deus é bom, o que significa: Nele e só Nele todos os valores têm a sua fonte primeira e a sua realização final; Nele «o alfa e o ómega, o princípio e o fim» (Ap 21, 6). Só Nele encontram a sua autenticidade e a sua confirmação definitiva. Sem Ele – sem a referência a Deus – todo o mundo dos valores criados fica suspenso num vazio absoluto, perdendo a sua transparência e expressividade. O mal é apresentado como bom e o bem é descartado. Não nos indica isso a experiência do nosso tempo, onde quer que Deus tenha sido eliminado do horizonte das avaliações, dos critérios e das ações? Por que só Deus é bom? Porque Ele é amor. Cristo dá esta resposta com as palavras do Evangelho, e sobretudo com o testemunho da sua vida e da sua morte: «Porque Deus amou o mundo de tal maneira que lhe deu o seu Filho unigénito» (Jo 3, 16). Deus é bom porque “é amor” (1Jo 4, 8.16). A questão do valor, a questão do sentido da vida – já o dissemos – faz parte da riqueza particular da juventude. Nasce do fundo das riquezas e das preocupações, que estão ligadas ao projeto de vida que deve ser assumido e realizado. Ainda mais quando a juventude é testada pelo sofrimento pessoal ou está profundamente consciente do sofrimento dos outros; quando você experimenta um forte choque com as diversas formas de mal que existem no mundo; e, finalmente, diante do mistério do pecado, da iniquidade humana (mysterium iniquitatis) (cf. 2 Tes 2, 7). A resposta de Cristo equivale a: só Deus é bom, só Deus é amor. Esta resposta pode parecer difícil, mas ao mesmo tempo é firme e verdadeira; carrega em si a solução definitiva. Rezo com insistência para que vocês, jovens amigos, ouçam esta resposta de Cristo de maneira verdadeiramente pessoal, para que encontrem o caminho interior que os ajude a compreendê-la, a acolhê-la e a torná-la realidade. Este é Cristo na conversa com o jovem. É assim que acontece na conversa com cada um de vocês. Quando você pergunta a Ele: “Bom Mestre…”, Ele pergunta: “Por que você me chama de bom? "Ninguém é bom, exceto Deus." Como se dissesse: o fato de eu ser bom dá testemunho de Deus. “Quem me vê, vê o Pai” (Jo 14,9). Assim fala Cristo, mestre e amigo, Cristo crucificado e ressuscitado; o mesmo ontem, hoje e sempre (cf. Hb 13, 8). Este é o cerne, o ponto essencial da resposta às perguntas que vocês, jovens, Lhe fazem através da riqueza que há em vocês e que está enraizada na sua juventude. Isto abre diante de vocês diferentes perspectivas, oferece-lhe como tarefa o projeto de uma vida inteira. Daí a questão dos valores; daí a questão sobre o significado, sobre a verdade, sobre o bem e o mal. Quando Cristo, ao responder-te, ordena que entregues tudo isto a Deus, ele indica-te ao mesmo tempo qual é a fonte e o fundamento que está em ti. Com efeito, cada um de vós é imagem e semelhança de Deus pelo próprio facto da criação (cf. Gn 1, 26). Tal imagem e semelhança justamente fazem com que você se pergunte essas perguntas que deve se fazer. Eles demonstram até que ponto o homem sem Deus não pode compreender-se nem realizar-se sem Deus. Jesus Cristo veio ao mundo antes de tudo para dar consciência disso a cada um de nós. Sem Ele, esta dimensão fundamental da verdade sobre o homem cairia facilmente nas trevas. Contudo, «a luz veio ao mundo» (Jo 3,19; cf. 1,9), «mas as trevas não a acolheram» (Jo 1,5).

 


 

A questão sobre a vida eterna









 

5. O que devo fazer para que a vida tenha valor, tenha sentido? Esta emocionante pergunta, na boca do jovem do Evangelho, soa assim: “o que devo fazer para alcançar a vida eterna?” Será que o homem que coloca a questão desta forma fala uma linguagem compreensível para os homens de hoje? Não somos nós a geração para quem o mundo e o progresso temporal preenchem completamente o horizonte da existência? Pensamos sobretudo com categorias terrenas. Se ultrapassarmos os limites do nosso planeta, fá-lo-emos para inaugurar voos interplanetários, para transmitir sinais a outros planetas e enviar-lhes sondas cósmicas. Tudo isso se tornou o conteúdo da nossa civilização moderna. A ciência juntamente com a tecnologia descobriram de forma incomparável as possibilidades do homem no que diz respeito à matéria, e também conseguiram dominar o mundo interior dos seus pensamentos, das suas capacidades, tendências e paixões. Pero a la vez está claro que, cuando nos ponemos ante Cristo, cuando Él se convierte en el confidente de los interrogantes de nuestra juventud, no podemos poner una pregunta diversa de la del joven del Evangelio: «¿Qué he de hacer para alcanzar la vida eterna?". Qualquer outra questão sobre o sentido e o valor da nossa vida seria, antes de Cristo, insuficiente e não essencial. Com efeito, Cristo não é apenas o “bom mestre” que indica os caminhos da vida na terra. Ele é a testemunha daqueles destinos definitivos que o homem tem no próprio Deus. Ele é a testemunha da imortalidade do homem. O Evangelho que Ele anunciou com a sua voz está definitivamente selado com a cruz e a ressurreição no mistério pascal. “Cristo, ressuscitado dentre os mortos, não morre mais, a morte não tem mais domínio sobre Ele” (Rm 6,9). Na sua ressurreição, Cristo tornou-se também um permanente «sinal de contradição» (Lc 2, 34) face a todos os programas incapazes de conduzir o homem para além das fronteiras da morte. Além disso, com este confinamento eliminam todas as questões do homem sobre o valor e o sentido da vida. Diante de todos estes programas, modos de ver o mundo e ideologias, Cristo repete constantemente: “Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo 11, 25). Portanto, se vocês, queridos irmãos, querem falar com Cristo aderindo a toda a verdade do seu testemunho, por um lado devem “amar o mundo”; porque Deus «amou o mundo de tal maneira que lhe deu o seu Filho unigénito» (Jo 3,16); e, ao mesmo tempo, você deve alcançar o desapego interior de toda essa realidade rica e excitante que é “o mundo”. Você tem que decidir se perguntar sobre a vida eterna. Na verdade, «a aparência deste mundo passa» (1Cor 7,13), e cada um de nós está sujeito a esta passagem. O homem nasce com a perspectiva do dia da sua morte na dimensão do mundo visível; e ao mesmo tempo o homem, para quem a razão interior de ser consiste em superar-se, também carrega consigo tudo com que supera o mundo. Tudo com que o homem supera o mundo em si mesmo – embora nele esteja enraizado – explica-se pela imagem e semelhança de Deus que está inscrita no ser humano desde o início. E tudo isto com que o homem vence o mundo não só justifica a questão da vida eterna, mas até a torna indispensável. Esta é a pergunta que os homens se colocam há muito tempo, e não só dentro do mundo cristão, mas também fora dele. É preciso também ter a coragem de colocá-la como o jovem do Evangelho. O cristianismo nos ensina a compreender a temporalidade na perspectiva do Reino de Deus, na perspectiva da vida eterna. Sem ela, a temporalidade, mesmo a mais rica ou formada em todos os aspectos, acaba por conduzir o homem apenas à inevitável necessidade da morte. Agora, existe uma antinomia entre juventude e morte. A morte parece estar longe da juventude. E assim é. Além disso, dado que a juventude significa o projecto de uma vida, construído segundo critérios de sentido e valor, também durante a juventude a questão do fim torna-se essencial. A experiência humana entregue a si mesma dá a mesma resposta que a Sagrada Escritura: “Está ordenado morrer uma vez” (Hb 9:27), e o escritor inspirado acrescenta: “Depois disto vem o julgamento”. E Cristo diz: «Eu sou a ressurreição e a vida; Quem crê em mim, ainda que morra, viverá” (Jo 11, 25f). Portanto, pergunte a Cristo, como o jovem do Evangelho: “O que devo fazer para alcançar a vida eterna?”

 



 

Sobre moralidade e consciência


 









6. A esta pergunta Jesus responde: “Você já conhece os mandamentos”, e depois enumera estes mandamentos que fazem parte do Decálogo. Moisés os recebeu no Monte Sinai, no tempo da Aliança entre Deus e Israel. Estas foram escritas em tábuas de pedra (cf. Ex 34,1; Dt 9, 10; 2 Cor 3, 3) e constituíram uma indicação quotidiana do caminho para cada israelita (cf. Dt 4, 5-9). O jovem que fala com Cristo sabe naturalmente de cor os mandamentos do Decálogo; Com efeito, ele pode dizer com alegria: «Todas estas coisas guardei desde a minha juventude» (Mc 10,20).Devemos assumir que neste diálogo que Cristo mantém com cada um de vocês, jovens, se repete a mesma pergunta: vocês conhecem os mandamentos? Isto se repetirá infalivelmente, porque os mandamentos fazem parte da Aliança entre Deus e a humanidade. Os mandamentos determinam as bases essenciais do comportamento, decidem o valor moral dos atos humanos, permanecem numa relação orgânica com a vocação do homem à vida eterna, com o estabelecimento do Reino de Deus nos homens e entre os homens. Na palavra da Revelação divina está claramente escrito o código de moral, do qual as tábuas do Decálogo do Monte Sinai permanecem como ponto chave e cujo ápice se encontra no Evangelho: no Sermão da Montanha (cf. Mt 5-7). ) e no mandamento do amor (cf. Mt 22, 37-40; Mc 12, 29-31; Lucas 10, 27). Este código de moralidade encontra ao mesmo tempo outra formulação. Este código está inscrito na consciência moral da humanidade, de tal modo que quem não conhece os mandamentos, isto é, a lei revelada por Deus, «é uma lei para si mesmo» (cf. Rm 2, 14). Isto é o que escreve São Paulo na carta aos Romanos; e depois acrescenta: «Nisto demonstram que os preceitos da Lei estão escritos nos seus corações, sendo a sua consciência uma testemunha» (Rm 2,15). Tocamos aqui em problemas de extrema importância para a sua juventude e para o projeto de vida que dela emerge. Este projeto conforma-se à perspectiva da vida eterna, em primeiro lugar, através da verdade das obras sobre as quais será construído. A verdade das obras encontra o seu fundamento naquela dupla formulação da lei moral: aquela que está escrita nas tábuas do Decálogo de Moisés e no Evangelho, e aquela que está esculpida na consciência moral do homem. E a consciência apresenta-se como testemunha dessa lei, como escreve São Paulo. Esta consciência – segundo as palavras da carta aos Romanos – são “as sentenças com as quais alguém se acusa ou se desculpa” (Rm 2,15). Cada um sabe até que ponto estas palavras correspondem à nossa realidade interior; Cada um de nós, desde a juventude, experimenta a voz da consciência. Por isso, quando Jesus na conversa com o jovem enumera os mandamentos: “Não matarás, não cometerás adultério, não roubarás, não dirás falso testemunho, não defraudarás, honrarás teu pai e tua mãe " (Mc 10,19), a Consciência correta responde às respectivas obras do homem com uma reação interna: acusa ou desculpa. É necessário, porém, que a consciência não se desvie; É necessário que a formulação fundamental dos princípios da moralidade não ceda à deformação sob a ação de qualquer tipo de relativismo ou utilitarismo. Queridos jovens amigos! A resposta que Jesus dá ao seu interlocutor evangélico é dirigida a cada um de vós. Cristo interroga-vos sobre o estado da vossa sensibilidade moral e pergunta ao mesmo tempo sobre o estado das vossas consciências. Esta é uma questão chave para o homem; É a questão fundamental da sua juventude, válida para todo o projeto de vida que, precisamente, deve ser construído durante a juventude. O seu valor é aquele que está mais intimamente ligado à relação que cada um de vós mantém com o bem e o mal moral. O valor deste projeto depende essencialmente da autenticidade e retidão da sua consciência. Também depende da sua sensibilidade. Desta forma, encontramo-nos aqui num momento crucial, em que a temporalidade e a eternidade se encontram a cada passo, num nível típico do homem. É o nível da consciência, o nível dos valores morais; Esta é a dimensão mais importante da temporalidade e da história. Com efeito, a história não se escreve apenas com acontecimentos que acontecem de certa forma “a partir de dentro”: é a história da consciência humana, das vitórias ou derrotas morais. Aqui também a grandeza essencial do homem encontra o seu fundamento; sua dignidade autenticamente humana. Este é o tesouro interior com o qual o homem se supera constantemente rumo à eternidade. Se é verdade que “está estabelecido que os homens morrem uma só vez”, é também verdade que o tesouro da consciência, o depósito do bem e do mal, é levado pelo homem para além da fronteira da morte para que, na presença Dele que é a própria santidade, encontre a verdade última e definitiva sobre toda a sua vida: “Depois disto vem o julgamento” (Hb 9,27). Isto é precisamente o que acontece com a consciência: na verdade interior das nossas ações a dimensão da vida eterna está, num certo sentido, constantemente presente. E, ao mesmo tempo, a mesma consciência, através dos valores morais, deixa a marca mais expressiva na vida das gerações, na história e na cultura dos ambientes humanos, da sociedade, das nações e da humanidade inteira. Quanto neste campo depende de cada um de vocês!

 



 

«Jesus, olhando para ele, amou-o»

 



7. Continuando o exame do diálogo de Cristo com o jovem, entramos agora numa outra fase. Isto é novo e decisivo. O jovem recebeu a resposta essencial e fundamental à sua pergunta: “O que devo fazer para alcançar a vida eterna?” E esta resposta coincide com todo o caminho percorrido até agora na sua vida: “Tudo isto guardei desde a minha juventude”. Como desejo ardentemente a cada um de vós que o caminho da vossa vida percorrido até aqui coincida igualmente com a resposta de Cristo! Além disso, desejo que a juventude lhe proporcione uma base robusta de princípios saudáveis; Que a vossa consciência alcance já nestes anos de juventude aquela transparência madura que na vossa vida permitirá a cada um de vós ser sempre “pessoas que inspiram confiança”, isto é, credíveis. A personalidade moral assim formada constitui ao mesmo tempo o contributo mais essencial que se pode dar à vida comunitária, à família, à sociedade, à actividade profissional e também à actividade cultural ou política e, por fim, à comunidade. Igreja à qual você está ou poderá um dia estar vinculado.Trata-se aqui de uma autenticidade plena e profunda da humanidade e de uma autenticidade igual no desenvolvimento da personalidade humana, feminina ou masculina, com todas as características que constituem o traço irrepetível desta personalidade e que ao mesmo tempo provocam uma múltipla ressonância na vida da comunidade e dos ambientes, a começar pela família. Cada um de vocês deve contribuir de alguma forma para a riqueza destas comunidades, antes de tudo, através de quem você é. A juventude que é a riqueza “pessoal” de cada um de vocês não se abre nesta direção? O homem lê a si mesmo, a sua própria humanidade, tanto como seu próprio mundo interior quanto como o terreno específico de estar “com os outros”, “para os outros”. Precisamente aqui os mandamentos do Decálogo e do Evangelho assumem um significado decisivo, especialmente o mandamento da caridade que abre o homem a Deus e ao próximo. A caridade, de facto, é «o vínculo da perfeição» (Cl 3,14). Através dela o homem e a fraternidade inter-humana amadurecem mais plenamente. Por isso a caridade é maior (cf. 1Cor 13, 13), é o primeiro entre todos os mandamentos; É o primeiro deles, como nos ensina Cristo (cf. Mt 22, 38); nele, todos os outros estão encerrados e unificados.Desejo, portanto, a cada um de vocês que os caminhos da sua juventude se encontrem com Cristo para que possam confirmar diante Dele, com o testemunho da consciência, este código evangélico de moralidade cujos valores, na curva das gerações, tantos grandes homens de espírito se aproximaram de alguma forma.Este não é o lugar para citar as provas disso encontradas ao longo da história da humanidade. É verdade que desde a antiguidade os ditames da consciência guiam cada sujeito humano para uma norma moral objectiva que encontra a sua expressão concreta no respeito pela pessoa dos outros e no princípio de não lhes fazer o que não queremos que lhes seja feito, fazer.Nisto já vemos emergir claramente aquela moral objectiva, da qual São Paulo afirma estar escrita «nos corações» e que recebe o testemunho da consciência (cf. Rm 2, 15). O cristão percebe ali facilmente um raio do Verbo criador que ilumina cada homem (cf. Jo 1, 9; Nostra Aetate, 2) e, precisamente por ser seguidor deste Verbo feito carne, eleva-se à lei superior do Evangelho. que positivamente –com o mandamento da caridade– exige que ele faça ao próximo todo o bem que deseja para si mesmo. Desta forma, ele sela a voz íntima da sua consciência com a adesão absoluta a Cristo e à sua palavra.Desejo que experimenteis, depois de discernir os problemas essenciais e importantes para a vossa juventude, para o projeto de vida que se abre diante de vós, aquilo de que fala o Evangelho: «Jesus, olhando para ele, amou-o». Desejo que você experimente um visual como este. Quero que você experimente a verdade de Cristo olhando para você com amor. Ele olha com amor para cada homem. O Evangelho confirma-o a cada passo. Pode-se dizer também que neste “olhar amoroso” de Cristo toda a Boa Nova está contida quase como que em resumo e síntese. Se procurarmos o início desta visão, é necessário voltar ao livro do Gênesis, àquele momento em que, depois da criação do homem “macho e fêmea”, Deus viu que “ele era muito bom” (Gn 1). :31). Este primeiro olhar do Criador reflete-se no olhar de Cristo que acompanha o diálogo com o jovem no Evangelho. Sabemos que Cristo confirmará e selará este olhar com o sacrifício redentor da Cruz, porque precisamente através deste sacrifício aquele “olhar” atingiu uma particular profundidade de amor. Contém uma tal afirmação do homem e da humanidade que só Cristo, Redentor e Marido, é capaz. Só Ele sabe o que há no homem (cf. Jo 2,25): Ele conhece a sua fraqueza, mas conhece também e sobretudo a sua dignidade. Desejo que cada um de vocês descubra este olhar de Cristo e o viva profundamente. Não sei em que momento da vida. Penso que chegará o momento em que será mais necessário; talvez no sofrimento, talvez também com o testemunho de uma consciência pura, como no caso do jovem do Evangelho, ou talvez precisamente na situação oposta: junto com o sentimento de culpa, com o remorso de consciência. Com efeito, Cristo olhou também para Pedro na hora da sua queda, quando este havia negado três vezes o seu Mestre (cf. Lc 22,61). Este olhar amoroso é necessário ao homem; É necessário que ele saiba que é amado, que é amado eternamente e que foi escolhido desde a eternidade (cf. Ef 1, 4). Ao mesmo tempo, este amor eterno da eleição divina acompanha o homem ao longo da sua vida como o olhar amoroso de Cristo. E talvez com maior força no momento da prova, da humilhação, da perseguição, da derrota, quando a nossa humanidade está quase apagada aos olhos dos homens, quando é ultrajada e pisoteada; então a consciência de que o Pai sempre nos amou no seu Filho, de que Cristo ama cada um e sempre, torna-se um ponto sólido de apoio para toda a nossa existência humana. Quando tudo nos faz duvidar de nós mesmos e do sentido da nossa própria existência, então este olhar de Cristo, isto é, a consciência do amor que Nele se mostrou mais forte que todo mal e toda destruição, esta consciência nos permite sobreviver . Desejo que você experimente o que sentiu o jovem do Evangelho: “Jesus, olhando para ele, amou-o”.

 


 

"Me siga"

 











8. Do exame do texto evangélico verifica-se que este olhar foi, por assim dizer, a resposta de Cristo ao testemunho que o jovem deu da sua vida até aquele momento, isto é, de ter agido segundo os mandamentos de Deus. "Eu guardei tudo isso desde a minha juventude." Ao mesmo tempo, esse “olhar de amor” foi a introdução à fase final da conversa. Seguindo os escritos de Mateus, foi o mesmo jovem quem iniciou esta fase, pois não só confirmou a sua fidelidade aos mandamentos do Decálogo, que caracterizavam o seu comportamento anterior, mas ao mesmo tempo formulou uma nova pergunta. Na verdade, ele perguntou: "O que ainda me resta?" (Mt 19, 20). Esta questão é muito importante. Indica que na consciência moral do homem e, especificamente, do jovem, que constitui o projeto de toda a sua vida, está escondida a aspiração de “algo mais”. Este desejo é sentido de diversas maneiras, e podemos notá-lo também entre aquelas pessoas que dão a impressão de estar distantes da nossa religião. Entre os seguidores das religiões não-cristãs, especialmente o budismo, o hinduísmo e o islamismo, encontramos, há milênios, numerosos homens “espirituais” que, muitas vezes, desde a juventude, abandonam tudo para viver em estado de pobreza e pureza na busca de o Absoluto que está acima da aparência das coisas sensíveis, eles se esforçam para conquistar o estado de perfeita libertação, refugiam-se em Deus com amor e confiança e tentam submeter-se de todo o coração aos desígnios escondidos Nele. Eles se sentem como se empurrados por um misterioso voz interior que ressoa em seu espírito, ecoando as palavras de São Paulo: “A aparência deste mundo passa” (1Cor 7,31), e os leva a buscar coisas maiores e duradouras: “Buscai as coisas que são do alto " (Colossenses 3:1). Eles tendem com todas as suas forças para a meta, trabalhando através de um aprendizado sério para purificar seu espírito, chegando às vezes a fazer da própria vida uma doação de amor à divindade. Agindo desta forma, tornam-se um exemplo vivo para os seus contemporâneos, aos quais indicam com o seu comportamento a primazia dos valores eternos sobre os passageiros e por vezes ambíguos oferecidos pela sociedade em que vivem. O desejo de perfeição, de “algo mais”, encontra no Evangelho o seu ponto de referência explícito. Cristo, no Sermão da Montanha, confirma toda a lei moral, no centro da qual estão as tábuas mosaicas dos dez mandamentos; mas ao mesmo tempo dá a estes mandamentos um significado novo e evangélico. Tudo isto se concentra – como foi dito anteriormente – em torno da caridade, não só como mandamento, mas também como dom: «... o amor de Deus foi derramado em vossos corações em virtude do Espírito Santo, que foi nos foi dado, dado” (Rm 5, 5). Neste novo contexto, torna-se compreensível também o programa das oito bem-aventuranças, com as quais começa o Sermão da Montanha no Evangelho segundo São Mateus (cf. Mt 5, 3-12). Neste mesmo contexto, o conjunto dos mandamentos, que constituem o código fundamental da moral cristã, é completado pelo conjunto dos conselhos evangélicos, nos quais se expressa e concretiza de modo especial o chamado de Cristo à perfeição, que é um apelo à santidade.Quando o jovem pergunta sobre o “algo mais”: “O que me resta?”, Jesus olha para ele com amor e este amor encontra aqui um novo significado. O homem é conduzido interiormente pelo Espírito Santo de uma vida segundo os mandamentos para outra vida consciente do dom, e o olhar cheio de amor de Cristo exprime este “passo” interior. Jesus acrescenta: “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu, e vem e segue-me” (Mt 19, 21). Sim, meus queridos jovens! O homem, o cristão, é capaz de viver segundo a dimensão do dom. Além disso, esta dimensão não só é “superior” à das meras obrigações morais conhecidas pelos mandamentos, mas é também “mais profunda” e fundamental. Esta dimensão testemunha uma expressão mais plena daquele projeto de vida que construímos na nossa juventude. A dimensão do dom cria simultaneamente o perfil maduro de cada vocação humana e cristã, como se dirá mais adiante. Contudo, neste momento desejo falar-vos do significado particular das palavras que Cristo dirigiu àquele jovem. E faço-o convencido de que Cristo os dirige na Igreja a alguns dos seus jovens interlocutores de cada geração. Também nosso. Estas palavras significam, neste caso, uma vocação particular dentro da comunidade do Povo de Deus. A Igreja encontra o "segue-me" de Cristo (cf. Mc 10, 21; Jo 1, 43; 21, 23) no início de cada chamada ao serviço no sacerdócio ministerial, que no rito latino a Igreja Católica está simultaneamente unida à escolha responsável e livre do celibato. A Igreja encontra o mesmo “segue-me” de Cristo no início da vocação religiosa em que, através da profissão dos conselhos evangélicos (castidade, pobreza e obediência), um homem ou uma mulher reconhece como seu o programa de vida que eles próprios Cristo realizou na terra para o reino de Deus (cf. Mt 19, 12). Ao fazerem os votos religiosos, estas pessoas comprometem-se a dar um testemunho concreto do amor de Deus acima de tudo e, ao mesmo tempo, daquele apelo à união com Deus na eternidade que se dirige a todos. Apesar disso, é necessário que alguns dêem um testemunho excepcional de tal chamado a outros. Limito-me a mencionar estes temas na presente Carta, pois já foram amplamente apresentados em outros lugares e em mais de uma ocasião (Cf. Por exemplo João Paulo II, Exort. Apost. Redemptionis donum: AAS 76 (1984), 513 - 546.). Recordo-os aqui porque no contexto do diálogo de Cristo com o jovem adquirem uma clareza particular, especialmente o tema da pobreza evangélica. Também me lembro deles, porque o “segue-me” de Cristo, precisamente neste sentido excepcional e carismático, é sentido na maior parte das vezes já na idade da juventude; e, às vezes, é percebido ainda na infância. Esta é a razão pela qual desejo dizer a todos vocês, jovens, nesta importante fase do desenvolvimento da sua personalidade masculina ou feminina: se tal chamado chegar ao seu coração, não o silenciem! Deixe-o evoluir para a maturidade de um chamado. Colabore com esse chamado através da oração e da fidelidade aos mandamentos. “A colheita é abundante” (Mt 9, 37). Há uma grande necessidade de muitos ouvirem o chamado de Cristo: “Segue-me”. Há uma grande necessidade de que o chamado de Cristo chegue a muitos: “Segue-me”. Há uma enorme necessidade de sacerdotes segundo o coração de Deus. A Igreja e o mundo de hoje têm necessidade urgente de um testemunho de vida doada sem reservas a Deus, do testemunho deste amor esponsal de Cristo, que de modo particular torna presente o Reino de Deus entre os homens e o aproxima do mundo.Permita-me então completar as palavras de Cristo Senhor sobre a colheita que é abundante. Sim, a colheita do Evangelho, da salvação, é abundante... “mas os trabalhadores são poucos”. Talvez isto seja mais perceptível hoje do que no passado, especialmente em alguns países, bem como em alguns Institutos de vida consagrada e similares. “Rogai, pois, ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua messe” (Mt 9,37), continua Cristo. Estas palavras, especialmente no nosso tempo, tornam-se um programa de oração e de ação em favor das vocações sacerdotais e religiosas. Com este programa a Igreja dirige-se a vós, jovens. Você também ora. E se o fruto desta oração da Igreja nasce no fundo do seu coração, ouça o Mestre que lhe diz: “Segue-me”.

 



O projeto de vida e a vocação cristã



 

9. No Evangelho estas palavras referem-se certamente à vocação sacerdotal ou religiosa, mas ao mesmo tempo permitem-nos compreender mais profundamente a questão da vocação num sentido ainda mais amplo e fundamental. Poderíamos falar aqui da vocação “de vida”, que se identifica de certo modo com o projeto de vida que cada um de vocês desenvolve no período da juventude. Contudo, “a vocação” diz algo mais que o “projeto”. No segundo caso, é você mesmo o sujeito que elabora, e isso corresponde mais à realidade da pessoa, ao que cada um de vocês é. Este “projecto” é a “vocação”, na medida em que nele se fazem sentir os vários factores que o chamam. Esses fatores normalmente constituem uma determinada ordem de valores (também chamada de “hierarquia de valores”), da qual emerge um ideal a ser realizado, que atrai um coração jovem. Neste processo a “vocação” passa a ser um “projeto”, e o projeto também passa a ser uma vocação. Mas dado que nos encontramos diante de Cristo e baseamos as nossas reflexões sobre os jovens no seu diálogo com o jovem, é necessário esclarecer ainda melhor a relação entre “o projeto de vida” em relação à “vocação de vida”. O homem é criatura e, ao mesmo tempo, filho adotivo de Deus em Cristo: é filho de Deus. Depois a pergunta: "O que ainda me resta?" O homem faz isso durante a juventude não só para si mesmo e para outras pessoas das quais espera uma resposta, especialmente pais e educadores, mas também faz isso para Deus, como criador e pai. O homem coloca-se esta pergunta no contexto daquele espaço interior particular onde aprendeu a estar em estreita relação com Deus, sobretudo na oração. O homem então pergunta a Deus: “O que me resta?” Qual é o seu plano para a minha vida? Qual é o seu plano criativo e paterno? Qual é a sua vontade? Eu desejo cumpri-lo.Neste contexto, o “projeto” adquire o significado de “vocação de vida”, como algo que é confiado ao homem por Deus como tarefa. Um jovem, ao entrar em si mesmo e ao mesmo tempo iniciar o diálogo com Cristo na oração, quase quer ler aquele pensamento eterno que Deus criador e pai tem consigo. Então ele se convence de que a tarefa que Deus lhe atribui é deixada inteiramente à sua liberdade e, ao mesmo tempo, é determinada por diversas circunstâncias internas e externas. O jovem, menino ou menina, examinando estas circunstâncias, constrói o seu projeto de vida e ao mesmo tempo reconhece este projeto como a vocação à qual Deus o chama.Por isso, desejo confiar a todos vocês, jovens destinatários desta Carta, este maravilhoso trabalho que está ligado à descoberta, diante de Deus, da respectiva vocação de vida. Este é um trabalho emocionante. É um compromisso interior emocionante. Sua humanidade se desenvolve e cresce neste compromisso enquanto sua jovem personalidade adquire maturidade interior. Vocês se enraízam naquilo que cada um de vocês é, para se tornarem o que devem ser: para si mesmos, para os homens e para Deus.Paralelamente ao processo de descoberta da própria “vocação de vida”, deve-se desenvolver a consciência de como esta vocação de vida é ao mesmo tempo uma “vocação cristã”. Deve-se notar aqui que, no período anterior ao Concílio Vaticano II, o conceito de “vocação” era aplicado sobretudo no que diz respeito ao sacerdócio e à vida religiosa, como se Cristo tivesse dirigido ao jovem o seu evangélico “segue-me”. apenas para estes casos. O Conselho expandiu esta visão. A vocação sacerdotal e religiosa preservou o seu carácter particular e a sua importância sacramental e carismática na vida do Povo de Deus. Mas, ao mesmo tempo, a consciência, renovada pelo Vaticano II, da participação universal de todos os batizados na tríplice missão de Cristo (tria munera) profética, sacerdotal e real, bem como a consciência da vocação universal à santidade ( Cf. Segunda Vat. Ecum. Conc., Dogmatic Constit. Lumen gentium, 39-42), certamente fazem com que cada vocação da vida humana, como a vocação cristã, corresponda à chamada evangélica. O “segue-me” de Cristo pode ser ouvido ao longo de diversos caminhos, por onde caminham os discípulos e testemunhas do divino Redentor. É possível tornar-se imitador de Cristo de vários modos, isto é, não só testemunhando o Reino escatológico da verdade e do amor, mas também esforçando-se pela transformação de toda a realidade temporal segundo o espírito do Evangelho (cf. Ecum. Conc. Vat. II, Pastoral Constit. Gaudium et Spes, 43-44). É aqui que começa também o apostolado dos leigos, inseparável da própria essência da vocação cristã.Estas premissas são extremamente importantes para o projeto de vida, que corresponde ao dinamismo essencial da sua juventude. É necessário que examineis este projecto – independentemente do conteúdo concreto de “vida” com que será preenchido – à luz das palavras dirigidas por Cristo ao jovem.É necessário que vocês reflitam também – e com muita seriedade – sobre o significado do batismo e da confirmação. Com efeito, o depósito fundamental da vida e da vocação cristã está contido nestes dois sacramentos. Deles começa o caminho rumo à Eucaristia, que contém a plenitude do dom sacramental concedido ao cristão: toda a riqueza da Igreja está concentrada neste Sacramento de Amor. Ao mesmo tempo, sempre em relação à Eucaristia, devemos reflectir sobre o tema do Sacramento da Penitência, que tem uma importância insubstituível na formação da personalidade cristã, especialmente se a ele estiver ligada a direcção espiritual, isto é, uma escola sistemática de vida interior.Quero falar brevemente sobre estas questões, embora cada um dos Sacramentos da Igreja tenha a sua referência definida e específica aos jovens e aos jovens. Espero que o tema seja tratado detalhadamente por outros, especialmente pelos agentes pastorais enviados expressamente para colaborar com os jovens.A própria Igreja – como ensina o Concílio Vaticano II – é “como um sacramento, isto é, um sinal e instrumento de união íntima com Deus e da unidade de todo o gênero humano” (Segunda Vat. Ecum. Concílio, Dogmatic Constit. Lumen gentium, 1). Cada vocação de vida, como vocação «cristã», está enraizada na sacramentalidade da Igreja: forma-se, portanto, através dos sacramentos da nossa fé. São eles que nos permitem, desde a juventude, abrir o nosso “eu” humano à acção salvífica de Deus, isto é, da Santíssima Trindade. Eles nos permitem participar da vida de Deus, vivendo em plenitude uma vida humana autêntica. Desta forma, a vida humana adquire uma nova dimensão e, ao mesmo tempo, a sua originalidade cristã: a consciência das exigências impostas ao homem pelo Evangelho é completada pela consciência daquele dom, que tudo supera. “Se conhecesseis o dom de Deus” (Jo 4,10), disse Cristo no seu diálogo com a Samaritana.

 



"Grande sacramento nupcial"

 



10. Em relação a esta vasta perspectiva que o vosso projecto de vida juvenil adquire em relação à ideia da vocação cristã, desejo chamar a atenção juntamente convosco, jovens destinatários desta Carta, para o problema que, em certo sentido, é encontrado no centro da juventude de todos vocês. Este é um dos problemas centrais da vida humana e é, ao mesmo tempo, um dos temas centrais da reflexão, da criatividade e da cultura. Este é também um dos principais temas bíblicos, ao qual dediquei pessoalmente muitas reflexões e análises. Deus criou o ser humano homem e mulher, introduzindo assim na história da raça humana aquela particular “duplicidade” com plena igualdade, se se trata da dignidade humana, e com maravilhosa complementaridade, se se trata da divisão dos atributos, propriedades e tarefas, ligadas à masculinidade e feminilidade do ser humano. Portanto, este é um tema gravado no mesmo “eu” pessoal de cada um de vocês. A juventude é o período em que este grande tema invade, de forma experimental e criativa, a alma e o corpo de cada menino e menina, e se manifesta na consciência jovem juntamente com a descoberta fundamental do próprio “eu”. potencialidade múltipla. Então, também no horizonte de um coração jovem, surge uma nova experiência: a experiência do amor, que desde o primeiro momento pede para ser esculpida naquele projeto de vida, que a juventude cria e forma espontaneamente. Tudo isto tem a sua expressão subjetiva irrepetível, a sua riqueza emocional e até a sua beleza metafísica. Ao mesmo tempo, em tudo isto há uma poderosa exortação para não falsificar esta expressão, para não destruir aquela riqueza e desfigurar aquela beleza. Estai convencidos de que este chamado vem do próprio Deus, que criou o ser humano “à sua imagem e semelhança”, especificamente “como homem e mulher”. Este apelo brota do Evangelho e faz-se ouvir na voz das consciências jovens, se preservaram a sua simplicidade e limpeza: «Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus» (Mt 5, 8). Sim, através daquele amor que nasce em ti – e quer ser esculpido no projecto de toda a tua vida – deves ver Deus que é amor (cf. 1Jo 4, 8.16). Por isso peço-lhe que não interrompa o diálogo com Cristo nesta fase extremamente importante da sua juventude, aliás, peço-lhe que se empenhe ainda mais. Quando Cristo diz “segue-me”, o seu chamado pode significar: “Eu te chamo para ainda outro amor”; mas muitas vezes significa: “segue-me” que sou o marido da Igreja, minha esposa...; Venha, torne-se também o marido da sua esposa..., torne-se a esposa do seu marido. Tornai-vos ambos participantes daquele mistério, daquele sacramento, que na carta aos Efésios se diz grande: grande «em relação a Cristo e à Igreja» (cf. Ef 5, 32). Muito depende do fato de vocês, também neste caminho, seguirem Cristo; Que você não fuja Dele enquanto tiver esse problema que você considera justamente o grande acontecimento do seu coração, um problema que existe em você e entre vocês. Quero que acrediteis e estejais convencidos de que este grande problema tem a sua dimensão definitiva em Deus, que é amor; em Deus, que na unidade absoluta da sua divindade é ao mesmo tempo comunhão de pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Desejo que acrediteis e estejais convencidos de que este vosso “grande mistério humano” tem a sua origem em Deus Criador, que está radicado em Cristo Redentor, que como o marido “se entregou totalmente”, e ensina todos os maridos e as esposas a “doarem-se” de acordo com a plena capacidade da dignidade pessoal de cada um. Cristo nos ensina o amor conjugal. Seguir o caminho da vocação conjugal significa aprender o amor esponsal, dia após dia, ano após ano; o amor segundo a alma e o corpo, o amor que “é longânimo, é benigno, não busca o que é seu... desculpa tudo”; amor que “se deleita na verdade”, amor que “tudo tolera” (cf. 1Cor 13, 4.5.6.7). Precisamente vós, jovens, necessitais deste amor para que o vosso futuro casamento possa “passar” na prova da vossa vida. E, especificamente, esta prova faz parte da própria essência da vocação que, através do casamento, tentas gravar no projeto da tua vida. Por isso não paro de pedir a Cristo e à Mãe do Belo Amor o amor que nasce nos corações jovens. Muitas vezes durante a minha vida foi-me possível acompanhar, de certa forma, mais de perto este amor pelos jovens. Graças a esta experiência compreendi quão essencial é o problema que aqui estamos a tratar, quão importante e grande é. Penso que o futuro do homem é em grande parte decidido pelos caminhos deste amor, inicialmente juvenil, que você e ela... ou você e ele descobrem ao longo da juventude. Isto é – pode-se dizer – uma grande aventura, mas é também uma grande tarefa. Hoje, os princípios da moralidade matrimonial cristã são apresentados de forma desfigurada em muitos ambientes. Tenta-se impor aos ambientes e até às sociedades inteiras um modelo que se autoproclama “progressista” e “moderno”. Não se percebe então que neste modelo o ser humano, e talvez especialmente a mulher, é transformado de sujeito em objeto (objeto de uma manipulação específica), e todo o grande conteúdo do amor é reduzido a mero “prazer”, que, embora afete ambas as partes, ainda é egoísta em sua essência. Por fim, o filho, que é fruto e nova encarnação do amor dos dois, torna-se cada vez mais “um acréscimo chato”. A civilização materialista e consumista penetra neste maravilhoso conjunto de amor conjugal – paterno e materno – e despoja-o daquele conteúdo profundamente humano que desde o início trazia um sinal e uma reflexão divina. Queridos jovens amigos! Não deixe que essa riqueza seja tirada de você! Não registre conteúdos deformados, empobrecidos e falsificados no projeto de sua vida: o amor “tem prazer na verdade”. Procure onde realmente está. Se necessário, esteja determinado a ir contra a corrente de opiniões e slogans de propaganda que circulam. Não tenhais medo do amor, que impõe exigências precisas ao homem. Estas exigências – tal como as encontramos no ensinamento constante da Igreja – são capazes de transformar o vosso amor em amor verdadeiro. E se tiver que fazê-lo em algum lugar, quero repetir aqui de maneira especial o desejo formulado no início, ou seja, que você esteja “sempre pronto para dar uma razão de sua esperança a todos que a pedirem”. A Igreja e a humanidade confiam-vos o grande problema do amor, no qual se baseiam o matrimónio e a família; isto é, o futuro. Eles esperam que você saiba como fazê-lo renascer; Eles esperam que você saiba como fazê-lo de maneira bela, humana e cristã. Um grande amor humano e cristão, maduro e responsável.

 

 



Herança











 

11. No vasto espaço em que o projeto de vida, formado na juventude, encontra “os outros”, analisamos o ponto mais nevrálgico. Pensemos também que este ponto central, no qual o nosso “eu” pessoal se abre à vida “com os outros” e “para os outros” na aliança conjugal, encontra na Sagrada Escritura uma palavra muito significativa: “O homem deixará ao seu pai e mãe; e ele se apegará à sua mulher” (Gn 2,24; cf. Mt 19,5).A palavra “sair” merece atenção especial. A história da humanidade passa desde o início – e continuará até o fim – pela família. O ser humano faz parte dela através do nascimento que deve aos seus pais: ao pai e à mãe, para sair deste primeiro ambiente de vida e de amor no momento adequado e passar para um novo. “Ao deixar o pai e a mãe”, cada um de vocês ao mesmo tempo, em certo sentido, os carrega dentro de si, assume a herança múltipla, que tem seu início direto e sua fonte neles e em suas famílias. Dessa forma, mesmo enquanto vocês marcham, cada um de vocês permanece; A herança que assume liga-o de forma estável àqueles que a transmitiram e a quem tanto deve. E ele próprio – ela ou ele – continuará a transmitir a mesma herança. Daí que o quarto mandamento do Decálogo tenha tanta importância: «Honra a teu pai e a tua mãe» (Ex 20, 12; Dt 5, 16; Mt 15, 4).Trata-se aqui, sobretudo, da herança de ser homem e, sucessivamente, de ser homem numa situação pessoal e social mais definida. Até a semelhança física com os pais desempenha um papel nisso. Ainda mais importante é todo o património cultural, no centro do qual a língua se encontra quase diariamente. Os vossos pais ensinaram cada um de vós a falar aquela língua que constitui a expressão essencial do vínculo social com os outros homens. Isto é determinado por limites mais amplos do que a própria família ou um determinado ambiente. Estes são, pelo menos, os limites de uma tribo e, na maioria das vezes, os limites de uma cidade ou de uma nação na qual você nasceu. A herança familiar é ampliada desta forma. Através da educação familiar você participa de uma cultura específica, você também participa da história de sua cidade ou nação. O vínculo familiar significa pertencimento comum a uma comunidade mais ampla que a família e, ao mesmo tempo, outra base de identidade da pessoa. Se a família é a primeira educadora de cada um de vós, ao mesmo tempo – através da família – a tribo, a cidade ou a nação, à qual estamos unidos pela unidade cultural, linguística e histórica, é um elemento educativo. Esta herança constitui também um apelo no sentido ético. Ao receber a fé e herdar os valores e conteúdos que constituem toda a cultura da sua sociedade, a história da sua nação, cada um de vocês recebe um dom espiritual em sua humanidade individual. A parábola dos talentos que recebemos do Criador através dos nossos pais, das nossas famílias e também através da comunidade nacional à qual pertencemos tem aqui aplicação. Em relação a esta herança não podemos manter uma atitude passiva ou mesmo renunciada, como fez o último dos servos mencionado na parábola dos talentos (cf. Mt 25, 14-30; Lc 19, 12-26). Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para assumir esta herança espiritual, para confirmá-la, mantê-la e aumentá-la. Esta é uma tarefa importante para todas as sociedades, especialmente talvez para aquelas que estão no início da sua existência autónoma, ou para aquelas que devem defender a sua própria existência e a identidade essencial da sua nação face ao perigo de destruição desde o início. .exterior ou decomposição do interior. Ao escrever-vos, jovens, procuro ter presente a situação complexa e diversificada das tribos, dos povos e das nações do nosso mundo. A vossa juventude e o projecto de vida, que cada um de vós desenvolve durante a vossa juventude, estão desde o primeiro momento inseridos na história destas diversas sociedades, e isso acontece não “de fora”, mas principalmente “de dentro”. . Isto torna-se para vós uma questão de família e, consequentemente, de consciência nacional: é uma questão de coração, uma questão de consciência. O conceito de “pátria” desenvolve-se através da contiguidade imediata com o conceito de “família” e, em certo sentido, um desenvolve-se no âmbito do outro. Aos poucos, ao experimentares este vínculo social, que é mais amplo que o vínculo familiar, começas também a participar na responsabilidade pelo bem comum daquela família mais ampla, que é a “pátria” terrena de cada um e de todos os teus. As figuras eminentes da história de uma nação, antiga ou contemporânea, guiam também a vossa juventude e encorajam o desenvolvimento daquele amor social que muitas vezes é chamado de "amor patriótico".




 

Talentos e tarefas








 

12. Neste contexto de família e de sociedade que é a vossa pátria, insere-se gradualmente um tema intimamente relacionado com a parábola dos talentos. Na verdade, vocês reconhecem progressivamente aquele “talento” ou aqueles “talentos” que são propriedade de cada um de vocês, e começam a usá-los de forma criativa, começam a multiplicá-los. Isso é feito através do trabalho.Que vasta escala de direções, capacidades e interesses possíveis existe neste campo! Não é minha intenção enumerá-los aqui, nem mesmo a título de exemplo, porque corre-se o risco de omitir mais do que levamos em consideração. Pressuponho, portanto, toda a variedade e multiplicidade de direções. Ela também demonstra a riqueza múltipla de descobertas que a juventude traz. Se nos referirmos ao Evangelho, pode-se dizer que a juventude é o tempo do discernimento dos talentos. E é ao mesmo tempo o momento em que se entra nos múltiplos caminhos, através dos quais toda a atividade humana, o trabalho e a criatividade se desenvolveram e continuam a desenvolver-se. Desejo que todos vocês se descubram por esses caminhos. Desejo que você os insira com interesse, diligência e entusiasmo. O trabalho – todos os tipos de trabalho – está ligado ao cansaço: “Com o suor do teu rosto comerás o pão” (Gn 3,19), e esta experiência de cansaço é partilhada por cada um de vós desde os primeiros anos. Porém, o trabalho, ao mesmo tempo, forma o homem de uma maneira específica e de uma certa maneira o cria. Portanto, é também uma questão de cansaço criativo.Isto não se refere apenas ao trabalho de investigação ou, em geral, ao trabalho intelectual de natureza cognitiva, mas também ao trabalho normal de natureza física, que aparentemente não contém nada de “criativo”.O trabalho, característico do período da juventude, constitui sobretudo uma preparação para o trabalho da idade adulta e, portanto, está ligado à escola. Por isso, enquanto vos escrevo estas palavras, queridos jovens, penso em todas as escolas existentes no mundo às quais a vossa existência jovem está ligada durante vários anos, nos vários e sucessivos níveis, segundo o grau de desenvolvimento mental e a orientação das próprias inclinações: do ensino fundamental à universidade. Penso também em todos os adultos, meus irmãos e irmãs, que são os vossos professores, os vossos educadores, os guias das mentes e dos personagens jovens. Quão grande é a sua missão! Que responsabilidade particular é a sua! Mas quão grande é também o seu mérito! Finalmente, penso naqueles sectores da juventude, nos vossos contemporâneos, que – especialmente em algumas sociedades e em alguns ambientes – carecem da possibilidade de educação e, muitas vezes, até do ensino primário. Este facto constitui um desafio permanente a todas as instituições responsáveis, tanto a nível nacional como internacional, para garantir que este estado de coisas seja sujeito às necessárias melhorias. Na verdade, a educação é um dos bens fundamentais da civilização humana. Isto tem uma importância especial para os jovens. O futuro de toda a sociedade também depende em grande medida disso. Mas quando consideramos o problema da instrução, do estudo, da ciência e da escola, surge um problema de fundamental importância para o homem e especialmente para os jovens. É o problema da verdade. A verdade é a luz da inteligência humana. Se desde a juventude a inteligência humana procura conhecer a realidade nas suas diversas dimensões, fá-lo para possuir a verdade: para viver da verdade. Tal é a estrutura do espírito humano. A fome de verdade constitui a sua aspiração e expressão fundamentais. Cristo diz: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32). Das palavras contidas no Evangelho, estas estão certamente entre as mais importantes. Referem-se, com efeito, ao homem como um todo. Explicam o fundamento sobre o qual se constroem a dignidade e a grandeza do homem a partir de dentro, na dimensão do espírito humano. O conhecimento que liberta o homem não depende apenas da educação, ainda que universitária; Uma pessoa analfabeta também pode possuí-lo; Apesar disso, a instrução, enquanto conhecimento sistemático da realidade, deve servir esta dignidade e grandeza. Portanto, deveria servir à verdade. O serviço à verdade se realiza também no trabalho que vocês serão chamados a realizar, uma vez concluído o programa de sua instrução. Deveis adquirir na escola as capacidades intelectuais, técnicas e práticas que vos permitam ocupar utilmente o vosso lugar na grande oficina do trabalho humano. Mas mesmo que seja verdade que a escola deve preparar o trabalho, mesmo o trabalho manual, é também verdade que o trabalho é em si uma escola de grandes e importantes valores: tem uma tal eloquência que dá uma contribuição válida à cultura humana. Contudo, na relação existente entre educação e trabalho que caracteriza a sociedade atual, emergem problemas práticos muito graves. Refiro-me em particular ao problema do desemprego e, de um modo mais geral, à falta de empregos que afecta, de diferentes formas, as gerações jovens de todo o mundo. Este problema – vós o sabeis bem – acarreta outras questões que, desde os anos escolares, lançam uma sombra de insegurança sobre o vosso futuro. Você se pergunta: a sociedade precisa de mim? Conseguirei encontrar um emprego adequado que me permita ser independente, constituir uma família com condições de vida dignas e, sobretudo, ter casa própria? Numa palavra: é verdade que a sociedade espera a minha contribuição? A gravidade destas questões obriga-me a lembrar também nesta circunstância aos governantes e a todos os responsáveis pela economia e pelo desenvolvimento das nações que o trabalho é um direito do homem e, portanto, deve ser garantido dedicando-lhe o máximo cuidado. assíduo e colocando no centro da política económica a preocupação de criar oportunidades de emprego adequadas para todos e especialmente para os jovens, que tantas vezes sofrem hoje com a praga do desemprego. Estamos todos convencidos de que «o trabalho é um bem para o homem – é um bem para a sua humanidade – porque através do trabalho o homem não só transforma a natureza, adaptando-a às suas próprias necessidades, mas também se realiza como homem, de facto, em num certo sentido, torna-se mais homem» (João Paulo II, Encíclica Laborem exercens, 9: AAS 73 [1981], 599 s.).

 





Autoeducação e ameaças




 






13. O que se refere à escola como instituição e como ambiente inclui, em primeiro lugar, os jovens. Mas poderíamos dizer que a eloquência das mencionadas palavras de Cristo sobre a verdade dirige-se ainda mais aos próprios jovens. De facto, embora não haja dúvidas de que a família educa e de que a escola instrui e educa, ao mesmo tempo, tanto a acção da família como a da escola permanecerão incompletas e poderão até ser estéreis, se cada um de vós , jovens, não realiza sozinho o trabalho da sua própria educação. A educação familiar e escolar deve fornecer apenas alguns elementos para o trabalho de autoeducação. Neste campo as palavras de Cristo: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” tornam-se um programa essencial. Os jovens – se pudermos nos expressar dessa forma – têm um “senso de verdade” congênito. E a verdade deve servir para a liberdade: também os jovens têm um “desejo de liberdade” espontâneo. O que significa ser livre? Significa saber usar a liberdade na verdade, ser “verdadeiramente” livre. Ser verdadeiramente livre não significa de forma alguma fazer tudo o que gosto ou tenho vontade de fazer. A liberdade contém em si o critério da verdade, a disciplina da verdade. Ser verdadeiramente livre significa usar a liberdade para o verdadeiro bem. Continuando, então, é preciso dizer que ser verdadeiramente livre significa ser um homem de consciência recta, ser responsável, ser um homem “para os outros”. Tudo isto constitui o núcleo daquilo que chamamos de educação e, sobretudo, do que chamamos de autoeducação. Sim, autoeducação. Na verdade, tal estrutura interna, na qual “a verdade nos liberta”, não pode ser construída apenas “de fora”. Cada um deve construí-lo “por dentro”; construí-la com esforço, perseverança e paciência (o que nem sempre é tão fácil para os jovens). Disto também fala o Senhor Jesus quando sublinha que só “com perseverança” podemos “salvar as nossas almas”. “Salvar a própria alma” (cf. Lc 21, 19): é fruto da autoeducação. Tudo isto implica uma nova forma de ver a juventude. Este não é mais um simples projeto de vida que deve ser realizado no futuro. Isto já se realiza na fase da juventude se nós, através do trabalho, da instrução e principalmente da autoeducação, criarmos a própria vida, construindo as bases para o posterior desenvolvimento da nossa personalidade. Neste sentido pode-se dizer que “a juventude é o escultor que esculpe toda a vida” e a forma que dá à humanidade concreta de cada um de vós consolida-se ao longo da vida. Se isto tem um significado positivo importante, infelizmente também pode ter um significado negativo importante. Você não pode cobrir os olhos das ameaças que o ameaçam durante a juventude. Eles também podem deixar a sua marca ao longo da vida. Quero aludir, por exemplo, à tentação da crítica exasperada que procura discutir tudo e rever tudo; ou ceticismo em relação aos valores tradicionais que podem facilmente levar a uma espécie de cinismo inescrupuloso quando se trata de enfrentar os problemas do trabalho, da carreira ou do próprio casamento. E como permanecer calados diante da tentação representada pela difusão – especialmente nos países mais prósperos – de um mercado de diversão que nos distancia de um compromisso sério na vida e nos educa para a passividade, o egoísmo e o isolamento? Estais ameaçados, queridos jovens, pelo mau uso das técnicas publicitárias, que estimulam a inclinação natural para evitar o esforço, prometendo a satisfação imediata de cada desejo, enquanto o consumismo, juntamente com elas, sugere que o homem procure realizar-se, especialmente no gozo de bens materiais. Quantos jovens, conquistados pelo fascínio das miragens enganosas, abandonam-se às forças incontroladas dos instintos ou aventuram-se por caminhos aparentemente ricos de promessas, mas na realidade privados de perspectivas autenticamente humanas! Sinto a necessidade de repetir aqui o que escrevi na Mensagem que vos dediquei precisamente para o Dia Mundial da Paz: “alguns de vós podem sentir-se tentados a fugir da vossa responsabilidade; nos mundos ilusórios do álcool e das drogas, nas relações sexuais efémeras sem compromisso conjugal ou familiar, na indiferença, no cinismo e até na violência. Esteja alerta contra a fraude de um mundo que quer explorar ou direcionar mal sua energia e busca ansiosa por felicidade e orientação.Estou escrevendo tudo isso para expressar a profunda preocupação que sinto por você. Se, de fato, você deve estar “sempre pronto a dar a razão da sua esperança a todos que a pedem”, então tudo o que ameaça essa esperança deveria causar preocupação. E a todos aqueles que, com tentações ou ilusões de vários tipos, tentam destruir a vossa juventude, não posso deixar de recordar as palavras de Cristo quando fala do escândalo e daqueles que o provocam: “Ai daquele por quem vêm os escândalos. Seria melhor amarrar-lhe uma pedra de moinho ao pescoço e atirá-la ao mar, do que escandalizar um destes pequeninos» (Lc 17, 1s). Palavras duras! Particularmente grave na boca de quem veio revelar o amor. Mas quem lê com atenção estas palavras do Evangelho deve sentir quão profunda é a antítese entre o bem e o mal, entre a juventude e o pecado. Ele deve compreender ainda mais claramente a importância que a juventude de cada um de vocês tem aos olhos de Cristo. Foi precisamente o amor pelos jovens que ditou estas palavras severas e sérias. Contêm como que um eco distante do diálogo evangélico de Cristo com o jovem, ao qual se refere constantemente a presente Carta.

 




Juventude como “crescimento”

 




14. Permitam-me terminar esta parte das minhas considerações recordando as palavras com que o Evangelho fala da própria juventude de Jesus de Nazaré. São breves, embora abranjam o período de trinta anos passados por Ele na casa da família, ao lado de Maria e José, o carpinteiro. O evangelista Lucas escreve: “Jesus cresceu (ou progrediu) em sabedoria, idade e favor diante de Deus e dos homens” (Lucas 2:52). Assim, a juventude é um “crescimento”. À luz de tudo o que foi dito até agora sobre este assunto, tal palavra evangélica parece ser particularmente sintética e sugestiva. O crescimento “na idade” refere-se à relação natural do homem com o tempo; Este crescimento é como uma etapa “ascendente” em toda a história humana. Todo desenvolvimento psicofísico corresponde a isso; É o crescimento de todas as energias, através das quais a individualidade normal é constituída. Mas é necessário que o crescimento “na sabedoria e na graça” corresponda a este processo. A todos vocês, queridos jovens amigos, desejo precisamente esse “crescimento”. Pode-se dizer que através disso a juventude é justamente a juventude. Adquire assim uma característica própria e irrepetível. Desta forma chega a cada um de vós, na experiência pessoal e ao mesmo tempo comunitária, como um valor especial. E de modo semelhante, consolida-se também na experiência dos homens adultos, que já têm atrás de si a juventude, e que passam da fase “ascendente” para a “descendente”, fazendo o equilíbrio global da vida. A juventude deve ser um “crescimento” que traga consigo a acumulação gradual de tudo o que há de verdadeiro, de bom e de belo, mesmo quando ligado “de fora” ao sofrimento, à perda de entes queridos e a toda a experiência de vida …o mal, que se faz sentir incessantemente no mundo em que vivemos. É necessário que a juventude seja um “crescimento”. Para isso, o contacto com o mundo visível, com a natureza, é de enorme importância. Essa relação nos enriquece durante a juventude de uma forma diferente da ciência sobre o mundo “tirada dos livros”. Não enriquece diretamente. Poderíamos dizer que, ao permanecermos em contacto com a natureza, assumimos na nossa existência humana o próprio mistério da criação, que se abre diante de nós com uma riqueza e variedade sem precedentes de seres visíveis e ao mesmo tempo convida constantemente para o que está escondido, isso é invisível. A sabedoria – seja através da boca de livros inspirados (cf. e.g. Sl 104 [103]; 19 [18]; Sb 13, 1-9; 7. 15-20) ou através do testemunho de muitas mentes brilhantes – parece realçar em várias maneiras "a transparência do mundo." É bom que o homem leia este livro admirável, que é o “livro da natureza”, escancarado para cada um de nós. O que uma mente jovem e um coração jovem lêem nele parece estar profundamente sincronizado com a exortação à Sabedoria: “Adquira sabedoria, compre inteligência... Não a abandone e ela o manterá; ame-a e ela o protegerá” (Pv 4, 5 seg.). O homem atual, especialmente no domínio da civilização técnica e industrial altamente desenvolvida, tornou-se o explorador da natureza em grande escala, não raro tratando-a de forma utilitarista, destruindo assim muitas das suas riquezas e atrativos e contaminando o meio ambiente natural. sua existência terrena. Já a natureza foi dada ao homem como objeto de admiração e contemplação, como grande espelho do mundo. Reflete a aliança do Criador com a sua criatura, cujo centro desde o início se encontra no homem, criado directamente «à imagem» do seu Criador. Por isso desejo também a vós, jovens, que o vosso crescimento “em idade e sabedoria” se faça através do contacto com a natureza. Encontre tempo para isso! Não economize nisso! Aceite também o cansaço e o esforço que por vezes este contacto acarreta, especialmente quando queremos alcançar objectivos particularmente importantes. Este cansaço é criativo e constitui ao mesmo tempo o elemento de um descanso saudável que é necessário, tal como o estudo e o trabalho.Este cansaço e este esforço têm também a sua qualificação bíblica, especialmente em São Paulo, que compara toda a vida cristã a uma competição no estádio desportivo (Cf. 1Cor 9, 24-27). Para cada um de vocês é necessário esse cansaço e esse esforço, nos quais não só o corpo se tempera, mas o homem inteiro experimenta a alegria de dominar-se e de superar obstáculos e resistências. Certamente este é um dos elementos do “crescimento” que caracteriza a juventude. Desejo-vos também que este “crescimento” se realize através do contacto com as obras do homem e, mais ainda, com os homens vivos. Quantas são as obras que os homens realizaram na história! Quão grande é a sua riqueza e variedade! A juventude parece ser particularmente sensível à verdade, ao bem e à beleza que estão contidos nas obras do homem. Permaneciendo en contacto con ellas en el terreno de tantas culturas diversas, de tantas artes y ciencias, nosotros aprendemos la verdad sobre el hombre (expresada tan sugestivamente también en el Salmo 8), la verdad que es capaz de formar y de profundizar la humanidad de cada um de nós. De uma forma particular, porém, estudamos homens que se relacionam com homens. É conveniente que a juventude lhe permita crescer “em sabedoria” através deste contato. Este é, de facto, o momento em que se estabelecem novos contactos, empresas e amizades, num âmbito mais vasto que o da família. Abre-se o grande campo da experiência, que tem importância não apenas cognitiva, mas ao mesmo tempo educativa e ética. Toda esta experiência juvenil será útil quando produzir em cada um de vós também o sentido crítico e, sobretudo, a capacidade de discernimento em tudo o que é humano. Feliz será esta experiência juvenil, se dela aprenderes gradualmente aquela verdade essencial sobre o homem – sobre cada homem e sobre si mesmo – a verdade que assim se resume no célebre texto da Constituição pastoral Gaudium et Spes: «O homem, “o só a criatura terrestre, que Deus amou por si mesma, não pode encontrar a sua própria plenitude senão na doação sincera de si mesma aos outros» (Gaudium et spes, 24).Assim aprendemos a conhecer os homens para sermos homens mais plenamente, através da capacidade de “doar-nos”, de ser homem “para os outros”. Esta verdade sobre o homem – esta antropologia – encontra o seu ponto culminante inatingível em Jesus de Nazaré. É também por isso que a sua adolescência é tão importante, enquanto “cresceu em sabedoria... e graça diante de Deus e dos homens”.Desejo a você esse “crescimento” através do contato com Deus. O contato com a natureza e com o homem também pode ajudar –indiretamente– a conseguir isso; mas de forma direta, a oração ajuda especialmente nisso. Ore e aprenda a orar! Abri vossos corações e vossas consciências Àquele que vos conhece melhor do que vós mesmos. Fale com ele! Aprofunde-se na Palavra do Deus vivo, lendo e meditando na Sagrada Escritura.Estes são os métodos e meios para se aproximar de Deus e ter contato com Ele. Lembre-se que é um relacionamento recíproco. Deus também responde com a mais “doação gratuita de si mesmo”, um dom que na linguagem bíblica é chamado de “graça”. Tente viver na graça de Deus! Isto diz respeito ao tema “crescimento”, do qual escrevo apontando apenas os principais problemas; cada um deles é suscetível de discussão mais ampla. Desejo que isto se realize nos vários ambientes e grupos juvenis, nos movimentos e nas organizações, tão numerosos nos diversos países e em cada continente, enquanto cada um se orienta pelo seu próprio método de trabalho espiritual e de apostolado. . Estas organizações, com a participação dos Pastores da Igreja, desejam mostrar aos jovens o caminho daquele “crescimento” que constitui, num certo sentido, a definição evangélica da juventude.




 

O grande desafio da juventude









 

15. A Igreja olha para os jovens; Além disso, a Igreja olha-se de modo especial nos jovens, em todos vós e, ao mesmo tempo, em cada um de vós. Isto tem sido assim desde o início, desde os tempos apostólicos. As palavras de São João na sua Primeira Carta podem ser um testemunho singular: «Escrevo-vos, jovens, porque derrotastes o Maligno. Escrevi-vos, meus filhos, porque conheceis o Pai... Escrevi-vos, jovens, porque sois fortes e a Palavra de Deus permanece em vós” (1Jo 2, 13f). As palavras do Apóstolo acrescentam-se ao diálogo evangélico de Cristo com o jovem e ressoam com um eco poderoso de geração em geração. Na nossa geração, no final do segundo milénio depois de Cristo, a Igreja olha-se também nos jovens. E como a Igreja olha para si mesma? O ensinamento do Concílio Vaticano II é um testemunho particular disto. A Igreja considera-se «sacramento, isto é, sinal e instrumento de união íntima com Deus e de unidade de todo o género humano» (Lumen Gentium, 1). E por isso se vê nas dimensões universais. Revê-se no caminho do ecumenismo, isto é, da união de todos os cristãos, pela qual o próprio Cristo rezou e que é de inegável urgência no nosso tempo. Vê-se também em diálogo com os seguidores das religiões não-cristãs e com todos os homens de boa vontade. Tal diálogo é um diálogo de salvação, que deve promover também a paz no mundo e a justiça entre os homens. Vocês, jovens, são a esperança da Igreja, que precisamente assim se vê e vê a sua missão no mundo. Ela conta sobre esta missão. Isto foi expresso na recente Mensagem de 1º de janeiro de 1985, para a celebração do Dia Mundial da Paz. Esta mensagem foi-vos dirigida precisamente com a convicção de que “o caminho da paz é ao mesmo tempo o caminho dos jovens” (A paz e os jovens caminham juntos). Esta convicção é um apelo e ao mesmo tempo um compromisso; mais uma vez trata-se de estar “sempre pronto a dar a razão da sua esperança a quem lhe pede”, sobre a esperança que está ligada a você. Como vedes, esta esperança dirige-se a questões fundamentais e ao mesmo tempo universais. Todos vocês vivem todos os dias com seus entes queridos. No entanto, este círculo está gradualmente a alargar-se. Um número cada vez maior de pessoas participa da vossa vida e vós mesmos descobristes os sinais de uma comunhão que vos une a elas. Quase sempre esta é uma comunidade, de alguma forma diferenciada. É diferenciado, como o Concílio Vaticano II imaginou e declarou na sua Constituição dogmática sobre a Igreja e na Constituição pastoral sobre a Igreja no mundo de hoje. A vossa juventude forma-se ora em ambientes uniformes do ponto de vista das confissões, ora diferenciados religiosamente ou mesmo na fronteira entre a fé e a descrença, seja na forma de agnosticismo ou de ateísmo apresentados de diversas maneiras. No entanto, parece que quando confrontadas com alguns problemas estas múltiplas e diferenciadas comunidades de jovens sentem, pensam e reagem de forma muito semelhante. Por exemplo, parece que todos estão unidos por uma atitude semelhante relativamente ao facto de centenas de milhares de homens viverem na miséria extrema e até morrerem de fome, enquanto simultaneamente números vertiginosos são utilizados na produção de armas nucleares, cujos arsenais já estão no momento presente são capazes de causar a autodestruição da humanidade. Existem também outras tensões e ameaças semelhantes, numa escala até agora desconhecida na história da humanidade. Isto é falado na já mencionada Mensagem de Ano Novo; Portanto, não repito tais problemas. Todos sabemos que no horizonte da existência de milhares de milhões de pessoas, que constituem a família humana no final do segundo milénio depois de Cristo, parece surgir a possibilidade de calamidades e catástrofes de magnitude verdadeiramente apocalíptica.Numa tal situação, vocês, jovens, podem justamente perguntar às gerações anteriores: Por que é que chegamos a este ponto? Por que foi atingido tal nível de ameaça contra a humanidade no nosso planeta? Quais são as causas da injustiça que fere a nossa visão? Por que tantos morrem de fome? Por que existem tantos milhões de refugiados em diversas fronteiras? Tantos casos em que os direitos básicos do homem são vilipendiados? Tantas prisões e campos de concentração, tanta violência sistemática e mortes de pessoas inocentes, tantos maus tratos ao homem e tortura, tanto tormento infligido aos corpos humanos e às consciências humanas? No meio de tudo isto encontramos também homens ainda jovens, que têm tantas vítimas inocentes na consciência, porque foram instilados com a convicção de que só através deste meio – o do terrorismo programado – o mundo pode ser melhorado. Você mais uma vez pergunta: por quê? Vocês, jovens, podem se perguntar tudo isso, na verdade, deveriam fazê-lo. É, de facto, o mundo em que vivemos hoje e no qual devemos viver amanhã, quando a geração mais velha tiver passado. Com razão, então, perguntais: Porquê um tão grande progresso da humanidade – que não pode ser comparado com qualquer época anterior da história – no campo da ciência e da tecnologia; Por que o progresso no domínio da matéria pelo homem é dirigido contra o homem de tantas maneiras? Você também pergunta com razão, mesmo com medo interior: Será que este estado de coisas é talvez irreversível? Isso pode ser alterado? Podemos mudar isso? Você pergunta exatamente isso. Sim, esta é a questão fundamental na área da sua geração. Assim continua o vosso diálogo com Cristo, iniciado um dia no Evangelho. Aquele jovem perguntou: “O que devo fazer para alcançar a vida eterna?” E você pergunta, seguindo a corrente dos tempos em que você se encontra porque é jovem: o que devemos fazer para que a vida – a vida florescente da humanidade – não se torne o cemitério da morte nuclear? O que devemos fazer para que o pecado da injustiça universal, o pecado do desprezo pelo homem e a difamação da sua dignidade não nos dominem, apesar de tantas declarações que confirmam todos os seus direitos? Que devemos fazer? E ainda mais: saberemos como fazer? Cristo responde, tal como respondeu aos jovens da primeira geração da Igreja, com as palavras do Apóstolo: «Escrevo-vos, jovens, porque derrotastes o Maligno. Escrevi-vos, meus filhos, porque conheceis o Pai... Escrevi-vos, jovens, porque sois fortes e a Palavra de Deus permanece em vós" (1Jo 2, 13s) Palavras do Apóstolo , de quase dois mil anos atrás, também são uma resposta para hoje. Expressam a linguagem simples e forte da fé, que traz consigo a vitória contra o mal que está no mundo: «Esta é a vitória que venceu o mundo: a nossa fé» (1Jo 5, 4). Estas palavras estão repletas da experiência apostólica – e das sucessivas gerações cristãs – da Cruz e da Ressurreição de Cristo. Nesta experiência é ratificado todo o Evangelho. Ratifica, entre outras coisas, a verdade contida no diálogo de Cristo com o jovem. Detenhamo-nos então – no final desta Carta – nestas palavras apostólicas, que são ao mesmo tempo uma ratificação e um desafio para vós. Eles também são uma resposta. Bate em vós, nos vossos corações jovens, o desejo de uma fraternidade autêntica entre todos os homens, sem divisões, oposições ou discriminações. Sim! Vocês carregam consigo, jovens, o desejo de fraternidade e de solidariedade múltipla, e certamente não desejam a luta recíproca do homem contra o homem sob nenhuma forma. Este desejo de fraternidade – o homem é próximo do homem! O homem é irmão do homem! – não atesta talvez que «conhecestes o Pai», como escreve o Apóstolo? Porque irmãos só existem onde há pai. E só onde está o Pai os homens são irmãos. Se você carrega dentro de si o desejo de fraternidade, isso significa que “a Palavra de Deus permanece em você”. A doutrina que Cristo trouxe permanece em vós e que tem justamente o nome de “Boa Nova”. E permanece nos vossos lábios, ou pelo menos está gravada nos vossos corações, a oração do Pai Nosso, que começa com as palavras “Pai Nosso”. A oração que revela o Pai ratifica ao mesmo tempo que os homens são irmãos; e opõe-se em todo o seu conteúdo a programas construídos segundo um princípio de luta do homem contra o homem sob qualquer forma. A oração do “Pai Nosso” distancia os corações humanos da inimizade, do ódio, da violência, do terrorismo, da discriminação, das situações em que a dignidade humana e os direitos humanos são violados. O Apóstolo escreve que vocês, jovens, são fortes com a doutrina divina, a doutrina que está contida no Evangelho de Cristo e se resume na oração do “Pai Nosso”. Sim! Você é forte com esse ensinamento divino, você é forte com essa oração. Você é forte, porque ela infunde em você o amor, a benevolência, o respeito pelo homem, pela sua vida, pela sua dignidade, pela sua consciência, pelas suas convicções e pelos seus direitos. Se você “conheceu o Pai”, você é forte com a força da fraternidade humana. Você também é forte na luta; não uma luta contra o homem, em nome de qualquer ideologia ou prática distante das próprias raízes do Evangelho, mas forte na luta contra o mal, contra o verdadeiro mal; contra tudo que ofende a Deus, contra toda injustiça e toda exploração, contra toda falsidade e mentira, contra tudo que ofende e humilha, contra tudo que profana a convivência humana e as relações humanas, contra todo crime que ameaça a vida.: contra todo pecado. O Apóstolo escreve: “Você derrotou o Maligno!” É assim. É aconselhável voltar constantemente às raízes do mal e do pecado na história da humanidade e do universo, como Cristo voltou a essas mesmas raízes no seu mistério pascal da Cruz e da Ressurreição. Não devemos ter medo de chamar pelo nome o primeiro arquitecto do mal: o Maligno. A tática que ele usou e usa consiste em não se revelar, para que o mal, por ele semeado desde o início, receba o seu desenvolvimento do homem, dos próprios sistemas e das relações inter-humanas, entre classes e entre nações... para também tornar-se cada vez mais um pecado “estrutural” e ser cada vez menos identificado como um pecado “pessoal”. Portanto, para que o homem se sinta num certo sentido “libertado” do pecado e ao mesmo tempo esteja cada vez mais imerso nele.O Apóstolo diz: «Jovens, sede fortes»; É necessário apenas que “a Palavra de Deus permaneça em você”. Então seja forte. Assim podereis chegar aos mecanismos ocultos do mal, às suas raízes, e assim podereis mudar gradativamente o mundo, transformá-lo, torná-lo mais humano, mais fraterno e, ao mesmo tempo, mais segundo Deus . Com efeito, o mundo não pode ser separado de Deus e contrastado com Deus no coração humano. Nem pode o homem ser separado de Deus e contrastado com Deus. Isto seria contra a natureza do homem, contra a verdade intrínseca que constitui toda a realidade. Verdadeiramente o coração do homem está inquieto até que descanse em Deus. Estas palavras do grande Agostinho nunca perdem a sua atualidade (cf. Santo Agostinho, Confessiones, I, 1: CSEL 33, 1).

 

 

 

Mensagem final








 

16. Aqui, então, jovens amigos, coloco nas vossas mãos esta Carta, que se inspira no diálogo evangélico de Cristo com o jovem e nasce do testemunho dos Apóstolos e das primeiras gerações cristãs. Entrego-vos esta Carta no Ano da Juventude, no momento em que nos aproximamos do final do segundo milénio cristão. Dou-vos isto no ano em que se comemora o vigésimo aniversário do encerramento do Concílio Vaticano II, que chamou os jovens de "esperança da Igreja" (Declaração Gravissimum educationis, sobre a educação cristã dos jovens, 2) e os jovens aos de então - como aos de hoje e de sempre - dirigiu a sua «última Mensagem», na qual a Igreja é apresentada como a verdadeira juventude do mundo, como aquela que «possui aquilo que faz a força e o encanto da juventude: a capacidade de alegrar-se pelo que começa, de doar-se gratuitamente, de renovar-se e de partir novamente para novas conquistas” (Mensagem do Segundo Concílio Ecuménico Vat aos Jovens: AAS 58 [1966], 18). Faço isto no Domingo de Ramos, dia em que posso encontrar-me com muitos de vós, peregrinos na Praça de São Pedro, em Roma. Precisamente neste dia o Bispo de Roma reza convosco pelos jovens do mundo inteiro, por todos e cada um. Rezamos na comunidade da Igreja, para que – na perspectiva dos tempos difíceis que vivemos – estejais “sempre prontos a dar a razão da vossa esperança a todos os que a solicitem”. Sim, precisamente de você, porque o futuro depende de você, o final deste Milênio e o início do novo dependem de você. Portanto, não permaneça passivo: assuma as suas responsabilidades em todos os campos que lhe estão abertos no nosso mundo. Por esta mesma intenção os Bispos e os sacerdotes dos diversos lugares rezarão convosco.E rezando assim na grande comunidade dos jovens de toda a Igreja e de todas as Igrejas, temos diante de nós Maria, que acompanha Cristo no início da sua missão entre os homens. É Maria, de Caná da Galiléia, que intercede pelos jovens, pelos noivos, quando falta vinho para os convidados no banquete de casamento. Então a Mãe de Cristo dirige aos homens, ali presentes para servir durante o banquete, estas palavras: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2, 5). Cristo. Repito estas palavras da Mãe de Deus e dirijo-as a vós, jovens, a cada um: “Fazei o que Cristo vos diz”. E eu te abençoo em nome da Santíssima Trindade. Amém.

 


Dado em Roma, junto a São Pedro, no dia 31 de março, Domingo de Ramos da Passione Domini, do ano de 1985, sétimo do meu Pontificado.

 

 

 

JOANNES PAULUS PP. II













....................................................................








Link para o catálogo de nossos livros: https://amzn.to/3vFWLq5





GOSTOU Do APOSTOLADO berakash?  QUER SER UM (A) SEGUIDOR (a) E RECEBER AS ATUALIZÇÕES EM SEU CELULAR, OU, E-MAIL?

 


 

Segue no link abaixo o “PASSO-A-PASSO” para se tornar um(a) seguidor(a) - (basta clicar):

 

 

https://berakash.blogspot.com/2023/10/como-ser-um-ser-um-seguidor-e-ou.html

 

 

Shalom!




.............................................

 





 

APOSTOLADO BERAKASH - A serviço da Verdade: Este blog não segue o padrão comum, tem opinião própria, não querendo ser o dono da verdade, mas, mostrando outras perspectivas racionais para ver assuntos que interessam a todos. Trata basicamente de pessoas com opiniões e ideias inteligentes, para pessoas inteligentes. Ocupa-se de ideias aplicadas à política, a religião, economia, a filosofia, educação, e a ética. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre literatura,  questões culturais, e em geral, focando numa discussão bem fundamentada sobre temas os mais relevantes em destaques no Brasil e no mundo. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. As notícias publicadas nesta página são repostadas a partir de fontes diferentes, e transcritas tal qual apresentadas em sua origem. Este blog não se responsabiliza e nem compactua com opiniões ou erros publicados nos textos originais. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com as fontes originais para as devidas correções, ou faça suas observações (com fontes) nos comentários abaixo para o devido esclarecimento aos internautas. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar de alguma forma:

 

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

 

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Todos os comentários publicados não significam a adesão às ideias nelas contidas por parte deste apostolado, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados. Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

TOTAL DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

ANUNCIE AQUI! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com
 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger