A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , , , » Por que o STF precisa ler urgentemente o clássico tratado de John Milton: "Areopagitica"

Por que o STF precisa ler urgentemente o clássico tratado de John Milton: "Areopagitica"

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 20 de junho de 2023 | 09:46

 


 

 

O clássico “Areopagitica” de John Milton, foi publicado em 23 de novembro de 1644, no auge da Guerra Civil Inglesa. Leva o título em parte do Areopagitikos (em grego: ρεοπαγιτικός), um discurso escrito pelo orador ateniense Isócrates no século 4 aC. (O Areópago é uma colina em Atenas, local de tribunais reais e lendários, e era o nome de um conselho cujo poder Isócrates esperava restaurar). Alguns argumentam que é também uma referência à defesa que São Paulo fez perante o Areópago em Atenas contra as acusações de promulgar deuses estrangeiros e ensinamentos estranhos, conforme registrado em Atos 17,18-34.











Como Isócrates, Milton (que não era parlamentar) não pretendia que seu trabalho fosse um discurso oral naquela assembléia. Em vez disso, foi distribuído via panfleto, desafiando assim a mesma censura de publicação contra a qual ele argumentou. Como um radical, Milton apoiou os presbiterianos no Parlamento inglês, e mais tarde trabalharia como funcionário público da nova república, mas neste trabalho ele argumentou vigorosamente contra a Portaria de 1643 do Parlamento para a Regulamentação da Impressão, também conhecida como Ordenação de Licença de 1643, na qual o Parlamento exigia que os autores tivessem uma licença aprovada pelo governo antes que seu trabalho pudesse ser publicado. Antes de apresentar seu argumento, Milton defende a própria ideia de escrever um tratado como o Areopagitica. Ele elogia a Inglaterra por ter superado a tirania de Carlos I, mas seu propósito é expressar suas queixas. Milton defende esse propósito, sustentando que trazer queixas ao Parlamento é uma questão de liberdade civil e lealdade, porque crítica construtiva é melhor do que falsas bajulações. Ele conclui sua introdução encorajando o Parlamento a obedecer "à voz da razão" e a estar "disposto a revogar qualquer lei" em nome da verdade e do julgamento correto. Milton argumenta que uma obra deve ser "examinada, refutada e somente depois, se necessário, condenada", em vez de proibida antes do exame.




 

 


 




Areopagítica, de John Milton, e a "defesa da liberdade de expressão" (custe o que custar)!


 


Por *Catarina Rochamonte









John Milton (1608 – 1674) foi um dos grandes (se não o maior) expoentes da defesa da liberdade de expressão, do constitucionalismo e de outras ideias liberais. Embora autor de obras perenes, tanto na prosa quanto na poesia, participou ativamente dos acontecimentos de seu tempo, de modo que, vários de seus escritos políticos foram redigidos com fins práticos imediatos, como os textos que se contrapunham às tentativas de restauração da monarquia ou como a sua famosa "Areopagítica, um discurso pela liberdade de imprensa" publicado contra a pretensão do parlamento inglês de reestabelecer a censura estatal. 












Milton nem sempre foi republicano! Seu posicionamento tendeu apenas gradativamente para uma rejeição cada vez mais enfática da monarquia. Suas mudanças de opiniões acerca de determinados assuntos políticos não indicam, porém, incoerência, mas refletem seu esforço em se manter fiel a seus princípios em meio aos eventos tumultuosos da guerra civil inglesa e seus desdobramentos. O regime que ele defendia não era nem monarquia, nem aristocracia, nem democracia, mas “uma mistura que reconhece as pretensões de cada uma delas, um equilíbrio divino e harmoniosamente afinado”.[1] Nesse Estado misto, o poder político decisivo não deveria pender nem para o rei, nem para o povo, mas para os homens mais hábeis que governam com o consentimento do povo, expresso na eleição do Conselho Geral.









Para que esse sufrágio “quase democrático” tivesse êxito em eleger esses homens nobres, dignos, prudentes e verdadeiramente notáveis na sua dedicação ao serviço público, a educação, segundo Milton, seria fundamental, pois somente através dela o povo adquiriria aptidão para fazer a melhor escolha e os escolhidos adquiririam aptidão para governar. Esse Conselho Geral dos homens mais competentes escolhidos pelo povo para servir ao bem comum é o fundamento de um governo livre e justo, próprio de uma nação livre e inspirada pelos preceitos cristãos: “E que governo mais se aproxima deste preceito de Cristo, senão uma nação livre, onde aqueles que são mais preeminentes são servos perpétuos e labutam pelo público à sua própria custa e negligenciam seus próprios negócios; todavia não se elevam acima de seus irmãos, vivem em sobriedade com suas famílias, caminham pelas ruas com os outros homens, pode-se lhes dirigir a palavra livremente, com familiaridade, de modo amistoso, sem adoração.”[2] Conquanto o Cristianismo perpasse inclusive suas obras políticas, é importante notar que seu propósito vai no sentido de distinguir os poderes eclesiástico e civil, donde seu empenho por uma reforma tanto na política quanto na religião, uma vez que uma e outra se encontravam contaminadas pela ausência dessa separação: “… tanto a nação como a religião, no longo prazo, se assim for, florescerão na cristandade, quando os que governam discernirem entre civil e religioso, ou quando aqueles que assim discernem forem aceitos para governar.[3]” A ideia de liberdade em Milton, porém, é complexa, podendo ser dividida em três: a liberdade religiosa, a liberdade doméstica e a liberdade civil. A sua Areopagítica deve, portanto, ser lida sem perder de vista essa divisão[4]. O referido discurso foi publicado em 1644. Tendo sido distribuído em forma de panfleto, é, ele mesmo, um desafio à censura contra a qual pretende argumentar: “quando se atreveu a infringir a lei relativa às licenças para impressão e, no mesmo ato, aconselhar o Parlamento quanto à necessidade de revogá-la, deu a seu discurso, que se tornaria sua mais famosa obra em prosa, o título Areopagitica, assim lembrando a seus destinatários o exemplo clássico de Isócrates e do aerópago ateniense[5]”. A liberdade requisitada por Milton nesse discurso não é, porém uma liberdade absoluta, ilimitada, sob a égide da qual o indivíduo estaria isento de sofrer reprovações quanto a conteúdos imorais ou sanções e punições quanto a conteúdos criminosos. A defesa do direito de publicar não o impede de condenar os textos danosos. Trata-se da liberdade de investigar, de se comunicar, de se expressar sem a inquisição privada de nenhum censor, de publicar sem restrições prévias. Em sua Segunda Defesa do povo inglês, o próprio Milton assim o resume:




“Finalmente, escrevi, seguindo o modelo de um discurso normal, na Areopagítica, a respeito da liberdade de imprensa, que a determinação do verdadeiro e do falso, do que deve ser publicado ou suprimido, não pode estar nas mãos dos poucos que podem ser encarregados da inspeção dos livros, homens em geral sem conhecimentos e de juízo vulgar, e por cuja licença e prazer, não se tolera que ninguém publique qualquer coisa que possa estar acima da compreensão vulgar.”[6]











O principal tema da Areopagítica era, portanto, a rejeição da censura prévia. A obra representou o marco inicial da tradição ocidental moderna de defesa da liberdade de imprensa e influenciou sobremaneira o pensamento jurídico democrático. Ainda hoje, seus principais argumentos são utilizados como contraposição às renitentes tentativas estatais de retornar com alguma forma de censura. Antes de escrever esse discurso contra a Portaria do Parlamento para a regulamentação da impressão (na qual era exigida uma licença aprovada pelo governo para que se fizesse publicar qualquer coisa), Milton já havia tido uma obra censurada. Milton inicia a Areopagítica retoricamente com a própria defesa do tratado e prossegue com uma retomada histórica na qual demonstra que, embora na Grécia e na Roma antigas alguns escritos tenham sido queimados e alguns escritores punidos, isso se deu após a publicação das obras e não antes. Somente com a inquisição a censura prévia, fora, portanto, instituída. Durante o regime dos Stuarts, houve censura, mas, após a revolução de 1640, diversos panfletos e livros passaram a circular livremente. O Parlamento, porém, uma vez vitorioso e fortalecido, pretendeu restabelecê-la, dessa vez a seu favor. Milton, mesmo estando do lado do Parlamento, escreveu o seu protesto contra isso. A lei de licenças representava para ele uma espécie de traição dos próprios ideais da Revolução Inglesa. Ao denunciar o caráter “inquisitorial” da ordenação de licenciamento, Milton sugere que a Igreja presbiteriana, por meio da ação dos seus representantes no Parlamento, poderia se tornar  tirânica. Embora faça uma bela defesa retórica da importância da leitura e dos livros (“um bom livro é o sangue precioso e vital de um espírito mestre embalsamado e entesourado para o propósito de uma vida além da vida[7]”) e demonstre empiricamente a ineficácia da censura pretendida (“o mal se aprende perfeitamente sem livros”), os seus argumentos vão além. A censura é ruim não apenas porque é ineficaz no combate ao erro e ao vício, mas porque viola a liberdade, que é um valor positivo e necessário para o progresso do conhecimento na busca indefinida da verdade. 





A censura impede que, no confronto com o erro, a verdade possa emergir, uma vez que a verdade e a falsidade precisam lutar para que a primeira venha a se estabelecer! 






Verdade perfeita, afirma Milton, é apenas aquela que veio ao mundo encarnada no divino Mestre; fora disso, toda verdade é incompleta e parcial. Isso é dito alegoricamente através da referência a um mito egípcio no qual a forma delicada da “virgem Verdade” é cortada em mil pedaços e espalhada aos quatro ventos. Desde então, escreve Milton, “os tristes amigos da Verdade, aqueles que ousaram aparecer imitando a cuidadosa busca que Ísis empreendeu pelo corpo desmembrado de Osíris, foram reunindo seus membros um a um. Ainda não os encontramos todos e nunca os encontraremos.”[8] A constatação dos limites do conhecimento humano implica tanto a necessidade do pluralismo para o progresso espiritual da coletividade quanto a desconfiança em relação à autoridade dos censores, os quais, para exercer tal função, deveriam ser dotados da graça da infalibilidade e da incorruptibilidade, o que obviamente não é o caso. Todos somos falíveis, inclusive os censores. Tanto os governantes podem escolher mal os licenciadores quanto os licenciadores podem julgar mal os livros. Além disso, as pessoas não podem ser tratadas como crianças necessitadas de tutela: “serão elas levianas, imorais, sem formação sólida, doentes, debilitadas, num estado de tão pouca fé e fraco discernimento que não seriam capazes de engolir nada que não passasse pelo filtro de um censor?[9]”












CONCLUSÃO:





A despeito dessa firme defesa da liberdade de expressão, convém não esquecer que, para Milton, não basta essa liberdade negativa, a liberdade da lei. Mais importante que todas é a liberdade que se tornou possível através de Cristo, que mudou a condição do homem de legal para evangélica[10]. A liberdade real e substancial deve ser procurada dentro e não fora do ser humano; ela depende da sobriedade de uma vida íntegra e não da força das armas. Os homens podem até ser livres, no sentido de não serem tutelado pelo Estado, mas continuarão escravos de si mesmos se não souberem fazer bom uso da liberdade conquistada.












Notas de REFERÊNCIAS:





[1] BERNS, Walter.  John Milton In Strauss, Leo & Cropsey, Joseph. História da filosofia poIítica/Leo Strauss e, Rio de Janeiro: Forense, 2013. p.395


[2] MILTON, J. Works, VI Apud. BERNS, Walter. John Milton p. 398


[3] MILTON. J. A Treatise of Civil Power Ecclesiastical Causes Apud BERNS, Walter. John Milton p.403


[4] BERNS, Walter. John Milton p.404


[5] Idem. p. 398


[6] MILTON. J. Segunda Defesa Apud BERNS, Walter. John Milton p.405


[7] MILTON. J. Aeropagítica


[8] MILTON, J. Aeropagítica


[9] MILTON, J. Aeropagítica


[10] BERNS, Walter. John Milton p.406

 





*Catarina Rochamonte - é Doutora em Filosofia, vice-presidente do Instituto Liberal do Nordeste e autora do livro "Um olhar liberal conservador sobre os dias atuais".

 




Fonte:https://www.institutoliberal.org.br/blog/resenhas-blog/areopagitica-de-john-milton-e-defesa-da-liberdade-de-expressao/






........................................





APOSTOLADO BERAKASH - A serviço da Verdade: A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. As notícias publicadas nesta página são repostadas a partir de fontes diferentes, e transcritas tal qual apresentadas em sua origem. Este blog não se responsabiliza e nem compactua com opiniões ou erros publicados nos textos originais. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com as fontes originais para as devidas correções, ou faça suas observações (com fontes) nos comentários abaixo para o devido esclarecimento aos internautas.Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar de alguma forma:

 

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 2 Comentário. Deixe o seu!

Joao Lucas Ferreira
11 de julho de 2023 às 17:14

Oi sou eu denovo(um católico pernambuco) sobre autor J. Milton, li e re-li sobre Pp e Pr(paraíso perdido & reconquistado) obrigado pela resposta do outro post. Descupai-vos, queria q fizesse sobre teologia se acaso possa ter heresia ou sobre tempo de Milton. Shalom. Peace With Ye.

13 de julho de 2023 às 11:15

Prezado João Lucas,

Grato pela visita e apreciação de nosso trabalho neste despretensioso e insignificante apostolado. Respondendo suas dúvidas de FORMA TEOLÓGICA sobre John Milton: percebemos que sua prosa e poesia refletiam profundas convicções pessoais, a paixão pela liberdade e autodeterminação, e as questões urgentes e turbulência política de sua época. Um manifesto religioso inacabado, “De Doctrina Christiana”, provavelmente escrito por Milton, expõe muitas de suas visões teológicas heterodoxas, e não foi descoberto e publicado até 1823. Suas crenças fundamentais foram idiossincráticas, não as de um grupo ou facção identificável, e muitas vezes elas estavam bem além da ortodoxia da época. Como muitos artistas renascentistas antes dele, Milton tentou integrar a teologia cristã com os modos clássicos. Em seus primeiros poemas, o narrador poeta exprime uma tensão entre o vício e a virtude, este último invariavelmente relacionado ao protestantismo. Em seus poemas mais tarde, as preocupações teológicas de Milton se tornaram mais explícitas. Milton abraçou muitas visões heterodoxas da teologia cristã. Ele rejeitou a Trindade, na crença de que o Filho era subordinado ao Pai (HERESIA DO SUBORDINACIONISMO), e sua simpatia ou curiosidade provavelmente estava comprometida pelo Socinianismo: em agosto de 1650, ele licenciou a publicação de William Dugard de Racovian Catechism, com base numa crença não-trinitária. Uma fonte interpretou-o como amplamente protestante, se não sempre fácil de localizar em uma categoria religiosa mais precisa. Em seu tratado de 1641, “Da Reforma”, Milton expressou de forma genérica e sem exceções, o seu desagrado com o catolicismo e o episcopado, apresentando Roma como a Babilônia moderna e bispos como feitores egípcios. Essas analogias estão de acordo com a preferência puritana de Milton por imagens do Antigo Testamento. Ele conhecia, pelo menos, quatro comentários sobre Gênesis: os de João Calvino, Paul Fagius, David Pareus e André Rivet. Através do Interregno, Milton, muitas vezes apresenta Inglaterra, resgatada das armadilhas de uma monarquia mundana, como uma nação eleita parecida com a Israel do Antigo Testamento, e mostra o seu líder, Oliver Cromwell, como um dos últimos dias de Moisés. Estas opiniões foram ligadas a vista protestante da HERESIA MILENARISTA, que algumas seitas, tais como o Quinto Monarquismo previsto chegaria na Inglaterra. Quando Paraíso Perdido foi publicado, a estatura de Milton como poeta épico foi imediatamente reconhecida. Ele lançou uma imagem formidável sobre a poesia inglesa nos séculos XVIII e XIX; foi muitas vezes considerado igual ou superior a todos os outros poetas ingleses, incluindo Shakespeare. Entretanto, desde o começo foi defendido por políticos Whig (O Whig Party, era o partido que reunia as tendências liberais no Reino Unido, e contrapunha-se ao Tory Party, de linha conservadora), foi condenado por conservadores: com o regicida Edmund Ludlow ele foi reivindicado como um dos primeiros Whigs, enquanto o ministro conservador anglicano Luke Milbourne o agrupou juntamente com outros como "agentes das trevas", como John Knox, George Buchanan, Richard Baxter, Algernon Sidney e John Locke.Por fim, como católico e cristão, não recomendamos a doutrina de John Milton, mas seu tratado sobre a liberdade recomendamos sim. Veja essas frases dele abaixo, e tire suas conclusões:


1)- “Por acaso pedi a Ti, ó Criador, que do barro.Me moldasses Homem, por acaso solicitei a Ti. Que da escuridão me resgatasses? (Paraíso Perdido)


2)-Não acredito na coincidência nem na necessidade. Minha vontade é o destino. (John Milton).

3)-É melhor reinar no inferno do que servir no céu. (John Milton)

4)-A mente é seu próprio lugar e ela está em si mesma.Pode fazer Céus do inferno, e também inferno de Céus. (Paradise Lost -1667).

Shalom e volte sempre!

Postar um comentário

Todos os comentários publicados não significam a adesão às ideias nelas contidas por parte deste apostolado, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados. Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

TOTAL DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

ANUNCIE AQUI! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com
 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger