A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , » O Concilio de Jerusalém em Atos 15, foi regional ou universal? Todas suas decisões ainda são válidas?

O Concilio de Jerusalém em Atos 15, foi regional ou universal? Todas suas decisões ainda são válidas?

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 21 de junho de 2023 | 10:40

 



 


Por *Francisco Barros



 

No ano 49 foi realizado o 1° Concílio da Igreja: o Concílio de Jerusalém. O Concilio de Jerusalém foi uma reunião inicial entre as lideranças cristãs nos meados do século I, para abordar se os gentios (não-judeus) deveriam seguir as leis de Moisés. Em Jerusalém havia um grupo de Judeus cristãos (judaizantes), que insistiam em manter a exigência da circuncisão e da observância da lei de Moisés para os pagãos que aceitavam a Boa Nova de Jesus. Vindos de Jerusalém, “eles doutrinavam os irmãos de Antioquia, dizendo: “Se não forem circuncidados, como ordena a Lei de Moisés, vocês não poderão salvar-se. Isso provocou alvoroço e uma discussão muito séria deles com Paulo e Barnabé. Então ficou decidido que Paulo e Barnabé e mais alguns iriam a Jerusalém para tratar dessa questão com os apóstolos e anciãos” (At 15,1-2).


 




O concílio de Jerusalém surgiu para dar uma resposta definitiva a essa polêmica: “saber se os gentios, ao se converterem ao cristianismo, teriam que adotar algumas das práticas antigas da Lei Mosaica para poderem ser salvos”, (inclusive o fazer-se circuncidar)?




O apóstolo Paulo, apesar de ser judeu, ao levar o cristianismo a outros povos, não exigia a circuncisão desses novos cristãos. Diante disso os presbíteros de Jerusalém se reuniram em torno de Tiago, o Justo para fazer valer a "obrigatoriedade da circuncisão".




Após algumas discussões sobre a polêmica, o apóstolo Tiago concluiu:





“Eis porque, pessoalmente, julgo que não se devam molestar aqueles que, dentre os gentios, se convertem a Deus. Mas se lhes escreva que se abstenham do que está contaminado pelos ídolos, das uniões ilegítimas, das carnes sufocadas, e do sangue. Com efeito, desde antigas gerações tem Moisés em cada cidade seus pregadores, que o leem nas sinagogas todos os sábados". (Atos 15,19–21)





 


Em Jerusalém, “os apóstolos e os anciãos se reuniram para tratar desse assunto” (At 15,6-21). 

 



Depois de longa discussão, Pedro levantou-se e disse: “Irmãos, vocês sabem que, desde os primeiros dias, Deus me escolheu no meio de vocês, para que os pagãos ouvissem de minha boca a palavra da Boa Notícia e acreditassem” (At 15,7; cf. 10,1-48). E continuou dizendo: “Ora, Deus, que conhece os corações, testemunhou a favor deles, dando-lhes o Espírito Santo como deu a nós. 9 E não fez nenhuma distinção entre nós e eles, purificando o coração deles mediante a fé. 10 Então, por que vocês agora tentam a Deus, querendo impor aos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós mesmos tivemos força para suportar?   11 Ao contrário, é pela graça do Senhor Jesus que cremos ser salvos, exatamente como eles.” 12 Houve então um silêncio em toda a assembleia. Depois disso, ouviram Barnabé e Paulo contar todos os sinais e prodígios que Deus havia realizado por meio deles entre os pagãos” (At 15,8-12).Em seguida, Barnabé e Paulo contaram todos os sinais que por meio deles foram realizados entre os pagãos durante a primeira viagem missionária (At 15,12). Finalmente, Tiago, citando a escritura, disse que a entrada dos pagãos já estava prevista. E ele terminou dizendo: “Por isso, eu sou de parecer que não devemos importunar os pagãos que se convertem a Deus. 20 Vamos somente prescrever que eles evitem o que está contaminado pelos ídolos, as uniões ilegítimas, comer carne sufocada e o sangue.  21 De fato, desde os tempos antigos, em cada cidade Moisés tem os seus pregadores, que o leem todos os sábados nas sinagogas.” (At 15,19-21). Todos concordaram e escreveram a seguinte carta para comunicar o resultado da reunião para as outras comunidades:




A Carta Conciliar de Jerusalém










“Nós, os apóstolos e os anciãos, irmãos de vocês, saudamos os irmãos que vêm do paganismo e que estão em Antioquia e nas regiões da Síria e da Cilícia.  24 Ficamos sabendo que alguns dos nossos provocaram perturbações com palavras que transtornaram o espírito de vocês. Eles não foram enviados por nós.  25 Então decidimos, de comum acordo, escolher alguns representantes e mandá-los até vocês, junto com nossos queridos irmãos Barnabé e Paulo, 26 homens que arriscaram a vida pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. 27 Por isso, estamos enviando Judas e Silas, que pessoalmente transmitirão a vocês a mesma mensagem.   28 Porque decidimos, o Espírito Santo e nós, não impor sobre vocês nenhum fardo, além destas coisas indispensáveis:  29 abster-se de carnes sacrificadas aos ídolos, do sangue, das carnes sufocadas e das uniões ilegítimas. Vocês farão bem se evitarem essas coisas. Saudações!” (At 15,23-29)




As três exigências finais, impostas aos que aderiram à fé e se deixaram batizar no nome de Jesus, tinham como objetivo facilitar a convivência entre pagão batizados e judeus batizados na mesma comunidade





Depois do Concílio de Jerusalém, Paulo convidou Barnabé para visitar as comunidades por eles fundadas durante a primeira viagem missionária. Barnabé aceitou o convite e disse que ia levar consigo João Marcos (At 15,36-37). Paulo não concordou com Barnabé neste ponto. João Marcos era sobrinho de Barnabé (Cl 4,10). Ele tinha participado da primeira viagem missionária (At 13,5), mas no meio do caminho ele os abandonou e voltou para casa em Jerusalém (At 13,13). Paulo achava que quem abandonou o trabalho missionário na primeira missão (cf. At 13,13) não devia ir com eles na segunda missão. O desentendimento entre os dois foi tanto, que eles se separaram: Barnabé foi com João Marcos para confirmar as comunidades na ilha de Chipre, e Paulo foi com Silas para visitar as comunidades da Síria e da Cilícia (At 15,36-41).

 




Conclusão











Com exceção para as "palavras de Cristo que não passam, mas são de vida eterna" (confr. Mateus 24,35), todo Concílio, e algumas decisões da igreja são filhas de seu tempo, bem como do contexto, e trazem as suas marcas, algumas permanecem, outras caducam (como a proibição das mulheres falarem nas assembleias, conforme 1 Coríntios 14,34-36). Apesar de ser tecnicamente mais correto considerar esta reunião como um sínodo ou um concílio regional, esta primeira reunião magna cristã foi muito importante para o início do cristianismo, porque teve como principal decisão libertar a Igreja nascente do peso da Lei mosaica (Efésios 2,8-22), acabando assim com o problema relativo à da circuncisão para os não-hebreus, confirmando para sempre o ingresso e a aceitação dos gentios (não-hebreus) na fé cristã. Por isso, a sua importância não é inferior (nem superior) à de qualquer dos outros concílios ecuménicos que lhe vieram a suceder a partir do século III. A Enciclopédia Judaica considera a decisão de Tiago e Paulo por não obrigar a circuncisão de não judeus, assim como as leis referentes ao sangue, carne sufocada e prostituição, "originada do conceito de Leis de Noé, leis que o judaísmo considerava que deveriam ser seguidas pelos gentios". Portanto o concílio não estava chegando a novas conclusões em relação a como tratar os gentios, mas já seguindo uma tradição judaica que já vinha se estabelecendo.

 

 


*Francisco José Barros Araújo – Bacharel em Teologia pela Faculdade Católica do RN, conforme diploma Nº 31.636 do Processo Nº  003/17




Bibliografia






-Enciclopédia Católica; http://www.newadvent.org/


-Rivaux, Padre. Tratado de História Eclesiástica. Vol I. 1ª Edição. Brasília: Ed. Pinus, 2011.


-Arquillière, Mons. H. X. Histoire de l’Eglise. Édition Revue et Augmentée. Paris. Les Éditions de l’École, 1963.


-Llorca, Bernardino. Historia de la Iglesia Católica. Vol II. 6ª Edição. Madri: BAC, 2003.


-SAUL OF TARSUS - JewishEncyclopedia.com. jewishencyclopedia.com. Consultado em 21 de Junho de 2023







..............................





Apostolado Berakash – A serviço da Verdade - Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua Igreja, grupo de oração, paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:






filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Todos os comentários publicados não significam a adesão às ideias nelas contidas por parte deste apostolado, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados. Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

TOTAL DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

ANUNCIE AQUI! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com
 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger