A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Ajustes, arrochos econômicos e fiscais são próprios do populismo socialista e não do liberalismo – Você sabia disto?

Ajustes, arrochos econômicos e fiscais são próprios do populismo socialista e não do liberalismo – Você sabia disto?

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 20 de julho de 2018 | 20:09




Com frequência, nos debates sobre economia e política, é comum acusar os defensores do liberalismo econômico de querer "fazer um ajuste em cima dos pobres", ou, uma variante, "querer que os pobres paguem pelo ajuste". Ou, ainda mais comum, "impor um arrocho ao povo". De certa maneira, a coisa é assim: se estamos analisando as contas públicas e estas apresentam um buraco, prontamente dizemos que há um "desajuste", que tem de ser "ajustado". Neste sentido, a palavra 'ajuste' não tem nada de mau ou de pejorativo. Ela simplesmente decorre do fato de que se você está trilhando um caminho que você sabe que irá terminal mal, você tem de corrigir, de ajustar. Ajustar um parafuso solto não é algo ruim em si mesmo. Com efeito, é o contrário: o ajuste pode impedir acidentes fatais. Logo, qual seria o problema?




No entanto, o que os supostos defensores dos pobres e porta-estandartes do proletariado querem dizer quando associam liberalismo (ou, pior ainda, "neoliberalismo") a ajuste fiscal é que os defensores do liberalismo econômico querem "fazer ajuste em cima dos trabalhadores", reduzir seus salários, aumentar o desemprego e "afetar o social", e tudo isso apenas com o mesquinho objetivo de equilibrar as contas públicas.Por esta retórica, o liberalismo econômico (ou, como erroneamente dizem tais pessoas, o "neoliberalismo") é o grande inimigo do povo, ao passo que o populismo, o socialismo e o estado de bem-estar são os verdadeiros heróis da "sensibilidade social".


Mas a coisa não é bem assim !



Feito acima as devidas explicações do uso da palavra ajuste, resta claro que há dois sentidos para o termo: um se refere a corrigir desequilíbrios, e o outro, a piorar a qualidade de vida das pessoas. Neste último sentido, liberalismo econômico e ajuste são claramente antônimos. Ou seja, um é exatamente o oposto do outro, por definição.



Para melhor entendimento, precisamos saber o que significa liberalismo?


Liberalismo vem de liberdade, o que implica que as pessoas devem ser livres para perseguir seus sonhos. Desde que não prejudiquem a terceiros, todos concordam que as pessoas devem ser livres para buscar seus objetivos sem serem coagidas e sem serem restringidas em suas aspirações.No âmbito da economia, essa liberdade é o que gera os incentivos para empreender, produzir mais e aumentar a riqueza. A liberdade econômica, por definição, é uma amplificadora da criatividade e do empreendimento humano.


A liberdade está intimamente relacionada à propriedade privada. E quando a propriedade privada é respeitada, empreendedores se arriscam mais e investem mais; consequentemente criam mais empreendimentos que oferecem mais empregos, e oportunidades de novos negócios, melhora a oferta, a qualidade dos produtos e preços, através do oferecimento de bens e serviços pela concorrência. E se estes bens e serviços satisfazem as demandas dos consumidores, giram a roda da economia, produzindo riquezas e gerando   impostos que retornam em benefícios públicos comuns e de qualidade a todos. É assim que funciona a economia em países desenvolvidos.


Se isso ainda não bastasse, vale lembrar que, como efeito colateral, tudo isso aumenta a demanda por mão-de-obra. Consequentemente, maior produção e maior demanda por trabalhadores, fazem subir os salários em termos reais. Logo, o padrão de vida da população aumenta. E nada disso é um conto de fadas ou uma mera ginástica mental. De acordo com a última publicação do Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation, os países mais livres do mundo possuem uma renda per capita 7,5 vezes maior que a dos países considerados "reprimidos", como Argentina e Brasil.


É nas economias populistas que acontecem estes constantes ajustes e arrochos


Tendo deixado claro que liberalismo econômico nada tem a ver com "ajuste", no sentido de reduzir os salários dos trabalhadores, vejamos agora o que é que realmente causa o arrocho:


Ao final da década de 1980, dois acadêmicos de prestígio internacional compilaram várias experiências econômicas de países latino-americanos em um estudo que intitularam "O populismo macroeconômico na América Latina". Para Rudiger Dornbusch e Sebastián Edwards, o  populismo macroeconômico, mediante o uso de:



"políticas fiscais e creditícias expansionistas, busca a todo custo, o crescimento e a redistribuição de renda no curto prazo" ao mesmo tempo em que "menospreza os riscos da inflação e dos déficits orçamentários do governo, do protecionismo, das restrições externas e da reação adversa dos agentes econômicos perante essas políticas agressivas e anti-mercado".



Segundo estes autores, estudiosos do assunto, o populismo econômico possui um caráter autodestrutivo, uma vez que seus problemas, ao serem subestimados, acabam por gerar grandes retrações da renda per capita, dos salários reais e do poder de compra dos trabalhadores, prejudicando principalmente aqueles a quem o governo mais queria beneficiar: os pobres e menos favorecidos.Talvez o mais interessante da análise de Dornbusch e Edwards seja sua classificação do populismo econômico em 4 etapas:


1)- Na primeira etapa, com a economia relativamente arrumada, as políticas fiscais e monetárias expansivas geram um crescimento da produção, do emprego e dos salários reais.


2)- Na segunda etapa, vários gargalos começam a aparecer. A inflação aumenta de maneira significativa. O déficit fiscal do governo piora em decorrência dos subsídios do governo aos seus setores favoritos e do congelamento das tarifas de energia, gasolina e demais serviços públicos (o que gera necessidade de repasses para essas empresas). A desvalorização cambial ou o controle do câmbio se tornam inevitáveis.



3)- Na terceira etapa, os problemas se tornam explícitos: escassez de produtos, inflação de preços em disparada, fuga de capitais, acentuada desvalorização cambial e, no extremo, escassez de dólares. Consequentemente, com a queda nos investimentos e com menos capital investido per capita, os salários reais inevitavelmente caem e o crescimento econômico se estanca e entra em contração.




4)- Na etapa final, o que normalmente ocorre é a implantação de um plano "ortodoxo" de estabilização, que buscará corrigir os desequilíbrios na economia para que os investimentos retornem e a produção volte a crescer. Um novo governo é eleito (ou o próprio governo é reeleito; ou um novo governo assume em decorrência da deposição do atual) e é obrigado, por necessidade, a fazer esses ajustes, possivelmente sob a supervisão do FMI ou de organizações internacionais que forneçam os fundos necessários para fazer as reformas econômicas (isso ocorre majoritariamente quando o país precisa de recompor suas reservas internacionais).









CONCLUSÃO:



Em suma: o populismo nada mais é que um conjunto de políticas insustentáveis que, no médio a longo prazo, geram distorções que inevitavelmente afetam os investimentos e eliminam os incentivos para empreender, produzir e crescer.Os dados compilados pelos autores são contundentes. Em todos, observa-se o mesmo padrão: de início, o populismo faz com que os salários reais aumentem, pois vários preços estão congelados (e subsidiados) ao mesmo tempo em que está havendo uma grande expansão monetária. Há mais dinheiro na economia (mais gastos e maiores salários), mas vários preços estão controlados (e subsidiados). Com o tempo, os desajustes econômicos (explicados acima) se tornam visíveis demais para continuarem ignorados, o que dá início ao ajuste.


O populismo sempre privilegia o curto prazo em detrimento do longo prazo. Ao fazer isso, são implantadas políticas econômicas nefastas, como inflação monetária, déficits fiscais, controle de preços, aumento das regulações, fechamento do mercado externo, subsídios às indústrias favoritas do governo etc. Tudo isso pode, no curto prazo, gerar uma ilusão de bem-estar, como se observa nos gráficos acima. No entanto, o colapso final é inevitável.



Para Edwards e Dornbusch, a fase inescapável do populismo macroeconômico é a da estabilização ortodoxa, em que realidade vem à tona, o salário real cai, a inflação de preços dispara (pois os preços até então congelados são finalmente liberados) e a economia entra em recessão. Obviamente, se a estabilização é bem-sucedida e o populismo é abandonado, o país volta a crescer.


Ao final, de quem é a culpa pelo ajuste e pelo arrocho? Daquele que simplesmente descortinou o véu das mentiras ou daquele que insistia em tentar revogar as leis básicas da economia? O ajuste, ou "arrocho", em cima dos trabalhadores não é de responsabilidade do liberalismo econômico, mas sim uma consequência inevitável do populismo. Nos países mais economicamente liberais, a economia cresce mais e a renda das pessoas é a mais elevada de todas.Já onde viceja o populismo, os salários crescem apenas no curto prazo, e sempre à custa de caírem acentuadamente no médio-longo prazo, em consequência da inflação, da destruição de capital, e de queda dos investimentos. Que fique claro: liberalismo econômico não é ajuste e nem arrocho; ajuste e arrocho são as consequências inevitáveis do populismo. Qualquer semelhança com algum país que você conheça, não é mera coincidência...



Fonte: Mises

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger