A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » O prelúdio e a DANÇA LITÚRGICA nas Celebrações Eucarísticas na Santa Missa

O prelúdio e a DANÇA LITÚRGICA nas Celebrações Eucarísticas na Santa Missa

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 22 de janeiro de 2017 | 17:30






Por que é necessário conhecermos as ações e as cerimônias da Missa? – O Micrólogo responde:



R. Porque, por meio das ações e das cerimônias expressam-se mais vivamente as idéias do que por palavras. Além disso, elas foram estabelecidas pela Igreja para nos edificar, nos instruir e despertar nossa atenção, bem como Deus lhes atribuiu graças particulares.




Há exemplos bíblicos de atitudes que Deus atribuiu algum favor especial?



R. Sim; por exemplo, a Escritura nos diz que Moisés rogou com as mãos erguidas ao céu, e, nesta cerimônia, o Senhor estabeleceu a vitória dos judeus. (Ex 17, 11)



Em que se fundamentam as cerimônias da Missa?



R. As cerimônias da Missa se fundamentam ora na necessidade, ora na comodidade ou em outros motivos simbólicos e místicos. Na pesquisa de todas elas, precisamos recorrer a uma infinidade de escritos em que se acham espalhados, procurando sempre suas origens.



Que mais devemos levar em conta para conhecer os motivos da Igreja no uso de determinadas ações que vemos na Santa Missa?



R. Além da pesquisa aludida anteriormente, devemos levar em conta o discernimento e bom senso que a Igreja empregou para estabelecer as razões das ações e das cerimônias da Missa.



Como se classificam as razões em que a Igreja se baseou para estabelecer as ações e cerimônias da Missa?



R. Podemos classificar em seis razões.



Qual é a primeira razão? Exemplifique:



R. A primeira razão é de conveniência ou comodidade. Há costumes que só podem ter como causa, estes fatores.Exemplo: o motivo pelo qual se cobre o cálice depois da oblação é por pura precaução, para que nele não caia nada; e se o Micrólogo, que reconhece este motivo, acrescenta outros, é mais por sua conta que da Igreja.



Qual é a segunda? Exemplifique:


R. Há usos que se fundamentam em duas causas: comodidade e simbolismo.Exemplo: A primeira razão do uso do cíngulo sobre a alba é para impedir que esta caia e se arraste pelo chão; e esta razão física não impede a Igreja de determinar aos sacerdotes de cingirem-se como símbolo da pureza, pois S. Pedro nos recomenda a nos cingirmos espiritualmente: Succinti lumbos mentis vestrae (1 Pet 1, 13).Outro exemplo: a fração da Hóstia se faz também, naturalmente, para imitar a Nosso Senhor Jesus Cristo que partiu o pão, e porque é preciso distribuí-la; mas, algumas Igrejas deram a esta fração um sentido espiritual, dividindo a Hóstia em três partes (Itália e França), em quatro partes (Grécia), e em nove partes (rito moçárabe).




Qual a terceira causa? Exemplifique:



R. Às vezes uma causa de necessidade física foi substituída por uma razão mística.Exemplo: o manípulo, inicialmente, era um paninho utilizado pelos que trabalhavam na igreja para enxugar as mãos. Há seis ou sete séculos que não se o utiliza mais para aquele fim original; no entanto, a Igreja continua a usa-lo para lembrar seus ministros que devem trabalhar e sofrer para merecer a devida recompensa (Ut recipiant mercedem laboris).



Qual a quarta razão? Exemplifique:



R. Às vezes um uso estabelecido anteriormente por uma razão de conveniência foi substituído por razão simbólica.Exemplo: até o final do século IX, quando o diácono cantava o Evangelho, voltava-se para o Norte, onde se encontravam os homens, porque convinha anunciar-lhes a palavra santa preferivelmente às mulheres, que se achavam no lado oposto. Porém, desde o final daquele século, em algumas igrejas, o diácono voltava-se ao Norte, mesmo sem a presença masculina, por uma razão puramente espiritual, que será exposta mais adiante.




Qual a quinta razão? Exemplifique:



R. As vezes uma razão baseada no asseio fez desaparecer um costume introduzido anteriormente, como um símbolo de pureza interior.Exemplo: Na Igreja grega o sacerdote lava as mãos no início da Missa, enquanto que na Igreja latina ele as lava também antes da oblação. "Este uso havia desaparecido, diz S. Cirilo de Jerusalém, não por necessidade, pois os sacerdotes se lavam antes de entrar na Igreja, mas para salientar a pureza interior que convém aos santos mistérios".Posteriormente, segundo S. Amalrico e a Sexta Ordem Romana, o bispo e o sacerdote lavavam as mãos entre a oferenda dos fiéis e a oblação do altar pois poderiam conter vestígios de pão comum distribuído aos leigos; e, como segundo esta ordem se incensavam as oblações, estabeleceu-se em fim a ablução dos dedos, após esta operação para maior asseio, sem abandonar, porém, a razão espiritual primitiva.




Qual a sexta razão? Exemplifique:


R. Há usos que sempre tiveram razões simbólicas e místicas. Alguns põem em dúvida que elas tenham sido assim desde o princípio; porém será fácil nos persuadirmos disto, se considerarmos que os primeiros cristãos tinham sempre por objetivo elevar suas almas e seu pensamento aos céus, que neles tudo era simbólico, e que, como os sacramentos foram instituídos sob símbolos, eles se acostumaram a espiritualizar todas as coisas, como vemos nas epístolas de S. Paulo, nos escritos de S. Bernardo, de S. Clemente, de Justino, de Tertuliano, de Orígines, etc.Exemplo: S. Paulo dá razões místicas ao povo, quanto ao costume seguido pelos homens nas igrejas, de rezar com a cabeça descoberta; o mesmo acontece com as explicações dos santos padres sobre as razões de S. Paulo.Outro exemplo: Por razão simbólica, também, durante muitos séculos os novos batizados se trajavam de branco, indicando a inocência. Assim aconteceu com Constantino que cobriu seu leito e revestiu seu quarto de branco depois de ter recebido o batismo.Mais um exemplo: quando os primeiros cristãos se voltavam para o Oriente para rezar, era porque viam o Oriente como a figura de Nosso Senhor Jesus Cristo; e, quando rezavam em lugares elevados e bem iluminados, era porque a luz exterior representava o Espírito Santo, como nos diz Tertuliano (Lib. adv. Valent, c. 3).Ainda: Todas as cerimônias que precedem ao batismo são outros tantos atos simbólicos. S. Ambrósio, que as explica para os que se preparavam para receber o sacramento, diz que se faz com que os catecúmenos se voltem para o Ocidente, para indicar que renunciam as obras de Satanás e as resistem de frente, e que, em seguida, voltam-se ao Oriente para olhar a Jesus Cristo, a verdadeira luz.



Qual a postura recomendada para a oração na Missa durante os quatro primeiros séculos?


R. Recomendava-se a rezar em pé nos domingos e em todo o tempo pascal, e Tertuliano diz que era uma espécie de falta rezar de joelhos e jejuar em tais dias (Die dominico jejunium nefas ducimos vel de geniculis adorare, Tertuliano, Lib. de Cor., c. 3).



Por que devemos penetrar nas razões e origens misteriosas dos costumes que envolvem as cerimônias da Missa? 


R. Porque afastarmo-nos de tais razões e origens seria um afastamento do espírito e dos objetivos da Igreja, que claramente pede aos seus filhos que se apliquem a penetrar nos mistérios que envolvem as cerimônias.



Há algum exemplo concreto desse desejo da Igreja?


R. Sim, como prova a oração que se lê nos antigos sacramentais, repetida todos os anos na cerimônia da benção das palmas: "Fazei, Senhor, que os corações piedosos dos vossos fiéis compreendam com fruto o que significa misteriosamente esta cerimônia".



Por que incensa-se o altar?


R. Incensa-se o altar como um sinal visível das adorações e súplicas a Deus, feitas por todos os santos que estão na terra ou na glória eterna.


Quando foi celebrada a primeira Missa?


R. Ainda que o Filho de Deus seja sacerdote eterno, por decisão que se impôs como vítima dos homens, tornando-se para sempre pontífice da Nova e Eterna Aliança; ainda que, de fato, tenha começado o sacrifício com o primeiro batimento do seu coração, no instante da Encarnação, para cumprir-se na Ceia e no Calvário e receber sua perfeição nos mistérios da ressurreição e ascensão e na efusão do Espírito Santo, pode-se e deve-se crer que a primeira Missa foi celebrada no Cenáculo, à véspera da morte do Salvador.

Que paralelo podemos estabelecer entre o Cenáculo e a Santa Missa?



R. Podemos estabelecer o seguinte paralelo:




CENÁCULO:1 - Jesus dirige-se ao Cenáculo: acompanhado dos seus discípulos, chega ao Cenáculo, onde estava preparada a mesa do sacrifício e da comunhão;



SANTA MISSA:1 - O sacerdote dirige-se ao altar: precedido dos seus ministros, onde tudo está disposto para o sacrifício da Santa Missa;



CENÁCULO:2 - Jesus deixa a mesa depois da ceia prescrita pela lei, humilha -se, ao lavar os pés dos apóstolos, e os manda que se os lavem mutuamente, voltando, depois, a ocupar o seu lugar à mesa;



SANTA MISSA: 2 - O sacerdote desce ao pé do altar: mesmo purificado de faltas graves, para lavar-se e purificar-se das faltas mais leves, o sacerdote faz a confissão mútua com os assistentes, subindo, depois, ao altar;



CENÁCULO:3 - Jesus senta-se à mesa eucarística: instrui seus apóstolos, e lhes dá o resumo da sua doutrina, dizendo: "Eu vos dei o exemplo para que façais como eu fiz" (Jo, 13...)



SANTA MISSA:3 - O sacerdote faz no altar a instrução pública e preparatória, com o objetivo de explanar estes dizeres profundos de S. Justino ( Apol. 2 ...): "Só pode participar da eucaristia aquele que crê que nossa doutrina é verdadeira, que recebeu a remissão dos pecados e que vive como Jesus ensina".



CENÁCULO:4 - Jesus toma o pão e o vinho num cálice, e os abençoa;



SANTA MISSA:4 - O sacerdote toma o pão e o vinho num cálice: eis a oblação, as orações e bênçãos que a acompanham;



CENÁCULO:5 - Jesus deu graças, elevando os olhos aos céus: embora os evangelistas não registrem as palavras de que Jesus se serviu nesta ação de graças, sabemos, pela tradição, que Ele enumerou os benefícios da criação, da providência e da redenção, que iriam se concentrar nesta vítima adorável; depois, o Senhor partiu o pão e o deu aos seus discípulos, dizendo: "isto é o meu corpo"; em seguido os deu também o cálice, dizendo: "isto é o meu sangue". Eis a fórmula da consagração: "Tomai e comei, tomai e bebei"; esta é a Comunhão do Cenáculo.



SANTA MISSA:5 - O sacerdote emprega as mesmas palavras e gestos no Cânon da Missa, repetindo a fórmula da Consagração.:"Tomai e comei, tomai e bebei". Esta é a comunhão na Missa.



CENÁCULO:6 - Jesus pronuncia um hino de reconhecimento.



SANTA MISSA:6 - O sacerdote termina o sacrifício com a ação de graças.





Quem unificou as orações acessórias e as cerimônias não essenciais?



R. Foi S. Gregório, no século VI, através do famoso Sacramental que leva seu nome.



O que estabeleceu o Sacramental de S. Gregório?



R. O Sacramental de S. Gregório estabeleceu: intróitos, o Kyrie eleison, o Gloria in excelsis, as coletas, o tema da epístola e do Evangelho, as orações para as oblações, o prefácio comum e o cânon até o Agnus Dei, exatamente como o recitamos hoje.




O Sacramental de S. Gregório permitia ainda alguma variedade nas orações acessórias?



R. Sim. Como cada província tinha santos bispos que acrescentavam algo ao acessório do sacrifício, por muito tempo se respeitou esta variedade, pela antigüidade das orações e pela santidade dos seus autores.




Que resultou desta variedade acessória ao sacrifício?



R. Como conseqüência daquela variedade, surgiram os diferentes missais e sacramentais da Igreja romana e das Igrejas particulares do Ocidente. Porém, o essencial do sacrifício para a oblação, a consagração e comunhão, era rigoroso e invariável em todo o mundo cristão, e a regra secundária da liturgia manteve sua variedade até o século XIII.


Que houve nesse século?


R. No século XIII foi fixado o Ordinário da Missa, tal qual permanece em nossos dias.


Não houve alterações essenciais entre o estabelecido por Cristo e o que é recitado hoje na Santa Missa?



R. Não. Essencialmente, Cristo tomou o pão e o vinho, nós tomamos a mesma matéria de oblação; Cristo a abençoou, o sacerdote a abençoa; Cristo deu graças, nós as damos; Cristo as consagrou pelas palavras onipotentes relatadas no Evangelho, o padre repete as mesmas palavras por sua ordem, a Ele unido, in persona Christi, e em Sua memória.



As orações acessórias da Missa, introduzidas pelos apóstolos e pela Igreja, não alteraram a ação de Cristo?



R. Não. As orações acessórias, introduzidas no decorrer dos tempos, em nada alteraram a ação de Cristo porque, em relação a esta, tais orações somente estabeleceram:



1 - a preparação pública ao santo sacrifício, com a introdução de salmos e do Kyrie (Senhor, tende piedade);

2 - a entoação, no altar, do hino da redenção (Gloria), cantado pelos anjos no nascimento de Jesus Cristo;

3 - o preceder e a seqüência das leituras, com orações e reflexões;

4 - o hino cantado pelos serafins (Sanctus), para que ressoe no momento em que a vítima vai abrir os céus;

5 - o invocar por três vezes o Agnus Deis (Cordeiro de Deus), com sua misericórdia e paz;

6 - os sinais exteriores de humildade, de esperança, de respeito e de amor. Trata-se, portanto, do mesmo sacrifício de Jesus Cristo, acompanhado de orações e ritos para expressar a piedade diante de tão excelsa maravilha.



O valor da Missa é finito, ou infinito?




R. O valor da Missa é infinito por se referir a Deus vítima, à suficiência do tesouro dos seus méritos que, oferecidos por Deus-sacerdote, serão sempre aceitos pelo Senhor, como dignos da sua majestade e da sua justiça; o valor da Missa é de valor finito quanto ao exercício do sacerdote secundário, que é um homem revestido de poderes divinos, e enquanto aplicação que o Senhor nos faz dos méritos do seu Filho, proporcionalmente à nossa fé, nossa penitência e nosso fervor.




Quais são os frutos do sacrifício da Missa?



R. A Igreja nos ensina que a Missa opera por si mesma, e por sua virtude própria, o perdão dos pecados; mas o opera de uma forma mediata, ou seja, que pelo próprio ato do sacrifício, e sem nenhum meio ulterior, ela obtém, para o pecador, a graça de se converter e de receber, no sacramento da Penitência, a remissão das suas faltas.

 
Exemplificando: uma pessoa que pede a Deus a graça de mudar de vida e de se confessar, mas sem assistir ao sacrifício da Missa, poderá obtê-la somente em virtude do seu fervor e das suas instâncias, porém sempre terá dúvida se de fato a obteve.Contudo, se ela assiste a santa Missa com aquela finalidade, é certo que receberá a graça pedida, de modo eficaz, desde que não oponham obstáculos a ela, independentemente das disposições de quem celebra e do fervor de quem assiste a celebração, entendendo-se o mesmo quanto às demais graças para a salvação.




Se a Missa como memorial ordenado pelo próprio Cristo de sua paixão, morte e ressureição, produz a graça e a aplicação dos méritos do seu sangue e da morte, em que ela se diferencia dos sacramentos?



R. A diferença é que a Missa nos concede a graça de forma mediata, enquanto que os sacramentos nos dão a graça imediatamente; a Missa é uma via segura que conduz à vida, à graça, e os sacramentos são a própria vida, a própria graça, com toda a sua eficácia.



Que podemos concluir desse conceito?



R. Podemos concluir que a assistência à Missa é uma excelente disposição para o perdão e a conseqüente justificação, considerando que a Missa é o tribunal de misericórdia de primeira instância, se é permitido assim falar, e dela se passa ao tribunal de reconciliação de último recurso.




Haveria outra diferença entre a Missa e os sacramentos?


R. Sim. Há outra diferença mais favorável ao sacrifício: os sacramentos só aplicam o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo aos que são dignos dele, enquanto que a Missa o aplica ao justo e ao pecador, ao que merece e ao que nem é mesmo digno de recebê-lo. Isso porque os sacramentos só produzem seus efeitos para os vivos, enquanto que a Missa estende seus frutos de salvação aos vivos e aos mortos.



Por que o altar está sempre acima do nível do solo?



R. O altar deve ficar acima do nível do solo, elevado pelo menos por um degrau ou base, para corresponder ao significado literal e místico do seu próprio nome e da sua finalidade.



Como a elevação do altar acima do solo corresponde a sua finalidade?



R. Como a oração é a elevação da alma a Deus, assim também é o sacrifício celebrado no altar, sinal público da mais excelente oração, que deve ser oferecido num lugar elevado para nos lembrar que devemos nos separar da terra, e nos elevarmos para o céu, aproximando-nos espiritualmente do trono da misericórdia de Nosso Senhor.



Por que se acendem luminárias durante a Missa?




R. A origem deste costume se encontra no início da era cristã, no tempo das perseguições, em que os fiéis, obrigados a celebrar os santos mistérios em lugares escuros e antes do raiar do dia, precisavam acender tochas que, às vezes, eram multiplicadas como sinal de alegria.



Há referência desse costume na Escritura?




R. Sim. S. Lucas, nos Atos dos Apóstolos, 20, 7- 8, nos revela que, no local onde S. Paulo pronunciou um extenso discurso aos fiéis no primeiro dia da semana (domingo) havia uma grande quantidade de luminárias. Aí lemos: "E, no primeiro dia da semana, tendo-nos reunido para a fração do pão, Paulo, que devia partir no dia seguinte, falava com eles, e prolongou o discurso até a meia-noite. E havia muitas lâmpadas no Cenáculo, onde estávamos reunidos". Além disso, Eusébio nos diz que, na noite de Páscoa, além da iluminação das igrejas, o imperador Constantino ordenava acender todo o tipo de tochas em todas as ruas da cidade, para que aquela noite fosse mais brilhante que o dia mais claro (Euséb., História Ecles., 1. 5, c. 7).Assim, o costume das luzes durante a celebração da Missa é uma lembrança da mais remota Antigüidade, e como manifestação da alegria espiritual dos fiéis naquele santo momento.



O costume de acender luzes não surgiu, portanto, da pura necessidade natural de iluminação?



R. Não, pois, nos séculos III e IV, apesar da profunda paz reinante, na qual a Igreja podia celebrar livremente, e com grandiosidade, cerimônias mais solenes, sempre se acendiam lampadários durante o dia.




Há alguma referência histórica sobre esse tema?




R. Sim, por exemplo, quando o herege Vigilâncio se atreveu a acusar a Igreja de superstição porque pessoas piedosas acendiam velas durante o dia nos túmulos dos mártires, S. Jerônimo lhe respondeu indignado, referindo-se aos ofícios eclesiásticos: "Nós não acendemos luzes durante o dia senão para mesclar de alguma alegria as trevas da noite; para velar com a luz, e evitar dormirmos como vós, na cegueira das trevas" (S. Jerônimo, Epist. ad Vigilant ).




Por que o testemunho de S. Jerônimo é importante para esse assunto?


R. Porque ninguém como ele poderia estar melhor informado sobre esse costume, pois ele havia visitado toda a Gália (França) e percorrido todo o Oriente e Ocidente. Assim, podemos dizer, sob sua autoridade, que não se acendiam luzes durante o dia porque haviam sido usadas no decorrer da noite, mas que nas igrejas do Oriente se acendiam luzes por motivos místicos: "Em todas as igrejas do Oriente, diz ele, se acendem velas durante o dia quando se lê o Evangelho, não para ver claro, mas como sinal da alegria e como símbolo da luz divina, luz da qual diz o salmo: vossa palavra é a luz que ilumina meus passos" (Id.)Esse mesmo motivo místico, que levou os fiéis a acender velas durante a leitura do Evangelho, determinou o costume posterior de mantê-las acesas durante a celebração do sacrifício em que Nosso Senhor, que é a verdadeira luz dos homens, está realmente presente; no qual o pontífice e o sacerdote, em suas elevadas funções, representam esta divina e evangélica claridade.




Por que a Igreja sempre aprovou esses costumes?


R. A Igreja sempre aprovou esses costumes simbólicos porque eles são ensinamentos simples e edificantes para o povo.



Por que se fazem procissões antes da Missa nos domingos e festas solenes? 



R. A finalidade das procissões antes da Missas é de abençoar os caminhos e as casas com a água santificada e, principalmente, pela presença de Cristo, como nas solenes procissões da Páscoa. A procissão de entrada, se deu em virtude das grandes Catedrais, em virtude do longo percurso a ser percorrido pelo sacerdote e ministros até chegarem ao altar.



Há outras finalidades nas procissões? 



R. Sim; como de honrar algum mistério, como a entrada de Nosso Senhor no templo, ou sua entrada triunfal em Jerusalém no dia de ramos; da sua ascensão ao céu; ou atrair as bênçãos de Deus sobre os bens da terra, etc. A finalidade principal das procissões é de mostrar que o cristão é um viajante em desterro na terra e que o céu é sua verdadeira pátria para a qual ele se encaminha guiado por Cristo, sob a proteção de Nossa Senhora e dos santos patronos, cujos estandartes ele leva, iluminado pela luz da fé, pelo exercício da oração e da penitência, para chegar ao altar visível e deste ao altar do céu, onde está o verdadeiro repouso e a felicidade eterna: estes são os piedosos motivos que devem animar os fiéis nas procissões.



Como o povo acompanha a procissão?


R. Durante a procissão cantam-se hinos, salmos, antífonas, ladainhas e mais freqüentemente responsórios, finalizando com uma oração geral recitada pelo sacerdote que a dirige.

Fonte: Micrólogo Romano




E SOBRE O PRELÚDIO E A DANÇA LITÚRGICA?


“A dança litúrgica adequadamente compreendida não é um abuso na Missa, mas a sua expressão mais alta e mais bonita. Quando cada movimento litúrgico e gesto são direcionados para adorar a Deus, a Missa se torna a dança mais solene e profunda deste mistério de Cruz e Ressurreição...” (David G. Bonagura Jr. - Professor adjunto de Teologia no Seminário da Imaculada Conceição, em Huntington, NY.)





O que é um preludio?


Muitas vezes escutamos essa palavra em nossas celebrações e nos fazemos algumas perguntas: Que finalidade tem esse momento? para que serve? O que significa? Se buscarmos auxilio no dicionário veremos que:


“um preludio é um exercício preliminar, geralmente uma peça musical feita de improviso para introduzir algo...Utilizando as palavras do dicionário aplicada a nossa realidade de Igreja, o preludio é um exercício piedoso que transforma a arte em oração para introduzir a sinfonia do sacrifício de Cristo e ao mesmo tempo o esplendor de sua ressurreição.Através da dança, da musica, do teatro ou até mesmo de um texto, nas grandes celebrações introduzimos os fieis no mistério celebrado através desse recurso que se propõe a revelar aos olhos da carne aquilo que somente os olhos do espírito podem ver.Longe de ser uma apresentação artística esses momentos são verdadeiras experiências de oração e de contemplação para os que dele participam.”









Algumas passagens bíblicas, a exemplo de Êxodos 15,20 e Juízes 11, 34;vemos que o povo Israelita dança nas ocasiões de algumas CELEBRAÇÕES.A dança era praticada em contextos de Guerra. Vemos isso em: I Crônicas 13,8; 15,29; em II Samuel 6, 14. O povo dançava nas festas da colheita, uma dança harmoniosa e que contava uma história.


“Pela encarnação de Deus em nossa história, em Jesus de Nazaré, o corpo tornou-se “sacramento de Deus” e, na liturgia, o corpo humano deve encontrar lugar para expressar essa sua sacramentalidade. A liturgia, assim, está repleta de posturas e gestos corporais, que realizados com decoro e simplicidade, expressam seus significados divinos...” (Sacrosanctum Concilium, nº 30; Instrução Geral sobre o Missal Romano, nº 42; CNBB, Documento 43 sobre a Animação da Vida Litúrgica no Brasil, nº 83).



A dança litúrgica não é um elemento ornamental ou decorativo, divertimento, distração ou adendo introduzido na liturgia, mas faz parte da oração comunitária da Igreja com a função própria de ajudar a assembleia a entrar em contato com o mistério celebrado, bem como ser expressão desse mistério.




Para os grandes defensores da sobriedade do rito romano e para os que podem pensar que isso tudo pode parecer ser “POUCO ROMANO”, vejamos o que diz a Congregação para o Culto Divino:


“Em certos povos, o canto é instintivamente acompanhado do bater de mãos, de movimentos ritmados e de passos de dança dos participantes. Tais formas de expressão corporal podem ter lugar na ação litúrgica desses povos, na condição de serem sempre expressão de uma verdadeira e comum oração de adoração, de louvor, de oferta ou e súplica e não mero espetáculo” (4º Instrução da Congregação para o Culto Divino, A Liturgia Romana e a Inculturação, nº 42). Até o ritual brasileiro do Batismo de Criança, aprovado pela mesma Congregação, aconselha as danças litúrgicas: “pode-se também trazer até a fonte do batismo a água acompanhada com cantos e danças” (RBC, nº 64).



Para reforçar, vale lembrar o que diz a CNBB:


“não se trata, então, de dar receitas de danças litúrgicas, mas de incentivar uma busca de fidelidade e coerência que nos leve aos poucos com a sabedoria e o equilíbrio do amor e da verdade a resgatar o ‘corpo’, como mediação universal, e a ‘dança’, como instauradora de harmonia entre espírito (alma) e corpo no indivíduo; entre pessoa e comunidade; entre o mundo visível e o invisível” (CNBB, A Música Litúrgica no Brasil, Estudos 79 da CNBB, nº 216).


Com o intuito de contribuir acrescento as seguintes citações da Sacrossanctum Concillium:



38. Mantendo-se substancialmente a unidade do rito romano, dê-se possibilidade às legítimas diversidades e adaptações aos vários grupos étnicos, regiões e povos, sobretudo nas Missões, de se afirmarem, até na revisão dos livros litúrgicos; tenha-se isto oportunamente diante dos olhos ao estruturar os ritos e ao preparar as rubricas.



Da autoridade competente:


SC-39. Será da atribuição da competente autoridade eclesiástica territorial, de que fala o art. 22 § 2, determinar as várias adaptações a fazer, especialmente no que se refere à administração dos sacramentos, aos sacramentais, às procissões, à língua litúrgica, à música sacra e às artes, dentro dos limites estabelecidos nas edições típicas dos livros litúrgicos e sempre segundo as normas fundamentais desta Constituição.


§ 2. Em virtude do poder concedido pelo direito, pertence também às competentes assembleias episcopais territoriais de vário género legitimamente constituídas regular, dentro dos limites estabelecidos, a Liturgia.



SC-37. Não é desejo da Igreja impor, nem mesmo na Liturgia, a não ser quando está em causa a fé e o bem de toda a comunidade, uma forma única e rígida, mas respeitar e procurar desenvolver as qualidades e dotes de espírito das várias raças e povos. A Igreja considera com benevolência tudo o que nos seus costumes não está indissoluvelmente ligado a superstições e erros, e, quando é possível, mantem-no inalterável, por vezes chega a aceitá-lo na Liturgia, se se harmoniza com o verdadeiro e autêntico espírito litúrgico.



Dos dispositivos acima citados conclui-se que a Igreja admite a adaptação da Liturgia às particularidades de cada povo e que o episcopado pode e deve fazer essas adaptações. Veja-se ainda a ficha 77 A Liturgia Dançada - Formação em Mutirão da CNBB e a Carta Circular do CELAM - Conselho Episcopal Latino-americano " e a Carta Circular do CELA:


“Dez critérios a serem considerados para a acolhida da DANÇA LITURGICA, nas celebrações litúrgicas".







Portanto, não se trata de que os Documentos da CNBB, ou do CELAM, são inferior à Sacrossanctum Concillium, mas complementar a esta e legítima, porquanto foi aprovada pela Conferência dos Bispos do Brasil, autoridade reconhecida pelo documento da Santa Sé, conforme dito acima. Juridicamente falando, podemos dizer que a Sacrossanctum é a lei geral e o Doc. 43 da CNBB é a lei complementar.



Veja também o que diz o artigo 123 da Sacrossanctum:


SC-123. A Igreja. nunca considerou um estilo como próprio seu, mas aceitou os estilos de todas as épocas, segundo a índole e condição dos povos e as exigências dos vários ritos, criando deste modo no decorrer dos séculos um tesouro artístico que deve ser conservado cuidadosamente.








A Igreja não exclui a dança como expressão de sua fé



O Antigo Testamento atesta que ela não estava fora do culto que Israel prestava ao Senhor. “Davi, cingido apenas com um efod de linho, dançava com todas as suas forças diante do Senhor” (2Sm 6,14).



A Constituição Litúrgica Sacrosanctum Concilium Nº 112 afirma:


“A Igreja aprova e admite no culto todas as formas de arte autêntica que estejam dotadas das devidas qualidades” (SC 112).



A instrução sobre Liturgia e Inculturação, Varietates legitimae [VL] (1994), da Congregação para o Culto e a Disciplina dos Sacramentos, afirma:


“Entre alguns povos, o canto é instintivamente acompanhado por palmas, balançados rítmicos ou movimentos de dança, por parte dos participantes. Tais formas de expressão corporal podem ter lugar nas ações litúrgicas desses povos, com a condição de que sejam sempre a expressão de uma verdadeira oração comunitária de adoração, de louvor, de oferenda e de súplica, e não um simples espetáculo” (VL 42).



Afirma ainda que


“A diversidade de alguns elementos das celebrações litúrgicas é fonte de enriquecimento, desde que respeite sempre a unidade substancial do Rito romano, a unidade de toda a Igreja e a integridade da fé que foi transmitida aos santos de todos os tempos” (cf Jd 3; VL 70).



Por outro lado, a corporeidade é um meio natural de expressão do ser humano, de modo que também o movimento rítmico e os passos da dança podem ser uma autêntica forma ritual.A exemplo disso, recordamos que a dança litúrgica está contemplada em um ritual particular africano, o Missal Romano para as Dioceses do Zaire (Congo), para acompanhar a apresentação das oferendas.



*A partir das normas já expressadas pelo Magistério da Igreja, há que se ter em conta os seguintes critérios, oferecidos para um ulterior discernimento e aprovação das Conferências Episcopais:



1. Deve-se “considerar ‘com atenção e prudência os elementos que se podem tomar das tradições e índole de cada povo, para oportunamente incorporá-los ao culto divino’. Por vezes, se poderá admitir ‘tudo aquilo que, nos costumes dos povos, não esteja indissoluvelmente vinculado a superstições e erros (…), conquanto se possa harmonizar com o verdadeiro e autêntico espírito litúrgico’” (VL 31).



2. “Os ritos devem resplandecer com nobre simplicidade; devem ser breves, claros, evitando repetições inúteis, adaptados à capacidade dos fiéis e, de modo geral, não devem necessitar de muitas explicações” (SC 34).


3. Quando se introduz a dança litúrgica na celebração, deve ela partilhar da mesma finalidade de toda a ação dentro da liturgia: ser uma expressão da participação ativa e frutuosa, fruto da autêntica espiritualidade litúrgica de toda a assembleia, mesmo que seja executada apenas por algumas pessoas. Evite-se, portanto, que seja mera apresentação teatral.



4. A dança litúrgica só se justifica na celebração se é algo conatural à cultura da assembleia. Não se pode forçar nem introduzi-la artificialmente na liturgia.



5. A dança litúrgica não pode ser um espetáculo, e sim que, tal como se pede ao canto litúrgico, deve acompanhar a ação ritual e fazer parte integrante dela.


6. Há que se considerar que nem todo momento da celebração é apropriado à introdução da dança litúrgica. Deve haver sintonia entre a ação ritual e os movimentos da dança, tal qual sucede no canto.



7. Mesmo assim, a dança deve estar em sintonia com os diversos tempos do ano litúrgico, que podem ser mais ou menos apropriados para sua inclusão.



8. Os homens e as mulheres que executam a dança litúrgica devem estar inspirados por uma autêntica espiritualidade litúrgica, considerando sua participação como um serviço litúrgico que enriquece a assembleia e a ajuda a celebrar. Sua vestimenta deve ser adequada à dignidade da ação sagrada.



9. A duração da dança deve ser proporcional à da ação ritual que ela acompanha, não se estendendo demasiadamente.



10. Sendo o Ordinário [o Bispo] do lugar o primeiro responsável pela liturgia da Diocese, a inclusão da dança litúrgica nas celebrações sacramentais precisa contar com sua a provação (cf SC 39).


*Congregação para o Culto Divino e Disciplinas dos Sacramentos - Roma, 10 de setembro de 2012.



Há quem possa estranhar ser admitida, além da música vocal e instrumental, também a dança na liturgia.  Mas se formos analisar os documentos da Igreja e as orientações litúrgicas, encontraremos amplas razões, sobretudo históricas e culturais, para usá-la, uma vez que "nosso corpo, sensível e dócil ao movimento, é uma fonte inesgotável de expressão. Por isso, na liturgia têm importância os gestos, as posturas, as caminhadas e a dança", conforme o documento 43 da CNBB, "Animação da vida litúrgica no Brasil" (Paulinas, São Paulo, 1989, em seus números 83, 207, 241 e 297). Além do livro "Música, dança e poesia na Bíblia", de Maria Victoria Triviño Monrabal (Paulus, 2006), vale a pena consultar o Estudo da CNBB 79 - "A música litúrgica no Brasil" ( Paulus, São Paulo, 1999),  do nr. 206 ao 219, que faz interessantes considerações sobre a dança litúrgica, como criadora de harmonia entre o espírito e o corpo, entre a pessoa e a comunidade, entre o visível e o invisível.




Porém é preciso lembrar que a dança litúrgica, assim como o canto e a música, não é uma dança qualquer, um simples espetáculo ou exibição para a assembleia assistir e aplaudir, um elemento estranho à celebração, mas ela faz parte integrante da ação litúrgica, é uma liturgia dançada, perfeitamente integrada aos ritos e diversos momentos celebrativos.


Portanto, deve ser bela, digna, sóbria, plena de harmonia e simplicidade, e sobretudo orante, levando toda a comunidade a rezar. Assim sendo, a equipe da dança litúrgica (dançarinos e dançarinas) pode exercer um verdadeiro ministério, a serviço da comunidade celebrante.



Como fenômeno universal que é,  a dança faz parte da cultura dos povos. Desde o antigo Israel, ela sempre acompanhou o canto, os salmos, o louvor do povo diante do Senhor. A Bíblia está repleta de passagens onde o convite à dança e ao louvor se faz... O povo brasileiro tem fortes raízes indígenas e africanas, portanto é também um povo dançante, que usa gestos e movimentos, o corpo enfim como expressão litúrgica, para traduzir e ajudar a mergulhar no mistério. Mais do que comunicação verbal, a liturgia é ação, e como tal, usa a linguagem afetiva para expressar o Inefável. 








Faz parte da cultura africana a dança litúrgica, de modo que nas liturgias mais solenes há sempre o grupo de dança, em geral dançarinas (mulheres, jovens e crianças)  integrando a ação litúrgica de uma forma orante, perfeita, quase sublime,  acompanhando as procissões da entrada, oferendas, ação de graças e louvor final, além do Ato Penitencial, do Gloria, Santo e outros. Momento muito solenizado é a ação de graças, quando a comunidade toda, contagiada pela vibração das dançarinas, se põe a dançar e a bater palmas, num ritmo próprio, leve e cheio de graça... Uma linguagem privilegiada, intraduzível!... Envolvendo o corpo inteiro, desde o olhar, das mãos aos pés, os gestos nascem suaves e delicados, numa postura de total entrega da alma a Deus. 


Pode ajudar-nos saber o que diz o "Diretório de Pastoral" da Arquidiocese de Nampula, através do seu pastor, Dom Tomé Makkweliha,  a esse respeito:


"O canto e a dança têm um lugar próprio nas celebrações; devem ter qualidades, e serem capazes de exprimir o espírito de oração; serem preparados e realizados com dignidade e devoção, de modo a criar um ambiente de oração para todos. Na Igreja, cantar e dançar é rezar. Para isso, o canto e a dança, assim como o toque de instrumentos musicais, devem ter sentido de verdadeira oração. Os instrumentos sejam tocados o mais baixo possível; são simplesmente para acompanhar o canto e não para exibições, nem devem estar acima das vozes. O ritmo dos toques e o estilo da dança devem ser diferentes dos toques e danças profanas que se realizam no mundo." Vale para nós!...



Também o "Guia Litúrgico-Pastoral" da CNBB (Edições CNBB, 2007) dedica algumas páginas à dança litúrgica, orientando como e quando deve ser feita, respeitando-se sempre o sentido ministerial dos diferentes momentos celebrativos, e recomendando ainda que "se usem vestes dignas e adequadas..."






Nossos Bispos sempre pedem discernimento, sensibilidade e prudência pastoral no uso da dança litúrgica, respeitando-se a cultura do povo, que é afinal o sujeito da ação litúrgica.




Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger