A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Desmascarando o Protestantismo em suas próprias Doutrinas e divisões

Desmascarando o Protestantismo em suas próprias Doutrinas e divisões

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 18 de agosto de 2013 | 22:20




1. Quem fundou a sua Igreja? Por quê?

Então, as igrejas existentes estavam erradas para que fosse preciso surgir mais uma igreja? E quem garante que a sua é que está certa? Foi o Senhor que a fundou ou foi um mero homem? (Sl 126(127), 1.2; Mt 16,18).

2. É correto o denominacionalismo?

Se o é, por que a Bíblia insiste na unidade dos cristãos (Jo 10,16;17,21.22; Ef 4,5) e pede que nos afastemos dos que geram divisão (Rm 16,17)? Se não é, por que os evangélicos não obedecem a sua única regra de fé e prática?

3. Se você existisse antes da Reforma a que Igreja cristã pertenceria?


Frequentemente, os evangélicos acusam os católicos de adotarem costumes humanos porque, dizem eles, não se encontram na Bíblia. Perguntamos: a Igreja não pode criar determinado costume, se quiser? Os costumes têm que estar na Bíblia? E os evangélicos? Por acaso, os costumes deles estão todos na Bíblia? Está na Bíblia, por exemplo, o costume de andar com a Bíblia embaixo do braço? E o de pregar com paletó? Teologia da Prosperidade ? Fogueirinha de Isrrael?Pagamentos de votos e campanhas em dinheiro?E a formiga smilinguido, está também na Bíblia? E o pior, as diversas igrejas evangélicas criadas diária e contraditoriamente estão na Bíblia? Se os evangélicos podem criar costumes e até igrejas (apesar de Cristo já ter fundado a sua Igreja há quase dois mil anos, que justamente é a Igreja Católica), por que só a Igreja Católica não pode criar seus costumes? (Leia Mt 18,19).

Antes de atrair os católicos para a sua doutrina (ou melhor, doutrinas), você não acha que os evangélicos deveriam chegar a um acordo entre si e descobrirem, no meio de tantas doutrinas desencontradas, onde se encontra a verdadeira doutrina do evangelho?

Os nomes das Igrejas evangélicas como Batista, Assembleia de Deus, Universal do Reino de Deus, Casa da Bênção, Anglicana, Presbiteriana, Quadrangular, Deus é amor, Cuspe de Cristo, etc., etc., estão na Bíblia? Se não estão, por que os evangélicos seguem essas igrejas fundadas por homens? Além disso, não dizem que só devemos seguir o que está na Bíblia?

4.Você não acha que em Mt 12,25 se faz uma severa crítica à Babel evangélica?


Se é verdadeira a interpretação que os evangélicos dão à Bíblia, onde está a sua firmeza? Por que eles caem em tantas contradições? Como garantir qual doutrina é realmente bíblica, se cada um apresenta interpretações diferentes?

5.Você concorda com o princípio de que “onde há contradição não existe a verdade, porque uma coisa não pode ser e deixar de ser ao mesmo tempo”?

Se discorda, por que exigem coerência dos católicos? Se concorda, como crer, então, na Babel evangélica?Em 1 Cor 1, 12.13, S. Paulo se mostra zangado porque vê os coríntios divididos em grupos apesar de estarem na mesma Igreja. Que diria ele se chegasse hoje e visse estes cristãos que se julgam perfeitos imitadores da Igreja primitiva dizerem: eu sou batista; eu sou pentecostal; eu sou luterano; eu sou calvinista, eu sou testemunha de Jeová; etc., pregando todos eles as mais diversas doutrinas? Se você concorda que Paulo ficaria horrorizado (o que é lógico), perguntamos: por que os evangélicos desobedecem à palavra de Deus? Isso não demonstra que são infiéis à Bíblia?

6.Você acha que a oração de Cristo em Jo 17,21 foi eficaz?

Se foi e a religião protestante interpreta corretamente a Bíblia, por que o resultado foi esta tremenda confusão que lavra entre as igrejas ditas evangélicas? Percebeu, porém, que a oração se cumpre na unidade da Igreja Católica?

12. Você acha que é possível  uma igreja evangélica em particular convencer de que as outras interpretam errado a Bíblia e que ela é que está certa?

Se acha, então, perguntamos:


I- Por que todas as outras igrejas dizem a mesma coisa?
II- Por que todas as igrejas se subdividem tanto?
III- Por que todas elas ensinam doutrinas inexistentes antes do século XVI?
IV- Você acha que Cristo esperou 16 séculos para propagar sua doutrina?



13.Quem lhe dá certeza de que sua interpretação da Bíblia está correta? O Espírito Santo? Mas por que toda igreja diz a mesma coisa?

Então, temos vários espíritos santos ou o único Espírito Santo sopra contraditoriamente em lugares diferentes? (1Cor 12,13; 14,33).


16. Suponhamos absurdamente que um dia a Igreja inventasse de agradar aos evangélicos (Mt 16,18; At 4,19). Pois bem, perguntamos: qual doutrina evangélica a Igreja deveria adotar?

Se negasse a Trindade, agradaria às TJs, por exemplo, mas desagradaria aos que creem, como os batistas; se negasse o batismo às crianças, agradaria aos batistas, mas desagradaria aos metodistas, anglicanos e outros mais; se guardasse o sábado, agradaria aos adventistas e batistas do sétimo dia, mas desagradaria ao outro ramo que guarda o domingo, e assim sucessivamente. E aí, o que fazer?


17. Constantemente ouvimos pastores evangélicos criticarem o surgimento de novas igrejas. Mas perguntamos também a estes:

I- Mas a sua igreja não surgiu pelo mesmo processo?
II- Se sua igreja surgiu por um homem e por motivo de discordância doutrinária, como você pode exigir que os outros acatem o que vocês pregam? (Mt 7, 3).
III- Se os pastores não podem hoje fundar igrejas (e realmente não podem), e o que fundou a sua igreja podia? Se podia, onde está isso na Bíblia? Se não podia, por que fundou?


18. Será que a Bíblia autorizou Lutero, Joseph Smith, Charles Russel ou qualquer outro homem a fundar uma Igreja, se quase dois mil anos atrás Jesus já fundara sua Igreja e prometera indestrutibilidade a essa Igreja conforme: Sl 126 (127),1.2; Mt 16,18. ?

Se autorizou, onde está isso na Bíblia? Se não autorizou, por que todo dia surge uma Igreja?


19.Se para os evangélicos só Deus é mesmo infalível, por que nunca vimos nem ouvimos um evangélico criticar seu pai Lutero pela seguinte exclamação: “Não admito que minha doutrina seja julgada por ninguém, nem sequer por um anjo. Quem não receber a minha doutrina, não será salvo.”?

Não é isso se dizer infalível?Por que os evangélicos defendem sua inerrância, assumindo a infalibilidade que negam aos católicos? Ora, se ninguém é infalível, como podem defender com unhas e dentes as suas doutrinas? Como podem garantir que suas interpretações da Bíblia estão absolutamente certas? A cada igreja que surge, novas “verdades” aparecem (ou reaparecem) e nenhuma larga o osso de suas convicções.

Para as testemunhas de Jeová a terra será um paraíso, e não se fala mais nisso. Para os batistas não se pode batizar criança, e ninguém pode duvidar.

Para os adventistas devemos guardar o sábado, e acabou-se o assunto.

Para os metodistas deve-se batizar criança e pronto.
Para a Universal do Reino de Deus o cristão tem prosperidade garantida e fim de papo. Por que essa certeza, se não são infalíveis?

20.Os apóstolos eram infalíveis? Por que os apóstolos exigiam crença total naquilo que pregavam (Gl 1, 8.9)?

Se o eram, por que a Igreja hoje não o pode ser?


21.Constantemente, os evangélicos gostam de nos lembrar dos erros da Inquisição (que realmente foram lamentáveis). Da maneira como falam até parece que nunca cometeram erros. Perguntamos, porém: Os evangélicos estiveram isentos desses mesmos crimes dos quais nos lembram?

Foi com a Bíblia na mão ou com violência que conseguiram se impor em países como E.U.A, Irlanda, Escócia, Inglaterra, Suécia, Suíça e Holanda?

22.Você sabia que nenhum país cuja maioria hoje é protestante foi convertido com a Bíblia na mão?

Você sabia que a Reforma protestante se expandiu rapidamente porque foi imposta de cima para baixo, e a ferro, fogo e conversões Forçadas ?

23. Há heresia dentro do Protestantismo? Se não há, por que frequentemente se vê um pastor acusar outro de herege? Se há, onde fica a credibilidade protestante?

E além disso, por que acusam a Igreja Católica de heresia, se tais “heresias” são compartilhadas aqui ou ali dentro do próprio Protestantismo?

24. Os evangélicos dizem que os cristãos não precisam pertencer a nenhuma igreja, basta a fé. Mas se isso é verdade, por que os católicos precisam ir para o Protestantismo?

Para que servem, então, os pastores? Por que os evangélicos vão para alguma igreja, gastam dinheiro com dízimo, perdem todo o tempo se dedicando a algo que é até desnecessário? Se a Bíblia não ensina a pertencermos à Igreja, os evangélicos não estão desobedecendo a sua única regra de fé, quando passam a frequentar determinada igreja, principalmente sabendo que a igreja evangélica a que pertence não se acha dentro de sua única regra de fé e prática?


25.O Protestantismo tem dogmas?

Se não tem, a Sola Scriptura, a Sola fide ou qualquer outra doutrina protestante pode ser questionada?

Além disso, por que cada igreja garante que suas doutrinas estão absolutamente corretas? Tal certeza não dogmatiza suas crenças?

26.Os evangélicos têm tradição?

Se não têm, por que frequentemente recorrem a ela para justificar suas doutrinas? Além disso, algum evangélico seria capaz de justificar o cânon bíblico sem usar a tradição?

Se todos os argumentos usados pelos evangélicos contra a inspiração dos livros deuterocanônicos do AT forem aplicados contra a inspiração dos livros protocanônicos, estes últimos passarão na peneira?




27. Se todos podem interpretar a Bíblia livremente, por que só a Igreja Católica não o pode?


Frequentemente, os evangélicos exigem que nós católicos provemos tal e tal doutrina na Bíblia, e só nela. Perguntamos: Em qual Bíblia? Na católica ou na protestante? Se é na protestante, perguntamos também: onde está na Bíblia que uma doutrina só pode ser provada na Bíblia protestante? Se disserem que é por causa do cânon, perguntamos, ainda: onde está na Bíblia que o correto é o cânon protestante?

Por que a Bíblia teria precisado de 1600 anos para ser entendida corretamente, se segundo os evangélicos, ela é algo que qualquer pessoa pode ler e entender?

28.Os apóstolos acreditavam na Sola Scriptura?

Se a resposta for “sim”, perguntamos: Como, se não existia a Bíblia? Se eles acreditavam apenas no AT, não acha que assim estariam invalidando todas as suas pregações bem como todos os escritos do NT?

Se a resposta for “não”, também perguntamos: então, como ela pode ser uma doutrina bíblica?

29.Por que os evangélicos aceitam a autoridade dos Concílios Católicos que definiram os ATUAIS 27 LIVROS DO NOVO TESTAMENTO  em  Hipona (393) e Cartago (397) mas não para os do AT?

Por que os evangélicos aceitam os deuterocanônicos do NT e não aceitam os do AT? Que critérios adotam para aceitar ou excluir um livro da Bíblia? São bíblicos mesmo esses critérios ou foram buscá-los na tradição da sinagoga?

Se foi na sinagoga, por que não excluem também o NT, que a sinagoga excluiu? E mais, não foi justamente essa tradição que Jesus condenou em Mt 15,3, texto tão lembrado por eles?

30. Onde está na Bíblia que para se salvar basta levantar o dedo?

31.Por que os evangélicos não creem no purgatório só porque esse nome não está na Bíblia, se creem na Trindade, cujo nome também não se encontra nela?

Há também nas Escrituras os nomes “Sola Scriptura”, “Sola fide”, o nome das igrejas evangélicas ou o próprio nome “Bíblia”?

Por que os evangélicos dizem não crer em doutrinas definidas durante ou após Constantino, se guardam o domingo, creem na Trindade, comemoram o natal e aceitam o cânon de 27 livros para o NT, se tudo isso foi decretado durante e após Constantino? E o pior, pela Igreja Romana?


32. Os evangélicos sabem diferenciar “ídolo” de “imagem”? Toda imagem é ídolo?




33. O evangélico venera ou ADORA a Bíblia?

Se venera (e é claro que venera), perguntamos: Você venera o papel e a tinta ou o que esse livro santo contém, que é a palavra de Deus?


Por que os evangélicos citam Ex 20,4.5 contra as imagens católicas, mas se esquecem de que eles também usam imagens? Por acaso, o smilinguido não é imagem? E aquelas imagens de Noé, Moisés abrindo o mar vermelho, a santa ceia, os quadros da Bíblia e a imagem do Espírito Santo em forma de pomba? Tudo isso não são imagens? Por que os seus livros são cheios de imagens? E as imagens de Jesus e dos personagens bíblicos que usam nos livros infantis? Além disso, por que sites evangélicos expõem expressamente imagens bíblicas, inclusive papel de parede com imagens de Jesus que parecem mais imagens católicas? E os querubins que Deus mesmo mandou fazer em Ex 25,18? Ou vão dizer que Deus só proibiu imagens aos católicos? Se for, onde está isso na Bíblia?

34. Jesus é o único intercessor, ou único mediador ?

Se é o único intercessor, por que os evangélicos não condenam a intercessão de um irmão pelo outro?


E o pior, por que S. Paulo recomenda a intercessão dos irmãos? Se a intercessão dos irmãos aqui na terra, não diminui o papel de Jesus, único mediador; por que a intercessão dos irmãos no céu diminui? Além disso, onde a Bíblia diz que a intercessão dos irmãos no céu prejudica a única mediação de Cristo?


35.Por que S. Paulo não entendeu a ceia em sentido figurado, mas ao contrário repetiu o verbo “ser” em 1 Cor 11,23-29?

Por que ao prometer a Eucaristia em João 6, no momento em que muitos discípulos se retiraram por entenderem suas palavras em sentido real, Jesus não recuou, mas perguntou aos doze se também não queriam ir com eles? (Jo 6, 53-71).

Se Jesus queria falar em sentido figurado, por que preferiu usar o verbo “ser” aos quarenta verbos figurativos existentes no aramaico?

Nos versos 52 e 54 de João 6, Jesus falou em “comer” e o verbo correspondente no grego é “phagéin”. A partir do verso 55, porém, o texto grego usa um verbo mais forte: “trógo” – que além de “comer”, quer dizer também “mastigar”, “quebrar com os dentes os alimentos mais duros”. Perguntamos: Se Jesus falou em sentido figurado, por que além do verbo “ser”, o texto grego usa um verbo que exige o sentido real das palavras?


Se a Eucaristia é mero símbolo, figura de Jesus, que exagero é esse de S. Paulo em dizer, em 1Cor 11, 27, que quem come ou bebe da Eucaristia indignamente é réu do corpo e do sangue de Cristo?



36.Se pela fé, Abraão tornou-se pai de todo o povo de Deus (Gn 17,5) e, nisso, não houve nenhuma afronta ao único e verdadeiro Pai, Deus; por que também pela fé (Lc 1,45) Maria não se tornou mãe do novo povo de Deus (Jo 19,26.27)?


Por que aquela que é a mãe da cabeça, Jesus, não é também a mãe do corpo, a Igreja?

Por acaso, alguém poderia ser mãe apenas da cabeça sem o ser também do corpo?


37.O que significa a expressão “Mãe do meu Senhor” em Lc 1, 43?

Sabia que Senhor no grego é “Kyrius”, o nome que substitui o tetragrama, ou seja, o nome de Deus?

38.Todo evangélico está salvo? Se está, perguntamos: A Bíblia garante mesmo essa certeza? O que dizer, então, de textos como Mt 26,41; 1 Cor 4, 4; 10, 12; 1 Pd 5, 5; Ap 2, 10?

Além disso, existem também maus elementos dentro do Protestantismo? Se existe (e claro que existe), como se pode dar certeza de salvação a todos os evangélicos? Expulsá-los da igreja, como frequentemente fazem, dá para esconder o fracasso dessa doutrina?

Se dá, como se expulsam da religião aqueles que já estão salvos? Outro detalhe: Tal doutrina não é uma tremenda licença para se pecar à vontade: Uma vez salvo, salvo para sempre ?

Alguém que crê em Jesus, já o aceitou como seu único salvador pessoal e, portanto, já está salvo; mas depois disso, vencido pelo inimigo, entrega-se a tudo o que é errado e morre sem se arrepender; ele se salvará? Se não se salvará (o que é lógico), perguntamos: por que, então, iludem as pessoas com essa falsa certeza da salvação, se para a pessoa se salvar precisa “permanecer fiel até o fim” (Mt 24, 13)? Por acaso, alguém pode garantir que será fiel por toda a vida? O evangélico, por acaso, é imaculado?

39.Se a doutrina de Cristo só pode ser aprendida através da leitura da Sagrada Escritura, como fica, então, a situação dos analfabetos?

40.A diferença grega para as palavras petros e petra significa mesmo que Jesus não fundou sua Igreja sobre Pedro?

Se o é, perguntamos: Você sabia que o NT foi escrito em grego Koiné e que nessa língua não havia diferença de sentido entre essas palavras no 1º século? Sabia também que a palavra grega para “pedrinha” era lithos e não petros (Mt 4,3; Jo 8,7)? Não fica claro, então, que essas palavras referem-se à mesma pessoa: Pedro? E que a diferença de gênero ocorre por outro motivo, não para se diferenciar as pedras citadas? Na realidade, Pedro é petros tão somente porque no grego os nomes masculinos só podem terminar em AS, ES, IS, OS, US.

41.Por que só por Pedro Jesus orou (Lc 22, 31.32) e só a ele mandou apascentar a sua Igreja (Jo 21,15-17)?

Por que Pedro é sempre nomeado em primeiro lugar (Mt 10,2; Mc 3,16-19; Lc 6,13-16; At 1,13) e, ainda, achando pouco Mateus o chama de “primeiro” (protos no grego), palavra que aparece constantemente no NT com o sentido de superioridade (Mc 12,31; Lc 15,22; At 28,7)?


42.S.Pedro morreu em Roma? Se disserem que não, perguntamos: onde ele morreu, então?

Além disso, por que todos os pais apostólicos, os historiadores antigos como Eusébio de Cesareia, por exemplo, e todos os estudiosos modernos (inclusive protestantes), são unânimes em concordar que Pedro não só morreu em Roma como também teve o seu bispado ali naquela cidade?

43.Por que os evangélicos dizem que as doutrinas Católicas surgiram após Constantino, se provamos a apostolicidade dessas doutrinas?

Dizem, por exemplo, que a Igreja começou a orar pelos mortos em 310, mas provamos através de vários documentos, inclusive de inscrições sepulcrais do II século, que essa já era prática desde os primórdios do Cristianismo.

Dizem que os livros deuterocanõnicos foram incluídos no cânon em 1546, mas provamos que escritores do início do II século já os colocavam no cânon.

Além disso, os Concílios de Hipona e o de Cartago, no IV século já os incluíram ali. Como ficam, então, esses falsos catálogos elaborados para se negar a antigüidade de nossas doutrinas?

44.Se a Escritura é a nossa única regra de fé, por que Jesus não afirmou isso?


Além disso, por que Ele não disse “Ide e distribuí Bíblias”, mas, sim “Ide e pregai” (Mt 28,18-20)?

Você não acha que se a Tradição é confiável para estabelecer o cânon bíblico, isso é prova de que há uma autoridade extrabíblica, e que, portanto, a Sola Scriptura não tem fundamento?

Por que Deus se utilizaria justamente da Tradição para nos dizer qual o cânon bíblico correto, se segundo os evangélicos Ele condena qualquer outra fonte?

Por que será que a Tradição é idônea para definir o ponto de fé mais importante do Protestantismo, que é o cânon bíblico, mas não o é para definir qualquer outro ponto menos importante?

45.Doutrina importa? Se não importa, por que, então, os evangélicos fazem essa tremenda guerra contra as doutrinas católicas?

Por que dizem que vamos para o inferno justamente por causa de nossa doutrina? Se importa, por que quando provamos a veracidade da doutrina Católica, eles se saem negando sua importância?

Se a própria única regra de fé dos evangélicos nos ensina em 2 Ts 2, 15 a guardarmos o que foi escrito (a Bíblia) e o que foi transmitido oralmente (a Tradição oral), como, então, os evangélicos querem nos convencer de que a Bíblia é a única regra de fé?



46.Por que os evangélicos apelam para fontes extrabíblicas e, o pior, até para fontes apócrifas como o Talmude, por exemplo, para justificar seu cânon bíblico, mas não citam sequer um versículo da sua única regra de fé e prática?

Será que é porque não existe? Mas se não existe, como podemos crer, então, na Sola Scriptura?

Os evangélicos seriam capazes de citar um Pai da Igreja, ao menos, que afirma que os livros deuterocanônicos contêm heresia?

47.Foram os católicos que acrescentaram os livros deuterocanônicos da SEPTUAGINTA JUDAICA no Concílio de Trento, em 1546, ou foi Lutero que os excluiu da Bíblia?

Você sabia que Lutero também rejeitava a carta de S. Tiago, que está em sua Bíblia? Por falar nisso, você sabe por que ele rejeitava essa carta? Sabia que era porque S. Tiago negava a sola fide (Tg 2)? Pois bem, os livros deuterocanônicos também foram rejeitados por Lutero porque esses livros se chocavam com heresias pregadas por ele. Não é contradição dos evangélicos de hoje acatar de Lutero sua rejeição aos deuterocanônicos e não acatar sua rejeição à carta de S. Tiago?

48.Os evangélicos dizem que a Igreja se corrompeu pelo paganismo. Mas que provas apresentarão para afirmar isso?

Alegarão o culto da Virgem Maria, o purgatório, a veneração das imagens e inúmeras outras doutrinas e práticas que o Protestantismo, no seu desprezo à Igreja, rejeitou? Ora, desde quando a rejeição do Protestantismo serve como prova de alguma coisa? Dirão que a Bíblia se opõe a essas doutrinas e práticas? Mas quem o disse? O Protestantismo? Então voltamos para o mesmo lugar, visto que não nos serve a rejeição do Protestantismo, assim como a eles não servem as afirmações do nosso Catolicismo. É tudo uma questão de interpretação.

Se disserem, portanto, que tais coisas são contrárias às Escrituras, nós responderemos que não são, e, se apontarem textos que, na opinião deles, favorecem o que sustentam, diremos que não entenderam tais textos, e indicaremos inúmeras outras passagens a contrastar com o que pensam ser a verdade.

Por sua vez, certamente nos acusarão de torcer a Palavra de Deus. O que restará, pois? Nada além de afirmações contra afirmações e interpretações contra interpretações.

Conclusão:

Sem conseguir responder a essas e outras perguntas, o evangélico quanto mais fiel a sua doutrina (aliás, doutrinas), quanto mais vai a sua igreja e ora, escreve nos muros que Jesus o orienta, lê a Bíblia e procura entendê-la, mais desorientado é.


De fato, ao comparar as mil e uma doutrinas protestantes ele fica sem saber onde está a verdade.
Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 12 Comentário. Deixe o seu!

29 de janeiro de 2014 18:15

Os costumes têm que estar na Bíblia? E os evangélicos? Por acaso, os costumes deles estão todos na Bíblia? Está na Bíblia, por exemplo, o costume de andar com a Bíblia embaixo do braço? E o de pregar com paletó? ....
KKKKKK NOSSA EU LIA LER O POST MAS PAREI POR AQUI...MAIS QUE PERGUNTA INSIGNIFICANTEMENTE E CHULA .

2 de fevereiro de 2014 19:52

Prezado protestante confuso:

E o de pregar com paletó? Teologia da Prosperidade ? Fogueirinha de Isrrael?Pagamentos de votos e campanhas em dinheiro?E a formiga smilinguido, está também na Bíblia? E o pior, as diversas igrejas evangélicas criadas diária e contraditoriamente estão na Bíblia? Se os evangélicos podem criar costumes e até igrejas (apesar de Cristo já ter fundado a sua Igreja há quase dois mil anos, que justamente é a Igreja Católica), por que só a Igreja Católica não pode criar seus costumes? (Leia Mt 18,19).

Antes de atrair os católicos para a sua doutrina (ou melhor, doutrinas), você não acha que os evangélicos deveriam chegar a um acordo entre si e descobrirem, no meio de tantas doutrinas desencontradas, onde se encontra a verdadeira doutrina do evangelho?

Os nomes das Igrejas evangélicas como Batista, Assembleia de Deus, Universal do Reino de Deus, Casa da Bênção, Anglicana, Presbiteriana, Quadrangular, Deus é amor, Cuspe de Cristo, etc., etc., estão na Bíblia? Se não estão, por que os evangélicos seguem essas igrejas fundadas por homens? Além disso, não dizem que só devemos seguir o que está na Bíblia?

CUMPRE-SE A PROFECIA : 1Jo 2,19 - "Eles Saíram do nosso meio, mas não eram dos nossos; pois, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco. Mas, [saíram] para que se mostrasse que nem todos são dos nossos, nem do número dos eleitos.



“Existem pouquíssimas pessoas neste mundo que realmente odeiam CEGAMENTE a Igreja Católica, mas infelizmente há milhões que odeiam o que eles PENSAM ser a Igreja Católica... (Fulton J. Sheen)”

23 de maio de 2014 23:26

Desculpe-me, mas deu nojo ler tudo isso!

24 de maio de 2014 16:22

Prezado protestante com nome de um Santo Católico e padroeiro do RJ Sebasthyam,



Não se preocupe, é assim mesmo, o encontro com a verdade a princípio provoca estas reações, pois vc estava sendo alimentado pela mentira, mas a verdade sempre doi,cura e liberta, pois assim diz a palavra de Deus, conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.

Uma specto interessante da distinção de Pedro diz respeito a sua barca, que desde muito cedo foi interpretada pelos Santos Padres como símbolo da Igreja, unicamente na qual podem se salvar os homens.



Cristo, na sua pregação evangélica, PREFERE INVARIAVELMENTE a barca de Pedro. Na verdade, não se nomeia expressamente outra barca de que Cristo tenha se servido.



É na barca de Pedro que ocorre a pesca milagrosa, de uma simbologia extremamente significativa (Lucas 5,3-6). Outra pesca milagrosa irá ocorrer após a ressurreição, no lago de Tiberíades, de novo na barca de Pedro (João 21, 3;7, 11). A barca de Pedro é chamada de "a barca", por antonomásia, em outras passagens (Mateus, 8, 23; 14, 22; Marcos 4, 36; 6, 45), em oposição às "outras barcas" (Marcos 4, 36)




Tiremos a conclusão obrigatória: “Fora da Barca de Pedro não se acha Cristo.

Shalom !!!

25 de maio de 2014 01:44

Desculpe-me por não usar textos bíblicos, pois as ações praticadas por esse segmento religioso dispensam até mesmo referências bíblicas. Uma ação vale mais do que mil palavras. “Porque pelo fruto se conhece a árvore”. FRUTO DESSA ÁRVORE: depravação moral e espiritual; blasfêmia contra Deus com a presunção de perdoar pecados das pessoas por meio das indulgências, alteração da Lei de Deus, os Dez Mandamentos, basta conferir com o Catecismo da igreja; luxúria; assassinatos; tortura; estrangulamento de pessoas, seres humanos foram queimados vivos em nome do seu deus e do seu cristo; perseguição aos verdadeiros cristãos que guardavam a palavra de Deus durante o período da Idade Média. Vejam os nomes de alguns instrumentos usados pela igreja do apóstolo Pedro para representar o cristo que ama o pecador:
• Balcão de Estriamento;
• Cadeira das Bruxas;
• Cadeira Inquisitória;
• Cadeira Inquisitória Menor;
• Caixinha para as Mãos;
• Despertador;
• Cavalete;
• Cegonha;
• Esmaga-cabeça;
• Esmaga joelho;
• Esmaga polegar;
• Esmaga-seio;
• Forquilha do herege;
• Guilhotina;
• Machado;
• Máscara da infâmia;
• Mesa de evisceração;
• Apetrechos de mutilação;
• Pêndulo;
• Roda alta;
• Roda de despedaçamento;
• Tronco;
• Virgem de Nuremberg.
Façam uma pesquisa na internet e vejam em imagens as características desses instrumentos de tortura. Dai concluam vocês mesmo se esse segmento pode representar aquele Cristo descrito nas Sagradas Escrituras. Compare os procedimentos. Façam o mesmo com o proceder dos primeiros seguidores do Senhor Jesus descrito no livro de Atos dos apóstolos. Por meio de Lutero esse sistema começou a entrar em decadência. Isso ajuda a compreender o ódio que os católicos têm desse personagem. Mas, segundo as escrituras o domínio do anticristo (domínio papal) seria de 1260 anos (Ap. 12.06). Esse domínio começou quando no ano 538 d.C. o imperador Justiniano baixou um decreto dando ao papado poder de controlar tanto a religião quanto ao Estado. Esse período durou até 1798 quando o Papa Pio VI foi preso colocando assim o fim do domínio absoluto da denominação Católica. Graças a Deus. Bem, estes são alguns dos frutos. E a ÁRVORE: bem, a árvore que produziu esses frutos em nome de Jesus Cristo, da santidade, da moral e dos bons costumes tem um nome: Satanás! Ele é o controlador desse sistema. Ele é manipulador, assassino, pai da mentira, aquele que com aparência de santo usa a Verdade de forma manipulada para enganar os habitantes da terra.

PS: Sei que vocês têm uma “explicação” pra tudo isso. Conheço o sistema e não podia ser diferente. Fiquem a vontade. Mas não poderão desfazer os fatos e isso basta. Sei que quando Lúcifer foi expulso do Céu ele perdeu a glória, mas não a inteligência e a astúcia.

Gálatas 4: 16 Tornei-me acaso vosso inimigo, porque vos disse a verdade?

25 de maio de 2014 01:44

Observação: não sou protestante não! E nem tenho religião alguma. Mas estudo a Bíblia e sou estudante de História. Confesso que não quero a verdade da religião romana e nem do cristo dela que inspirou os seus "santos" representantes a praticarem ao longo da nossa era atos que envergonharam a espécie humana e trouxeram problemas para reputação de Deus. Mas sei que o ódio que vocês têm dos protestantes se deve ao fato de Lutero expor publicamente a podridão da “santa” igreja de Roma. (As causas que o levaram a fazer isso ou se ele era um déspota não vêm ao caso aqui, pois ele denunciou fatos). Por mais que vocês se denominem a Igreja de Cristo, nunca poderão provar por meio de sua história sórdida nenhum vínculo com o Cristo verdadeiro, o Filho de Deus. Mas ninguém tem o direito de tirar de vocês à liberdade de dizerem o que quiserem. Podem falar a vontade! Mas há um dia determinado por Deus para jogar por terra toda enganação. Mas enquanto não chegar aquele dia Satanás terá o direito de atribuir a si mesmo por meio de seus mensageiros atributos que não fazem parte de sua natureza, usar as escrituras para justificar as suas ações maléficas e etc. Até lá todos terão que suportar toda essa nojeira entre tantas outras, e nada poderá ser feito por enquanto, pois o direito de expressão é concedido a todos. Mas virá o dia em que toda mentira será desmascarada. Entretanto, enquanto não chegar aquele dia há de continuar o sujo se apresentando como limpo, a mentira se passando por verdade e o Diabo dizendo que é santo. Ou seja, todos terão que assistir o holocausto da Verdade sem poder fazer nada. Atentai bem para o que eu lhes digo hoje: veremos-nos no dia em que Cristo irá nos julgar. E naquele desejado dia, faço questão que os senhores ou senhoras se lembrem desse texto. Ora venha aquele dia! Podem argumentar que são os únicos aptos a interpretarem as Escrituras, que essa denominação é a única igreja verdadeira e que tirando de vocês as demais religiões não passam de seita e etc. É essa presunção de vocês que dá nojo. Mas, quem tem boca diz o que quer. Quanto ao protestantismo, entendo que ele também vale muito pouco, pois como diz o adágio popular, filho de peixe, peixinho o é. De onde veio o protestantismo? Conclui-se que qualquer coisa podre que vier dele é normal, pois os filhos naturalmente têm o DNA dos pais. Posso dizer que ambos não representam o Cristo verdadeiro. Mas é pertinente está atento ao provérbio que diz: não os julguem por suas palavras, mas por suas atitudes...

25 de maio de 2014 10:56

Prezado protestante Sebasthyam adepto do Cristo sim Igreja não,



Diz a palavras de Deus em Mateus 18,7: “Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem...”





“E vós, maridos, amais as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, a fim de purificá–la com o banho da água e santificá–la pela Palavra para apresentar a si mesmo a Igreja, gloriosa, sem mancha nem ruga, ou coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. É grande este mistério: refiro–me à relação entre Cristo e a sua Igreja” (Ef 5, 25. 32).

Quem santifica a Igreja não são os homens mas a ação paciente e amorosa de seu esposo: Jesus Cristo.



Para provar caro Sebasthiam que não tememos nossa verdade histórica, ai está seus comentários. E para sua decepção a Igreja sempre se considerou SANTA e PACADORA, ou seja, na experessão dos primeiros Cristãos: SANCTA E MERETRIX.


Contemplando este mistério da Igreja, São Pio X dizia: “Os reinos e os impérios desmontaram; os povos que a glória de seus nomes assim como sua civilização os havia tornado célebres, desapareceram. Viram–se nações que, atingidas pela decrepitude, se desagregaram por si mesmas. A igreja, porém, é imortal por natureza, jamais o laço que a une ao seu celeste Esposo se romperá e, em conseqüência, a velhice não pode atingi-la; ela permanece exuberante da juventude, sempre transbordante dessa força com a qual ela nasceu do coração transpassado de Cristo morto sobre a Cruz”. (Encíclica Iucunda Sane).



A Santa Igreja Católica é a primeira, verdadeira, vencedora e única. A unidade da santíssima fé católica é um grande milagre e obra colossal da Igreja Latina.O seu escopo é a salvação da humanidade pelo seu Senhor, Mestre, Pastor e Salvador Jesus Cristo.


A Igreja é a mestra por excelência da mais alta ciência da educação. Ela é a gloriosa mãe fecunda de todos os filhos de Deus e promotora de santificação das ovelhas do Sumo Pastor Jesus Cristo.O mundo que conhecemos sem a Igreja católica teria sido entregue a Barbárie, leia um pouco mais de história Universal ao invés de ser mero papagaio de pastor caro Sebasthyam.



Para Igreja vencer imperadores idólatras e imorais, exércitos bárbaros, monarquias corruptas, sistema político e filosóficos ateus e carniceiros, cismas, seitas, secularismo e relativismo são necessárias armas poderosíssimas e atualizadas. Quais são essas armas? A Sagrada Escritura, A Sagrada Tradição e o Sagrado Magistério infalível. Todo fundamento da Igreja Católica está no amor da Santíssima Trindade que termina no gênero humano.


Caro Sebasthyan não há como negar que o pecado existe dentro da Igreja, dado que esta é uma realidade divino-humana; a fragilidade dos homens que, com Cristo, integram a igreja, manifesta-se através dos séculos.O Próprio Cristo fundou a Igreja sobre Pedro (Mateus 16,18) aquele que o negou três vezes.

Continua caro Sebasthyam...

25 de maio de 2014 10:57

Os escritos do Novo Testamento o reconhecem, apresentando tanto a santidade da Igreja (cf. Ef 5,25s; 1Cor 1,2; 6,11...) como o pecado de seus filhos (cf. Gl 5,19-21; Rm 13,13s...). Os Padres e antigos escritores da Igreja formularam essa dupla face da Igreja em termos um tanto paradoxais. Assim S. Ambrósio (t 393): "A Igreja existe de duas maneiras: como aquela que não conhece o pecado ou como aquela que deixa de pecar" (PL 15, 1724); Ela é imaculada ex maculatis ou "imaculada, à qual pertencem os maculados" (PL 15, 1540). A expressão mais forte é a locução casta meretriz aplicada à Igreja por alguns dos Padres antigos; nenhum deles nega a santidade indefectível da Igreja derivada da sua índole sacramental ou da presença viva de Cristo, Cabeça do Corpo eclesial, mas reconhecem as falhas dos filhos da Igreja. Hans Urs von Balthasar comenta o fato, dizendo:


"Se abstrairmos de todos os seus membros a Igreja, esta não será mais Igreja. A Igreja tem seu destino nos seus membros, da mesma maneira que estes têm o deles nela. Por isto os pecados dos filhos e das filhas recaem sobre a Mãe, e por isto esta deve orar e implorar a salvação própria em seus membros".

Os teólogos têm procurado penetrar e elucidar o sentido dessa realidade ambígua (SANTA E PECADORA). Não coincidem entre si exatamente ao fazê-lo, mas de modo geral concordam em dizer que a Igreja é indefectivelmentesanta, mas ela tem membros pecadores; é a Igreja dos pecadores. Estes, mesmo após o pecado grave, continuam pertencendo à Igreja; por isto, esta, como Mãe, tem que reconhecer e confessar os pecados de seus filhos e tem que promover a conversão e a purificação dos mesmos. A Igreja pura e sem mancha congrega homens que podem pecar, e na realidade pecam; é o que afirma, entre outros textos recentes, a Constituição Lúmen Gentium 8, 3:

"A Igreja é fortalecida pela força do Senhor ressuscitado, a fim de vencer pela paciência e pela caridade suas aflições e dificuldades tanto internas quanto externas, para poder revelar ao mundo o mistério de Cristo, embora entre sombras, porém com fidelidade, até que no fim seja manifestado em plena luz".


Se a Igreja como Mãe é santa, mas tem filhos pecadores, entende-se que ela precise de renovar ou reformar periodicamente os setores em que se exerce e manifesta a fragilidade de seus membros humanos. Há coisas que devem ser questionadas na Igreja, mas não se pode pôr em questão a própria Igreja.


Continua caro Sebasthyam...

25 de maio de 2014 10:58

Uma Igreja que vive se acusando e negando a si mesma, ainda que invoque como motivo o de dar glória a Deus como único Senhor, não corresponde à consciência nem à prática da Igreja no Novo Testamento. Quando a proclamação da penitência é total e generalizada, corre-se o risco de não acontecer nenhuma conversão concreta na vida eclesial e pessoal".Na Igreja há de se manter a Tradição viva e ininterrupta, revestida, porém, das expressões que a tornem compreensível aos homens das sucessivas épocas da história. Para que as reformas de instituições da Igreja necessitadas de renovação possa ser auténtica e frutuosa, devem-se preencher quatro condições importantes:


1) Observar o primado da caridade e dos valores pastorais sobre as belas idéias:A tentação de um pensador que tenha clara intuição do que poderia ser feito para renovar uma sociedade ou a própria Igreja, é deixar-se empolgar por tal idéia, esquecendo a caridade e a edificação do próximo, que são valores primaciais na Igreja. Aplicando-se ao trabalho, esse pretenso reformador não renova, mas divide a Igreja. Tal foi o caso de Tertuliano (+220 aproximadamente), o de Pedro Valdo e dos Valdenses, que, de maneira passional e exacerbada, pregavam novos rumos para a Igreja no século XII. No extremo oposto situam-se S. Francisco de Assis (+1226) e São Domingos de Gusmão (+1221), que, alheios ao fausto e à riqueza, souberam incentivar a santa pobreza na Igreja mediante a sua palavra caridosa e o seu teor de vida humilde e convicta. Escreve o Papa Pio XI a respeito:"Toda reforma verdadeira e duradoura partiu, em última análise, da santidade de homens inflamados e movidos pelo amor a Deus e ao próximo. Generosos, prontos para escutar os apelos de Deus e para os realizar imediatamente em si, e no entanto seguros deles mesmos, porque seguros da sua vocação, cresceram até se tornarem as luzes e os renovadores do seu tempo. Onde, pelo contrário, o zelo reformador não brotou da pureza pessoal, mas era a expressão e explosão da paixão, ele confundiu em vez de esclarecer, destruiu em vez de construir, foi mais de uma vez o ponto de partida de aberrações mais fatais que os males que esperava ou pretendia remediar" (Encíclica Mit Brennender Sorge, ASS 1937, p. 154).

2) Permanecer na comunhão com o Todo:Para não se desviar no caminho da sua missão, o reformador tem de manter um contato vivo com toda a Igreja, na qual atua o Espírito, penhor de comunhão entre todos os membros do Corpo de Cristo. Não aceitar este princípio fundamental foi a tragédia de grandes figuras que julgaram não poder ser fiéis à verdade a não ser prendendo-se à sua própria interpretação antes que ao sentido da Igreja.

3) A Paciência tudo espera ( I Cor 13,7: O amor é paciente, a tudo espera e a tudo suporta)- Para que as reformas tenham êxito, é necessário saber esperar, respeitar o ritmo dos acontecimentos e das pessoas, reconhecer as limitações e imperfeições. Para que as reformas tenham êxito, são necessárias humildade e flexibilidade. Há verdades que só amadurecem depois de ter sido carregadas e nutridas por alguém no decorrer de uma vida de fidelidade e de serviço. Ademais é de notar que cada pessoa tem seu ritmo próprio de abertura e compreensão; enquanto alguns estão bem definidos, outros ainda hesitam; ora é preciso que aqueles não se afastem destes, nem escandalizem os seus irmãos mais lentos, mas, ao contrário, tudo façam para caminhar com eles, ajudando-os a desabrochar genuinamente em seu modo de raciocinar.Todavia a paciência não deve ser confundida com a covardia, nem a espera com a preguiça. Assim como há impaciências excessivas, há paciências excessivas. Ambos os excessos podem ser caminho para a catástrofe.

Continua...

25 de maio de 2014 11:01

4) Retorno a uma Tradição mais profunda,mais próxima a Igreja Primitiva (Eliminando Teologias da Prosperidade, Igrejas independentes, culto ao dízimo e sucessolatria, espírito de piton e advinhação, bem como ênfases em curas e exorcismos, deixando a Caridade e a pobresa de lado) - Para que a renovação enriqueça a vida da Igreja, há de ser executada na fidelidade à Tradição, que exprime a identidade da Igreja. Todo autêntico movimento de renovação tem dois componentes essenciais: de um lado, a volta às fontes e, de outro lado, a encarnação da fé das origens nas novas situações. Fica assim excluído o modismo ou o mudar por mudar, cego, atento unicamente aos convites do momento presente, sem consideração do passado (COSPINDO NO PRATO QUE COMEU):"Pois bem, esta Igreja santa às vezes é abandonada por alguns que receberam tudo dela e que se tornaram cegos aos seus dons. Por vezes, em certos momentos como agora, zombam dela alguns que continuam a receber dela seu alimento. Um vento de crítica amarga, universal e sem inteligência chega por vezes a transtornar as cabeças e a apodrecer os corações. Um vento assolador, esterilizante, um vento destruidor, hostil ao sopro do Espírito. É então, quando contemplo o rosto humilhado de minha mãe, quando mais a amo. Sem me lançar a contra-críticas, saberei demonstrar que a amo na sua forma de escrava. E justamente na hora em que alguns ficam hipnotizados diante dos traços de um rosto apresentado como envelhecido, o amor me fará descobrir nela, com muito mais verdade, suas forças ocultas, suas atividades silenciosas, que constituem sua perene juventude, todas as grandes coisas que nascem no seu coração e que converterão a terra por contágio


A Igreja dos pecadores. Paradoxalmente a Igreja sem mancha nem ruga é também a Igreja dos pecadores. Isto não abala a fidelidade eclesial, pois é justamente na fragilidade dos homens da Igreja que brilha com mais esplendor a glória da graça de Deus. A fraqueza dos membros da Igreja é prova de que é Deus quem a sustenta, e não o talento das criaturas.


A Igreja criticada e desprezada ( JOGA PEDRA NA GENI):Uma Igreja que deixasse de ser desprezada e humilhada, não seria mais a Igreja de Jesus Cristo condenado e crucificado; não seria mais a Igreja dos Apóstolos perseguidos e martirizados; não seria mais a Igreja da loucura da Cruz. Uma Igreja cujas estruturas "democráticas" não incomodassem mais ninguém, teria perdido sua identidade evangélica.


Uma Igreja depositária e servidora do Evangelho. Somente na Igreja temos acesso a Jesus; somente na Igreja permanece autêntico o Evangelho. Mesmo que muitos cristãos sejam infiéis ao Evangelho, a igreja continua anunciando o mesmo Evangelho, e transmitindo a vida de filhos de Deus aos que a procuram sinceramente."A Igreja, hoje mesmo, está-me dando Jesus. Explica-me, ensina-me a vê-lo, conserva para mim sua presença. Dizer isto é dizer tudo. Que poderia eu saber de Jesus, que vínculo haveria entre nós dois sem a intermediação Igreja? Pois como sabemos NOVO TESTAMENTO não caiu do Céu prontinho, já dividido em capíulos e versículos, com Ziper e tudo, mas tudo isto foi trabalho laborioso desta mesma Igreja que tanto Zombamos hoje .


Que bom caro Sebasthiam que você já atingiu a santidade e com suas palavras acima cheias de amor e generalizando todos os católicos, com certeza será aceito na glória com Cristo e talvez vá ter que conviver por toda a eternidade com uma pessoa que os protestantes odeiam, Maria a mãe do meu Senhor. A propósito vc conhece alguma denominação Cristã que já pediu perdão Publicamente pelos erros de seus pastores e filhos do passado como fez nosso saudoso Santo Papa João Paulo II ? Ficamos no aguardo de FATOS E DADOS ...

Shalom !!!

25 de maio de 2014 12:49

Prezado Sebasthyam apenas um pequeno detalhe,

Como Cristão seguidor de Cristo, sou semelhante a Ele: Odeio apenas o Pecado (O protestantismo dividido e diabólico), mas amo o pecador (Protestante) e rezo pela salvação deles ao contrário de vc que apenas nos odeia e nos condena, esquecendo que o julgamento pertence a Deus como já dizia São Paulo:

"Quanto a mim, pouco me importa ser julgado por vocês ou por qualquer tribunal humano. Nem eu julgo a mim mesmo.É verdade que a minha consciência de nada me acusa, mas isso não significa que eu seja inocente: quem me julga é o Senhor.Por isso, não julguem nada antes do tempo; esperem que chegue o Senhor. Ele porá às claras tudo o que se esconde nas trevas, e manifestará as intenções dos corações. Então, cada um vai receber de Deus o louvor que lhe corresponde." ( I Cor 4,3-5).


Shalom !!!

25 de maio de 2014 17:44

Pergunta que não quer calar:

Suponhamos absurdamente que um dia a Igreja católica inventasse de agradar aos protestantes evangélicos .

Pois bem, ai perguntamos: qual doutrina evangélica a Igreja Católica deveria adotar?

Se negasse a Trindade, agradaria às TJs, por exemplo, mas desagradaria aos que creem, como os batistas; se negasse o batismo às crianças, agradaria aos batistas, mas desagradaria aos metodistas, anglicanos e outros mais; se guardasse o sábado, agradaria aos adventistas e batistas do sétimo dia, mas desagradaria ao outro ramo que guarda o domingo, e assim sucessivamente.


E aí, o que fazer?

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger