A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » 10 principais erros de princípios e praxe do MST no Brasil

10 principais erros de princípios e praxe do MST no Brasil

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 5 de abril de 2018 | 20:37







Se estivessem realmente querendo terra para trabalhar e plantar eu seria o maior defensor do MST. Mas todos sabemos que não é este o objetivo fim deste movimento. E gostaria de salientar que nem todos os participantes do movimento são pessoas más. Tem muita gente lá que deve ter sido influenciada e doutrinada, não possuindo condições para contestar o movimento. Além do mais, não há problema algum em trabalhadores rurais se unirem em sindicatos, cooperativas, etc. O MST é um movimento que tem um fim impossível e sua existência apenas impede a solução do problema. Desde sua criação, participantes do MST já receberam do governo mais de 22 milhões de hectáres de terra, equivalente a 5 Dinamarca. Mesmo assim o movimento não termina e nem dá sinais que vai terminar. Muitas das pessoas que recebem terras do governo não tem como produzir, nem viabilizar o plantio. Logo, muitos desses recebedores de terras acabam vendendo suas terras para outros e voltando a ser sem-terra. Atualmente a competitividade e complexibilidade do mercado agrícula dificulta muito a atuação pequeno produtor, que depende do governo para conseguir produzir.Como pode um movimento que não pode pagar por seus crimes ser beneficiado por recursos públicos dos brasileiros contribuintes? A luta do MST é contra o grande latifúndio. No entanto, o Brasil é um dos países com a comida mais barata do mundo por causa dos latifúndios, que pela sua imensa produção acabam barateando a comida que chega na mesa do trabalhador. Se não fosse pelos métodos de produção arrojados dos grandes produtores, boa parte dos nossos alimentos simplesmente não seria nem colhido, pois os caríssimos métodos agrícolas atuais conseguem prevenir as pragas nas safras e otimizar os meios de produção. Acabar com o grande latifúndio é lutar contra uma realidade que põe comida na nossa mesa.O  MST é  um movimento social brasileiro de inspiração marxista com influência da teologia da libertação, cujo objetivo é a realização da reforma agrária no Brasil. O MST teve origem na década de 1980. Defendem eles que a expansão da fronteira agrícola, os megaprojetos, dos quais as barragens são o exemplo típico, e a mecanização da agricultura contribuíram para eliminar as pequenas e médias unidades de produção agrícola e concentrar a propriedade da terra.








10 principais erros de princípios e praxe do MST no Brasil


1- Parados no tempo - Aquilo que o MST defende é o passado. Fixar o homem no campo é um atraso, pois hoje a economia do Brasil se encontra focada no setor de serviços e na indústria, onde existem os melhores empregos. O correto seria o governo pegar todos esse manifestantes, ensiná-los uma profissão e dar-lhes uma moradia nas cidades. Apenas dessa forma o manifestante poderia ter uma vida descente.Para quem não sabe, a esmagadora maioria das oportunidades de trabalho e crescimento agora estão nas cidades. Além do mais, acreditar que todo homem merece seu pedaço de chão é um delírio. Imagine se isso fosse aplicado no Japão. O que daria pra fazer com um cubículo de terra férfil que cada japonês “teria direito”?

2- Não adianta processa-los Judicialmente – Estrategicamente, como o MST não existe no papel, todo o ataque e destruição que ele eventualmente venha a causar a terceiros, sempre fica impune. Logo, quando o governo fomenta um movimento irresponsável como este, apenas esta alimentando a impunidade. Os líderes do MST sabem que o MST não pode ser punido e por isso promovem invasões e destruições do patrimônio privado, com a certeza da impunidade.


3- Perpetuidade de um ciclo vicioso - O MST é um movimento que tem um fim impossível e sua existência apenas impede a solução do problema. Desde sua criação, participantes do MST já receberam do governo mais de 22 milhões de hectáres de terra, equivalente a 5 Dinamarca.Mesmo assim o movimento não termina e nem dá sinais que vai terminar. Muitas das pessoas que recebem terras do governo não tem como produzir, nem viabilizar o plantio. Logo, muitos desses recebedores de terras acabam vendendo suas terras para outros e voltando a ser sem-terra. Atualmente a competitividade e complexibilidade do mercado agrícula dificulta muito a atuação pequeno produtor, que depende do governo para conseguir produzir.


4- Mal uso e administração do dinheiro público(sem prestação de contas) -  Apenas entre 2003 3 2007, o governo do PT destinou mais de 12 bilhões de reais para ONGs, muitas delas ligadas ao MST.Como pode um movimento que não pode pagar por seus crimes ser beneficiado por recursos públicos dos brasileiros contribuintes?


5- Inimigos de morte do Capitalismo, e da meritocracia - A luta do MST é contra o grande latifúndio. No entanto, o Brasil é um dos países com a comida mais barata do mundo por causa dos latifúndios, que pela sua imensa produção acabam barateando a comida que chega na mesa do trabalhador, e principalmente dos pobres que eles dizem defender.Se não fosse pelos métodos de produção arrojados dos grandes produtores, boa parte dos nossos alimentos simplesmente não seria nem colhido, pois os caríssimos métodos agrícolas atuais conseguem prevenir as pragas nas safras e otimizar os meios de produção. Acabar com o grande latifúndio é lutar contra uma realidade que põe comida na nossa mesa.


6- Injustiças e difamação ao agronegócio - Por que motivo perseguir o grande latifúndio? Será que os grandes produtores de grãos são perversos apenas por serem grandes produtores? Então por que não perseguimos também as grandes empresas? Será que os grandes empresários são perversos apenas por serem grandes empresários. Sucesso não é crime. Os grandes agricultores recebem o dinheiro deles produzindo, assim como todos os demais brasileiros. Isso é o certo. O errado é viver às custas do governo sem produzir nada, reclamando e querendo tomar tudo de quem realmente  produz.


7- Direito de Propriedade lezado - Todos nós temos o direito à propriedade, é bíblico e constitucional. O que o MST faz quando invade uma propriedade é negar o direito à propriedade do dono da terra. Ter conivência com isso é ser a favor do crime. O esbulho possessório, habitualmente praticado pelo MST, é crime previsto no art. 161, II do Código Penal. Se permitirmos que o direito de propriedade de outros seja solapado, não poderemos reclamar quando o direito à propriedade violado for o nosso.




8- Doutrinação ideológica impositiva - A Escola Nacional Florestan Fernandes, assim como todos os empreendimentos educacionais do MST, tem sido apontada pela mídia como um foco de doutrinação da esquerda revolucionária. Em 2004, as escolas do MST abrigavam 160.000 alunos, empregando 4.000 professores. Esses alunos acabarão recebendo doutrinação esquerdista e acreditando que invadir patrimônio alheio é justificável. Se desde criança uma pessoa é ensinada a entender que o crime é justificável, não poderemos reclamar se depois de adulta se tornar criminosa. Esta doutrinação massiva  e repetitiva, acaba provocando uma “dissonância cognitiva”. É um sistema de defesa do cérebro humano que bloqueia de forma compensatória, toda e qualquer ideia contrária àquilo que acreditamos e temos como certo, não importa a qualidade dos argumentos ou as evidências mostradas. Em teologia, classificamos este tipo de pessoa com relação a sua pertença a uma seita ou falsa religião, que mesmo prejudicando-a ela se recusa a sair, de “ignorância invencível”. Essa “dissonância cognitiva”, ou ignorância invencível, vale para toda e qualquer preferência e paixões: política, futebol, religião, biscoito, diversão, Pokémon favorito, e basicamente qualquer outra coisa a que alguém possa se agarrar firmemente e psicologicamente, como algo compensatório de alguma frustração, ou insucesso na vida. Reduz-se tudo ao discurso do NÓS contra ELES. Tudo o que ELES dizem está errado, enquanto tudo que NÓS dizemos e fazemos está certo, não importa os meios, mas unicamente os fins. NÓS somos superiores. ELES não sabem o que dizem, são corruptos, ladrões, ditadores, fascistas etc. Esse político aí pode ser corrupto ou incompetente, mas se ele é de esquerda, é melhor votar nele, que no outro que não é do meu time, e não se alinha a nossa forma de pensar e de agir, mesmo que queira fazer o bem por outra forma de agir e pensar.







9- Descrédito fruto da baderna - É claro que existe muita coisa errada no MST: venda irregular de lotes, bloqueio de estradas, assentamentos com baixa produtividade, denúncias de assassinatos, acordos políticos, lideranças corruptas e totalitárias, etc. Um movimento que no passado era conhecido por invadir latifúndios improdutivos, hoje, invade qualquer hortinha. Fica claro que o movimento já perdeu bastante do seu caráter inicial e que a tendência é só piorar conforme se aliem com o governo, e este o apoie.


10- Prática ideológica de protestos carregados da famigerada indignação seletiva - Desde muito tempo atrás o MST é visto como mais um braço radical de um certo partido que existe. Se eles fossem um movimento sério, protestariam todos os dias lá na porta do Congresso e do gabinete presidencial. No entanto, sabemos muito bem que não é lá que eles protestam, pois quem está lá em Brasília já está do lado deles. Por isso eles têm que protestar bloqueando estradas, depredando plantações e destruindo centros de pesquisa que seriam úteis a todos nós. Pois só dessa forma eles podem prejudicar o povo e assim tentar engaja-los na luta deles. Protesto sim, vandalismo não.


11- Prática de uma Reforma Agrária fracassada - Infelizmente a reforma agrária não é a solução para os nossos problemas. No Zimbábue a reforma agrária promovida por Robert Mugabe gerou inflação galopante e fome. No México, primeiro país a fazer uma reforma agrária, os resultados foram tão interessantes que o governo logo teve que agir para colocar a iniciativa privada de novo na agricultura. No Egito, a reforma agrária conduzida por Nasser tornou os agricultores ainda mais miseráveis. A realidade é que o momento de ter feito uma reforma agrária se foi a muito tempo. Se fosse feita hoje, os benefícios talvez não compensassem os prejuízos que o país teria na produtividade.

Fonte : acidblacknerd.wordpress.com

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger