A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » As três dimensões da Eucaristia: Pessoal, Eclesial e Social

As três dimensões da Eucaristia: Pessoal, Eclesial e Social

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 19 de agosto de 2020 | 22:31













FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA:



1)-Dimensão Pessoal:



João 6,55-57: “Pois a minha carne é verdadeira comida, e meu sangue é verdadeira bebida. Aquele que come a minha carne e bebe meu sangue permanece em mim, e Eu nele. Assim como o Pai, que vive, me enviou e Eu vivo por causa do Pai, assim aquele que se alimenta de mim viverá por minha causa”


1 Cor 11, 28-30: “Examine, pois, cada um a si próprio, e dessa maneira coma do pão e beba do cálice. Pois quem come e bebe sem ter consciência do corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação. Por essa razão, há entre vós muitos fracos e doentes e vários que já dormem”


Lucas 24,29: “Fica conosco, Senhor”







2)-Dimensão Eclesial:



Atos 2,45-47: Vendiam suas propriedades e bens, e dividiam o produto entre todos, segundo a necessidade de cada um. Diariamente, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus por tudo e sendo estimados por todo o povo. E, assim, a cada dia o Senhor juntava à comunidade as pessoas que iam sendo salvas.



3)-Dimensão Social da Eucaristia:



Ao final da missa começa a dimensão social desde aquele Ide de Jesus em Mc 16,15 que se prolonga no Kairós.





APROFUNDAMENTO TEOLÓGICO MAGISTERIAL



Eucaristia: Fonte e ápice da vida eclesial


CIC §1324 A Eucaristia é "fonte e ápice de toda a vida cristã ". "Os demais sacramentos, assim como todos os ministérios eclesiásticos e tarefas apostólicas, se ligam à sagrada Eucaristia e a ela se ordenam. Pois a santíssima Eucaristia contém todo o bem espiritual da Igreja, a saber, o próprio Cristo, nossa Páscoa ."



Comunhão Eucarística


§154 Crer só é possível pela graça e pelos auxílios interiores do Espírito Santo Mas não é menos verdade que crer é um ato autenticamente humano. Não contraria nem a liberdade nem a inteligência do homem confiar em Deus e aderir às verdades por Ele reveladas. Já no campo das relações humanas, não é contrário à nossa própria dignidade crer no que outras pessoas nos dizem sobre si mesmas e sobre suas intenções e confiar nas promessas delas (como, por exemplo, quando um homem e uma mulher se casam), para entrar assim em comunhão recíproca. Por isso, é ainda menos contrário à nossa dignidade "prestar, pela fé, à revelação de Deus plena adesão do intelecto e da vontade" e entrar, assim, em comunhão íntima com ele.



§185 Quem diz creio diz "dou minha adesão àquilo que não cremos". A comunhão na fé precisa de uma linguagem comum da fé, normativa para todos e que una na mesma confissão de fé.




§188 A palavra grega "symbolon" significava a metade de um objeto quebrado (por exemplo, um sinete) que era apresentada como sinal de reconhecimento. As partes quebradas eram juntadas para se verificar a identidade do portador. O "símbolo da fé" é, pois, um sinal de reconhecimento e de comunhão entre os crentes. "Symbolon" passa em seguida a significar coletânea, coleção ou sumário. O "símbolo da fé" é a coletânea das principais verdades da fé. Daí o fato de ele servir como ponto de referência primeiro e fundamental da catequese.



§949 Na comunidade primitiva de Jerusalém, os discípulos "mostravam-se assíduos ao ensinamento dos Apóstolos, à comunhão fraterna, à fração do pão e às orações" (At 2,42).A comunhão na fé. A fé dos fiéis é a fé da Igreja, recebida dos Apóstolos, tesouro de Vida que se enriquece ao ser compartilhado.



§1102 "E a palavra da salvação que alimenta a fé no coração dos cristãos: é ela que faz nascer e dá crescimento à comunhão dos cristãos." O anúncio da Palavra de Deus não se limita a um ensinamento: quer suscitar a resposta da fé, como consentimento e compromisso, em vista da aliança entre Deus e seu povo. E ainda o Espírito Santo que dá a graça da fé, que a fortifica e a faz crescer na comunidade. A assembléia litúrgica é primeiramente comunhão na fé.



§1209 O critério que garante a unidade na pluralidade das tradições litúrgicas é a fidelidade à Tradição apostólica, isto é, a comunhão na fé e nos sacramentos recebidos dos apóstolos, comunhão significada e assegurada pela sucessão apostólica.


Liturgia e comunhão


§1071 O poder transformador do Espírito Santo na liturgia apressa a vinda do Reino e a consumação do mistério da salvação. Na expectativa e na esperança ele nos faz realmente antecipar a comunhão plena da Santíssima Trindade. Enviado pelo Pai que ouve a epiclese da Igreja, o Espírito dá a vida aos que o acolhem e constitui para eles, desde já, "o penhor" de sua herança.



§1136 A liturgia é "ação" do "Cristo todo" ("Christus totus"). Os que desde agora a celebram, para além dos sinais, já estão na liturgia celeste, em que a celebração é toda festa e comunhão.







A Força da Eucaristia nos primórdios, conforme o alimento do profeta Elias, em 1Rs 19,4-10, que caminhou pela força daquele pão, é o tema que nos propomos despretensiosamente aqui aprofundar, sem querer encerrar, partindo do profeta Elias em seu tempo, percorreremos do momento em que ele se alimenta do pão oferecido pelo anjo (1Rs 19,4-10) até o tempo que se chama "Hoje".E, a partir desse alimento verdadeiro, o vigor do profeta será renovado, sendo prenuncio da “Força da Eucaristia”, o mesmo alimento que recebemos em cada celebração eucarística, para dar sentido a nossa Missão.Não devemos desanimar. As pessoas, não raro, estão desanimadas, intranqüilas, com diversos problemas e há um caminho a seguir. Gratuitamente este dom é multiplicado a cada domingo como uma força capaz de animar quem está desanimado, deixar em paz aquele que está intranqüilo.


Deste modo, como animar o homem de hoje para a importância do alimento eucarístico? Como mostrar ao homem de hoje “saber reconhecer o chamado de Deus na sua vida?” e como ele, após esta comunhão com Deus pode realizar maravilhas?



À luz da mudança realizada por Deus, através do alimento, na vida do profeta Elias é possível uma mudança radical em nossas vidas a partir da participação, em estado de graça, da comunhão eucarística. Assim como em muitas etapas de nosso chamado e caminhada com Deus, somos às vezes por diversas circunstâncias como profeta obrigados a fugir, sentimos a dor, o medo e a incerteza, apresentando-se, desta forma, como estava o profeta antes do alimento verdadeiro. Nestas circunstâncias deparamo-nos com o chamado de Deus, onde o profeta, ainda sem entender, tem, como nós, que comer para viver. Depois, a insistência do anjo de Deus e a resposta de Elias, dando provas de que vale à pena se alimentar daquele pão.Elias como nós após a caminhada e o encontro com Deus no Horeb, vemos o vigor sendo renovado no profeta e o texto nos apontando o Pão da Vida Verdadeiro, útil ao profeta e a cada um de nós.Caminhando agora apoiados e sustentados pela “força” que promana da Eucaristia.Ou seja, o mesmo Espírito de Deus, que se faz alimento, para dar vigor ao profeta é o mesmo Espírito que nos impele à Missão.



A visão trinitária sobre a Eucaristia (pessoal, eclesial e social) como o sacramento de presença, sacrifício e comunhão nos oferece, assim, uma síntese maravilhosa de suas várias dimensões, além de ser um antídoto contra um entendimento reducionista do Mistério Eucarístico. Como observa São João Paulo II:



“O mistério eucarístico – sacrifício, presença, banquete – não permite reduções nem instrumentalizações.”1 “Às vezes transparece uma compreensão muito redutiva do mistério eucarístico. Despojado do seu valor sacrificial, é vivido como se em nada ultrapassasse o sentido e o valor de um encontro fraterno ao redor da mesa.”2 Por isto “é importante que vivamos e ensinemos a viver o mistério total da Eucaristia: Sacramento do Banquete, do Sacrifício e da Presença permanente de Jesus Cristo Salvador.”3


1- Ecclesia de Eucharistia, 61
2-Ibid., 10
3-Homilia (12 de junho de 1993), 3: L´Oss. Rom., (ed. port.: 20 de junho de 1993).



Não obstante a Eucaristia ser um único sacramento, nós o experimentamos em três modos distintos – presença, sacrifício e comunhão: Quando adoramos Jesus presente no Santo Sacramento, “não podemos duvidar de que Deus está conosco” 4. Pois na Eucaristia Jesus cumpriu a promessa de estar conosco sempre até o fim dos tempos (cf. Mt 28,20). Por outro lado, quando participamos do Sacrifício Eucarístico, entendemos que Deus é, verdadeiramente, “por nós”: “Isto é o meu Corpo que é dado por vós” (Luc 22, 19). Na Cruz, como diz S. Paulo, o Filho de Deus “me amou e se entregou por mim” (Gal 2,20). De fato, a Eucaristia é o dom que Deus faz de si por nós. No entanto, quando recebemos a Comunhão, experimentamos o amor de “Deus em nós”. Este é de fato o ápice do amor que Deus tem por nós. Nota o Beato João Paulo II: “Ao pedido dos discípulos de Emaús para que ficasse „com‟ eles, Jesus responde com um dom muito maior: por meio do sacramento da Eucaristia encontrou um modo de permanecer „dentro‟ deles.”5 A Comunhão Eucarística significa, de fato, uma relação de profunda e recíproca “permanência”: “Permanecei em mim e eu permanecerei em vós” (cf. Jo 15, 4). Eis que a Santa Comunhão, “Deus dentro de nós, é como uma antecipação da união que, no céu, teremos com Deus.”6



4-Homilia (14 de junho de 2001), 3: L´Oss. Rom., (ed. port.: 16 de junho de 2001), 24.
5-Mane nobiscum Domine, 19.
6- Homilia (15 de maio de 1988), 6: L´Oss. Rom., (ed. port.: 22 de maio de 1988), 21.


O Papa Bento XVI, insiste no “compromisso social” decorrente da Eucaristia:


“O sacramento da Eucaristia tem um caráter social. A união com Cristo é ao mesmo tempo união com todos os outros a quem ele se entrega. Eu não posso ter Cristo só para mim” (Bento XVI – SCa, 89).



A dimensão pessoal da comunhão eucarística está intimamente ligada à sua dimensão comunitária:



Diz São Paulo: “O pão que partimos não é a comunhão no corpo de Cristo?” (I Cor 10, 16). Realmente, quando recebemos o Corpo e Sangue de Cristo, não apenas nós é que recebemos Cristo, mas Cristo, também, recebe cada um de nós. Ele recebe cada um de nós para nos assimilar a si. Todos nós “nos alimentamos” da mesma pessoa, Cristo. E assim Cristo nos atrai a Si, fazendo-nos sair de nós mesmos para nos tornarmos uma só coisa com Ele e então, por meio desta comunhão, nos une a todos. Desta forma, “a Eucaristia, como sacramento do Corpo e do Sangue pessoal de Cristo, forma a Igreja que é o corpo social de Cristo, na unidade de todos os membros da comunidade eclesial.”7


São João Paulo II explica:


Este grande sacramento, que nos permite participar da vida de Cristo nos une também uns aos outros, a todos os outros membros da Igreja e a todos os batizados de todos os tempos e de todas as nações. Embora nós, que pertencemos à Igreja, nos encontremos dispersos pelo mundo, embora falemos línguas diferentes, tenhamos um diverso patrimônio cultural e sejamos cidadãos de diferentes nações, “uma vez que há um só pão, embora sejamos muitos, formamos um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão” (I Cor 10, 17).8


7-Audiência (21 de novembro de 1991), 7; ORP (24 de novembro de 1991), 12.
8-Homilia (16 de fevereiro de 1981), 5; ORP (22 de fevereiro de 1981), 5

Em resumo, uma vez que a Eucaristia é “a presença viva e real do amor trinitário de Deus,”9 nela nós experimentamos o Amor de Deus de três modos diferentes, mas complementares:


a)-Como presença (“Deus conosco”): Sacramento da presença de Deus, a Eucaristia é, acima de tudo, um reflexo do amor de Deus Pai que, em Seu Filho, se fez próximo de nós.

b)-Como sacrifício (“Deus por nós”): renovação sacramental do sacrifício da Cruz, a Eucaristia revela o amor do Filho de Deus que deu Sua vida por nós e continua a oferecer-se por nós;

c)-como comunhão (“Deus em nós”): Na comunhão Eucarística, experimentamos o amor do Espírito, por meio do qual Deus vem habitar nossos corações e se torna um conosco: Deus em nós e nós em Deus.








Conseqüentemente, “O mistério eucarístico – sacrifício, presença, banquete… há de ser vivido na sua integridade, quer na celebração, quer no colóquio íntimo com Jesus acabado de receber na comunhão, quer no período da adoração eucarística fora da Missa. Estabeleçamos, portanto, uma íntima comunhão com Cristo, participando “no Sacramento que O torna presente, no sacrifício que atualiza o seu dom de amor do Gólgota, no banquete que alimenta e sustenta o Povo de Deus peregrino.”10

9-Homilia (20 de agosto de 2000), 6: L´Oss. Rom., (ed. port.: 26 de agosto de 2000), 35.
10-Ecclesia de Eucharistia, 61. 22 Vita Consecrata, 95.




CONCLUSÃO:



Hoje Cristo nos exorta como exortou a Elias enfraquecido:



“Eu vos dou minha humanidade: meus cansaços, meus sonhos, minhas andanças, dou-vos tudo quando vivo no meio de vós, feito homem, eu, o Verbo que se fez carne!”




E o sangue? Não significa simplesmente o líquido vermelho que corre nas nossas artérias. Sangue, na Bíblia, significa a vida. O sangue doado e derramado significa a vida tirada, a vida violentada. Pois, vede que coisa tão linda: ao dizer “Isto é o meu sangue”, o Senhor está dizendo: “Eu vos dou toda a minha vida que se foi derramando por vós, desde o primeiro momento da minha existência humana. Fui me derramando por vós em cada cansaço, em cada decepção; fui me derramando em cada noite em oração, em cada agonia, até aquela última, da cruz e da sepultura.” Então, meus caros, “isto é o meu corpo, isto é o meu sangue” significa “isto sou eu todo, com o que tenho, com o que sou, com o que vivi e com o que morri, com o que amei e com o que sonhei, que agora entrego a vós e por vós”. Que podemos dizer? Senão simplesmente: Obrigado, Senhor, por esse amor tão grande, que te fez a nós te entregares assim, totalmente! Dá-nos a graça de, recebendo teu Corpo e Sangue, plenos do Espírito Santo, na força do mesmo Espírito, fazer de nossa vida uma entrega a Ti e, por Ti, a todos os irmãos e irmãs. Ensina-nos a ser para os outros pão repartido e dado por amor afim de que um dia possamos chegar ao Pai do Céu, onde convosco viveremos e reinaremos em comunhão com o Espírito Santo pelos séculos dos séculos!



"Foi na Quinta-Feira Santa que Jesus instituiu a Eucaristia. As circunstâncias são importantes para entender melhor o seu sentido:

-Na véspera de sua morte: Institui o Sacramento da Vida.
-Na hora da Traição, por amor, proclama o sacramento da Reconciliação.
-Na hora do abandono,da fuga e do Vazio, nos deixa o Sacramento da PRESENÇA e o Alimento por excelência do Espírito..." (Dom Mariano Manzana - Jornal a Luz - Solenidade de Corpus Christi 2018)








REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:




-CONCÍLIO VATICANO II, Constituição dogmática Lumen Gentium.



-JOÃO PAULO II. Carta Encíclica Ecclesia de Eucharistia - Carta Encíclica Redemptor homminnis - Carta apostólica Mane nobiscum Domine




------------------------------------------------------







Apostolado Berakash – Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua Igreja, grupo de oração, paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:




filhodedeusshalom@gmail.com


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger