A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » A maior obra de PROMOÇÃO HUMANA que podemos fazer aos pobres é levar-lhes Jesus Cristo

A maior obra de PROMOÇÃO HUMANA que podemos fazer aos pobres é levar-lhes Jesus Cristo

Written By Beraká - o blog da família on segunda-feira, 1 de maio de 2017 | 15:37



Isaías 61,1: "O Espírito do Soberano, o Senhor,está sobre mim, porque o Senhor ungiu-me para levar boas notícias aos pobres.Enviou-me para cuidar dos que estão,com o coração quebrantado, anunciar liberdade aos cativos e libertação das trevas aos prisioneiros."



O profeta Isaías estava compartilhando sobre a sua própria vocação para servir a nação judaica neste versículo, mas ele também estava profetizando sobre a vinda do Messias. Parte do que foi chamado para trazer uma boa notícia para os pobres, em outras palavras para ser gentil e compassivo para com eles e ajudá-los conforme necessário. Este é um daqueles versos poderosos na Bíblia que transcende o tempo e o espaço, porque descreve Isaías em seu dia, mas também descreve Jesus quando ele veio à terra várias centenas de anos mais tarde, e em seguida, ele também se aplica a nós, cristãos de hoje. Então, se Isaías e Jesus foram ungidos para ministrar aos pobres, em seguida, da mesma forma que somos chamados a ministrar a eles também.





Gálatas 2,10:"Recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também procurei fazer com diligência. "



Após a conversão de Paulo, uma enorme polêmica surgiu entre os jovens cristãos sobre se era necessário seguir todas as leis judaicas, a fim de ser salvo. Depois de muita oração e discussão, os apóstolos perceberam que não era necessário ser judeu para a salvação, e foi assim que disseram a Paulo sua decisão. Ele foi exortado, de lembrar e cuidar dos pobres. Então isso é muito importante e querido ao coração de Deus.


“Em Jesus, Deus se comprometeu de modo completo para restituir esperança aos pobres, ou seja, aos que se encontravam desprovidos de dignidade, aos estrangeiros, aos doentes, aos prisioneiros, e aos pecadores, os quais acolhia com bondade. Em tudo isso, Jesus era a expressão viva da misericórdia do Pai. Devemos sempre levar aquela carícia de Deus – porque Deus nos acariciou com a sua misericórdia –, levá-la aos outros, àqueles que precisam, àqueles que têm um sofrimento no coração ou são tristes: aproximar-se com aquela carícia de Deus, que é a mesma que Ele nos deu. Uma Igreja que caminha para procurar, visitar, encontrar, escutar, partilhar e sustentar as pessoas mais pobres. Francisco ainda lhes recordou: Cada um de vocês é chamado a ir ao encontro dos mais pobres levando Jesus. A ir como discípulos, como amigos do Senhor. Isso significa partilhar a sua Palavra, a do Evangelho, repetir os seus gestos de perdão, amor, doação e não buscar o próprio prestígio, mas o bem dos outros. O Santo Padre propôs como modelo a Virgem Maria e os exortou: Como Maria, não se cansem de partir, às pressas, para encontrar e levar a visita de Deus.Ela leva Deus para visitar, porque está em comunhão profunda com Ele, afirmou Francisco para dizer em seguida: Somente na fé levamos Jesus e não a nós mesmo”.






Foi o que disse o Papa Francisco na segunda Audiência jubilar do Ano extraordinário da Misericórdia. Diante de cerca de 50 mil fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro, Francisco refletiu sobre o tema do compromisso com os pobres:



Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. (Mt 5,3)



Vivemos numa sociedade marcada pelo pragmatismo, sucesso como sinal da interferência de Deus e progresso econômico como referencial de bênção. Mas, para quem vive ou trabalha entre os pobres, esses sinais poucas vezes, ou quase nunca, se manifestam. Por isso, caímos no desânimo, desencanto, frustração e, muitas vezes, em desespero.Situações adversas sempre surpreendem quem vive engajado na luta em favor dos pobres. E, muitas vezes, chegamos ao ponto de desanimar.Todavia, mais do que resultados imediatistas e meramente materiais, devemos guardar os frutos de nossa própria humanização apreendida a partir do contato como pobre de todas as formas.Coisas boas sempre vão acontecer, mesmo em circunstâncias adversas.


Quero animar você a não desistir, a continuar sonhando, a fazer do reino dos céus a possessão dos realizados com a vida, por serem pobres de espírito. Vamos juntos buscar algum entendimento sobre o que Jesus quer nos ensinar, quando anuncia a felicidade dos pobres de espírito.Há uma tendência de se espiritualizar a interpretação da palavra “pobre” nas Escrituras. É evidente que a Bíblia não fala de pobre dando somente uma conotação econômica e social. A pobreza é apresentada também como uma disposição interior ou atitude de alma, em que a pessoa se coloca sob a total dependência de Deus.Mesmo assim, a maioria das palavras hebraicas usadas na Bíblia para designar “pobre” tem em seu conteúdo literário a idéia de “pobre” como pessoa desprovida de bens materiais ou oprimida pelos ricos e poderosos. Nestes casos, em geral, os documentos, principalmente dos profetas, falam muito mais do juízo de Deus em relação aos que provocam a injustiça do que da situação dos que a sofrem. A parcialidade de Deus, que está sempre do lado do pobre injustiçado, é evidente, mas não se pode perceber em nenhum momento que ele seja feliz porque foi injustiçado.  Aliás, sob a lógica da sobrevivência, é necessário um milagre tremendo para alguém estar feliz por causa da pobreza. Além de outros males, a pobreza gera revolta, indignação e, às vezes, blasfêmia, na mesma proporção em que a riqueza gera indiferença e materialismo idólatra.



Nos manuscritos mais antigos do texto de Mateus, não se encontra o complemento de espírito, que a maioria dos tradutores preferiu acrescentar. E tudo nos faz crer que não houve equívoco. Deram ao texto o sentido mais próximo daquele a quem Jesus está chamando de pobre. Pobre não é apenas o economicamente desprovido, o socialmente marginalizado, o psicologicamente oprimido. No novo conceito de Jesus, pobreza implica uma condição de alma, um estado de espírito, uma nova atitude em relação a Deus. Jesus está falando de pessoas que confiam exclusivamente em Deus, sendo que a razão dessa confiança é a incapacidade de confiar em si mesmas, pois não dispõem de prestígio, influência social nem poder. Quem são, geralmente, as pessoas com essas características, senão principalmente as pobres?



Portanto, os pobres, para quem Jesus foi ungido a evangelizar (Lc 4.18), para quem são dadas as bem-aventuranças (Mt 5,1-12), para quem o evangelho é revelado (Mt 11,28), são os indigentes, os carentes, os fracos, os humilhados. São os que trabalham dignamente e possuem apenas o trivial, e os que vivem em condição de miséria absoluta. São ainda os cidadãos do reino de Deus, que, desprovidos de socorro humano e material, recorrem exclusivamente ao socorro de Deus e, por isso, são felizes (Bem aventurados), São felizes conforme o Sermão do Monte, por não acumularem tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem corroem. São felizes porque foram cativados a servir, em adoração a Deus e amor ao próximo. São felizes por terem encontrado a alegria do ser, ou seja, a fonte onde a infelicidade não existe. Este pobre não é pobre porque vendeu tudo para sair em busca do verdadeiro tesouro, mas vendeu tudo, porque o encontrou esta pérola preciosa. Na escolha entre Deus e as riquezas, preferiram Deus, pois, segundo Jesus Cristo, não é possível servir aos dois ao mesmo tempo.



Em geral, as riquezas escravizam, tornam as pessoas devotas do ídolo do mercado. Muitos perdem a sensibilidade humana, tornando-se pessoas avarentas, egoístas, enfim, longe da felicidade que está no ser, e não no ter. Do mesmo modo, podemos ter pobres — economicamente pobres — cuja esperança está prepotentemente enraizada na possibilidade de sua aceitação pelo mercado, e não na esperança em Deus. Alguns, por terem a riqueza, adoram-na como a um ídolo; outros não a tem, mas nela põem toda a sua esperança. E tanto estes quanto aqueles são miseráveis, pobres mesmo, cegos e nus — são infelizes, pois temos ricos tão pobres em nosso meio que percebemos que a única riqueza que possuem é simplesmente dinheiro.



Felizes os pobres de espírito. Entre estes estão aqueles que vão em busca do pobre que não tem dinheiro, do pobre que teve o direito usurpado, do pobre sem acesso à escola, sem lugar para morar, sem terra para cultivar o pão nosso de cada dia. Esses que sem nenhum interesse ideológico vão aos pobres, muitas vezes vão com a alma vazada de indignação para com os dirigentes dos órgãos públicos e, desencantados com a indiferença dos religiosos, acabam tomando para si o desespero de não ver seus sonhos concretizados. E, a despeito de tudo, são felizes. São felizes por terem sua sensibilidade humana redimida — os pobres nos humanizam! São felizes por terem uma decodificação do evangelho simplesmente explícita no cotidiano do pobre — entre os pobres, o Evangelho se enraíza. Assim, entre os pobres, o pobre de espírito recebe a revelação de que toda a esperança da vida não está no bem financeiro de quem o possui, nem na expectativa de possuir, algum dia, qualquer bem material. Entre os pobres, que não têm prestígio, fama, reconhecimento nem poder, o pobre de espírito se percebe desnudo de qualquer riqueza, e diante da consciência de que nada possui, decide confiar exclusivamente na graça de Deus. Por isso, é especialmente feliz.






Conclusão



Amar e servir a Deus é e deve ser sinônimo de ajudar os pobres. Foi certamente em seu coração, como ele incorporou muitos versículos em sua palavra escrita, sobre esse tema. Ele também sabe que somos abençoados quando colocamos os outros antes de nós mesmos. Ajudar os outros especialmente os pobres e necessitados, é um dom e uma vocação que não podemos fugir como cristãos. Então, vamos sair e ajudar os nossos vizinhos e nossos amigos em necessidade. Continuemos entre os pobres alimentando sonhos e esperanças, sem usa-los como massa de manobra ideológicas, mas acima de tudo, sendo por eles humanizados e re evangelizados, para que a nossa bem-aventurança seja completa na ressurreição de nossa humanidade.Não podemos deixar morrer a utopia, porque a utopia não é de esquerda nem de direita, mas faz parte do universo humano. A direita não tem que ficar complexada pelo fato de a esquerda se crer utópica, nem a esquerda tem que ficar complexada se a direita quiser ser utópica. O Importante é que não deixemos de perseguir a utopia na sociedade, na economia e na política, mas de forma plural, porque só assim se foge ao populismo antissistema. A ausência de pluralidade, não serve a democracia, não serve o Estado de direito, não serve a Constituição e, sobretudo, não serve a humanidade que não é uniforme, mas plural.


Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 1 Comentário. Deixe o seu!

5 de maio de 2017 19:41

Mas como, se não se pode fazer proselitismo? Hoje se deve apenas levar o amor que Jesus pregou e não a sua pessoa.

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger