A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » É preciso separar Marina Silva e as Propostas da Rede Sustentabilidade do Programa do PSB

É preciso separar Marina Silva e as Propostas da Rede Sustentabilidade do Programa do PSB

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 30 de agosto de 2014 | 09:28








“Sem isto confunde-se alhos com bugalhos”


A palavra da moda atualmente é sustentabilidade. Em todos os setores, seja no meio ambiente, na economia, educação ou administração pública, todo mundo cita o termo sustentabilidade. E o que significa sustentabilidade? O que é ser sustentável? Teoricamente o termo “sustentável” tem origem do Latim: “sustentare”, que significa sustentar, favorecer e “CONSERVAR”.


Mundialmente a palavra sustentabilidade começou a ser propagada a partir da realização da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano – United Nations Conference on the Human Environment (UNCHE), em junho de 1972, em Estocolmo.



A partir deste evento, que foi o primeiro encontro mundial promovido com o objetivo de discutir assuntos relacionados ao meio ambiente e soluções para a preservação da humanidade, o conceito de sustentabilidade passou a ganhar uma maior importância. No Brasil, a expressão “sustentabilidade”, ganhou dimensões maiores após a realização da Conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (ECO), em 1992, no Rio de Janeiro.


Na prática, a sustentabilidade está definida como a capacidade que o indivíduo ou um grupo de pessoas tem em se manterem dentro de um ambiente sem causar impactos a esse ambiente. Mas apesar da sustentabilidade estar associada diretamente ao meio ambiente e a tudo o que envolve este, não está limitada somente a esta área. A sustentabilidade também está relacionada a outros setores da sociedade como a economia, a educação e a cultura (Como práticas e atitudes “Conservadoras”).


A sustentabilidade está diretamente ligada ao desenvolvimento de vários setores da sociedade, sem que estes agridam o meio ambiente. É através da sustentabilidade que os recursos naturais são utilizados de forma inteligente e são preservados para as gerações futuras. Sustentabilidade é isto, é saber suprir as necessidades presentes sem interferir nas gerações futuras.


Um conceito correto e amplo de sustentabilidade está associado a soluções, caminhos e planos que busquem resgatar adoções de práticas sustentáveis(Conservadoras) na vida de cada pessoa e atinjam uma melhora comum a todos. Contribuir com nossas vivências e experiências pessoais e repassar estas ao coletivo, é um fator decisivo para possibilitar a prática da sustentabilidade.



Artigo do coordenador nacional da Rede Sustentabilidade Pedro Ivo Batista  sobre aliança com PSB:


Os dias 3 a 5 de outubro de 2013 significaram uma sinalização de mudança na política brasileira que deixou a todos surpresos. Primeiro, na quinta-feira, dia 3, todos nós, membros da Rede Sustentabilidade, estávamos confiantes que a justiça acolheria nosso pedido de registro. Para nossa surpresa e, creio, para a maioria dos brasileiros, tivemos nosso registro indeferido. A Justiça se fez injusta!


Logo naquela noite iniciamos um processo de discussão com os membros da Direção da Rede que estavam em Brasília. Estávamos atônitos e divididos. A principal diferença era se deveríamos participar institucionalmente de 2014 ou se deveríamos firmar uma posição política crítica à negação do registro, mas sem ter uma participação institucional. Como não chegamos a uma conclusão naquele momento, resolvemos fazer mais conversas e consultas.



Na sexta, dia 4, realizamos uma reunião/plenária às 11h, no auditório da CNTC, com a participação via internet de vários representantes da Rede Sustentabilidade nos estados. No mesmo dia, fizemos nova reunião e, finalmente, chegamos à conclusão de que deveríamos propor uma coligação com o PSB. Mesmo sem ter tido tempo para ouvir toda a militância, a maioria dos membros da Executiva Nacional da Rede Sustentabilidade considerou que essa proposta era possível. Assim, na noite de sexta-feira, dia 4, uma pequena comissão da Rede se reuniu com o Governador Eduardo Campos e o Senador Rodrigo Rolemberg.


Foram acordados os seguintes pontos:


1. Faremos um acordo programático, no qual PSB e Rede definem um projeto político em comum para país baseado nas diretrizes: avançar as conquistas econômicas e sociais; democratizar a democracia e defender o desenvolvimento sustentável;


2. O PSB reconhece a Rede Sustentabilidade como partido político e realiza conosco uma Coligação Democrática;


3. Os militantes da Rede Sustentabilidade, inclusive Marina Silva, que desejasem se filiar no PSB, o fariam de forma transitória e independente, como membros da Rede Sustentabilidade. No momento que conquistarmos o registro legal, os nossos militantes filiados ao PSB podem se filiar à Rede sem nenhuma retaliação, inclusive os detentores de mandatos.


4. Tentaremos manter coligações estaduais dos dois partidos, entretanto, onde a realidade tornar impossível essa aliança, a Rede adotará um posicionamento independente, apoiando a coligação nacional, mas realizando a tática eleitoral que for adequada ao nosso programa, valores e princípios.



5. A Rede Sustentabilidade apoiará também seus militantes que por circunstâncias conjunturais tiveram que se manter em outros partidos.


Todas essas propostas tiveram que ser adotadas em apenas dois dias, pois nunca discutimos um plano B, já que tínhamos confiança não registro do partido.


Por isso, compreendo e respeito o posicionamento dos militantes que discordam do acordo e reclamam da pouca discussão para a decisão. Dessa forma, espero que possam considerar o pouco tempo que tivemos somado à falta de canais de participação para decisões rápidas.


Acredito que fizemos o nosso melhor, com reuniões na quinta e na sexta e com consulta a quem foi possível. Com certeza, não foi uma decisão fácil, mas como somos um partido que não adota o centralismo democrático, compreendo os que não concordam com essa coligação. Da mesma forma, Marina Silva não seria obrigada a aplicar uma posição que ela não concordasse.


Por que o PSB?


Concordei com a proposta de aliança com o PSB porque esse partido tem uma trajetória próxima à de Marina Silva. Esteve como ela e com a grande parte dos que compõem a Rede Sustentabilidade na mesma trincheira política: a luta pela redemocratização, a construção dos movimentos sociais e a aliança democrática popular.


O Partido Socialista Brasileiro é um partido programático e histórico do campo popular e participou das principais lutas democráticas e populares. Foi responsável pelo pedido de liminar contra o projeto que queria excluir a Rede do cenário político em 2014. Evidente que o PSB tem diferenças na sua composição interna, principalmente nos estados, mas isso é uma questão que cabe a sua direção resolver. Como não somos militantes do PSB não nos cabe intervir nesse processo, a não ser sugerir propostas de soluções e, onde não for adequado estarmos juntos, manteremos nossa independência estadual e apoiaremos o projeto nacional da coligação.


Marina Silva não é mais candidata a Presidente?


Essa é uma pergunta que deve estar pulsando no coração e na mente de muito de nós, mas é importante recolocar essa questão lembrando que Marina e a Rede Sustentabilidade nunca afirmaram a candidatura presidencial como um fato consumado. Nem Marina nem a Rede desejavam a antecipação das eleições, preferindo discutir ideias e propostas para o Brasil, deixando a candidatura como uma possibilidade.Na quinta-feira, dia 3, essa possibilidade foi "sepultada" pelo TSE ao negar o registro da Rede. Por isso, a coligação com o PSB não poderia ter sido construída em base da candidatura de Marina Silva e sim em função de um programa e uma agenda política para o país. Mais uma vez, contribuímos para construir uma nova política com a postura de não fazermos um acordo em cima do poder pelo poder. Sabemos que essa atitude surpreendeu o mundo político e a muitos de nós.



E a Rede Sustentabilidade como fica?


A Rede Sustentabilidade continua e agora deve se preparar para o momento da legalização, organizando seus Diretórios, coletivos e núcleos nos estados. Nossos militantes que estão na condição de pré-candidatos já fizeram suas filiações a outros partidos no dia 5 de outubro. A maioria se inscreveu no PSB. Porém, por circunstâncias conjunturais, alguns se filiaram a outras agremiações, mas todos devem estar comprometidos com o projeto nacional da Rede.



Considerações finais


Acredito que depois do processo de validação das assinaturas, na qual fomos prejudicados pela burocracia e precariedade das instituições, e da derrota no TSE, na qual fomos julgados politicamente e de forma casuística, não poderíamos legitimar esses revezes e nos afastar da luta política e institucional para mudar o Brasil.



Assim, considero que a solução de participar de uma coligação com o PSB foi a melhor saída para esse momento. Ela possibilitou que a Rede Sustentabilidade participe do processo eleitoral de 2014, com uma aliança programática coerente com o passado e o presente da trajetória política de Marina Silva.



Estou convicto da justeza desse posicionamento. Claro que ele não representa a totalidade de nossas propostas, mas a Coligação Democrática abrirá espaço, caso seja vitoriosa, para iniciar um novo processo de mudanças que hoje está represado pelo bloco governista. Com essa coligação, vamos lutar para pôr fim aos retrocessos socioambientais e democráticos e criar as condições de avançarmos rumo ao Desenvolvimento Sustentável.

FONTE:http://rudaricci.blogspot.com.br/2013/10/artigo-do-coordenador-nacional-da-rede.html

AS PROPOSTAS DA REDE SUSTENTABILIDADE DESAGRADARAM AO LIDER GAY JEAN WYLLYS – TIREM SUAS CONCLUSÕES DO POR QUE:



As bases do novo partido causaram certo incômodo ao maior representante do movimento LGBT no Brasil, deputado federal Jean Wyllys (Psol), que declarou ter encerrado suas conversas com o movimento, por discordar da proposta de Marina Silva sobre questões como o casamento gay: “’Nova política’ querendo submeter direitos de minorias a ‘plebiscitos’ e ‘referendos’ não é nova política: é o velho conservadorismo!”, escreveu em seu perfil no Twitter, criticando a postura adotada pelo movimento.

FONTE:http://noticias.gospelmais.com.br/missionaria-marina-silva-novo-partido-rede-sustentabilidade-50007.html





AÉCIO EM ENTREVISTA NA  “ISTO É”  SE DIZ A FAVOR DO ABORTO E UNIÕES HOMOAFETIVAS:

ISTOÉ – Mas, pessoalmente, o sr. é a favor ou contra essas questões?


Aécio –
“Sou favorável ao casamento de pessoas do mesmo sexo. Isso já está incorporado ao mundo moderno. Com relação ao aborto, defendo a legislação atual...”

http://www.istoe.com.br/reportagens/295801_TEMOS+UM+PAIS+A+DERIVA+EM+BUSCA+DE+UM+GESTOR+
 
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger