A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » " Meu Deus ! Meu Deus ! Por Que me abandonastes ? - O grito dos sofredores e o silêncio de Deus - BENTO XVI

" Meu Deus ! Meu Deus ! Por Que me abandonastes ? - O grito dos sofredores e o silêncio de Deus - BENTO XVI

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012 | 10:16



A oração de Jesus não é o grito de um desesperado
As palavras de Bento XVI na Audiência Geral desta quarta-feira
CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012(ZENIT.org)

Apresentamos as palavras do Papa Bento XVI aos fiéis e peregrinos reunidos na Sala Paulo VI para a Audiência Geral desta quarta-feira.

Queridos irmãos e irmãs,

Pregado na cruz, Jesus lança este grito: «Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonaste?»

No momento extremo da sua rejeição pelos homens, Ele reza, deixando transparecer tanto a solidão do seu coração como a certeza da presença do Pai, a quem reafirma plena adesão aos seus desígnios de salvação da humanidade.

Mas, como é possível que Deus não intervenha para libertar o seu Filho desta prova terrível?

É importante compreender que a oração de Jesus não é o grito de um desesperado, que se sente abandonado.

Mas, ao rezar um salmo de Israel - as palavras referidas são o início do salmo 22, Jesus toma sobre Si o sofrimento do seu povo e de todos os homens oprimidos pelo mal e leva-o até ao próprio coração de Deus, seguro de que o seu grito será atendido na ressurreição.

Enfim Jesus vive o seu sofrimento em comunhão conosco e por nós; é um sofrimento que brota do amor e, por isso, já contém em si a redenção, a vitória do amor.

© Copyright 2012 - Libreria Editrice Vaticana

Diante do nosso grito de dor, Deus está sempre presente

Na audiência geral, a catequese de Bento XVI sobre a oração de Jesus na Cruz

O ciclo de catequeses do Papa Bento XVI sobre a oração de Jesus culminou nesta manhã, durante a Audiência Geral, com uma reflexão sobre a oração de Cristo antes da morte iminente.
O Santo Padre se serviu dos Evangelhos de São Mateus e São Marcos, que fornecem detalhes importantes na reconstrução das fases da crucifixão de Nosso Senhor. Marcos, em particular, explica que "eram as nove da manhã quando o crucificaram" (Mc 15:25).

Durante as primeiras três horas após a crucificação, observou o Papa, "vem o escárnio dos diferentes grupos de pessoas que mostram seu ceticismo, dizem não acreditar."

Há quem o insulta (cf. Mc 15, 29), e entre estes há também os dois ladrões crucificados ao lado dele (cf. Mc 15, 32), enquanto sacerdotes e escribas zombam dele (cf. Mc 15, 31).

Do meio-dia até as três, a escuridão cai sobre toda a terra. "Também o universo toma parte deste evento: a escuridão envolve pessoas e coisas, mas mesmo nesta hora de trevas, Deus está presente, não abandona", continuou o Santo Padre.

A escuridão é tanto "sinal da presença e da ação do mal", quanto sinal "de uma misteriosa presença e ação de Deus que é capaz de superar todas as trevas", como já testemunha a experiência de Moisés no Antigo Testamento (cfr. Ex 19,9/20,21; Dt 4,11/5,23).

É justamente naquela escuridão que Jesus moribundo conserva ainda a força para gritar o seu próprio sofrimento ao Pai "que aprova este ato supremo de amor, de dom total de Si, ainda que não se ouça, como em outros momentos, a voz do alto.”


Ao contrário de outros episódios como o batismo no Jordão (Mc 1,11) ou a Transfiguração (Mc 9,7), a voz do Pai cala, enquanto que o seu "olhar de amor" está "fixo sobre o dom de amor do Filho."

Jesus grita ao Pai "por que me abandonaste?", lembrando a tensão do salmista (cf. Sl 22,3-4) "entre o sentir-se abandonado e a consciência certa da presença de Deus no meio do seu povo”.


Não só nas situações mais difíceis e dolorosas “não devemos ter medo de confiar a Ele todo o peso que levamos no nosso coração” mas não devemos nem sequer “ter medo de gritar a Ele nosso sofrimento, temos de estar convencidos de que Deus está próximo, mesmo se aparentemente se cala", disse Bento XVI.

O grito de Jesus crucificado "não é o grito de quem vai ao encontro da morte com o desespero, e nem é o grito de quem sabe que foi abandonado."

É sim o grito de quem está tomando sobre si "não só a pena do seu povo, mas também a de todos os homens que sofrem pela opressão do mal e, ao mesmo tempo, leva tudo isso ao coração do próprio Deus" , na certeza da Ressurreição.Jesus invoca o Pai, mesmo se ele pareça ausente e a sua afirmação de abandono de Deus é, na realidade, a manifestação da dor pela separação da humanidade de Deus por causa do pecado, como se Cristo gritasse ao Pai no nosso lugar (Catecismo da Igreja Católica, n º 603).

No clímax da Paixão, Jesus deixa emergir não só a sua dor, mas também "o sentido da presença do Pai e do consentimento ao seu plano de salvação pela humanidade."

Nós mesmos, observou o Papa, "nos encontramos sempre e de novo diante do "hoje" do sofrimento, do silêncio de Deus", mas, ao mesmo tempo, podemos encontrar-nos "diante do "hoje"da Ressurreição, da resposta de Deus que tomou sobre si os nossos sofrimentos."

A oração de Jesus moribundo deve nos ensinar a "superar as barreiras do nosso" eu "e dos nossos problemas e abrir-nos às necessidades e aos sofrimentos dos outros" e de "rezar com amor por tantos irmãos e irmãs que sentem o peso da vida cotidiana, vivendo momentos difíceis, que estão na dor, sem uma palavra de conforto ", concluiu o Santo Padre.
Lucas Marcolivio


[Tradução Thácio Siqueira]

FONTE: Zenit
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger