A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Por que Hitler Odiava tanto o Povo Judeu ?

Por que Hitler Odiava tanto o Povo Judeu ?

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 6 de novembro de 2011 | 12:26




O anti-semitismo tem raízes religiosas milenares

(Por : Marta Francisca Topel*)


1)- “O ódio aos Judeus, historicamente manifestado por Adolf Hitler, seria derivado da crença errônea de que sua mãe fora morta por envenenamento, ao ser medicada por um doutor judeu”, afirma o autor de um novo livro sobre ditador nazista, conforme reportagem do ‘JEWISH NEWS’, no site ‘HAARETZ .com’. 


2)- No seu livro "November 9: How World War One Led To The Holocaust (“9 de Novembro: Como a I Guerra Mundial Deu Origem ao Holocausto”), recém-lançado, o autor Joachim Riecker escreve que a morte de Klara, mãe do jovem Adolf, então com 18 anos, diagnosticada com câncer do seio, deixou marca indelével na mente do filho. O médico de Klara, Eduard Bloch, teria administrado iodofórmio à paciente, tratamento padrão, à época, para o câncer da mama. E ela morreu do tratamento em 1907, quando tinha apenas 47 anos de idade.“E Hitler jamais perdoou o doutor judeu, declarou Riecker ao jornal britânico ‘The Telégrafo’”. Ainda segundo ele, em conversas com assessores como Joseph Goebbles, A.H. se referia aos Judeus como a própria ‘TB’ (Tuberculose, o grande mal da época. N.A.) e a si próprio como um ‘curandeiro’ que devia marcá-los e, posteriormente, eliminá-los.


3)- Não obstante, embora não conste da notícia em foco, publicada no site HAARETZ.com, uma outra versão para o ódio manifesto de Hitler aos Judeus, que circula entre autores publicados, como Marrs, Springmeier, Jackson, Howard e outros (Vide “O Poder SECRETO!, deste autor, P. 610-611) levanta a hipótese de que Maria Anna Schiklgruber, sua avó, havia sido empregada doméstica (cozinheira) na mansão de um membro (barão) celibatário e mulherengo do clã Rothschild, em Viena, e por ele engravidada, sendo, então, devolvida à casa paterna, onde contraiu núpcias com um trabalhador rural de nome Johan Georg Hiedler, que criou a criança bastarda, de nome Alois Schiklgruber. Somente aos 40 anos, Alois Schiklgruber veio a ser perfilhado por seu tio Johan Nepomuck Hiedler, de quem recebeu o nome de família Hiedler. Alois Hiedler era o pai de Adolf Hitler, assim nomeado por um erro do pároco em seu registro de nascimento. O não reconhecimento formal da sua linhagem, pelo suposto ancestral Rothschild, teria suscitado o enorme ódio do ditador a todos os Judeus, segundo a teoria desses autores.


4)- O termo anti-semitismo foi criado no século 19, quando as teorias religiosas que acusavam os judeus de deicídio ficaram caducas. Nesse momento, a partir de uma leitura tergiversada das teorias ligadas ao darwinismo social, o motivo para perseguir os judeus começou a ancorar-se em pressupostos biológicos. Assim, para Hitler, existiam três raças: as “fundadoras” ou superiores, representadas pelos povos germânicos, as “depositárias”, pelos povos eslavos, e as “destruidoras” ou inferiores, que tinham nos judeus o exemplo paradigmático.


5)- Obcecado com o ideal de pureza racial, Hitler compreendeu a História como uma permanente luta entre as diferentes raças, na qual a raça superior devia utilizar todos os meios necessários para manter sua pureza. A essa visão histórica foi acrescentado o mito da “conspiração judaica mundial”, fortemente difundido em toda a Europa que, entre outras falácias, divulgou a idéia do poder econômico do povo judeu e do seu monopólio dos meios de comunicação. Os judeus foram transformados no bode expiatório e culpados de todos os males pelos quais atravessava a Alemanha, fazendo com que sua eliminação se tornasse um imperativo de Estado.




6)- Muitos ignoram que os campos de extermínio não estavam na Alemanha, mas na Europa do leste. Isso visava pou-par os alemães do “trabalho sujo” e permitia aos poloneses, ucranianos e lituanos, acérrimos anti-semitas de longa data, cola-borar ativamente com o ideal nazista de aniquilação total dos judeus.

7)- Nas cidades polonesas de Jedwabne, Radzilow, Wasosz e Stawinski, por exemplo, os moradores assassinaram milhares de ju-deus, sem nenhuma imposição dos ale-mães. Se algum episódio exemplifica o enraizado anti-semitismo polonês, ele é a matança de judeus depois de finalizada a guerra. O pogrom de Kielce (1946), um entre muitos, permanecerá na história polonesa como um dos maiores atos de covardia coletiva, no qual 42 sobreviventes do Holocausto foram assassinados pelos vizinhos. Por quê? Medo destes de ter de devolver, a seus donos judeus, as casas que haviam ocupado ilegalmente.


*Antropóloga e pesquisadora do Programa de Língua Hebraica, Literatura e Cultura Judaicas da Universidade de São Paulo (USP)

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger